SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Os Fundamentos da Administração
O que é Administração de Empresas?
Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos
Prof. Murilo Amorim
Professor Murilo Amorim



                                      -            o

                                                                                  -
                                       -               -            o Paulo, SP

                                               o

                   -                                                -                     -
                                           -                 , MT

                                       -                                              -
                                      -                    , MT

                                Concursos Públicos

     PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ - 7o Colocado – 10 Vagas - 2.804 Candidatos
                            Controlador Municipal (2012)

       TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 1ª Região - 5o Colocado – 1.853 Candidatos
                           Analista Administrativo (2011)

                           BLICO FEDERAL - 3o Colocado – 300 Candidatos
                              Analista de Orçamento (2010)
Capitulo 1 - O que é Administração de Empresas?

Objetivos:
- Proporcionar um conceito abrangente de Administração.
- Traçar os caminhos da teoria administrativa até o estágio
atual.
- Delinear as perspectivas futuras das empresas e de sua
administração.
O que é administração de empresas?

ORGANIZAÇÕES

Vivemos em um mundo de organizações.

Tudo o que a sociedade requer é inventado, criado, desenvolvido, produzido e comercializado
por organizações.

Definição de Organização:
- Disposição, Ordenação, Estrutura;
- Constituição, Composição;
- Disposição que permite uso ou funcionamento eficiente, Ordem;
- Relação de coordenação e coerência entre diversos elementos que formam um todo.

LEMBRE-SE: ORGANIZAR + AÇÃO

As organizações operam em ambientes diferentes, rodeadas por um universo de fatores
econômicos, políticos, tecnológicos, legais, sócio-culturais e demográficos que interagem entre
si e se alternam constantemente, proporcionando um campo dinâmico de forças caracterizado
por enorme mudança e instabilidade.


                                                                                              4
O que é administração de empresas?




ORGANIZAÇÕES

Não existem duas organizações iguais, elas podem apresentar diversas características
específicas, tais como dimensões e tamanhos (grande, médias, pequenas e microempresas),
características territoriais (empresas locais, regionais, nacionais, multinacionais), entre uma
lista de outras especificações.

As organizações são extremamente heterogêneas e bem diferenciadas:
- Organizações Governamentais (Ministérios, Secretarias, Repartições Públicas);
- ONG (Terceiro Setor, Culturais, Sociais, Filantrópicas, etc)
- Empresas em Geral (Industrias, Bancos, Comércio, Entretenimento, Informação, Energia,
Segurança);

Reflexão: Quem daqui trabalha? Em que tipo de Organização?




                                                                                              5
O que é administração de empresas?




ORGANIZAÇÕES

As Organizações não funcionam ao léu. Elas não sobrevivem, crescem ou se tornam bem-
sucedidas por mero acaso.

O sucesso organizacional não é fruto exclusivo da sorte, mas de uma série infindável e
articulada de decisões, ações, aglutinação de recursos, competências, estratégias e uma
busca permanente de objetivos para alcançar resultados cada vez melhores.

O que leva uma organização rumo a excelência e ao sucesso não são apenas produtos,
serviços, competências e recursos. É a forma como ela é ADMINISTRADA.




                                                                                      6
O que é administração de empresas?



ADMINISTRAÇÃO

A administração é o veículo pelo qual as organizações são alinhadas e conduzidas para
alcançar excelência em suas ações e operações para chegar ao êxito no alcance de
resultados com os meios de que se dispõe.

A tarefa da Administração consiste em interpretar os objetivos propostos pela organização e
traduzi-los em ação empresarial por meio de planejamento, organização, direção e controle de
todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de
atingir tais objetivos da melhor forma possível.

A ADMINISTRAÇÃO FAZ ACONTECER


                                                      Resultados


                                   Recursos




                                                                                           7
O que é administração de empresas?


ADMINISTRAÇÃO: Conceitos

"Processo de alcançar objetivos pelo trabalho com e por intermédio de pessoas e recursos
organizacionais".

"Processo de planejar, organizar, liderar e controlar o trabalho dos membros da organização e
utilizar todos os recursos organizacionais definidos".

"Processo de planejar, organizar, liderar e controlar o uso de recursos para alcançar objetivos
de desempenho".

"É o alcance de objetivos organizacionais de maneira eficaz e eficiente graças ao
planejamento, à organização, à liderança e ao controle dos recursos organizacionais."

"É o ato de trabalhar com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da
organização, bem como de seus membros".

Reflexão: Como você vê a administração da sua empresa? Quem administra? Vocês estão
preparados para esse desafio?


                                                                                              8
O que é administração de empresas?


ADMINISTRAÇÃO

A Administração é um processo de PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR e CONTROLAR o
uso dos recursos e competências organizacionais para alcançar determinados objetivos com
EFICIÊNCIA e EFICÁCIA.

Diferenciação:
EFICIÊNCIA: fazer certo; o meio para se atingir um resultado; é a atividade, ou, aquilo que se
faz.
EFICÁCIA: a coisa certa; o resultado; aquilo para que se faz, isto é, o fim, o objetivo.
Lembrando que: O resultado depende de "fazer certo a coisa certa".
                                                                              Planejar




                                                                Controlar   Administrar   Organizar




                                                                               Dirigir


                                                                                                9
Planejar
                 • Proatividade e
                   Visão Antecipatória
                 • Foco em objetivos
                   estratégicos
                 • Visão de Futuro




Controlar                                Organizar
• Foco em                                • Visão
  resultados                               Sistêmica e
• Desempenho
                   Administrar             Holística
• Eficiência e                           • Convergência
  Eficácia                               • Networking




                  Dirigir
                  • Missão e
                    Valores
                  • Comunicação
                  • Liderança
                                                          10
História da teoria da administração


TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

O jeito mais fácil de explicar a ampliação e o aprofundamento do significado da administração
é percorrer a sua trajetória e acompanhar os passos gradativos da história das organizações e
da teoria geral da administração.

A Teoria Geral da Administração é um conjunto integrado de teorias em crescente expansão e
gradativamente abrangente. O seu surgimento se confunde com o desenvolvimento das
organizações, da necessidade de se colocar em operação conceitos e ideologias a respeito
das organizações, por esse motivo, começou como uma teoria preocupada com alguns
poucos aspectos e variáveis e focando exclusivamente os problemas mais imediatos e
concretos.

A TGA atravessou fases bem distintas e que se superpõe. Cada uma das fases realça e
enfatiza um aspecto importante da Administração, a saber:
- Ênfase nas tarefas;
- Ênfase na estrutura organizacional;
- Ênfase nas pessoas;
- Ênfase na tecnologia;
- Ênfase no ambiente;
- Ênfase nas competências e na competitividade.
                                                                                           11
História da teoria da administração



ÊNFASE NAS TAREFAS

Filme: Tempos Modernos

É a abordagem típica da escola da Administração Científica.
A Teoria da Administração Científica recebe este nome pela tentativa de aplicação dos
métodos da ciência aos problemas da administração, a fim de alcançar ELEVADA
EFICIÊNCIA INDUSTRIAL.

Aqui surge a figura de Frederick Taylor - Engenheiro Americano, considerado o fundador da
TGA, teve inúmeros seguidores (engenheiros como Gantt, Gilbreth, Emerson, Ford, Barth e
outros) e provocou uma revolução no pensamento administrativo e no mundo industrial da
época.

Representou uma primeira aproximação teórica aos estudos da administração empresarial e
focalizou inicialmente no nível de trabalho individual de cada operário, tomando isoladamente.




                                                                                            12
História da teoria da administração


ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Até então, a escolha do método de trabalho era feita pelo próprio operário que se baseava na
sua experiência profissional anterior para definir como seria realizada a sua tarefa. Como
consequência, as indústrias americanas revelavam uma profunda disparidade de métodos de
trabalho, pois cada operário tinha um esquema pessoal de trabalho, o que dificultava a
supervisão, o controle e a padronização de utensílios e ferramentas de trabalho.

