Estudo Impacto RipCurl Pro 2010

1.252 visualizações

Publicada em

Pelo Prof. Dr. João Paulo da Conceição Silva Jorge

Publicada em: Diversão e humor
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Estudo Impacto RipCurl Pro 2010

  1. 1. ISBN: 978-989-97395-2-9 ISBN: 978-989-97395-2-9Instituto Politécnico de Leiria | Câmara Municipal de PenicheESTUDO DO IMPACTO DO RIP CURL PRO 2010 - PENICHE Grupo de Investigação em Turismo (GITUR) Escola Superior de Turismo Tecnologia do Mar
  2. 2. Editor: GITUR – Grupo de Investigação em Turismo / Instituto Politécnico de LeiriaPrefixo de Editor: 989-97395Setembro 2012Campus 4Santuário de Nossa Senhora dos Remédios2520–641 Peniche - PORTUGALO presente documento consiste no estudo de avaliação do Rip Curl Pro Portugal 2010, elaborado pelo Grupo deInvestigação em Turismo (GITUR) do Instituto Politécnico de Leiria. A síntese e estudo resultam do Protocolo deCooperação estabelecido entre a Câmara Municipal de Peniche e o GITUR/IPL.
  3. 3. Equipa de investigação CoordenaçãoJoão Paulo C.S. Jorge | Sérgio Leandro Investigadores Sofia Eurico Fernanda Oliveira Patrícia Reis Ana Filipa Ferreira
  4. 4. ________________________________________________________________________________ ÍNDICE 1. Introdução........................................................................................... 1 2. Metodologia........................................................................................ 2 3. Resultados.......................................................................................... 3 3.1. Caracterização sociodemográfica da amostra............................. 3 3.2. Caracterização relativa à prática da modalidade........................ 8 3.3. Caracterização relativa ao Rip Curl Pro 2010............................. 15 3.4. Estimativa do impacto económico……….................................... 26 3.5. Relevância dos atributos na escolha de um destino de surf....... 31 Referências bibliográficas……………………………………………….. 34
  5. 5. ________________________________________________________________________________ 1. INTRODUÇÃOO presente documento preliminar integra-se no trabalho desenvolvido pelo Grupo deInvestigação em Turismo do Instituto Politécnico de Leiria (GITUR) mediante solicitaçãoda Câmara Municipal de Peniche. Os principais objetivos prendem-se com adeterminação do perfil dos visitantes relativamente à prova de surf Rip Curl Pro 2010 –Portugal, etapa do ASP World Tour 2010 realizada em Peniche, caraterizando-os emtermos sociodemográficos, prática do desporto radical de ondas e também em termos daestrutura dos gastos e das preferências declaradas.Este trabalho contextualiza-se num âmbito mais vasto de um projecto que se propõeanalisar os potenciais impactos socioeconómicos dos desportos radicais de ondas naeconomia local do concelho de Peniche. Existe uma reconhecida dificuldade nadeterminação dos valores e impactos das atividades turísticas, sobretudo à escala local.Por outro lado, a investigação científica não tem privilegiado o estudo destes produtos(desportos radicais de ondas) sendo escassa a produção de conhecimento relativamente 1às diversas dimensões destes desportos, incluindo a económica.É, portanto, nesse contexto mais amplo que deve ser entendido este estudo: um relatóriocom os resultados do inquérito efectuado.A estrutura deste documento é a seguinte:  Metodologia  Resultados o Caracterização sociodemográfica da amostra o Caracterização relativa à prática da modalidade o Caracterização relativa ao Rip Curl Pro 2010 o Estimativa do impacto económico directo o Relevância dos atributos no processo de escolha de um destino de surf Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  6. 6. ________________________________________________________________________________ 2. METODOLOGIAPara a elaboração deste estudo foram efectuadas entrevistas ao público assistente doevento durante a realização do Rip Curl Pro 2010 – Portugal, etapa do ASP World Tour2010 realizada em Peniche. Essas entrevistas foram realizadas, mediante umquestionário estruturado, de 7 a 16 de Outubro de 2010. Tendo em consideração onúmero de visitantes estrangeiros, o questionário foi apresentado em português e eminglês.O método de amostragem utilizado foi o probabilístico (aleatório) tendo o universo sidoconstituído por todos os visitantes que assistiram ao evento. Considerou-se a estimativada organização do evento que apontou para 120 000 o número de pessoas queassistiram ao evento.O número final de questionários considerados válidos, depois de depurados osincompletos, 381. O erro máximo da amostra é de 3,57%, para um nível de confiança 2(grau de probabilidade) de 95%, tal como indica a ficha técnica do estudo. Quadro 1 – Ficha técnicaUniverso Todos os visitantes que assistiram ao eventoMetodologia Entrevista pessoal mediante questionário estruturadoTamanho da amostra 381questionários válidosErro da amostra ± 3,57%Nível de confiança 95% (p=0,5)Data do trabalho de campo 7 a 16 de Outubro de 2010 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  7. 