SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
Por que tomar
os medicamentos
(o coquetel)
contra o HIV?
A aids é uma doença que
ainda não tem cura, mas
tem tratamento. Tomando
os remédios corretamente,
você pode melhorar sua
qualidade de vida.
Os medicamentos se
chamam anti-retrovirais
(ou coquetel) e são
importantes para evitar
que a doença avance,
A importância
do tratamento
contra a aids
dicasPOSITHIVAS
protegendo você de
problemas mais graves
de saúde.
Como funcionam
esses medicamentos?
Eles impedem a
multiplicação do HIV e
diminuem a quantidade
do vírus no organismo.
Com isso, suas defesas
melhoram, você fica mais
forte, com menos riscos
de desenvolver doenças.
Quando devo começar
o tratamento?
Converse com seu médico.
Sua disposição para o
tratamento, seu estado
geral e os seus exames
são todos fatores que
precisam ser considerados.
Além disso, lembre-se de
que o tratamento é um
compromisso diário, uma
nova rotina para você. Por
isso, é importante saber
como tudo vai funcionar e
como você pode contribuir
para o processo.
Se o tratamento for
recomendado pelo
meu médico e eu não
começá-lo, o que pode
acontecer?
O HIV (vírus da aids) se
multiplica no organismo
e enfraquece a sua
imunidade (que é a defesa
do seu corpo). Dessa forma,
você fica mais frágil para
desenvolver doenças
oportunistas, que podem
se tornar mais graves.
Existe alguma
regra para tomar
o medicamento?
Sim. Cada tratamento
tem uma forma de ser
seguido. Alguns remédios
devem ser tomados com
o estômago cheio, outros
com o estômago vazio.
O importante é seguir a
orientação da equipe de
saúde que o acompanha,
pois eles irão adaptar os
horários de acordo com a
sua rotina de vida. E mais
importante ainda é não
esquecer de tomar os
medicamentos nas horas
determinadas e nas
doses certas.
DOENÇA
OPORTUNISTA
é aquela que se
aproveita de um
organismo debilitado
(com baixa imunidade)
para se desenvolver,
como o herpes,
a toxoplasmose
e a tuberculose.
Tenho que mudar
meus hábitos?
Quem tem uma doença
como a aids precisa
manter e incluir hábitos
saudáveis no seu
cotidiano, tais como:
praticar exercícios, ter
uma alimentação
equilibrada, transar
sempre com camisinha
e tomar os remédios
diariamente. Com o
tempo, isso vira hábito,
assim como tomar banho
ou escovar os dentes.
É verdade que os
medicamentos causam
efeitos colaterais?
Sim. No começo do
tratamento é comum ter
sensações desagradáveis,
que podem desaparecer
com o tempo. Qualquer
medicamento (não só
contra a aids) pode trazer
efeitos negativos para o
organismo. O importante
é dar continuidade ao
tratamento, pois seu
organismo vai se
acostumando com os
novos remédios.
Sempre que você sentir
algo diferente ou
incômodo, procure
o serviço de saúde
onde você faz seu
acompanhamento.
Quais são
esses efeitos?
Os mais comuns são
enjôos, vômitos, diarréia,
insônia, dor de cabeça e
mal-estar. Em geral,
acontecem logo que
o tratamento é iniciado
e vale lembrar que,
na maioria das vezes,
esses sintomas são
temporários e não se
deve interromper o
tratamento por causa
deles, como você verá
na próxima pergunta.
E se os sintomas
continuarem ou
forem muito fortes?
Procure o médico ou a
equipe de saúde que
acompanha você.
Não tenha vergonha
de perguntar e nem
de pedir ajuda aos
profissionais de saúde.
Eles sabem que os
remédios podem ter
esses efeitos e sabem
como tratá-los.
Eseeudesistirdetomar
osmedicamentos?
Interromper o
tratamento totalmente,
faz com que o HIV
fique mais forte em seu
organismo. Isso pode
enfraquecer mais
rapidamente suas
defesas e aumentar o
risco de ficar doente.
O melhor é procurar
o seu médico ou a
equipe de saúde que o
acompanha e conversar
sobre suas dificuldades
antes de decidir parar
com os medicamentos.
Devo interromper
o tratamento por
causa desses efeitos
colaterais?
Não se deve interromper
os medicamentos até
conversar com o médico,
com raras exceções (veja o
quadro ao lado). De modo
geral, o tratamento deve
seguir normalmente.
No momento em que
estiver recebendo sua
receita, procure sempre
saber do médico quais
efeitos o tratamento pode
causar em você, para não
ser pego de surpresa e
não saber como agir.
ATENÇÃO!
Ao iniciar o tratamento
com NEVIRAPINA ou
ABACAVIR, pergunte ao
seu médico quais os
efeitos colaterais que
devem fazê-lo parar de
tomar os medicamentos.
E a lipodistrofia?
O que é e como
posso prevenir?
Lipodistrofia é o acúmulo
