SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ALGARVE
Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo
(Campus de Portimão)
- Turismo -

Projecto orientado pelo Dr. Paulo Águas

Marisa Serrenho n.º 21508
Portimão – 2005
SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO

Introdução
Problemática
Objectivos
Enoturismo
Enoturista
Metodologia
Os visitantes da Herdade do Esporão
Formação dos segmentos de Enoturista
Conclusão
Recomendações
2
INTRODUÇÃO
O conhecimento do vinho é socialmente valorizado.
O vinho como factor motivacional. Paisagem física e
cultural.
O enoturismo dá os primeiros passos em Portugal turismo rural ou cultural.
A Herdade do Esporão foi distinguida pela “Revista dos
Vinhos” como o Melhor Enoturismo no ano de 2004.
A natureza do enoturista tem sido negligenciada.
O que constitui o “enoturismo”? Como desenvolver o
produto?
3
PROBLEMÁTICA
O enoturismo tem sido desenvolvido de forma intuitiva pelos produtores do vinho.
Visão dominante de concentração no produto.
Falta de experiência e compreensão dentro da indústria do vinho sobre turismo, e subsequente falta
de capacidades empreendedoras com respeito ao marketing e desenvolvimento do produto,
qualidade do serviço e compreensão do comportamento do consumidor.
Uma melhor compreensão da PROCURA conduzirá ao desenvolvimento de uma oferta mais
adequada e competitiva, para além de contribuir para o conhecimento do fenómeno do enoturismo.
Esta investigação pretende responder às seguintes questões:

Como se caracterizam os visitantes de atracções
vitivinícolas?
Em que medida as características demográficas,
socioeconómicas e psicográficas dos visitantes de atracções
vitivinícolas influenciam as suas expectativas?
Âmbito da investigação:
Pesquisa de mercado

Objecto de Estudo:
Visitante de atracções vitivinícolas

4
OBJECTIVOS

Com este estudo pretende-se:
 caracterizar os visitantes de atracções vitivinícolas;
 atestar homogeneidade ou distinguir tipos;
 utilizar os resultados da pesquisa na problematização
da especificidade do produto (oferta) e sua relação com as
necessidades e exigências do consumidor.

5
ENOTURISMO
Experiência
Sensorial
gustativa

olfactiva

visual

auditiva

táctil
6
Conceito
“visitation to vineyards, wineries, win festivals and wine shows for the purpose of
recreation” - G. Johnson citado por Hall et al, 2000: 5
“visitation to wineries and wine regions to experience the unique qualities of
contemporary Australian lifestyle associated with the enjoyment of wine at its source –
including wine and food, landscape and cultural activities. ”
(Australian National Wine Tourism Strategy citada por Getz, 2000: 3)
“visitation to vineyards, wineries, wine festivals, and wine shows for which grape-wine
tasting and/or experiencing the attributes of a grape-wine region are the prime
motivating factors” (Hall et al, 2000: 3).
“any experience related to wineries or wine production in which visitors participate
when on a day trip or longer visit….Wine tourism can range from a visit to a single
cellar door outlet while en-route to a main holiday destination to intensive week long,
live-in experiences focused on the wine process.”
(South Australian Tourism Commission citada por Getz, 2000: 3)
7
“Wine tourism is travel related to the appeal of wineries and wine country, a form of
niche marketing and destination development, and an opportunity for direct Sales and
marketing on the part of the wine industry”Getz (2000: 4)

8
Benefícios
Para os produtores de vinho:
•
Aumento da venda dos
vinhos e das margens de lucro.
• Aumento da exposição do
consumidor ao produto e
fidelização à marca.
• Oportunidade de venda de
outros produtos associados.
•
Atracção de novos
segmentos de mercado.
• Novas parcerias (com outras
atracções).
•
Informação sobre os
produtos
existentes e
oportunidade de testar novos
produtos.
• Informação sobre os consumidores.
• Oportunidade de educação
do
consumidor
no
conhecimento e apreciação do
vinho, podendo aumentar o
consumo.

Para o destino (comunidade local):
•
Aumento do número de visitantes e
gastos no destino.
•
Atracção de novos visitantes e
repetições.
• Desenvolvimento de uma imagem única
e positiva do destino.
•
Atracção de pessoas a zonas não
centrais.
• Ultrapassar problemas de sazonalidade.
• Atracção de novos investimentos.
• Criação de emprego.
• Criação de eventos para residentes e
visitantes.
•
Desenvolvimento de novas infraestruturas e serviços para residentes e
visitantes.
•
Promoção da consciencialização do
público para a preservação do património
ambiental e cultural, e aumento do
sentimento de identidade local.
• Efeito multiplicador na economia local e
revitalização de actividades económicas
tradicionais.

Para o consumidor (turista):
• Oportunidade de comprar
vinhos de qualidade (alguns
raros) a preços moderados.
• Oportunidade de conhecer a
origem do produto e o
produtor.
• Experiência educacional.
• Experiência cultural.
• Comunhão com a natureza.

9
ENOTURISTA

Este projecto aborda o enoturismo como uma
forma de comportamento do consumidor pela
qual enófilos ou aqueles interessados em
regiões vitivinícolas viajam para
determinados destinos.

