SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Relações entre condição corporal, peso
vivo e produção de leite de vacas leiteiras
mantidas em pastagens
Vários estudos têm quantificado os efeitos da condição corporal e peso vivo na produção e
reprodução de vacas leiteiras, fatores sobre os quais a energia tem grande influência, uma
vez que praticamente todos os programas de cruzamento direcionam a genética para a
produção de leite, sem muita consideração sobre outros fatores que não são produtivos. Isso
resultou em vacas que mobilizam prontamente suas reservas para suportar a lactação, só
recuperando a condição corporal perdida quando a energia suprida para produção de leite,
mantença e gestação é consumida. Portanto, estoque de energia é o componente chave para
a produção de leite.
A associação entre condição corporal e produção de leite foi alvo da pesquisa nos últimos
30 anos, e ainda nos dias atuais necessitamos de maiores pesquisas para esgotar o assunto.
Pesquisas datada do inicio dos anos 70 relatavam que se aumentava a produção de gordura
do leite em 187 kg (310 dias de lactação) para um aumento de 2,0 para 3,5 na condição
corporal.
A maioria das pesquisas com vacas sob pastejo tem reportado uma associação positiva entre
peso ao parto e produção de leite. Entretanto, esses estudos foram realizados com pequeno
número de animais e somente foram examinados 2 ou 3 pontos na escala de escore de
condição corporal, não sendo portanto acurado o suficiente para determinação da condição
ótima para peso ao parto de vacas em pastejo, principalmente quando nos reportamos em
sistemas que exploram pastagens de clima tropical.
A pesquisa já foi capaz de identificar que existe uma associação significante entre peso
vivo, variação de peso vivo com a fertilidade, saúde e produção de leite. Portanto, um
entendimento do efeito do peso vivo na produção de leite em sistemas que exploram
pastagens poderia ser utilizado para tomada de decisão sobre o manejo a ser empregado.
Assim, um trabalho foi desenvolvido para quantificar a direção e a força das associações
entre condição corporal, peso vivo e produção de leite, para vacas mantidas em sistemas de
pastagens. Os dados que aqui serão apresentados foram tomados a partir de 2.635 lactações
de 897 vacas, das quais 374 eram Jersey, as demais eram Holandesas pretas e brancas.
O escore de condição corporal ficou na média em 2,84 no pré-parto, 2,85 no parto e 2,52 no
pós-parto (até 180 dias). O peso vivo variou de 468 no pré-parto, 447 no parto e 390 no pós-
parto.
Com relação à produção de leite, dados interessantes foram observados. A condição
corporal de 8 semanas antes do parto foi positivamente associada com o tamanho e perfil da
lactação subseqüente, por aumentar o pico de lactação ao aumentar o escore de condição
corporal no período seco, aumentando o volume de leite produzido na lactação. Foi
verificada uma associação negativa entre condição corporal no pré-parto e a taxa de queda
da lactação após o pico, refletindo uma maior perda de persistência de lactação em vacas
obesas 8 semanas antes do parto.
Embora o escore antes do parto afete o volume de leite produzido, este não afeta a forma da
curva de lactação. A única modificação observada é que a medida que se abaixa o escore
corporal, antecipa-se o pico de lactação, sendo na relação de 2,8 dias para cada unidade de
escore corporal.
Por outro lado, a condição corporal no parto e após o parto não esteve associada com a
produção de leite. O perfil das lactações com vacas parindo com diferentes condições
corporais estão ilustrados nas Figuras 1 e 2.
Figura 1. Perfil de lactação para vacas parindo com escore de condição corporal de
1,75 (◆), 2,0 ( ), 2,25 (▲), 2,5 (x), 2,75 (*), 3,0 ( ).
Figura 2. Perfil da produção de leite corrigida para 4% de gordura de vacas parindo
com escore de condição corporal de 1,75 (◆), 2,0 ( ), 2,25 (▲), 2,5 (x), 2,75 (*), 3,0 ( ).
A melhor curva de lactação, melhor persistência para produção de leite corrigida para
gordura foi obtido quando as vacas pariram com escore entre 3,0 e 3,25, com variação para
2 a 2,25 ao longo da lactação (Figura 3).
Figura 3. Efeito não linear do escore corporal ao parto nos primeiros 60 de lactação (
) e produção de leite corrigida para 4% de gordura ( ), produção de leite aos 270 dias
de lactação ( ) e produção corrigida para 4% de gordura ( ), produção de leite no
pico ( ) e produção de leite corrigida para 4% de gordura ( ).
A composição do leite, em especial a gordura, apresentou tendência a aumentar com o
aumento da condição corporal e peso vivo. Os efeitos foram maiores para vacas mais jovens
e para as vacas da raça Jersey, comparativamente as vacas Holandesas. Na média, um ponto
no escore aumentou 0,1 unidades percentuais no teor de gordura do leite.
Considerações finais
É consistente o efeito da condição corporal das vacas sobre a produção de leite. A condição
de escore ótima no momento do parto é aproximadamente 3,25 pontos, na escala de 1 a 5, e
6,5 na escala de 1 a 10.
Cuidado deve ser dado a criação de novilhas, a ponto de não deixarem ficar obesas, o que
resulta em menor desenvolvimento do tecido parenquimal mamário, e subseqüente menor
produção de leite.
Fonte:
J. Dairy Sci. 2007. 90:3802-3815
http://www.milkpoint.com.br/artigos-tecnicos/nutricao/relacoes-entre-condicao-corporal-
peso-vivo-e-producao-de-leite-de-vacas-leiteiras-mantidas-em-pastagens-38314n.aspx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoAgriPoint
 