7. ________________________________________________________________________________ 3. RESULTADOS 3.1. CARACTERIZAÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DA AMOSTRA  ProveniênciaComeçando pela proveniência dos sujeitos que compõem a amostra, verifica-seuma proeminência daqueles que residem em Portugal (73%) face aos que provêmde outros países (27%). Em relação aos primeiros, destaque para os que residemnos concelhos de Peniche (24.7%), Lisboa (18.3%), Cascais (7.2%) e Sintra(6.5%). Figura 1. Distribuição dos portugueses por concelho de origem (%) T. Vedras 1,8% Santarém 3 1,8% Almada Leiria Mafra Porto Oeiras Vagos Loures C. Rainha 3,6% 2,2% 2,2% 1,8% 1,8% 1,4% 1,4% 4,3% Sintra Outros 6,5% 21,1% Cascais 7,2% Lisboa 18,3% Peniche 24,7% Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  8. 8. ________________________________________________________________________________ Figura 2. Distribuição dos inquiridos nacionais por distrito de proveniência (n=279) A partir de uma distribuição dos inquiridos por distritos (figura 2), verifica-se que cerca de 80% dos inquiridos provêm dos distritos de Leiria e de Lisboa, sendo este último o que agrega um maior número de inquiridos (47.3%). Apesar de apresentarem valores substancialmente mais baixos, destaque ainda para os 3.9% do distrito de Santarém e os 3.6% 4 dos distritos de Aveiro e Setúbal. Já no que respeita aos inquiridos estrangeiros, a sua distribuição faz-se por 14 nacionalidades diferentes, sendo que 70 % provêm de quatro países: Espanha, Reino Unido, Alemanha e França. Apenas 11% dos inquiridos provêm de países não europeus, designadamente: Austrália, Brasil e EUA. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  9. 9. ________________________________________________________________________________ Figura 3. Distribuição dos inquiridos não nacionais por país de proveniência (n=89) Holanda; 5; 6% Itália; 4; 5% Austrália; 4; 5% Alemanha; 13; Brasil; 4; 4% Finlândia; 2; 15% 2% EUA; 2; 2% Rep. Checa; 1; 1% Eslovénia; 1; Reino Unido; Outra; 8; 8% 1% 17; 19% Suíça; 2; 2% Dinamarca; 2; França; 9; Espanha; 23; 2% 10% 26% 5  Género e IdadeDo ponto de vista da estrutura etária a maior concentração de indivíduos verifica-se nos dois primeiros escalões etários, entre os 18 e os 24 e os 25 e os 34 anos.Este contexto é patente quer nos inquiridos nacionais quer nos não nacionais,cuja soma dos referidos escalões, representam 78.73% e 76.04%,respectivamente. Destacam-se, porém, algumas diferenças quando comparadosestes dois grupos: no caso dos nacionais, o escalão etário com maiorrepresentatividade é o dos 18 aos 24 anos, com 42.16%, enquanto nos nãonacionais é o escalão dos 25 aos 34 anos, com 56.25%. Os restantes escalõesapresentam valores não muito expressivos. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  10. 10. ________________________________________________________________________________ Figura 4. Estrutura etária (portugueses e estrangeiros) % 60 56.25 50 42.16 40 36.57 Portugal 30 Estrangeiro 19.79 20 14.93 14.58 9.38 10 5.97 0.37 0 0 18-24 anos 25-34 anos 35-44 anos 45-60 anos Mais de 60 anosA totalidade da amostra revela uma maior incidência de sujeitos do sexomasculino, a qual se mantém quando se analisa desagregadamente os inquiridosnacionais dos não nacionais, com os primeiros a serem constituídos por 57.46%de homens, e os segundos por 69.07%. ´ 6 Figura 5. Género 30.93% 42.54% Feminino Masculino 69.07% 57.46% Portugal Estrangeiro  Perfil académico e profissionalO nível educacional dos sujeitos inquiridos incide maioritariamente no ensinosecundário e superior, sendo que a população não nacional revela valores Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  11. 11. ________________________________________________________________________________ligeiramente superiores de indivíduos com nível de escolaridadeuniversitário/politécnico quando comparados com os que frequentaram o ensinosecundário. É também neste público que se registam valores percentuais maiselevados (23.71%) no que respeita à frequência do ensino pós-graduado. Figura 6. Nível de educação % 50 43.28 42.54 45.36 40 27.84 30 23.71 Portugal 20 10.07 Estrangeiro 10 4.1 3.09 0 Ensino básico Ensino Ensino Ensino pós- secundário superior graduado Em ambos os públicos, nacional e não nacional, “Trabalhador por conta de outrem” é a categoria com maior prevalência, seguida no caso nacional pelos 7 estudantes (36.57%) e pelos profissionais liberais/empresários (10.45%), e no caso dos estrangeiros, seguem-se os profissionais liberais/empresários (26.04%) e os desempregados e os estudantes com valores muito próximos, 8.33% e 7.29% respetivamente. Figura 7. Situação relativamente à actividade profissional (portugueses e estrangeiros) % 58.33 60 47.39 50 Portugal 36.57 40 26.04 30 20 10.45 7.29 8.33 10 4.85 0.75 0 0 Trabalh. conta Prof.liberal/ Estudante Desempregado Reformado outrém Empresário Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  12. 12. ________________________________________________________________________________ 3.2. CARACTERIZAÇÃO RELATIVA À PRÁTICA DA MODALIDADEQuando questionados sobre a prática de algum desporto radical de ondas,63.32% dos inquiridos responderam afirmativamente. Analisandodesagregadamente os dois subgrupos, verificamos que esta resposta tem umpeso percentual de 57.14% para os inquiridos nacionais e de 83.51% para osestrangeiros. Figura 8. Praticantes de algum desporto radical de ondas Sim; Não; 36,68% 63,32% 8 Figura 9. Praticantes de algum desporto radical de ondas (portugueses e estrangeiros) 16.49% 42.86% Não Sim 83.51% 57.14% Portugal Estrangeiro A totalidade da amostra revela que a principal modalidade praticada é o surf com um peso percentual a rondar os 74% a 75% seguindo-se o bodyboard Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  13. 