SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
       Políticas Sociais e de Infra-Estrutura no Brasil

                                  Aula 10

            Prezados alunos,

             Aqui estamos nós para mais um encontro, no qual analisaremos
pontos já estudados, complementando com novos conceitos, informações e
exercícios. Voltarei novamente amanhã (quinta-feira) para nossa última aula,
dessa vez, em complementação à aula de nº 08, que só enviamos a metade na
quarta passada.

              Nossos temas serão novos padrões de relacionamento público-
privado, relações intergovernamentais e descentralizações, entre outros.

            Evolução das Políticas Sociais no Brasil

           O histórico das políticas sociais no Brasil foi estudado na aula 03,
onde falamos basicamente das ações sociais no período Vargas. Visando
complementar aquelas nossas anotações, neste encontro de hoje, faremos um
resumo geral sobre a evolução das políticas sociais em nosso País, em três
momentos: Era Vargas, Governos Militares e Pós Constituição Federal de 1988.

             Os Estados contemporâneos, independentemente do regime político
vigente e da condição econômica, têm tido um papel relevante no campo social.

              No entanto, o alcance e a intensidade das ações estatais oscilam
conforme as características de cada sociedade e podem variar desde a adoção de
políticas públicas focalizadas nos grupos mais vulneráveis até os modelos muito
mais amplos de ações universalistas de bem-estar social.

              Grosso modo, a implementação das políticas envolve ação estatal
direta e indireta. A primeira ocorre mediante o exercício de prerrogativas
regulatórias, por meio de políticas públicas de transferências de renda, de
incentivos fiscais e de provisão de bens e serviços (como os de saúde, educação
e assistência social).

              A atuação indireta, por sua vez, se dá por meio de parcerias com
instituições privadas, com ou sem finalidade lucrativa.

             Mas, no Brasil, nem sempre foi assim. Até o final do século XIX, o
papel das instituições governamentais era pouco mais que residual em dimensões
como saúde e educação, assim como era inexistente em outras como habitação e
previdência.

            A caridade, individual ou coletiva (por intermédio de entidades


                  www.pontodosconcursos.com.br                               1
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
filantrópicas), constituía-se na principal maneira da sociedade socorrer os pobres.
Nem mesmo o início do processo de industrialização, nas duas últimas décadas
do século XIX, alterou essa característica.

             Apesar da existência de algumas iniciativas isoladas, com destaque
para o surgimento da previdência social em 1923, somente a partir da década de
1930 começou a se esboçar um projeto mais amplo de proteção social.

              Isso significa que boa parte desse sistema foi construída sob regimes
autoritários de diferentes características: entre 1937-1945, no Estado Novo de
Getúlio Vargas, e entre 1964-1985, sob tutela militar.

              É do período do Estado Novo a consolidação da legislação
trabalhista, que garantiu direitos até então desconhecidos da quase totalidade dos
trabalhadores, como férias, estabilidade no emprego, jornada limitada e salário
mínimo, bem como a ampliação da previdência social, ainda que de forma
segmentada por categoria profissional e restrita ao trabalhador urbano do mercado
formal e à burocracia estatal.

             Após esse período, seguiram-se duas décadas de uma frágil
democracia, mas com crescimento econômico impulsionado pelo Estado e pelas
iniciativas de planejamento governamental, como o Plano Salte (saúde,
alimentação, transporte, energia) no governo Dutra (1946-1951),o Plano de Metas
do período Juscelino Kubitschek (1956-1961) e as Reformas de Base do governo
João Goulart (1961-1964), reformas interrompidas abruptamente em 1964.

             No campo social, destacam-se nessas décadas o início da
consolidação dos sistemas de pensões e aposentadorias e de atenção médico-
hospitalar sob a égide da previdência social, a primeira tentativa de criação da
previdência rural e a expansão dos sistemas estaduais de educação básica.

             Já no período militar, a proteção social passa a incorporar novos
grupos, como os trabalhadores rurais. A segmentação do sistema previdenciário
se reduz com a fusão dos institutos de seguro social, até então organizados por
categoria profissional.

             A estabilidade no emprego no setor privado foi eliminada e, em
contrapartida, foi criado o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), uma
compensação aos trabalhadores.

              Os traços da política social desse período incluem mecanismos
injustos de financiamento e processo decisório centralizador e autoritário, apesar
da expansão observada na cobertura dos serviços.

             A marca mais forte desses anos foi o chamado “milagre econômico”,
não alcançado sem danos colaterais. Como disse então um dos presidentes
escolhidos pelo regime, “a economia vai bem, mas o povo vai mal”.


                   www.pontodosconcursos.com.br                                  2
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA

             O efeito mais perverso desse momento foi a piora da concentração
de renda, nem de longe compensada por políticas assistenciais, cujo objetivo
implícito era a legitimação do regime e a garantia da estabilidade política
necessária ao crescimento econômico.

            Após o período militar, há o retorno do país à democracia e a
conseqüente abertura de espaço para o debate que alimentou a Assembléia
Nacional Constituinte (1986-1988).

             É nesse período que nascem propostas que, incorporadas à nova
Constituição Federal, viriam a mudar substancialmente a concepção, a execução
e o financiamento das políticas sociais.

             A partir da nova Constituição, promulgada em outubro de 1988, o
País inicia uma grande virada política e social. Política, porque restabelece o
Estado de direito e fortalece a Federação, ao redefinir a arrecadação de tributos
em favor de estados e municípios (em detrimento da União).

            Social, porque expande a responsabilidade do Estado como
decorrência da ampliação dos direitos de cidadania. Nesse sentido, devem ser
destacadas algumas inovações constitucionais, que incluem:

             (i)    Criação da seguridade social, conceituada como “um conjunto
integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinadas
a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social”.

             (ii)  Definição das bases para a institucionalização do controle da
sociedade sobre a ação social do governo, por meio de colegiados específicos em
cada instância de governo, principalmente na seguridade social e na proteção da
criança e do adolescente.

             (iii)  Fortalecimento do financiamento das políticas sociais com a
criação das contribuições sociais vinculadas à seguridade e a ampliação, nas três
instâncias de governo, do percentual da receita de impostos vinculado à educação
– vinculação mais tarde estendida à saúde.

              Não obstante esses avanços, um problema que dificultou a
consolidação da virada política e social do país – a inflação – só foi minimamente
resolvido na metade dos anos 1990, após mais de uma década de instabilidade
resistente a vários planos econômicos.

             É importante destacar, entretanto, que ainda que persistam diversos
resultados positivos do Plano Real, implementado em 1994, a sociedade pagou
um preço por eles, como o aumento da carga tributária e da taxa de juros.

             Isso inibiu o investimento na produção de bens e serviços, resultando


                  www.pontodosconcursos.com.br                                  3
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
em baixas taxas de crescimento econômico e em altos níveis de desemprego. E,
ao mesmo tempo, implicando restrições fiscais que trouxeram dificuldades para o
financiamento de políticas públicas capazes de enfrentar a dívida social
acumulada ao longo dos anos.

            Pobreza e Desigualdade

            Falamos em pobreza e desigualdade na aula 03. Neste
momento, voltamos ao assunto como forma de complementação e fixação
do conteúdo dos dois temas. Lembramos que é importante o aluno entender
os dois conceitos e, sobretudo, perceber as diferenças e peculiaridades
existentes.

            A pobreza não pode ser definida de forma única e universal.
Contudo, podemos afirmar que se refere a situações de carência, em que
os indivíduos não conseguem manter um padrão mínimo de vida condizente
com as referências socialmente estabelecidas em cada contexto histórico.

            Consideraremos, aqui, a pobreza na sua dimensão particular
(de forma simplificada) de insuficiência de renda, isto é, há pobreza apenas
na medida em que existem famílias vivendo com renda familiar per capita
inferior ao nível mínimo necessário para que possam satisfazer suas
necessidades mais básicas.

             A magnitude da pobreza está diretamente relacionada ao
número de pessoas vivendo em família com renda per capita abaixo da
linha de pobreza e à distância entre a renda per capita de cada família
pobre e a linha de pobreza.

            A pobreza como ressaltamos anteriormente está sendo
analisada, aqui, na dimensão da insuficiência de recursos. Neste sentido, a
pobreza responde a dois determinantes imediatos: a escassez agregada de
recursos e a má distribuição dos recursos existentes.

           No tocante às desigualdades sociais, essas despertam sempre
grande atenção por parte dos cientistas sociais.

