SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Dar o livro certo
Entram nas prisões para criar leitores e algo mais.
Acreditam nas palavras, nos livros e nas pessoas.
Miguel Horta pertence ao programa Ler sem
Fronteiras e Paula Ramos criou o projecto No Colo
da Minha Mãe. “Vale muito a pena”, diz ele. “Ganhei
mais do que dei”, diz ela. E nunca sentiram medo.
Texto Rita Pimenta




D
                  ar o livro certo à pessoa certa      Em termos práticos, os reclusos nada ga-        Verde e tem alguns diálogos em crioulo, com
                  é o caminho para se criar         nham em assistir às sessões. “Não conta para       um breve glossário no final.
                  um leitor. Na prisão ou fora      nota, não baixa a pena, não vale para ava-           Quando chega à literatura portuguesa, mos-
                  dela. Pontos de vista elitistas   liar o comportamento da prisão”, explica,          tra-lhes como cada escritor tem uma canção,
                  e preconceitos quanto a           “mas sabemos como a leitura abre janelas           uma musicalidade, uma toada. “E diz-lhes
                  autores não valem. “Pode          em sítios insuspeitos”. E recorda comovido:        que o leitor também a tem. O leitor lê com o
ser um Tio Patinhas, uma Margarida Rebelo           “No Montijo, depois de a Associação Andante        seu ritmo e tem de se encontrar com aquelas
Pinto ou as Lições do Tonecas. O meu papel          apresentar um texto, eu começo a trabalhar         palavras.”
enquanto mediador do livro e da leitura é o de      a poesia. O efeito é multiplicado. Na primeira       Pede que lhe enviem livros de poesia, de
fazer uma escada, que o leitor vai subindo”,        fila, aqueles homens enormes, tatuados até         banda desenhada (“o sucesso que fez o [Milo]
diz Miguel Horta, que trabalha com reclusos         lá abaixo… a chorar, o rosto completamente         Manara! Mas as pessoas são preconceituosas
há cinco anos.                                      molhado. Acha que não vale a pena?”                em relação à BD erótica e humorista”), de
   “Já contei o Príncipe com Orelhas de Burro a        Por vezes há desistências, mas fica sempre      Luandino Vieira, Pepetela, Germano de Al-
homens bem grandes. E uma história do Mon-          com um grupo consistente. A tarefa de sedu-        meida. Conta como as palavras de António
teiro Lobato, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, a       ção não se esgota nos primeiros contactos, “é      Aleixo, António Gedeão e Agostinho da Silva
um grupo de reclusos brasileiros. Adoraram.         um trabalho de todos os dias”. E há uma per-       “têm um efeito brutal nas prisões”. Os reclu-
Depois, consegui arranjar um exemplar para          gunta que se impõe: “Quem és tu, leitor?”          sos já transformaram Gedeão em hip-hop:
lerem. E leram. É um começo como outro                                                                 “Ele ia adorar!” E exemplifica, sincopadamen-
qualquer”, diz à Pública, no seu atelier, o         Imagens e voz                                      te: “Venho da terra assombrada,/ do ventre
“pintor que gosta de palavras e de pessoas”,        Miguel Horta dá-nos a conhecer o seu mé-           de minha mãe; / não pretendo roubar nada/
como lhe agrada ser identificado.                   todo de conquista. “Tenho duas estratégias:        nem fazer mal a ninguém (…)”
   Miguel Horta tem inúmeras histórias para         um livro de imagens (para que eles me con-           Usa uma técnica chamada “máquina da
contar da sua experiência em estabelecimen-         tem a história) e uma situação de oralidade        poesia”, que sublinha não ser da sua autoria,
tos prisionais como o de Odemira, Montijo,          (um poema que eu sei de cor ou um conto,           e que consiste numa tabela, com várias colu-
Setúbal e Lisboa, no programa Ler sem Fron-         que pode ser em português ou em crioulo).”         nas que se vão preenchendo com palavras de
teiras (da Direcção-Geral do Livro e das Biblio-    Quando há cabo-verdianos, “ficam logo a            diferentes grupos gramaticais: substantivos
tecas, em parceria com a Direcção-Geral dos         gostar”.                                           numa, verbos noutra, adjectivos noutra. De-
Serviços Prisionais). “Depois de dar Paulo Co-         Aos brasileiros, pergunta: “Conhece a Cecí-     pois fazem-se combinações “lógicas” e vão
elho a uma reclusa de Odemira, apresentei-a a       lia Meireles? Já viu que teve de vir a Portugal    nascendo poemas. Quando se lhe pergunta se
Hermann Hesse. Leu o Siddharta e disse-me:          para conhecer uma poetisa da sua terra? E          tem medo de estar com pessoas condenadas,
‘Mas isto é muito mais interessante, profes-        digo, por exemplo, O Samba do Peixe-Aranha.        responde: “Temos de nos focar na pessoa e
sor’”, conta. E termina a frase estalando os de-    Tenho sempre coisas na manga…”, explica            não no recluso. Não no que fez, mas no seu
dos e abrindo os olhos numa expressão feliz.        divertido. “Para os são-tomenses, Olinda Be-       percurso (que caminho fizeste?) e inundar
Tradução: tinha ganho mais uma leitora.             ja. Para os de Angola, Ondjaki.” O livro deste     os olhos de humanidade. Tenho medo, sim,
   Este tipo de acção nas cadeias “é um tra-        autor Os da Minha Rua (Caminho) tem tido           mas de me deprimir, de não levar para casa
balho de mediação do livro e da leitura, mas        grande aceitação junto dos reclusos angola-        guardado da forma correcta o que se pas-
é mais do que isso: é comunicação, maté-            nos. “Tive uma felicidade enorme ao ouvir          sa ali. Mas quem tem mais medo da vida é
ria humana, intervenção social”. E admite:          as gargalhadas do Gabriel, responsável da bi-      quem lá está. Por isso decidem fazer leitu-
“Curiosidade também, mas não voyeurismo.            blioteca de Setúbal, a ler o Ondjaki. Porque é     ras e escrever. Este binómio leitura-escrita é
É impossível estar-se vivo e não se ficar es-       a infância dele em Angola. Aquilo é igual.”        muito importante. A escrita é extremamente
pantado com coisas novas, como o João sem              Se os níveis de literacia são baixos, recorre   projectiva.” E nunca quis saber os crimes
Medo [de José Gomes Ferreira]. Tinha espan-         a um livro para crianças da sua autoria, Pinok     de que são acusados. “Mas as suas histórias
to de viver, não é?”                                e Baleote (Grácio Editor). É passado em Cabo       acabaram por vir ter comigo.”                c
capa

