Educação a Distância: Panorama e Tendências

2.214 visualizações

Publicada em

Um panorama amplo do debate sobre a introdução a distância no Brasil, apresentando as principais características e justificativas desta modalidade dentro de um cenário de mudança social e tecnológica.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.214
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • O desenvolvimento da capacidade geral de pensamento e julgamento independentes, sempre deveria ser colocado em primeiro lugar, e não a aquisição de conhecimento especializado. Adaptabilidade, flexibilidade, multiplicidade: estas são as características do profissional de sucesso em qualquer época e em qualquer área. Mas elas são cada vez mais necessárias à medida em que aumenta vertiginosamente a taxa de progresso do conhecimento na sociedade.
  • A EAD pode (e muitas vezes, deve, chegando a existirem regras regulatórias claras a esse respeito, impostas pelo MEC) ser combinada com o ensino presencial, em várias gradações. Dessa forma pode-se aproveitar o melhor de cada forma na composição e na pedagogia de um curso. A definição da EAD deve necessariamente abranger as várias vias de comunicação entre os dois principais protagonistas do processo educacional, o estudante (ou aprendiz) e o professor.
  • A EAD tem sido utilizada há mais de um século, desde que William Harper, Reitor e fundador da Universidade de Chicago, ofereceu em 1881 um bem sucedido curso de Hebraico por correspondência. Em 1889 o Queen’s College do Canadá começou a oferecer uma série bem sucedida de cursos remotos e de baixo custo, como forma de compensar as grandes distâncias entre os centros urbanos daquele país. Desde então a EAD tem crescido vertiginosamente através do uso de uma larga gama de ferramentas pedagógicas e tecnológicas que foram surgindo e se viabilizando ao longo do tempo. Em função das tecnologias adotadas para a transmissão da informação, a evolução da educação a distância pode ser dividida em três fases, ou gerações não mutuamente excludentes. A primeira pode ser denominada de GERAÇÃO TEXTUAL (1890 a 1960), que foi baseada numa atitude isolada de auto-aprendizado e suportada apenas por textos impressos. A Segunda pode ser denominada de GERAÇÃO ANALÓGICA (1960 a 1980), que foi baseada numa atitude de auto-aprendizado com suporte, não somente por textos impressos, mas também por tecnologias de mídia tais como recursos de áudio e vídeo. A terceira e atual pode ser denominada de GERAÇÃO DIGITAL, que é baseada numa atitude de auto-aprendizado fortemente suportada por recursos tecnológicos altamente diferenciados, que podem ser balizados pelos seguintes fatores: o alto grau de interatividade através dos computadores pessoais, o baixo custo de aquisição dos computadores pessoais, a grande amplitude e o baixo custo de acesso às redes de computadores locais e remotas (Internet , Intranets e Extranets) e a eficiência e o baixo custo dos modernos satélites e da telecomunicação digital. Fonte : Loyola, W e Prates, M. Curso de Ensino Mediado por Computador (EMDC), 2000.