Taylor tirou do operário o direito de escolher o seu jeito de executar a tarefa, para impor-lhe
um método planejado e estudado, chamado de A Melhor Maneira (The Best Way). A técnica
para se chegar ao método era o ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS.

As atividades mais complexas eram subdivididas em atividades mais simples, as quais eram
divididas em movimentos elementares. Simplificação e padronização tornaram o trabalho mais
eficiente e permitia uma altíssima especialização do trabalhador.

Após descobrir a melhor forma de executar a tarefa, a preocupação era estabelecer tempos e
padrões de produção por meio de cronometragem.



                                                                                             13
História da teoria da administração


ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Para assegurar a eficiência do operariado, tornava-se necessário selecionar os operários mais
aptos, treiná-los na execução do método escolhido e oferecer-lhes condições ambientais de
trabalho agradáveis e condições de conforto capazes de reduzir a fadiga.

Para conseguir a colaboração e o engajamento do operariado no sistema e sua participação
no aumento da eficiência, a solução encontrada foi oferecer PLANOS DE INCENTIVOS
SALARIAIS E PRÊMIOS DE PRODUÇÃO (homo economicus).




                                                                                           14
História da teoria da administração




  ÊNFASE NAS TAREFAS



Palavras – chave : Administração Científica


 • Estudo de tempos e movimentos;
 • Simplificação e Padronização;
 • Supervisão Funcional;
 • homo economicus;
 • Produção em Série, em Massa;
 • Eficiência (foco na produtividade e redução de desperdícios).




                                                                   15
História da teoria da administração


ÊNFASE NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

É a fase na qual administrar significa basicamente planejar e organizar a estrutura de órgãos e
cargos que compõem a empresa, dirigir e controlar as suas atividades. Nesta abordagem,
verifica-se que a eficiência da empresa vai além da soma da eficiência de seus trabalhadores
e deve ser alcançada através da adequação dos meios (órgãos e cargos) aos fins desejados.

Ampliação do objeto de estudo da TGA


   Microabordagem                                Macroabordagem



       Indivíduo                                   Estrutura Organizacional



São três as abordagens relacionadas com a estrutura organizacional:
1 - Teoria Clássica
2 - Teoria da Burocracia de Weber
3 - Teoria Estruturalista

                                                                                             16
História da teoria da administração


TEORIA CLÁSSICA

Primeira abordagem a enfatizar a estrutura organizacional nasceu com Henry Fayol, que
defendia a visão anatômica da empresa em termos de organização formal, isto é, a síntese
dos diferentes órgãos que compõem a estrutura organizacional, suas relações e suas funções
dentro do todo.

Para Fayol toda empresa desempenha seis funções básicas:




Segundo Fayol essas funções eram
divididas em Administrativas e Não-
Administrativas, nos níveis mais altos de
hierarquia predominavam as funções
administrativas, enquanto nos níveis mais
baixos predominavam as demais funções
(não-administrativas).




                                                                                        17
História da teoria da administração


TEORIA CLÁSSICA

Fayol listou 14 Princípios Gerais de Administração. Os princípios mais conhecidos são:


                                    • consiste na designação de tarefas específicas a cada um dos
 Princípio da divisão do trabalho     órgãos que compõem a organização empresarial.


    Princípio da autoridade e       • a autoridade é o poder derivado da posição ocupada pela pessoa,
                                      o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência; a
        responsabilidade              responsabilidade é uma conseqüência natural da autoridade.

    Princípio da unidade de         • cada pessoa deve receber ordens de um e apenas um superior.
           comando                    Autoridade única


   Princípio da hierarquia ou       • a autoridade deve estar disposta em uma hierarquia, de tal
                                      maneira que um nível hierárquico deve estar sempre subordinado
         cadeia escalar               ao nível hierárquico superior.

          Princípio da              • a divisão do trabalho conduz à especialização e à diferenciação
      departamentalização             das tarefas e dos órgãos.


                                    • é a distribuição ordenada do esforço da empresa, a fim de obter
   Princípio da coordenação           unidade de ação na consecução de um fim comum.


                                                                                                        18
História da teoria da administração



TEORIA CLÁSSICA




                                      19
História da teoria da administração


TEORIA DA BUROCRACIA
A segunda abordagem relacionada com a estrutura organizacional nasceu com Max Weber
(1864-1920).

Para Weber o termo burocracia não tem o significado pejorativo de uso popular, mas um
significado técnico que identifica certas características da organização formal voltadas
exclusivamente para a racionalidade e para a eficiência.

Características básicas do modelo burocrático:
Formalização: todas as atividades são definidas por escrito (rotinas e procedimentos) e a
organização opera de acordo com um conjunto de leis ou regras (regras, regulamentos,
regimento interno, estatutos) que são aplicáveis a todos os casos individuais, sem exceção.

Divisão do trabalho: cada participante tem um cargo ou posição definidos em uma esfera
específica de competência, com deveres oficiais, atribuições estritamente especificadas e
delimitadas.

Competência técnica: a seleção e a escolha dos participantes da organização baseiam-se na
competência técnica e na qualidade profissional dos candidatos e não em preferências de
ordem pessoal. A burocracia é eminentemente meritocrática.

                                                                                         20
História da teoria da administração



TEORIA DA BUROCRACIA

Impessoalidade: o funcionário ideal é impessoal no relacionamento com outros ocupantes de
cargos. A burocracia enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam, pois ao passo que
as pessoas entram e saem da organização, os cargos permanecem para garantir sua
continuidade e perpetuação.

Separação entre propriedade e administração: os recursos utilizados para a execução das
tarefas não são propriedade dos burocratas, e sim da organização. A sua administração está
separada da propriedade dos meios de produção, uma vez que o dirigente ou burocrata não é
necessariamente o dono da organização; ele é na verdade um profissional especializado na
sua gestão. A burocracia permitiu o surgimento das sociedades anônimas (S.As) e do
moderno mercado de capitais.

Profissionalização do funcionário: os funcionários da burocracia são profissionais, pois são
especialistas em face da divisão do trabalho; são assalariados de acordo com suas funções ou
posição hierárquica; seus cargos constituem sua principal atividade dentro da organização. A
burocracia permitiu o surgimento dos funcionários como profissionais.


                                                                                          21
História da teoria da administração




TEORIA DA BUROCRACIA

Todavia Weber não levou em conta as diferenças individuais das pessoas nem a organização
informal. O comportamento das pessoas nem sempre ocorre com a previsibilidade descrita por
Weber. - (Filme – Burocracia)

Existem conseqüências imprevistas (indesejadas) e que levam à ineficiência e às
imperfeições. A estas deu-se o nome de disfunções da burocracia, são elas:

Despersonalização do relacionamento entre os participantes: os ocupantes de cargos se
tratam como tal e não como pessoas.

Internalização das diretrizes: as normas e os regulamentos – inicialmente elaborados para
melhor atingir os objetivos organizacionais – adquirem valor próprio, transformando-se de
meios em objetivos e passando a ser absolutos. O funcionário passa a se preocupar mais com
as regras e os regulamentos da organização, do que com o próprio trabalho dentro dela.



                                                                                        22
História da teoria da administração



TEORIA DA BUROCRACIA

Uso da categorização como técnica de processo decisório: a tomada de decisão passa a
ser prerrogativa do funcionário cuja categoria hierárquica é mais elevada, independentemente
do seu conhecimento sobre o assunto que esta sendo decidido.

Excesso de formalismo e de papelório: a tendência de documentar e formalizar todas as
comunicações chega a um ponto que pode prejudicar o funcionamento da organização.