10
SEGMENTAÇÃO: agrupar os consumidores em categorias específicas,
com características e desejos homogéneos.
O estudo dos mercados do vinho tem-se baseado essencialmente em nove variáveis de
segmentação (Bruwer et al, 2003: 7):
 Qualidade
 Consumo
 Redução do risco
 Ocasião
 Cross-cultural
 Comportamental
 Envolvimento
 Geografia
 Estilo de vida relacionado ao vinho
Hall e Macionis (1998) com base em entrevistas a produtores, gestores e pessoal de contacto: os
amantes de vinhos; os interessados em vinhos e os turistas curiosos.
Charters e Ali-Knight (2002) com base no interesse e conhecimento sobre vinho: os amantes de
vinhos (com um subsegmento - os connoisseurs); os interessados em vinhos; os novatos; e um
grupo marginal, os penduras.
11
Critérios
Dados demográficos e socioeconómicos:
Informação sobre a origem, o género, a idade, o rendimento e a educação.
Têm implicações nos serviços adicionais (alojamento, p.ex.), infra-estruturas, recursos humanos e
estratégia de comunicação.
Dados psicográficos:
Grau de interesse, atitude e estilo de vida, e como estes têm impacto na procura. Têm implicações
na oferta (serviços e comunicação) e ao nível das técnicas de venda.
Padrão de consumo e gastos:
Como e com que frequência viajam, como fazem as suas compras e o seu nível de gastos. Têm
implicações ao nível de preços, acessibilidades, serviços e comunicação.
Benefícios (razão da visita):
Motivação. Permite compreender quais os atributos do produto mais importantes e quais as
técnicas de comunicação mais eficientes.
Comunicação:
Fontes de informação (familiares e amigos, media, etc). Através das fontes de informação dos
visitantes podemos saber como alcançá-los e influenciá-los.
12
METODOLOGIA
Recolha de dados primários, por inquérito.
Instrumento para recolha de dados
A elaboração do questionário resultou de entrevistas e da pesquisa bibliográfica,
fundamentalmente dos manuais de Getz (2000) e Hall et al (2000), e do estudo de Charters e AliKnight (“Who is the wine tourist?”, 2002).
As questões foram repartidas em seis partes, de acordo com as informações que se pretendia
obter:
1 – Consideração pelo vinho
2 – Consumo de vinho
3 – Benefícios da visita a uma adega
4 – Visita a esta adega
5 – Visita ao Alentejo
6 – Características demográficas e socioeconómicas.
Foi usada uma combinação de questões abertas e fechadas.
Utilizou-se igualmente questões com escala de Lickert para aferir atitudes e motivações, com 4 e
6 valores.
Foi disponibilizado aos inquiridos em quatro línguas: Português, Inglês, Alemão e Francês.
13
Recolha de dados
A recolha de dados decorreu na Casa de Enoturismo da Herdade do Esporão (Alentejo), em
cinco dias não consecutivos, incluindo um fim-de-semana prolongado, no final do mês de
Maio.
O questionário foi aplicado em diversos momentos: antes ou após a visita às caves; durante a
prova de vinhos; à saída do restaurante; à saída da loja. O preenchimento durava cerca de 5
a 10 minutos.
Os visitantes eram abordados e solicitava-se-lhes o preenchimento do questionário,
inicialmente em troca de uma prenda cedida pela Herdade do Esporão.
Definição da amostra
Selecção por conveniência.
O número de inquéritos validados (dimensão da amostra)
foi de 219.
Procedimento analítico
Análise univariada e bivariada dos dados, com recurso ao SPSS.
Resultados dos segmentos, com recurso a testes de Chi-quadrado e ANOVA.
Nível de significância de 0,05.
14
OS VISITANTES DA HERDADE
DO ESPORÃO
Visita
 87,9% 1 acompanhante/género
oposto
 30,3% dos casais acompanhados
pelos filhos.
 Grupos
 73,2% estreantes

Motivos para a visita

Motivos
 contemplação da paisagem
 aprender sobre os vinhos da
Herdade

conviver com amigos e
familiares

Estreantes: curiosidade em
conhecer o produtor e o seu vinho.

Repetentes: provar, comprar
vinho, e outros aspectos como a
gastronomia, a paisagem e o
convívio.

15
Comunicação
 recomendação
 conhecimento pessoal
 artigos em revistas e jornais
 Internet
 organização por entidades empresariais.

Meios de Comunicação

Outras atracções
 património histórico
 património natural
 Alqueva
 restaurantes.
Visita à Região
 Cultura (incluindo comida e vinho) - 61,2%
 visitar amigos e/ou familiares - 13,3%
 actividade profissional (congressos, incentivos e
negócios) - 14,4%
 8 visitas à região nos últimos cinco anos.
 2 dormidas, em hotel (32,5%) ou alojamento de
Turismo no Espaço Rural (31,8%)
 Monsaraz (22,2%), Évora (18,8%), e Reguengos
de Monsaraz (18,1%)
 Lisboa e Cascais

Atracções visitadas

16
Localização de outras atracções vitivinícolas
visitadas
 Portugal, França, Espanha, Itália e EUA
 Outros: Austrália, Alemanha, Brasil, Chile,
Áustria, Argentina, Suíça, África do Sul, Escócia,
Irlanda, México, Nova Zelândia, Uruguai, Israel,
Grécia e Hungria

100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
Po
rtu
ga
lPo Con
rtu
tin
en
ga
lte
M
ad
eir
a
Br
as
il
Es
pa
nh
a
Su
íça
E
Al UA
em
Re anh
in
a
o
U
ni
do
It
Di ália
na
m
ar
ca
Es
tó
ni
a

Transporte
 Automóvel privado
 Autocarro de turismo

%

País de residência
 88,9% residente em Portugal
 Brasil, EUA e Alemanha

País

Países de residência

Produtos comprados na loja
 Vinhos (91,6%), queijos (20,0%), azeites e
artesanato (ambos com 11,6%)
 Em média, gastaram em vinhos 35,52 Euros
 Esporão Reserva (44,1%) e Late Harvest
(32,4%)