   Miguel Horta lamenta que o programa de         mexerem, como Galope, de Rufus Butler Se-         Paula Ramos,
educação não formal nas cadeias esteja em         der (Booksmile).                                  educadora
risco: “Somos poucos, com pouco dinheiro.            Paula Ramos apercebeu-se da falta de con-      de infância,
Isto é um trabalho de entrega e generosidade.     tacto físico entre as mães e os miúdos, pelo      da Fundação
Quem não gosta de trabalhar com pessoas           que recorreu a algumas “brincadeiras” que         Gonçalves Júnior,
faça o favor de não aparecer.” E recorda o        incentivassem essa prática: “Lá vai o bichi-      criou um projecto
que o seu irmão Rui Horta, coreógrafo, disse      nho por cima do osso comer o menino até ao        de leitura para
recentemente a meio de uma discussão: “A          pescoço.” Sugere-se que se percorra com os        crianças em
cultura é cara? Esperem para ver o preço da       dedos o braço da criança ou bebé até ao pes-      estabelecimentos
ignorância.”                                      coço. Desta forma, “obrigava-as” a tocar nas      prisionais,
   Um dia, um recluso, depois de participar       crianças. “Muitas nunca tiveram uma relação       realizado em Tires
nas suas aulas, disse: “Quando sair daqui, vou    corpo a corpo enquanto filhas. Vieram de
ser bibliotecário.” E foi mesmo. Está agora       bairros complicados, andavam na rua só de
numa biblioteca de uma Junta de Freguesia da      fralda e usaram chucha até aos 12 anos.”
Margem Sul. “Vale ou não vale a pena?”               Eram evidentes os sentimentos contradi-
                                                  tórios, “culpabilizavam-se por os miúdos es-
Precisar de colo                                  tarem ali e ora davam mimo a mais ora não
Quem também não tem dúvidas de que valeu          tinham o mínimo de paciência”. A educadora
a pena o projecto No Colo da Minha Mãe —          sugeria jogos com pares de sapatos (“tirá-los
Leitura para crianças em estabelecimentos         todos das gavetas e pedir que descobrissem
prisionais é a educadora de infância Pau-         o par”) ou com as tampas das garrafas de
la Ramos, especializada em educação pela          água de cores diferentes (“ajudá-los a per-
arte. Objectivo: usar os livros e as palavras     ceber a que garrafa pertenciam”). Para ten-
para aproximar as mães dos filhos. Durante        tar estimulá-los com os poucos objectos que
dois meses, foi o que fez no Estabelecimento      existiam dentro das celas. “Mas havia uma
Prisional de Tires, junto de 12 reclusas entre    grande inércia da parte delas. Os livros aju-
os 25 e os 40 anos, na Casa das Mães.             daram muito.” Algumas gostaram tanto de           Miguel Horta, do
   Há crianças que o único espaço que co-         lengalengas que diziam: “Traga mais porque        programa Ler
nhecem até aos três anos é a prisão. Nunca        o meu filho gostou e ficou tão quieto que que-    sem Fronteiras,
pisaram a areia da praia, não andaram de          ro repetir.” Perceberam o efeito nos miúdos,      faz mediação da
carrossel nem puderam espantar-se com um          aderiram e repetiram.                             leitura e do livro
céu estrelado numa noite de Verão. E há mães         Só falavam da pena se quisessem. “Não          nas cadeias de
reclusas que não conseguem vincular-se aos        me interessava. Acabei por ir sabendo que         Setúbal e Montijo
bebés. “A culpa, a indiferença, a apatia fá-las   a maior parte tinha sido usada como correio
rejeitar os filhos, não os acarinhar nem esti-    de droga, não eram violentas. Muitas eram
mular numa fase essencial do seu desenvol-        africanas, iam de Cabo Verde até à Holanda
vimento”, explica a educadora, actualmente        e cá, assim que chegavam ao aeroporto, en-
a trabalhar na Fundação Gonçalves Júnior,         travam directamente na carrinha para Tires,
em Alcochete.                                     nem conheciam Lisboa.”
   “É uma população em que se investe pou-           Os miúdos mais limitados são os filhos das
co. Vai lá muita gente por caridade e oferece     estrangeiras, porque nunca saem da prisão.
o que quer que seja, sem olhar ao que as re-      Os outros podem ir passar o fim-de-semana
clusas precisam. Podem dar um brinquedo           a casa com o pai ou os avós. “As estrangeiras
caro, quando, por exemplo, a uma mãe afri-        não têm a quem entregar os miúdos, que fi-
cana, fazia mais falta um simples pano para       cam os três primeiros anos de vida confinados
pôr o miúdo atado às costas, como é da sua        àquele espaço e àquela rotina. Não vão à rua.”
tradição”, exemplifica.                           Durante o dia estão no jardim-de-infância,
   Os livros são preciosos para a aproximação     que é no mesmo edifício, e, ao fim do dia,
entre mães e filhos. “É algo que se pode pegar    atravessam o pátio, jantam no refeitório e,
e partilhar, enquanto se tem o miúdo ao colo.     às 19h, entram nas celas com as mães. No
Um meio acessível de as levar a uma vincula-      Verão, ainda o sol não se pôs.
ção mais forte. Muitas não sabiam mesmo o            No final de No Colo da Minha Mãe, foram
que fazer com os miúdos. Estavam convenci-        deixados às mães vários livros, “para que elas
das de que eram hiperactivos, simplesmente        próprias fossem continuando o caminho que
porque corriam no corredor em frente às ce-       iniciámos em conjunto”, conta a educadora.
las. Único espaço livre para se movimentarem      “Solicitei-os a instituições e a particulares e
à vontade.”                                       houve uma adesão muito grande.” Comove-
   Método de sedução para a leitura: “Tentei      se ao reler os inquéritos a que responderam
saber se tinham escutado histórias, se se         quando terminou o projecto. “Ganhei mais
lembravam de contos das avós ou das mães.         do que dei”, diz a educadora.
Cedo percebi que muitas nunca tinham ou-             Nunca teve medo. “Havia uma reclusa que
vido uma história, nunca se tinham sentado        estava sempre muito tensa. Um dia propus
no colo da mãe ou da avó. Comecei eu a            uma actividade para todas fazerem, mas ela
contar e a dar-lhes esse prazer de escutar,       não quis participar. ‘Não lhe apetece?’, per-
para mais tarde o reproduzirem juntos dos         guntei. Resposta: ‘O que me apetece hoje
filhos.”                                          é matar alguém’.” No final da sessão, Pau-
   Por isso os livros que levou para o projecto   la Ramos pediu para ficar sozinha com ela.
estavam divididos em três momentos, diga-         “Começou a falar comigo, a chorar e a desa-
mos assim: primeiro, dirigidos às mães, como      bafar. Desfez-se ali à minha frente e acabou
A Árvore Generosa, de Shel Silverstein (Bruaá);   por fazer o trabalho. Queria alguém só para
depois, um conjunto de livros de lengalengas      ela.” Precisava de colo. a
e trava-línguas, de vários autores portugue-
ses; por último, livros para as crianças verem,   rpimenta@publico.pt
Um dia, um recluso
disse a Miguel Horta:
“Quando sair daqui,
vou ser bibliotecário.”
E foi mesmo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga Lopes
Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga LopesLuiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga Lopes
Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga LopesLaeticia Jensen Eble
 
