Aplicações Financeiras e Índices Financeiros
Aplicações Financeiras
Classificação quanto ao Prazo
São consideráveis aplica...
2
vencimento da operação.
- Alíquota de IOF 0% para resgates antes de 30 dias.
*A Taxa DI é a taxa média dos depósitos rea...
3
Índices Financeiros
Mensuração de determinadas características da gestão.
As siglas utilizadas são:
AC – Ativo Circulant...
4
Espera-se que qualquer negócio tenha um desempenho mínimo de 50% superior a
taxa de aplicação financeira. Desta forma, s...
5
Uma variante do índice anterior. Avalia qual o nível de imobilização em relação aos
recursos próprios e de terceiros de ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Analises de balanço e aplicações financeiras

185 visualizações

Publicada em

Análises de Balanço e Aplicações Financeiras.
Fique por dentro!

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
185
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Analises de balanço e aplicações financeiras

  1. 1. Aplicações Financeiras e Índices Financeiros Aplicações Financeiras Classificação quanto ao Prazo São consideráveis aplicação de Curto Prazo os fundos resgatáveis em prazos vencíveis até 12 meses após a data da aplicação. Já as de Longo Prazo, são os fundos resgatáveis em prazos vencíveis após 12 meses da data da aplicação. Classificação das Alíquotas de IR Curto Prazo Longo Prazo a. 22,5% (vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações de até 180 (cento e oitenta) dias; b. 20% (vinte por cento), em aplicações acima de 181 (cento e oitenta e um) dias a. 22,5% (vinte e dois inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações de até 180 (cento e oitenta) dias; b. 20% (vinte por cento), em aplicações de 181 (cento e oitenta e um) dias até 360 (trezentos e sessenta) dias; c. 17,5% (dezessete inteiros e cinco décimos por cento), em aplicações de 361 (trezentos e sessenta e um) dias até 720 (setecentos e vinte) dias; d. 15% (quinze por cento), em aplicações com prazo acima de 720 (setecentos e vinte) dias. Os Certificados de Depósitos Bancários (CDB) são aplicações de renda fixa que permitem que você saiba, com antecedência, o prazo e as condições de remuneração. Contam com a solidez do Itaú Unibanco e com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até o limite de R$ 250 mil por CPF e CNPJ por instituição financeira em casos de intervenção, liquidação ou de falência (Fonte: https://www.itau.com.br/investimentos-previdencia/cdb-renda-fixa/) Aplicação Compromissada Na compromissada, o banco vende para o cliente um título de emissão e se compromete a recomprá-lo a uma taxa acordada no momento da aplicação. Tipos de Compromissada Compromissada DI Característica Aplicação de renda fixa. O banco vende um título de emissão e se compromete a recomprá-lo a qualquer momento por uma taxa percentual (%) do CDI acordada no momento da aplicação. - Liquidez e rentabilidade diária. - A incidência do imposto de renda ocorre apenas no momento do resgate ou no
  2. 2. 2 vencimento da operação. - Alíquota de IOF 0% para resgates antes de 30 dias. *A Taxa DI é a taxa média dos depósitos realizados entre instituições financeiras. A instituição é aderente ao Código de Varejo. Compromissada PLUS Característica Aplicação de renda fixa. O banco vende um título emitido pelo Itaú e se compromete a recomprá-lo a qualquer momento pela taxa acordada no momento da aplicação. Quanto maior o prazo de permanência no investimento, maior a remuneração. Taxas progressivas: conforme aumentam, retroagem ao primeiro dia da aplicação e todo o recurso é corrigido pela nova taxa. - Liquidez e rentabilidade diária. - Possibilidade de resgates parciais com manutenção da taxa para o saldo remanescente. - Alíquota de IOF 0% para resgates antes de 30 dias. - Aumento da remuneração do investidor conforme o prazo de permanência. *A Taxa DI é a taxa média dos depósitos realizados entre instituições financeiras. A instituição é aderente ao Código de Varejo