17
FORMAÇÃO DOS SEGMENTOS DE
ENOTURISTA
Auto-classificação dos inquiridos sobre interesse e conhecimento

Classificação segundo o interesse e o conhecimento sobre vinhos

18
Segmento A (40,5%) – Wine lovers
 Vinho = convívio e à gastronomia.
 Consumo: às refeições, em casa, em restaurantes e/ou bares, casa de amigos e/ou familiares.
Media mensal de 11 garrafas, 88, 38 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca.
 Interesse e conhecimento elevados sobre vinho: compra publicações sobre vinhos (revistas, livros
e outras), curso de prova de vinhos, visita com alguma frequência atracções vitivinícolas -> hesita
em considerar-se enoturista.
 Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; e
eventos especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e a reputação da adega -> estaria disposto
a pagar uma taxa pela prova. Comprar vinho ->uma loja é relevante.
Valoriza a participação em actividades de produção e aprender a guardar e envelhecer o vinho; a
visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da etiqueta -> museu
temático.
 Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional.
 O parque de merendas é considerado de pouca importância, e a piscina, o circuito pedestre ou
ciclista, a possibilidade de praticar equitação, o SPA e a sala de conferência são ofertas de nenhuma
importância. O alojamento na propriedade -> paisagem rural.
Homem entre os 27 e os 59 anos, casado, mas sem crianças em casa, com diploma
universitário e a exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em
média 45.418,52 Euros por ano e habita num meio urbano.
19
Segmento B (43,3%) – Wine Interested

Vinho = convívio e “alegria de viver”.
Consumo: às refeições, em casa, em restaurantes e/ou bares e em casa de amigos e/ou familiares.
Média mensal de 6 garrafas, 56,39 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca.
Interesse elevado e conhecimento reduzido sobre vinho: raramente ou mesmo nunca compra
publicações sobre vinhos e nunca participou num curso de prova de vinhos, mas gostaria. Visita
esporadicamente atracções vitivinícolas -> não se considera enoturista.
Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; e eventos
especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e reputação da adega -> não estaria disposto a pagar
uma taxa pela prova. Comprar vinho -> uma loja é relevante.
Valoriza a participação nas actividades de produção, sobretudo tradicional, e aprender a guardar e
envelhecer o vinho; a visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da
etiqueta -> museu temático.
Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional.
O parque de merendas é considerado de pouca importância. A piscina, o circuito pedestre ou ciclista,
a possibilidade de praticar equitação e a sala de conferência são ofertas de pouca importância, e o SPA
de nenhuma. O alojamento na propriedade é desejável -> paisagem rural.
Mulher entre os 27 e os 48 anos, casada, mas sem crianças em casa, com diploma universitário
e a exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em média 36.018,18
Euros por ano e habita num meio urbano.
20
Segmento C (16,3%) – Wine Curious/Hanger On

Vinho = convívio.
Consumo: ocasiões especiais, em restaurantes e/ou bares e em casa de amigos e/ou familiares.
Média mensal de 3 garrafas, 13,96 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca e o preço.
Interesse e conhecimento reduzidos sobre vinho: nunca compra publicações sobre vinhos e nunca
participou num curso de prova de vinhos, nem gostaria. Raramente visita atracções vitivinícolas ->
não se considera enoturista.
Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; eventos
especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e a reputação da adega -> não estaria disposto a
pagar uma taxa pela prova. Comprar vinho ->uma loja é relevante.
Valoriza a participação nas actividades de produção e aprender a guardar e envelhecer o vinho; a
visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da etiqueta -> museu
temático.
Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional ou parque de merendas.
A piscina, o circuito pedestre ou ciclista, a possibilidade de praticar equitação, o SPA e a sala de
conferência são ofertas de pouca importância. O alojamento na propriedade é desejável -> paisagem
rural, bastante valorizada na visita.
Mulher entre os 16 e os 37 anos, solteira, sem crianças em casa, com diploma universitário e a
exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em média 18.855,56
Euros por ano e habita num meio urbano.
21
CONCLUSÃO
O passa-palavra é o principal meio de divulgação -> qualidade do serviço.
A - Wine lovers (interesse e conhecimento elevados)
B - Wine interested (interesse elevado e conhecimento reduzido)
C - Wine Curious/Hanger on (interesse e conhecimentos reduzidos)
O grupo predominante é o ‘Wine interested’,
composto maioritariamente por mulheres entre
os 27 e os 48 anos, com elevado nível
educacional e rendimento salarial. Seguem-se
os ‘Wine lovers’ e por último surgem os ‘Wine
curious/Hanger on’.

Dão pouca importância aos atributos extraordinários, valorizando acima
de tudo os atributos relacionados com o vinho.
22
Experiência de conhecimento interactivo: a história da marca e
o design da etiqueta, ou guardar e envelhecer o vinho.
A ligação entre o vinho e a comida e, especialmente, a paisagem
(“winescape”) são fortes factores motivacionais.
A visita constituirá uma oportunidade de comunhão com a
natureza.
O consumo é considerado como convivial. O vinho sugere
também sociabilidade e comunicação.
A reputação da adega/marca surge como o principal factor na
escolha do vinho.
A imagem deve estar associada ao estilo de vida dos seus
consumidores/visitantes -> PESSOAS, PAISAGEM e ARTE.
A inclusão das mulheres nesta actividade é algo a ter em conta.
Os inquiridos valorizam o excepcional, na expectativa de elevado
status.
A Cultura é motivação subjacente: a visita à adega é
complementada, ou complementa, muitas vezes a visita a outras atracções
turísticas de carácter cultural da região, incluindo a gastronomia.
23
H1 – Os visitantes de atracções vitivinícolas são homens de meia-idade, com
elevado rendimento salarial e nível educacional.
H2 – As diferenças culturais em relação ao vinho condicionam a atitude e
comportamento face ao enoturismo.
H3 – Quanto maior o conhecimento sobre vinhos, maior o interesse por
actividades ligadas à sua produção e menor o interesse por outras actividades
turísticas adicionais.
Os resultados obtidos conduzem à aceitação de que os visitantes
de atracções vitivinícolas estão na meia-idade, têm elevado
rendimento salarial e nível educacional, todavia não são
exclusivamente homens (H1).
Aceita-se H3 pois quanto maior o grau de interesse/conhecimento
maior a valorização das actividades ligadas ao vinho, sendo que,
de uma forma geral todos conferem pouca importância à maioria
dos atributos extraordinários na visita a uma adega sugeridos.
A amostra recolhida não reúne representatividade suficiente para
aferir diferenças culturais nas atitudes e comportamentos (H2).
24
RECOMENDAÇÕES
Como os consumidores de vinho se tornam enoturistas.
Quem são os melhores adeptos do enoturismo, e como são motivados.
Como evolui a procura ao longo do ano (estudo da sazonalidade).
Como os turistas não motivados pelo vinho podem ser atraídos ao produto enoturismo.
Como cultivar a próxima geração de consumidores de vinho.
Como atrair os novos mercados internacionais para o enoturismo.
Qual o papel de amigos e familiares em atrair visitantes, e como pode ser aumentado.
Quais os elementos e combinações no sistema de enoturismo que funcionam melhor para
atrair e satisfazer diferentes mercados.
Qual o papel a ser desempenhado pelas organizações de turismo e outras no desenvolvimento
e comercialização do enoturismo.
Como os fornecedores podem ser estimulados, e o que os torna eficientes.
Quais os impactos do enoturismo na economia, no ambiente e na comunidade.
O enoturismo fora da “winescape” e respectiva procura.
Comparações interculturais do modelo de desenvolvimento do enoturismo.
25
Perfil enoturista

