UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timers and
Interrupts no FreeRTOS
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Roteiro:
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Software Timers
Tipos de Software Timers
Habilitando o Softwar...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timers
•

•

•

•

Um software timer é basicamente um timer que possibilita uma
funçã...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

•

•

A funcionalidade de software timer do FreeRTOS não faz
parte do núcleo do kernel, e foi ...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Tipos de Software Timers
•

•

One-shot: executa a função de callback apenas uma vez,
pode ser...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Habilitando o Software Timer
Para habilitar esta funcionalidade, adicione o arquivo timers.c a...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
 xTimerCreate
 xTimerIsTimerActive
 pvTimerGetTimerID
 xTimer...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerCreate
Parametros :
pcTimerName : Um nome que é atribuído a...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerCreate
Retorno :
Se o Timer for criado com sucesso o identi...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerIsTimerActive
Consulta um cronômetro para ver se ele está a...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xtimerDelete :
Parâmetros :
xTimer : O Timer que está sendo exclu...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
pvTimerGetTimerID
Retorna o ID atribuído ao temporizador.
Parâmet...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerStartFromISR
Retorno :
Será retornado pdFAIL se o comando d...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerStopFromISR
Parâmetros :
xTimer : O timer a ser interrompid...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerStopFromISR
Retorno :
Será retornado pdFAIL se o comando de...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerChangePeriodFromISR
Muda o período de um Timer que foi prev...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
Software Timer API Functions
xTimerChangePeriodFromISR
Parâmetros...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xTimerChangePeriodFromISR
Retorno :
Será retornado pdFAIL se o co...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xtimerResetFromISR :
Parâmetros:
xTimer : O Timer iniciado / rein...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Software Timer API Functions
xtimerResetFromISR
Retorno :
Será retornado pdFAIL se o comando r...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Interrupções
Sistemas embarcados precisam tomar ações
baseados em eventos externos. Normalment...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

O FreeRTOS usa 3 fontes de interrupção no porte para o ARM CortexM3/M4:
• SysTick (System Tick...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Configurando as Prioridades
Existem duas opções no arquivo de configuração do FreeRTOS para
co...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

• Como todas as interrupções tem prioridade máxima (valor 0)
por padrão no boot, as rotinas de...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Mecanismo de Sincronização
• Uma interrupção é capaz de deferir trabalho para uma tarefa
atrav...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Semáforo Binário
• Um Semáforo Binário (Binary Semaphore) é um mecanismo de
sincronização disp...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Semáforo Contadores
• Semáforos binários são úteis quando a frequência de
interrupções é baixa...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Queues
• Semáforos são usados para comunicar eventos entre tarefas, ou
entre uma tarefa e uma ...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

• Você pode usar algumas técnicas para transferir dados de uma
interrupção para uma tarefa:
• ...
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

Bibliografia
[1] PRADO, S. Desenvolvendo com o FreeRTOS. São Paulo, julho
2012.
[2] FREERTOS. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Timers and Interrupts no FreeRTOS

1.077 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.077
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • {"24":"Mas quanto do trabalho deve ser realizado dentro da ISR? E como uma ISR deve se comunicar com as outras tarefas da aplicação para gerar os eventos correspondentes e/ou processar os dados recebidos?\n","9":"Todos estão na biblioteca timers.h\n- xTimerHandle xTimerCreate ( const signed char *pcTimerName, portTickType xTimerPeriod, unsigned portBASE_TYPE uxAutoReload, void * pvTimerID, tmrTIMER_CALLBACK pxCallbackFunction ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerCreate.html\nportBASE_TYPE xTimerIsTimerActive( xTimerHandle xTimer ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerIsTimerActive.html\nvoid *pvTimerGetTimerID( xTimerHandle xTimer ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-pvTimerGetTimerID.html\nportBASE_TYPE xTimerStart( xTimerHandle xTimer, portTickType xBlockTime ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerStart.html\nportBASE_TYPE xTimerStop( xTimerHandle xTimer, portTickType xBlockTime ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerStop.html\nportBASE_TYPE xTimerChangePeriod( xTimerHandle xTimer, portTickType xNewPeriod, portTickType xBlockTime ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerChangePeriod.html\nportBASE_TYPE xTimerChangePeriod( xTimerHandle xTimer, portTickType xNewPeriod, portTickType xBlockTime );\nportBASE_TYPE xTimerDelete( xTimerHandle xTimer, portTickType xBlockTime ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerDelete.html\nportBASE_TYPE xTimerReset( xTimerHandle xTimer, portTickType xBlockTime ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerReset.html\nportBASE_TYPE xTimerStartFromISR ( xTimerHandle xTimer, portBASE_TYPE *pxHigherPriorityTaskWoken ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerStartFromISR.html\nportBASE_TYPE xTimerStopFromISR ( xTimerHandle xTimer, portBASE_TYPE *pxHigherPriorityTaskWoken ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerStopFromISR.html\nportBASE_TYPE xTimerChangePeriodFromISR ( xTimerHandle xTimer, portTickType xNewPeriod, portBASE_TYPE *pxHigherPriorityTaskWoken ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerChangePeriodFromISR.html\nportBASE_TYPE xTimerResetFromISR ( xTimerHandle xTimer, portBASE_TYPE *pxHigherPriorityTaskWoken ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-timers-xTimerResetFromISR.html\nxTaskHandle xTimerGetTimerDaemonTaskHandle( void ); http://www.freertos.org/FreeRTOS-Software-Timer-API-Functions.html\n"}
  • Timers and Interrupts no FreeRTOS

