“Esses pequenos
e ligeiros músicos
do ar, que
gorjeiam as suas
curiosas cantigas,
com as quais a
natureza os dotou
para ve...
4 MUNDO DOS ANIMAIS
18
Os Animais A
Fotografias em
estão a receb
timou milhare
domésticos.
42
Foto-Report
Vivemos rode
mo-...
Após o Desastre no Nepal
mocionantes da ajuda que os animais
ber no Nepal, após um sismo que vi-
es de pessoas e incontáve...
6 MUNDO DOS ANIMAIS
Três rinocerontes-brancos
fotografados no Ziwa Rhino
Sanctuary, no Uganda.
O rinoceronte-branco
(Ceratotherium simum)
é a ...
8 MUNDO DOS ANIMAIS
Um koala bebé agarrado à sua mãe enquanto esta era submetida a
uma cirurgia no Australia Zoo Wildlife ...
9EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015
O cordeirinho Friday (Sexta-feira, em português) com o seu
amigo felino no santuário Edgar’s Mission. O pequeno Friday foi...
Um urso-pardo bebé a aprender técnicas de escalada com a sua
mamã, no parque natural de Cabárceno em Cantábria, Espanha.
S...
Um polvo tão fofinho e adorável que os cientistas equacionam batizá-
lo oficialmente de “Adorabilis”. Para ser mais precis...
Um corvo “apanha boleia” de uma águia em pleno voo nos céus de
Seabeck, em Washington.
Phoo Chan, Media Drum World
Uma raposinha sobe amigavelmente para as costas do seu protetor,
o fotógrafo de vida selvagem Richard Bowler, no País de G...
Veja mais imagens em destaque no Mundo dos Animais:
- http://www.mundodosanimais.pt/fotos/imagens-da-
semana/
17
Os Animais
Após o Desastre
no Nepal
Texto Carlos Gandra
O
terrível sismo que ocorreu no Nepal
em Abril – mais as réplicas ...
Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
World Animal Protection
Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
T
al como aconteceu no
desastre nuclear em
Fukushima e em muitas
outras catástrofes, os
animais, em particular animais
dom...
World Vets
Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
World Vets
Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
Humane Society International
Humane Society International
A homenagem da
«mãe dos cachor-
ros» de Catmandu
G
yani Deula, conhecida como
a «mãe dos cachorros» de
Catmandu, capital d...
Jodi Hilton, Humane Society International
Jodi Hilton, Humane Society International
Jodi Hilton, Humane Society International
40 MUNDO DOS ANIMAIS
Humane Society Internationa
Como Ajudar os Animais no Nepal
É comum pensar-se que a ajuda apenas é necessária
nas primeiras semanas após uma catástrof...
42 MUNDO DOS ANIMAIS
AVES URBANAS
F O T O - R E P O R TA G E M
Texto e Fotos Elisabete Rodrigues
43EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015
Gaivota-d’asa-escura (Larus fuscus)
Almada – 02/03/2014
44 MUNDO DOS ANIMAIS
45EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015
Gaivota-d’asa-escura (Larus fuscus)
Almada – 02/03/2014
F
otografia quer dizer, lite-
ralmente, escrever com
a luz, captar o que se vê
(e também o que se não
vê) com um mero cliq...
47EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015
Rabirruivo-preto (Phoenicurus ochruros)
Amora, Seixal – 15/03/2014
Melro-preto (Turdus merula)
...
Quase espezinhamos um pom-
bo ao passar na rua e não da-
mos conta do canto doce do
melro pousado no telhado. Não
vemos o ...
paixões, a fotografia e as aves,
uma alimentando a outra, ines-
peradamente conduziram-me a
redescobrir a cidade para onde...
Felosa-comum (Phylloscopus collybita)
Amora, Seixal – 08/03/2014
Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo)
Belém, Lisboa – 15/03/2014
Poupa (Upupa epops)
Amora, Seixal – 04/05/2014
Pardal-comum (Passer domesticus)
Amora, Seixal – 16/03/2014
Veja mais sobre aves em:
- http://www.mundodosanimais.pt/aves/
Guincho-comum (Larus ridibundus)
Amora, Seixal – 09/03/2014...
Cria
*exceção: Klaus Roggel via Wikimedia Commons
as de Andorinhão
O QUE FAZER SE ENCONTRAR UMA
Texto e Fotos* Marta Fonseca
A
pesar do que muitas
pessoas pensam, as
andorinhas e os ando-
rinhões não são espé-
cies próximas, pertencem a fa-
mílias...