           No caso brasileiro, há consenso de que somos uma das
sociedades mais desiguais do mundo, independentemente da maneira
como se conceitue, defina ou meça desigualdade, ela aparece como
fenômeno que sinaliza um padrão de distribuição de recursos extremamente
injusto.



                  www.pontodosconcursos.com.br                               4
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
              Tomando como medida da desigualdade a razão entre a renda
média dos 10% mais ricos e a renda média dos 40% mais pobres, observa-
se que, no caso brasileiro, essa razão se aproxima de 30, enquanto entre
55 países para as quais a informação está disponível, esse número é
inferior a 8, na maioria desses.

            Estima-se que 7% das crianças no Brasil padecem de
subnutrição, enquanto a produção nacional de grãos seria suficiente para
alimentar uma vez e meia a população total.

            No mesmo sentido, avaliações sobre a quantidade de recursos
necessários para a erradicação da pobreza indicam que, supondo-se
perfeitamente identificados os pobres, seriam necessários apenas 5% da
renda nacional para a completa eliminação da pobreza no País.

              A essa altura, podemos concluir que a pobreza no País está
estreitamente ligada aos recursos disponíveis e à forma como são
distribuídos.

             Para que a pobreza seja reduzida de forma significativa, é
necessário não só aumentar a quantidade de recursos, mas, principalmente,
reduzir a desigualdade.

             Enquanto o resultado primordial de uma política econômica
deve ser um processo vigoroso e sustentado, a principal contribuição de
uma política social eficaz é a redução da desigualdade.

             Mesmo com a sua manutenção nos dias atuais, o grau de
pobreza em nossa sociedade vem recuando desde a metade da década
passada, sobretudo devido a três fatores: crescimento econômico,
expansão dos benefícios da previdência e assistência social e queda nos
preços dos alimentos (o crescimento econômico vem apresentando baixos
índices de crescimento nos últimos anos, em 2005, foi de 2,3).

            Nos últimos anos, houve redução da pobreza sem diminuição
da desigualdade, sendo que esta é essencial para o combate à pobreza.

             Apesar do País aplicar mais de 150 bilhões em políticas
sociais, o problema da má focalização dos gastos sociais acaba inibindo a
redução das desigualdades. Por exemplo, a atenção dedicada à população
idosa é muito superior àquela destinada à população mais jovem.

           Conseqüentemente, embora a pobreza entre os idosos seja


                www.pontodosconcursos.com.br                           5
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
maior que entre crianças, na ausência de qualquer transferência
governamental, após a conclusão dessas transferências, a pobreza entre os
idosos passa a ser inferior à metade verificada entre as crianças.

             Estrutura do Gasto Social

            Como acabamos de ver, o Brasil ainda não encontrou o
caminho eficiente em matéria de gastos públicos para fins sociais. Questões
relacionadas à pobreza e à distribuição de renda assumem papel de
destaque, visto que não é possível sustentar um estado moderno e
democrático com níveis de pobreza e desigualdade tão elevados.

             Nesse contexto, muito se discute sobre o papel atribuído ao
Estado para corrigir esses problemas, por meio da utilização da tributação e
dos gastos públicos, principalmente aqueles relacionados aos gastos
sociais. O gasto social direto representa o maior item do dispêndio não
financeiro do governo federal.

            O Brasil é um país com renda per capita relativamente baixa,
que tem alcançado uma relação tributária equivalente a países ricos, ocorre
que, contrariamente ao que ocorre nesses países, o Brasil não tem
conseguido usar o sistema tributário e de gasto social de forma a afetar
substancialmente a extrema desigualdade de renda observada no País.

             Dos recursos arrecadados pelo governo federal e gastos na
área social, o item que consome a maioria dos recursos é a previdência
social (regime geral e previdência dos servidores públicos).

             Em seguida, os dispêndios com saúde, educação e assistência
social representam os maiores itens de aplicação, notadamente
descentralizada, exceto na educação, em que boa parte dos recursos é
consumida no ensino superior público.

              Com relação a estados e municípios, observamos que devido a
fortes limitações fiscais, apresentam baixa capacidade de investimentos em
políticas sociais, sendo que os maiores dispêndios estão concentrados em
saúde e educação, notadamente, em função de determinações de
quantitativos mínimos estabelecidos pela Constituição Federal.

             ANP – Finalidade e Atribuições

              Na aula 08, estudamos os aspectos gerais da Agência Nacional de
Petróleo, instituída pela Lei nº 9.478, de 06 de agosto de 1997. Esse diploma legal



                   www.pontodosconcursos.com.br                                  6
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
também instituiu o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), encarregado
de pensar e estabelecer a política geral para o setor. Trata-se de marco legal para
a indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis.

              No nosso encontro de hoje, vamos verificar as finalidades e
atribuições legais da autarquia reguladora, conforme os artigos 8º e 9º da Lei nº
9.478/1997.

             Em termos de finalidade, a agência é responsável pela regulação,
contratação e fiscalização das atividades econômicas integrantes da indústria do
petróleo, gás natural e biocombustíveis.

             Cabe à ANP a implementação da política nacional de petróleo, gás
natural e biocombustíveis, instituída pelo Conselho Nacional de Política
Energética. Note-se que está sob a jurisdição da agência tanto os combustíveis
fósseis como aqueles renováveis, tais como álcool, biodiesel etc.

             A grande maioria das funções da agência concentra-se nas
atividades de fiscalização do setor (poder de polícia), em estabelecer regras para
o desenvolvimento e atuação da indústria do petróleo, gás natural e
biocombustíveis (regulação) e em fomentar a pesquisa nas áreas de tecnologia,
exploração, produção, transporte, refino e processamento.

             Vejamos o texto legal (recomendo uma breve leitura para fins de
fixação das atribuições, inclusive comparando essas com as atribuições do CNPE,
estudadas na aula 08):


                     Art. 8o A ANP terá como finalidade promover a regulação, a
                     contratação e a fiscalização das atividades econômicas
                     integrantes da indústria do petróleo, do gás natural e dos
                     biocombustíveis, cabendo-lhe:

                            I - implementar, em sua esfera de atribuições, a política
                     nacional de petróleo, gás natural e biocombustíveis, contida na
                     política energética nacional, nos termos do Capítulo I desta Lei,
                     com ênfase na garantia do suprimento de derivados de petróleo,
                     gás natural e seus derivados, e de biocombustíveis, em todo o
                     território nacional, e na proteção dos interesses dos
                     consumidores quanto a preço, qualidade e oferta dos produtos;

                           II - promover estudos visando à delimitação de blocos, para
                     efeito de concessão das atividades de exploração,
                     desenvolvimento e produção;

                          III - regular a execução de serviços de geologia e geofísica
                     aplicados à prospecção petrolífera, visando ao levantamento de



                   www.pontodosconcursos.com.br                                          7
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
              dados técnicos, destinados à comercialização, em bases não-
              exclusivas;

                   IV - elaborar os editais e promover as licitações para a
              concessão de exploração, desenvolvimento e produção,
              celebrando os contratos delas decorrentes e fiscalizando a sua
              execução;

                    V - autorizar a prática das atividades de refinação,
              processamento, transporte, importação e exportação, na forma
              estabelecida nesta Lei e sua regulamentação;

                    VI - estabelecer critérios para o cálculo de tarifas de
              transporte dutoviário e arbitrar seus valores, nos casos e da
              forma previstos nesta Lei;

                    VII - fiscalizar diretamente, ou mediante convênios com
              órgãos dos Estados e do Distrito Federal, as atividades
              integrantes da indústria do petróleo, do gás natural e dos
              biocombustíveis, bem como aplicar as sanções administrativas e
              pecuniárias previstas em lei, regulamento ou contrato;

                   VIII - instruir processo com vistas à declaração de utilidade
              pública, para fins de desapropriação e instituição de servidão
              administrativa,     das    áreas  necessárias      à  exploração,
              desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural,
              construção de refinarias, de dutos e de terminais;

                   IX - fazer cumprir as boas práticas de conservação e uso
              racional do petróleo, gás natural, seus derivados e
              biocombustíveis e de preservação do meio ambiente;

                   X - estimular a pesquisa e a adoção de novas tecnologias
              na exploração, produção, transporte, refino e processamento;

                   XI - organizar e manter o acervo das informações e dados
              técnicos relativos às atividades reguladas da indústria do
              petróleo, do gás natural e dos biocombustíveis;

                    XII - consolidar anualmente as informações sobre as
              reservas nacionais de petróleo e gás natural transmitidas pelas
              empresas, responsabilizando-se por sua divulgação;

                     XIII - fiscalizar o adequado funcionamento do Sistema
              Nacional de Estoques de Combustíveis e o cumprimento do
              Plano Anual de Estoques Estratégicos de Combustíveis, de que
              trata o art. 4º da Lei nº 8.176, de 8 de fevereiro de 1991;




            www.pontodosconcursos.com.br                                           8
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
                           XIV - articular-se com os outros órgãos reguladores do setor
                     energético sobre matérias de interesse comum, inclusive para
                     efeito de apoio técnico ao CNPE;

                           XV - regular e autorizar as atividades relacionadas com o
                     abastecimento nacional de combustíveis, fiscalizando-as
                     diretamente ou mediante convênios com outros órgãos da União,
                     Estados, Distrito Federal ou Municípios.

