POLÍTICA DO FILHO ÚNICO
 A política do filho único é uma política
implantada pelo governo Chinês na década
de 70 e tem como finalidade tentar con...
 Na Lei, fica extremamente proibido a qualquer
casal, ter mais de um filho. Se isso for
desrespeitado, o estado Chinês se...
 A política do filho único conseguiu evitar que a
população da China chegasse a crescer cerca de
400 milhões nos últimos ...
 Mas como toda lei, assim como toda regra, há sua
exceção. E é justamente ela que causa muitas
criticas atualmente na Chi...
 O governo parte do principio que quanto mais
pessoas estiverem trabalhando no campo para
produzir tais suprimentos e aba...
 Outras criticas severas a essa lei, deve-se a que
quanto mais segue-se a risca essa lei, mais
abortos são gerados, princ...
 Com isso, se o casal tiver um filho do sexo
feminino passa por um problema gravíssimo ético e
cultural, pois tendo uma f...
ZEES – ZONAS ECONÔMICAS ESPECIAIS
 A China vivenciou um tipo de industrialização que
se diferenciou da maioria dos proces...
 As ZEEs da China foram criadas pelo Governo
Deng Xiaoping (1982-1987) e foram mantidas pelos
governos ulteriores. Elas s...
 As Zonas Econômicas Especiais, nesse sentido,
consistem em áreas especificamente destinadas
para o direcionamento da ati...
 Outra característica das Zonas Econômicas
Especiais é o fator empregatício, haja vista que a
instalação das fábricas e i...
 Do outro lado, as multinacionais também se viram
bastante favorecidas pelo processo de abertura da
economia chinesa pela...
 O fato de a população da China equivaler a
aproximadamente um quinto da população
mundial foi um dos principais fatores ...
 Inicialmente, instalaram-se fábricas voltadas
justamente para essas mercadorias menos
tecnológicas, incluindo a indústri...
 As ZEEs da China ainda existem atualmente e
tiveram como resultados positivos o grande fluxo
de investimentos estrangeir...
 Apesar de todas essas vantagens, pesam também
as críticas direcionadas a esse modelo,
acusando-o de gerar empregos apena...
MUDANÇAS OCORRIDAS
 Após a abertura econômica, o capitalismo, aos
poucos, foi demonstrando sinais claros de suas
caracter...
 Como o Capitalismo passa constantemente a ideia
de consumo, as ruas das cidades chinesas ficaram
tomadas por carros, no ...
 Além disso, a maioria das residências não possui
garagem e não existe estacionamento nas ruas
para abrigar os carros, as...
 A abertura da economia não proporcionou somente
mudanças financeiras, mudanças também na vida
das pessoas, até mesmo em ...
 Com todas essas mudanças, uma grande parcela
da população chinesa alcançou melhoria na
qualidade de vida, pois tiveram a...
 Porém, esse processo provocou o consumo no
país, tornando algo comum por parte dos chineses,
dessa forma difundiu enorme...
Política do filho único- 9B
Política do filho único- 9B
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Política do filho único- 9B

300 visualizações

Publicada em

geografia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
300
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Política do filho único- 9B