13. ________________________________________________________________________________ com cerca de 21% a 22% e a categoria “Outro” com um peso entre os 2.5% e os 5%. Figura 10. Principal modalidade (portugueses e estrangeiros) 2.47% 5.26% 21.05% 22.22% Outro Bodyboard Surf 73.68% 75.31% Portugal Estrangeiro 9Em relação à questão de serem ou não atletas federados, 80.8% dos praticantesinquiridos responderam negativamente. Em relação aos praticantes federados,12.8% são nacionais e 5.9% estrangeiros. Figura 11. Atletas federados (relativamente ao total de praticantes) Sim 19.2% Não 80.8% Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  14. 14. ________________________________________________________________________________ Figura 12. Atletas federados (portugueses e estrangeiros) 80% 84% Não (112) (68) Federados 20% 16% (28) (13) Portugal Estrangeiro No que respeita à frequência com que a modalidade é praticada, 57.6% dos inquiridos responde que o faz duas ou mais vezes por semana, 22.7% entre uma a 4 vezes por mês e 19.7% apenas ocasionalmente/nas férias. Analisando individualmente cada categoria para a frequência da prática da 10 modalidade, verifica-se que os estrangeiros apenas apresentam valores superiores nas opções “1 a 2 vezes por semana” (62.07%) e “Nas férias” (60%). Figura 13. Frequência com que pratica a modalidade (total praticantes) Ocasionalment Nas férias; e; 13% 6.7% 1 ou 2 vezes por mês; 3 ou mais 12.2% vezes por semana; 29.4% 1 vez por 2 vezes por semana; semana; 28.2% 10.5% Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  15. 15. ________________________________________________________________________________ Figura 14. Frequência com que pratica a modalidade (portugueses e estrangeiros) (em %) 19.7 31.34 37.5 36.67 62.07 60.0 80.3 68.66 62.5 63.33 37.93 40.0 Portugal Estrangeiro Quando considerados os 20 destinos de surf preferidos dos inquiridos, em território nacional ou estrangeiro, verifica-se que Peniche se evidencia com 102 respostas, ressalvando-se que este valor poderá ter sido influenciado pelo 11 facto do evento Rip Curl Pro 2010 ter decorrido em Peniche. Analisando os dez destinos mais apontados encontra-se, logo a seguir a Peniche, a Indonésia (67), a Ericeira (60), o Hawai (45), a Austrália (35), Sagres (34), a França (31), a Espanha (23), Cascais e as Maldivas (21). Das 591 respostas (os inquiridos podiam indicar até três destinos), 53.5% (316) incidem em destinos estrangeiros. A figura 16 esquematiza a dispersão destas respostas pelos vinte e três países apontados, evidenciando a Indonésia como o destino estrangeiro de surf preferido, com 21.8%, seguido pelo Havai, com 14.6% e a Austrália, com 11.4%.Dos destinos europeus, destaque para França, com 10.4%, e Espanha, com 7.6%. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  16. 16. ________________________________________________________________________________ Figura 15. Os 20 destinos preferidos de surf, para portugueses e estrangeiros Nazaré 5 África Sul 7 EUA 8 Brasil 8 Polinésia Fr 10 México 11 Sintra 11 Sud. Alentejano 12 C. Caparica 13 Marrocos 16 Maldivas 21 Cascais 21 Espanha 23 França 31 Sagres 34 Austrália 35 Haway 45 12 Ericeira 60 Indonésia 67 Peniche 102 0 20 40 60 80 100 120 Fazendo uma análise por continentes, a Ásia encontra-se no topo, com 28.5%, contribuindo para esse facto o peso das Maldivas e do arquipélago indonésio (de referir que os valores da Indonésia foram incorporados na integra no continente asiático, apesar de tratar-se de um Estado intercontinental). Segue- se o continente americano, com 26.3%, o europeu, com 21.2%, o oceânico, com 15.8%, e o africano, com 8.2%. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  17. 17. ________________________________________________________________________________ Figura 16. Destinos estrangeiros de surf preferidos (total inquiridos) 13Os principais destinos de surf em território nacional indicados pela totalidade dosinquiridos são Peniche (34.5%), Ericeira (25.5%) e Sagres (12.2%). A seguir àsopções preferenciais, são os destinos localizados na costa de Lisboa e a sul destaque reúnem o maior leque de respostas, incluindo Santa Cruz (0.4%), Sintra (5%),Cascais (7.8%), Costa da Caparica (2.8%) e Sudoeste Alentejano (4.4%).A norte de Peniche foram apontados nove locais para a prática do surf, quereúnem um peso percentual de 7.2. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  18. 18. ________________________________________________________________________________ Figura 17. Destinos de surf portugueses preferidos (total inquiridos) 14 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  19. 19. ________________________________________________________________________________ 3.3. CARACTERIZAÇÃO RELATIVA AO RIP CURL PRO 2010Dos inquiridos que assistiram ao Rip Curl Pro Portugal 2010, 68% afirma terassistido à edição de 2009. Do público português apenas 27.7% não estevepresente em 2009 e 32% no caso dos estrangeiros. Figura 18. Assistiu à edição de 2009 (portugueses e estrangeiros) 27.7% 68% Não Sim 72.3% 32% Portugal Estrangeiro 15Quando questionados se utilizaram a residência habitual durante o evento, 61%dos portugueses respondeu afirmativamente, contrastando com 6% deestrangeiros. O concelho mais escolhido para o alojamento de quem respondeunegativamente foi Peniche com 87%, sendo o restante valor percentual distribuídopelos concelhos de Óbidos, Mafra, Caldas da Rainha, Lisboa, Lourinhã e Oeiras. Figura 19. Alojados na residência principal durante o evento (portugueses e estrangeiros) 39% Não 94% Sim 61% 6% Portugal Estrangeiro Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  20. 