Exibição de sinais de autoridade: como a burocracia enfatiza enormemente a hierarquia
como meio de controle do desempenho dos participantes, surge a necessidade de utilização
de indicadores, de símbolos ou sinais que destaquem a autoridade e o poder, como é o caso
de uniformes, tipo de sala ou de mesa utilizados, locais reservados no refeitório ou no
estacionamento de carros, entre outros.

Superconformidade em relação às regras e aos regulamentos da organização: o
funcionário passa a ter verdadeira devoção e obsessão pelas regras e regulamentos,
condicionando seu desempenho a eles e, assim, deixa de lado os deveres inerentes ao cargo.


                                                                                          23
História da teoria da administração




TEORIA DA BUROCRACIA

Propensão dos participantes a se defenderem de pressões externas: como a organização
burocrática recebe pressões externas para realizar mudanças, o funcionário passa a percebê-
las como ameaças à posição que desfruta na organização e um perigo para sua segurança
pessoal. Daí a tendência de se defender contra qualquer tipo de influência externa, o que leva
fatalmente a dificuldades no atendimento aos clientes e usuários, tomados como figuras
estranhas e portadoras de tais ameaças e pressões.

Resistências a mudanças: as mudanças representam ameaças quanto à posição quanto à
estabilidade na organização. O funcionário se sente mais seguro e protegido com a rotina que
domina, pois a conhece bem e isso não lhe traz ameaças.




                                                                                            24
Teoria da Burocracia



     Características da Burocracia

     • Caráter legal das normas
     • Caráter formal das comunicações
     • Divisão do trabalho
     • Impessoalidade no relacionamento
     • Hierarquização da autoridade
     • Rotinas e procedimentos
     • Competência técnica e mérito
     • Especialização da gerência
     • Profissionalização

     Disfunções da Burocracia

     • Internalização das normas
     • Excesso de formalismo
     • Excesso de papelório
     • Resistência às mudanças
     • Despersonalização do relacionamento
     • Categorização do relacionamento
     • Superconformidade
     • Exibição de sinais de autoridade
     • Dificuldade com clientes

                                             25
História da teoria da administração




TEORIA ESTRUTURALISTA

A terceira alternativa dentro das correntes da TGA que enfatizam a estrutura organizacional é
chamada teoria estruturalista, desenvolvida a partir dos estudos sobre as limitações e rigidez
do modelo burocrático.

Muito além do modelo burocrático, os estruturalistas introduziram o conceito de sistema aberto
no estudo das organizações e tentaram compatibilizar as contribuições clássica e humanística
na TGA.

Foi uma abordagem múltipla e compreensiva na análise das organizações, focalizando-as
como complexos de estruturas formais e informais.

Os estruturalistas criaram várias tipologias de organizações e análises comparativas para a
melhor compreensão do fenômeno organizacional, incluindo a análise interorganizacional e o
ambiente externo, que passou a ser considerado uma variável a mais no estudo das
empresas.



                                                                                            26
História da teoria da administração



ÊNFASE NAS PESSOAS

É a fase em que administrar é, sobretudo, lidar com pessoas. Esta terceira abordagem
mecanicista e rígida da TGA foi uma reação à abordagem mecanicista e rígida da Teoria
Clássica e da Teoria da Burocracia. Ela procura enfatizar as pessoas dentro das empresas,
deixando em segundo plano a estrutura e as tarefas

É chamada de abordagem humanística e pode ser desdobrada em duas escolas ou teorias: a
Escola das Relações Humanas e a Teoria Comportamental.

ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS
A primeira corrente da abordagem humanística teve em Elton Mayo e Kurt Lewin seus
principais precursores. Trata-se da abordagem mais democrática e liberalizante ocorrida na
TGA.


               Engenharia                                   Psicologia

                 Técnica                                   Humanismo
                                                                                        27
História da teoria da administração



ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS

Para a Teoria Clássica, o administrador típico – eminentemente técnico e voltado para os
aspectos lógicos da organização – cede agora lugar ao administrado típico da nova
abordagem – eminentemente humanista e voltado para os aspectos psicológicos e
sociológicos da organização.

Os planos de incentivos salariais fundamentados na concepção do homo economicus passam
a ser substituídos pelo incentivo social e simbólico baseado na concepção do homo socialis.

Segundo essa concepção, o homem é motivado basicamente pelas recompensas sociais e
simbólicas, pois as necessidades psicológicas do ser humano são mais importantes do que a
necessidade de ganhar mais dinheiro.

As principais contribuições da Teoria das relações humanas à TGA se concentram no esforço
pioneiro rumo à humanização das empresas: a ênfase na organização informal, nos grupos
sociais, nas comunicações, motivação liderança, nas abordagens participativas e, sobretudo,
na preocupação com a satisfação no trabalho.


                                                                                         28
História da teoria da administração


TEORIA COMPORTAMENTAL
A segunda abordagem humanística – a Teoria Comportamental – surgiu com o livro de Hebert
A. Simon publicado em 1947, no qual o autor desenvolve uma teoria das decisões.

Para ele, a decisão é muito mais importante do que a ação subseqüente. A partir daí, as
empresas são visualizadas como sistemas de decisões, nos quais as pessoas percebem,
sentem, decidem e agem, definindo seus comportamentos diante de situações com que se
deparam.

Fundamentando-se no comportamento individual das pessoas, usando o estudo da motivação
humana, a Teoria Comportamental explica o comportamento organizacional onde os autores
entendem que para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações, o administrador
precisa conhecer as necessidades humanas, compreendendo-lhes o comportamento e
usando-lhes a motivação.

Características da Teoria Comportamental da Administração:
- Ênfase no comportamento organizacional, isto é, na dinâmica e não na estrutura;
- Foco no processo decisório;
- Ênfase em aspectos comportamentais como motivação, liderança, comunicação, equipes;
- Adoção de técnicas comportamentais.

                                                                                      29
História da teoria da administração




ÊNFASE NA TECNOLOGIA

É o foco das teorias que consideram a administração uma ciência que cuida da aplicação bem
sucedida da tecnologia na atividade organizacional. Isso significa lidar com a tecnologia e dela
extrair a máxima eficiência.

A tecnologia posta a serviço da empresa (mecanização, automação, computação, robotização
e a tecnologia da informação) passou a moldar-lhe a estrutura e condicionar seu
funcionamento.

Alguns autores chegaram a afirmar a existência de um “imperativo tecnológico”, ou seja, a
tecnologia tomada como variável independente e a estrutura organizacional da empresa que a
utiliza como variável dela dependente.




                                                                                              30
Ênfase na Tecnologia



 Surge aqui a idéia da empresa como um sistema sociotécnico, no qual interagem três
 subsistemas intimamente interdependentes.


                                        Sistema
                                       Gerencial
                                  • Administradores
                                    situados nos
                                    níveis:
                                    institucional,
                                    intermediário e
                                    operacional




                                       Sistema
            Sistema Técnico          Sociotécnico
            • Máquinas,                                   Sistema Social
              equipamentos,                             • Pessoas e seus
              tecnologia,                                 relacionamentos
              instalações,                                interpessoais e
              processos e                                 sociais
              tarefas


                                                                                      31
História da teoria da administração




ÊNFASE NO AMBIENTE

É a fase em que administrar significa, sobretudo, lidar com as demandas do ambiente e obter
o máximo de eficácia da empresa.

Com a influência da Teoria dos Sistemas na TGA, verificou-se que apenas o estudo das
variáveis internas não proporcionava uma compreensão mais ampla da estrutura e do
comportamento organizacionais. Tornava-se necessário o estudo das variáveis externas,
situadas fora dos limites da empresa e responsáveis por influenciar profundamente seus
aspectos estruturais e comportamentais.

Essa ênfase no ambiente surgiu com o aparecimento da Teoria da Contingência, segundo a
qual não existe uma única “melhor maneira” de organizar as empresas; pelo contrário, as
características estruturais das empresas dependem das características ambientais que as
circundam.




