sus

904 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

sus

  1. 1. FACULDADE DE ILHÉUS - CESUPIsusILHÉUS-BA2013Por: Antônio JúniorFabiana FoeppelGilmário CarvalhoGilza SilvaHenrique ReisItamar AraújoLívia BertoldiLudennia KochNadson MoraisPaula IsenseeThaiane Fernandes
  2. 2.  TEMA: SUS OBJETIVO GERAL: Elucidar questões que permeiam e norteiam o SUS dentro do artigos 5º eda Constituição Federal OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Analisar historicamente o processo SUSINTRODUÇÃO
  3. 3.  ORIGEM: Elaboração e vigência Em 1975 é criado o Sistema Único de Saúde Em 1990 foi sancionada a Lei 8080/90 que crioue regulamentou o SUSHISTÓRICO DO SISTEMA ÚNICO DESAÚDE
  4. 4. SUS : segundo Lei nº 8080/90 é “um conjunto deações e serviços de saúde, que deverão serprestados por órgãos e instituições públicasfederais, estaduais e municipais, da Administraçãodireta e indireta e das fundações mantidas peloPoder Público, ainda podendo participar a iniciativaprivada, em caráter complementar (BRASIL,1990)”.HISTÓRICO DO SISTEMA ÚNICO DESAÚDE
  5. 5.  Universalidade; Integralidade; Equidade; Direito à informação.PRINCÍPIOS
  6. 6.  Descentralização com comando único; Regionalização de saúde destinada apromover condições de vida saudável; Participação Comunitária.DIRETRIZES
  7. 7.  Formular e implementar a política nacional desaúde; Assegurar o acesso equitativo ao conjunto deserviços assistenciais; Identificar e divulgar os fatos determinantes econdicionantes da saúde.OBJETIVOS
  8. 8.  Ações de Vigilância à Saúde; Promoção da saúde em articulação Intersetorialcom outras áreas e órgãos governamentais; Regulação da prestação dos serviços privados deassistência à saúde;ATRIBUIÇÕES
  9. 9.  Formulação e execução da política de sangue ecoordenação do hemocentro; Assistência TerapêuticaATRIBUIÇÕES
  10. 10.  UNIÃOMinistro da Saúde ESTADO Secretário de Estado da Saúde MUNICÍPIOS Secretário Municipal de SaúdeCOMPETÊNCIAS
  11. 11.  A proposta do Sistema Único de Saúde éde um sistema que busca trazer ações quepromovem a saúde e uma melhorqualidade de vida a todos. Sua busca poruma saúde de forma democrática, é frutode um processo de lutas por igualdadessociais, e uma conquista de todos osbrasileiros.APLICABILIDADE DA LEI ORGÂNICA DASAÚDE
  12. 12. O Sistema Único de Saúde, por definiçãoconstitucional, deve assistir toda apopulação brasileira de forma universal,igualitária e hierarquizada.ACESSIBILIDADE AOS SERVIÇOS DESAÚDE
  13. 13. PROPOSTA DE AÇÃO
  14. 14.  Conscientização dos cidadãos quanto aosdireitos à saúde, previstos pela CF/88 epela Lei nº 8.080/90: Uma possibilidade deconcretização dos princípios e diretrizes doSUS.TEMA
  15. 15.  Geral; Específicos; Justificativa.OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA
  16. 16.  Este projeto será realizado em um colégio públicodo município de Ilhéus-Bahia, localizado em umbairro periférico da cidade, o Colégio Estadual LuísEduardo Magalhães. Inicialmente, será realizado um levantamento, juntoà coordenação do colégio, do número de alunosmatriculados nas primeiras, segundas e terceirasséries do Ensino Médio, para definição do públicoalvo do projeto.METODOLOGIA
  17. 17.  Datashow; Folders para divulgação das palestras no colégio; Cartilhas do Sistema Único de Saúde impressas paradistribuição; Água mineral para consumo durante as palestras; Blocos de anotação e canetas para utilização dos alunosdurante as palestras.RECURSOS
  18. 18.  Os resultados da atividade sugerida nessaproposta de ação serão através daaplicação de um questionário, formuladopela equipe, com questões objetivas sobreo assunto explanado.AVALIAÇÃO
  19. 19.  Assim, entende-se que embora o sistema seja em teseuma construção perfeita, que prevê levar atendimentomédico a todos os brasileiros, apresenta falhas na suaexecução prática pela série de entraves jámencionados neste trabalho e amplamente divulgadospela mídia. Uma das maneiras de se corrigir essasfalhas é levar ao conhecimento dos cidadãos usuáriosdo sistema, seus direitos e deveres em relação a poderusufruir de maneira correta e eficaz do sistemaencurtando a distância entre a aplicação prática domesmo e sua teoria.CONCLUSÃO