20. ________________________________________________________________________________ Figura 20. Concelho onde se aloja durante o evento (todos os inquiridos não alojados em residência principal) % 0 20 40 60 80 100 Peniche 87 Óbidos 5 Mafra 3 C. Rainha 2 Lisboa 1 Lourinhã 1 Oeiras 1Dos inquiridos que recorreram a uma residência diferente da habitual durante oevento, 23% afirma ter ficado em casa alugada, 20% em hotel, 18% em segundaresidência, 16% em casa de amigos/familiares, 9% em parques de campismo, 7%em autocaravanas, 6% em surf camps e 1% em outro tipo de alojamento. Quandonão alojados na sua residência habitual, os inquiridos nacionais optam 16maioritariamente por segundas residências (28%), seguindo-se a modalidade decasa alugada (25%), casa de amigos/familiares (24%) e hotel (13%). No querespeita aos não nacionais, as preferências distribuem-se por hotel (30%), casaalugada (20%), parques de campismo (17%), autocaravanas (15%) e surf camps(11%). Figura 21. Tipo de alojamento utilizado (todos os inquiridos não alojados em residência principal) P.Campismo; Autocaravana; 9% 7% Surfcamp; 6% Casa amig/famil; 16% Outro; 1% Casa alugada; 18% Hotel; 23% 2.ª Residência; 20% Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  21. 21. ________________________________________________________________________________ Figura 22. Tipo de alojamento utilizado (portugueses e estrangeiros não alojados em residência principal) 30 30 28 25 24 Hotel 25 2.ª Residência 20 20 17 Casa alugada 15 13 Casa amig/famil % 15 11 P.Campismo 10 Autocaravana 5 3 2 2 3 3 3 Surfcamp 0 0 Outro Portugal Estrangeiro Figura 23. Com quem viaja (todos os inquiridos) Em grupo; Sozinho; 50.3% 15.6% 17 Com uma pessoa; 34.2%Em resposta à questão se viaja sozinho ou acompanhado, 50.3% dos inquiridosresponderam “Com grupo”, 34.2% “Com 1 pessoa” e 15.6% “Sozinho”. Estesvalores aproximam-se dos obtidos junto dos inquiridos nacionais e estrangeiros. Figura 24. Com quem viaja (portugueses e estrangeiros) 100% 80% 51 46.9 60% Em grupo 40% 31.3 42.7 Com uma pessoa 20% 17.7 10.4 Sozinho 0% Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  22. 22. ________________________________________________________________________________Já no que respeita à constituição dos grupos, no caso dos estrangeiros, 48% sãoconstituídos por 3 indivíduos, 31% por 4 e os restantes 22%, por 5 ou 6. Quantoaos grupos de nacionais, 28% constituem-se por 3 indivíduos, 37% por 4, 19%por 5 e os restantes 17% são grupos com 6 a 10 elementos. Figura 25. Constituição dos grupos: número de pessoas (portugueses e estrangeiros) 48 50,0 3 pessoas 40,0 37 4 pessoas 31 5 pessoas 28 30,0 % 6 pessoas 19 20,0 7 pessoas 12 10 8 pessoas 10,0 7 1 2 3 4 9 pessoas 10 pessoas 0,0 Portugal Estrangeiro 18A duração da permanência dos inquiridos durante o evento foi estudada emtermos do número de dias. Para o efeito procedeu-se a um tratamentocomparativo dos dados em relação aos inquiridos nacionais e estrangeiros (figura26), tendo-se verificado que estes últimos assistiram tendencialmente entre 5 a 7dias do evento, enquanto foram os nacionais que mais permaneceram durante“Todo o evento” ou então apenas 1, 2 ou 3 dias. Um estudo mais aprofundadopoderá permitir perceber se os nacionais que referiram ter assistido a “Todo oevento” são os que residem mais próximo de Peniche e se, por oposição, os queafirmaram ficar poucos dias, residem em regiões mais afastadas. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  23. 23. ________________________________________________________________________________ Figura 26. Número de dias no evento (portugueses e estrangeiros) Portugal Estrangeiro Todo o evento 78,1 21,9 9 dias 33,3 66,7 8 dias 50,0 50,0 7 dias 14,3 85,7 6 dias 16,7 83,3 5 dias 32,3 67,7 4 dias 56,3 43,8 3 dias 85,7 14,3 2 dias 88,5 11,5 19 1 dia 90,4 9,6 0% 20% 40% 60% 80% 100%Quando questionados sobre como obtiveram conhecimento do evento, atotalidade dos inquiridos indicou a Internet e os amigos/familiares como osprincipais veículos de informação (correspondendo a 71% do total de respostas).A Internet assumiu um papel de destaque nos inquiridos estrangeiros, com 40%,enquanto que nos nacionais, foram os amigos/familiares, com 45%. Ainda juntodo público estrangeiro, de apontar a importância dos jornais/revistas, com 16%,bem como a rádio/TV da parte dos nacionais, com 12%. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  24. 24. ________________________________________________________________________________ Figura 27. Como obteve conhecimento do evento (portugueses e estrangeiros)A figura 28 reflecte as respostas relativas aos três principais aspectos positivosdo evento. Figura 28. Aspetos positivos do Rip Curl Pro 2010 (n=543, resposta múltipla) 20 Protecção ambiental 5 Acessos 5 Ofertas das marcas 6 Praias 7 Hospitalidade 8 Conhecer pessoas 9 Multiculturalidade 10 Diversão 10 Infraestruturas 11 Clima 12 Ambiente do evento 13 Entrada livre 16 Espectáculo 18 Impacto económico 21 Contacto com surfers profiss 29 Prom. e imagem do país 32 Prom. da modalidade 33 Outros 35 Promoção do turismo 37 Qualid e diversid das ondas 39 Caract. do local 40 Prom. e imagem da cidade 43 Convívio 45 Organização 59 0 20 40 60 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  25. 