A higiene na caixa também é
importante, caso contrário po-
dem ficar com as asas danifica-
das. Deverá ter jornal no fundo...
para o andorinhão bater as
asas. Este procedimento deve
ser feito com cuidado pois as
suas patas frágeis podem cor-
rer o ...
Os andorinhões podem por vá-
rias vezes rejeitar o alimento,
mas é necessário insistir com
paciência. Também se deve dar
á...
Pulgas
Como Eliminar
Texto Sara Guiomar e Sara Bastos
A
s pulgas são um dos maiores pesade-
los que assombram os donos de ...
Eli Duke via Flickr
A
s pulgas são insetos
que gostam de tempe-
raturas quentes, humi-
dade e que se alimen-
tam do sangue (hematófagos)
de an...
Basta pressentirem um ligeiro
aumento de temperatura, ou a
respiração (dióxido de carbono)
de um animal, para eclodirem
em...
Os Perigos das Pulgas
Para a Saúde
As pulgas não são simplesmente parasitas incó-
modos. Podem mesmo causar doenças e tran...
Pulga-de-cão (Ctenocephalides canis)
Luis Fernández García via Wikimedia Commons
U
m dos erros que as
pessoas frequente-
mente cometem ao
tentar eliminar as pul-
gas, é só desparasitarem os
seus animais....
A desparasitação nos ani-
mais deve começar após ter
feito a primeira aspiração e lim-
peza em casa. Todos os cães e
gatos...
chris jd via Flickr
Como Evitar o Reaparecimento
A
pós eliminar com su-
cesso as pulgas do
seu animal e da sua
casa, deve adotar me-
didas pre...
Inspirar pessoas a
melhor dos ani
www.mundodosanimais.p
a cuidar
imais
pt
Produção / Edição / Design
Carlos Gandra
Autores nesta edição
Carlos Gandra
Elisabete Rodrigues
Marta Fo...
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Revista Mundo dos Animais nº 26
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Mundo dos Animais nº 26

221 visualizações

Publicada em

Descubra as aves que nos rodeiam em ambiente urbano e que nos passam despercebidas, saiba o que fazer se encontrar uma cria de andorinhão e aprenda a eliminar eficazmente pulgas dos seus animais. http://www.mundodosanimais.pt/revista/

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Mundo dos Animais nº 26

  1. 1. “Esses pequenos e ligeiros músicos do ar, que gorjeiam as suas curiosas cantigas, com as quais a natureza os dotou para vergonha da arte.” Izaak Walton
  2. 2. 4 MUNDO DOS ANIMAIS 18 Os Animais A Fotografias em estão a receb timou milhare domésticos. 42 Foto-Report Vivemos rode mo-nos à sua de considerá nelas. 60 Crias de And Entre Maio e crias caídas d Descubra nes volver à natur Fotografia de capa: Madis Veskimeister via Wikimedia Commons 68 Pulgas: Com Conheça mel minar com su ção, da sua ca o reaparecime
  3. 3. Após o Desastre no Nepal mocionantes da ajuda que os animais ber no Nepal, após um sismo que vi- es de pessoas e incontáveis animais tagem: Aves Urbanas eados destas aves comuns e habituá- a presença e ao seu canto, ao ponto á-las banais e deixarmos de reparar dorinhão e Agosto muita gente se depara com dos ninhos e não sabe o que fazer. ste artigo como tratar delas e as de- reza. BEM-VINDO(A) A vida urbana tende a afastar- -nos de diversas formas do mun- do natural. Parques e quintas são substituídos por blocos de cimento e estradas de alcatrão com muito pouco de natureza neles. Mas estaremos assim tão isolados? A nossa autora convidada Elisa- bete Rodrigues mostra-nos que não. Focando-se particularmen- te nas aves, mostra-nos através da arte da fotografia que muitos animais que pensamos viverem longe, estão na verdade à nos- sa volta: mas nós não os vemos. Porque uma coisa é olhar, outra é VER (pág. 42). E por falar em aves, a biólo- ga Marta Fonseca explica-nos o que deve fazer se encontrar uma cria de andorinhão caída do ninho, algo que acontece com alguma frequência entre Maio e Agosto. Dispenda uns minutos, pode vir a ter o papel de salvar uma vida em breve (pág. 60). Carlos Gandra mo Eliminar lhor as pulgas para as conseguir eli- ucesso, dos seus animais de estima- asa e ainda as medidas para prevenir ento.