  20. 20.  ASSIS, Marluce Maria Araújo; VILLA, Tereza Cristina Scatena;NASCIMENTO, Maria Angela Alves do. Acesso aos serviços desaúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc.saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, Jan. 2003. Disponível em:<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232003000300016&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 19 de abrilde 2013. ASSIS, Marluce Maria Araújo; JESUS, Washington Luiz Abreu de.Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticase modelo de análise. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n. 11, Nov. 2012 . Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232012001100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 de abril de 2013.REFERÊNCIAS
  21. 21.  BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Assistência àSaúde. ABC DO SUS – Doutrinas e Princípios / Ministério daSaúde, Secretaria Nacional de Assistência à Saúde. – Brasília:Ministério da Saúde, 1990. BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Para entendera gestão do SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. -Brasília : CONASS, 2003. BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre ascondições para promoção, proteção e recuperação da saúde, aorganização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dáoutras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm>. Acesso em:abril/2013.REFERÊNCIAS
  22. 22.  BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica eParticipativa. A construção do SUS: histórias da Reforma Sanitária edo Processo Participativo / Ministério da Saúde, Secretaria de GestãoEstratégica e Participativa. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.Disponível em:<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/construcao_do_SUS.pdf>Acesso em: 22 de abril de 2013. CAMPOS, C.E.A. O desafio da integralidade segundo as perspectivasda vigilância da saúde e da saúde da família. C S Col 2003; 8(2):509-84.REFERÊNCIAS
  23. 23.  GIOVANELLA, L., FLEURY, S. Universalidade da Atenção à Saúde:acesso como categoria de análise. In: Eibenschutz C, organizadora.Política de Saúde: o público e o privado. Rio de Janeiro: Fiocruz;1995. p. 177-198. PONTES, Ana Paula Munhen de et al . O princípio deuniversalidade do acesso aos serviços de saúde: o que pensamos usuários?. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 13, n.3, set. 2009. Disponível em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141481452009000300007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em : 20 de abril de 2013.REFERÊNCIAS
  24. 24.  RAMOS D.D; LIMA, M.A.D.S. Acesso e acolhimento aos usuáriosem uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul,Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2003;19(1):27-34. SOUZA, R.R. O Sistema público de saúde brasileiro. Brasília:Ministério da Saúde; 2002. TRAVASSOS, Claudia; MARTINS, Mônica. Uma revisão sobre osconceitos de acesso e utilização dos serviços de saúde. Cadernosde Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2004000800014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 de abril de 2013.REFERÊNCIAS
  25. 25.  UNGLERT, C.V.S. O enfoque da acessibilidade noplanejamento da localização e dimensão de serviços desaúde. Revista de Saúde Pública 1990; 24(6):445-452. VASCONCELOS, C.M.; PASCHE, D.F. O Sistema Único deSaúde. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M,Drumond Júnior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado deSaúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006. p. 531-62.REFERÊNCIAS
  26. 26. OBRIGADO!Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, aalimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, aprevidência social, a proteção à maternidade e à infância, aassistência aos desamparados, na forma destaConstituição.

×