Contacto junho 2015 (2)
Contacto junho 2015 (2)Contacto junho 2015 (2)
Contacto junho 2015 (2)Isabel Martins
 
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta Silva
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta SilvaGastao Cruz - entrevista de Maria Augusta Silva
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta SilvaLoulet
 
Boletim Contacto junho 2011
Boletim Contacto  junho 2011Boletim Contacto  junho 2011
Boletim Contacto junho 2011Isabel Martins
 
MilFolhasOsCorvosAldousHuxley
MilFolhasOsCorvosAldousHuxleyMilFolhasOsCorvosAldousHuxley
MilFolhasOsCorvosAldousHuxleymrvpimenta
 
O que o aluno poderá aprender com esta aula
O que o aluno poderá aprender com esta aulaO que o aluno poderá aprender com esta aula
O que o aluno poderá aprender com esta aulaCarla Erica
 
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015Fabiana Esteves
 
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-contoClaudiana Oliveira Oliveira
 

Mais procurados (20)

Contacto marco de 2021
Contacto   marco de 2021Contacto   marco de 2021
Contacto marco de 2021
 
Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga Lopes
Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga LopesLuiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga Lopes
Luiz Ruffato em entrevista a Luiz Gonzaga Lopes
 
Aquisições - Biblioteca de Jugueiros
Aquisições - Biblioteca de JugueirosAquisições - Biblioteca de Jugueiros
Aquisições - Biblioteca de Jugueiros
 
Contacto junho 2015 (2)
Contacto junho 2015 (2)Contacto junho 2015 (2)
Contacto junho 2015 (2)
 
Contacto abril 2017
Contacto abril   2017Contacto abril   2017
Contacto abril 2017
 
Boletim informativo Contacto julho de 2021
Boletim informativo Contacto   julho de 2021Boletim informativo Contacto   julho de 2021
Boletim informativo Contacto julho de 2021
 
Contacto julho 2019
Contacto julho 2019 Contacto julho 2019
Contacto julho 2019
 
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta Silva
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta SilvaGastao Cruz - entrevista de Maria Augusta Silva
Gastao Cruz - entrevista de Maria Augusta Silva
 
Boletim Contacto junho 2011
Boletim Contacto  junho 2011Boletim Contacto  junho 2011
Boletim Contacto junho 2011
 
MilFolhasOsCorvosAldousHuxley
MilFolhasOsCorvosAldousHuxleyMilFolhasOsCorvosAldousHuxley
MilFolhasOsCorvosAldousHuxley
 
Contacto dezembro 2019
Contacto   dezembro 2019Contacto   dezembro 2019
Contacto dezembro 2019
 
Aquisições - Biblioteca do Infante
Aquisições - Biblioteca do InfanteAquisições - Biblioteca do Infante
Aquisições - Biblioteca do Infante
 
Aquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
Aquisições - Biblioteca D. Luís de LoureiroAquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
Aquisições - Biblioteca D. Luís de Loureiro
 
Boletim Contacto - julho de 2020
Boletim Contacto -  julho de 2020Boletim Contacto -  julho de 2020
Boletim Contacto - julho de 2020
 
O que o aluno poderá aprender com esta aula
O que o aluno poderá aprender com esta aulaO que o aluno poderá aprender com esta aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
 
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015
Oficina literária ensino fundamental 12 de maio 2015
 
Contacto 1.º período
Contacto   1.º períodoContacto   1.º período
Contacto 1.º período
 
Contacto julho 2017
Contacto julho 2017Contacto julho 2017
Contacto julho 2017
 
Os sonhadores
Os sonhadoresOs sonhadores
Os sonhadores
 
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto
7074415 literatura-em-minha-casa-contos-varios-autores-era-uma-vez-um-conto
 

Destaque

Pág. Madeira Revista Fugas
Pág. Madeira Revista FugasPág. Madeira Revista Fugas
Pág. Madeira Revista Fugasmrvpimenta
 
Pública22Abr2007
Pública22Abr2007Pública22Abr2007
Pública22Abr2007mrvpimenta
 
Brinquedos de Construção revista Pública
Brinquedos de Construção revista PúblicaBrinquedos de Construção revista Pública
Brinquedos de Construção revista Públicamrvpimenta
 
Miudos 28-11-10 Andante
Miudos 28-11-10 AndanteMiudos 28-11-10 Andante
Miudos 28-11-10 Andantemrvpimenta
 
Parque Urbano de Albarquel
Parque Urbano de AlbarquelParque Urbano de Albarquel
Parque Urbano de Albarquelmrvpimenta
 
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalho
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo CarvalhoMiúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalho
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalhomrvpimenta
 
BernardJeunet7
BernardJeunet7BernardJeunet7
BernardJeunet7mrvpimenta
 
Miudos spa-rtp-270211
Miudos spa-rtp-270211Miudos spa-rtp-270211
Miudos spa-rtp-270211mrvpimenta
 
Página miúdos pública matilde 25 07-10
Página miúdos pública matilde 25 07-10Página miúdos pública matilde 25 07-10
Página miúdos pública matilde 25 07-10mrvpimenta
 
Miudos ecologia
Miudos ecologiaMiudos ecologia
Miudos ecologiamrvpimenta
 
Pág. miúdos râguebi 24 04-11
Pág. miúdos râguebi 24 04-11Pág. miúdos râguebi 24 04-11
Pág. miúdos râguebi 24 04-11mrvpimenta
 
Miudos 02 01-11
Miudos 02 01-11Miudos 02 01-11
Miudos 02 01-11mrvpimenta
 
Filosofia para crianças 2
Filosofia para crianças 2Filosofia para crianças 2
Filosofia para crianças 2mrvpimenta
 
Pág.miúdos pnl 25091r
Pág.miúdos pnl 25091rPág.miúdos pnl 25091r
Pág.miúdos pnl 25091rmrvpimenta
 
Pág Spa Madeira Revista Pública
Pág Spa Madeira Revista PúblicaPág Spa Madeira Revista Pública
Pág Spa Madeira Revista Públicamrvpimenta
 
Miudos 10 04-11 cata livros
Miudos 10 04-11 cata livrosMiudos 10 04-11 cata livros
Miudos 10 04-11 cata livrosmrvpimenta
 

Destaque (20)

Pág. Madeira Revista Fugas
Pág. Madeira Revista FugasPág. Madeira Revista Fugas
Pág. Madeira Revista Fugas
 
Pública22Abr2007
Pública22Abr2007Pública22Abr2007
Pública22Abr2007
 
Brinquedos de Construção revista Pública
Brinquedos de Construção revista PúblicaBrinquedos de Construção revista Pública
Brinquedos de Construção revista Pública
 
Miudos 28-11-10 Andante
Miudos 28-11-10 AndanteMiudos 28-11-10 Andante
Miudos 28-11-10 Andante
 
Vento22 maio
Vento22 maioVento22 maio
Vento22 maio
 
Parque Urbano de Albarquel
Parque Urbano de AlbarquelParque Urbano de Albarquel
Parque Urbano de Albarquel
 
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalho
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo CarvalhoMiúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalho
Miúdos pública 30 maio2010 Bernardo Carvalho
 
BernardJeunet7
BernardJeunet7BernardJeunet7
BernardJeunet7
 
Miudos spa-rtp-270211
Miudos spa-rtp-270211Miudos spa-rtp-270211
Miudos spa-rtp-270211
 
Página miúdos pública matilde 25 07-10
Página miúdos pública matilde 25 07-10Página miúdos pública matilde 25 07-10
Página miúdos pública matilde 25 07-10
 
Miudos ecologia
Miudos ecologiaMiudos ecologia
Miudos ecologia
 
Pág. miúdos râguebi 24 04-11
Pág. miúdos râguebi 24 04-11Pág. miúdos râguebi 24 04-11
Pág. miúdos râguebi 24 04-11
 
Miudos 02 01-11
Miudos 02 01-11Miudos 02 01-11
Miudos 02 01-11
 
Filosofia para crianças 2
Filosofia para crianças 2Filosofia para crianças 2
Filosofia para crianças 2
 
Pág.miúdos pnl 25091r
Pág.miúdos pnl 25091rPág.miúdos pnl 25091r
Pág.miúdos pnl 25091r
 