  4. 4. 6 MUNDO DOS ANIMAIS
  5. 5. Três rinocerontes-brancos fotografados no Ziwa Rhino Sanctuary, no Uganda. O rinoceronte-branco (Ceratotherium simum) é a maior espécie de rinoceronte e o segundo maior animal terrestre do planeta. A subespécie do norte (Ceratotherium simum cottoni) é um dos animais mais raros do planeta e a população está limitada a cinco animais: quatro fêmeas e um macho, todos em cativeiro. Stefane Berube, National Geographic Your Shot 7
  6. 6. 8 MUNDO DOS ANIMAIS Um koala bebé agarrado à sua mãe enquanto esta era submetida a uma cirurgia no Australia Zoo Wildlife Hospital. A mãe koala, Lizzy, foi atropelada por um carro numa autoestrada australiana enquanto carregava o seu bebé, Phantom. Lizzy sofreu um traumatismo craniano e colapso pulmonar, pelo que teve de ser operada. A cirurgia, sempre acompanhada pelo bebé, correu bem e a mãe koala encontra-se em recuperação. Australia Zoo Wildlife Hospital
  7. 7. 9EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015
  8. 8. O cordeirinho Friday (Sexta-feira, em português) com o seu amigo felino no santuário Edgar’s Mission. O pequeno Friday foi encontrado junto da sua mãe falecida, cheio de frio, desidratado e por sua conta com apenas poucos dias de vida. Encontra-se em recuperação e tudo está a correr bem com o pequeno. Bem merece. Edgar’s Mission
  9. 9. Um urso-pardo bebé a aprender técnicas de escalada com a sua mamã, no parque natural de Cabárceno em Cantábria, Espanha. Solent News / Rex Shutterstock
  10. 10. Um polvo tão fofinho e adorável que os cientistas equacionam batizá- lo oficialmente de “Adorabilis”. Para ser mais preciso, Opisthotheusis adorabilis. O pequeno polvo cor-de-rosa e olhar de cachorrinho, vive a cerca de 500 metros de profundidade e estende os seus oito tentáculos como se estivesse a abrir um paraquedas, uma vez que tem uma membrana extensa a ligar todos os membros. MBARI
  11. 11. Um corvo “apanha boleia” de uma águia em pleno voo nos céus de Seabeck, em Washington. Phoo Chan, Media Drum World
  12. 12. Uma raposinha sobe amigavelmente para as costas do seu protetor, o fotógrafo de vida selvagem Richard Bowler, no País de Gales. A imagem foi amplamente difundida através do Twitter com a hashtag #KeepTheBan, que marca a forte oposição de Richard à caça das raposas praticada no país. Richard Bowler tem a seu cargo três raposas que já não podem ser devolvidas à natureza: duas adultas, Rosie e Fen e ainda a pequena Hetty, na fotografia. Richard Bowler
  13. 13. Veja mais imagens em destaque no Mundo dos Animais: - http://www.mundodosanimais.pt/fotos/imagens-da- semana/ 17
  14. 14. Os Animais Após o Desastre no Nepal Texto Carlos Gandra O terrível sismo que ocorreu no Nepal em Abril – mais as réplicas – vitimou mais de 8 mil pessoas, 20 mil ficaram feridas e deixou cidades inteiras em ruínas. A tragédia foi coberta ao detalhe em in- contáveis reportagens e diversos meios de aju- da humanitária foram prontamente acionados. A resposta, que nunca é suficiente nestas ca- tástrofes, mostrou ainda assim que aprendemos com os erros cometidos no Haiti em 2010, quan- do o número de voluntários que se deslocaram para o país para ajudar foi tão grande que dei- xou de haver alimentação suficiente para todos. Mas o que nos leva a abordar o sismo do Nepal aqui são naturalmente os animais. 18 MUNDO DOS ANIMAIS
  15. 15. Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
  16. 16. World Animal Protection
  17. 17. Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
