SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE TIRADENTES
PRÁTICAS INTEGRADORAS DO DIREITO I
Naiane da Cruz Novais
EXECUÇÃO PENAL
CONCEITO DE PENA
 Para Delmanto a pena nada mais é que “a imposição da perda ou
diminuição de um bem jurídico, prevista em lei e aplicada pelo órgão
judiciário, a quem praticou ilícito penal. Ela tem finalidade retributiva,
preventiva e ressocializadora”. (DELMANTO, 2002, p. 67)
O sistema penal brasileiro apresenta às penas as seguintes características:
 a. é personalíssima, só atingindo o autor do crime (Constituição Federal, art. 5°
XLV);
 b. a sua aplicação é disciplinada pela lei (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);
 c. é inderrogável, no sentido da certeza de sua aplicação;
 d. é proporcional ao crime (CF, art. 5°, XLVI e XLVII).
 Fernando Capez acrescenta:
 e. anterioridade, onde a lei já deve estar em vigor na época em que for
praticada a infração penal (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);
 e. anterioridade, onde a lei já deve estar em vigor na época em que for
praticada a infração penal (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);
 f. individualidade, a sua imposição e cumprimento deverão ser
individualizados de acordo com a culpabilidade e o mérito do
sentenciado (CF, art. 5°, XLVI);
 g. humanidade, não são admitidas as penas de morte, salvo em caso de
guerra declarada, perpétuas (CP, art.75), de trabalhos forçados, de
banimento e cruéis (CF, art. 5°, XLVII).
Breve História da Pena
 Inicialmente, as penas eram aplicadas como vingança. Ao delinquente era
imposto o mesmo dano ou mal por ele causado, através da aplicação da
famosa máxima: “Oculum pro óculo–dentem pro dente”. O delinquente tinha
que ter um sofrimento igual ao que causou a sua vítima.
 A Idade Média registra o auge da crueldade na repressão: penas capitais e
tortura (amputações de orelhas, nariz, órgãos genitais, marcação com ferro
quente, cegamento, dilacerações dos membros até a morte) eram bastante
empregadas, não só como meio de procedimento, mas como forma de
penalidade.
 Aos poucos, foi se espalhando a ideia de que o cruel prazer de punir não
causavam mais o horror esperado, e a pena não poderia mais objetivar uma
vingança pública, pois, em cada homem, por pior que seja, há alguma
humanidade, que deve ser respeitada. Sem dúvida, a Igreja teve forte
participação para amenizar a aplicação das penas, mas somente por volta da
primeira metade do séc. XIX que os vários tipos de suplícios, com seus castigos
são definitivamente repudiados e banidos.
Pena de Prisão
 Somente no Séc. XVIII é que a prisão foi reconhecida como pena definitiva
em substituição à pena de morte. Eram prisões geralmente subterrâneas e
insalubres, onde os condenados eram amontoados.
Tipos de Penas Previstas no Código
Penal Brasileiro
As penas previstas pelo Código Penal são aquelas estabelecidas em seu art.
32 e seus incisos quais sejam:
 a. privativas de liberdade;
 b. restritivas de direitos; e
 c. pena de multa.
As privativas de liberdade consistem em reclusão, detenção e prisão simples.
Tipos de Penas Previstas no Código
Penal Brasileiro
 a. prestação pecuniária (CP, art. 45 §1°);
 b. perda de bens e valores (CP, art. 45§ 3°);
 c. prestação de serviços à comunidade (CP, art. 46);
 d. à interdição temporária de direitos (CP,art. 47); e
 e. limitação de fim de semana (CP, art. 48).
Regimes de Cumprimento das Penas
 O Código Penal prevê três tipos de regimes para o cumprimento das
penas privativas de liberdade:
 a. fechado: a execução da pena em estabelecimento de segurança
máxima ou média;
 b. semiaberto: a execução da pena em colônia agrícola, industrial ou
estabelecimento similar;
 c. aberto: a execução da pena em casa de albergado ou
estabelecimento adequado.
Finalidade da Pena
a. Retributiva;
b. Preventiva;
c. Ressocializadora.
Direitos dos Condenados
A Constituição Federal em seu art. 5°, XLIX assegura aos presos o respeito à
integridade física e moral;
Assim as torturas e todo tratamento que se davam aos condenados
antigamente, hoje são vedados conforme assegura a Lei Maior.
Segundo Mirabete (2003) “a prisão não deve impor restrições que não sejam
inerentes à própria natureza da pena privativa de liberdade”. (MIRABETE,
2003, p. 259)
Direitos dos Condenados
Os dispositivos que tratam dos direitos do preso na Lei de Execução Penal são