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Itinerários turísticos book
Itinerários turísticos bookItinerários turísticos book
Itinerários turísticos book
Carlos Alberto Abreu
 
Alexandre herculano o castelo de faria
Alexandre herculano   o castelo de fariaAlexandre herculano   o castelo de faria
Alexandre herculano o castelo de faria
Tulipa Zoá
 
Fatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agriculturaFatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agricultura
SalomeRibeiro1
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
heleira02
 
Trabalho de vinhos
Trabalho de vinhosTrabalho de vinhos
Trabalho de vinhos
Daniela Carvalho
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
Idalina Leite
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
Margarida Rodrigues
 
Maldivas
MaldivasMaldivas
Maldivas
kyzinha
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
Karlla Costa
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
Daniela Ramalho
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
Diogo Mateus
 
Etiqueta e protocvolo
Etiqueta e protocvoloEtiqueta e protocvolo
Etiqueta e protocvolo
Ana Pinto da Costa
 
Turismo nos espaços rurais se
Turismo nos espaços rurais seTurismo nos espaços rurais se
Turismo nos espaços rurais se
mariajosantos
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
sermao santo_antonio_sintese
sermao santo_antonio_sintesesermao santo_antonio_sintese
sermao santo_antonio_sintese
sonia russo
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
Agricultura de plantação
Agricultura de plantaçãoAgricultura de plantação
Agricultura de plantação
Dulce Xavier
 

Mais procurados (20)

Itinerários turísticos book
Itinerários turísticos bookItinerários turísticos book
Itinerários turísticos book
 
Alexandre herculano o castelo de faria
Alexandre herculano   o castelo de fariaAlexandre herculano   o castelo de faria
Alexandre herculano o castelo de faria
 
Fatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agriculturaFatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agricultura
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Trabalho de vinhos
Trabalho de vinhosTrabalho de vinhos
Trabalho de vinhos
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
 
DNA fingerprint
DNA fingerprintDNA fingerprint
DNA fingerprint
 
Maldivas
MaldivasMaldivas
Maldivas
 
Turismo evolução
Turismo evoluçãoTurismo evolução
Turismo evolução
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
 
O Turismo
O TurismoO Turismo
O Turismo
 
Etiqueta e protocvolo
Etiqueta e protocvoloEtiqueta e protocvolo
Etiqueta e protocvolo
 
Turismo nos espaços rurais se
Turismo nos espaços rurais seTurismo nos espaços rurais se
Turismo nos espaços rurais se
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
sermao santo_antonio_sintese
sermao santo_antonio_sintesesermao santo_antonio_sintese
sermao santo_antonio_sintese
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
 
Agricultura de plantação
Agricultura de plantaçãoAgricultura de plantação
Agricultura de plantação
 

Semelhante a Perfil enoturista

A&B
A&B A&B
Trilhos do sabor
Trilhos do saborTrilhos do sabor
Trilhos do sabor
João Marques
 
Trilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt finalTrilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt final
Raquel Antunes
 
Trabalho de conclusão de curso - SLIDES
Trabalho de conclusão de curso - SLIDESTrabalho de conclusão de curso - SLIDES
Trabalho de conclusão de curso - SLIDES
Luísa Alves
 
Filipa Vinha - milestones
Filipa Vinha - milestonesFilipa Vinha - milestones
Filipa Vinha - milestones
Zelia Breda
 
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
PrefeituraBombinhas
 
Fest Caf
Fest Caf Fest Caf
Chilean Wine Ambassadors
Chilean Wine AmbassadorsChilean Wine Ambassadors
Chilean Wine Ambassadors
Luiz Cola
 
Seminário Chilean Wine Ambassadors
Seminário Chilean Wine Ambassadors Seminário Chilean Wine Ambassadors
Seminário Chilean Wine Ambassadors
Luiz Cola
 
Tendências globais que afectam o turismo
Tendências globais que afectam o turismoTendências globais que afectam o turismo
Tendências globais que afectam o turismo
Frederico Ferreira
 
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São PauloPalestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
guest73f85657
 
Crescimento da atividade turística em faro
Crescimento da atividade turística em faroCrescimento da atividade turística em faro
Crescimento da atividade turística em faro
Nuno Bexiga
 
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
Tina Lima
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Tina Lima
 
Novas tendências em turismo e hotelaria adeliaçor th2 2016
Novas tendências em turismo e hotelaria   adeliaçor th2 2016Novas tendências em turismo e hotelaria   adeliaçor th2 2016
Novas tendências em turismo e hotelaria adeliaçor th2 2016
th2
 
