Economia docompartilhamento       Alexandre Magrineli dos Reis
O meu motivo para estar aqui                               Wilson Dias/ABr
A economia e o consumo hoje                              Foto: flickr.com/photos/jassy-50                                 ...
Black Friday no Brasil
Os avisos1972: Clube de Roma e “Os             •   grupo de composto por cientistas, industriais                          ...
Os avisos  1987: Nosso Futuro comum   Relatório Brundtland“                             Comissão Mundial sobre o Meio Am...
Temas da Rio+20• Economia verde  (Green Economy) no  contexto         do  desenvolvimento  sustentável    e  a  erradicaçã...
“Towards a Green Economy: Pathways toSustainable Development and Poverty Eradication”                                   • ...
Economia Verde
Green Economy CoalitionDRAFT – Princípios de uma economia verde     Uma economia flexível e abrangente, que fornece uma me...
Documento final da Rio+20  O futuro que queremosPosição oficial ONU: Determinação do conteúdo incluído no conceito da econ...
Críticas à economia verde• "Economia verde privatiza a riqueza e socializa a  pobreza“ (Evo Morales, Presidente da Bolívia...
A ECONOMIA DOCOMPARTILHAMENTO
Economia do             Compartilhamento•   Sharing Economy, Mesh Economy,    collaborative     consuption,     são    exp...
Wikipedia – verbete Consumo            colaborativo•    Ao buscar experiências e não somente objetos de compra, os consumi...
Retorno a práticas antigas...                                                               • Muito do conceito da        ...
Com nova roupagem             • Só que antes o que era               feito apenas pelo contato               entre indivíd...
• Além do benefício da redução  do consumo e, portanto, da  fabricação de novos produtos e  utilização de recursos naturai...
Principios da economia do       compartilhamento• MASSA CRÍTICA: termo sociológico utilizado para  descrever a existência ...
Exemplo de publicações
GENEROS E ESPECIES DENTRO DASHARING ECONOMY
SISTEMAS DE SERVIÇO DE       PRODUTOS• Compartilhamento de carros  Compartilhamento de carros (de grandes marcas de automó...
MERCADOS DE         REDISTRIBUIÇÃO•   Grandes Mercados•   Troca livre•   Eletrônica•   Trocas locais de livros            ...
ESTILO DE VIDA DE           COLABORATIVO• Coworking• Empréstimos sociais• Moedas sociais• Crowdfunding• Viagem entre pares...
AIRBNB
Freecycle Network
EXPERIÊNCIAS NO BRASIL
Estante virtual
Site CaronetasO Caronetas foi pré-selecionado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, como umas das 15 soluções...
Site DescolaAi• Descola aí...
Instituto akatu
Instituto Alana – Feira de troca         de Brinquedos
Instituto Alana/MMA – Cartilha        Consumo Infantil                                   •   Instituto Alana e Ministério ...
Centro de Ecologia Integral                              Fonte: Centro de Ecologia Integral
Feira de trocas - Ambientação
Conclusões• Pensar...• Mudar atitude e hábitos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sharing Economy: Economia do Compartilhamento

825 visualizações

Publicada em

Palestra do Muito MMMAIS (programa integrante do Toda Quinta e Muito MMMAIS), realizada no dia 29/11/2012, com Alexandre Magrineli dos Reis - Palestra: Sharing Economy: Economia do Compartilhamento. Veja como foi: http://ow.ly/fQHC5

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
825
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
86
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sharing Economy: Economia do Compartilhamento