os artigos 40 a 43.
Os direitos do preso, conforme artigo 41 da LEP são:
 I - alimentação suficiente e vestuário;
 II - atribuição de trabalho e sua remuneração;
 III - previdência social:
Direitos dos Condenados
 IV - constituição de pecúlio;
 V - proporcionalidade na distribuição do tempo para o trabalho, o descanso e
a recreação;
 VI - exercício das atividades profissionais, intelectuais, artísticas e desportivas
anteriores, desde que compatíveis com a execução da pena;
 VII - assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa;
 VIII - proteção contra qualquer forma de sensacionalismo;
 IX - entrevista pessoal e reservada com o advogado;
 X - visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos em dias
determinados;
 XI - chamamento nominal;
Direitos dos Condenados
 XII - igualdade de tratamento salvo quanto às exigências da individualização da pena;
 XIII - audiência especial com o diretor do estabelecimento;
 XIV - representação e petição a qualquer autoridade, em defesa de direito;
 XV - contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita, da leitura e de
outros meios de informação que não comprometam a moral e os bons costumes.
 XVI - atestado de pena a cumprir, emitido anualmente, sob pena da responsabilidade da
autoridade judiciária competente.
 Parágrafo único. Os direitos previstos nos incisos V, X e XV poderão ser suspensos ou
restringidos mediante ato motivador do diretor do estabelecimento: a maioria dos direitos
do preso é insuscetível de exclusão, restrição ou suspensão, porém, os previstos nos incisos
V, X e XV podem ser suspensos ou restringidos mediante ato motivado do diretor do
estabelecimento. Assim, decorrentes de fatos ligados à boa ordem, segurança e
disciplina no estabelecimento, permite-se a suspensão ou redução da jornada de
trabalho, da recreação, das visitas e dos contatos com o mundo exterior.
Deveres dos Condenados
Os deveres do condenado estão descritos no artigo 39 da Lei 7.210/84.
 Art. 39. Constituem deveres do condenado:
 I - comportamento disciplinado e cumprimento fiel da sentença;
 II - obediência ao servidor e respeito a qualquer pessoa com quem deva
relacionar-se;
 III - urbanidade e respeito no trato com os demais condenados;
 IV - conduta oposta aos movimentos individuais ou coletivos de fuga ou de
subversão à ordem ou à disciplina;
Deveres dos Condenados
 V - execução do trabalho, das tarefas e das ordens recebidas;
 VI - submissão à sanção disciplinar imposta;
 VII - indenização à vítima ou aos seus sucessores;
 VIII - indenização ao Estado, quando possível, das despesas realizadas com a sua
manutenção, mediante desconto proporcional da remuneração do trabalho;
 IX - higiene pessoal e asseio da cela ou alojamento;
 X - conservação dos objetos de uso pessoal.
Realidade do Sistema Prisional
Brasileiro
“Parece, pois, que treinar homens para a vida livre submetendo-os a
condições de cativeiro, afigura-se tão absurdo como alguém se preparar
para uma corrida, ficando na cama por semanas”. (THOMPSON, 2000, p. 12 e
13)
NÃO ALCANÇANDO A SUA FINALIDADE DE
RESSOCIALIZAÇÃO, O SISTEMA
PENITENCIÁRIO BRASILEIRO SE ENCONTRA
FALIDO.
Fonte: http://www.cidadeverde.com
Fonte: DEPEN 31/12/2008
Redução da Maioridade Penal
 Já responsabilizamos adolescentes em ato infracional (ECA);
 O índice de reincidência nas prisões é de 70%;
 O sistema prisional brasileiro não suporta mais pessoas;
 Reduzir a maioridade penal não reduz a violência;
 Reduzir a maioridade penal é tratar o efeito, não a causa;
 Educar é melhor e mais eficiente do que punir.
Conclusão
A privação da liberdade é, em alguns casos, necessária para a sociedade,
mas é necessário que se tomem medidas de forma a ressocializar o preso,
alcançando o fim penal. Atualmente a Lei é inaplicável diante da falta de
estrutura governamental.
REFERÊNCIAS:
 CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: parte geral. 6.ed. São Paulo:
Saraiva, 2003.
 JESUS, Damásio E. de. Direito Penal: parte geral. 28.ed. São Paulo: Saraiva,
2005.
 https://18razoes.wordpress.com/quem-somos/
 http://www.ambito-
juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=1299
 http://www.ambito-
juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=230
5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Helíssia Coimbra
 