                            XVI - regular e autorizar as atividades relacionadas à
                     produção, importação, exportação, armazenagem, estocagem,
                     distribuição, revenda e comercialização de biodiesel,
                     fiscalizando-as diretamente ou mediante convênios com outros
                     órgãos da União, Estados, Distrito Federal ou Municípios;

                           XVII - exigir dos agentes regulados o envio de informações
                     relativas às operações de produção, importação, exportação,
                     refino, beneficiamento, tratamento, processamento, transporte,
                     transferência, armazenagem, estocagem, distribuição, revenda,
                     destinação e comercialização de produtos sujeitos à sua
                     regulação;

                          XVIII - especificar a qualidade dos derivados de petróleo,
                     gás natural e seus derivados e dos biocombustíveis.

                           Art. 9º Além das atribuições que lhe são conferidas no artigo
                     anterior, caberá à ANP exercer, a partir de sua implantação, as
                     atribuições do Departamento Nacional de Combustíveis - DNC,
                     relacionadas com as atividades de distribuição e revenda de
                     derivados de petróleo e álcool, observado o disposto no art. 78.


              Determinantes da Configuração e Dinâmica das Políticas Sociais

              Determinantes da configuração e dinâmica das políticas sociais – o
que é isso?

             Trata-se da análise dos aspectos normativos da política social
brasileira que, conforme estudamos, tem na Constituição Federal sua matriz
básica. De modo geral, todos os entes da federação são produtores de normas no
campo das políticas sociais, já que vigora no Brasil a figura da competência
concorrente nesse segmento.

              Entretanto, o principal ente normativo, inclusive que produz os
comandos gerais e principais marcos legais do sistema, alguns por imposições
constitucionais e outros pela necessidade de buscar a uniformização das políticas
sociais no território nacional, é a União Federal.

              Podemos citar como exemplo a Lei nº 9.394/96 (Lei de Diretrizes e


                   www.pontodosconcursos.com.br                                            9
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
Bases da Educação), a Lei nº 8.742/93, que dispõe sobre a organização da
assistência social e a Lei nº 10.216/2001, que regula a proteção e os direitos das
pessoas portadoras de transtornos mentais, entre outras.

              Portanto, é o governo federal o principal organismo normativo das
políticas sociais, tendo os estados, municípios e Distrito Federal, basicamente,
papéis subsidiários.

            Sobre a correlação de forças, é certo afirmar que a União detém três
grandes papéis. O primeiro é normativo, como acabamos de analisar, o segundo é
de financiadora, por meio, sobretudo, de programas sociais elaborados pelo
governo federal para execução pelos estados, Distrito Federal, municípios e
entidades da sociedade civil e através de transferências voluntárias aos entes da
federação.

              Ao financiar esses programas, a União, basicamente, determina
todas as suas configurações, abrangência e formas de execução, cabendo aos
estados e demais entes da federação e entidades da sociedade civil a execução
dessas políticas sociais.

              A União também detém a função que podemos chamar de indutora,
ou seja, cabe a ela, por meio de programas sociais, instituídos no âmbito federal,
incentivar e promover o chamamento dos demais entes e entidades a participarem
das políticas sociais financiadas com recursos federais.

              Em síntese, vigora    hoje no Brasil a descentralização da execução
das políticas públicas a cargo de   estados, Distrito Federal, municípios e entidades
civis, sendo que os principais      executores são os municípios. A União ficou
basicamente com as funções          normativas, de complementação financeira e
indutora.

             É importante observar, ainda, que embora a Constituição tenha
considerado as ações sociais competência concorrente, ela estabeleceu
prioridades do seguinte tipo: cabe aos municípios cuidar do ensino fundamental e
aos estados, prioritariamente, do ensino médio.

              Em termos de dimensão institucional-organizacional, nossas
instituições responsáveis pela regulação e produção dos serviços sociais estão
estabelecidas em todos os entes da federação, conforme já estudamos ao longo
do curso.

              No âmbito do governo federal, a estrutura institucional engloba vários
ministérios, entidades, órgãos colegiados e fundos setoriais, valendo observar que
esses últimos têm natureza meramente contábil-financeira (algumas entidades,
com nome de fundo, não são fundos, exemplo o FNDE – Fundo Nacional de
Desenvolvimento da Educação, que é uma autarquia vinculada ao MEC).



                   www.pontodosconcursos.com.br                                   10
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
            Na maioria das vezes, essas instituições têm seus correspondentes
nos estados, Distrito Federal e municípios e trabalham em parceria constante na
execução das políticas sociais.

             No campo da educação, por exemplo, temos no governo federal o
Ministério da Educação, nos estados as Secretarias de Educação e nos
municípios as secretarias ou departamentos de educação, todos possuindo, em
suas estruturas, órgãos colegiados, tais como Conselho Nacional de Educação,
Conselho Estadual de Educação e Conselhos Municipais de Educação.

             Portanto, os sistemas são formados por uma rede integrada, em
cada um dos setores, por instituições do governo federal, dos governos estaduais
e dos municípios, todos com competências específicas, trabalhando em regime de
independência e colaboração entre si, geralmente, a partir de regras estabelecidas
em legislação federal.

             Anotações - Conceituação de Política Social

              Embora tenhamos feito a conceituação de política social na nossa
aula zero, é importante lembrar que se trata do conjunto de políticas, programas e
projetos, especialmente dirigidos para as populações pobres que têm por objetivo
compensar as desigualdades sociais, assumindo natureza corretiva, em face das
distorções produzidas no interior do sistema capitalista.

            No exercício da democracia, em que é feita a intervenção da
sociedade no poder do Estado, a política social é a busca de consenso por parte
do Poder Público, entre os diversos interessados, envolvendo a sociedade civil.

             São programas de ação governamental que visam elevar a qualidade
de vida de forma mais equânime e justa. Compõem o chamado sistema de
proteção social brasileiro (educação, saúde, emprego e renda, assistência social,
previdência social, saneamento e habitação, entre outros).

(ESAF – AFC/2004) – Concessões de Serviços Públicos

No âmbito das transformações do papel do Estado no Brasil a partir da
década de 90, entre as diversas medidas adotadas, foi delegada à iniciativa
privada a prestação de serviços públicos, estabelecendo um novo formato
de atuação reguladora do Estado. Sobre essa temática, assinale os
enunciados falsos (F) e verdadeiros (V). em seguida, selecione a opção que
contém a seqüência correta.

( ) A delegação dos serviços públicos à iniciativa privada vem sendo
realizada mediante concessão, concessão precedida da execução da obra
pública, permissão e autorização, dependendo de cada setor e do
arcabouço legal que o rege, a modalidade a ser empregada.

                  www.pontodosconcursos.com.br                                 11
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA

Assertiva verdadeira. É exatamente o que estudamos nas aulas 02, 04 e 07
do nosso curso, valendo observar que a Lei de PPP’s criou duas novas
modalidades que podem ser utilizadas na concessão de serviço público:
concessão patrocinada e concessão administrativa.

É importante anotar que as concessões são regidas no Brasil pela chamada
Lei Geral das Concessões, Lei nº 8.987/1995, sendo que cada setor tem
ainda o seu marco regulatório, que também trata do tema concessões. Por
exemplo, a Lei nº 10.233/2001 traz questões sobre transportes terrestres e
aquaviários.

( ) Está plenamente reconhecida a competência dos Tribunais de Contas
para exercer o controle da regulação de serviços públicos concedidos,
principalmente quando se trata da exploração de rodovias federais pelos
Estados, mediante delegação da União.

Assertiva falsa. O Tribunal de Contas da União não é órgão de controle da
regulação de serviços públicos concedidos, exerce as atribuições de órgão
auxiliar do Poder Legislativo Federal, com funções de controle externo da
Administração Pública, notadamente, controle financeiro, orçamentário e
patrimonial.

O papel de regulador de serviços públicos concedidos é das agências
reguladoras. No caso de rodovias federais, da Agência Nacional de
Transportes Terrestres – ANTT. Vale observar que o TCU, como órgão de
controle externo, tem jurisdição sobre a ANTT.