  1. 1. Economia docompartilhamento Alexandre Magrineli dos Reis
  2. 2. O meu motivo para estar aqui Wilson Dias/ABr
  3. 3. A economia e o consumo hoje Foto: flickr.com/photos/jassy-50 Foto: (AP)
  4. 4. Black Friday no Brasil
  5. 5. Os avisos1972: Clube de Roma e “Os • grupo de composto por cientistas, industriais e políticos constituído em 1968 com objetivo limites do Crescimento” de discutir temas relacionados a política, economia internacional, meio ambiente e desenvolvimento sustentável. • Contratação de estudo ao Massachusetts Institute of Technology (MIT) com o objetivo de analisar problemas cruciais para o futuro desenvolvimento da humanidade • 1972: estudo intitulado “Os Limites do crescimento“ • Modelo computacional – batizado de “World3”: – 12 cenários que refletiam a seguinte constatação: as tendências de crescimento da população global e da atividade econômica não eram sustentáveis e levariam a um esgotamento dos limites físicos dos recursos do planeta. • Argumentava a favor da diminuição significativa das atividades produtivas em todo o mundo, com ênfase no corte da Fonte: Clube de Roma produção industrial.
  6. 6. Os avisos 1987: Nosso Futuro comum Relatório Brundtland“ Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento da ONU (presidida pela primeira-ministra da Noruega, Gro Brundtland) Sintetiza a visão crítica do modelo de desenvolvimento adotado; Ressalta a incompatibilidade entre os padrões de produção e consumo vigentes nos países industrializados e buscado pelos países em desenvolvimento com o o uso racional dos recursos naturais e aFoto: AP capacidade de suporte dos ecossistemas.  Primeiro (ou principal) documento que tratou do conceito de "desenvolvimento sustentável".
  7. 7. Temas da Rio+20• Economia verde (Green Economy) no contexto do desenvolvimento sustentável e a erradicação da pobreza Fonte: ONU
  8. 8. “Towards a Green Economy: Pathways toSustainable Development and Poverty Eradication” • Um dos documentos base para subsidiar as discussões da Rio+20; • O estudo afirma que é possível garantir um futuro sustentável para o planeta através de investimentos no valor de 1,3 trilhão de dólares por ano – ou 2% da riqueza gerada pela economia global – em dez setores-chave, significando um estímulo à expansão econômica, com ênfase em fontes renováveis de energia. Trata-se de uma tentativa de uma mudança de paradigma em prol de uma economia verde. Fonte: ONU
  9. 9. Economia Verde
  10. 10. Green Economy CoalitionDRAFT – Princípios de uma economia verde Uma economia flexível e abrangente, que fornece uma melhor qualidade de vida para todos dentro dos limites ecológicos do planeta1. Ela proporciona o desenvolvimento sustentável2. Ele oferece a equidade - O Princípio da Justiça3. Ele cria verdadeira prosperidade e bem-estar para todos - O Princípio da Dignidade4. Além disso, melhora o mundo natural – O Princípio da Precaução, limites planetários e integridade da Terra5. É inclusiva e participativa na tomada de decisões - O Princípio da Inclusão6. É responsável - O Princípio da Governança7. Baseia-se resiliência econômica, social e ambiental - O Princípio da Resiliência8. Ele proporciona um consumo e produção sustentáveis - O Priniciple Eficiência9. Ele investe para o futuro - O Princípio Intergeracional
  11. 11. Documento final da Rio+20 O futuro que queremosPosição oficial ONU: Determinação do conteúdo incluído no conceito da economiaverde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza. Nodocumento final, países dedicaram uma seção para detalhar como as políticaseconômicas podem ser uma ferramenta para avançar no desenvolvimento sustentável,observando que todos os países estão aprendendo como tornar suas economias maisverdes e aprendendo uns com os outros a partir do compartilhamento de experiênciase lições.Crítica: Documento não foi além de algumas afirmações genéricas sem criarmecanismos operacionais e compromissos para a introdução deste novo modeloeconômico.
  12. 12. Críticas à economia verde• "Economia verde privatiza a riqueza e socializa a pobreza“ (Evo Morales, Presidente da Bolívia)• As críticas existentes baseiam-se que a economia verde ainda mantem a apropriação do homem sobre os bens naturais, a idéia de expansão da economia, sem trabalhar efetivamente na diminuição da produção e consumo.
  13. 13. A ECONOMIA DOCOMPARTILHAMENTO
  14. 14. Economia do Compartilhamento• Sharing Economy, Mesh Economy, collaborative consuption, são expressões utilizadas para descrever um conjunto de práticas que pressupõe possuir (ter) o que é necessário no momento certo sem a necessidade de adquirir.• Tratam-se de relações de consumo que estão resurgindo, muitas estão sendo reinventadas com as novas tecnologias.• “refere-se à expansão das práticas de compartilhamento, troca, empréstimo, intercâmbio, aluguel e doação, reinventados por meio da tecnologia de rede em uma escala e de uma maneira sem precedentes”