Avaliação nutricional pré natal
Avaliação nutricional pré natalAvaliação nutricional pré natal
Avaliação nutricional pré natalIone Milhomem
 
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013Mayara Martins
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaAgriPoint
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de BezerrasAgriPoint
 
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacional
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso GestacionalAvaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacional
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacionalmarianagusmao39
 
The Vital 90 - Elanco
The Vital 90 - ElancoThe Vital 90 - Elanco
The Vital 90 - ElancoAgriPoint
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Viviane da Silva
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASAgriPoint
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraMarília Gomes
 
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadasIncidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadasunipampagepa
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezmarianagusmao39
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestação
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestaçãoTenha seu corpo de volta mais rápido após a gestação
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestaçãofigueiredo5
 
Alguns micronutrientes essenciais na gestação
Alguns micronutrientes essenciais na gestaçãoAlguns micronutrientes essenciais na gestação
Alguns micronutrientes essenciais na gestaçãoNubia Oliveira
 
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?Rural Pecuária
 

Mais procurados (19)

E book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transiçãoE book gratuito - Vacas em transição
E book gratuito - Vacas em transição
 
Avaliação nutricional pré natal
Avaliação nutricional pré natalAvaliação nutricional pré natal
Avaliação nutricional pré natal
 
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
Apresentação William Koury - Dia de Campo Nelore Grendene 2013
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacional
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso GestacionalAvaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacional
Avaliação do Estado Nutricional e do Ganho de peso Gestacional
 
Compacta nutgest
Compacta nutgestCompacta nutgest
Compacta nutgest
 
Fagioli
FagioliFagioli
Fagioli
 
The Vital 90 - Elanco
The Vital 90 - ElancoThe Vital 90 - Elanco
The Vital 90 - Elanco
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadasIncidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestação
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestaçãoTenha seu corpo de volta mais rápido após a gestação
Tenha seu corpo de volta mais rápido após a gestação
 
Creche
CrecheCreche
Creche
 
Alguns micronutrientes essenciais na gestação
Alguns micronutrientes essenciais na gestaçãoAlguns micronutrientes essenciais na gestação
Alguns micronutrientes essenciais na gestação
 
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?
Como saber o peso das novilhas leiteira sem balança?
 

Destaque

Destaque (20)

Persdsn
PersdsnPersdsn
Persdsn
 
1
11
1
 
Portaria seguro escolar
Portaria seguro escolarPortaria seguro escolar
Portaria seguro escolar
 
Sandra yaneth triana miranda actividad1_mapa_c
Sandra yaneth triana miranda actividad1_mapa_cSandra yaneth triana miranda actividad1_mapa_c
Sandra yaneth triana miranda actividad1_mapa_c
 
Ae ds hotel brochure
Ae ds hotel brochureAe ds hotel brochure
Ae ds hotel brochure
 
Amajd Ali AACM Approval
Amajd Ali AACM ApprovalAmajd Ali AACM Approval
Amajd Ali AACM Approval
 
Mirna Mahmoud Hefiela
Mirna Mahmoud Hefiela Mirna Mahmoud Hefiela
Mirna Mahmoud Hefiela
 
A girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmoA girafa e o mede palmo
A girafa e o mede palmo
 
σουίνγκ
σουίνγκσουίνγκ
σουίνγκ
 
Gerencia de proyectos de tecnología educativa
Gerencia de proyectos de tecnología educativaGerencia de proyectos de tecnología educativa
Gerencia de proyectos de tecnología educativa
 