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Planejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
Planejamento de Comunicação Lojas VinhedosPlanejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
Planejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
Eliabe Soares
 
Parceria Pobre Juan
Parceria Pobre JuanParceria Pobre Juan
Parceria Pobre Juan
Igor Gontijo
 
Beatriz Junqueira MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
Beatriz Junqueira  MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...Beatriz Junqueira  MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
Beatriz Junqueira MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
Revista Cafeicultura
 
Cultura e Enoturismo
Cultura e EnoturismoCultura e Enoturismo

Semelhante a Perfil enoturista (20)

A&B
A&B A&B
A&B
 
Trilhos do sabor
Trilhos do saborTrilhos do sabor
Trilhos do sabor
 
Trilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt finalTrilhos do sabor ppt final
Trilhos do sabor ppt final
 
Trabalho de conclusão de curso - SLIDES
Trabalho de conclusão de curso - SLIDESTrabalho de conclusão de curso - SLIDES
Trabalho de conclusão de curso - SLIDES
 
Filipa Vinha - milestones
Filipa Vinha - milestonesFilipa Vinha - milestones
Filipa Vinha - milestones
 
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
Fórum Bombinhas 21 anos: Apresentação: Reflexão sobre a Competitividade de De...
 
Fest Caf
Fest Caf Fest Caf
Fest Caf
 
Chilean Wine Ambassadors
Chilean Wine AmbassadorsChilean Wine Ambassadors
Chilean Wine Ambassadors
 
Seminário Chilean Wine Ambassadors
Seminário Chilean Wine Ambassadors Seminário Chilean Wine Ambassadors
Seminário Chilean Wine Ambassadors
 
Tendências globais que afectam o turismo
Tendências globais que afectam o turismoTendências globais que afectam o turismo
Tendências globais que afectam o turismo
 
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São PauloPalestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
Palestra Uva e Vinho no Estado de São Paulo
 
Crescimento da atividade turística em faro
Crescimento da atividade turística em faroCrescimento da atividade turística em faro
Crescimento da atividade turística em faro
 
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
10 produtosturisticos albertina_lima_tav1ºano
 
Trabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticosTrabalho individual 10 produtos turisticos
Trabalho individual 10 produtos turisticos
 
Novas tendências em turismo e hotelaria adeliaçor th2 2016
Novas tendências em turismo e hotelaria   adeliaçor th2 2016Novas tendências em turismo e hotelaria   adeliaçor th2 2016
Novas tendências em turismo e hotelaria adeliaçor th2 2016
 
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
12.2.14. #1 elisabeth kastenholz
 
Planejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
Planejamento de Comunicação Lojas VinhedosPlanejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
Planejamento de Comunicação Lojas Vinhedos
 
Parceria Pobre Juan
Parceria Pobre JuanParceria Pobre Juan
Parceria Pobre Juan
 
Beatriz Junqueira MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
Beatriz Junqueira  MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...Beatriz Junqueira  MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
Beatriz Junqueira MAPA - Valorizando o produto com o uso de Indicações Geogr...
 
Cultura e Enoturismo
Cultura e EnoturismoCultura e Enoturismo
Cultura e Enoturismo
 

Mais de Marisa Serrenho

Email marketing
Email marketingEmail marketing
Email marketing
Marisa Serrenho
 
Film (induced) tourism
Film (induced) tourismFilm (induced) tourism
Film (induced) tourism
Marisa Serrenho
 
7 importantes lições para as marcas
7 importantes lições para as marcas7 importantes lições para as marcas
7 importantes lições para as marcas
Marisa Serrenho
 
The future is now
The future is nowThe future is now
The future is now
Marisa Serrenho
 
Comunicação para líderes
Comunicação para líderesComunicação para líderes
Comunicação para líderes
Marisa Serrenho
 
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacionalComportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
Marisa Serrenho
 
Brand communication buzzwords
Brand communication buzzwordsBrand communication buzzwords
Brand communication buzzwords
Marisa Serrenho
 
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
Marisa Serrenho
 
Liderança e satisfação no trabalho
Liderança e satisfação no trabalhoLiderança e satisfação no trabalho
Liderança e satisfação no trabalho
Marisa Serrenho
 

Mais de Marisa Serrenho (9)

Email marketing
Email marketingEmail marketing
Email marketing
 
Film (induced) tourism
Film (induced) tourismFilm (induced) tourism
Film (induced) tourism
 
7 importantes lições para as marcas
7 importantes lições para as marcas7 importantes lições para as marcas
7 importantes lições para as marcas
 
The future is now
The future is nowThe future is now
The future is now
 
Comunicação para líderes
Comunicação para líderesComunicação para líderes
Comunicação para líderes
 
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacionalComportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
Comportamento do consumidor uma perspetiva comunicacional
 
Brand communication buzzwords
Brand communication buzzwordsBrand communication buzzwords
Brand communication buzzwords
 
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
Cinema and Tourism - ART & TUR 2012
 
Liderança e satisfação no trabalho
Liderança e satisfação no trabalhoLiderança e satisfação no trabalho
Liderança e satisfação no trabalho
 