( ) Um dos primeiros setores brasileiros a experimentar a delegação dos
serviços públicos à iniciativa privada, na década passada, foi o de rodovias,
pois antes mesmo de ser editada a Lei Geral de Concessões, foi criada a
primeira versão do Programa de Concessões de Rodovias Federais.

Assertiva verdadeira. Conforme já dissemos em nossas aulas, o programa
de concessões de rodovias federais foi, até os dias atuais, extremamente
reduzido, sendo que só foram assinados seis contratos de concessões
federais nesse segmento.

Ocorre que os primeiros contratos de concessão no segmento rodoviário da
União foram firmados em 1994, portanto, antes da Lei Geral de
Concessões, Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995. Aquelas concessões
foram baseadas, sobretudo, na Lei nº 8.666/93.



                 www.pontodosconcursos.com.br                             12
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
É importante notar, ainda, que o setor de transporte rodoviário no Brasil,
apesar de se constituir no principal modal de transportes, no âmbito federal,
ainda é praticamente estatal, valendo observar que ao longo de sua história
foi desenvolvido e executado por uma autarquia federal chamada
Departamento Nacional de Estradas de Rodagem – DNER.

Neste setor, não houve criação de empresa estatal responsável pelo
desenvolvimento e execução.O financiamento da expansão da malha foi
realizado com recursos do Tesouro Nacional e de eventuais empréstimos
externos.

Em 2001, a Lei nº 10.233 extinguiu o DNER e criou, em seu lugar, o
Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes – DNIT, agora
com funções ampliadas, englobando o desenvolvimento de todos os modais
de transporte.

( ) Nem a Lei que dispõe acerca das concessões em geral, nem as normas
que regem as concessões em determinadas áreas específicas excluem
inequivocadamente a possibilidade da esfera administrativa pública alterar
unilateralmente os contratos de concessão e permissão.

Assertiva falsa. Nosso comentário, nesse item, tem como base, assim como
qualquer outros posicionamentos sobre direito administrativo em nossas
aulas, na obra “Direito Administrativo” de Maria Sylvia Zanella Di Pietro
(bibliografia utilizada na maioria dos concursos realizados pela ESAF).

Não pode o poder público promover alterações unilaterais do objeto do
contrato nem deixar de assegurar a manutenção do equilíbrio econômico-
financeiro. Vejamos o posicionamento da autora citada:

“o concessionário executa o serviço em seu próprio nome e corre os riscos
normais do empreendimento; ele faz jus ao recebimento da tarifa, ao
equilíbrio econômico da concessão, e à inalterabilidade do objeto; vale dizer
que o Poder Público pode introduzir alterações unilaterais no contrato, mas
tem que respeitar o seu objeto e assegurar a manutenção do equilíbrio
econômico-financeiro,    aumentando      a     tarifa   ou    compensando
pecuniariamente o concessionário.”

Vale observar, ainda, que não existe contrato de permissão, trata-se, na
verdade, de ato unilateral e precário do Poder Público, ainda que precedido
de licitação.

            Fico por aqui, até a próxima e bons estudos.


                 www.pontodosconcursos.com.br                             13
CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA
          NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA
        Paulo




            www.pontodosconcursos.com.br             14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Políticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço socialPolíticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço socialRogerio Terra
 
A política social brasileira no século XXI
A política social brasileira  no século XXIA política social brasileira  no século XXI
A política social brasileira no século XXIJanny Vitoriano
 
Estado e políticas públicas no Brasil - Luis Estenssoro
Estado e políticas públicas no Brasil  - Luis EstenssoroEstado e políticas públicas no Brasil  - Luis Estenssoro
Estado e políticas públicas no Brasil - Luis EstenssoroLuis E R Estenssoro
 
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.  Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social. Rose Rocha
 
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASILA CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASILJoanna Novaes
 
Politica Social e cidadania -Serviço Social
Politica Social e cidadania -Serviço SocialPolitica Social e cidadania -Serviço Social
Politica Social e cidadania -Serviço SocialPatricia Silva
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriaRafael Dionisio
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáAllan Vieira
 
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)A. Rui Teixeira Santos
 
Políticas Sociais e Educação
Políticas Sociais e EducaçãoPolíticas Sociais e Educação
Políticas Sociais e EducaçãoRobson Santos
 
Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicasRegiany Viscaino
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6CETUR
 

Mais procurados (18)

A construção da politica social no brasil
A construção da politica social no brasilA construção da politica social no brasil
A construção da politica social no brasil
 
Políticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço socialPolíticas públicas e o profissional do serviço social
Políticas públicas e o profissional do serviço social
 
A política social brasileira no século XXI
A política social brasileira  no século XXIA política social brasileira  no século XXI
A política social brasileira no século XXI
 
Estado e políticas públicas no Brasil - Luis Estenssoro
Estado e políticas públicas no Brasil  - Luis EstenssoroEstado e políticas públicas no Brasil  - Luis Estenssoro
Estado e políticas públicas no Brasil - Luis Estenssoro
 
Artigo angela
Artigo angela Artigo angela
Artigo angela
 
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.  Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
Enfoque das políticas sociais e do desenvolvimento do serviço social.
 
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASILA CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
 
Politica Social e cidadania -Serviço Social
Politica Social e cidadania -Serviço SocialPolitica Social e cidadania -Serviço Social
Politica Social e cidadania -Serviço Social
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringá
 
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
Direito da Segurança Social, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISG 2017)
 
Cap 5 10
Cap 5 10Cap 5 10
Cap 5 10
 
Disciplina iii unb (texto 7)
Disciplina  iii unb (texto 7)Disciplina  iii unb (texto 7)
Disciplina iii unb (texto 7)
 
Políticas Sociais e Educação
Políticas Sociais e EducaçãoPolíticas Sociais e Educação
Políticas Sociais e Educação
 
31162
3116231162
31162
 
Resuminho de políticas publicas
Resuminho de políticas  publicasResuminho de políticas  publicas
Resuminho de políticas publicas
 
12 suas case verde
12  suas case verde12  suas case verde
12 suas case verde
 
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
Curso Gestores - Cidades Socialistas Módulo 2 aula 6
 

Semelhante a Politicas sociais aula 10

Portifolio 2020 1 sem
Portifolio 2020 1 semPortifolio 2020 1 sem
Portifolio 2020 1 semAnneRezend
 
Considerações sobre o Programa social do Governo FHC
Considerações sobre o Programa social do Governo FHCConsiderações sobre o Programa social do Governo FHC
Considerações sobre o Programa social do Governo FHCAna Paula
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia socialAlinebrauna Brauna
 
Artigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaArtigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaElina Fernandes
 
Artigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaArtigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaElina Fernandes
 
Modelo de trabalho acadêmico
Modelo de trabalho acadêmicoModelo de trabalho acadêmico
Modelo de trabalho acadêmicomatos236
 
Políticas Públicas no Brasil. Serviço Social
Políticas Públicas no Brasil. Serviço SocialPolíticas Públicas no Brasil. Serviço Social
Políticas Públicas no Brasil. Serviço SocialFilguegilgmailcomFil
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...Enia Marta Ayala
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...Rosane Domingues
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...Sergio Augusto Salmon
 
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014UFPB
 
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani Machado
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani MachadoSus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani Machado
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani MachadoRita Casiraghi Moschen
 
Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Pablo Mereles
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriaRafael Dionisio
 
Inss 15 margareth
Inss 15 margarethInss 15 margareth
Inss 15 margarethOris Lima
 

Semelhante a Politicas sociais aula 10 (20)

Renato fleury
Renato fleuryRenato fleury
Renato fleury
 
Politicas
PoliticasPoliticas
Politicas
 
Portifolio 2020 1 sem
Portifolio 2020 1 semPortifolio 2020 1 sem
Portifolio 2020 1 sem
 
Considerações sobre o Programa social do Governo FHC
Considerações sobre o Programa social do Governo FHCConsiderações sobre o Programa social do Governo FHC
Considerações sobre o Programa social do Governo FHC
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Artigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaArtigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familia
 
Artigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familiaArtigo sippedes-bolsa-familia
Artigo sippedes-bolsa-familia
 
Artigo bioterra v20_n1_07
Artigo bioterra v20_n1_07Artigo bioterra v20_n1_07
Artigo bioterra v20_n1_07
 
Modelo de trabalho acadêmico
Modelo de trabalho acadêmicoModelo de trabalho acadêmico
Modelo de trabalho acadêmico
 
Políticas Públicas no Brasil. Serviço Social
Políticas Públicas no Brasil. Serviço SocialPolíticas Públicas no Brasil. Serviço Social
Políticas Públicas no Brasil. Serviço Social
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
 
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
A descentralização de políticas públicas no brasil e o sistema único de assis...
 