    1. 1. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timers and Interrupts no FreeRTOS
    2. 2. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Roteiro: • • • • • • • • • • • Software Timers Tipos de Software Timers Habilitando o Software Timers Funções da API do Software Timers Interrupções Configurando as Prioridades Mecanismo de Sincronização Semáforo Binário Semáforo Contadores Queues Bibliografia
    3. 3. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timers • • • • Um software timer é basicamente um timer que possibilita uma função ser executada em determinado tempo no futuro. A função executada pelo software timer é chamada de função de callback, e o tempo entre a inicialização do timer e a execução da função de callback é chamada de período do timer. Portanto, com o software timer você consegue configurar uma função de callback para ser executada quando um período de tempo expirar. Um software timer deve ser explicitamente criado antes que ele possa ser usado.
    4. 4. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO • • A funcionalidade de software timer do FreeRTOS não faz parte do núcleo do kernel, e foi implementada de forma a não adicionar overhead de processamento à aplicação. Basicamente, a implementação de software timer do FreeRTOS atua como uma tarefa usando os recursos providos pelo FreeRTOS. Ela é composta por um conjunto de APIs que se comunicam com a tarefa de timer através de filas.
    5. 5. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Tipos de Software Timers • • One-shot: executa a função de callback apenas uma vez, pode ser reiniciado manualmente. Auto-reload: após a execução da função de callback, reinicia sua execução automaticamente. Ou seja, executa a função de callback periodicamente.
    6. 6. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Habilitando o Software Timer Para habilitar esta funcionalidade, adicione o arquivo timers.c ao projeto e configure as seguintes opções no arquivo de configuração FreeRTOSConfig.h: configUSE_TIMERS: “1” para habilitar a funcionalidade de timer. • configTIMER_TASK_PRIORITY: define a prioridade da tarefa de timer. • configTIMER_QUEUE_LENGTH: define o tamanho do queue da tarefa de timer. • configTIMER_TASK_STACK_DEPTH: define o tamanho do stack da tarefa de timer. •
    7. 7. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions  xTimerCreate  xTimerIsTimerActive  pvTimerGetTimerID  xTimerStart  xTimerStop  xTimerChangePeriod  xTimerDelete  xTimerReset  xTimerStartFromISR  xTimerStopFromISR  xTimerChangePeriodFromISR  xTimerResetFromISR  xTimerGetTimerDaemonTaskHandle
    8. 8. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerCreate Parametros : pcTimerName : Um nome que é atribuído ao Timer. xtimerPeriod : Periodo de tempo necessário. uxAutoReload : Se for definido como pdTRUE quando xtimerPeriod expira, o tempo é reiniciado. Se for definido como pdFALSE após o termino do tempo o temporizador entra no estado adormecido. pvTimerID : Identificador que é atribuído ao temporizador que está sendo criado , usado para saber qual temporizador expirou. pxCallbackFunction : A função a ser chamada quando o tempo expirar.
    9. 9. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerCreate Retorno : Se o Timer for criado com sucesso o identificador do Timer é retornado. Se não houver espaço na pilha para alocar as estruturas do Timer, ou o período do Timer foi definido como 0 , é retornado NULL.
    10. 10. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerIsTimerActive Consulta um cronômetro para ver se ele está ativo ou inativo. Timers são criados no estado inativo. Parâmetros: xtimer : O timer que está sendo consultado. Retorno: pdFALSE será retornado se o timer está inativo. Um valor diferente de pdFALSE será devolvido se o timer está ativo.
    11. 11. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xtimerDelete : Parâmetros : xTimer : O Timer que está sendo excluído. xblockTime : Especifica o tempo que a tarefa deve ficar no estado bloqueado para esperar o envio do comando de exclusão para a fila de comandos de Timer. Retorno : Será retornado pdFAIL se o comando delete não pode ser enviado a fila de comandos de Timers , mesmo depois de o xBlockTime ter Acabado. Será retornado pdPASS se o comando for enviado com sucesso para a fila de comando de Timers.