  • Mas a EAD não só imita aspectos do ensino presencial tradicional. Ela também cria novos paradigmas, como mostra este slide: O aluno não está mais confinado no espaço e no tempo para se habilitar a receber os conteúdos educacionais. Ao invés de ser um aluno (conceito ligado à passividade em relação ao professor), ele passa a ser um aprendiz (conceito ligado à autonomia no aprendizado) O professor passa a ser um facilitador, e perde o papel tradicional de “válvula” de toda a informação que chega ao aluno A classe (no sentido tradicional) é destruida, e o aprendizado passa a ser um projeto do aluno e professor. O conjunto de classes, que é o campus, também é destruído. No seu lugar, aparece o crédito educacional, que pode ser tomado em qualquer lugar, não necessariamente na mesma instituição educacional, ou num campus específico (físico) Finalmente, o conceito de que a educação é intimamente associada ao conceito de tempo (tantas horas de duração de uma disciplina, tantos anos de duração de um curso…), é substituido pela ênfase da aquisição de conhecimento. Fonte: Adaptado de Fuchs, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
  • A Metodologia em EAD se baseia fortemente na abordagem pedagógica construtivista, já que a mesma se presta a ser aplicada com máxima eficiência em relação às metodologias presenciais convencionais. Dessa forma, estimulam-se diversas características de aprendizado atualmente exigida pela moderna educação profissional, uma vez que o foco é orientado ao binômio aluno/aprendizado , ao invés do binômio convencional professor/ensino . Esta abordagem permite liberar o aluno das restrições do conhecimento pronto (apostilas, p. ex.), passando a levá-lo a buscar de forma orientada o conhecimento de que precisa. Como diz o famoso ditado chinês “melhor ensinar a pescar ao invés simplesmente dar o peixe”. As conseqüências são diversas e positivas, tais como estimular o uso do método de pesquisa, induzir o trabalho em grupo e permitir a articulação entre teoria e prática (tão criticada no ensino convencional).
  • Independência geográfica - Estudantes podem estudar em qualquer lugar. Isto significa que as atividades instrucionais sejam dadas obrigatoriamente na mesma área física. Independência temporal - A combinação de possibilidades de distribuição de informação, comunicação assíncrona e pedagogia apropriada não depende do tempo. Por exemplo, um estudante pode assistir a uma aula gravada na Web ou em videocassete na hora em que quiser, e não quando o professor determinar uma data e horário. Plataforma independente - Muitas aplicações existentes como CD Roms, treinamento baseado em computador, etc. são específicas a uma plataforma particular (Windows ou Mac, marcas de computador, etc.). A natureza plataforma-independente da web remove este problema, exceto alguns sistemas multimídia como shockwave (não-Unix) Comunicação aumentada - falam um com o outro, individualmente ou em grupo, enviam questões. É comumente reportado que que pessoas falam mais eletronicamente por email, chat do que face-a-face. Educação não é mais privilégio de poucos.Qualquer um se beneficia e ganha conhecimento e experiência Dirige o seu aprendizado. Ele necessita de um guia, um conselheiro, mas ele deve ter a responsabilidade para participar em programas, fazer avaliações, desenvolver habilidades Alta relação de custo-benefício, pois pode treinar um maior número de pessoas e com maior freqüência, reduz custos de deslocamentos de pessoal, e Novos alunos podem ser incluídos no sistema sem custo adicional;
  • Aulas baseadas na Internet, como qualquer meio tem um número de limitações que devem ser consideradas Acesso e recursos - Em muitas áreas do país o acesso ainda é difícil e lento, ou não existe. Custo - Para alguns estudantes não vinculados a uma instituição que farão o curso em casa, o custo da conexão pode limitar o acesso do estudante, principalmente em localidades muito remotas. Treinamento - Muitos estudantes ainda não sabem como usar o ferramental da EAD, principalmente devido a problemas de tecnologia (uso eficiente de computadores). Além disso, os alunos precisam se adaptar aos novos métodos úsados pela EAD, o que muitas vezes é demorado e encontra resistências Copyright, privacidade, segurança e autenticação - ainda não existem soluções para estes problemas. As leis são inconsistentes ao se aplicarem ao mundo eletrônico, não existe jurisprudência, os legisladores não entendem do assunto A segurança dos dados e a necessidade de autenticacao do usuário de forma inambígua ainda são difíceis e podem causar probelmas
  • No Brasil, talvez em função de uma cultura de concepção educacional muito conservadora e obsoleta, amplamente disseminada em nosso meio acadêmico, a EAD está longe de atender às reais necessidades do país. Apesar disso, tem se notado um franco crescimento nas iniciativas de EAD em todo o país, crescimento este que tem sido alavancado recentemente pelo surgimento de consórcios educacionais em EAD. A oferta se distribui por todos os níveis de ensino, com predominância para os cursos de extensão e de pós-graduação lato-sensu. A legislação brasileira sobre EAD, balizada pela LDBE, ainda está incompleta quanto à regulamentação e reconhecimento dos cursos ministrados a distância.