                                                                                         32
Ênfase no Ambiente




     Características da Teoria da Contingência



     • Ênfase no ambiente como o determinante das características organizacionais;
     • Foco no ajustamento e na adaptabilidade da organização ao seu entorno;
     • Abordagem da adequação: a organização como variável dependente das variáveis
      ambientais;
     • Crítica às organizações mecanicistas e tradicionais;
     • Relativismo organizacional: não há nada rígido em administração, tudo é contingente.




                                                                                              33
História da teoria administrativa




ÊNFASE NAS COMPETÊNCIAS E NA COMPETITIVIDADE

A era da informação trouxe novos desafios e abordagens à TGA. As organizações deixaram
de ser vistas como conjuntos integrados de recursos para serem consideradas detentoras de
competências sempre atualizadas, articuladas e prontas para serem aplicadas em qualquer
oportunidade, tão logo elas surjam, antes que os concorrentes o façam.

O mundo organizacional deixa de ser um conjunto de coisas físicas e se torna um universo de
competências essenciais para o sucesso dos negócios. Ao contrário dos recursos, as
competências são dinâmicas, intangíveis, mutáveis e garantidoras da competitividade
organizacional.

Ao longo das demais aulas, teremos a oportunidade de voltar às competências
organizacionais.




                                                                                         34
Fases da história das empresas e da teoria administrativa




                                                        Teorias Administrativas
Anos   Fases das empresas              Ênfase
                                                        Predominantes
       Artesanal
1780   Início da Industrialização
       Primeira Revolução Industrial
       Desenvolvimento Industrial
1860                                   Nas tarefas      Administração Científica
       Segunda Revolução Industrial
                                       Na estrutura     Teoria Clássica
       Gigantismo Industrial
1914                                   organizacional   Teoria Neoclássica
       As Duas Guerras Mundias
                                       Nas pessoas      Teoria das Relações Humanas
                                                        Teoria Neoclássica
                                       Na estrutura
                                                        Teoria Burocrática
                                       organizacional
       Moderna                                          Teoria Estruturalista
1945                                   Nas pessoas
       Pós-Guerra                                       Teoria Comportamental
                                       Na tecnologia
                                                        Teoria da Contingência
                                       No ambiente
                                                        Teoria da Contingência
       Globalização
1980                                   No ambiente      Teoria da Contingência
       Momento Atual



                                                                                      35
Estado atual da teoria administrativa




Mas qual delas é a teoria correta?                         Competitividade

Cada uma das teorias administrativas
prioriza ou valoriza apenas uma ou algumas    Tecnologia                     Pessoas
das seis variáveis básicas do sucesso
organizacional.
                                                            Organização
Enquanto que, atualmente, a TGA estuda as
organizações do ponto de vista da interação
e interdependência entre as seis variáveis.
Cada qual influencia e é influenciada pelas   Estrutura                      Ambiente
outras variáveis. Modificações em uma
provocam modificações em maior ou menor
grau nas demais.                                               Tarefas

Na realidade, a adequação entre essas seis
variáveis constitui o principal desafio da
administração


                                                                                        36
Estado atual da teoria da administração


Traduzindo as seis variáveis básicas para a atualidade, temos:


                                      • Excelência operacional que se traduz em
                 Tarefas
                                        produtos e serviços de alta qualidade.

                                      • Integração e articulação interna de recursos e
                Estrutura
                                        competências.

                                      • Participação, envolvimento, engajamento,
                Pessoas
                                        empowerment.

                                      • Infra-estrutura tecnológica como base para
               Tecnologia
                                        operações e informações.

                                      • Foco no mundo dos negócios onde se situam
                Ambiente
                                        clientes, fornecedores e concorrentes.

                                      • Foco em competências e em resultados
             Competitividade
                                        sustentáveis.



                                                                                         37
Prof. Murilo Amorim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppticbianchi
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in timetrainertek
 
Planejamento Empresarial
Planejamento EmpresarialPlanejamento Empresarial
Planejamento EmpresarialEliseu Fortolan
 
Sistemas administrativos
Sistemas administrativosSistemas administrativos
Sistemas administrativosCorreios
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalGabriel Faustino
 
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8   recursos, níveis e ambiente organizacionalAula 8   recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacionalCorreios
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAlexandre Conte
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeMayra de Souza
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaElmano Cavalcanti
 
Processo Decisório - Introdução
Processo Decisório - IntroduçãoProcesso Decisório - Introdução
Processo Decisório - IntroduçãoWellington Oliveira
 
Slide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégicoSlide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégicoLarissa_cog
 
Estrategias Empresariais
Estrategias EmpresariaisEstrategias Empresariais
Estrategias EmpresariaisCarlaCurcio
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração Lucas Caitité
 

Mais procurados (20)

Teoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração pptTeoria geral da administração ppt
Teoria geral da administração ppt
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
Teoria geral da administração
Teoria geral da administraçãoTeoria geral da administração
Teoria geral da administração
 
Planejamento Empresarial
Planejamento EmpresarialPlanejamento Empresarial
Planejamento Empresarial
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
Teorias da Administração
Teorias da AdministraçãoTeorias da Administração
Teorias da Administração
 
Sistemas administrativos
Sistemas administrativosSistemas administrativos
Sistemas administrativos
 
Micro e pequenas empresas 2012_01
Micro e pequenas empresas 2012_01Micro e pequenas empresas 2012_01
Micro e pequenas empresas 2012_01
 
ADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacionalADM - O ambiente organizacional
ADM - O ambiente organizacional
 
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8   recursos, níveis e ambiente organizacionalAula 8   recursos, níveis e ambiente organizacional
Aula 8 recursos, níveis e ambiente organizacional
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Ferramentas da Qualidade
Ferramentas da QualidadeFerramentas da Qualidade
Ferramentas da Qualidade
 
Estrutura organizacional
Estrutura organizacionalEstrutura organizacional
Estrutura organizacional
 
Fluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e práticaFluxo de Caixa: teoria e prática
Fluxo de Caixa: teoria e prática
 
Processo Decisório - Introdução
Processo Decisório - IntroduçãoProcesso Decisório - Introdução
Processo Decisório - Introdução
 
Teoria da Contingência
Teoria da ContingênciaTeoria da Contingência
Teoria da Contingência
 
Slide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégicoSlide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégico
 
Estrategias Empresariais
Estrategias EmpresariaisEstrategias Empresariais
Estrategias Empresariais
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração
 

Destaque

PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.
PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.
PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.Alaxiel
 
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoProcessos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoJoão Silva
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisãoLeila Oliva
 
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALGESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALRicardo Dutra da Silva
 
O papel dos gerentes
O papel dos gerentesO papel dos gerentes
O papel dos gerentesaissegoo
 
Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparRogerio Sena
 
Graduação - Processos Gerenciais - Unisinos
Graduação - Processos Gerenciais - UnisinosGraduação - Processos Gerenciais - Unisinos
Graduação - Processos Gerenciais - UnisinosUniversidade Unisinos
 
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃOAPOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃOUniceuma
 
Apresentação processos gerenciais Pedro Abreu
Apresentação processos gerenciais Pedro AbreuApresentação processos gerenciais Pedro Abreu
Apresentação processos gerenciais Pedro AbreuPedro Abreu
 
Slide atividade interdisciplinar em grupo
Slide   atividade interdisciplinar em grupoSlide   atividade interdisciplinar em grupo
Slide atividade interdisciplinar em grupoJoão Silva
 
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIAL
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIALPRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIAL
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIALClaudeir Novais
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento táticoMurilo Amorim
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacionalMurilo Amorim
 
Trabalho individual unopar. 1º semestre
Trabalho individual unopar.  1º semestreTrabalho individual unopar.  1º semestre
Trabalho individual unopar. 1º semestreBruno Leal
 

Destaque (20)

PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.
PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.
PROCESSOS GERENCIAIS E TOMADA DE DECISÃO.
 