    12. 12. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions pvTimerGetTimerID Retorna o ID atribuído ao temporizador. Parâmetros: xTimer O temporizador sendo consultado. Retorno: O ID atribuído ao temporizador sendo consultado.
    13. 13. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerStartFromISR Retorno : Será retornado pdFAIL se o comando de inicio não pode ser enviado a fila de comandos de Timers. Será retornado pdPASS se o comando for enviado com sucesso para a fila de comando de Timers.
    14. 14. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerStopFromISR Parâmetros : xTimer : O timer a ser interrompido. pxHigherPriorityTaskWoken: Serve para, sair do estado bloqueado se a tarefa que está tendo seu comando na fila de Timer executado tiver uma prioridade menor que a interrupção, então é definido como pdTrue e há uma troca de contexto.
    15. 15. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerStopFromISR Retorno : Será retornado pdFAIL se o comando de parada não pode ser enviado a fila de comandos de Timers. Será retornado pdPASS se o comando for enviado com sucesso para a fila de comando de Timers
    16. 16. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerChangePeriodFromISR Muda o período de um Timer que foi previamente criado. Pode ser chamado para alterar o período de um Timer no estado ativo ou inativo. Parâmetros : xTimer : O Timer que está tendo seu período alterado. xnewPeriod : O novo prazo para a xTimer.
    17. 17. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions Software Timer API Functions xTimerChangePeriodFromISR Parâmetros : pxHigherPriorityTaskWoken : Serve para , sair do estado bloqueado se a tarefa que está tendo seu comando da fila de Timer executado tiver uma prioridade menor que a interrupção, então, é definido como pdTrue e há uma troca de contexto
    18. 18. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xTimerChangePeriodFromISR Retorno : Será retornado pdFAIL se o comando de mudança de tempo não pode ser enviado a fila de comandos de Timers. Será retornado pdPASS se o comando for enviado com sucesso para a fila de comando de Timers.
    19. 19. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xtimerResetFromISR : Parâmetros: xTimer : O Timer iniciado / reiniciado. pxHigherPriorityTaskWoken : Serve para , sair do estado bloqueado se a tarefa que está tendo seu comando da fila de Timer executado tiver uma prioridade menor que a interrupção, então, é definido como pdTrue e há uma troca de contexto .
    20. 20. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Software Timer API Functions xtimerResetFromISR Retorno : Será retornado pdFAIL se o comando reinicio não pode ser enviado a fila de comandos de Timers. Será retornado pdPASS se o comando for enviado com sucesso para a fila de comando de Timers
    21. 21. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Interrupções Sistemas embarcados precisam tomar ações baseados em eventos externos. Normalmente os eventos são tratados através de interrupções, dentro da rotina de tratamento de interrupção (ISR).
    22. 22. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO O FreeRTOS usa 3 fontes de interrupção no porte para o ARM CortexM3/M4: • SysTick (System Tick Timer): É uma interrupção periódica usada pelo kernel para forçar a troca de contexto, setando o registrador PENDSV do NVIC, e consequentemente habilitando a exceção PendSV. • PendSV (Pended System Call): Esta exceção fica pendente e é executada assim que outras exceções com maior prioridade forem tratadas. É ela que faz a troca de contexto. • SVCall (System Service Call): É uma interrupção de software que pode ser usada para gerar chamadas de sistema. É usada pelo kernel basicamente para executar a primeira tarefa da aplicação.