Mozart+ Bemol
Mozart+ BemolMozart+ Bemol
Mozart+ Bemol
 
Despereaux
DespereauxDespereaux
Despereaux
 
Mf Tempo
Mf TempoMf Tempo
Mf Tempo
 
Pág Spa Madeira Revista Pública
Pág Spa Madeira Revista PúblicaPág Spa Madeira Revista Pública
Pág Spa Madeira Revista Pública
 
Miudos 10 04-11 cata livros
Miudos 10 04-11 cata livrosMiudos 10 04-11 cata livros
Miudos 10 04-11 cata livros
 

Semelhante a Ler nas prisões. pública 02 10-11

Semelhante a Ler nas prisões. pública 02 10-11 (20)

4º boletim bibliografico
4º boletim bibliografico4º boletim bibliografico
4º boletim bibliografico
 
A cada livro o seu leitor
A cada livro o seu leitorA cada livro o seu leitor
A cada livro o seu leitor
 
A traça escritora
A traça escritoraA traça escritora
A traça escritora
 
Pág. miúdos 19 setembro 2010 antónio torrado
Pág. miúdos 19 setembro 2010 antónio torradoPág. miúdos 19 setembro 2010 antónio torrado
Pág. miúdos 19 setembro 2010 antónio torrado
 
Lit Infant 2a Aula
Lit Infant  2a AulaLit Infant  2a Aula
Lit Infant 2a Aula
 
2007 0911torricelli
2007 0911torricelli2007 0911torricelli
2007 0911torricelli
 
Vo entr alex_honrado_c
Vo entr alex_honrado_cVo entr alex_honrado_c
Vo entr alex_honrado_c
 
Folha da biblioteca 12
Folha da biblioteca 12Folha da biblioteca 12
Folha da biblioteca 12
 
Contacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdfContacto - abril de 2023.pdf
Contacto - abril de 2023.pdf
 
Biblioteca boletim nº 8
Biblioteca   boletim nº 8Biblioteca   boletim nº 8
Biblioteca boletim nº 8
 
Resgate feira do livro rotermund
Resgate feira do livro rotermundResgate feira do livro rotermund
Resgate feira do livro rotermund
 
Resgate feira do livro rotermund atualizado
Resgate feira do livro rotermund atualizadoResgate feira do livro rotermund atualizado
Resgate feira do livro rotermund atualizado
 
Agenda janeiro 2013
Agenda janeiro 2013Agenda janeiro 2013
Agenda janeiro 2013
 
Contacto - dezembro de 2021
Contacto -   dezembro de 2021Contacto -   dezembro de 2021
Contacto - dezembro de 2021
 
Boletim Contacto - abril de 2022.pdf
Boletim Contacto - abril de 2022.pdfBoletim Contacto - abril de 2022.pdf
Boletim Contacto - abril de 2022.pdf
 
Contacto junho
Contacto  junhoContacto  junho
Contacto junho
 
Textos autores biblioteca
Textos autores bibliotecaTextos autores biblioteca
Textos autores biblioteca
 
Contacto março 2016
Contacto março 2016Contacto março 2016
Contacto março 2016
 
À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro À conversa com Manuela Ribeiro
À conversa com Manuela Ribeiro
 
Letra Pequena1808
Letra Pequena1808Letra Pequena1808
Letra Pequena1808
 

Mais de mrvpimenta

Crianças 19 maio pjl47
Crianças   19 maio  pjl47Crianças   19 maio  pjl47
Crianças 19 maio pjl47mrvpimenta
 
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonha
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonhaCultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonha
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonhamrvpimenta
 
Pág. crianças 4 fev.
Pág. crianças 4 fev.Pág. crianças 4 fev.
Pág. crianças 4 fev.mrvpimenta
 
Pág. miúdos gatafunho 220112
Pág. miúdos gatafunho 220112Pág. miúdos gatafunho 220112
Pág. miúdos gatafunho 220112mrvpimenta
 
Pág.crianças28 01-12
Pág.crianças28 01-12Pág.crianças28 01-12
Pág.crianças28 01-12mrvpimenta
 
Pág.crianças21 janeiro
Pág.crianças21 janeiroPág.crianças21 janeiro
Pág.crianças21 janeiromrvpimenta
 
Pág,crianças14 janeiro2012
Pág,crianças14 janeiro2012Pág,crianças14 janeiro2012
Pág,crianças14 janeiro2012mrvpimenta
 
Cultura folio ilustrarte120112
Cultura folio ilustrarte120112Cultura folio ilustrarte120112
Cultura folio ilustrarte120112mrvpimenta
 
Miúdos ilustrarte 080112
Miúdos ilustrarte 080112Miúdos ilustrarte 080112
Miúdos ilustrarte 080112mrvpimenta
 
Pág.crianças17 dezembro de 2011
Pág.crianças17 dezembro de 2011Pág.crianças17 dezembro de 2011
Pág.crianças17 dezembro de 2011mrvpimenta
 
Pág. crianças 10 dezembro
Pág. crianças 10 dezembroPág. crianças 10 dezembro
Pág. crianças 10 dezembromrvpimenta
 
Pág. crianças 3 dezembro2011
Pág. crianças 3 dezembro2011Pág. crianças 3 dezembro2011
Pág. crianças 3 dezembro2011mrvpimenta
 
Pág.crianças 19 nov
Pág.crianças 19 novPág.crianças 19 nov
Pág.crianças 19 novmrvpimenta
 
Miudos - adolescentes e livros 061111
Miudos - adolescentes e livros 061111Miudos - adolescentes e livros 061111
Miudos - adolescentes e livros 061111mrvpimenta
 