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de GrupoProcessos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
Processos Gerenciais - Trabalho Interdisciplinar de Grupo
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONALGESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
GESTÃO DE PESSOAS e DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL
 
Aula 4 planejamento
Aula 4   planejamentoAula 4   planejamento
Aula 4 planejamento
 
O papel dos gerentes
O papel dos gerentesO papel dos gerentes
O papel dos gerentes
 
Modelo portfólio unopar
Modelo portfólio unoparModelo portfólio unopar
Modelo portfólio unopar
 
Graduação - Processos Gerenciais - Unisinos
Graduação - Processos Gerenciais - UnisinosGraduação - Processos Gerenciais - Unisinos
Graduação - Processos Gerenciais - Unisinos
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
 
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃOAPOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
APOSTILA TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO
 
Apresentação processos gerenciais Pedro Abreu
Apresentação processos gerenciais Pedro AbreuApresentação processos gerenciais Pedro Abreu
Apresentação processos gerenciais Pedro Abreu
 
Slide atividade interdisciplinar em grupo
Slide   atividade interdisciplinar em grupoSlide   atividade interdisciplinar em grupo
Slide atividade interdisciplinar em grupo
 
Aula 4 planejamento
Aula 4   planejamentoAula 4   planejamento
Aula 4 planejamento
 
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIAL
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIALPRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIAL
PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL TEMA: GESTÃO EMPRESARIAL
 
Aula 5 planejamento tático
Aula 5   planejamento táticoAula 5   planejamento tático
Aula 5 planejamento tático
 
Aula 6 planejamento operacional
Aula 6   planejamento operacionalAula 6   planejamento operacional
Aula 6 planejamento operacional
 
Tomada de decisao
Tomada de decisaoTomada de decisao
Tomada de decisao
 
Prova gabarito
Prova gabaritoProva gabarito
Prova gabarito
 
Trabalho individual unopar. 1º semestre
Trabalho individual unopar.  1º semestreTrabalho individual unopar.  1º semestre
Trabalho individual unopar. 1º semestre
 

Semelhante a Os fundamentos da administração de empresas

Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Andrey Martins
 
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVA
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVAFUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVA
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVAthamirescunha8
 
Aula 6 final 2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultados
Aula 6 final   2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultadosAula 6 final   2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultados
Aula 6 final 2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultadosAngelo Peres
 
Técnicas Organizacionais
Técnicas OrganizacionaisTécnicas Organizacionais
Técnicas OrganizacionaisAndrey Martins
 
Apostila administracao
Apostila administracaoApostila administracao
Apostila administracaoThiago Lages
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48Catarina Guedes
 
Gestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaGestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaAnselmo Lino Bispo
 
Adm 01 -o que é administração -
Adm   01 -o que é administração -Adm   01 -o que é administração -
Adm 01 -o que é administração -EvelyneBorges
 
Apostila assistente-administrativo-ebserh
Apostila assistente-administrativo-ebserhApostila assistente-administrativo-ebserh
Apostila assistente-administrativo-ebserhCamilaPereira210
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresaFabio Aguiar
 
Apostila de administração e mercado de trabalho
Apostila de administração e mercado de trabalhoApostila de administração e mercado de trabalho
Apostila de administração e mercado de trabalhocursoinova
 
OraganizaçãO E AministraçãO
OraganizaçãO E AministraçãOOraganizaçãO E AministraçãO
OraganizaçãO E AministraçãOlupajero
 
Administração de empresas
Administração de empresasAdministração de empresas
Administração de empresasIFGe
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administraçãoalemartins10
 
02. Introdução à Administração de Empresas
02. Introdução à Administração de Empresas02. Introdução à Administração de Empresas
02. Introdução à Administração de EmpresasDebora Miceli
 
Interdiciplinar final x
Interdiciplinar final xInterdiciplinar final x
Interdiciplinar final xLucas Juan
 

Semelhante a Os fundamentos da administração de empresas (20)

Material 41dab8bdce
Material 41dab8bdceMaterial 41dab8bdce
Material 41dab8bdce
 
Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1Fundamentos de administração 1
Fundamentos de administração 1
 
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVA
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVAFUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVA
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO - AULA EXPOSITIVA
 
Aula 6 final 2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultados
Aula 6 final   2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultadosAula 6 final   2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultados
Aula 6 final 2014.1 ucam - gcontemporânea - gestão por resultados
 
3m organiz --
3m organiz --3m organiz --
3m organiz --
 
Administração
AdministraçãoAdministração
Administração
 
Técnicas Organizacionais
Técnicas OrganizacionaisTécnicas Organizacionais
Técnicas Organizacionais
 
Apostila administracao
Apostila administracaoApostila administracao
Apostila administracao
 
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
290322 acetatos%20 4374a04aa3f48
 
Gestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresaGestão da pequena e micro empresa
Gestão da pequena e micro empresa
 
Adm 01 -o que é administração -
Adm   01 -o que é administração -Adm   01 -o que é administração -
Adm 01 -o que é administração -
 
Apostila assistente-administrativo-ebserh
Apostila assistente-administrativo-ebserhApostila assistente-administrativo-ebserh
Apostila assistente-administrativo-ebserh
 
Apostila organização de empresa
Apostila organização de empresaApostila organização de empresa
Apostila organização de empresa
 
Apostila de administração e mercado de trabalho
Apostila de administração e mercado de trabalhoApostila de administração e mercado de trabalho
Apostila de administração e mercado de trabalho
 
Administração farmacêutica aula 01
Administração farmacêutica aula 01Administração farmacêutica aula 01
Administração farmacêutica aula 01
 
OraganizaçãO E AministraçãO
OraganizaçãO E AministraçãOOraganizaçãO E AministraçãO
OraganizaçãO E AministraçãO
 
Administração de empresas
Administração de empresasAdministração de empresas
Administração de empresas
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
02. Introdução à Administração de Empresas
02. Introdução à Administração de Empresas02. Introdução à Administração de Empresas
02. Introdução à Administração de Empresas
 
Interdiciplinar final x
Interdiciplinar final xInterdiciplinar final x
Interdiciplinar final x
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 