25. ________________________________________________________________________________Os dez aspectos que reuniram maior concentração de respostas foram aorganização (com 59), o convívio (com 45), a promoção e imagem da cidade (com43), a caraterização do local (com 40), a qualidade e diversidade das ondas (com39), a promoção do turismo (com 37), a promoção da modalidade (com 33), apromoção e imagem do país (com 32), o contacto com surfers profissionais (com29) e o impacto económico (com 21). A opção outros aparece discriminada nafigura 29. Figura 29. Aspetos positivos do Rip Curl Pro 2010 – Opção “Outros” Opção "Outros" (n=35) Informação 4 Época do ano 1 Apoio ao visitante 2 Limpeza 1 Segurança 2 Paisagem 1 Staff da organização 3 Animação 1 Público 3 Catering 1 Bares e esplanadas 3 Parcerias 1 Prom. causas sociais 3 Combate à sazonalidade 1 Estacionamento 4 Boa reputação 1 Sponsors 1 Cor 1 21 Transmissão pela 1 internetOs próximos dois gráficos apresentam um tratamento discriminado da variável“Aspectos positivos do Rip Curl Pro 2010”, por estrangeiros (figura 30) eportugueses (figura 31). Em relação aos estrangeiros, o Rip Curl 2010 foiclassificado positivamente através de 25 tipos de aspectos positivos, valorrelativamente inferior à reacção dos inquiridos nacionais que se estenderam por41 tipos diferentes de respostas.Em relação aos principais aspectos positivos, apresentados pelos estrangeiros,evidenciam-se a “Promoção e imagem do país” e o “Convívio”, a partilharemequitativamente 23% do total de respostas, seguindo-se o “Contacto com surfersprofissionais” (9.2%), as “Características do local” (9.2%) e a “Organização”(8.5%) Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  26. 26. ________________________________________________________________________________A opção “Outros” reúne 18.5% das respostas e inclui treze tipos de aspectosdiferentes, incluindo: conhecer pessoas, boa reputação, informação, diversão,impacto económico, ambiente do evento, praias, multiculturalidade, ofertas demarcas, bares e esplanadas, entrada livre, espectáculo e promoção de causassociais. Figura 30. Aspetos positivos do Rip Curl Pro 2010 (estrangeiros; n=130; em %) Outros 18.5 Infraestruturas 3.1 Hospitalidade 3.1 Promoção da modalidade 3.1 Clima 4.6 Promoção e imagem da cidade 5.4 Promoção do turismo 5.4 Qualidade e diversidade das ondas 6.9 Organização 8.5 Contacto com surfers profissionais 9.2 22 Características do local 9.2 Convívio 11.5 Promoção e imagem do país 11.5 %Em relação às respostas dos inquiridos portugueses, os principais aspectospositivos do Rip Curl 2010 respeitam à “Organização” (12.2%), à “Promoção eimagem da cidade” (8.4%) e, com a mesma pontuação (7.1% cada), ao“Convívio”, à “Promoção da modalidade” e à “Qualidade e diversidade de ondas”.A opção outros (com 17.2% das respostas) agrega vinte seis atributos diferentes,designadamente: apoio ao visitante, limpeza, clima, animação, público, catering,parcerias, segurança, acessos, estacionamento, protecção ambiental,transmissão pela internet, ofertas das marcas, bares e esplanadas, informação,staff da organização, cor, hospitalidade, paisagem, promoção causas sociais,combate a sazonalidade, sponsors, conhecer pessoas, infraestruturas e praias. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  27. 27. ________________________________________________________________________________ Figura 31. Aspetos positivos do Rip Curl Pro 2010 (portugueses; n= 395; em %) Outros 17.2 Diversão 2.0 Multiculturalidade 2.3 Ambiente do evento 2.3 Contacto com surfers profissionais 3.5 Entrada livre 3.5 Espectáculo 3.8 Promoção e imagem do país 4.3 Impacto económico 5.1 Características do local 6.8 Promoção do turismo 7.1 Qualidade e diversidade das ondas 7.1 Promoção da modalidade 7.1 Convívio 7.3 Promoção e imagem da cidade 8.4 Organização 12.2 % 23Já no que respeita aos aspectos negativos (figura 32), os que reúnem maiorconcentração de respostas são o estacionamento (com 37), o clima (com 28), asacessibilidades (com 24), o catering insuficiente (com 19), o acesso ao Pico daMota (com 17), o excesso de público (com 16), a falta de espaços cobertos ebancadas (com 14), a falta de WC e a suspensão das provas (com 13 respostascada).A figura 33 apresenta os aspectos negativos do Rip Curl Pro 2010 apontadosunicamente pelos inquiridos estrangeiros. Os aspectos que mais desagradarameste grupo de inquiridos incidem sobre: a suspensão da prova (14.8%), o acessoao Pico da mota (13.6%), as acessibilidades (11.1%) e, com 6% de respostascada, o estacionamento, o catering insuficiente e a falta de WC. A opção “Outros”(com 7.4% das respostas) inclui: excesso de público, destruição das dunas,massificação, aluguer das pranchas, duches e população local. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  28. 28. ________________________________________________________________________________ Figura 32. Aspectos negativos do Rip Curl Pro 2010 (n=285, resposta múltipla) Falta de contentores do lixo 3 Ofertas dos patrocinadores 4 Investimento público excessivo 4 Trânsito 4 Impacto ambiental 5 Organização 5 Insuficiente oferta de alojamento 6 Poluição 9 Infraestruturas 9 Destruição das dunas 10 Lixo nas praias 10 Informação sobre horário das… 11 Suspensão das provas 13 Falta de WC 13 Falta de espaços cobertos e… 14 Excesso de público 16 Acesso ao Pico da Mota 17 Catering insuficiente 19 Acessibilidades 24 Clima 28 Outros 37 Estacionamento 37 0 10 20 30 40 24 Figura 33. Aspectos negativos do Rip Curl Pro 2010 (estrangeiros; n=81; em %) Outros 7.4 Mau cheiro 2.5 Falta de espaços… 2.5 Sinalização 3.7 Impacto ambiental 3.7 Sinalização 3.7 Clima 3.7 Informação sobre… 4.9 Lixo nas praias 6.2 Falta de WC 7.4 Catering… 7.4 Estacionamento 7.4 Acessibilidades 11.1 Acesso ao Pico… 13.6 Suspensão das… 14.8 % Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  29. 