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)Direitos e garantias fundamentais (parte 1)
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)Nilberte
 
Respostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da penaRespostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da penaRafa1317
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geraledgardrey
 
Classificação dos contratos - CIVIL 3
Classificação dos contratos  - CIVIL 3Classificação dos contratos  - CIVIL 3
Classificação dos contratos - CIVIL 3tuliomedeiross
 
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferraz
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferrazApostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferraz
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferrazANTONIO INACIO FERRAZ
 
Criminologia slides completos
Criminologia slides completosCriminologia slides completos
Criminologia slides completosGesiel Oliveira
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasPitágoras
 
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...Fabiana Del Padre Tomé
 
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.pptAULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.pptLviaMiranda13
 
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOS
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOSDECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOS
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOSRicardo Torques
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito TributárioGrupo VAHALI
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaçoUrbano Felix Pugliese
 
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Tércio De Santana
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidadeNilo Tavares
 

Mais procurados (20)

Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
 
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
 
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
Teoria Geral das Provas (Direito Processual Civil II - NCPC)
 
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)Direitos e garantias fundamentais (parte 1)
Direitos e garantias fundamentais (parte 1)
 
Respostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da penaRespostas exercícios cálculo da pena
Respostas exercícios cálculo da pena
 
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
Teoria Geral dos Recursos Processo Penal
 
Direito penal slides - parte geral
Direito penal   slides - parte geralDireito penal   slides - parte geral
Direito penal slides - parte geral
 
Previdenciário
PrevidenciárioPrevidenciário
Previdenciário
 
Classificação dos contratos - CIVIL 3
Classificação dos contratos  - CIVIL 3Classificação dos contratos  - CIVIL 3
Classificação dos contratos - CIVIL 3
 
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferraz
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferrazApostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferraz
Apostila direito processual penal/Luiz Flávio Gomes-antonio inacio ferraz
 
Criminologia slides completos
Criminologia slides completosCriminologia slides completos
Criminologia slides completos
 
Direito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicasDireito civil pessoas juridicas
Direito civil pessoas juridicas
 
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
 
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.pptAULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
AULA 02 - CONTRATOS - Interpretação e classificação.ppt
 
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOS
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOSDECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOS
DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ESQUEMATIZADA PARA CONCURSOS
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Direito penal i lei penal no espaço
Direito penal i   lei penal no espaçoDireito penal i   lei penal no espaço
Direito penal i lei penal no espaço
 
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
Fontes e Princípios do Direito Civil - Aula 001
 