ou a perda de gordura
em determinadas partes
do corpo. Pode acontecer
aumento de gordura na
barriga, mamas e na parte
de trás do pescoço.
A perda de gordura é mais
comum nos braços,
pernas, rosto e nádegas.
Além disso, essas
mudanças podem vir
acompanhadas por
alterações dos níveis
de gordura e açúcar no
sangue, que aumentam
o risco de doenças do
coração e diabetes.
Procure evitar alimentos
gordurosos e frituras.
Doces e massa devem
ser consumidos com
moderação. Atividades
físicas, como ginástica e
musculação, ajudam a
prevenir esses efeitos.
E se eu não conseguir
tomar corretamente
e falhar nas doses
dos remédios?
O HIV se tornará
mais resistente aos
medicamentos, levando
à falha do tratamento
e à necessidade de trocar
os anti-retrovirais.
A cada troca, diminui
a quantidade de
anti-retrovirais que o
médico pode receitar
para combater o HIV no
seu organismo.
10 11
Quais os exercícios
mais indicados para
quem está em
tratamento?
Caminhada, corrida,
ginástica, bicicleta,
natação e musculação
são boas opções.
Os exercícios estimulam
suas defesas, ajudam a
combater a depressão, a
ansiedade, são bons para o
funcionamento do coração
e pulmão, além de manter
a massa muscular e o seu
corpo saudável. Também
ajudam a manter baixos
os níveis de colesterol e
triglicerídeos e ajudam a
reduzir outros efeitos
colaterais que podem
ocorrer com o tratamento,
como a lipodistrofia.
Mas não se esqueça de
checar com o seu médico
quais são as atividades
físicas mais adequadas
para você.
Quem tem aids e está
em tratamento pode
ter uma vida normal?
Sim. Quem tem aids pode
levar uma vida normal:
namorar, trabalhar e
conviver com seus amigos
e familiares.
Aproveite também o
dia-a-dia para se manter
ativo e se exercitar, como
passear com o cachorro,
descer do ônibus uma pa-
rada antes, subir escadas,
arrumar a casa, cuidar do
jardim...
Tomar sol também é
muito importante, de
preferência antes das
10 e depois das 16 horas.
12 13
Posso consumir
bebida alcoólica junto
com os medicamentos?
O consumo deve ser
moderado ou evitado.
Embora o álcool não
“corte o efeito dos
medicamentos”como
alguns pensam, pode
agredir o fígado e
aumentar os efeitos
colaterais de alguns
anti-retrovirais.
O álcool pode fazer
você se esquecer de
tomar seus remédios,
o que é um grande
problema.
Lembre-se: tenha sempre
seus medicamentos com
você para tomá-los,
mesmo que você tenha
bebido. Não abuse de
bebidas alcoólicas.
O uso da maconha
atrapalha o tratamento?
Existem evidências
que a maconha pode
reduzir a concentração
de alguns anti-retrovirais
no seu sangue, o que
reduz a potência dos
medicamentos.
Utilizando a maconha
ou não, é fundamental
não falhar nas doses
dos remédios.
E o ecstasy? Tem
algum perigo no uso do
medicamento
com essa droga?
Sim. Já foram relatados
casos de morte em
pessoas que usavam o
medicamento e que
tomaram ecstasy. Seu
uso deve ser sempre
evitado!
E o crack, a merla
ou a cocaína?
Assim como
a maconha,
a cocaína e seus
derivados também
podem reduzir a
concentração de
alguns medicamentos
anti-retrovirais no
seu sangue.
Um grande problema
é esquecer de tomar
os medicamentos por
causa das drogas.
E vale a pena repetir:
você não deve falhar nas
doses dos remédios!
1.
Não tenha medo e
nem vergonha de falar
sobre álcool e outras
drogas com a equipe
de saúde que faz seu
acompanhamento.
2.
Nunca deixe de tomar
os remédios por causa
do consumo de álcool e
de outras drogas.
3.
O ecstasy não deve ser
consumido por pessoas
que usam o coquetel.
Resumindo:
14
LEMBRE-SE:
Quando for atendido no serviço
de saúde, o diálogo é fundamental.
Fale sobre o que está acontecendo
com você e nunca saia com
dúvidas. Para ajudar, procure anotar
suas perguntas em um papel antes de ir
à consulta. Assim, fica fácil lembrar de tudo
durante o atendimento. O sucesso de seu tratamento
também depende de você.
A camisinha protege você e o
seu parceiro do vírus da aids.
Ela evita um novo contato com
o HIV, o que pode aumentar
a quantidade de vírus em seu
organismo, ou te infectar
com um vírus já resistente ao
medicamento.
Além disso, usando o preservativo você também evita
outras DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).
Caso o seu parceiro ou a sua parceira não consigam
usar a camisinha masculina, vale a pena experimentar
a camisinha feminina.
O tratamento contra a AIDS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (19)