Os fundamentos da administração de empresas

  • 1. Os Fundamentos da Administração O que é Administração de Empresas? Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Prof. Murilo Amorim
  • 2. Professor Murilo Amorim - o - - - o Paulo, SP o - - - - , MT - - - , MT Concursos Públicos PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ - 7o Colocado – 10 Vagas - 2.804 Candidatos Controlador Municipal (2012) TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 1ª Região - 5o Colocado – 1.853 Candidatos Analista Administrativo (2011) BLICO FEDERAL - 3o Colocado – 300 Candidatos Analista de Orçamento (2010)
  • 3. Capitulo 1 - O que é Administração de Empresas? Objetivos: - Proporcionar um conceito abrangente de Administração. - Traçar os caminhos da teoria administrativa até o estágio atual. - Delinear as perspectivas futuras das empresas e de sua administração.
  • 4. O que é administração de empresas? ORGANIZAÇÕES Vivemos em um mundo de organizações. Tudo o que a sociedade requer é inventado, criado, desenvolvido, produzido e comercializado por organizações. Definição de Organização: - Disposição, Ordenação, Estrutura; - Constituição, Composição; - Disposição que permite uso ou funcionamento eficiente, Ordem; - Relação de coordenação e coerência entre diversos elementos que formam um todo. LEMBRE-SE: ORGANIZAR + AÇÃO As organizações operam em ambientes diferentes, rodeadas por um universo de fatores econômicos, políticos, tecnológicos, legais, sócio-culturais e demográficos que interagem entre si e se alternam constantemente, proporcionando um campo dinâmico de forças caracterizado por enorme mudança e instabilidade. 4
  • 5. O que é administração de empresas? ORGANIZAÇÕES Não existem duas organizações iguais, elas podem apresentar diversas características específicas, tais como dimensões e tamanhos (grande, médias, pequenas e microempresas), características territoriais (empresas locais, regionais, nacionais, multinacionais), entre uma lista de outras especificações. As organizações são extremamente heterogêneas e bem diferenciadas: - Organizações Governamentais (Ministérios, Secretarias, Repartições Públicas); - ONG (Terceiro Setor, Culturais, Sociais, Filantrópicas, etc) - Empresas em Geral (Industrias, Bancos, Comércio, Entretenimento, Informação, Energia, Segurança); Reflexão: Quem daqui trabalha? Em que tipo de Organização? 5
  • 6. O que é administração de empresas? ORGANIZAÇÕES As Organizações não funcionam ao léu. Elas não sobrevivem, crescem ou se tornam bem- sucedidas por mero acaso. O sucesso organizacional não é fruto exclusivo da sorte, mas de uma série infindável e articulada de decisões, ações, aglutinação de recursos, competências, estratégias e uma busca permanente de objetivos para alcançar resultados cada vez melhores. O que leva uma organização rumo a excelência e ao sucesso não são apenas produtos, serviços, competências e recursos. É a forma como ela é ADMINISTRADA. 6
  • 7. O que é administração de empresas? ADMINISTRAÇÃO A administração é o veículo pelo qual as organizações são alinhadas e conduzidas para alcançar excelência em suas ações e operações para chegar ao êxito no alcance de resultados com os meios de que se dispõe. A tarefa da Administração consiste em interpretar os objetivos propostos pela organização e traduzi-los em ação empresarial por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos da melhor forma possível. A ADMINISTRAÇÃO FAZ ACONTECER Resultados Recursos 7
  • 8. O que é administração de empresas? ADMINISTRAÇÃO: Conceitos "Processo de alcançar objetivos pelo trabalho com e por intermédio de pessoas e recursos organizacionais". "Processo de planejar, organizar, liderar e controlar o trabalho dos membros da organização e utilizar todos os recursos organizacionais definidos". "Processo de planejar, organizar, liderar e controlar o uso de recursos para alcançar objetivos de desempenho". "É o alcance de objetivos organizacionais de maneira eficaz e eficiente graças ao planejamento, à organização, à liderança e ao controle dos recursos organizacionais." "É o ato de trabalhar com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da organização, bem como de seus membros". Reflexão: Como você vê a administração da sua empresa? Quem administra? Vocês estão preparados para esse desafio? 8
  • 9. O que é administração de empresas? ADMINISTRAÇÃO A Administração é um processo de PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR e CONTROLAR o uso dos recursos e competências organizacionais para alcançar determinados objetivos com EFICIÊNCIA e EFICÁCIA. Diferenciação: EFICIÊNCIA: fazer certo; o meio para se atingir um resultado; é a atividade, ou, aquilo que se faz. EFICÁCIA: a coisa certa; o resultado; aquilo para que se faz, isto é, o fim, o objetivo. Lembrando que: O resultado depende de "fazer certo a coisa certa". Planejar Controlar Administrar Organizar Dirigir 9
  • 10. Planejar • Proatividade e Visão Antecipatória • Foco em objetivos estratégicos • Visão de Futuro Controlar Organizar • Foco em • Visão resultados Sistêmica e • Desempenho Administrar Holística • Eficiência e • Convergência Eficácia • Networking Dirigir • Missão e Valores • Comunicação • Liderança 10
  • 11. História da teoria da administração TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO O jeito mais fácil de explicar a ampliação e o aprofundamento do significado da administração é percorrer a sua trajetória e acompanhar os passos gradativos da história das organizações e da teoria geral da administração. A Teoria Geral da Administração é um conjunto integrado de teorias em crescente expansão e gradativamente abrangente. O seu surgimento se confunde com o desenvolvimento das organizações, da necessidade de se colocar em operação conceitos e ideologias a respeito das organizações, por esse motivo, começou como uma teoria preocupada com alguns poucos aspectos e variáveis e focando exclusivamente os problemas mais imediatos e concretos. A TGA atravessou fases bem distintas e que se superpõe. Cada uma das fases realça e enfatiza um aspecto importante da Administração, a saber: - Ênfase nas tarefas; - Ênfase na estrutura organizacional; - Ênfase nas pessoas; - Ênfase na tecnologia; - Ênfase no ambiente; - Ênfase nas competências e na competitividade. 11
  • 12. História da teoria da administração ÊNFASE NAS TAREFAS Filme: Tempos Modernos É a abordagem típica da escola da Administração Científica. A Teoria da Administração Científica recebe este nome pela tentativa de aplicação dos métodos da ciência aos problemas da administração, a fim de alcançar ELEVADA EFICIÊNCIA INDUSTRIAL. Aqui surge a figura de Frederick Taylor - Engenheiro Americano, considerado o fundador da TGA, teve inúmeros seguidores (engenheiros como Gantt, Gilbreth, Emerson, Ford, Barth e outros) e provocou uma revolução no pensamento administrativo e no mundo industrial da época. Representou uma primeira aproximação teórica aos estudos da administração empresarial e focalizou inicialmente no nível de trabalho individual de cada operário, tomando isoladamente. 12
  • 13. História da teoria da administração ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Até então, a escolha do método de trabalho era feita pelo próprio operário que se baseava na sua experiência profissional anterior para definir como seria realizada a sua tarefa. Como consequência, as indústrias americanas revelavam uma profunda disparidade de métodos de trabalho, pois cada operário tinha um esquema pessoal de trabalho, o que dificultava a supervisão, o controle e a padronização de utensílios e ferramentas de trabalho. Taylor tirou do operário o direito de escolher o seu jeito de executar a tarefa, para impor-lhe um método planejado e estudado, chamado de A Melhor Maneira (The Best Way). A técnica para se chegar ao método era o ESTUDO DOS TEMPOS E MOVIMENTOS. As atividades mais complexas eram subdivididas em atividades mais simples, as quais eram divididas em movimentos elementares. Simplificação e padronização tornaram o trabalho mais eficiente e permitia uma altíssima especialização do trabalhador. Após descobrir a melhor forma de executar a tarefa, a preocupação era estabelecer tempos e padrões de produção por meio de cronometragem. 13
  • 14. História da teoria da administração ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA Para assegurar a eficiência do operariado, tornava-se necessário selecionar os operários mais aptos, treiná-los na execução do método escolhido e oferecer-lhes condições ambientais de trabalho agradáveis e condições de conforto capazes de reduzir a fadiga. Para conseguir a colaboração e o engajamento do operariado no sistema e sua participação no aumento da eficiência, a solução encontrada foi oferecer PLANOS DE INCENTIVOS SALARIAIS E PRÊMIOS DE PRODUÇÃO (homo economicus). 14