Pág.crianças12 novembro
Pág.crianças12 novembroPág.crianças12 novembro
Pág.crianças12 novembromrvpimenta
 
Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011mrvpimenta
 
Pág. crianças 29 outubro
Pág. crianças 29 outubroPág. crianças 29 outubro
Pág. crianças 29 outubromrvpimenta
 
Pág.crianças 22 10-11
Pág.crianças 22 10-11Pág.crianças 22 10-11
Pág.crianças 22 10-11mrvpimenta
 
Pública zoom Conservas portuguesas 161011
Pública zoom Conservas portuguesas 161011Pública zoom Conservas portuguesas 161011
Pública zoom Conservas portuguesas 161011mrvpimenta
 

Mais de mrvpimenta (20)

Alice pdf
Alice pdfAlice pdf
Alice pdf
 
Crianças 19 maio pjl47
Crianças   19 maio  pjl47Crianças   19 maio  pjl47
Crianças 19 maio pjl47
 
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonha
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonhaCultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonha
Cultura 3435 03 23-12 p1 s lc01-bolonha
 
Pág. crianças 4 fev.
Pág. crianças 4 fev.Pág. crianças 4 fev.
Pág. crianças 4 fev.
 
Pág. miúdos gatafunho 220112
Pág. miúdos gatafunho 220112Pág. miúdos gatafunho 220112
Pág. miúdos gatafunho 220112
 
Pág.crianças28 01-12
Pág.crianças28 01-12Pág.crianças28 01-12
Pág.crianças28 01-12
 
Pág.crianças21 janeiro
Pág.crianças21 janeiroPág.crianças21 janeiro
Pág.crianças21 janeiro
 
Pág,crianças14 janeiro2012
Pág,crianças14 janeiro2012Pág,crianças14 janeiro2012
Pág,crianças14 janeiro2012
 
Cultura folio ilustrarte120112
Cultura folio ilustrarte120112Cultura folio ilustrarte120112
Cultura folio ilustrarte120112
 
Miúdos ilustrarte 080112
Miúdos ilustrarte 080112Miúdos ilustrarte 080112
Miúdos ilustrarte 080112
 
Pág.crianças17 dezembro de 2011
Pág.crianças17 dezembro de 2011Pág.crianças17 dezembro de 2011
Pág.crianças17 dezembro de 2011
 
Pág. crianças 10 dezembro
Pág. crianças 10 dezembroPág. crianças 10 dezembro
Pág. crianças 10 dezembro
 
Pág. crianças 3 dezembro2011
Pág. crianças 3 dezembro2011Pág. crianças 3 dezembro2011
Pág. crianças 3 dezembro2011
 
Pág.crianças 19 nov
Pág.crianças 19 novPág.crianças 19 nov
Pág.crianças 19 nov
 
Miudos - adolescentes e livros 061111
Miudos - adolescentes e livros 061111Miudos - adolescentes e livros 061111
Miudos - adolescentes e livros 061111
 
Pág.crianças12 novembro
Pág.crianças12 novembroPág.crianças12 novembro
Pág.crianças12 novembro
 
Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011
 
Pág. crianças 29 outubro
Pág. crianças 29 outubroPág. crianças 29 outubro
Pág. crianças 29 outubro
 
Pág.crianças 22 10-11
Pág.crianças 22 10-11Pág.crianças 22 10-11
Pág.crianças 22 10-11
 
Pública zoom Conservas portuguesas 161011
Pública zoom Conservas portuguesas 161011Pública zoom Conservas portuguesas 161011
Pública zoom Conservas portuguesas 161011
 

Último

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 

Último (20)