Libid Gel site
Libid Gel siteLibid Gel site
Libid Gel site
 
Despertadores
DespertadoresDespertadores
Despertadores
 
10 Medicamentos comuns que causam ganho de peso
10 Medicamentos comuns que causam ganho de peso10 Medicamentos comuns que causam ganho de peso
10 Medicamentos comuns que causam ganho de peso
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Despertadores
DespertadoresDespertadores
Despertadores
 
Despertadores
DespertadoresDespertadores
Despertadores
 
Acordar
AcordarAcordar
Acordar
 
xgrow up bula
xgrow up bulaxgrow up bula
xgrow up bula
 
4 Passos para Controlar a Diabetes
4 Passos para Controlar a Diabetes4 Passos para Controlar a Diabetes
4 Passos para Controlar a Diabetes
 
Despertador 1
Despertador 1Despertador 1
Despertador 1
 
Os problemas são um despertador
Os problemas são um despertadorOs problemas são um despertador
Os problemas são um despertador
 
Mal de parkinson
Mal de parkinsonMal de parkinson
Mal de parkinson
 
Diga Sim à Vida
Diga Sim à VidaDiga Sim à Vida
Diga Sim à Vida
 
Monitoramento - Medos dos Diabéticos
Monitoramento - Medos dos DiabéticosMonitoramento - Medos dos Diabéticos
Monitoramento - Medos dos Diabéticos
 
Recuperação
RecuperaçãoRecuperação
Recuperação
 
2 aula eps
2 aula eps2 aula eps
2 aula eps
 
Webgincana hipertensão arterial - Professor Robson
Webgincana hipertensão arterial -  Professor RobsonWebgincana hipertensão arterial -  Professor Robson
Webgincana hipertensão arterial - Professor Robson
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Trabalho FEC
Trabalho FECTrabalho FEC
Trabalho FEC
 

Semelhante a O tratamento contra a AIDS

Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosSérgio Amaral
 
Dependencias moda ppt
Dependencias moda pptDependencias moda ppt
Dependencias moda pptadrcab
 
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04Fábio Nogueira, PhD
 
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdf
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdfLIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdf
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdfAlineLopesRJ
 
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"Sylvio Micelli
 
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)Gelvin
 
Remédios - cuidados e orientações
Remédios - cuidados e orientaçõesRemédios - cuidados e orientações
Remédios - cuidados e orientaçõesgcmrs
 
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfComo tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfPatricia Lourenço
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumatoReumatoguia
 