  1. 1. POLÍTICA DO FILHO ÚNICO
  2. 2.  A política do filho único é uma política implantada pelo governo Chinês na década de 70 e tem como finalidade tentar conter o avanço populacional. Isso se deve ao fato do país se encontrar com mais de um bilhão e trezentos milhões de habitantes.
  3. 3.  Na Lei, fica extremamente proibido a qualquer casal, ter mais de um filho. Se isso for desrespeitado, o estado Chinês se incumbe de aplicar severas multas ao casal. Essa imposição tem como objetivo tentar frear o crescimento populacional que lá se encontra e facilitar o acesso da população a um sistema de saúde e educação de qualidade, o que fica difícil de se concretizar quando se tem uma mega população que está em ativa ascendência quantitativa.
  4. 4.  A política do filho único conseguiu evitar que a população da China chegasse a crescer cerca de 400 milhões nos últimos 25 anos. E aqueles que nasceram estando contidos à lei, que hoje são em torno de 80 milhões de filhos únicos, recebem o apelido carinhoso de “pequenos imperadores”.
  5. 5.  Mas como toda lei, assim como toda regra, há sua exceção. E é justamente ela que causa muitas criticas atualmente na China. Por exemplo, existem várias famílias no meio rural, que pode ter o segundo filho, principalmente se a primeira filha for mulher. Isso se deve ao fato que se tratando de uma mega população, é necessário também suprimentos agrícolas para o consumo da mesma.
  6. 6.  O governo parte do principio que quanto mais pessoas estiverem trabalhando no campo para produzir tais suprimentos e abastecer toda essa grande população, melhor. Por isso essa exceção, tendo mais filhos, é mais gente trabalhando no campo e produzindo mais.
  7. 7.  Outras criticas severas a essa lei, deve-se a que quanto mais segue-se a risca essa lei, mais abortos são gerados, principalmente do sexo feminino. A China já tem uma existente cultura enraizada de um casal, ao programar um filho ou querer constituir uma família, tem uma certa preferência em ser um filho homem (no homem é concentrado a responsabilidade de manter os pais quando idosos, de possibilitar-lhes um enterro solene, somente o filho homem é o herdeiro do bens da família, etc.).
  8. 8.  Com isso, se o casal tiver um filho do sexo feminino passa por um problema gravíssimo ético e cultural, pois tendo uma filha mulher, não poderá ter um outro filho (um homem, assim como a cultura manda). Dessa forma a (triste) realidade é normalmente o abandono do bebê ou até mesmo a morte da recém-nascida.
  9. 9. ZEES – ZONAS ECONÔMICAS ESPECIAIS  A China vivenciou um tipo de industrialização que se diferenciou da maioria dos processos ocorridos nos demais territórios do planeta. O desenvolvimento industrial chinês ocorreu ao longo do século XX e foi regulado pela forte presença do Estado. Uma das principais características desse processo foi a demarcação das Zonas Econômicas Especiais (ZEEs).
  10. 10.  As ZEEs da China foram criadas pelo Governo Deng Xiaoping (1982-1987) e foram mantidas pelos governos ulteriores. Elas são consideradas como o principal marco da transição chinesa do comunismo (ou capitalismo de Estado, na visão de alguns especialistas) para o capitalismo de Economia de Mercado.
  11. 11.  As Zonas Econômicas Especiais, nesse sentido, consistem em áreas especificamente destinadas para o direcionamento da atividade industrial a partir do oferecimento de vantagens para atrair investimentos estrangeiros. Os principais objetivos das ZEEs eram alavancar a produção industrial da China – que se encontrava em crise desde a década de 1960 – e fortalecer o volume total de exportações. Tais metas foram cumpridas com elevado sucesso e podem ser consideradas como um dos principais meios pelos quais o modelo chinês apresentou um grandioso sucesso em termos econômicos, tornando o Produto Interno Bruto (PIB) do país o segundo maior do planeta.
  12. 12.  Outra característica das Zonas Econômicas Especiais é o fator empregatício, haja vista que a instalação das fábricas e indústrias estrangeiras demandou uma grande quantidade de mão de obra, qualificada e não qualificada. Além disso, todas as empresas estrangeiras que desejassem instalar-se no território da China deveriam associar- se com uma empresa local, estatal ou não, em uma prática conhecida na economia como Joint Venture.