дослідження африки
дослідження африкидослідження африки
дослідження африки
 
Masih kabaingay
Masih kabaingayMasih kabaingay
Masih kabaingay
 
Test 1
Test 1Test 1
Test 1
 
1
11
1
 
Documento1
Documento1Documento1
Documento1
 
Norma 02 2013
Norma 02 2013Norma 02 2013
Norma 02 2013
 
Traumatismos y urgencias oftalmólogicas
Traumatismos y urgencias oftalmólogicasTraumatismos y urgencias oftalmólogicas
Traumatismos y urgencias oftalmólogicas
 
Incomepass PRO: Quick Intro
Incomepass PRO: Quick IntroIncomepass PRO: Quick Intro
Incomepass PRO: Quick Intro
 
Gerencia de-proyectos-de-tecn-educativa-yesid castañeda
Gerencia de-proyectos-de-tecn-educativa-yesid castañedaGerencia de-proyectos-de-tecn-educativa-yesid castañeda
Gerencia de-proyectos-de-tecn-educativa-yesid castañeda
 
Ejercicio n° 10 auditoria de documentacion elementos basicos
Ejercicio n° 10 auditoria de documentacion elementos basicosEjercicio n° 10 auditoria de documentacion elementos basicos
Ejercicio n° 10 auditoria de documentacion elementos basicos
 

Semelhante a Relação entre condição corporal, peso e produção de leite em vacas pastoreiras

Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?MilkPoint
 
curva de lactação.pptx
curva de lactação.pptxcurva de lactação.pptx
curva de lactação.pptxhelidaleao
 
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...coisaboa
 
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpinaProdução de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpinagecoufba
 
1782011 075240-santana1162
1782011 075240-santana11621782011 075240-santana1162
1782011 075240-santana1162gecoufba
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestanteLourdes Piedade
 
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao VacasBeefPoint
 
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leiteAline Mendes Luciano
 
Estudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinEstudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinAgriPoint
 
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...AgriPoint
 
necessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptnecessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptMichelSantos814684
 
necessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptnecessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptMiltonFernandes41
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxhelidaleao
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxGabrielMirandaMacamb
 
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdf
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdfNecessidades Nutricionais_CV_noturno.pdf
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdfJaciara41
 
Apresentação+gestante
Apresentação+gestanteApresentação+gestante
Apresentação+gestantetvf
 

Semelhante a Relação entre condição corporal, peso e produção de leite em vacas pastoreiras (20)

Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?Você ainda acredita que bST é tudo igual?
Você ainda acredita que bST é tudo igual?
 
curva de lactação.pptx
curva de lactação.pptxcurva de lactação.pptx
curva de lactação.pptx
 
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...
Avaliação de escore condição corporal (ECC) de matrizes zebuínas com diferent...
 
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdfFisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
 
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpinaProdução de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
Produção de leite e duração da lactação de cabras da raça pardo alpina
 
1782011 075240-santana1162
1782011 075240-santana11621782011 075240-santana1162
1782011 075240-santana1162
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas
15 091022 Luciano Nussio Bellman Suplementacao Vacas
 
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite89899936 apostila-tecnologia-de-leite
89899936 apostila-tecnologia-de-leite
 
Estudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostinEstudo somatotropina boostin
Estudo somatotropina boostin
 
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bS...
 
necessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptnecessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.ppt
 
necessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.pptnecessidade nutricional-12.ppt
necessidade nutricional-12.ppt
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
 
21
2121
21
 
Av.nut.gestante
Av.nut.gestanteAv.nut.gestante
Av.nut.gestante
 
22889
2288922889
22889
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
 
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdf
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdfNecessidades Nutricionais_CV_noturno.pdf
Necessidades Nutricionais_CV_noturno.pdf
 
Apresentação+gestante
Apresentação+gestanteApresentação+gestante
Apresentação+gestante
 