    23. 23. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Configurando as Prioridades Existem duas opções no arquivo de configuração do FreeRTOS para configurar as prioridades das interrupções usadas pelo kernel: • configKERNEL_INTERRUPT_PRIORITY: configura a prioridade das interrupções usadas pelo kernel (SysTick e PendSV). É normalmente configurada com a menor prioridade possível. • configMAX_SYSCALL_INTERRUPT_PRIORITY: define a interrupção de maior prioridade que pode usar a API do FreeRTOS. Isso porque, ao executar uma seção crítica, o kernel desabilita todas as interrupções de prioridade menor ou igual à definida por esta constante. Isso significa que o FreeRTOS nunca desabilita todas as interrupções por completo, mesmo dentro de seções críticas!
    24. 24. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO • Como todas as interrupções tem prioridade máxima (valor 0) por padrão no boot, as rotinas de tratamento de interrupção que usam serviços do FreeRTOS precisam ser inicializadas com um valor maior ou igual que configMAX_SYSCALL_INTERRUPT_PRIORITY; • Rotinas de interrupção extremamente críticas podem ter uma prioridade maior, implicando um valor menor que configMAX_SYSCALL_INTERRUPT_PRIORITY, mas não podem usar nenhuma função da API do FreeRTOS.
    25. 25. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Mecanismo de Sincronização • Uma interrupção é capaz de deferir trabalho para uma tarefa através de mecanismos de sincronização. • O FreeRTOS sincronização: possui os seguintes mecanismos de • Semáforos Binários (Binary Semaphores) • Semáforos Contadores (Counting Semaphores) • Queues • Estes mecanismos de sincronização podem ser usados tanto para comunicação entre tarefas quanto para comunicação entre interrupções e tarefas.
    26. 26. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Semáforo Binário • Um Semáforo Binário (Binary Semaphore) é um mecanismo de sincronização disponibilizado pelo FreeRTOS. • Ele pode ser usado para acordar (desbloquear) uma tarefa quando determinada interrupção acontecer, sincronizando a interrupção com a tarefa. • Desta forma, apenas o essencial é executado na interrupção, o restante do trabalho é deferido para a tarefa correspondente ao tratamento da interrupção.
    27. 27. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Semáforo Contadores • Semáforos binários são úteis quando a frequência de interrupções é baixa. Mas quando a frequência de interrupções é alta, existe a possibilidade de perdermos interrupções. • O problema acontece quando mais de uma interrupção acontece no momento em que a tarefa ainda esta tratando o trabalho deferido pela interrupção anterior. • Para estes casos, podemos usar os semáforos contadores (counting semaphores) no lugar dos semáforos binários. Podemos usar os semáforos contadores para: • Tratar eventos. • Gerenciar o acesso à recursos.
    28. 28. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Queues • Semáforos são usados para comunicar eventos entre tarefas, ou entre uma tarefa e uma interrupção. • Queues são usadas para comunicar eventos e transferir dados. • Portanto, você pode usar queues para transferir dados e deferir trabalho de uma interrupção para uma tarefa do RTOS. • Para trabalhar com queues em interrupções, use as funções que terminam com “FromISR”. • A queue usada para esta finalidade é chamada de Timer Command Queue (fila de comando do timer), sua implementação é privada para o FreeRTOS e não pode ser acessada ​ diretamente.
    29. 29. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO • Você pode usar algumas técnicas para transferir dados de uma interrupção para uma tarefa: • Se a taxa de transferência for baixa, você pode simplesmente transferir byte a byte usando um queue. • Se a taxa de transferência for alta, você pode salvar os dados transferidos em um buffer, e quando receber uma mensagem completa, notificar a tarefa com um semáforo ou enviar a mensagem com um queue. • Você pode também decodificar mensagens direto da ISR, e passar os dados já interpretados via queue para a tarefa. Este técnica só é válida se a decodificação dos dados forem rápidas o suficiente para serem executadas de dentro da ISR.
    30. 30. UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO Bibliografia [1] PRADO, S. Desenvolvendo com o FreeRTOS. São Paulo, julho 2012. [2] FREERTOS. A Real Time Engineers. Disponível <http://www.freertos.org/ >. Acesso em: 28 set 2013. em:

    ×