TORRE DE
HÉRCULES
MURALLAS DE LUGO
CATEDRAL DE SANTIAGO DE COMPOSTELA
HÓRREO DE COMBARRO
CRUCEIRO DO HIO
HIMNO GALEGO
¿Que din os rumorosos
na costa verdecente,
ao raio transparente
do prácido luar?
¿Que din as altas copas
de e...
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Monumentos galegos e os seus símbolos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Monumentos galegos e os seus símbolos

745 visualizações

Publicada em

Principais monumentos galegos e os símbolos de Galicia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
189
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Monumentos galegos e os seus símbolos

  1. 1. TORRE DE HÉRCULES
  2. 2. MURALLAS DE LUGO
  3. 3. CATEDRAL DE SANTIAGO DE COMPOSTELA
  4. 4. HÓRREO DE COMBARRO
  5. 5. CRUCEIRO DO HIO
  6. 6. HIMNO GALEGO ¿Que din os rumorosos na costa verdecente, ao raio transparente do prácido luar? ¿Que din as altas copas de escuro arume arpado co seu ben compasado monótono fungar? Do teu verdor cinguido e de benignos astros, confín dos verdes castros e valeroso chan, non des a esquecemento da inxuria o rudo encono; desperta do teu sono fogar de Breogán. Os bos e xenerosos a nosa voz entenden e con arroubo atenden o noso ronco son, máis sóo os iñorantes e féridos e duros, imbéciles e escuros non os entenden, non. Os tempos son chegados dos bardos das edades que as vosas vaguedades cumprido fin terán; pois, onde quer, xigante a nosa voz pregoa a redenzón da boa nazón de Breogán.

×