Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI

2.195 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.195
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula - Aplicação de Metodologias/Práticas Ágeis em Projetos de BI

  1. 1.  Motivação Manifesto Ágil Princípios Ágeis e Data Warehousing Aplicação de Práticas Ágeis na Construção de Data Warehouse Evolutivo Extreme Scoping Agile Data Warehousing Framework FDWS13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 2
  2. 2.  Segundo estudo da Forrester Research realizado com empresas dos Estados Unidos, o Business Inteligence (BI) continua no topo da lista de desejos dos gestores de negócio e, não coincidentemente, também do departamento de TI.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 3
  3. 3.  O relatório intitulado “Agile BI Out Of The Box”criado a partir do estudo realizado pelo especialista Boris Evelson da Forrester, aponta alguns problemas relacionados a projetos de BI. Para muitos CIOs, apesar do desejo das corporações, conseguir empregar aplicativos novos e inovadores de BI ainda é um desafio.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 4
  4. 4.  Isso porque, hoje, na rede das empresas existem grandes volumes de dados inseridos em ambientes complexos de TI que não conversam entre si. Além disso, os utilizadores empresariais de aplicações de BI estão largamente insatisfeitos com a falta de agilidade e flexibilidade das soluções existentes.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 5
  5. 5.  Embora algumas delas tenham vindo ajudar as empresas com algumas funções de negócio específicas, no geral não conseguem responder a todas as necessidades. De acordo com o especialista da Forrester, uma das alternativas para melhorar esse cenário está na adoção do conceito que a consultoria classifica como Agile BI.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 6
  6. 6.  “Não é diferente de qualquer metodologia de desenvolvimento ágil”, ressalta Evelson, ao explicar que isso demanda a criação de soluções em pequena escala. Mas, a metodologia Agile BI difere de outras abordagens na medida em que implica novas e diferentes tecnologias e arquiteturas para suporte.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 7
  7. 7. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 8
  8. 8.  Nossa maior prioridade é satisfazer os clientes através de rápidas e contínuas entregas de software com valor agregado.  Quem é o cliente ?  O que é software com valor agregado em Data Warehousing ? ▪ Relatórios ? ▪ Dashboards ? ▪ Código de ETL funcionando ?13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 9
  9. 9.  Mudanças de requisitos são bem vindas, até mesmo tarde no desenvolvimento. O processo Ágil assume a mudança como parte da vantagem competitiva de seus clientes.  O processo deve ser flexível e adaptável13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 10
  10. 10.  Entregar software funcionando freqüentemente, em algumas semanas ou meses, com a preferência ao menor tempo possível.  O processo deve ter um bom controle de escopo.  Um tema de cada vez. ▪ O que é uma tema ?13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 11
  11. 11.  Homens de negócios e desenvolvedores devem trabalhar juntos durante todo o projeto.  Projetos de DW necessitam da presença das pessoas de negócio ▪ Um dos grandes motivos de falha dos projetos  Isso se aplica a geração de relatórios ▪ Iterações diárias seriam ótimas13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 12
  12. 12.  Construa projetos através de indivíduos motivados. Dê à equipe um ambiente que atenda suas necessidades, e confie em sua capacidade para realizar o trabalho.  Necessita-se de pessoas que querem estar no projeto  Treinar a equipe, se necessário  Manter pequenas unidades de trabalho para criar uma atmosfera de sucesso13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 13
  13. 13.  A forma mais eficiente e efetiva de circular, criar consenso, uma informação para a equipe de desenvolvimento é através da comunicação cara-a-cara.  O time possui um relacionamento diário  Realização de reuniões diárias para monitoramento e controle13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 14
  14. 14.  Software em funcionamento é a primeira medida de progresso.  Aplicado a DW: ▪ O que é um software trabalhando ? ▪ Relatórios de BI ? ▪ Definições de tabelas ? ▪ Código ETL em funcionamento ?13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 15
  15. 15.  O processo Ágil promove o desenvolvimento sustentável. Os clientes, desenvolvedores e usuários devem ser capazes de manter uma paz constante indefinidamente.  Projetos de BI duram muito tempo, não cansar a equipe com prazos irracionais.  Bom planejamento e controle de escopo.  Menor unidade de trabalho com valor de negócio.  Estudo dos métodos ágeis e adaptação do que for adequado a seu time.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 16
  16. 16.  Atenção contínua a excelência técnica e bom design inspira Agilidade.  Design e Arquiteturas ruins = Problema ▪ Simtoma: Não é possível desenvolver tal data mart13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 17