Perfil enoturista

  • 1. UNIVERSIDADE DO ALGARVE Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo (Campus de Portimão) - Turismo - Projecto orientado pelo Dr. Paulo Águas Marisa Serrenho n.º 21508 Portimão – 2005
  • 2. SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Introdução Problemática Objectivos Enoturismo Enoturista Metodologia Os visitantes da Herdade do Esporão Formação dos segmentos de Enoturista Conclusão Recomendações 2
  • 3. INTRODUÇÃO O conhecimento do vinho é socialmente valorizado. O vinho como factor motivacional. Paisagem física e cultural. O enoturismo dá os primeiros passos em Portugal turismo rural ou cultural. A Herdade do Esporão foi distinguida pela “Revista dos Vinhos” como o Melhor Enoturismo no ano de 2004. A natureza do enoturista tem sido negligenciada. O que constitui o “enoturismo”? Como desenvolver o produto? 3
  • 4. PROBLEMÁTICA O enoturismo tem sido desenvolvido de forma intuitiva pelos produtores do vinho. Visão dominante de concentração no produto. Falta de experiência e compreensão dentro da indústria do vinho sobre turismo, e subsequente falta de capacidades empreendedoras com respeito ao marketing e desenvolvimento do produto, qualidade do serviço e compreensão do comportamento do consumidor. Uma melhor compreensão da PROCURA conduzirá ao desenvolvimento de uma oferta mais adequada e competitiva, para além de contribuir para o conhecimento do fenómeno do enoturismo. Esta investigação pretende responder às seguintes questões: Como se caracterizam os visitantes de atracções vitivinícolas? Em que medida as características demográficas, socioeconómicas e psicográficas dos visitantes de atracções vitivinícolas influenciam as suas expectativas? Âmbito da investigação: Pesquisa de mercado Objecto de Estudo: Visitante de atracções vitivinícolas 4
  • 5. OBJECTIVOS Com este estudo pretende-se:  caracterizar os visitantes de atracções vitivinícolas;  atestar homogeneidade ou distinguir tipos;  utilizar os resultados da pesquisa na problematização da especificidade do produto (oferta) e sua relação com as necessidades e exigências do consumidor. 5
  • 7. Conceito “visitation to vineyards, wineries, win festivals and wine shows for the purpose of recreation” - G. Johnson citado por Hall et al, 2000: 5 “visitation to wineries and wine regions to experience the unique qualities of contemporary Australian lifestyle associated with the enjoyment of wine at its source – including wine and food, landscape and cultural activities. ” (Australian National Wine Tourism Strategy citada por Getz, 2000: 3) “visitation to vineyards, wineries, wine festivals, and wine shows for which grape-wine tasting and/or experiencing the attributes of a grape-wine region are the prime motivating factors” (Hall et al, 2000: 3). “any experience related to wineries or wine production in which visitors participate when on a day trip or longer visit….Wine tourism can range from a visit to a single cellar door outlet while en-route to a main holiday destination to intensive week long, live-in experiences focused on the wine process.” (South Australian Tourism Commission citada por Getz, 2000: 3) 7
  • 8. “Wine tourism is travel related to the appeal of wineries and wine country, a form of niche marketing and destination development, and an opportunity for direct Sales and marketing on the part of the wine industry”Getz (2000: 4) 8
  • 9. Benefícios Para os produtores de vinho: • Aumento da venda dos vinhos e das margens de lucro. • Aumento da exposição do consumidor ao produto e fidelização à marca. • Oportunidade de venda de outros produtos associados. • Atracção de novos segmentos de mercado. • Novas parcerias (com outras atracções). • Informação sobre os produtos existentes e oportunidade de testar novos produtos. • Informação sobre os consumidores. • Oportunidade de educação do consumidor no conhecimento e apreciação do vinho, podendo aumentar o consumo. Para o destino (comunidade local): • Aumento do número de visitantes e gastos no destino. • Atracção de novos visitantes e repetições. • Desenvolvimento de uma imagem única e positiva do destino. • Atracção de pessoas a zonas não centrais. • Ultrapassar problemas de sazonalidade. • Atracção de novos investimentos. • Criação de emprego. • Criação de eventos para residentes e visitantes. • Desenvolvimento de novas infraestruturas e serviços para residentes e visitantes. • Promoção da consciencialização do público para a preservação do património ambiental e cultural, e aumento do sentimento de identidade local. • Efeito multiplicador na economia local e revitalização de actividades económicas tradicionais. Para o consumidor (turista): • Oportunidade de comprar vinhos de qualidade (alguns raros) a preços moderados. • Oportunidade de conhecer a origem do produto e o produtor. • Experiência educacional. • Experiência cultural. • Comunhão com a natureza. 9
  • 10. ENOTURISTA Este projecto aborda o enoturismo como uma forma de comportamento do consumidor pela qual enófilos ou aqueles interessados em regiões vitivinícolas viajam para determinados destinos. 10
  • 11. SEGMENTAÇÃO: agrupar os consumidores em categorias específicas, com características e desejos homogéneos. O estudo dos mercados do vinho tem-se baseado essencialmente em nove variáveis de segmentação (Bruwer et al, 2003: 7):  Qualidade  Consumo  Redução do risco  Ocasião  Cross-cultural  Comportamental  Envolvimento  Geografia  Estilo de vida relacionado ao vinho Hall e Macionis (1998) com base em entrevistas a produtores, gestores e pessoal de contacto: os amantes de vinhos; os interessados em vinhos e os turistas curiosos. Charters e Ali-Knight (2002) com base no interesse e conhecimento sobre vinho: os amantes de vinhos (com um subsegmento - os connoisseurs); os interessados em vinhos; os novatos; e um grupo marginal, os penduras. 11