  • Educação a Distância: Panorama e Tendências

    1. 1. Educação a Distância (EAD)Panoramas e Perspectivas Prof. Dr. Marcelo Sabbatini Centro de Educação Universidade Federal de Pernambuco
    2. 2. Objetivo• O objetivo desta aula é promover uma reflexão no aluno sobre a importância e a necessidade de repensar o ensino superior frente a Educação a Distância (EAD)
    3. 3. Mudando o Ensino Superior • É necessário mudar o foco e as práticas do ensino graduado: – ajudar os estudantes a desenvolverem estratégias para lidarem com o grande e cambiante volume de informação, conceitos, princípios e habilidades; – obter um melhor equilíbrio curricular entre obtenção de informação, formação e socialização
    4. 4. Albert Einstein sobre o Pensador Independente Se uma pessoa domina o fundamental no seu campo de estudo e aprendeu a pensar e a trabalhar independentemente, ela será mais capaz de adaptar- se ao progresso e às mudanças do que a pessoa cujo treinamento consiste principalmente na aquisição de conhecimento detalhado.
    5. 5. A Tecnologia como Paradigma• Como a EAD pode oferecer subsídios para um novo modelo de ensino superior?• Onde está a “educação” da educação a distância?• Substituição de grande parte do ensino presencial por ensino a distância, independente e individualizado• Uso de novas tecnologias para suporte e extensão do ensino presencial• Compartilhamento de conteúdos educacionais entre instituições: o surgimento dos consórcios educacionais
    6. 6. Educação versus Informação • A instrução é oferecida de forma estruturada, e otimizada para facilitar o auto-aprendizado; • Existe intensa interação entre professor e aluno, e entre alunos; • Existe um gerenciamento do processo instrucional, ou seja, o controle da progressão do aluno, e a avaliação do seu aprendizado e do desempenho em curso, etc.
    7. 7. EAD na Educação Superior• São flexíveis quanto ao espaço e ao tempo• Não exigem os custos nem o tempo gasto com viagens e estadias• Podem ser seguidos a partir de qualquer lugar do planeta, bastando possuir um computador portátil e acesso à Internet;• Permitem uma grande individualização do ensino; ao permitir que cada um escolha o que quer aprender, até que nível de profundidade, em quanto tempo, e em que ritmo.• Permitem também o acesso direto ao instrutor, e a avaliação do aluno à distância
    8. 8. O que é a EAD• Possibilidade de combinação com ensino presencial• Comunicação em várias vias: – professor estudante – estudante professor – professor professor – estudante estudante
    9. 9. Evolução das Tecnologias da EAD Geração Textual (1890-1960) EAD Geração Analógica (1960-1980) Geração Digital (desde 1980)
    10. 10. Características da EAD•Tradicional •EAD•Confinamento •Liberdade•Aluno •Aprendiz•Professor •Facilitador•Classe •Projeto•Campus •Crédito•Tempo •Conhecimento
    11. 11. A Mudança de Paradigma: Ensino Aprendizagem•Fornecer instrução • Ajudar a aprender•Transferir conhecimento do •Estimular a descoberta doprofessor para o estudante estudante e a construção do conhecimento•Oferecer cursos e •Oferecer ricos ambientes deprogramas aprendizagem•Modelo Livro-Dependente •Modelo Trabalho/Pesquisa (busca orientada do conhecimento/informação)
    12. 12. Benefícios da EAD• Independência geográfica• Independência temporal•Boa relação custo-benefício• Aprendiz dirige o seu aprendizado• Comunicação aumentada•Material mais estimulante• Caminhos inovadores
    13. 13. Problemas da EAD• Dificuldades de acesso• Custos específicos da tecnologia• Alfabetização digital• Resistência cultural• Formação docente• Pedagogia convencional não se aplica• Direito autoral, privacidade, segurança• Tradicionalismo