  • 15. História da teoria da administração ÊNFASE NAS TAREFAS Palavras – chave : Administração Científica • Estudo de tempos e movimentos; • Simplificação e Padronização; • Supervisão Funcional; • homo economicus; • Produção em Série, em Massa; • Eficiência (foco na produtividade e redução de desperdícios). 15
  • 16. História da teoria da administração ÊNFASE NA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL É a fase na qual administrar significa basicamente planejar e organizar a estrutura de órgãos e cargos que compõem a empresa, dirigir e controlar as suas atividades. Nesta abordagem, verifica-se que a eficiência da empresa vai além da soma da eficiência de seus trabalhadores e deve ser alcançada através da adequação dos meios (órgãos e cargos) aos fins desejados. Ampliação do objeto de estudo da TGA Microabordagem Macroabordagem Indivíduo Estrutura Organizacional São três as abordagens relacionadas com a estrutura organizacional: 1 - Teoria Clássica 2 - Teoria da Burocracia de Weber 3 - Teoria Estruturalista 16
  • 17. História da teoria da administração TEORIA CLÁSSICA Primeira abordagem a enfatizar a estrutura organizacional nasceu com Henry Fayol, que defendia a visão anatômica da empresa em termos de organização formal, isto é, a síntese dos diferentes órgãos que compõem a estrutura organizacional, suas relações e suas funções dentro do todo. Para Fayol toda empresa desempenha seis funções básicas: Segundo Fayol essas funções eram divididas em Administrativas e Não- Administrativas, nos níveis mais altos de hierarquia predominavam as funções administrativas, enquanto nos níveis mais baixos predominavam as demais funções (não-administrativas). 17
  • 18. História da teoria da administração TEORIA CLÁSSICA Fayol listou 14 Princípios Gerais de Administração. Os princípios mais conhecidos são: • consiste na designação de tarefas específicas a cada um dos Princípio da divisão do trabalho órgãos que compõem a organização empresarial. Princípio da autoridade e • a autoridade é o poder derivado da posição ocupada pela pessoa, o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência; a responsabilidade responsabilidade é uma conseqüência natural da autoridade. Princípio da unidade de • cada pessoa deve receber ordens de um e apenas um superior. comando Autoridade única Princípio da hierarquia ou • a autoridade deve estar disposta em uma hierarquia, de tal maneira que um nível hierárquico deve estar sempre subordinado cadeia escalar ao nível hierárquico superior. Princípio da • a divisão do trabalho conduz à especialização e à diferenciação departamentalização das tarefas e dos órgãos. • é a distribuição ordenada do esforço da empresa, a fim de obter Princípio da coordenação unidade de ação na consecução de um fim comum. 18
  • 19. História da teoria da administração TEORIA CLÁSSICA 19
  • 20. História da teoria da administração TEORIA DA BUROCRACIA A segunda abordagem relacionada com a estrutura organizacional nasceu com Max Weber (1864-1920). Para Weber o termo burocracia não tem o significado pejorativo de uso popular, mas um significado técnico que identifica certas características da organização formal voltadas exclusivamente para a racionalidade e para a eficiência. Características básicas do modelo burocrático: Formalização: todas as atividades são definidas por escrito (rotinas e procedimentos) e a organização opera de acordo com um conjunto de leis ou regras (regras, regulamentos, regimento interno, estatutos) que são aplicáveis a todos os casos individuais, sem exceção. Divisão do trabalho: cada participante tem um cargo ou posição definidos em uma esfera específica de competência, com deveres oficiais, atribuições estritamente especificadas e delimitadas. Competência técnica: a seleção e a escolha dos participantes da organização baseiam-se na competência técnica e na qualidade profissional dos candidatos e não em preferências de ordem pessoal. A burocracia é eminentemente meritocrática. 20
  • 21. História da teoria da administração TEORIA DA BUROCRACIA Impessoalidade: o funcionário ideal é impessoal no relacionamento com outros ocupantes de cargos. A burocracia enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam, pois ao passo que as pessoas entram e saem da organização, os cargos permanecem para garantir sua continuidade e perpetuação. Separação entre propriedade e administração: os recursos utilizados para a execução das tarefas não são propriedade dos burocratas, e sim da organização. A sua administração está separada da propriedade dos meios de produção, uma vez que o dirigente ou burocrata não é necessariamente o dono da organização; ele é na verdade um profissional especializado na sua gestão. A burocracia permitiu o surgimento das sociedades anônimas (S.As) e do moderno mercado de capitais. Profissionalização do funcionário: os funcionários da burocracia são profissionais, pois são especialistas em face da divisão do trabalho; são assalariados de acordo com suas funções ou posição hierárquica; seus cargos constituem sua principal atividade dentro da organização. A burocracia permitiu o surgimento dos funcionários como profissionais. 21
  • 22. História da teoria da administração TEORIA DA BUROCRACIA Todavia Weber não levou em conta as diferenças individuais das pessoas nem a organização informal. O comportamento das pessoas nem sempre ocorre com a previsibilidade descrita por Weber. - (Filme – Burocracia) Existem conseqüências imprevistas (indesejadas) e que levam à ineficiência e às imperfeições. A estas deu-se o nome de disfunções da burocracia, são elas: Despersonalização do relacionamento entre os participantes: os ocupantes de cargos se tratam como tal e não como pessoas. Internalização das diretrizes: as normas e os regulamentos – inicialmente elaborados para melhor atingir os objetivos organizacionais – adquirem valor próprio, transformando-se de meios em objetivos e passando a ser absolutos. O funcionário passa a se preocupar mais com as regras e os regulamentos da organização, do que com o próprio trabalho dentro dela. 22
  • 23. História da teoria da administração TEORIA DA BUROCRACIA Uso da categorização como técnica de processo decisório: a tomada de decisão passa a ser prerrogativa do funcionário cuja categoria hierárquica é mais elevada, independentemente do seu conhecimento sobre o assunto que esta sendo decidido. Excesso de formalismo e de papelório: a tendência de documentar e formalizar todas as comunicações chega a um ponto que pode prejudicar o funcionamento da organização. Exibição de sinais de autoridade: como a burocracia enfatiza enormemente a hierarquia como meio de controle do desempenho dos participantes, surge a necessidade de utilização de indicadores, de símbolos ou sinais que destaquem a autoridade e o poder, como é o caso de uniformes, tipo de sala ou de mesa utilizados, locais reservados no refeitório ou no estacionamento de carros, entre outros. Superconformidade em relação às regras e aos regulamentos da organização: o funcionário passa a ter verdadeira devoção e obsessão pelas regras e regulamentos, condicionando seu desempenho a eles e, assim, deixa de lado os deveres inerentes ao cargo. 23
  • 24. História da teoria da administração TEORIA DA BUROCRACIA Propensão dos participantes a se defenderem de pressões externas: como a organização burocrática recebe pressões externas para realizar mudanças, o funcionário passa a percebê- las como ameaças à posição que desfruta na organização e um perigo para sua segurança pessoal. Daí a tendência de se defender contra qualquer tipo de influência externa, o que leva fatalmente a dificuldades no atendimento aos clientes e usuários, tomados como figuras estranhas e portadoras de tais ameaças e pressões. Resistências a mudanças: as mudanças representam ameaças quanto à posição quanto à estabilidade na organização. O funcionário se sente mais seguro e protegido com a rotina que domina, pois a conhece bem e isso não lhe traz ameaças. 24
  • 25. Teoria da Burocracia Características da Burocracia • Caráter legal das normas • Caráter formal das comunicações • Divisão do trabalho • Impessoalidade no relacionamento • Hierarquização da autoridade • Rotinas e procedimentos • Competência técnica e mérito • Especialização da gerência • Profissionalização Disfunções da Burocracia • Internalização das normas • Excesso de formalismo • Excesso de papelório • Resistência às mudanças • Despersonalização do relacionamento • Categorização do relacionamento • Superconformidade • Exibição de sinais de autoridade • Dificuldade com clientes 25