  18. 18. T al como aconteceu no desastre nuclear em Fukushima e em muitas outras catástrofes, os animais, em particular animais domésticos, são igualmente ví- timas e precisam igualmente de ajuda. Nas zonas rurais do Nepal, os animais domésticos costumam ser alojados sob as habitações e como se pode imaginar, mui- tos morreram quando as habi- tações colapsaram. Os que sobreviveram, incluin- do animais de estimação como gatos e cães, ficaram sozinhos sem ninguém para tomar conta deles. A falta de alimentação, higiene básica e o stress que os animais sentem nestas condições dimi- nui o sistema imunitário, que por sua vez promove a disse- minação de doenças infeciosas entre os animais, uma situação que se descontrola rapidamen- te. Ferimentos provocados pe- los colapsos podem revelar-se fatais sem tratamento. Algumas organizações, como a Humane Society International e a Animal Welfare Network of Nepal (mais à frente deixamos- -lhe uma lista de organizações e como as pode ajudar), res- ponderam com equipas de res- gate e salvamento para tentar chegar aos animais sobreviven- tes e providenciar-lhes alimen- tação e cuidados veterinários. Para além dos animais, estas equipas também procuram dar apoio às pessoas que sobrevi- veram e que têm uma ligação forte com os seus animais, ar- riscando a sua vida para tentar salvar os amigos de quatro pa- tas. “As pessoas estão dis- postas a colocar a sua vida em risco para ficar com os seus animais de companhia. São membros da família.” – Joann Lindenmayer, Humane Society International 24 MUNDO DOS ANIMAIS
  19. 19. World Vets
  20. 20. Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
  21. 21. World Vets
  22. 22. Jodi Hilton, AP Images for Humane Society International
  23. 23. Humane Society International
  24. 24. Humane Society International
  25. 25. A homenagem da «mãe dos cachor- ros» de Catmandu G yani Deula, conhecida como a «mãe dos cachorros» de Catmandu, capital do Nepal, organizou um ritual hindu em memória de todos os animais vítimas do sismo. Conhecida por ser a protetora dos ani- mais de rua, incluiu na cerimónia vá- rios pratos para alimentar os animais abandonados – que, com a morte de muitos dos donos, não têm literalmen- te para onde ir. A cerimónia inclui também a distribui- ção de comida pelos animais noutros pontos da cidade. O staff da Humane Society International participou na ini- ciativa. 34 MUNDO DOS ANIMAIS
  26. 26. Jodi Hilton, Humane Society International
  27. 27. Jodi Hilton, Humane Society International
  28. 28. Jodi Hilton, Humane Society International
  29. 29. 40 MUNDO DOS ANIMAIS Humane Society Internationa
  30. 30. Como Ajudar os Animais no Nepal É comum pensar-se que a ajuda apenas é necessária nas primeiras semanas após uma catástrofe. Pegando novamente no exemplo do Haiti, 5 anos depois ainda existe mais por fazer do que o que está realmente feito. Por esse motivo, mesmo que esteja a ler esta Revista vários meses ou mesmo anos depois de ter ocorrido o sismo do Nepal, não deixe de visitar as ligações que lhe deixamos em baixo para conhecer o ponto de situação e o tipo de ajuda que é mais necessária: Humane Society International’s International Disas- ter Relief Fund http://www.hsi.org/news/press_releases/2015/04/nepal- -earthquake-disaster-response-042515.html Animal Welfare Network Nepal http://www.awnnepal.org/donate.php Society for Animal Welfare and Management http://www.sawmnepal.org.np/ Animal Nepal https://animalnepal.wordpress.com/donations/ World Vets Disaster Response Team http://worldvets.org/2015/04/world-vets-nepal-animal- -rescue-updates-2/ World Animal Protection – Disaster Response Vets http://www.worldanimalprotection.org/our-work/animals- -disasters 41OS ANIMAIS APÓS O DESASTRE NO NEPAL al
  31. 31. 42 MUNDO DOS ANIMAIS AVES URBANAS F O T O - R E P O R TA G E M Texto e Fotos Elisabete Rodrigues
  32. 32. 43EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015 Gaivota-d’asa-escura (Larus fuscus) Almada – 02/03/2014
  33. 33. 44 MUNDO DOS ANIMAIS
  34. 34. 45EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015 Gaivota-d’asa-escura (Larus fuscus) Almada – 02/03/2014