Civil apresentação 1
Civil apresentação 1Civil apresentação 1
Civil apresentação 1
 
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
2012.1 semana 4   direitos da personalidade2012.1 semana 4   direitos da personalidade
2012.1 semana 4 direitos da personalidade
 

Destaque

Rogério sanches execução penal para concursos (2012)
Rogério sanches   execução penal para concursos (2012)Rogério sanches   execução penal para concursos (2012)
Rogério sanches execução penal para concursos (2012)Gabriela Do Socorro
 
Processo civil x processo penal resumo de aulas
Processo civil x processo penal   resumo de aulasProcesso civil x processo penal   resumo de aulas
Processo civil x processo penal resumo de aulasArnaldo Alves de Alvarenga
 
Estudos de psicologia juridica 14-03
Estudos de psicologia juridica   14-03Estudos de psicologia juridica   14-03
Estudos de psicologia juridica 14-03030599jul
 
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídica
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídicaAula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídica
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídicajulilp10
 
Resumo penal fred
Resumo penal fredResumo penal fred
Resumo penal fredvanessio
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Fábio Peres
 
O papel d..
O papel d..O papel d..
O papel d..88695951
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoThiago Véras
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontocandidacbertao
 

Destaque (11)

Rogério sanches execução penal para concursos (2012)
Rogério sanches   execução penal para concursos (2012)Rogério sanches   execução penal para concursos (2012)
Rogério sanches execução penal para concursos (2012)
 
Processo civil x processo penal resumo de aulas
Processo civil x processo penal   resumo de aulasProcesso civil x processo penal   resumo de aulas
Processo civil x processo penal resumo de aulas
 
Estudos de psicologia juridica 14-03
Estudos de psicologia juridica   14-03Estudos de psicologia juridica   14-03
Estudos de psicologia juridica 14-03
 
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídica
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídicaAula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídica
Aula 4 texto 2 breve histórico psicologia jurídica
 
Resumo penal fred
Resumo penal fredResumo penal fred
Resumo penal fred
 
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
Resumo de matéria do 7º semestre - Guilherme Madeira - Processo Penal (não te...
 
O papel d..
O papel d..O papel d..
O papel d..
 
Resumo contravenção penal
Resumo contravenção penalResumo contravenção penal
Resumo contravenção penal
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
 
Resumo ECA
Resumo  ECAResumo  ECA
Resumo ECA
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 

Semelhante a Sistema penitenciário brasileiro falido não cumpre função ressocializadora

Oficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penalOficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal ii teoria geral da pena
Direito penal ii teoria geral da penaDireito penal ii teoria geral da pena
Direito penal ii teoria geral da penavolemar
 
Teoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaTeoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaHenrique Araújo
 
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...Vídeo Aulas Apoio
 
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL CRISE NO SISTEMA PRISIONAL
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL Maria Campillay
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito2012sl08
 
Leis, sistema penal e os DHs
Leis, sistema penal e os DHsLeis, sistema penal e os DHs
Leis, sistema penal e os DHsPaulo Alexandre
 
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário Brasileiro
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário BrasileiroO pacto de san josé frente ao sistema penitenciário Brasileiro
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário BrasileiroRubens Junior
 
Direito penal 1ª apostila
Direito penal 1ª apostilaDireito penal 1ª apostila
Direito penal 1ª apostilaDireito2012sl08
 
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIAIgor F. Barros Silva Dias
 
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaAdvogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaPolibio Braga
 
Aula 04 Direito Constitucional
Aula 04 Direito ConstitucionalAula 04 Direito Constitucional
Aula 04 Direito ConstitucionalMichele Castro
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penasVivi Velozo
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualcrisdupret
 
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa rica
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa ricaPrisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa rica
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa ricaMatheusFagundes20
 
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da Pena
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da PenaDireito Penal II - 4º Semestre - Teoria da Pena
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da PenaFábio Peres
 