O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

Ler nas prisões. pública 02 10-11

  • 1. Dar o livro certo Entram nas prisões para criar leitores e algo mais. Acreditam nas palavras, nos livros e nas pessoas. Miguel Horta pertence ao programa Ler sem Fronteiras e Paula Ramos criou o projecto No Colo da Minha Mãe. “Vale muito a pena”, diz ele. “Ganhei mais do que dei”, diz ela. E nunca sentiram medo. Texto Rita Pimenta D ar o livro certo à pessoa certa Em termos práticos, os reclusos nada ga- Verde e tem alguns diálogos em crioulo, com é o caminho para se criar nham em assistir às sessões. “Não conta para um breve glossário no final. um leitor. Na prisão ou fora nota, não baixa a pena, não vale para ava- Quando chega à literatura portuguesa, mos- dela. Pontos de vista elitistas liar o comportamento da prisão”, explica, tra-lhes como cada escritor tem uma canção, e preconceitos quanto a “mas sabemos como a leitura abre janelas uma musicalidade, uma toada. “E diz-lhes autores não valem. “Pode em sítios insuspeitos”. E recorda comovido: que o leitor também a tem. O leitor lê com o ser um Tio Patinhas, uma Margarida Rebelo “No Montijo, depois de a Associação Andante seu ritmo e tem de se encontrar com aquelas Pinto ou as Lições do Tonecas. O meu papel apresentar um texto, eu começo a trabalhar palavras.” enquanto mediador do livro e da leitura é o de a poesia. O efeito é multiplicado. Na primeira Pede que lhe enviem livros de poesia, de fazer uma escada, que o leitor vai subindo”, fila, aqueles homens enormes, tatuados até banda desenhada (“o sucesso que fez o [Milo] diz Miguel Horta, que trabalha com reclusos lá abaixo… a chorar, o rosto completamente Manara! Mas as pessoas são preconceituosas há cinco anos. molhado. Acha que não vale a pena?” em relação à BD erótica e humorista”), de “Já contei o Príncipe com Orelhas de Burro a Por vezes há desistências, mas fica sempre Luandino Vieira, Pepetela, Germano de Al- homens bem grandes. E uma história do Mon- com um grupo consistente. A tarefa de sedu- meida. Conta como as palavras de António teiro Lobato, do Sítio do Pica-Pau Amarelo, a ção não se esgota nos primeiros contactos, “é Aleixo, António Gedeão e Agostinho da Silva um grupo de reclusos brasileiros. Adoraram. um trabalho de todos os dias”. E há uma per- “têm um efeito brutal nas prisões”. Os reclu- Depois, consegui arranjar um exemplar para gunta que se impõe: “Quem és tu, leitor?” sos já transformaram Gedeão em hip-hop: lerem. E leram. É um começo como outro “Ele ia adorar!” E exemplifica, sincopadamen- qualquer”, diz à Pública, no seu atelier, o Imagens e voz te: “Venho da terra assombrada,/ do ventre “pintor que gosta de palavras e de pessoas”, Miguel Horta dá-nos a conhecer o seu mé- de minha mãe; / não pretendo roubar nada/ como lhe agrada ser identificado. todo de conquista. “Tenho duas estratégias: nem fazer mal a ninguém (…)” Miguel Horta tem inúmeras histórias para um livro de imagens (para que eles me con- Usa uma técnica chamada “máquina da contar da sua experiência em estabelecimen- tem a história) e uma situação de oralidade poesia”, que sublinha não ser da sua autoria, tos prisionais como o de Odemira, Montijo, (um poema que eu sei de cor ou um conto, e que consiste numa tabela, com várias colu- Setúbal e Lisboa, no programa Ler sem Fron- que pode ser em português ou em crioulo).” nas que se vão preenchendo com palavras de teiras (da Direcção-Geral do Livro e das Biblio- Quando há cabo-verdianos, “ficam logo a diferentes grupos gramaticais: substantivos tecas, em parceria com a Direcção-Geral dos gostar”. numa, verbos noutra, adjectivos noutra. De- Serviços Prisionais). “Depois de dar Paulo Co- Aos brasileiros, pergunta: “Conhece a Cecí- pois fazem-se combinações “lógicas” e vão elho a uma reclusa de Odemira, apresentei-a a lia Meireles? Já viu que teve de vir a Portugal nascendo poemas. Quando se lhe pergunta se Hermann Hesse. Leu o Siddharta e disse-me: para conhecer uma poetisa da sua terra? E tem medo de estar com pessoas condenadas, ‘Mas isto é muito mais interessante, profes- digo, por exemplo, O Samba do Peixe-Aranha. responde: “Temos de nos focar na pessoa e sor’”, conta. E termina a frase estalando os de- Tenho sempre coisas na manga…”, explica não no recluso. Não no que fez, mas no seu dos e abrindo os olhos numa expressão feliz. divertido. “Para os são-tomenses, Olinda Be- percurso (que caminho fizeste?) e inundar Tradução: tinha ganho mais uma leitora. ja. Para os de Angola, Ondjaki.” O livro deste os olhos de humanidade. Tenho medo, sim, Este tipo de acção nas cadeias “é um tra- autor Os da Minha Rua (Caminho) tem tido mas de me deprimir, de não levar para casa balho de mediação do livro e da leitura, mas grande aceitação junto dos reclusos angola- guardado da forma correcta o que se pas- é mais do que isso: é comunicação, maté- nos. “Tive uma felicidade enorme ao ouvir sa ali. Mas quem tem mais medo da vida é ria humana, intervenção social”. E admite: as gargalhadas do Gabriel, responsável da bi- quem lá está. Por isso decidem fazer leitu- “Curiosidade também, mas não voyeurismo. blioteca de Setúbal, a ler o Ondjaki. Porque é ras e escrever. Este binómio leitura-escrita é É impossível estar-se vivo e não se ficar es- a infância dele em Angola. Aquilo é igual.” muito importante. A escrita é extremamente pantado com coisas novas, como o João sem Se os níveis de literacia são baixos, recorre projectiva.” E nunca quis saber os crimes Medo [de José Gomes Ferreira]. Tinha espan- a um livro para crianças da sua autoria, Pinok de que são acusados. “Mas as suas histórias to de viver, não é?” e Baleote (Grácio Editor). É passado em Cabo acabaram por vir ter comigo.” c