  15. 15. Wikipedia – verbete Consumo colaborativo• Ao buscar experiências e não somente objetos de compra, os consumidores estão mais voltados à satisfação de sua necessidade e ao real objetivo que uma troca comercial possui.• No consumo colaborativo, a estrutura de oferta e demanda não é tão rígida e limitada como na compra tradicional: não há moeda fixa de escambo nem posse única ou total de um objeto.• A prática comercial no consumo colaborativo é uma interação entre partes interessadas em ter acesso ao que o outro oferece.• Toda esta configuração se mostra compatível com as relações que estabelecemos na internet, em uma comunicação que não é mais frontal, mas na qual ocorre produção de conteúdo de ambos os lados: todos são receptores e emissores ao mesmo tempo.• Essa estrutura comunicativa da internet migrou para o mundo dos negócios na forma do consumo colaborativo: não há mais separação entre vendedor e comprador, mas uma relação mútua de escambo entre partes.
  16. 16. Retorno a práticas antigas... • Muito do conceito da economia do compartilhamento é um resgate a praticas antigas realizadas pela humanidade em uma escala histórica, e mais Fonte: http://www.arcauniversal.com/mundocristao/series/noticias/c próximo de nós, por ostumes-da-biblia---o-comercio-14593.html nossos avós e pais
  17. 17. Com nova roupagem • Só que antes o que era feito apenas pelo contato entre indivíduos, amigos, vizinhos, numa dimensão reduzida de negociação, agora ganha uma escala física (empresa, bairro, família,etc...) e virtual (sites e redes na internet)
  18. 18. • Além do benefício da redução do consumo e, portanto, da fabricação de novos produtos e utilização de recursos naturais, o consumo colaborativo garante que o dinheiro, quando utilizado, recircule entre os indivíduos, não se concentrando em organizações.• A revista TIME elencou o consumo colaborativo como uma das "10 idéias que vão mudar o mundo" . Fonte: http://collaborativeconsumption.com/
  19. 19. Principios da economia do compartilhamento• MASSA CRÍTICA: termo sociológico utilizado para descrever a existência de um impulso suficiente em um sistema para torna-lo autossustentável• PODER DE CAPACIDADE OCIOSA;• CRENÇA NOS BENS COMUNS: ao fornecer valor para a comunidade, permitimos que o nosso próprio valor se expanda em troca• CONFIANÇA ENTRE ESTRANHOS
  20. 20. Exemplo de publicações
  21. 21. GENEROS E ESPECIES DENTRO DASHARING ECONOMY
  22. 22. SISTEMAS DE SERVIÇO DE PRODUTOS• Compartilhamento de carros Compartilhamento de carros (de grandes marcas de automóveis) Compartilhamento de carro entre pares Compartilhamento de bicicletas• Aluguel entre pares• Energia Solar Aluguel de brinquedos• Aluguel de objetos de moda• Aluguel de livros• Aluguel de arte• Filmes Fonte: http://collaborativeconsumption.com/
  23. 23. MERCADOS DE REDISTRIBUIÇÃO• Grandes Mercados• Troca livre• Eletrônica• Trocas locais de livros Fonte: http://collaborativeconsumption.com/• Sites para troca de bens do bebê e brinquedos• Trocas de roupas• Troca de mídias (DVD, livros, jogos)
  24. 24. ESTILO DE VIDA DE COLABORATIVO• Coworking• Empréstimos sociais• Moedas sociais• Crowdfunding• Viagem entre pares• Caronas Fonte: http://collaborativeconsumption.com/• Compartilhamento de taxis• Jardins Escambo• Troca de favores• Compartilhamento de Redes de Armazenamento e estacionamentos
  25. 25. AIRBNB
  26. 26. Freecycle Network
  27. 27. EXPERIÊNCIAS NO BRASIL
  28. 28. Estante virtual
  29. 29. Site CaronetasO Caronetas foi pré-selecionado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, como umas das 15 soluçõesmundiais para melhorar a mobilidade urbana.
  30. 30. Site DescolaAi• Descola aí...
  31. 31. Instituto akatu
  32. 32. Instituto Alana – Feira de troca de Brinquedos
  33. 33. Instituto Alana/MMA – Cartilha Consumo Infantil • Instituto Alana e Ministério do Meio Ambiente lançam cartilha sobre relação entre consumismo infantil e sustentabilidade com dicas e sugestões para pais e educadores. O objetivo da publicação é ajudar os pais e educadores a trabalharem com as crianças a diferença entre o “querer” e o “precisar”, além de abordar temas como sustentabilidade, descarte e consumo. • Medidas como o consumo de lanches feitos em casa, mais saudáveis e que geram menos lixo e descarte de embalagens, são incentivadas. O material também traz alguns dados preocupantes sobre a influência da publicidade no consumismo infantil. Dados do Ibope mostram que, hoje, as crianças passam mais de cinco horas por dia na frente da televisão. E que 64% de todos os anúncios veiculados nas emissoras de TV, monitoradas às vésperas do Dia das Crianças de 2011, foram direcionados ao público infantil (Alana/UFES). • O livreto é o terceiro volume da série Cadernos de Consumo Sustentável, publicada pelo Ministério do Meio Ambiente. Fonte: Instituto Alana
  34. 34. Centro de Ecologia Integral Fonte: Centro de Ecologia Integral
  35. 35. Feira de trocas - Ambientação
  36. 36. Conclusões• Pensar...• Mudar atitude e hábitos...

×