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014
O ESTADO BRASILEIRO EM DEBATE: ENTRE AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS E AS ELEIÇÕES 2014
 
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani Machado
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani MachadoSus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani Machado
Sus - Quando estado não resolve a equacão 2016 Cristiani Machado
 
64 204-1-pb
64 204-1-pb64 204-1-pb
64 204-1-pb
 
Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9
 
104133246 trabalho
104133246 trabalho104133246 trabalho
104133246 trabalho
 
política social - fundamentos e história
política social - fundamentos e históriapolítica social - fundamentos e história
política social - fundamentos e história
 
Inss 15 margareth
Inss 15 margarethInss 15 margareth
Inss 15 margareth
 

Mais de J M

Português 2008
Português   2008Português   2008
Português 2008J M
 
Português 2011
Português   2011Português   2011
Português 2011J M
 
Classes das palavras
Classes das palavrasClasses das palavras
Classes das palavrasJ M
 
Unprotected apostila-matematica
Unprotected apostila-matematicaUnprotected apostila-matematica
Unprotected apostila-matematicaJ M
 
Unprotected apostila português
Unprotected apostila portuguêsUnprotected apostila português
Unprotected apostila portuguêsJ M
 
Unprotected apostila conhecimentos gerais
Unprotected apostila conhecimentos geraisUnprotected apostila conhecimentos gerais
Unprotected apostila conhecimentos geraisJ M
 
Unprotected apostila conhecimentos bancários
Unprotected apostila conhecimentos bancáriosUnprotected apostila conhecimentos bancários
Unprotected apostila conhecimentos bancáriosJ M
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoJ M
 
Raciocinio lógico exercícios resolvidos
Raciocinio lógico   exercícios resolvidosRaciocinio lógico   exercícios resolvidos
Raciocinio lógico exercícios resolvidosJ M
 
Raciocínio lógico aula 6-6 - diagramas lógicos
Raciocínio lógico   aula 6-6 - diagramas lógicosRaciocínio lógico   aula 6-6 - diagramas lógicos
Raciocínio lógico aula 6-6 - diagramas lógicosJ M
 
Raciocínio lógico aula 5-6 - estruturas lógicas 2
Raciocínio lógico   aula 5-6 - estruturas lógicas 2Raciocínio lógico   aula 5-6 - estruturas lógicas 2
Raciocínio lógico aula 5-6 - estruturas lógicas 2J M
 
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçaoRaciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçaoJ M
 
Raciocínio lógico aula 1-6 - conceitos iniciais 1
Raciocínio lógico   aula 1-6 - conceitos iniciais 1Raciocínio lógico   aula 1-6 - conceitos iniciais 1
Raciocínio lógico aula 1-6 - conceitos iniciais 1J M
 
Raciocínio lógico aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabarito
Raciocínio lógico   aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabaritoRaciocínio lógico   aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabarito
Raciocínio lógico aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabaritoJ M
 
Prova senado (raciocínio lógico)
Prova senado (raciocínio lógico)Prova senado (raciocínio lógico)
Prova senado (raciocínio lógico)J M
 
Ministério público (12 anos de provas em concurso)
Ministério público (12 anos de provas em concurso)Ministério público (12 anos de provas em concurso)
Ministério público (12 anos de provas em concurso)J M
 
Matemática para concursos provas gabaritadas
Matemática para concursos   provas gabaritadasMatemática para concursos   provas gabaritadas
Matemática para concursos provas gabaritadasJ M
 
Manual do desempregado
Manual do desempregadoManual do desempregado
Manual do desempregadoJ M
 
Estatistica concursos esaf
Estatistica concursos esafEstatistica concursos esaf
Estatistica concursos esafJ M
 
Direito constitucional provas receita federal - 130 ques
Direito constitucional   provas receita federal - 130 quesDireito constitucional   provas receita federal - 130 ques
Direito constitucional provas receita federal - 130 quesJ M
 

Mais de J M (20)

Português 2008
Português   2008Português   2008
Português 2008
 
Português 2011
Português   2011Português   2011
Português 2011
 
Classes das palavras
Classes das palavrasClasses das palavras
Classes das palavras
 
Unprotected apostila-matematica
Unprotected apostila-matematicaUnprotected apostila-matematica
Unprotected apostila-matematica
 
Unprotected apostila português
Unprotected apostila portuguêsUnprotected apostila português
Unprotected apostila português
 
Unprotected apostila conhecimentos gerais
Unprotected apostila conhecimentos geraisUnprotected apostila conhecimentos gerais
Unprotected apostila conhecimentos gerais
 
Unprotected apostila conhecimentos bancários
Unprotected apostila conhecimentos bancáriosUnprotected apostila conhecimentos bancários
Unprotected apostila conhecimentos bancários
 
Tecnicas de redacao
Tecnicas de redacaoTecnicas de redacao
Tecnicas de redacao
 
Raciocinio lógico exercícios resolvidos
Raciocinio lógico   exercícios resolvidosRaciocinio lógico   exercícios resolvidos
Raciocinio lógico exercícios resolvidos
 
Raciocínio lógico aula 6-6 - diagramas lógicos
Raciocínio lógico   aula 6-6 - diagramas lógicosRaciocínio lógico   aula 6-6 - diagramas lógicos
Raciocínio lógico aula 6-6 - diagramas lógicos
 
Raciocínio lógico aula 5-6 - estruturas lógicas 2
Raciocínio lógico   aula 5-6 - estruturas lógicas 2Raciocínio lógico   aula 5-6 - estruturas lógicas 2
Raciocínio lógico aula 5-6 - estruturas lógicas 2
 
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçaoRaciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
 
Raciocínio lógico aula 1-6 - conceitos iniciais 1
Raciocínio lógico   aula 1-6 - conceitos iniciais 1Raciocínio lógico   aula 1-6 - conceitos iniciais 1
Raciocínio lógico aula 1-6 - conceitos iniciais 1
 
Raciocínio lógico aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabarito
Raciocínio lógico   aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabaritoRaciocínio lógico   aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabarito
Raciocínio lógico aula 0-6 - orientaçoes iniciais - questoes sem gabarito
 
Prova senado (raciocínio lógico)
Prova senado (raciocínio lógico)Prova senado (raciocínio lógico)
Prova senado (raciocínio lógico)
 
Ministério público (12 anos de provas em concurso)
Ministério público (12 anos de provas em concurso)Ministério público (12 anos de provas em concurso)
Ministério público (12 anos de provas em concurso)
 
Matemática para concursos provas gabaritadas
Matemática para concursos   provas gabaritadasMatemática para concursos   provas gabaritadas
Matemática para concursos provas gabaritadas
 
Manual do desempregado
Manual do desempregadoManual do desempregado
Manual do desempregado
 
Estatistica concursos esaf
Estatistica concursos esafEstatistica concursos esaf
Estatistica concursos esaf
 
Direito constitucional provas receita federal - 130 ques
Direito constitucional   provas receita federal - 130 quesDireito constitucional   provas receita federal - 130 ques
Direito constitucional provas receita federal - 130 ques
 