Emagrecer com Inteligência
Emagrecer com InteligênciaEmagrecer com Inteligência
Emagrecer com Inteligênciacerebroebemestar
 
Esteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes textoEsteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes textovaidarocu
 

Semelhante a O tratamento contra a AIDS (20)

HIV/AIDS
HIV/AIDSHIV/AIDS
HIV/AIDS
 
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes HipertensosManual de Orientação a Pacientes Hipertensos
Manual de Orientação a Pacientes Hipertensos
 
Dependencias moda ppt
Dependencias moda pptDependencias moda ppt
Dependencias moda ppt
 
Alimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1DAlimentação saudável- 1D
Alimentação saudável- 1D
 
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04
Aprenda a ser menos ansioso seguindo sete dicas inusitadas - A Gazeta 01.04
 
Automedicação
AutomedicaçãoAutomedicação
Automedicação
 
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdf
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdfLIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdf
LIVRO - LINPEZA DO FÍGADO E DA VESÍCULA.pdf
 
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"
IAMSPE - Manual: "Remédios - Cuidados e orientações"
 
Como ter uma boa saúde e prevenir doenças
Como ter uma boa saúde e prevenir doençasComo ter uma boa saúde e prevenir doenças
Como ter uma boa saúde e prevenir doenças
 
Portifólio - Palestrante Tiago Rocha
Portifólio - Palestrante Tiago RochaPortifólio - Palestrante Tiago Rocha
Portifólio - Palestrante Tiago Rocha
 
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)
Suplementos Nutricionais - Babosa (Aloe Vera)
 
ARTIGO SOBRE DOENÇAS LIGADA AO FIGADO.pdf
ARTIGO SOBRE DOENÇAS LIGADA AO FIGADO.pdfARTIGO SOBRE DOENÇAS LIGADA AO FIGADO.pdf
ARTIGO SOBRE DOENÇAS LIGADA AO FIGADO.pdf
 
Remédios - cuidados e orientações
Remédios - cuidados e orientaçõesRemédios - cuidados e orientações
Remédios - cuidados e orientações
 
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfComo tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
 
Aula PAR reumato
Aula PAR reumatoAula PAR reumato
Aula PAR reumato
 
Emagrecer com Inteligência
Emagrecer com InteligênciaEmagrecer com Inteligência
Emagrecer com Inteligência
 
Esteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes textoEsteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes texto
 
Livro tratamentosnaturais taste
Livro tratamentosnaturais tasteLivro tratamentosnaturais taste
Livro tratamentosnaturais taste
 
Doença terminal
Doença terminalDoença terminal
Doença terminal
 

Mais de Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas

Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 

Mais de Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas (20)

Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma  critérios de milão e barcelonaHepatocarcinoma  critérios de milão e barcelona
Hepatocarcinoma critérios de milão e barcelona
 
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
Manual de orientações aos pacientes inscritos em fila espera para transplante...
 
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
2012 manual dos cuidados de enfermagem em pacientes candidatos a transplante ...
 
2012 manual do paciente transplante de figado ses pr
2012 manual do paciente   transplante de figado ses pr2012 manual do paciente   transplante de figado ses pr
2012 manual do paciente transplante de figado ses pr
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
 
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...2007 manual de orientações para pacientes e familiares   transplantes de fíga...
2007 manual de orientações para pacientes e familiares transplantes de fíga...
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
 
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
2006 efeitos da solução salina hipertônica na reperfusão hepática em paciente...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
2004 hepatite colestática associada ao vírus da hepatite c pós transplante he...
 