Trabalho direitos fundamentais formatado
Trabalho direitos fundamentais   formatadoTrabalho direitos fundamentais   formatado
Trabalho direitos fundamentais formatadosandraguima
 

Semelhante a Sistema penitenciário brasileiro falido não cumpre função ressocializadora (20)

Oficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penalOficina de novidades do direito penal
Oficina de novidades do direito penal
 
Direito penal ii teoria geral da pena
Direito penal ii teoria geral da penaDireito penal ii teoria geral da pena
Direito penal ii teoria geral da pena
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 
Sistemas Penais
Sistemas PenaisSistemas Penais
Sistemas Penais
 
Teoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostilaTeoria geral da pena apostila
Teoria geral da pena apostila
 
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...
www.CentroApoio.com - Direito Constitucional - Módulo 3 - DIREITOS INDIVIDUAI...
 
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL CRISE NO SISTEMA PRISIONAL
CRISE NO SISTEMA PRISIONAL
 
Direito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostilaDireito penal 10ª apostila
Direito penal 10ª apostila
 
Leis, sistema penal e os DHs
Leis, sistema penal e os DHsLeis, sistema penal e os DHs
Leis, sistema penal e os DHs
 
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário Brasileiro
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário BrasileiroO pacto de san josé frente ao sistema penitenciário Brasileiro
O pacto de san josé frente ao sistema penitenciário Brasileiro
 
Direito penal 1ª apostila
Direito penal 1ª apostilaDireito penal 1ª apostila
Direito penal 1ª apostila
 
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
"BAR BODEGA: UM CRIME DE IMPRENSA" – UMA BREVE ANÁLISE JURÍDICO-LITERÁRIA
 
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanhaAdvogados publicam manifesto e lançam campanha
Advogados publicam manifesto e lançam campanha
 
Aula 04 Direito Constitucional
Aula 04 Direito ConstitucionalAula 04 Direito Constitucional
Aula 04 Direito Constitucional
 
Dos Delitos e das penas
 Dos Delitos e das penas Dos Delitos e das penas
Dos Delitos e das penas
 
Trabalho de penal
Trabalho de penalTrabalho de penal
Trabalho de penal
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individual
 
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa rica
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa ricaPrisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa rica
Prisão civil: na constituição e o pacto de são josé da costa rica
 
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da Pena
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da PenaDireito Penal II - 4º Semestre - Teoria da Pena
Direito Penal II - 4º Semestre - Teoria da Pena
 
Trabalho direitos fundamentais formatado
Trabalho direitos fundamentais   formatadoTrabalho direitos fundamentais   formatado
Trabalho direitos fundamentais formatado
 