  35. 35. F otografia quer dizer, lite- ralmente, escrever com a luz, captar o que se vê (e também o que se não vê) com um mero clique num botão. É como fazer magia… Num ins- tante posso mostrar o mundo como o vejo e sinto e ver esse mesmo mundo através dos olhos de outros. Posso apreciar a beleza dos grandes planos ou deter-me demoradamente nos pequenos pormenores que a olho nu jamais poderiam ser vistos… e o melhor de tudo é poder eternizar um momento, quase sempre irrepetível, que deoutraforma,apoucoepouco, se desvaneceria da memória, como que perdido no tempo… É uma arte tão diversificada quanto os objectos a fotogra- far e se praticamente todos os seus campos me prendem a atenção, nenhum me cativa ou fascina tanto quanto a fotogra- fia de natureza, e dentro desta, a fotografia das aves. Desde pequena, pela mão do meu avô fui habituada ao conví- vio com as aves, cresci rodeada de mil e um pássaros e aprendi a conhecê-los, a cuidar deles e a apreciar a sua companhia, a admirar a sua beleza, o seu canto e a sua presença. Com quase vinte anos, veio pa- rar à minha mão um livro cheio de simbolismo que contava a história de uma Gaivota, cha- mada Fernão Capelo, que acha- va que voar era muito mais do que ir de um ponto ao outro e, apesar de ser uma estória com uma carga espiritual e filosófi- ca que usava as aves apenas para construir metáforas sobre liberdade, fez crescer o meu in- teresse pelas aves comuns. Vivemos rodeados destas aves comuns e habituámo-nos à sua presença e ao seu canto ao ponto de considerá-las banais e deixarmos de reparar nelas, numa eterna cegueira (e sur- dez) do dia-a-dia… 46 MUNDO DOS ANIMAIS
  36. 36. 47EDIÇÃO Nº 25 - MAIO 2015 Rabirruivo-preto (Phoenicurus ochruros) Amora, Seixal – 15/03/2014 Melro-preto (Turdus merula) Amora, Seixal – 16/03/2014
  37. 37. Quase espezinhamos um pom- bo ao passar na rua e não da- mos conta do canto doce do melro pousado no telhado. Não vemos o ninho de andorinhas debaixo de uma varanda, nem a dança alegre dos pardais nas cordas de um estendal de rou- pa. Já não levantamos os olhos para o céu para ver o vôo ma- jestoso de uma gaivota… E nem mesmo a exuberância de uma poupa ou a elegância de um rabirruivo parecem desper- tar-nos deste adormecimento profundo. A coexistência dessas duas
  38. 38. paixões, a fotografia e as aves, uma alimentando a outra, ines- peradamente conduziram-me a redescobrir a cidade para onde vim morar há cerca de dez anos, e obrigaram-me a VER com um olhar renovado cada recanto e pormenor, revelando-me uma biodiversidade e uma beleza que até então me haviam pas- sado despercebidas… Acada clique fui querendo saber mais e fazer melhor, “escrever com luz” o que via com o cora- ção… por isso quis trazer aqui um pouquinho dessa magia que nos cerca e para a qual devería- mos despertar. Parar. Respirar. Contemplar o que nos rodeia… A natureza e as aves, sobretu- do as comuns, podem-nos sur- preender todos os dias e está tudo aqui ao lado, é só olhar com olhos de VER, porque no fundo, tinha razão o poeta Afon- so Lopes Vieira, quando dizia: “De aquele que não admira Já nada de bom se tira Pois quem não sabe admirar Não sabe amar…” Rola-turca (Streptopelia decaocto) Almada – 22/02/2014 49AVES URBANAS
  39. 39. Felosa-comum (Phylloscopus collybita) Amora, Seixal – 08/03/2014
  40. 40. Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo) Belém, Lisboa – 15/03/2014
  41. 41. Poupa (Upupa epops) Amora, Seixal – 04/05/2014
  42. 42. Pardal-comum (Passer domesticus) Amora, Seixal – 16/03/2014
  43. 43. Veja mais sobre aves em: - http://www.mundodosanimais.pt/aves/ Guincho-comum (Larus ridibundus) Amora, Seixal – 09/03/2014 59
  44. 44. Cria
  45. 45. *exceção: Klaus Roggel via Wikimedia Commons as de Andorinhão O QUE FAZER SE ENCONTRAR UMA Texto e Fotos* Marta Fonseca
  46. 46. A pesar do que muitas pessoas pensam, as andorinhas e os ando- rinhões não são espé- cies próximas, pertencem a fa- mílias distintas. As andorinhas pertencem à família Hirundini- dae enquanto os andorinhões pertencem à família Apodidae. É evolução convergente que as espécies sofreram ao longo da história evolutiva que leva mui- tas vezes as pessoas a pensa- rem que são próximas. Isto é, estes passeriformes desenvol- veram características seme- lhantes tendo origens diferen- tes, sendo o resultado de terem hábitos de vida semelhantes. Os andorinhões têm uma plu- magem castanha escura pare- cendo por vezes preta. São dis- tintos e identificados pelo seu voo rápido e ágil, que é conse- guido pela forma do seu corpo. Têm corpo aerodinâmico e asas compridas e estreitas em forma de foice, excedendo a cauda bi- furcada. As suas patas são pe- quenas, pois a sua alimentação dá-se durante o