Introdução ao Processamento de Imagens Digitais

2.395 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre parte do Capítulo 2 do livro Digital Image Processing de GONZALEZ e WOODS preparada para a disciplina de Processamento de Imagens Digitais do IC - Unicamp semestre 1/2012. Cobre a anatomia do olho humano, o espectro eletromagnético, sensores e aquisição de imagens e amostragem e quantização de imagens.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais

  1. 1. Introdu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Introdu¸˜o ao Processamento de Imagem ca Vasconcelos Thiago da Silva Arruda Digital´IndiceElementos daPercep¸˜o ca Murilo Adriano VasconcelosVisual Thiago da Silva ArrudaAnatomia doolho Instituto de Computa¸˜o - Universidade Estadual de Campinas caO espectroSensoresAmostragem e March 13, 2012quantiza¸˜o ca
  2. 2. Introdu¸˜o ao ca Processa- mento de 1 Elementos da Percep¸˜o Visual ca Imagem Digital 2 Anatomia do olho Murilo Adriano O olho humano Vasconcelos Thiago da Componentes do olho humano Silva Arruda Forma¸˜o da imagens e brilho ca´Indice 3 O espectroElementos daPercep¸˜o ca A luz e o espectro eletromagn´tico eVisualAnatomia do 4 SensoresolhoO espectro Sensores e aquisi¸˜o de imagens caSensores Modelo de forma¸˜o de imagens caAmostragem equantiza¸˜o ca 5 Amostragem e quantiza¸˜o ca Amostragem e quantiza¸˜o de imagens ca
  3. 3. Anatomia do olho humanoIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  4. 4. Anatomia do olho humanoIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A ´ controla a quantidade de luz que entra no olho ıris Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  5. 5. Anatomia do olho humanoIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A ´ controla a quantidade de luz que entra no olho ıris Silva Arruda O ajuste do foco ´ realizado pelo cristalino e´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  6. 6. Anatomia do olho humanoIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A ´ controla a quantidade de luz que entra no olho ıris Silva Arruda O ajuste do foco ´ realizado pelo cristalino e´Indice A luz de um objeto focalizado forma uma imagem naElementos daPercep¸˜o ca retinaVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  7. 7. Anatomia do olho humanoIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A ´ controla a quantidade de luz que entra no olho ıris Silva Arruda O ajuste do foco ´ realizado pelo cristalino e´Indice A luz de um objeto focalizado forma uma imagem naElementos daPercep¸˜o ca retinaVisualAnatomia do A imagem ´ “capturada” pelos cones e bastonetes eolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  8. 8. ConesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Cada olho cont´m entre 6 e 7 milh˜es de cones e o Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  9. 9. ConesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Cada olho cont´m entre 6 e 7 milh˜es de cones e o Thiago da Silva Arruda Est˜o localizados na regi˜o da f´vea a a o´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  10. 10. ConesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Cada olho cont´m entre 6 e 7 milh˜es de cones e o Thiago da Silva Arruda Est˜o localizados na regi˜o da f´vea a a o´Indice S˜o sens´ a ıveis a cores, conseguem distinguir pequenasElementos daPercep¸˜o ca varia¸˜es entre cores coVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  11. 11. ConesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Cada olho cont´m entre 6 e 7 milh˜es de cones e o Thiago da Silva Arruda Est˜o localizados na regi˜o da f´vea a a o´Indice S˜o sens´ a ıveis a cores, conseguem distinguir pequenasElementos daPercep¸˜o ca varia¸˜es entre cores coVisual A vis˜o realizada pelos cones tamb´m ´ conhecida como a e eAnatomia doolho vis˜o de luz clara aO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  12. 12. BastonetesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Em cada olho h´ entre 75 e 150 milh˜es de bastonetes a o Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  13. 13. BastonetesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Em cada olho h´ entre 75 e 150 milh˜es de bastonetes a o Thiago da Silva Arruda Servem para dar uma ma imagem geral do campo de vis˜o a´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  14. 14. BastonetesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Em cada olho h´ entre 75 e 150 milh˜es de bastonetes a o Thiago da Silva Arruda Servem para dar uma ma imagem geral do campo de vis˜o a´Indice Est˜o distribu´ a ıdos sobre toda a regi˜o da retina aElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  15. 15. BastonetesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Em cada olho h´ entre 75 e 150 milh˜es de bastonetes a o Thiago da Silva Arruda Servem para dar uma ma imagem geral do campo de vis˜o a´Indice Est˜o distribu´ a ıdos sobre toda a regi˜o da retina aElementos daPercep¸˜o ca S˜o sens´ a ıveis ` baixos n´ a ıveis de ilumina¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  16. 16. BastonetesIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Em cada olho h´ entre 75 e 150 milh˜es de bastonetes a o Thiago da Silva Arruda Servem para dar uma ma imagem geral do campo de vis˜o a´Indice Est˜o distribu´ a ıdos sobre toda a regi˜o da retina aElementos daPercep¸˜o ca S˜o sens´ a ıveis ` baixos n´ a ıveis de ilumina¸˜o caVisualAnatomia do A vis˜o pelos bastonetes ´ conhecida como vis˜o de luz a e aolho escuraO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  17. 17. Forma¸˜o da imagem no olho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisual A focaliza¸˜o ´ obtida variando o formato do cristalino ca eAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  18. 18. Forma¸˜o da imagem no olho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisual A focaliza¸˜o ´ obtida variando o formato do cristalino ca eAnatomia doolho A imagem ´ projetada na retina, principalmente na f´vea e oO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  19. 19. Forma¸˜o da imagem no olho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisual A focaliza¸˜o ´ obtida variando o formato do cristalino ca eAnatomia doolho A imagem ´ projetada na retina, principalmente na f´vea e oO espectro Os receptores de luz em impulsos el´tricos eSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  20. 20. Forma¸˜o da imagem no olho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisual A focaliza¸˜o ´ obtida variando o formato do cristalino ca eAnatomia doolho A imagem ´ projetada na retina, principalmente na f´vea e oO espectro Os receptores de luz em impulsos el´tricos eSensores Os impulsos el´tricos s˜o decodificados pelo c´rebro e a eAmostragem equantiza¸˜o ca
  21. 21. Adapta¸˜o ao brilho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A escala de adapta¸˜o do olho humano ´ da ordem de 1010 ca e Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  22. 22. Adapta¸˜o ao brilho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A escala de adapta¸˜o do olho humano ´ da ordem de 1010 ca e Silva Arruda O brilho subjetivo (brilho percebido pelo olho) ´ uma e´Indice fun¸˜o logar´ ca ıtmica da intensidade da luzElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  23. 23. Adapta¸˜o ao brilho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da A escala de adapta¸˜o do olho humano ´ da ordem de 1010 ca e Silva Arruda O brilho subjetivo (brilho percebido pelo olho) ´ uma e´Indice fun¸˜o logar´ ca ıtmica da intensidade da luzElementos daPercep¸˜oVisual ca O olho se adapta ao brilho, restringindo a percep¸˜o ` ca aAnatomia do uma pequena parte da escalaolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  24. 24. Adapta¸˜o ao brilho caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  25. 25. Adapta¸˜o ao brilho - Bandas de Mach caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  26. 26. Adapta¸˜o ao brilho - Contraste Simultˆneo ca aIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  27. 27. ca a ´ Adapta¸˜o ao brilho - Ilus˜o de OticaIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  28. 28. O espectro eletromagn´tico eIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  29. 29. O espectro vis´ ıvelIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  30. 30. O espectro vis´ ıvelIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Objetos s˜o percept´ a ıveis aos humanos pela reflex˜o de a Silva Arruda ondas eletromagn´ticas do espectro vis´ e ıvel´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  31. 31. O espectro vis´ ıvelIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Objetos s˜o percept´ a ıveis aos humanos pela reflex˜o de a Silva Arruda ondas eletromagn´ticas do espectro vis´ e ıvel´Indice A luz monocrom´tica possu´ como atributo somente a a ıElementos daPercep¸˜o ca intensidade em n´ de cinza ıvelVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  32. 32. O espectro vis´ ıvelIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Objetos s˜o percept´ a ıveis aos humanos pela reflex˜o de a Silva Arruda ondas eletromagn´ticas do espectro vis´ e ıvel´Indice A luz monocrom´tica possu´ como atributo somente a a ıElementos daPercep¸˜o ca intensidade em n´ de cinza ıvelVisual A luz crom´tica possui os atributos radiˆncia, luminˆncia e a a aAnatomia doolho brilhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  33. 33. Outras faixas do espectroIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Raios X: aplica¸˜es industriais ´ m´dicas co e eAmostragem equantiza¸˜o ca