  • 26. História da teoria da administração TEORIA ESTRUTURALISTA A terceira alternativa dentro das correntes da TGA que enfatizam a estrutura organizacional é chamada teoria estruturalista, desenvolvida a partir dos estudos sobre as limitações e rigidez do modelo burocrático. Muito além do modelo burocrático, os estruturalistas introduziram o conceito de sistema aberto no estudo das organizações e tentaram compatibilizar as contribuições clássica e humanística na TGA. Foi uma abordagem múltipla e compreensiva na análise das organizações, focalizando-as como complexos de estruturas formais e informais. Os estruturalistas criaram várias tipologias de organizações e análises comparativas para a melhor compreensão do fenômeno organizacional, incluindo a análise interorganizacional e o ambiente externo, que passou a ser considerado uma variável a mais no estudo das empresas. 26
  • 27. História da teoria da administração ÊNFASE NAS PESSOAS É a fase em que administrar é, sobretudo, lidar com pessoas. Esta terceira abordagem mecanicista e rígida da TGA foi uma reação à abordagem mecanicista e rígida da Teoria Clássica e da Teoria da Burocracia. Ela procura enfatizar as pessoas dentro das empresas, deixando em segundo plano a estrutura e as tarefas É chamada de abordagem humanística e pode ser desdobrada em duas escolas ou teorias: a Escola das Relações Humanas e a Teoria Comportamental. ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS A primeira corrente da abordagem humanística teve em Elton Mayo e Kurt Lewin seus principais precursores. Trata-se da abordagem mais democrática e liberalizante ocorrida na TGA. Engenharia Psicologia Técnica Humanismo 27
  • 28. História da teoria da administração ESCOLA DAS RELAÇÕES HUMANAS Para a Teoria Clássica, o administrador típico – eminentemente técnico e voltado para os aspectos lógicos da organização – cede agora lugar ao administrado típico da nova abordagem – eminentemente humanista e voltado para os aspectos psicológicos e sociológicos da organização. Os planos de incentivos salariais fundamentados na concepção do homo economicus passam a ser substituídos pelo incentivo social e simbólico baseado na concepção do homo socialis. Segundo essa concepção, o homem é motivado basicamente pelas recompensas sociais e simbólicas, pois as necessidades psicológicas do ser humano são mais importantes do que a necessidade de ganhar mais dinheiro. As principais contribuições da Teoria das relações humanas à TGA se concentram no esforço pioneiro rumo à humanização das empresas: a ênfase na organização informal, nos grupos sociais, nas comunicações, motivação liderança, nas abordagens participativas e, sobretudo, na preocupação com a satisfação no trabalho. 28
  • 29. História da teoria da administração TEORIA COMPORTAMENTAL A segunda abordagem humanística – a Teoria Comportamental – surgiu com o livro de Hebert A. Simon publicado em 1947, no qual o autor desenvolve uma teoria das decisões. Para ele, a decisão é muito mais importante do que a ação subseqüente. A partir daí, as empresas são visualizadas como sistemas de decisões, nos quais as pessoas percebem, sentem, decidem e agem, definindo seus comportamentos diante de situações com que se deparam. Fundamentando-se no comportamento individual das pessoas, usando o estudo da motivação humana, a Teoria Comportamental explica o comportamento organizacional onde os autores entendem que para melhorar a qualidade de vida dentro das organizações, o administrador precisa conhecer as necessidades humanas, compreendendo-lhes o comportamento e usando-lhes a motivação. Características da Teoria Comportamental da Administração: - Ênfase no comportamento organizacional, isto é, na dinâmica e não na estrutura; - Foco no processo decisório; - Ênfase em aspectos comportamentais como motivação, liderança, comunicação, equipes; - Adoção de técnicas comportamentais. 29
  • 30. História da teoria da administração ÊNFASE NA TECNOLOGIA É o foco das teorias que consideram a administração uma ciência que cuida da aplicação bem sucedida da tecnologia na atividade organizacional. Isso significa lidar com a tecnologia e dela extrair a máxima eficiência. A tecnologia posta a serviço da empresa (mecanização, automação, computação, robotização e a tecnologia da informação) passou a moldar-lhe a estrutura e condicionar seu funcionamento. Alguns autores chegaram a afirmar a existência de um “imperativo tecnológico”, ou seja, a tecnologia tomada como variável independente e a estrutura organizacional da empresa que a utiliza como variável dela dependente. 30
  • 31. Ênfase na Tecnologia Surge aqui a idéia da empresa como um sistema sociotécnico, no qual interagem três subsistemas intimamente interdependentes. Sistema Gerencial • Administradores situados nos níveis: institucional, intermediário e operacional Sistema Sistema Técnico Sociotécnico • Máquinas, Sistema Social equipamentos, • Pessoas e seus tecnologia, relacionamentos instalações, interpessoais e processos e sociais tarefas 31
  • 32. História da teoria da administração ÊNFASE NO AMBIENTE É a fase em que administrar significa, sobretudo, lidar com as demandas do ambiente e obter o máximo de eficácia da empresa. Com a influência da Teoria dos Sistemas na TGA, verificou-se que apenas o estudo das variáveis internas não proporcionava uma compreensão mais ampla da estrutura e do comportamento organizacionais. Tornava-se necessário o estudo das variáveis externas, situadas fora dos limites da empresa e responsáveis por influenciar profundamente seus aspectos estruturais e comportamentais. Essa ênfase no ambiente surgiu com o aparecimento da Teoria da Contingência, segundo a qual não existe uma única “melhor maneira” de organizar as empresas; pelo contrário, as características estruturais das empresas dependem das características ambientais que as circundam. 32
  • 33. Ênfase no Ambiente Características da Teoria da Contingência • Ênfase no ambiente como o determinante das características organizacionais; • Foco no ajustamento e na adaptabilidade da organização ao seu entorno; • Abordagem da adequação: a organização como variável dependente das variáveis ambientais; • Crítica às organizações mecanicistas e tradicionais; • Relativismo organizacional: não há nada rígido em administração, tudo é contingente. 33
  • 34. História da teoria administrativa ÊNFASE NAS COMPETÊNCIAS E NA COMPETITIVIDADE A era da informação trouxe novos desafios e abordagens à TGA. As organizações deixaram de ser vistas como conjuntos integrados de recursos para serem consideradas detentoras de competências sempre atualizadas, articuladas e prontas para serem aplicadas em qualquer oportunidade, tão logo elas surjam, antes que os concorrentes o façam. O mundo organizacional deixa de ser um conjunto de coisas físicas e se torna um universo de competências essenciais para o sucesso dos negócios. Ao contrário dos recursos, as competências são dinâmicas, intangíveis, mutáveis e garantidoras da competitividade organizacional. Ao longo das demais aulas, teremos a oportunidade de voltar às competências organizacionais. 34
  • 35. Fases da história das empresas e da teoria administrativa Teorias Administrativas Anos Fases das empresas Ênfase Predominantes Artesanal 1780 Início da Industrialização Primeira Revolução Industrial Desenvolvimento Industrial 1860 Nas tarefas Administração Científica Segunda Revolução Industrial Na estrutura Teoria Clássica Gigantismo Industrial 1914 organizacional Teoria Neoclássica As Duas Guerras Mundias Nas pessoas Teoria das Relações Humanas Teoria Neoclássica Na estrutura Teoria Burocrática organizacional Moderna Teoria Estruturalista 1945 Nas pessoas Pós-Guerra Teoria Comportamental Na tecnologia Teoria da Contingência No ambiente Teoria da Contingência Globalização 1980 No ambiente Teoria da Contingência Momento Atual 35
  • 36. Estado atual da teoria administrativa Mas qual delas é a teoria correta? Competitividade Cada uma das teorias administrativas prioriza ou valoriza apenas uma ou algumas Tecnologia Pessoas das seis variáveis básicas do sucesso organizacional. Organização Enquanto que, atualmente, a TGA estuda as organizações do ponto de vista da interação e interdependência entre as seis variáveis. Cada qual influencia e é influenciada pelas Estrutura Ambiente outras variáveis. Modificações em uma provocam modificações em maior ou menor grau nas demais. Tarefas Na realidade, a adequação entre essas seis variáveis constitui o principal desafio da administração 36
  • 37. Estado atual da teoria da administração Traduzindo as seis variáveis básicas para a atualidade, temos: • Excelência operacional que se traduz em Tarefas produtos e serviços de alta qualidade. • Integração e articulação interna de recursos e Estrutura competências. • Participação, envolvimento, engajamento, Pessoas empowerment. • Infra-estrutura tecnológica como base para Tecnologia operações e informações. • Foco no mundo dos negócios onde se situam Ambiente clientes, fornecedores e concorrentes. • Foco em competências e em resultados Competitividade sustentáveis. 37