Politicas sociais aula 10

  • 1. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Políticas Sociais e de Infra-Estrutura no Brasil Aula 10 Prezados alunos, Aqui estamos nós para mais um encontro, no qual analisaremos pontos já estudados, complementando com novos conceitos, informações e exercícios. Voltarei novamente amanhã (quinta-feira) para nossa última aula, dessa vez, em complementação à aula de nº 08, que só enviamos a metade na quarta passada. Nossos temas serão novos padrões de relacionamento público- privado, relações intergovernamentais e descentralizações, entre outros. Evolução das Políticas Sociais no Brasil O histórico das políticas sociais no Brasil foi estudado na aula 03, onde falamos basicamente das ações sociais no período Vargas. Visando complementar aquelas nossas anotações, neste encontro de hoje, faremos um resumo geral sobre a evolução das políticas sociais em nosso País, em três momentos: Era Vargas, Governos Militares e Pós Constituição Federal de 1988. Os Estados contemporâneos, independentemente do regime político vigente e da condição econômica, têm tido um papel relevante no campo social. No entanto, o alcance e a intensidade das ações estatais oscilam conforme as características de cada sociedade e podem variar desde a adoção de políticas públicas focalizadas nos grupos mais vulneráveis até os modelos muito mais amplos de ações universalistas de bem-estar social. Grosso modo, a implementação das políticas envolve ação estatal direta e indireta. A primeira ocorre mediante o exercício de prerrogativas regulatórias, por meio de políticas públicas de transferências de renda, de incentivos fiscais e de provisão de bens e serviços (como os de saúde, educação e assistência social). A atuação indireta, por sua vez, se dá por meio de parcerias com instituições privadas, com ou sem finalidade lucrativa. Mas, no Brasil, nem sempre foi assim. Até o final do século XIX, o papel das instituições governamentais era pouco mais que residual em dimensões como saúde e educação, assim como era inexistente em outras como habitação e previdência. A caridade, individual ou coletiva (por intermédio de entidades www.pontodosconcursos.com.br 1
  • 2. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA filantrópicas), constituía-se na principal maneira da sociedade socorrer os pobres. Nem mesmo o início do processo de industrialização, nas duas últimas décadas do século XIX, alterou essa característica. Apesar da existência de algumas iniciativas isoladas, com destaque para o surgimento da previdência social em 1923, somente a partir da década de 1930 começou a se esboçar um projeto mais amplo de proteção social. Isso significa que boa parte desse sistema foi construída sob regimes autoritários de diferentes características: entre 1937-1945, no Estado Novo de Getúlio Vargas, e entre 1964-1985, sob tutela militar. É do período do Estado Novo a consolidação da legislação trabalhista, que garantiu direitos até então desconhecidos da quase totalidade dos trabalhadores, como férias, estabilidade no emprego, jornada limitada e salário mínimo, bem como a ampliação da previdência social, ainda que de forma segmentada por categoria profissional e restrita ao trabalhador urbano do mercado formal e à burocracia estatal. Após esse período, seguiram-se duas décadas de uma frágil democracia, mas com crescimento econômico impulsionado pelo Estado e pelas iniciativas de planejamento governamental, como o Plano Salte (saúde, alimentação, transporte, energia) no governo Dutra (1946-1951),o Plano de Metas do período Juscelino Kubitschek (1956-1961) e as Reformas de Base do governo João Goulart (1961-1964), reformas interrompidas abruptamente em 1964. No campo social, destacam-se nessas décadas o início da consolidação dos sistemas de pensões e aposentadorias e de atenção médico- hospitalar sob a égide da previdência social, a primeira tentativa de criação da previdência rural e a expansão dos sistemas estaduais de educação básica. Já no período militar, a proteção social passa a incorporar novos grupos, como os trabalhadores rurais. A segmentação do sistema previdenciário se reduz com a fusão dos institutos de seguro social, até então organizados por categoria profissional. A estabilidade no emprego no setor privado foi eliminada e, em contrapartida, foi criado o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), uma compensação aos trabalhadores. Os traços da política social desse período incluem mecanismos injustos de financiamento e processo decisório centralizador e autoritário, apesar da expansão observada na cobertura dos serviços. A marca mais forte desses anos foi o chamado “milagre econômico”, não alcançado sem danos colaterais. Como disse então um dos presidentes escolhidos pelo regime, “a economia vai bem, mas o povo vai mal”. www.pontodosconcursos.com.br 2
  • 3. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA O efeito mais perverso desse momento foi a piora da concentração de renda, nem de longe compensada por políticas assistenciais, cujo objetivo implícito era a legitimação do regime e a garantia da estabilidade política necessária ao crescimento econômico. Após o período militar, há o retorno do país à democracia e a conseqüente abertura de espaço para o debate que alimentou a Assembléia Nacional Constituinte (1986-1988). É nesse período que nascem propostas que, incorporadas à nova Constituição Federal, viriam a mudar substancialmente a concepção, a execução e o financiamento das políticas sociais. A partir da nova Constituição, promulgada em outubro de 1988, o País inicia uma grande virada política e social. Política, porque restabelece o Estado de direito e fortalece a Federação, ao redefinir a arrecadação de tributos em favor de estados e municípios (em detrimento da União). Social, porque expande a responsabilidade do Estado como decorrência da ampliação dos direitos de cidadania. Nesse sentido, devem ser destacadas algumas inovações constitucionais, que incluem: (i) Criação da seguridade social, conceituada como “um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social”. (ii) Definição das bases para a institucionalização do controle da sociedade sobre a ação social do governo, por meio de colegiados específicos em cada instância de governo, principalmente na seguridade social e na proteção da criança e do adolescente. (iii) Fortalecimento do financiamento das políticas sociais com a criação das contribuições sociais vinculadas à seguridade e a ampliação, nas três instâncias de governo, do percentual da receita de impostos vinculado à educação – vinculação mais tarde estendida à saúde. Não obstante esses avanços, um problema que dificultou a consolidação da virada política e social do país – a inflação – só foi minimamente resolvido na metade dos anos 1990, após mais de uma década de instabilidade resistente a vários planos econômicos. É importante destacar, entretanto, que ainda que persistam diversos resultados positivos do Plano Real, implementado em 1994, a sociedade pagou um preço por eles, como o aumento da carga tributária e da taxa de juros. Isso inibiu o investimento na produção de bens e serviços, resultando www.pontodosconcursos.com.br 3
  • 4. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA em baixas taxas de crescimento econômico e em altos níveis de desemprego. E, ao mesmo tempo, implicando restrições fiscais que trouxeram dificuldades para o financiamento de políticas públicas capazes de enfrentar a dívida social acumulada ao longo dos anos. Pobreza e Desigualdade Falamos em pobreza e desigualdade na aula 03. Neste momento, voltamos ao assunto como forma de complementação e fixação do conteúdo dos dois temas. Lembramos que é importante o aluno entender os dois conceitos e, sobretudo, perceber as diferenças e peculiaridades existentes. A pobreza não pode ser definida de forma única e universal. Contudo, podemos afirmar que se refere a situações de carência, em que os indivíduos não conseguem manter um padrão mínimo de vida condizente com as referências socialmente estabelecidas em cada contexto histórico. Consideraremos, aqui, a pobreza na sua dimensão particular (de forma simplificada) de insuficiência de renda, isto é, há pobreza apenas na medida em que existem famílias vivendo com renda familiar per capita inferior ao nível mínimo necessário para que possam satisfazer suas necessidades mais básicas. A magnitude da pobreza está diretamente relacionada ao número de pessoas vivendo em família com renda per capita abaixo da linha de pobreza e à distância entre a renda per capita de cada família pobre e a linha de pobreza. A pobreza como ressaltamos anteriormente está sendo analisada, aqui, na dimensão da insuficiência de recursos. Neste sentido, a pobreza responde a dois determinantes imediatos: a escassez agregada de recursos e a má distribuição dos recursos existentes. No tocante às desigualdades sociais, essas despertam sempre grande atenção por parte dos cientistas sociais. No caso brasileiro, há consenso de que somos uma das sociedades mais desiguais do mundo, independentemente da maneira como se conceitue, defina ou meça desigualdade, ela aparece como fenômeno que sinaliza um padrão de distribuição de recursos extremamente injusto. www.pontodosconcursos.com.br 4