O tratamento contra a AIDS

  • 1. Por que tomar os medicamentos (o coquetel) contra o HIV? A aids é uma doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. Tomando os remédios corretamente, você pode melhorar sua qualidade de vida. Os medicamentos se chamam anti-retrovirais (ou coquetel) e são importantes para evitar que a doença avance, A importância do tratamento contra a aids dicasPOSITHIVAS protegendo você de problemas mais graves de saúde.
  • 2. Como funcionam esses medicamentos? Eles impedem a multiplicação do HIV e diminuem a quantidade do vírus no organismo. Com isso, suas defesas melhoram, você fica mais forte, com menos riscos de desenvolver doenças. Quando devo começar o tratamento? Converse com seu médico. Sua disposição para o tratamento, seu estado geral e os seus exames são todos fatores que precisam ser considerados. Além disso, lembre-se de que o tratamento é um compromisso diário, uma nova rotina para você. Por isso, é importante saber como tudo vai funcionar e como você pode contribuir para o processo. Se o tratamento for recomendado pelo meu médico e eu não começá-lo, o que pode acontecer? O HIV (vírus da aids) se multiplica no organismo e enfraquece a sua imunidade (que é a defesa do seu corpo). Dessa forma, você fica mais frágil para desenvolver doenças oportunistas, que podem se tornar mais graves. Existe alguma regra para tomar o medicamento? Sim. Cada tratamento tem uma forma de ser seguido. Alguns remédios devem ser tomados com o estômago cheio, outros com o estômago vazio. O importante é seguir a orientação da equipe de saúde que o acompanha, pois eles irão adaptar os horários de acordo com a sua rotina de vida. E mais importante ainda é não esquecer de tomar os medicamentos nas horas determinadas e nas doses certas. DOENÇA OPORTUNISTA é aquela que se aproveita de um organismo debilitado (com baixa imunidade) para se desenvolver, como o herpes, a toxoplasmose e a tuberculose.
  • 3. Tenho que mudar meus hábitos? Quem tem uma doença como a aids precisa manter e incluir hábitos saudáveis no seu cotidiano, tais como: praticar exercícios, ter uma alimentação equilibrada, transar sempre com camisinha e tomar os remédios diariamente. Com o tempo, isso vira hábito, assim como tomar banho ou escovar os dentes. É verdade que os medicamentos causam efeitos colaterais? Sim. No começo do tratamento é comum ter sensações desagradáveis, que podem desaparecer com o tempo. Qualquer medicamento (não só contra a aids) pode trazer efeitos negativos para o organismo. O importante é dar continuidade ao tratamento, pois seu organismo vai se acostumando com os novos remédios. Sempre que você sentir algo diferente ou incômodo, procure o serviço de saúde onde você faz seu acompanhamento. Quais são esses efeitos? Os mais comuns são enjôos, vômitos, diarréia, insônia, dor de cabeça e mal-estar. Em geral, acontecem logo que o tratamento é iniciado e vale lembrar que, na maioria das vezes, esses sintomas são temporários e não se deve interromper o tratamento por causa deles, como você verá na próxima pergunta.
  • 4. E se os sintomas continuarem ou forem muito fortes? Procure o médico ou a equipe de saúde que acompanha você. Não tenha vergonha de perguntar e nem de pedir ajuda aos profissionais de saúde. Eles sabem que os remédios podem ter esses efeitos e sabem como tratá-los. Eseeudesistirdetomar osmedicamentos? Interromper o tratamento totalmente, faz com que o HIV fique mais forte em seu organismo. Isso pode enfraquecer mais rapidamente suas defesas e aumentar o risco de ficar doente. O melhor é procurar o seu médico ou a equipe de saúde que o acompanha e conversar sobre suas dificuldades antes de decidir parar com os medicamentos. Devo interromper o tratamento por causa desses efeitos colaterais? Não se deve interromper os medicamentos até conversar com o médico, com raras exceções (veja o quadro ao lado). De modo geral, o tratamento deve seguir normalmente. No momento em que estiver recebendo sua receita, procure sempre saber do médico quais efeitos o tratamento pode causar em você, para não ser pego de surpresa e não saber como agir. ATENÇÃO! Ao iniciar o tratamento com NEVIRAPINA ou ABACAVIR, pergunte ao seu médico quais os efeitos colaterais que devem fazê-lo parar de tomar os medicamentos.