  17. 17.  Simplicidade - a arte de maximizar a quantidade de trabalho não feito - é essencial.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 18
  18. 18.  As melhores arquiteturas, requisitos e designs surgem a partir de equipes auto- gerenciáveis.  Equipe de pessoas inteligentes e motivadas = sucesso  Somos bem-sucedidos (ou não) como uma EQUIPE  Incentivar o trabalho e o pensamento em equipe13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 19
  19. 19.  Em intervalos regulares a equipe reflete sobre como tornar-se mais eficiente, então adaptando seu comportamento de acordo.  O modelo de decisão ▪ Modo de debate ▪ Pontos de Verificação  Equipes auto-organizadas ▪ Encontrar a solução para um problema torna-se o problema da equipe13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 20
  20. 20.  Refatoração de banco: Permite a evolução gradual de um esquema de dados, aprimorando o projeto do esquema sem alterar sua semântica. Modelagem de dados evolutiva: Permite que o modelo de dados evolua gradual e iterativamente, acompanhando sistemas que utilizem o banco. Testes de regressão no banco de dados: Testes que garantem que o esquema do banco de dados funciona como deve. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 22
  21. 21.  Gerenciamento de configuração de artefatos no banco: Os modelos, os dados de teste e os bancos de testes são importantes “artefatos” que devem ser corretamente gerenciados, como parte integrante do projeto. Ambientes de desenvolvimento: Os desenvolvedores precisam de ambientes de trabalho locais, para que possam modificar, testar e executar o sistema antes que suas versões sejam integradas em um ambiente comum, para que somente então a versão integrada seja passada para produção. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 23
  22. 22. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 24
  23. 23.  Uma refatoração de banco de dados pode ser definida como a realização de uma alteração simples no esquema do banco, com o objetivo de otimizar o projeto, mas preservando sua semântica informacional e sua semântica comportamental.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 25
  24. 24.  A semântica informacional está relacionada com a visão externa ao banco, ou seja, como os usuários enxergam as informações do ponto de vista de negócios. Neste caso, uma informação que existia antes da refatoração deve continuar existindo após a refatoração.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 26
  25. 25.  A semântica comportamental está relacionada com a manutenção das funcionalidades existentes antes da alteração ser efetuada. Desta forma, programas que utilizavam o banco de dados antes da refatoração devem ter seus códigos atualizados para que continuem funcionando após a refatoração.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 27
  26. 26. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 28
  27. 27. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 29
  28. 28. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 30
  29. 29. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 31
  30. 30. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 32
  31. 31. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 33
  32. 32. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 34
  33. 33. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 36
  34. 34. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 37
  35. 35. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 38
  36. 36. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 39
  37. 37. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 40
  38. 38. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 41
  39. 39. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 42
  40. 40. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 43
  41. 41. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 44
  42. 42. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 45
  43. 43. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 46
  44. 44. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 47
  45. 45. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 48
  46. 46. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 49
  47. 47. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 51
  48. 48. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 52
  49. 49. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 53
  50. 50. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 54
  51. 51. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 55
  52. 52. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 56
  53. 53.  Combinação de práticas das metodologias SCRUM E FDD adaptadas e aplicadas ao domínio de projetos de Data Warehouse. Propõe o desenvolvimento iterativo e incremental de Data Warehouse a partir da cobertura de Áreas/Atividades de Negócio.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 58
  54. 54.  Todo o desenvolvimento é dirigido a “Features”  O que é uma feature ? ▪ Uma consulta ▪ Um dashboard ▪ Um relatório Desenvolvimento de back-end, front-end e metadados integrado.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 59