29. ________________________________________________________________________________Analisando apenas as respostas dos inquiridos nacionais (figura 34) relativamenteaos aspectos negativos, verifica-se que o estacionamento é a que agrega maiorinsatisfação, com 15.4%, seguindo-se o clima (11.9%), as acessibilidades (7.5%),a falta de espaços cobertos e bancadas (6%) e o catering insuficiente (6%). Acategoria “Outros” reúne 15.9% das respostas e inclui 21 aspectos negativosdiferentes, designadamente: ofertas dos patrocinadores, distância a percorrer apé, divulgação do evento, falta de contentores do lixo, localização, época do ano,confusão, massificação, mau cheiro, som ambiente, comentador da prova, cidadesuja, cidade desorganizada, impacto ambiental, tv oficial do evento, falta deondas, localism, roubos, suspensão de provas, transporte para local da prova,concentração das provas na praia de Supertubos. Figura 34. Aspectos negativos do Rip Curl Pro 2010 (portugueses; n=204; em %) Outros 15.9 Trânsito 2.0 25 Investimento público excessivo 2.0 Organização 2.5 Lixo nas praias 2.5 Insuficiente oferta de alojamento 2.5 Infraestruturas 3.0 Falta de WC 3.0 Informação sobre horário das… 3.0 Acesso ao Pico da Mota 3.0 Destruição das dunas 4.5 Poluição 4.5 Excesso de público 5.0 Catering insuficiente 6.0 Falta de espaços cobertos e… 6.0 Acessibilidades 7.5 Clima 11.9 Estacionamento 15.4 % Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  30. 30. ________________________________________________________________________________ 3.4 ESTIMATIVA DO IMPACTO ECONÓMICOAo nível das despesas efetuadas para assistir ao Rip Curl Pro foi pedido aosinquiridos para referirem o valor monetário gasto em seis itens: transportes,alojamento, alimentação, diversão, compras e outros. A partir dos resultadosobtidos segue-se uma análise individualizada de cada item (figura 35),complementada por uma análise da despesa agregada (somatório dos seis itens).Em ambos os casos são discriminados os valores para os inquiridos nacionais eestrangeiros. Figura 35. Despesas efetuadas pelos inquiridos durante o Rip Curl Pro – valor por item de despesa, valor total de despesas, valor total médio por inquirido (análise por nacionalidade do inquirido) Total de Despesas Valor médio p/ n (€) inquirido (€) Tipo de despesa Portugal Estrangeiros Portugal Estrangeiros Portugal Estrangeiros Valid 224 Transporte Missing 157 160 64 5715 14110 35,72 220,47 Valid 94 Alojamento Missing 287 40 54 5430 11015 135,75 203,98 26 Valid 192 Alimentação Missing 189 129 63 6879 375 53,33 5,95 Valid 125 Diversão Missing 256 77 48 3940 4680 51,17 97,50 Valid 99 Compras Missing 282 44 55 2661 4680 60,48 85,09 Valid 53 Outros Missing 328 21 32 859 2220 40,90 69,38 Despesa Total Valid 372 283 89 25484 37080 90,05 416,63 (incluindo os 6 itens) Missing 9 Resultados totais 372 62 564,00€ 168,10 € (Nacionais+Estrangeiros) Nota: Os valores médios foram calculados através da média aritmética ponderadaA análise da tabela anterior deve, em primeira instância, sublinhar os valoresbastantes expressivos dos missing values em qualquer um dos seis itens dadespesa.Analisando a despesa média por inquirido em cada um dos itens, verifica-se que oúnico em que o valor é superior nos inquiridos nacionais é a alimentação. Nos Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  31. 31. ________________________________________________________________________________restantes, são os inquiridos estrangeiros que apresentam um gasto médio maiselevado, sendo nos transportes e no alojamento que se verificam os maioresvalores, com 220,47 e 203,98€, respetivamente.A despesa média dos estrangeiros com a alimentação apresenta o valor maisreduzido (5,95€) de entre os restantes itens, seguindo-se a despesa média dosinquiridos nacionais com os transportes (35,72€) e no item outros (40,90€). Ovalor extremamente reduzido da alimentação nos inquiridos estrangeiros poderáestar associado ao facto de grande parte destes indivíduos estarem alojados emalojamento turístico, onde parte (ou a totalidade) das refeições estão incluídas novalor diário do alojamento.A discriminação da despesa média total para inquiridos nacionais e estrangeirospermite realçar duas realidades bastante distintas do ponto de vista dos gastosefetuados. Com efeito enquanto o inquirido português gasta em média 90,05€, oestrangeiro gasta 506,01%. Há no entanto que considerar o maior peso derespondentes nacionais, fator que contribui para o valor obtido no cálculo da 27despesa média total – 189,57€ - que inclui os seis itens e abarca a proporção deinquiridos nacionais e de estrangeiros.Os três gráficos (figuras 36, 37 e 38) que se seguem, permitem ter uma melhorperceção da distribuição dos consumos efetuados durante o evento. A análise datotalidade das respostas (nacionais + estrangeiros, figura 36) evidencia emprimeiro lugar as despesas associadas ao alojamento, com 31.7%, seguindo-se otransporte, com 26.3% e a alimentação, com 11.6%. Os restantes 30.4% dividem-se pela diversão, as compras e outros. Analisando o público nacional (figura 38)separadamente, verifica-se que é na alimentação que se concentra uma parteimportante das despesas, com 27%, logo seguida pela despesa com transportes(com 21.3%). Desta leitura desagregada, verifica-se igualmente que o públicoestrangeiro (figura 37) concentra a maior parte dos seus consumos ao nível doalojamento (38.1%) e do transporte (29.7%), correspondendo a 67.8% dasdespesas totais. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  32. 32. ________________________________________________________________________________ Figura 36. Distribuição da despesa efectuada para assistir ao evento (total inquiridos), em % Outros; 4,9 Compras; Alojamento 11,7 ; 31,7 Diversão; 13,8 Alimentação; Transporte; 11,6 26,3Figura 37. Distribuição da despesa efectuada para assistir ao evento (estrangeiros), em % Outros; 6,0 Compras; 12,6 Alojamento Diversão; 12,6 ; 38,1 28 Transporte; 29,7 Alimentação; 1,0Figura 38. Distribuição da despesa efectuada para assistir ao evento (portugueses), em % Outros; 3,4 Compras; 10,4 Alojamento; 22,4 Diversão; 15,5 Transporte; 21,3 Alimentaçã o; 27,0 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  33. 33. ________________________________________________________________________________Os referidos valores da despesa média total permitem calcular um valor totalagregado das despesas efetuadas pela totalidade de pessoas que assistiram aoevento. Segundo a organização, o total de indivíduos que assistiram ao eventoronda os 120 000 (correspondendo ao somatório de indivíduos que assistiram aoevento na totalidade dos 9 dias em que este ocorreu). Considerando que muitosdeles assistiram ao evento mais do que um dia (ver figura 26) foi calculado o nºmédio de presenças de cada indivíduo. O valor obtido para nacionais eestrangeiros foi de 4,7 e 5,72 dias, respetivamente, correspondendo a um valormédio de 4,95 dias, respeitante à agregação daqueles dois grupos de inquiridos.Assim, o valor total estimado de indivíduos presentes no evento é de 24 255,2 oque corresponde a uma despesa média agregada de 4 077 365 euros (figura 39). Figura 39. Estimativa da despesa total agregada dos visitantes N.º de indivíduos que Despesa média Despesa total 1 assistiram ao evento individual agregada (€) Estrangeiros 5797,0 416,63 2 415 203,00 29 Nacionais 18458,2 90,05 1 662 163,00 Total 24255,2 4 077 365,00 1 Foi aplicada a proporcionalidade de 76,1% inquiridos nacionais e 23,9% de estrangeiros, verificada nos resultados dos questionários aplicados e eliminando as não respostas à questão da nacionalidadePor outro lado há ainda a ter em conta que os efeitos económicos não se resumem aosefeitos directos, sendo de considerar os efeitos indirectos e induzidos gerados naeconomia.O relatório do Turismo de Portugal (2011) “O Turismo na Economia: Evolução docontributo do Turismo para a economia portuguesa 2000-2010” indica que o efeitomultiplicador do turismo se traduz num coeficiente técnico de variação de 1,21. Omultiplicador captura os efeitos económicos secundários das actividade de turismo,representando as interdependências económicas entre os demais sectores. Assim econsiderando o valor total da despesa directa de 4 077 365 € (ver figura 39) teríamos umvalor para o impacto directo, indirecto e induzido de 4 933 611,65 €. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  34. 34. ________________________________________________________________________________Atendendo ainda aos dados (figura 40), fornecidos pela organização, relativos aoorçamento do evento e despesas efectuadas pelas pessoas directamente ligadas aoevento - Staff, Association of Surfing Professionals (ASP), Surfistas, e imprensa- é aindaobtido um valor de despesa directa de 2 262 500 €. Figura 40. Estimativa da despesa total agregada da organização do evento e atletas, ASP e imprensa 2 Despesa agregada (€) Organização Rip Curl 1 700 000,00 Atletas, ASP e imprensa 562 500,00 Total 2 262 500,00 2 Dados fornecidos pela organização do eventoVisto não ser possível determinar os valores desagregados desta despesa édesconhecido o valor em termos de despesa turística e outros itens, impossibilitando adeterminação do valor do impacto indirecto e induzido. Não é contabilizado também ovalor despendido pelos sponsors relativamente ao evento. Considerando todos os 30factores referidos anteriormente teremos uma estimativa do impacto económico global doevento na ordem dos 7 196 111, 65 € (figura 41). Figura 41. Estimativa do impacto económico do Rip Curl Pro 2010 Impacto directo Impacto indirecto Total (€) (€) e induzido (€) Despesa efectuada pelos visitantes 4 077 365,00 856 246,65 4 933 611,65 Organização, staff, ASP, atletas e imprensa 2 262 500,00 n.d. 2 262 500,00 Total 7 196 111,65De referir finalmente que os impactos económicos relativos à imagem em consequênciada exposição mediática (comunicação social escrita, radio, TV, internet) não foramcontemplados. A organização do evento refere 5 milhões de espectadores via internet e45 milhões de espectadores via Eurosport e Fuel TV. Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  35. 