voo, sendo ex- clusivamente insectívoros, por esse motivo têm pouca neces- sidade de pousar. Todas estas características são facilmente visíveis a um obser- vador de natureza, ou apenas a alguém que ao passear na rua despenda um pouco de tempo a observá-los. Em Portugal é uma espécie es- tival, podendo ser visto entre os meses de Maio a Agosto e nidi- fica de Maio a Julho. É durante estes meses que muita gente se depara com crias caídas dos ninhos e não sabe o que fazer. A minha experiência no Cen- tro de Recuperação de Animais Silvestres de Lisboa (LxCRAS) permitiu-me aprender como tra- tar destes passeriformes para depois os devolver à natureza, onde pertencem e são felizes. É esta aprendizagem que irei descrever no restante artigo. 1. Entrega a entidades competentes Quando nos deparamos com crias de andorinhão, o melhor procedimento é levá-los a um centro de recuperação próximo da zona ou contactar o SEPNA, que está encarregue de entre- gar animais silvestres aos cen- tros de recuperação. 63CRIAS DE ANDORINHÃO
  47. 47. A higiene na caixa também é importante, caso contrário po- dem ficar com as asas danifica- das. Deverá ter jornal no fundo e ser mudado diariamente. Antes da se proceder à ali- mentação pode-se exercitar um pouco os músculos de voo. Deve segurar-se as patas pela base com os dedos, colocando o dedo indicador entre as patas e fazer movimentos na vertical, movimento que será suficiente 2. Como mantê-los e recu- perá-los Os andorinhões ficam bem em caixas de cartão com panos ou mantas presas nas laterais, para que lhes seja possível empoleirar-se. Esta é a melhor opção, pois os andorinhões ao contrário das andorinhas não conseguem equilibrar-se em poleiros, apenas conseguem prender-se na vertical devido ás patas diminuídas.
  48. 48. para o andorinhão bater as asas. Este procedimento deve ser feito com cuidado pois as suas patas frágeis podem cor- rer o risco de partir. Para se ter uma noção precisa da recuperação da cria, deve-se periodicamente pesar para veri- ficar se há aumento de peso. Uma vez que são insectívoros, na sua alimentação podem ser usadosZophobamorio,também conhecidos como tenébrio gi- gante, ou então grilos mortos. Este alimento pode ser encon- trado em lojas de animais exóti- cos ou de répteis. Como já referido, os andori- nhões apenas se alimentam em voo e por isso não comem na mão. Para os alimentar é necessário partir os tenébrios ao meio, abrir o bico do ando- rinhão e colocar meio tenébrio no fundo da cavidade bocal.
  49. 49. Os andorinhões podem por vá- rias vezes rejeitar o alimento, mas é necessário insistir com paciência. Também se deve dar água com a ajuda de uma se- ringa. Com a experiência torna- -se mais fácil alimentá-los e de forma mais rápida. A alimentação deve ser feita pelo menos três vezes por dia. Caso sejam crias muito novas a alimentação deve ser mais fre- quente, idealmente de duas em duas horas. Por fim, qualquer animal silves- tre tratado para ser devolvido à natureza deve ter o mínimo contacto com pessoas, por isso só devem estar em contacto durante a alimentação. Veja mais sobre aves em: - http://www.mundodosanimais.pt/aves/ 66 MUNDO DOS ANIMAIS
  50. 50. Pulgas Como Eliminar Texto Sara Guiomar e Sara Bastos A s pulgas são um dos maiores pesade- los que assombram os donos de cães e gatos. Principalmente nos meses mais quentes, como no Verão, conseguem infestar rapidamente um animal e a casa intei- ra onde ele vive. Não é por acaso que a pulga é “apenas” o parasita externo mais comum que existe em cães e gatos. Apesar de ser uma praga mais antiga que o pró- prio ser humano, muitas pessoas com animais de estimação não sabem como eliminar as pul- gas de forma segura e eficaz. Existe uma vasta gama de produtos destinados a eliminar pulgas, mas só funcionam quando bem escolhidos ten- do em conta o animal, o ambiente e as diferen- tes etapas da infestação. Uma má escolha do produto pode inclusive colocar em risco a saúde do seu amigo, pelo que não deve descuidar este assunto. Mas então, o que é preciso fazer para conseguir acabar com as pulgas? Antes demais, temos de perceber o que são pulgas.