  55. 55. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 60
  56. 56. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 61
  57. 57. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 62
  58. 58. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 63
  59. 59.  Requirements Bank  Banco dos requisitos coletados durante as sessões com especialistas de negócio e stakeholders. Project FBS  Mapeamento das áreas de negócio da instituição. Project Plan  Documento de identificação do projeto, devendo conter estimativas de custos, detalhamento da equipe responsável, identificação de stakeholders, papéis, detalhamento das ferramentas e ambiente técnico, objetivos e metas do projeto.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 64
  60. 60.  Release Plan  Definição do seqüenciamento de releases por área de negócio mapeada no Project FBS e priorizada pelos especialistas de negócio. Project Map  Mapeamento dos itens implementados durante o projeto. Deve oferecer uma visão geral do que foi feito, as principais features e a arquitetura utilizada.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 65
  61. 61.  Release FBS  Expansão do Project FBS para a área de negócio alvo da Release. Release TDM  Mapeamento das tabelas das bases de dados pelas atividades de negócio definidas da Release FBS. Feature Release Backlog  Lista de Features (consultas, relatórios, dashboards) definidos para a Release.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 66
  62. 62.  Sprint Plan  Definição do seqüenciamento de sprints por atividades de negócio mapeada no Release FBS e priorizada pelos especialistas de negócio. Release Map  Mapeamento dos itens implementados durante a release. Deve oferecer uma visão detalhada do que está sendo feito, os itens validados pelos stakeholders e a arquitetura da solução.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 67
  63. 63.  Sprint Backlog  Lista de Features (consultas, relatórios, dashboards) definidos para a Sprint. Impediment List  Lista de impedimentos da Sprint. Kanban  Quadro para acompanhamento do status das atividades da Sprint. Diagrams  Diagramas de acompanhamentos definidos para o projeto: Ex: BurnDownChart, Parking Lot e etc... 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 68
  64. 64. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 69
  65. 65. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 70
  66. 66. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 71
  67. 67. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 72
  68. 68.  Não existe uma fórmula concreta para a aplicação de metodologias/práticas ágeis em BI. Os dados merecem um cuidado especial pois métodos ágeis não foram desenhados para projetos de integração de dados. Use, inove, adapte o processo.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 73
  69. 69. 13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 74
  70. 70.  AGILE BI. 2010. Http://www.pentaho.com/agilebi Últimoacessoem02deOutubrode2010: CARVALHO, G. T. de. Aplicação de Práticas Ágeis na Construção de Data Warehouse Evolutivo. Dissertação (Mestrado) —Universidade de São Paulo, São Paulo, Junho 2009. DIAS, M. V. B. Um Novo Enfoque para o Gerenciamento de Projetos de Desenvolvimento de Software. Dissertação (Mestrado) —Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 75
  71. 71.  HUGHES, R.; TEAM the C. D. M. Agile Data Warehousing - Delivering World-Class Business Intelligence Systems Using Scrum and XP. [S.l.]: iUniverse, Inc., 2007. ISBN 0978-0-595-91447-0. KIMBALL, R. Data Warehouse toolkit: o guia completo para modelagem multidimensional. Campus, 2002.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 76
  72. 72.  MOSS, L. EXTREME SCOPING: An Agile Approach to Data Warehousing and Business Intelligence. 2010. Http://www.datamanager.it/news/business- intelligence/extreme-scopingagile-approach-data- warehousing-and-business-intelligence. Último acesso em 02 de Outubrode 2010. MOSS, L. Extreme Scoping - An Agile Project Management Approach. 2007. Http://www.eiminstitute.org/library/eimiarchives/volu me-1-issue-5-july-2007-edition/extreme-scoping-an- agile-project-management-approach. Último acesso em 02 de Outubro de 2010.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 77
  73. 73.  NÓBREGA, J. ao. Forrester defende novo modo de desenvolver BI. [S.l.]: Computerworld,2010. Http://www.computerworld.com.pt/2010/04/29/forres ter-defende-novo-modo-dedesenvolver-bi/. Último acesso em 25 de Setembro de 2010. PRESTON, R. Down To Business: Business Intelligence Still In Its Infancy. [S.l.]: InformationWeek, 2003. Http://www.informationweek.com/news/businessintel ligence=showArticle: jhtml?articleID = 196801521:ltimoacessoem25deSetembrode2010:13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 78
  74. 74.  SÁ, J. V. de Oliveira e. Metodologia de Sistema de Datawarehouse. Tese (Doutorado) — Universidade do Minho, Portugal, 2009. WAILGUM, T. BI representa desafio para empresas, aponta Forrester: CIO/EUA,2010. Http://cio.uol.com.br/gestao/2010/04/26/bi- representa-desafio-para-empresas- apontaforrester/. Último acesso em 25 de Setembro de 2010.13/10/2010 ©2010 | Mauricio Cesar Santos da Purificação | Grupo DW-UFBA 79

×