35. ________________________________________________________________________________3.5 RELEVÂNCIA DOS ATRIBUTOS NA ESCOLHA DE UM DESTINO DE SURFNuma fase final do questionário pretendia-se auscultar os inquiridos sobre aimportância dos atributos na sua decisão de escolha de um destino de surf. Numaescala de 1 a 10, os inquiridos posicionaram a diversidade de tipo de ondas e adiversidade de locais para surfar como os atributos mais importantes (com umvalor médio de 8.9), seguindo-se o ambiente e a cultura do surf (com um valormédio de 8.6), a altura média das ondas (com um valor médio de 8.1) e apaisagem e beleza natural (com um valor médio de 8.0). Estes foram os cincoatributos mais valorizados, enquanto que a diversidade do comércio e serviços(com um valor médio de 6.3), o património cultural e a temperatura da água (comum valor médio de 6.6), as infraestruturas de apoio no local (com um valor médiode 6.7) e as acessibilidades (com um valor médio de 6.8) foram os atributos quereuniram valores médios mais reduzidos.Figura 42. Importância dos atributos na escolha de um destino de surf: média dos atributos numa escala de 1 a 10 (todos os inquiridos) 31 Diversidade comércio/serv. 6.3 Património cultural 6.6 Temperatura da água 6.6 Infraestruturas de apoio no local 6.7 Acessibilidades 6.8 Animação nocturna 6.9 Alojamento 6.9 Existênc. bar/esplanada no local 7.0 Gastronomia 7.1 Clima 7.2 Bom acesso ao local 7.2 No localism 7.3 No crowd 7.4 Preço (custo de vida) 7.5 Segurança 7.6 Frequência dos sets 7.7 Hospitalidade e acolhimento 7.8 Protecção e qualidade ambiental 7.8 Paisagem e beleza natural 8.0 Altura média das ondas 8.1 Ambiente e cultura de surf 8.6 Diversidade de locais para surfar 8.9 Diversidade de tipos de ondas 8.9 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  36. 36. ________________________________________________________________________________Em resposta à mesma questão os inquiridos não nacionais (figura 43) indicam osmesmos três primeiros atributos que a totalidade dos inquiridos, apesar deapresentarem valores médios ligeiramente superiores. Em quarto lugar, surge aproteção e qualidade ambiental (com uma média de 8.1) e em quinto, com amesma média (8.0) a paisagem e a beleza natural, a altura média das ondas e opreço (custo de vida). Os cinco atributos menos pontuados são a diversidade docomércio e serviços (com uma média de 5.8), o património cultural (com umamédia de 6.1), a gastronomia (com uma média de 6.3), as acessibilidades (comuma média de 6.4) e a temperatura da água (com uma média de 6.6). Podemosassim concluir que os dois atributos com menor pontuação coincidem com asrespostas da totalidade dos inquiridos e dos restantes três, dois repetem-se,nomeadamente a temperatura da água e as acessibilidades.Figura 43. Importância dos atributos na escolha de um destino de surf: média dos atributos numa escala de 1 a 10 (estrangeiros) Diversidade comércio/serv. 5.8 Património cultural 6.1 32 Gastronomia 6.3 Acessibilidades 6.4 Temperatura da água 6.6 Animação nocturna 6.6 Existênc. bar/esplanada no… 6.9 Alojamento 7.1 Segurança 7.2 Clima 7.2 Infraestruturas de apoio 7.3 Bom acesso ao local 7.4 Hospitalidade e acolhimento 7.7 Frequência dos sets 7.7 No localism 7.7 No crowd 7.7 Preço (custo de vida) 8.0 Altura média das ondas 8.0 Paisagem e beleza natural 8.0 Protecção e qualidade… 8.1 Ambiente e cultura de surf 8.9 Diversidade de locais para… 9.1 Diversidade de tipos de… 9.3 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  37. 37. ________________________________________________________________________________A análise das respostas dos inquiridos nacionais (figura 44) revela umacorrespondência nos cinco principais atributos, face aos resultados apresentadosna figura 42, e apresenta oscilações muito ligeiras relativamente valores totais.Quanto aos cinco atributos menos pontuados verificam-se também algumassimilitudes com os resultados totais, mantendo-se quatro dos atributos apontadosna amostra total, mas apresentando uma ordenação distinta. Com efeito, asinfraestruturas de apoio local e a diversidade de comércio e serviços surgemcomo os dois atributos com média mais reduzida (ambos, com 6.4), seguindo-se opatrimónio cultural (com média de 6.5), a temperatura da água (com 6.6) e aexistência de bar/esplanada no local (com 6.7). Figura 44. Importância dos atributos na escolha de um destino de surf: média dos atributos numa escala de 1 a 10 (portugueses) Infraestruturas de apoio 6.4 Diversidade comércio/serv. 6.4 Património cultural 6.5 Temperatura da água 6.6 Existênc. bar/esplanada no local 6.7 Alojamento 6.8 33 Acessibilidades 6.8 Bom acesso ao local 7.0 Animação nocturna 7.0 Gastronomia 7.0 No localism 7.3 Clima 7.3 Preço (custo de vida) 7.3 No crowd 7.4 Protecção e qualidade… 7.6 Segurança 7.6 Frequência dos sets 7.8 Hospitalidade e acolhimento 7.8 Paisagem e beleza natural 7.9 Altura média das ondas 8.3 Ambiente e cultura de surf 8.6 Diversidade de locais para… 8.8 Diversidade de tipos de ondas 9.0 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche
  38. 38. ________________________________________________________________________________ REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBreen, H.; Bull, A. & Walo, M. (2001). A comparison of survey methods to estimatevisitor expenditure at a local event. Tourism Management, 22, 473-479.Maroco, João (2007). Análise Estatística com Utilização do SPSS (3ª ed.), Lisboa:Edições Sílabo.Turismo de Portugal (2007). Plano Estratégico Nacional do Turismo – Para oDesenvolvimento do Turismo em Portugal. Lisboa: Ministério da Economia e da Inovação.Turismo de Portugal (2001). O Turismo na Economia: Evolução do contributo doTurismo para a economia portuguesa 2000-2010. Direcção de Estudos e PlaneamentoEstratégico/ Departamento de Informação Estatística. 34 Estudo do Impacto do Rip Curl Pro 2010 - Peniche

×