  • 5. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Tomando como medida da desigualdade a razão entre a renda média dos 10% mais ricos e a renda média dos 40% mais pobres, observa- se que, no caso brasileiro, essa razão se aproxima de 30, enquanto entre 55 países para as quais a informação está disponível, esse número é inferior a 8, na maioria desses. Estima-se que 7% das crianças no Brasil padecem de subnutrição, enquanto a produção nacional de grãos seria suficiente para alimentar uma vez e meia a população total. No mesmo sentido, avaliações sobre a quantidade de recursos necessários para a erradicação da pobreza indicam que, supondo-se perfeitamente identificados os pobres, seriam necessários apenas 5% da renda nacional para a completa eliminação da pobreza no País. A essa altura, podemos concluir que a pobreza no País está estreitamente ligada aos recursos disponíveis e à forma como são distribuídos. Para que a pobreza seja reduzida de forma significativa, é necessário não só aumentar a quantidade de recursos, mas, principalmente, reduzir a desigualdade. Enquanto o resultado primordial de uma política econômica deve ser um processo vigoroso e sustentado, a principal contribuição de uma política social eficaz é a redução da desigualdade. Mesmo com a sua manutenção nos dias atuais, o grau de pobreza em nossa sociedade vem recuando desde a metade da década passada, sobretudo devido a três fatores: crescimento econômico, expansão dos benefícios da previdência e assistência social e queda nos preços dos alimentos (o crescimento econômico vem apresentando baixos índices de crescimento nos últimos anos, em 2005, foi de 2,3). Nos últimos anos, houve redução da pobreza sem diminuição da desigualdade, sendo que esta é essencial para o combate à pobreza. Apesar do País aplicar mais de 150 bilhões em políticas sociais, o problema da má focalização dos gastos sociais acaba inibindo a redução das desigualdades. Por exemplo, a atenção dedicada à população idosa é muito superior àquela destinada à população mais jovem. Conseqüentemente, embora a pobreza entre os idosos seja www.pontodosconcursos.com.br 5
  • 6. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA maior que entre crianças, na ausência de qualquer transferência governamental, após a conclusão dessas transferências, a pobreza entre os idosos passa a ser inferior à metade verificada entre as crianças. Estrutura do Gasto Social Como acabamos de ver, o Brasil ainda não encontrou o caminho eficiente em matéria de gastos públicos para fins sociais. Questões relacionadas à pobreza e à distribuição de renda assumem papel de destaque, visto que não é possível sustentar um estado moderno e democrático com níveis de pobreza e desigualdade tão elevados. Nesse contexto, muito se discute sobre o papel atribuído ao Estado para corrigir esses problemas, por meio da utilização da tributação e dos gastos públicos, principalmente aqueles relacionados aos gastos sociais. O gasto social direto representa o maior item do dispêndio não financeiro do governo federal. O Brasil é um país com renda per capita relativamente baixa, que tem alcançado uma relação tributária equivalente a países ricos, ocorre que, contrariamente ao que ocorre nesses países, o Brasil não tem conseguido usar o sistema tributário e de gasto social de forma a afetar substancialmente a extrema desigualdade de renda observada no País. Dos recursos arrecadados pelo governo federal e gastos na área social, o item que consome a maioria dos recursos é a previdência social (regime geral e previdência dos servidores públicos). Em seguida, os dispêndios com saúde, educação e assistência social representam os maiores itens de aplicação, notadamente descentralizada, exceto na educação, em que boa parte dos recursos é consumida no ensino superior público. Com relação a estados e municípios, observamos que devido a fortes limitações fiscais, apresentam baixa capacidade de investimentos em políticas sociais, sendo que os maiores dispêndios estão concentrados em saúde e educação, notadamente, em função de determinações de quantitativos mínimos estabelecidos pela Constituição Federal. ANP – Finalidade e Atribuições Na aula 08, estudamos os aspectos gerais da Agência Nacional de Petróleo, instituída pela Lei nº 9.478, de 06 de agosto de 1997. Esse diploma legal www.pontodosconcursos.com.br 6
  • 7. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA também instituiu o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), encarregado de pensar e estabelecer a política geral para o setor. Trata-se de marco legal para a indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis. No nosso encontro de hoje, vamos verificar as finalidades e atribuições legais da autarquia reguladora, conforme os artigos 8º e 9º da Lei nº 9.478/1997. Em termos de finalidade, a agência é responsável pela regulação, contratação e fiscalização das atividades econômicas integrantes da indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis. Cabe à ANP a implementação da política nacional de petróleo, gás natural e biocombustíveis, instituída pelo Conselho Nacional de Política Energética. Note-se que está sob a jurisdição da agência tanto os combustíveis fósseis como aqueles renováveis, tais como álcool, biodiesel etc. A grande maioria das funções da agência concentra-se nas atividades de fiscalização do setor (poder de polícia), em estabelecer regras para o desenvolvimento e atuação da indústria do petróleo, gás natural e biocombustíveis (regulação) e em fomentar a pesquisa nas áreas de tecnologia, exploração, produção, transporte, refino e processamento. Vejamos o texto legal (recomendo uma breve leitura para fins de fixação das atribuições, inclusive comparando essas com as atribuições do CNPE, estudadas na aula 08): Art. 8o A ANP terá como finalidade promover a regulação, a contratação e a fiscalização das atividades econômicas integrantes da indústria do petróleo, do gás natural e dos biocombustíveis, cabendo-lhe: I - implementar, em sua esfera de atribuições, a política nacional de petróleo, gás natural e biocombustíveis, contida na política energética nacional, nos termos do Capítulo I desta Lei, com ênfase na garantia do suprimento de derivados de petróleo, gás natural e seus derivados, e de biocombustíveis, em todo o território nacional, e na proteção dos interesses dos consumidores quanto a preço, qualidade e oferta dos produtos; II - promover estudos visando à delimitação de blocos, para efeito de concessão das atividades de exploração, desenvolvimento e produção; III - regular a execução de serviços de geologia e geofísica aplicados à prospecção petrolífera, visando ao levantamento de www.pontodosconcursos.com.br 7
  • 8. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA dados técnicos, destinados à comercialização, em bases não- exclusivas; IV - elaborar os editais e promover as licitações para a concessão de exploração, desenvolvimento e produção, celebrando os contratos delas decorrentes e fiscalizando a sua execução; V - autorizar a prática das atividades de refinação, processamento, transporte, importação e exportação, na forma estabelecida nesta Lei e sua regulamentação; VI - estabelecer critérios para o cálculo de tarifas de transporte dutoviário e arbitrar seus valores, nos casos e da forma previstos nesta Lei; VII - fiscalizar diretamente, ou mediante convênios com órgãos dos Estados e do Distrito Federal, as atividades integrantes da indústria do petróleo, do gás natural e dos biocombustíveis, bem como aplicar as sanções administrativas e pecuniárias previstas em lei, regulamento ou contrato; VIII - instruir processo com vistas à declaração de utilidade pública, para fins de desapropriação e instituição de servidão administrativa, das áreas necessárias à exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural, construção de refinarias, de dutos e de terminais; IX - fazer cumprir as boas práticas de conservação e uso racional do petróleo, gás natural, seus derivados e biocombustíveis e de preservação do meio ambiente; X - estimular a pesquisa e a adoção de novas tecnologias na exploração, produção, transporte, refino e processamento; XI - organizar e manter o acervo das informações e dados técnicos relativos às atividades reguladas da indústria do petróleo, do gás natural e dos biocombustíveis; XII - consolidar anualmente as informações sobre as reservas nacionais de petróleo e gás natural transmitidas pelas empresas, responsabilizando-se por sua divulgação; XIII - fiscalizar o adequado funcionamento do Sistema Nacional de Estoques de Combustíveis e o cumprimento do Plano Anual de Estoques Estratégicos de Combustíveis, de que trata o art. 4º da Lei nº 8.176, de 8 de fevereiro de 1991; www.pontodosconcursos.com.br 8
  • 9. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA XIV - articular-se com os outros órgãos reguladores do setor energético sobre matérias de interesse comum, inclusive para efeito de apoio técnico ao CNPE; XV - regular e autorizar as atividades relacionadas com o abastecimento nacional de combustíveis, fiscalizando-as diretamente ou mediante convênios com outros órgãos da União, Estados, Distrito Federal ou Municípios. XVI - regular e autorizar as atividades relacionadas à produção, importação, exportação, armazenagem, estocagem, distribuição, revenda e comercialização de biodiesel, fiscalizando-as diretamente ou mediante convênios com outros órgãos da União, Estados, Distrito Federal ou Municípios; XVII - exigir dos agentes regulados o envio de informações relativas às operações de produção, importação, exportação, refino, beneficiamento, tratamento, processamento, transporte, transferência, armazenagem, estocagem, distribuição, revenda, destinação e comercialização de produtos sujeitos à sua regulação; XVIII - especificar a qualidade dos derivados de petróleo, gás natural e seus derivados e dos biocombustíveis. Art. 9º Além das atribuições que lhe são conferidas no artigo anterior, caberá à ANP exercer, a partir de sua implantação, as atribuições do Departamento Nacional de Combustíveis - DNC, relacionadas com as atividades de distribuição e revenda de derivados de petróleo e álcool, observado o disposto no art. 78. Determinantes da Configuração e Dinâmica das Políticas Sociais Determinantes da configuração e dinâmica das políticas sociais – o que é isso? Trata-se da análise dos aspectos normativos da política social brasileira que, conforme estudamos, tem na Constituição Federal sua matriz básica. De modo geral, todos os entes da federação são produtores de normas no campo das políticas sociais, já que vigora no Brasil a figura da competência concorrente nesse segmento. Entretanto, o principal ente normativo, inclusive que produz os comandos gerais e principais marcos legais do sistema, alguns por imposições constitucionais e outros pela necessidade de buscar a uniformização das políticas sociais no território nacional, é a União Federal. Podemos citar como exemplo a Lei nº 9.394/96 (Lei de Diretrizes e www.pontodosconcursos.com.br 9