  51. 51. Eli Duke via Flickr
  52. 52. A s pulgas são insetos que gostam de tempe- raturas quentes, humi- dade e que se alimen- tam do sangue (hematófagos) de animais com sangue quen- te, especialmente cães, gatos, coelhos, esquilos, guaxinins, ratos e sim, seres humanos. Apesar de poderem parecer todas iguais – castanhas escu- ras e do tamanho da cabeça de um alfinete – já foram descritas mais de duas mil espécies de pulgas em todo o mundo. Uma das principais caracterís- ticas das pulgas é a sua enor- me capacidade de salto: con- seguem catapultar-se até cerca de 200 vezes o seu próprio ta- manho. Quando encontra uma pulga e a tenta apanhar, o sal- to é a sua arma de defesa para escapar. Uma pulga pode viver até um ano (ou mais em determinadas condições) e, no caso das fê- meas, pôr mais de dois mil ovos durante a sua vida. Não admira que o número de pulgas numa infestação aumente tão rapida- mente. As pulgas transmitem-se pelo contacto com animais infeta- dos ou com ambientes onde elas estejam presentes. As pul- gas que parasitam cães e ga- tos não estão relacionadas com qualquer tipo de classe social ou condições de higiene, pois basta passear com o seu cão num jardim onde tenha passa- do anteriormente outro animal com pulgas, para as poder tra- zer para casa. Uma vez em casa, basta uma pulga fêmea colocar ovos para dar início à infestação. Os ovos caem do pêlo do seu animal e ficam instalados em frestas de soalho, carpetes, a cama do animal, o seu jardim (se for o caso), ou outros locais menos acessíveis. Estes ovos desenvolvem-se e deles nas- cem larvas, que se deslocam para locais quentes ao abrigo da luz, sendo as frestas dos soalhos os seus locais de elei- ção. As larvas vão-se alimentando da matéria orgânica que encon- tram pelo chão, principalmente nopó.Estaslarvasevoluempara um casulo, onde aguardam con- dições favoráveis para eclodir. 70 MUNDO DOS ANIMAIS
  53. 53. Basta pressentirem um ligeiro aumento de temperatura, ou a respiração (dióxido de carbono) de um animal, para eclodirem em pulgas adultas. Como o ci- clo de vida das pulgas, desde o ovo à pulga adulta, está de- pendente das condições que encontra no meio, a limpeza e desinfeção da casa é um dos passos mais importantes para as eliminar. Já lá vamos. 71PULGAS: COMO ELIMINAR
  54. 54. Os Perigos das Pulgas Para a Saúde As pulgas não são simplesmente parasitas incó- modos. Podem mesmo causar doenças e trans- mitir parasitas internos: • A saliva que a pulga injeta para melhor sugar o sangue, pode provocar irritação, eczemas e outras doenças cutâneas, como a DAPP (Der- matite Alérgica à Picada da Pulga); • Se o número de pulgas for elevado, o ani- mal pode ficar anémico devido à quantidade de sangue perdida; • As pulgas podem transmitir parasitas inter- nos como é o caso do verme intestinal Dipyli- dium caninum, que além de infetar o intestino dos cães e dos gatos, também é transmitido a seres humanos, em especial crianças; • O constante desassossego do animal, em stress com a comichão incessante, pode levar o animal a comer menos, tornar-se deprimido e até agressivo, dependendo da sua persona- lidade.