Sistema penitenciário brasileiro falido não cumpre função ressocializadora

  • 1. UNIVERSIDADE TIRADENTES PRÁTICAS INTEGRADORAS DO DIREITO I Naiane da Cruz Novais
  • 3. CONCEITO DE PENA  Para Delmanto a pena nada mais é que “a imposição da perda ou diminuição de um bem jurídico, prevista em lei e aplicada pelo órgão judiciário, a quem praticou ilícito penal. Ela tem finalidade retributiva, preventiva e ressocializadora”. (DELMANTO, 2002, p. 67)
  • 4. O sistema penal brasileiro apresenta às penas as seguintes características:  a. é personalíssima, só atingindo o autor do crime (Constituição Federal, art. 5° XLV);  b. a sua aplicação é disciplinada pela lei (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);  c. é inderrogável, no sentido da certeza de sua aplicação;  d. é proporcional ao crime (CF, art. 5°, XLVI e XLVII).  Fernando Capez acrescenta:  e. anterioridade, onde a lei já deve estar em vigor na época em que for praticada a infração penal (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);
  • 5.  e. anterioridade, onde a lei já deve estar em vigor na época em que for praticada a infração penal (CP, art. 1°, e CF, art. 5°, XXXIX);  f. individualidade, a sua imposição e cumprimento deverão ser individualizados de acordo com a culpabilidade e o mérito do sentenciado (CF, art. 5°, XLVI);  g. humanidade, não são admitidas as penas de morte, salvo em caso de guerra declarada, perpétuas (CP, art.75), de trabalhos forçados, de banimento e cruéis (CF, art. 5°, XLVII).
  • 6. Breve História da Pena  Inicialmente, as penas eram aplicadas como vingança. Ao delinquente era imposto o mesmo dano ou mal por ele causado, através da aplicação da famosa máxima: “Oculum pro óculo–dentem pro dente”. O delinquente tinha que ter um sofrimento igual ao que causou a sua vítima.  A Idade Média registra o auge da crueldade na repressão: penas capitais e tortura (amputações de orelhas, nariz, órgãos genitais, marcação com ferro quente, cegamento, dilacerações dos membros até a morte) eram bastante empregadas, não só como meio de procedimento, mas como forma de penalidade.  Aos poucos, foi se espalhando a ideia de que o cruel prazer de punir não causavam mais o horror esperado, e a pena não poderia mais objetivar uma vingança pública, pois, em cada homem, por pior que seja, há alguma humanidade, que deve ser respeitada. Sem dúvida, a Igreja teve forte participação para amenizar a aplicação das penas, mas somente por volta da primeira metade do séc. XIX que os vários tipos de suplícios, com seus castigos são definitivamente repudiados e banidos.
  • 7. Pena de Prisão  Somente no Séc. XVIII é que a prisão foi reconhecida como pena definitiva em substituição à pena de morte. Eram prisões geralmente subterrâneas e insalubres, onde os condenados eram amontoados.
  • 8. Tipos de Penas Previstas no Código Penal Brasileiro As penas previstas pelo Código Penal são aquelas estabelecidas em seu art. 32 e seus incisos quais sejam:  a. privativas de liberdade;  b. restritivas de direitos; e  c. pena de multa. As privativas de liberdade consistem em reclusão, detenção e prisão simples.
  • 9. Tipos de Penas Previstas no Código Penal Brasileiro  a. prestação pecuniária (CP, art. 45 §1°);  b. perda de bens e valores (CP, art. 45§ 3°);  c. prestação de serviços à comunidade (CP, art. 46);  d. à interdição temporária de direitos (CP,art. 47); e  e. limitação de fim de semana (CP, art. 48).
  • 10. Regimes de Cumprimento das Penas  O Código Penal prevê três tipos de regimes para o cumprimento das penas privativas de liberdade:  a. fechado: a execução da pena em estabelecimento de segurança máxima ou média;  b. semiaberto: a execução da pena em colônia agrícola, industrial ou estabelecimento similar;  c. aberto: a execução da pena em casa de albergado ou estabelecimento adequado.
  • 11. Finalidade da Pena a. Retributiva; b. Preventiva; c. Ressocializadora.
  • 12. Direitos dos Condenados A Constituição Federal em seu art. 5°, XLIX assegura aos presos o respeito à integridade física e moral; Assim as torturas e todo tratamento que se davam aos condenados antigamente, hoje são vedados conforme assegura a Lei Maior. Segundo Mirabete (2003) “a prisão não deve impor restrições que não sejam inerentes à própria natureza da pena privativa de liberdade”. (MIRABETE, 2003, p. 259)