  34. 34. Outras faixas do espectroIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Raios X: aplica¸˜es industriais ´ m´dicas co e eAmostragem equantiza¸˜o ca Banda Infravermelho: gera¸˜o de imagens ”t´rmicas” ca e
  35. 35. Outras faixas do espectroIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Raios X: aplica¸˜es industriais ´ m´dicas co e eAmostragem equantiza¸˜o ca Banda Infravermelho: gera¸˜o de imagens ”t´rmicas” ca e Ondas de r´dio: Imagens espaciais a
  36. 36. Sensores e aquisi¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Na maioria dos processos de gera¸˜o de imagens, uma ca Thiago da Silva Arruda fonte emite energia luminosa que ´ refletida ou absorvida e pelos objetos da “cena”´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  37. 37. Sensores e aquisi¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Na maioria dos processos de gera¸˜o de imagens, uma ca Thiago da Silva Arruda fonte emite energia luminosa que ´ refletida ou absorvida e pelos objetos da “cena”´IndiceElementos da A energia resultante ´ direcionada para um sensor, que ePercep¸˜oVisual ca gera uma tens˜o de sa´ a ıdaAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  38. 38. Sensores e aquisi¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Na maioria dos processos de gera¸˜o de imagens, uma ca Thiago da Silva Arruda fonte emite energia luminosa que ´ refletida ou absorvida e pelos objetos da “cena”´IndiceElementos da A energia resultante ´ direcionada para um sensor, que ePercep¸˜oVisual ca gera uma tens˜o de sa´ a ıdaAnatomia do A digitaliza¸˜o da tens˜o de sa´ ´ utilizada para compor ca a ıda eolho uma imagem digitalO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  39. 39. Sensor unico ´Introdu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolho O fotodiodo ´ o sensor mais comum deste tipo eO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  40. 40. Sensor unico ´Introdu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolho O fotodiodo ´ o sensor mais comum deste tipo eO espectroSensores A digitaliza¸˜o da onda de tens˜o de sa´ ´ utilizada para ca a ıda eAmostragem e compor uma imagem digitalquantiza¸˜o ca
  41. 41. Sensor unico ´Introdu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectro Para gerar imagens bidimensionais utilizando este sensor ´ eSensoresAmostragem e necess´rio que o deslocamento do sensor nas duas dire¸˜es a coquantiza¸˜o ca (x, y )
  42. 42. Sensor de varredura em linhaIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Agrupamento sequencial de sensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  43. 43. Sensor de varredura em linhaIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Agrupamento sequencial de sensoresAmostragem equantiza¸˜o ca Captura uma linha de imagem por vez
  44. 44. Sensor de varredura em linha - Raios-XIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  45. 45. Sensor de varredura em linhaIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Agrupamento sequencial de sensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  46. 46. Sensor de varredura em linhaIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Agrupamento sequencial de sensoresAmostragem equantiza¸˜o ca Captura uma linha de imagem por vez
  47. 47. Sensor matricialIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Os sensores s˜o organizados em linhas e colunas aAmostragem equantiza¸˜o ca
  48. 48. Sensor matricialIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Os sensores s˜o organizados em linhas e colunas aAmostragem equantiza¸˜o ca A imagem ´ capturada de uma vez e
  49. 49. Sensor matricialIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Os sensores s˜o organizados em linhas e colunas aAmostragem equantiza¸˜o ca A imagem ´ capturada de uma vez e A imagem ´ formada pela digitaliza¸˜o do sinal de cada e ca sensor
  50. 50. Sensor matricialIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca Figure: Processo de aquisi¸˜o de imagens ca
  51. 51. Modelo de forma¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Uma imagem digital ´ definida por uma fun¸˜o e ca Silva Arruda 0 < f (x, y ) < +∞´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  52. 52. Modelo de forma¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Uma imagem digital ´ definida por uma fun¸˜o e ca Silva Arruda 0 < f (x, y ) < +∞´Indice Dois componentes: quantidade de ilumina¸˜o incidente e caElementos da quantidade refletida:Percep¸˜o caVisual f (x, y ) = i(x, y ) · r (x, y ), onde: 0 < i(x, y ) < +∞ eAnatomia do 0 < r (x, y ) < 1olhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  53. 53. Amostragem e quantiza¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca Figure: Produ¸˜o de uma imagem digital. ca