  • 12. Critérios Dados demográficos e socioeconómicos: Informação sobre a origem, o género, a idade, o rendimento e a educação. Têm implicações nos serviços adicionais (alojamento, p.ex.), infra-estruturas, recursos humanos e estratégia de comunicação. Dados psicográficos: Grau de interesse, atitude e estilo de vida, e como estes têm impacto na procura. Têm implicações na oferta (serviços e comunicação) e ao nível das técnicas de venda. Padrão de consumo e gastos: Como e com que frequência viajam, como fazem as suas compras e o seu nível de gastos. Têm implicações ao nível de preços, acessibilidades, serviços e comunicação. Benefícios (razão da visita): Motivação. Permite compreender quais os atributos do produto mais importantes e quais as técnicas de comunicação mais eficientes. Comunicação: Fontes de informação (familiares e amigos, media, etc). Através das fontes de informação dos visitantes podemos saber como alcançá-los e influenciá-los. 12
  • 13. METODOLOGIA Recolha de dados primários, por inquérito. Instrumento para recolha de dados A elaboração do questionário resultou de entrevistas e da pesquisa bibliográfica, fundamentalmente dos manuais de Getz (2000) e Hall et al (2000), e do estudo de Charters e AliKnight (“Who is the wine tourist?”, 2002). As questões foram repartidas em seis partes, de acordo com as informações que se pretendia obter: 1 – Consideração pelo vinho 2 – Consumo de vinho 3 – Benefícios da visita a uma adega 4 – Visita a esta adega 5 – Visita ao Alentejo 6 – Características demográficas e socioeconómicas. Foi usada uma combinação de questões abertas e fechadas. Utilizou-se igualmente questões com escala de Lickert para aferir atitudes e motivações, com 4 e 6 valores. Foi disponibilizado aos inquiridos em quatro línguas: Português, Inglês, Alemão e Francês. 13
  • 14. Recolha de dados A recolha de dados decorreu na Casa de Enoturismo da Herdade do Esporão (Alentejo), em cinco dias não consecutivos, incluindo um fim-de-semana prolongado, no final do mês de Maio. O questionário foi aplicado em diversos momentos: antes ou após a visita às caves; durante a prova de vinhos; à saída do restaurante; à saída da loja. O preenchimento durava cerca de 5 a 10 minutos. Os visitantes eram abordados e solicitava-se-lhes o preenchimento do questionário, inicialmente em troca de uma prenda cedida pela Herdade do Esporão. Definição da amostra Selecção por conveniência. O número de inquéritos validados (dimensão da amostra) foi de 219. Procedimento analítico Análise univariada e bivariada dos dados, com recurso ao SPSS. Resultados dos segmentos, com recurso a testes de Chi-quadrado e ANOVA. Nível de significância de 0,05. 14
  • 15. OS VISITANTES DA HERDADE DO ESPORÃO Visita  87,9% 1 acompanhante/género oposto  30,3% dos casais acompanhados pelos filhos.  Grupos  73,2% estreantes Motivos para a visita Motivos  contemplação da paisagem  aprender sobre os vinhos da Herdade  conviver com amigos e familiares  Estreantes: curiosidade em conhecer o produtor e o seu vinho.  Repetentes: provar, comprar vinho, e outros aspectos como a gastronomia, a paisagem e o convívio. 15
  • 16. Comunicação  recomendação  conhecimento pessoal  artigos em revistas e jornais  Internet  organização por entidades empresariais. Meios de Comunicação Outras atracções  património histórico  património natural  Alqueva  restaurantes. Visita à Região  Cultura (incluindo comida e vinho) - 61,2%  visitar amigos e/ou familiares - 13,3%  actividade profissional (congressos, incentivos e negócios) - 14,4%  8 visitas à região nos últimos cinco anos.  2 dormidas, em hotel (32,5%) ou alojamento de Turismo no Espaço Rural (31,8%)  Monsaraz (22,2%), Évora (18,8%), e Reguengos de Monsaraz (18,1%)  Lisboa e Cascais Atracções visitadas 16
  • 17. Localização de outras atracções vitivinícolas visitadas  Portugal, França, Espanha, Itália e EUA  Outros: Austrália, Alemanha, Brasil, Chile, Áustria, Argentina, Suíça, África do Sul, Escócia, Irlanda, México, Nova Zelândia, Uruguai, Israel, Grécia e Hungria 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Po rtu ga lPo Con rtu tin en ga lte M ad eir a Br as il Es pa nh a Su íça E Al UA em Re anh in a o U ni do It Di ália na m ar ca Es tó ni a Transporte  Automóvel privado  Autocarro de turismo % País de residência  88,9% residente em Portugal  Brasil, EUA e Alemanha País Países de residência Produtos comprados na loja  Vinhos (91,6%), queijos (20,0%), azeites e artesanato (ambos com 11,6%)  Em média, gastaram em vinhos 35,52 Euros  Esporão Reserva (44,1%) e Late Harvest (32,4%) 17
  • 18. FORMAÇÃO DOS SEGMENTOS DE ENOTURISTA Auto-classificação dos inquiridos sobre interesse e conhecimento Classificação segundo o interesse e o conhecimento sobre vinhos 18
  • 19. Segmento A (40,5%) – Wine lovers  Vinho = convívio e à gastronomia.  Consumo: às refeições, em casa, em restaurantes e/ou bares, casa de amigos e/ou familiares. Media mensal de 11 garrafas, 88, 38 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca.  Interesse e conhecimento elevados sobre vinho: compra publicações sobre vinhos (revistas, livros e outras), curso de prova de vinhos, visita com alguma frequência atracções vitivinícolas -> hesita em considerar-se enoturista.  Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; e eventos especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e a reputação da adega -> estaria disposto a pagar uma taxa pela prova. Comprar vinho ->uma loja é relevante. Valoriza a participação em actividades de produção e aprender a guardar e envelhecer o vinho; a visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da etiqueta -> museu temático.  Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional.  O parque de merendas é considerado de pouca importância, e a piscina, o circuito pedestre ou ciclista, a possibilidade de praticar equitação, o SPA e a sala de conferência são ofertas de nenhuma importância. O alojamento na propriedade -> paisagem rural. Homem entre os 27 e os 59 anos, casado, mas sem crianças em casa, com diploma universitário e a exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em média 45.418,52 Euros por ano e habita num meio urbano. 19