  • 2. capa Miguel Horta lamenta que o programa de mexerem, como Galope, de Rufus Butler Se- Paula Ramos, educação não formal nas cadeias esteja em der (Booksmile). educadora risco: “Somos poucos, com pouco dinheiro. Paula Ramos apercebeu-se da falta de con- de infância, Isto é um trabalho de entrega e generosidade. tacto físico entre as mães e os miúdos, pelo da Fundação Quem não gosta de trabalhar com pessoas que recorreu a algumas “brincadeiras” que Gonçalves Júnior, faça o favor de não aparecer.” E recorda o incentivassem essa prática: “Lá vai o bichi- criou um projecto que o seu irmão Rui Horta, coreógrafo, disse nho por cima do osso comer o menino até ao de leitura para recentemente a meio de uma discussão: “A pescoço.” Sugere-se que se percorra com os crianças em cultura é cara? Esperem para ver o preço da dedos o braço da criança ou bebé até ao pes- estabelecimentos ignorância.” coço. Desta forma, “obrigava-as” a tocar nas prisionais, Um dia, um recluso, depois de participar crianças. “Muitas nunca tiveram uma relação realizado em Tires nas suas aulas, disse: “Quando sair daqui, vou corpo a corpo enquanto filhas. Vieram de ser bibliotecário.” E foi mesmo. Está agora bairros complicados, andavam na rua só de numa biblioteca de uma Junta de Freguesia da fralda e usaram chucha até aos 12 anos.” Margem Sul. “Vale ou não vale a pena?” Eram evidentes os sentimentos contradi- tórios, “culpabilizavam-se por os miúdos es- Precisar de colo tarem ali e ora davam mimo a mais ora não Quem também não tem dúvidas de que valeu tinham o mínimo de paciência”. A educadora a pena o projecto No Colo da Minha Mãe — sugeria jogos com pares de sapatos (“tirá-los Leitura para crianças em estabelecimentos todos das gavetas e pedir que descobrissem prisionais é a educadora de infância Pau- o par”) ou com as tampas das garrafas de la Ramos, especializada em educação pela água de cores diferentes (“ajudá-los a per- arte. Objectivo: usar os livros e as palavras ceber a que garrafa pertenciam”). Para ten- para aproximar as mães dos filhos. Durante tar estimulá-los com os poucos objectos que dois meses, foi o que fez no Estabelecimento existiam dentro das celas. “Mas havia uma Prisional de Tires, junto de 12 reclusas entre grande inércia da parte delas. Os livros aju- os 25 e os 40 anos, na Casa das Mães. daram muito.” Algumas gostaram tanto de Miguel Horta, do Há crianças que o único espaço que co- lengalengas que diziam: “Traga mais porque programa Ler nhecem até aos três anos é a prisão. Nunca o meu filho gostou e ficou tão quieto que que- sem Fronteiras, pisaram a areia da praia, não andaram de ro repetir.” Perceberam o efeito nos miúdos, faz mediação da carrossel nem puderam espantar-se com um aderiram e repetiram. leitura e do livro céu estrelado numa noite de Verão. E há mães Só falavam da pena se quisessem. “Não nas cadeias de reclusas que não conseguem vincular-se aos me interessava. Acabei por ir sabendo que Setúbal e Montijo bebés. “A culpa, a indiferença, a apatia fá-las a maior parte tinha sido usada como correio rejeitar os filhos, não os acarinhar nem esti- de droga, não eram violentas. Muitas eram mular numa fase essencial do seu desenvol- africanas, iam de Cabo Verde até à Holanda vimento”, explica a educadora, actualmente e cá, assim que chegavam ao aeroporto, en- a trabalhar na Fundação Gonçalves Júnior, travam directamente na carrinha para Tires, em Alcochete. nem conheciam Lisboa.” “É uma população em que se investe pou- Os miúdos mais limitados são os filhos das co. Vai lá muita gente por caridade e oferece estrangeiras, porque nunca saem da prisão. o que quer que seja, sem olhar ao que as re- Os outros podem ir passar o fim-de-semana clusas precisam. Podem dar um brinquedo a casa com o pai ou os avós. “As estrangeiras caro, quando, por exemplo, a uma mãe afri- não têm a quem entregar os miúdos, que fi- cana, fazia mais falta um simples pano para cam os três primeiros anos de vida confinados pôr o miúdo atado às costas, como é da sua àquele espaço e àquela rotina. Não vão à rua.” tradição”, exemplifica. Durante o dia estão no jardim-de-infância, Os livros são preciosos para a aproximação que é no mesmo edifício, e, ao fim do dia, entre mães e filhos. “É algo que se pode pegar atravessam o pátio, jantam no refeitório e, e partilhar, enquanto se tem o miúdo ao colo. às 19h, entram nas celas com as mães. No Um meio acessível de as levar a uma vincula- Verão, ainda o sol não se pôs. ção mais forte. Muitas não sabiam mesmo o No final de No Colo da Minha Mãe, foram que fazer com os miúdos. Estavam convenci- deixados às mães vários livros, “para que elas das de que eram hiperactivos, simplesmente próprias fossem continuando o caminho que porque corriam no corredor em frente às ce- iniciámos em conjunto”, conta a educadora. las. Único espaço livre para se movimentarem “Solicitei-os a instituições e a particulares e à vontade.” houve uma adesão muito grande.” Comove- Método de sedução para a leitura: “Tentei se ao reler os inquéritos a que responderam saber se tinham escutado histórias, se se quando terminou o projecto. “Ganhei mais lembravam de contos das avós ou das mães. do que dei”, diz a educadora. Cedo percebi que muitas nunca tinham ou- Nunca teve medo. “Havia uma reclusa que vido uma história, nunca se tinham sentado estava sempre muito tensa. Um dia propus no colo da mãe ou da avó. Comecei eu a uma actividade para todas fazerem, mas ela contar e a dar-lhes esse prazer de escutar, não quis participar. ‘Não lhe apetece?’, per- para mais tarde o reproduzirem juntos dos guntei. Resposta: ‘O que me apetece hoje filhos.” é matar alguém’.” No final da sessão, Pau- Por isso os livros que levou para o projecto la Ramos pediu para ficar sozinha com ela. estavam divididos em três momentos, diga- “Começou a falar comigo, a chorar e a desa- mos assim: primeiro, dirigidos às mães, como bafar. Desfez-se ali à minha frente e acabou A Árvore Generosa, de Shel Silverstein (Bruaá); por fazer o trabalho. Queria alguém só para depois, um conjunto de livros de lengalengas ela.” Precisava de colo. a e trava-línguas, de vários autores portugue- ses; por último, livros para as crianças verem, rpimenta@publico.pt
  • 3. Um dia, um recluso disse a Miguel Horta: “Quando sair daqui, vou ser bibliotecário.” E foi mesmo