  54. 54. Amostragem e quantiza¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensores Figure: Uma imagem cont´ ınua projetada em uma matriz de sensoresAmostragem e e o resultado da amostragem e quantiza¸˜o da imagem. caquantiza¸˜o ca
  55. 55. Representa¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem e Figure: Exemplos de representa¸˜o: gr´fica, por matriz visual e ca aquantiza¸˜o ca num´rica e
  56. 56. N´ ıveis discretos de intensidadeIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da O n´mero de n´ u ıveis de intensidade costuma ser uma Silva Arruda potˆncia de 2: L = 2k e´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  57. 57. N´ ıveis discretos de intensidadeIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da O n´mero de n´ u ıveis de intensidade costuma ser uma Silva Arruda potˆncia de 2: L = 2k e´Indice Faixa dinˆmica ´ a diferen¸a entre a intensidade m´ a e c ınimaElementos daPercep¸˜o ca e m´xima detect´vel por um sistema a aVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  58. 58. N´ ıveis discretos de intensidadeIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da O n´mero de n´ u ıveis de intensidade costuma ser uma Silva Arruda potˆncia de 2: L = 2k e´Indice Faixa dinˆmica ´ a diferen¸a entre a intensidade m´ a e c ınimaElementos daPercep¸˜o ca e m´xima detect´vel por um sistema a aVisual O limite superior ´ a satura¸˜o e o inferior ´ chamado e ca eAnatomia doolho ru´ ıdoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  59. 59. N´ ıveis discretos de intensidadeIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca Figure: Exemplo de satura¸˜o e ru´ em uma imagem. ca ıdo
  60. 60. Resolu¸˜o espacial caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca M´todos de express˜o de resolu¸˜o espacial e a ca Pares de linhas por unidade de distˆncia a
  61. 61. Resolu¸˜o espacial caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca M´todos de express˜o de resolu¸˜o espacial e a ca Pares de linhas por unidade de distˆncia a Pixels por unidade de distˆncia (dpi) a
  62. 62. Resolu¸˜o de intensidade caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem e ´ E definida pelo n´mero de bits por pixel da imagem uquantiza¸˜o ca
  63. 63. Resolu¸˜o de intensidade caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem e ´ E definida pelo n´mero de bits por pixel da imagem uquantiza¸˜o ca A quantidade de bits por pixel (n) determina a quantidade de cores represent´veis (2n ) a
  64. 64. Isopreferˆncia eIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca An´lise subjetiva da qualidade da imagem em fun¸˜o da a ca resolu¸˜o e dos n´ ca ıveis de intensidade
  65. 65. Interpola¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da M´todos para ajuste de imagens ap´s opera¸˜es de e o co Silva Arruda redimensionamento´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  66. 66. Interpola¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da M´todos para ajuste de imagens ap´s opera¸˜es de e o co Silva Arruda redimensionamento´Indice Algumas t´cnicas de interpola¸˜o: e caElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  67. 67. Interpola¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da M´todos para ajuste de imagens ap´s opera¸˜es de e o co Silva Arruda redimensionamento´Indice Algumas t´cnicas de interpola¸˜o: e caElementos da Interpola¸˜o do vizinho mais pr´ximo ca oPercep¸˜o caVisual Interpola¸˜o bilinear: v (x, y ) = ax + by + cxy + d ca 3 3Anatomia do Interpola¸˜o bic´bica: v (x, y ) = i=0 j=0 aij x i y j ca uolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca
  68. 68. Interpola¸˜o de imagens caIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´IndiceElementos daPercep¸˜o caVisualAnatomia doolho Figure: Na primeira linha, as imagens foram reduzidas a 72dpi eO espectro ampliado de volta ao tamanho original (3692x2812 px) aplicando asSensores t´cnicas: vizinho mais pr´ximo, bilinear e bic´bica. Na segunda linha e o uAmostragem e foi feito o mesmo por´m as imagens fora reduzidas a 150dpi ao inv´s e equantiza¸˜o ca de 72dpi.
  69. 69. Referˆncia eIntrodu¸˜o ao ca Processa- mento de Imagem Digital Murilo Adriano Vasconcelos Thiago da Silva Arruda´ GONZALEZ, Rafael C.; Woods, Richard E. ProcessamentoIndiceElementos da de Imagens Digitais 3a Edi¸˜o caPercep¸˜o caVisualAnatomia doolhoO espectroSensoresAmostragem equantiza¸˜o ca

×