  • 13. Direitos dos Condenados Os dispositivos que tratam dos direitos do preso na Lei de Execução Penal são os artigos 40 a 43. Os direitos do preso, conforme artigo 41 da LEP são:  I - alimentação suficiente e vestuário;  II - atribuição de trabalho e sua remuneração;  III - previdência social:
  • 14. Direitos dos Condenados  IV - constituição de pecúlio;  V - proporcionalidade na distribuição do tempo para o trabalho, o descanso e a recreação;  VI - exercício das atividades profissionais, intelectuais, artísticas e desportivas anteriores, desde que compatíveis com a execução da pena;  VII - assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa;  VIII - proteção contra qualquer forma de sensacionalismo;  IX - entrevista pessoal e reservada com o advogado;  X - visita do cônjuge, da companheira, de parentes e amigos em dias determinados;  XI - chamamento nominal;
  • 15. Direitos dos Condenados  XII - igualdade de tratamento salvo quanto às exigências da individualização da pena;  XIII - audiência especial com o diretor do estabelecimento;  XIV - representação e petição a qualquer autoridade, em defesa de direito;  XV - contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita, da leitura e de outros meios de informação que não comprometam a moral e os bons costumes.  XVI - atestado de pena a cumprir, emitido anualmente, sob pena da responsabilidade da autoridade judiciária competente.  Parágrafo único. Os direitos previstos nos incisos V, X e XV poderão ser suspensos ou restringidos mediante ato motivador do diretor do estabelecimento: a maioria dos direitos do preso é insuscetível de exclusão, restrição ou suspensão, porém, os previstos nos incisos V, X e XV podem ser suspensos ou restringidos mediante ato motivado do diretor do estabelecimento. Assim, decorrentes de fatos ligados à boa ordem, segurança e disciplina no estabelecimento, permite-se a suspensão ou redução da jornada de trabalho, da recreação, das visitas e dos contatos com o mundo exterior.
  • 16. Deveres dos Condenados Os deveres do condenado estão descritos no artigo 39 da Lei 7.210/84.  Art. 39. Constituem deveres do condenado:  I - comportamento disciplinado e cumprimento fiel da sentença;  II - obediência ao servidor e respeito a qualquer pessoa com quem deva relacionar-se;  III - urbanidade e respeito no trato com os demais condenados;  IV - conduta oposta aos movimentos individuais ou coletivos de fuga ou de subversão à ordem ou à disciplina;
  • 17. Deveres dos Condenados  V - execução do trabalho, das tarefas e das ordens recebidas;  VI - submissão à sanção disciplinar imposta;  VII - indenização à vítima ou aos seus sucessores;  VIII - indenização ao Estado, quando possível, das despesas realizadas com a sua manutenção, mediante desconto proporcional da remuneração do trabalho;  IX - higiene pessoal e asseio da cela ou alojamento;  X - conservação dos objetos de uso pessoal.
  • 18. Realidade do Sistema Prisional Brasileiro “Parece, pois, que treinar homens para a vida livre submetendo-os a condições de cativeiro, afigura-se tão absurdo como alguém se preparar para uma corrida, ficando na cama por semanas”. (THOMPSON, 2000, p. 12 e 13)
  • 19. NÃO ALCANÇANDO A SUA FINALIDADE DE RESSOCIALIZAÇÃO, O SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO SE ENCONTRA FALIDO. Fonte: http://www.cidadeverde.com
  • 21. Redução da Maioridade Penal  Já responsabilizamos adolescentes em ato infracional (ECA);  O índice de reincidência nas prisões é de 70%;  O sistema prisional brasileiro não suporta mais pessoas;  Reduzir a maioridade penal não reduz a violência;  Reduzir a maioridade penal é tratar o efeito, não a causa;  Educar é melhor e mais eficiente do que punir.
  • 22. Conclusão A privação da liberdade é, em alguns casos, necessária para a sociedade, mas é necessário que se tomem medidas de forma a ressocializar o preso, alcançando o fim penal. Atualmente a Lei é inaplicável diante da falta de estrutura governamental.
  • 23. REFERÊNCIAS:  CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: parte geral. 6.ed. São Paulo: Saraiva, 2003.  JESUS, Damásio E. de. Direito Penal: parte geral. 28.ed. São Paulo: Saraiva, 2005.  https://18razoes.wordpress.com/quem-somos/  http://www.ambito- juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=1299  http://www.ambito- juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=230 5