  3. 3. 3 Índices Financeiros Mensuração de determinadas características da gestão. As siglas utilizadas são: AC – Ativo Circulante AP – Ativo Permanente REOB – Receita Operacional Bruta ROB – Resultado Operacional Bruto ROL – Receita Operacional Líquida PL – Patrimônio Líquido PC – Passivo Circulante ELP – Exigível a Longo Prazo ÍNDICES DE RENTABILIDADE GIRO DO ATIVO = REOB / Ativo Total Indica qual a geração de receitas sobre cada R$ do ativo. Quanto maior o índice, maior a capacidade de geração de receitas, indicando um bom desempenho de vendas e/ou uma boa administração dos ativos. MARGEM LÍQUIDA = Resultado Líquido / ROL Utiliza-se este índice para avaliar a performance de resultado (lucro ou prejuízo) sobre a receita. Obviamente, quanto maior o índice (se positivo), melhor a margem. RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO = Resultado Líquido / (PL Médio – Resultado Líquido) A remuneração do Patrimônio Líquido, representando os recursos dos donos, é representada pelos resultados gerados. Se este índice for inferior a taxa de aplicação financeira (líquida de impostos) no período, significa um desempenho insatisfatório.
  4. 4. 4 Espera-se que qualquer negócio tenha um desempenho mínimo de 50% superior a taxa de aplicação financeira. Desta forma, se a taxa (líquida de impostos) de aplicação, ao ano, corresponde a 14%, então espera-se um retorno mínimo sobre o PL de 21%. Nota: para as empresas que creditam TJLP sobre o PL a seus sócios, acionistas ou titulares, o respectivo valor deve ser adicionado ao resultado, para composição da rentabilidade. ÍNDICES DE ESTRUTURA DE CAPITAL PARTICIPAÇÃO DE CAPITAL DE TERCEIROS = (PC + ELP) / Ativo Total Indica qual a “dependência” dos negócios em relação a recursos de terceiros (bancos, fornecedores, recursos trabalhistas e tributários). Uma participação próxima a 1 denota insolvência e extrema dependência de terceiros. O ideal é que esta participação seja igual ou inferior a 0,6. ENDIVIDAMENTO A CURTO PRAZO = PC / (PC + ELP) Evidencia qual o nível de exigibilidade de curto prazo do endividamento. Não existe uma regra geral para determinar qual o ideal para este índice, mas quando menor for o mesmo significa maior “folga” em relação ás dividas e compromissos existentes. IMOBILIZAÇÃO DO PL = AP / PL Reflete o “engessamento” dos recursos próprios, pois quanto maior o índice, maior a dependência de terceiros para atender compromissos financeiros. Um índice menor que 0,5 é recomendável. IMOBILIZAÇÃO SOBRE RECURSOS NÃO CORRENTES = AP / (PL + ELP)
  5. 5. 5 Uma variante do índice anterior. Avalia qual o nível de imobilização em relação aos recursos próprios e de terceiros de longo prazo. Quanto maior o índice, maior a imobilização. ÍNDICES DE LIQUIDEZ LIQUIDEZ GERAL = (AC + RLP) / (PC + ELP) Demonstra a “viabilidade” de médio e longo prazo dos pagamentos de compromissos já assumidos. O índice mínimo é 1. Abaixo de 1, indica problemas de liquidez. LIQUIDEZ CORRENTE = AC / PC Evidencia a capacidade de pagamento de curto prazo. Um índice inferior a 1 indica problemas prementes de liquidez. LIQUIDEZ SECA = (AC – Estoques) / PC Como os estoques tem uma característica de permanência nas atividades da empresa (pois são indispensáveis a maioria das atividades de produção e comercialização), este índice procura demonstrar uma “liquidez real”, mediante a realização de ativos ditos “financeiros” (que se realizam em caixa). Fonte: http://www.portaldeauditoria.com.br/tematica/contger_analisedebalanco.htm

×