Relação entre condição corporal, peso e produção de leite em vacas pastoreiras

  • 1. Relações entre condição corporal, peso vivo e produção de leite de vacas leiteiras mantidas em pastagens Vários estudos têm quantificado os efeitos da condição corporal e peso vivo na produção e reprodução de vacas leiteiras, fatores sobre os quais a energia tem grande influência, uma vez que praticamente todos os programas de cruzamento direcionam a genética para a produção de leite, sem muita consideração sobre outros fatores que não são produtivos. Isso resultou em vacas que mobilizam prontamente suas reservas para suportar a lactação, só recuperando a condição corporal perdida quando a energia suprida para produção de leite, mantença e gestação é consumida. Portanto, estoque de energia é o componente chave para a produção de leite. A associação entre condição corporal e produção de leite foi alvo da pesquisa nos últimos 30 anos, e ainda nos dias atuais necessitamos de maiores pesquisas para esgotar o assunto. Pesquisas datada do inicio dos anos 70 relatavam que se aumentava a produção de gordura do leite em 187 kg (310 dias de lactação) para um aumento de 2,0 para 3,5 na condição corporal. A maioria das pesquisas com vacas sob pastejo tem reportado uma associação positiva entre peso ao parto e produção de leite. Entretanto, esses estudos foram realizados com pequeno número de animais e somente foram examinados 2 ou 3 pontos na escala de escore de condição corporal, não sendo portanto acurado o suficiente para determinação da condição ótima para peso ao parto de vacas em pastejo, principalmente quando nos reportamos em sistemas que exploram pastagens de clima tropical. A pesquisa já foi capaz de identificar que existe uma associação significante entre peso vivo, variação de peso vivo com a fertilidade, saúde e produção de leite. Portanto, um entendimento do efeito do peso vivo na produção de leite em sistemas que exploram pastagens poderia ser utilizado para tomada de decisão sobre o manejo a ser empregado. Assim, um trabalho foi desenvolvido para quantificar a direção e a força das associações entre condição corporal, peso vivo e produção de leite, para vacas mantidas em sistemas de pastagens. Os dados que aqui serão apresentados foram tomados a partir de 2.635 lactações de 897 vacas, das quais 374 eram Jersey, as demais eram Holandesas pretas e brancas. O escore de condição corporal ficou na média em 2,84 no pré-parto, 2,85 no parto e 2,52 no pós-parto (até 180 dias). O peso vivo variou de 468 no pré-parto, 447 no parto e 390 no pós- parto. Com relação à produção de leite, dados interessantes foram observados. A condição corporal de 8 semanas antes do parto foi positivamente associada com o tamanho e perfil da lactação subseqüente, por aumentar o pico de lactação ao aumentar o escore de condição corporal no período seco, aumentando o volume de leite produzido na lactação. Foi verificada uma associação negativa entre condição corporal no pré-parto e a taxa de queda da lactação após o pico, refletindo uma maior perda de persistência de lactação em vacas obesas 8 semanas antes do parto.
  • 2. Embora o escore antes do parto afete o volume de leite produzido, este não afeta a forma da curva de lactação. A única modificação observada é que a medida que se abaixa o escore corporal, antecipa-se o pico de lactação, sendo na relação de 2,8 dias para cada unidade de escore corporal. Por outro lado, a condição corporal no parto e após o parto não esteve associada com a produção de leite. O perfil das lactações com vacas parindo com diferentes condições corporais estão ilustrados nas Figuras 1 e 2. Figura 1. Perfil de lactação para vacas parindo com escore de condição corporal de 1,75 (◆), 2,0 ( ), 2,25 (▲), 2,5 (x), 2,75 (*), 3,0 ( ). Figura 2. Perfil da produção de leite corrigida para 4% de gordura de vacas parindo com escore de condição corporal de 1,75 (◆), 2,0 ( ), 2,25 (▲), 2,5 (x), 2,75 (*), 3,0 ( ). A melhor curva de lactação, melhor persistência para produção de leite corrigida para
  • 3. gordura foi obtido quando as vacas pariram com escore entre 3,0 e 3,25, com variação para 2 a 2,25 ao longo da lactação (Figura 3). Figura 3. Efeito não linear do escore corporal ao parto nos primeiros 60 de lactação ( ) e produção de leite corrigida para 4% de gordura ( ), produção de leite aos 270 dias de lactação ( ) e produção corrigida para 4% de gordura ( ), produção de leite no pico ( ) e produção de leite corrigida para 4% de gordura ( ). A composição do leite, em especial a gordura, apresentou tendência a aumentar com o aumento da condição corporal e peso vivo. Os efeitos foram maiores para vacas mais jovens e para as vacas da raça Jersey, comparativamente as vacas Holandesas. Na média, um ponto no escore aumentou 0,1 unidades percentuais no teor de gordura do leite. Considerações finais É consistente o efeito da condição corporal das vacas sobre a produção de leite. A condição de escore ótima no momento do parto é aproximadamente 3,25 pontos, na escala de 1 a 5, e 6,5 na escala de 1 a 10. Cuidado deve ser dado a criação de novilhas, a ponto de não deixarem ficar obesas, o que resulta em menor desenvolvimento do tecido parenquimal mamário, e subseqüente menor produção de leite. Fonte: J. Dairy Sci. 2007. 90:3802-3815 http://www.milkpoint.com.br/artigos-tecnicos/nutricao/relacoes-entre-condicao-corporal- peso-vivo-e-producao-de-leite-de-vacas-leiteiras-mantidas-em-pastagens-38314n.aspx