  13. 13.  Do outro lado, as multinacionais também se viram bastante favorecidas pelo processo de abertura da economia chinesa pela criação das ZEEs. Os principais pontos positivos para as empresas internacionais eram:  a) uso de mão de obra muito barata e abundante;  b) melhor acesso às matérias-primas do país;  c) infraestrutura adequada para rápida exportação;  d) acesso ao amplo mercado consumidor do país sem a passagem dos produtos por barreiras e tarifas alfandegárias;  e) baixos impostos locais, incluindo a isenção fiscal para a importação de produtos e maquinários industriais;
  14. 14.  O fato de a população da China equivaler a aproximadamente um quinto da população mundial foi um dos principais fatores que tornaram a economia do país atrativa para os investidores estrangeiros, pois o acesso a esse amplo mercado consumidor era a garantia de rápido lucro e retorno aos investimentos realizados. Além disso, em razão dos menores custos, o preço de produtos (sobretudo os de baixa tecnologia) tornou-se muito baixo e praticamente imbatível no mercado internacional.
  15. 15.  Inicialmente, instalaram-se fábricas voltadas justamente para essas mercadorias menos tecnológicas, incluindo a indústria têxtil, de alimentos, de brinquedos e de produtos descartáveis. Posteriormente, houve também uma grande migração de indústrias do ramo automobilístico, de equipamentos eletrônicos e de tecnologia avançada.
  16. 16.  As ZEEs da China ainda existem atualmente e tiveram como resultados positivos o grande fluxo de investimentos estrangeiros, a geração ampla de emprego e a transferência de tecnologia por meio das parcerias firmadas no âmbito das joint ventures. Assim, muitas empresas estatais chinesas puderam também realizar os seus investimentos em outros territórios, principalmente em países subdesenvolvidos.
  17. 17.  Apesar de todas essas vantagens, pesam também as críticas direcionadas a esse modelo, acusando-o de gerar empregos apenas em curto prazo, elevar a precarização do trabalho em nome do lucro dos investidores e de concentrar a geração de riquezas em uma porção específica do território, de forma a segregar as demais áreas. De toda forma, o modelo das ZEEs é considerado um exemplo de desenvolvimento territorial e vem sendo copiado por vários países que buscam incrementar ou fomentar os seus respectivos processos de industrialização.
  18. 18. MUDANÇAS OCORRIDAS  Após a abertura econômica, o capitalismo, aos poucos, foi demonstrando sinais claros de suas características, esses são percebidos no arranjo espacial do país, pois para alavancar o sistema se fez necessária a realização de grandes construções a fim de abrigar escritórios de grupos empresariais e também um dos símbolos do capitalismo, os shoppings centers.
  19. 19.  Como o Capitalismo passa constantemente a ideia de consumo, as ruas das cidades chinesas ficaram tomadas por carros, no entanto, as vias não foram preparadas para isso, recentemente as bicicletas, tradicional meio de transporte da China, vêm sendo substituídas por automóveis.
  20. 20.  Além disso, a maioria das residências não possui garagem e não existe estacionamento nas ruas para abrigar os carros, assim tal mudança provoca rapidamente um verdadeiro caos no trânsito das principais metrópoles do país.
  21. 21.  A abertura da economia não proporcionou somente mudanças financeiras, mudanças também na vida das pessoas, até mesmo em antigos hábitos da população chinesa. Um exemplo disso são as roupas, anteriormente o governo socialista obrigava o uso de roupas de cor cinza e azul- marinho, no entanto, isso mudou, pois está difundindo o uso de tecidos coloridos e também o jeans.
  22. 22.  Com todas essas mudanças, uma grande parcela da população chinesa alcançou melhoria na qualidade de vida, pois tiveram acesso a melhores moradias, alimentação mais balanceada, além de poder adquirir bens de consumo (celular, computadores, fogões, geladeiras, televisores, automóveis, entre outros).
  23. 23.  Porém, esse processo provocou o consumo no país, tornando algo comum por parte dos chineses, dessa forma difundiu enormemente o uso do cartão de crédito, celular, carros e marcas famosas que atualmente oferece status às pessoas. Tais fatos evidenciam que a China mudou e continua mudando a serviço do capitalismo.

×