  55. 55. Pulga-de-cão (Ctenocephalides canis) Luis Fernández García via Wikimedia Commons
  56. 56. U m dos erros que as pessoas frequente- mente cometem ao tentar eliminar as pul- gas, é só desparasitarem os seus animais. A verdade é que quando en- contra uma pulga no pêlo do seu animal, isso significa que a sua casa já terá uma infestação em curso. Dizem as estimativas que os animais possuem ape- nas entre 5 a 10% das pulgas presentes em casa. Portanto vamos começar pelo ambiente / casa. • Aspire tudo o que for possí- vel: chão (principalmente frin- chas), carpetes, móveis (por baixo e nos cantos), caixas de transporte, tapetes, almofadas, sofás, porão (se for o caso), etc; • Tenha especial atenção em zonas mais húmidas e que não estejam muito expostas à luz do Sol, pois é onde as larvas se refugiam até se tornarem pulgas adultas; • Quando terminar de aspirar, coloque o saco do aspirador dentro de outro saco ou reci- piente isolado (para evitar fuga de pulgas) e deposite-o fora de casa no ponto de recolha de lixo habitual; • Lave toda a roupa em que o animal tenha estado em con- tacto, em especial das camas (a dele e a sua), com água bem quente; • Note que a eliminação das pulgas pode demorar um par de semanas ou mesmo um mês, pelo que as lavagens e aspira- ções devem ser repetidas com frequência até que não existam quaisquer pulgas no ambiente; • Se for uma infestação mais grave, poderá ter de recorrer a um inseticida antipulgas em casa, sendo mais recomenda- do o Biokill. Caso escolha outro produto, tenha muita atenção aos rótulos para se certificar que não corre o risco de into- xicação de pessoas e animais; • Em casos de gravidade ex- trema, recorrer aos serviços de uma empresa de desinfestação poderá ser a solução para re- solver de vez o problema. 74 MUNDO DOS ANIMAIS
  57. 57. A desparasitação nos ani- mais deve começar após ter feito a primeira aspiração e lim- peza em casa. Todos os cães e gatos em casa devem ser tra- tados, mesmo que acredite que apenas um deles está com pul- gas. Apesar de existirem diversos tipos de produtos, não acon- selhamos o uso de sabonetes ou champôs antipulgas (salvo recomendação do seu veteriná- rio), devido ao fraco efeito resi- dual assim que é enxaguado e por alguns riscos associados a animais idosos ou debilitados. Tenha atenção a talcos antipul- gas ou outros venenos inseti- cidas, pois podem ser tóxicos para os animais e criar proble- mas sérios, inclusivamente fa- tais. Tenha também especial cuidado com alguns antipulgas para cães, como o Advantix e o Pulvex, pois são altamente tóxicos para gatos. Certifique-se que o produto que vai utilizar é 1) de uso veteri- nário e 2) indicado para o ani- mal que pretende desparasitar. Consulte primeiro o seu veteri- nário para dissipar qualquer dú- vida.
  58. 58. chris jd via Flickr
  59. 59. Como Evitar o Reaparecimento A pós eliminar com su- cesso as pulgas do seu animal e da sua casa, deve adotar me- didas preventivas para que es- tas não reapareçam. Como em muitos problemas, a prevenção é o melhor remédio. Existem algumas dicas práticas que pode aplicar, para evitar que as pulgas voltem a entrar em sua casa. Nomeadamente: • Manter o ambiente limpo e arejado, evitando a humidade excessiva; • Aspirar frequentemente a casa e ter especial atenção a cestas e roupas em contacto com os animais (como as ca- mas deles); • Encerar os soalhos, pois a cera é tóxica para as pulgas; • No jardim / exterior, pode apli- car produtos biodegradáveis contra pulgas. Quanto ao seu animal, certi- fique-se de que lhe dá banho frequentemente (nos cães, me- nos frequente nos gatos) e de que não entra em contacto com outros animais que possam ter pulgas. Caso tenha dúvidas sobre qual o produto mais aconselhável para o seu animal, ou se o seu animal foi afetado por outros problemas associados a uma infestação de pulgas (como alergias e parasitas internos), deve consultar o veterinário as- sistente, que saberá qual a me- lhor estratégia a adotar. Leia mais sobre animais de estimação em: - http://www.mundodosanimais.pt/animais- estimacao/ 77PULGAS: COMO ELIMINAR
  60. 60. Inspirar pessoas a melhor dos ani www.mundodosanimais.p
  61. 61. a cuidar imais pt Produção / Edição / Design Carlos Gandra Autores nesta edição Carlos Gandra Elisabete Rodrigues Marta Fonseca Sara Bastos Sara Guiomar Contacto geral geral@mundodosanimais.pt Colaboração editor@mundodosanimais.pt A Revista Mundo dos Animais é uma publicação digital gratuita. Sinta-se livre para a distribuir por email, twitter, blog ou qualquer ou- tro meio, desde que nenhum dos conteúdos seja de alguma forma alterado. Todas as edições podem ser ace- didas gratuitamente em: http://www.mundodosanimais.pt/ revista/ © 2015 Mundo dos Animais

×