  • 5. E a lipodistrofia? O que é e como posso prevenir? Lipodistrofia é o acúmulo ou a perda de gordura em determinadas partes do corpo. Pode acontecer aumento de gordura na barriga, mamas e na parte de trás do pescoço. A perda de gordura é mais comum nos braços, pernas, rosto e nádegas. Além disso, essas mudanças podem vir acompanhadas por alterações dos níveis de gordura e açúcar no sangue, que aumentam o risco de doenças do coração e diabetes. Procure evitar alimentos gordurosos e frituras. Doces e massa devem ser consumidos com moderação. Atividades físicas, como ginástica e musculação, ajudam a prevenir esses efeitos. E se eu não conseguir tomar corretamente e falhar nas doses dos remédios? O HIV se tornará mais resistente aos medicamentos, levando à falha do tratamento e à necessidade de trocar os anti-retrovirais. A cada troca, diminui a quantidade de anti-retrovirais que o médico pode receitar para combater o HIV no seu organismo.
  • 6. 10 11 Quais os exercícios mais indicados para quem está em tratamento? Caminhada, corrida, ginástica, bicicleta, natação e musculação são boas opções. Os exercícios estimulam suas defesas, ajudam a combater a depressão, a ansiedade, são bons para o funcionamento do coração e pulmão, além de manter a massa muscular e o seu corpo saudável. Também ajudam a manter baixos os níveis de colesterol e triglicerídeos e ajudam a reduzir outros efeitos colaterais que podem ocorrer com o tratamento, como a lipodistrofia. Mas não se esqueça de checar com o seu médico quais são as atividades físicas mais adequadas para você. Quem tem aids e está em tratamento pode ter uma vida normal? Sim. Quem tem aids pode levar uma vida normal: namorar, trabalhar e conviver com seus amigos e familiares. Aproveite também o dia-a-dia para se manter ativo e se exercitar, como passear com o cachorro, descer do ônibus uma pa- rada antes, subir escadas, arrumar a casa, cuidar do jardim... Tomar sol também é muito importante, de preferência antes das 10 e depois das 16 horas.
  • 7. 12 13 Posso consumir bebida alcoólica junto com os medicamentos? O consumo deve ser moderado ou evitado. Embora o álcool não “corte o efeito dos medicamentos”como alguns pensam, pode agredir o fígado e aumentar os efeitos colaterais de alguns anti-retrovirais. O álcool pode fazer você se esquecer de tomar seus remédios, o que é um grande problema. Lembre-se: tenha sempre seus medicamentos com você para tomá-los, mesmo que você tenha bebido. Não abuse de bebidas alcoólicas. O uso da maconha atrapalha o tratamento? Existem evidências que a maconha pode reduzir a concentração de alguns anti-retrovirais no seu sangue, o que reduz a potência dos medicamentos. Utilizando a maconha ou não, é fundamental não falhar nas doses dos remédios. E o ecstasy? Tem algum perigo no uso do medicamento com essa droga? Sim. Já foram relatados casos de morte em pessoas que usavam o medicamento e que tomaram ecstasy. Seu uso deve ser sempre evitado! E o crack, a merla ou a cocaína? Assim como a maconha, a cocaína e seus derivados também podem reduzir a concentração de alguns medicamentos anti-retrovirais no seu sangue. Um grande problema é esquecer de tomar os medicamentos por causa das drogas. E vale a pena repetir: você não deve falhar nas doses dos remédios! 1. Não tenha medo e nem vergonha de falar sobre álcool e outras drogas com a equipe de saúde que faz seu acompanhamento. 2. Nunca deixe de tomar os remédios por causa do consumo de álcool e de outras drogas. 3. O ecstasy não deve ser consumido por pessoas que usam o coquetel. Resumindo:
  • 8. 14 LEMBRE-SE: Quando for atendido no serviço de saúde, o diálogo é fundamental. Fale sobre o que está acontecendo com você e nunca saia com dúvidas. Para ajudar, procure anotar suas perguntas em um papel antes de ir à consulta. Assim, fica fácil lembrar de tudo durante o atendimento. O sucesso de seu tratamento também depende de você. A camisinha protege você e o seu parceiro do vírus da aids. Ela evita um novo contato com o HIV, o que pode aumentar a quantidade de vírus em seu organismo, ou te infectar com um vírus já resistente ao medicamento. Além disso, usando o preservativo você também evita outras DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis). Caso o seu parceiro ou a sua parceira não consigam usar a camisinha masculina, vale a pena experimentar a camisinha feminina.