  • 20. Segmento B (43,3%) – Wine Interested Vinho = convívio e “alegria de viver”. Consumo: às refeições, em casa, em restaurantes e/ou bares e em casa de amigos e/ou familiares. Média mensal de 6 garrafas, 56,39 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca. Interesse elevado e conhecimento reduzido sobre vinho: raramente ou mesmo nunca compra publicações sobre vinhos e nunca participou num curso de prova de vinhos, mas gostaria. Visita esporadicamente atracções vitivinícolas -> não se considera enoturista. Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; e eventos especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e reputação da adega -> não estaria disposto a pagar uma taxa pela prova. Comprar vinho -> uma loja é relevante. Valoriza a participação nas actividades de produção, sobretudo tradicional, e aprender a guardar e envelhecer o vinho; a visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da etiqueta -> museu temático. Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional. O parque de merendas é considerado de pouca importância. A piscina, o circuito pedestre ou ciclista, a possibilidade de praticar equitação e a sala de conferência são ofertas de pouca importância, e o SPA de nenhuma. O alojamento na propriedade é desejável -> paisagem rural. Mulher entre os 27 e os 48 anos, casada, mas sem crianças em casa, com diploma universitário e a exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em média 36.018,18 Euros por ano e habita num meio urbano. 20
  • 21. Segmento C (16,3%) – Wine Curious/Hanger On Vinho = convívio. Consumo: ocasiões especiais, em restaurantes e/ou bares e em casa de amigos e/ou familiares. Média mensal de 3 garrafas, 13,96 Euros. Valoriza a reputação da adega/marca e o preço. Interesse e conhecimento reduzidos sobre vinho: nunca compra publicações sobre vinhos e nunca participou num curso de prova de vinhos, nem gostaria. Raramente visita atracções vitivinícolas -> não se considera enoturista. Visita a uma adega: convívio com amigos e/ou familiares e com a população local; relaxar; eventos especiais. Conhecer o produtor e provar o vinho e a reputação da adega -> não estaria disposto a pagar uma taxa pela prova. Comprar vinho ->uma loja é relevante. Valoriza a participação nas actividades de produção e aprender a guardar e envelhecer o vinho; a visita guiada e a informação em formato físico; a história da marca e o design da etiqueta -> museu temático. Ligação entre o vinho e a comida -> restaurante tradicional ou parque de merendas. A piscina, o circuito pedestre ou ciclista, a possibilidade de praticar equitação, o SPA e a sala de conferência são ofertas de pouca importância. O alojamento na propriedade é desejável -> paisagem rural, bastante valorizada na visita. Mulher entre os 16 e os 37 anos, solteira, sem crianças em casa, com diploma universitário e a exercer uma actividade profissional não relacionada com o vinho. Aufere em média 18.855,56 Euros por ano e habita num meio urbano. 21
  • 22. CONCLUSÃO O passa-palavra é o principal meio de divulgação -> qualidade do serviço. A - Wine lovers (interesse e conhecimento elevados) B - Wine interested (interesse elevado e conhecimento reduzido) C - Wine Curious/Hanger on (interesse e conhecimentos reduzidos) O grupo predominante é o ‘Wine interested’, composto maioritariamente por mulheres entre os 27 e os 48 anos, com elevado nível educacional e rendimento salarial. Seguem-se os ‘Wine lovers’ e por último surgem os ‘Wine curious/Hanger on’. Dão pouca importância aos atributos extraordinários, valorizando acima de tudo os atributos relacionados com o vinho. 22
  • 23. Experiência de conhecimento interactivo: a história da marca e o design da etiqueta, ou guardar e envelhecer o vinho. A ligação entre o vinho e a comida e, especialmente, a paisagem (“winescape”) são fortes factores motivacionais. A visita constituirá uma oportunidade de comunhão com a natureza. O consumo é considerado como convivial. O vinho sugere também sociabilidade e comunicação. A reputação da adega/marca surge como o principal factor na escolha do vinho. A imagem deve estar associada ao estilo de vida dos seus consumidores/visitantes -> PESSOAS, PAISAGEM e ARTE. A inclusão das mulheres nesta actividade é algo a ter em conta. Os inquiridos valorizam o excepcional, na expectativa de elevado status. A Cultura é motivação subjacente: a visita à adega é complementada, ou complementa, muitas vezes a visita a outras atracções turísticas de carácter cultural da região, incluindo a gastronomia. 23
  • 24. H1 – Os visitantes de atracções vitivinícolas são homens de meia-idade, com elevado rendimento salarial e nível educacional. H2 – As diferenças culturais em relação ao vinho condicionam a atitude e comportamento face ao enoturismo. H3 – Quanto maior o conhecimento sobre vinhos, maior o interesse por actividades ligadas à sua produção e menor o interesse por outras actividades turísticas adicionais. Os resultados obtidos conduzem à aceitação de que os visitantes de atracções vitivinícolas estão na meia-idade, têm elevado rendimento salarial e nível educacional, todavia não são exclusivamente homens (H1). Aceita-se H3 pois quanto maior o grau de interesse/conhecimento maior a valorização das actividades ligadas ao vinho, sendo que, de uma forma geral todos conferem pouca importância à maioria dos atributos extraordinários na visita a uma adega sugeridos. A amostra recolhida não reúne representatividade suficiente para aferir diferenças culturais nas atitudes e comportamentos (H2). 24
  • 25. RECOMENDAÇÕES Como os consumidores de vinho se tornam enoturistas. Quem são os melhores adeptos do enoturismo, e como são motivados. Como evolui a procura ao longo do ano (estudo da sazonalidade). Como os turistas não motivados pelo vinho podem ser atraídos ao produto enoturismo. Como cultivar a próxima geração de consumidores de vinho. Como atrair os novos mercados internacionais para o enoturismo. Qual o papel de amigos e familiares em atrair visitantes, e como pode ser aumentado. Quais os elementos e combinações no sistema de enoturismo que funcionam melhor para atrair e satisfazer diferentes mercados. Qual o papel a ser desempenhado pelas organizações de turismo e outras no desenvolvimento e comercialização do enoturismo. Como os fornecedores podem ser estimulados, e o que os torna eficientes. Quais os impactos do enoturismo na economia, no ambiente e na comunidade. O enoturismo fora da “winescape” e respectiva procura. Comparações interculturais do modelo de desenvolvimento do enoturismo. 25