  • 10. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Bases da Educação), a Lei nº 8.742/93, que dispõe sobre a organização da assistência social e a Lei nº 10.216/2001, que regula a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais, entre outras. Portanto, é o governo federal o principal organismo normativo das políticas sociais, tendo os estados, municípios e Distrito Federal, basicamente, papéis subsidiários. Sobre a correlação de forças, é certo afirmar que a União detém três grandes papéis. O primeiro é normativo, como acabamos de analisar, o segundo é de financiadora, por meio, sobretudo, de programas sociais elaborados pelo governo federal para execução pelos estados, Distrito Federal, municípios e entidades da sociedade civil e através de transferências voluntárias aos entes da federação. Ao financiar esses programas, a União, basicamente, determina todas as suas configurações, abrangência e formas de execução, cabendo aos estados e demais entes da federação e entidades da sociedade civil a execução dessas políticas sociais. A União também detém a função que podemos chamar de indutora, ou seja, cabe a ela, por meio de programas sociais, instituídos no âmbito federal, incentivar e promover o chamamento dos demais entes e entidades a participarem das políticas sociais financiadas com recursos federais. Em síntese, vigora hoje no Brasil a descentralização da execução das políticas públicas a cargo de estados, Distrito Federal, municípios e entidades civis, sendo que os principais executores são os municípios. A União ficou basicamente com as funções normativas, de complementação financeira e indutora. É importante observar, ainda, que embora a Constituição tenha considerado as ações sociais competência concorrente, ela estabeleceu prioridades do seguinte tipo: cabe aos municípios cuidar do ensino fundamental e aos estados, prioritariamente, do ensino médio. Em termos de dimensão institucional-organizacional, nossas instituições responsáveis pela regulação e produção dos serviços sociais estão estabelecidas em todos os entes da federação, conforme já estudamos ao longo do curso. No âmbito do governo federal, a estrutura institucional engloba vários ministérios, entidades, órgãos colegiados e fundos setoriais, valendo observar que esses últimos têm natureza meramente contábil-financeira (algumas entidades, com nome de fundo, não são fundos, exemplo o FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, que é uma autarquia vinculada ao MEC). www.pontodosconcursos.com.br 10
  • 11. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Na maioria das vezes, essas instituições têm seus correspondentes nos estados, Distrito Federal e municípios e trabalham em parceria constante na execução das políticas sociais. No campo da educação, por exemplo, temos no governo federal o Ministério da Educação, nos estados as Secretarias de Educação e nos municípios as secretarias ou departamentos de educação, todos possuindo, em suas estruturas, órgãos colegiados, tais como Conselho Nacional de Educação, Conselho Estadual de Educação e Conselhos Municipais de Educação. Portanto, os sistemas são formados por uma rede integrada, em cada um dos setores, por instituições do governo federal, dos governos estaduais e dos municípios, todos com competências específicas, trabalhando em regime de independência e colaboração entre si, geralmente, a partir de regras estabelecidas em legislação federal. Anotações - Conceituação de Política Social Embora tenhamos feito a conceituação de política social na nossa aula zero, é importante lembrar que se trata do conjunto de políticas, programas e projetos, especialmente dirigidos para as populações pobres que têm por objetivo compensar as desigualdades sociais, assumindo natureza corretiva, em face das distorções produzidas no interior do sistema capitalista. No exercício da democracia, em que é feita a intervenção da sociedade no poder do Estado, a política social é a busca de consenso por parte do Poder Público, entre os diversos interessados, envolvendo a sociedade civil. São programas de ação governamental que visam elevar a qualidade de vida de forma mais equânime e justa. Compõem o chamado sistema de proteção social brasileiro (educação, saúde, emprego e renda, assistência social, previdência social, saneamento e habitação, entre outros). (ESAF – AFC/2004) – Concessões de Serviços Públicos No âmbito das transformações do papel do Estado no Brasil a partir da década de 90, entre as diversas medidas adotadas, foi delegada à iniciativa privada a prestação de serviços públicos, estabelecendo um novo formato de atuação reguladora do Estado. Sobre essa temática, assinale os enunciados falsos (F) e verdadeiros (V). em seguida, selecione a opção que contém a seqüência correta. ( ) A delegação dos serviços públicos à iniciativa privada vem sendo realizada mediante concessão, concessão precedida da execução da obra pública, permissão e autorização, dependendo de cada setor e do arcabouço legal que o rege, a modalidade a ser empregada. www.pontodosconcursos.com.br 11
  • 12. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Assertiva verdadeira. É exatamente o que estudamos nas aulas 02, 04 e 07 do nosso curso, valendo observar que a Lei de PPP’s criou duas novas modalidades que podem ser utilizadas na concessão de serviço público: concessão patrocinada e concessão administrativa. É importante anotar que as concessões são regidas no Brasil pela chamada Lei Geral das Concessões, Lei nº 8.987/1995, sendo que cada setor tem ainda o seu marco regulatório, que também trata do tema concessões. Por exemplo, a Lei nº 10.233/2001 traz questões sobre transportes terrestres e aquaviários. ( ) Está plenamente reconhecida a competência dos Tribunais de Contas para exercer o controle da regulação de serviços públicos concedidos, principalmente quando se trata da exploração de rodovias federais pelos Estados, mediante delegação da União. Assertiva falsa. O Tribunal de Contas da União não é órgão de controle da regulação de serviços públicos concedidos, exerce as atribuições de órgão auxiliar do Poder Legislativo Federal, com funções de controle externo da Administração Pública, notadamente, controle financeiro, orçamentário e patrimonial. O papel de regulador de serviços públicos concedidos é das agências reguladoras. No caso de rodovias federais, da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT. Vale observar que o TCU, como órgão de controle externo, tem jurisdição sobre a ANTT. ( ) Um dos primeiros setores brasileiros a experimentar a delegação dos serviços públicos à iniciativa privada, na década passada, foi o de rodovias, pois antes mesmo de ser editada a Lei Geral de Concessões, foi criada a primeira versão do Programa de Concessões de Rodovias Federais. Assertiva verdadeira. Conforme já dissemos em nossas aulas, o programa de concessões de rodovias federais foi, até os dias atuais, extremamente reduzido, sendo que só foram assinados seis contratos de concessões federais nesse segmento. Ocorre que os primeiros contratos de concessão no segmento rodoviário da União foram firmados em 1994, portanto, antes da Lei Geral de Concessões, Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995. Aquelas concessões foram baseadas, sobretudo, na Lei nº 8.666/93. www.pontodosconcursos.com.br 12
  • 13. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA É importante notar, ainda, que o setor de transporte rodoviário no Brasil, apesar de se constituir no principal modal de transportes, no âmbito federal, ainda é praticamente estatal, valendo observar que ao longo de sua história foi desenvolvido e executado por uma autarquia federal chamada Departamento Nacional de Estradas de Rodagem – DNER. Neste setor, não houve criação de empresa estatal responsável pelo desenvolvimento e execução.O financiamento da expansão da malha foi realizado com recursos do Tesouro Nacional e de eventuais empréstimos externos. Em 2001, a Lei nº 10.233 extinguiu o DNER e criou, em seu lugar, o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes – DNIT, agora com funções ampliadas, englobando o desenvolvimento de todos os modais de transporte. ( ) Nem a Lei que dispõe acerca das concessões em geral, nem as normas que regem as concessões em determinadas áreas específicas excluem inequivocadamente a possibilidade da esfera administrativa pública alterar unilateralmente os contratos de concessão e permissão. Assertiva falsa. Nosso comentário, nesse item, tem como base, assim como qualquer outros posicionamentos sobre direito administrativo em nossas aulas, na obra “Direito Administrativo” de Maria Sylvia Zanella Di Pietro (bibliografia utilizada na maioria dos concursos realizados pela ESAF). Não pode o poder público promover alterações unilaterais do objeto do contrato nem deixar de assegurar a manutenção do equilíbrio econômico- financeiro. Vejamos o posicionamento da autora citada: “o concessionário executa o serviço em seu próprio nome e corre os riscos normais do empreendimento; ele faz jus ao recebimento da tarifa, ao equilíbrio econômico da concessão, e à inalterabilidade do objeto; vale dizer que o Poder Público pode introduzir alterações unilaterais no contrato, mas tem que respeitar o seu objeto e assegurar a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro, aumentando a tarifa ou compensando pecuniariamente o concessionário.” Vale observar, ainda, que não existe contrato de permissão, trata-se, na verdade, de ato unilateral e precário do Poder Público, ainda que precedido de licitação. Fico por aqui, até a próxima e bons estudos. www.pontodosconcursos.com.br 13
  • 14. CURSOS ON-LINE POLÍTICAS SOCIAIS E DE INFRA – ESTRUTURA NO BRASIL PROFESSOR PAULO VIEIRA Paulo www.pontodosconcursos.com.br 14