    14. 14. Cenário Nacional• Crescimento explosivo• “Arapuca ou mina de ouro”?• Legislação favorável (LDBE), mas ainda com regulamentação incompleta• Ofertas em todos os níveis (graduação, pós-graduação e extensão)• Formação de consórcios públicos e privados
    15. 15. Percepção social• Culturalmente negativa: baixa qualidade• Utopicamente positiva: sem dificuldades, resolução dos problemas educacionais• Conceitualmente equivocada: aprender sem professor?• Politicamente carregada: vide USP
    16. 16. Novas configurações do ambiente educacional• Novos “espaços e tempos” no processo de ensino e aprendizagem – Mais além da sala de aula: recursos de informação e comunicação, laboratórios e atividades externas (experimentais, profissionais e culturais) • Tendências: mobilidade (m-learning), TV digital, personalização – Reorganização dos ambientes presenciais – O presencial “conectado”: telepresença, realidade aumentada – Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) • Apropriação da tecnologia pelos usuários
    17. 17. Competências e habilidades do educador na EAD• Competência tecnológica – Habilidades técnicas (versus fobia tecnológica) – Conhecimento e uso dos recursos na rede – Experiência na mediação de comunidades online – As questões do acesso à tecnologia e da ubiquidade
    18. 18. • Competências sociais – Gerenciamento de equipes e de pessoas – Empatia e alteridade – Comunição interpessoal – Liderança e motivação – Ética e comprometimento• O “estar junto virtual” como modelo baseado na interação social e construção pessoal do conhecimento (VALENTE, 2008)
    19. 19. • Competências criativas e de planejamento – O professor-autor – Design instrucional • Modelos teóricos e pedagógicos • Definição de público-alvo e objetivos • Criação e adaptação de conteúdos para distribuição online • Previsão das atividades de integração da aprendizagem, interação e avaliação• A centralidade do planejamento em EAD melhora o ensino presencial? (Hipótese Moran)
    20. 20. Novos desafios da práxis pedagógica • Ctrl T, Ctrl C, Ctrl V, Ctrl P...o problema do plágio – A recomendação subversiva de Umberto Eco já não vale mais: Milão e Catania são equidistantes nos nodos da rede mundial de computadores – A cultura da “pesquisa” como cópia e reprodução livresca – Um “jogo de gato e rato” ou mudança de paradigma? – Como estabelecer uma relação de identidade e envolver o aluno-autor na atividade?
    21. 21. • A manutenção dos modelos intrucionistas e a passividade da geração Web: “na rede sim, na escola não”.• A eliminação do especialista na ótica do “prossumo”: a mais-valia revisitada?• Privacidade e controle social no meio digital: novas formas de “vigiar e punir”?• A “escola dualista”: EAD é para “pobre”?
    22. 22. Considerações• O impacto das tecnologias de informação e comunicação não se resumem à “educação à distância”• Cada vez mais os espaço de aulas se virtualizam e os espaços virtuais se “realizam”• Competências e habilidades técnicas, sociais, criativas e de planejamento devem ser desenvolvidas no educador• As mudanças trazem consigo impactos na relação da atividade docente enquanto trabalhador• Estas competências e habilidades se desenvolvem em um quadro mais amplo do educador como transformador de sua realidade
    23. 23. Questões para debate• As competências e habilidades para a EAD são fundamentais na formação do docente ou temas de especialização?• Por que não existe (ainda) o mestrado a distância no Brasil?• O planejamento e concepção de materiais para a EAD pode melhorar o ensino presencial• Os desafios da inclusão digital são técnicos e econômicos ou incluem também o educativo, cultural e social?
    24. 24. Contatomarcelo.sabbatini@ufpe.brhttp://marcelo.sabbatini.com#marsabbatinihttps://www.facebook.com/marsabbatini

    ×