Aula 3 concordancia

5.397 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.397
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
377
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 concordancia

  1. 1. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI SINTAXE DE CONCORDÂNCIA – PARTE 1Hoje começaremos a tratar de um dos pontos mais importantes no estudo daLíngua Portuguesa de forma geral e especialmente para concursos públicos.Infelizmente, há muitas regras nesse ponto do programa, motivo que nos leva adividi-lo em duas partes.Sempre que possível, procuraremos facilitar a sua vida, com dicas e métodos dememorização.CONCORDÂNCIA consiste no mecanismo que leva as palavras a adequarem-seumas às outras harmonicamente na construção frasal.“Concordar” significa “estar de acordo com”. Assim, na concordância, tanto nominalquanto verbal, os elementos que compõem a frase devem estar em consonânciauns com os outros.Essa concordância poderá ser feita de duas formas:- gramatical ou lógica – segue os padrões gramaticais vigentes;- atrativa ou ideológica – dá ênfase a apenas um dos vários elementos, com valorestilístico.CONCORDÂNCIA VERBAL – variação do verbo, conformando-se ao número e àpessoa do sujeito.CONCORDÂNCIA NOMINAL – adequação entre o substantivo e os elementos quea ele se referem (artigo, pronome, adjetivo).Como muitas questões abordam tanto concordância nominal quanto verbal,tornando-se impossível tratar cada uma delas de forma isolada, para tornar maisdidático o nosso estudo, deixamos para a próxima aula a apresentação de questõesde fixação.Isso significa que nossa aula de hoje será teórica, com a apresentação de algumasquestões de prova somente a título exemplificativo.Mas não se preocupe: na próxima semana, as questões envolverão todo oprograma (concordância nominal e verbal) e você poderá praticar bastante.:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Para estudarmos concordância, devemos ter claros os conceitos e funções dealguns termos da oração.De início, lembramos a distinção entre as CLASSES GRAMATICAIS e FUNÇÕESSINTÁTICAS.Costumo dar o seguinte exemplo: JOÃO é uma única pessoa.No entanto, JOÃO pode exercer uma infinidade de funções na sociedade. Em casa,JOÃO é um pai zeloso e marido exemplar. No condomínio em que mora, JOÃO é osíndico e vizinho atencioso. Em seu trabalho, JOÃO é chefe de setor. Na igreja, é oORGANISTA.Assim funcionam as palavras. Em analogia a JOÃO, apresentamos umSUBSTANTIVO (classe gramatical, que não se modifica). Esse substantivo (classegramatical) pode exercer várias funções sintáticas. Pode ser o núcleo do sujeito, oobjeto direto, o objeto indireto, o predicativo do sujeito etc.É como se a classe gramatical fosse JOÃO, e as funções sintáticas fossem “paizeloso”, “marido exemplar”, “síndico”, “chefe”, “organista”, ou seja, a palavrapertence a certa classe gramatical e a função sintática que exerce pode, algumasvezes, variar, a depender da estrutura oracional. www.pontodosconcursos.com.br 1
  2. 2. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIVamos, agora, relembrar a tabela de classe das palavras variáveis e invariáveis,apresentada na Aula 1. CLASSES DE PALAVRAS VARIÁVEIS INVARIÁVEIS Substantivo Advérbio Adjetivo Palavra Denotativa Artigo Preposição Pronome Conjunção Numeral Interjeição VerboFUNÇÕES SINTÁTICASTrata-se de uma noção preliminar. O assunto será explorado na aula própria sobre“Termos da Oração”.São termos essenciais da oração: SUJEITO e PREDICADO.SUJEITO:- SIMPLES - possui apenas um núcleo- COMPOSTO - apresenta mais de um núcleo.- OCULTO - é identificado pela desinência verbal (Andei por estradas) ou por estarexpresso em oração precedente (O Brasil jogou mal e foi eliminado [o Brasil] daCopa do Mundo pela França).- INDETERMINADO - a ação verbal é atribuída a um ser que não é determinado, ouseja, “alguém” praticou a ação. Só não se pode (ou não se quer) designá-lo.- ORAÇÃO SEM SUJEITO - não existe um ser a quem se possa atribuir a açãoverbal.PREDICADO:- VERBAL - Apresenta um verbo que indica uma ação, podendo ser intransitivo,transitivo direto ou indireto.- NOMINAL - Apresenta um verbo de ligação, que indica e possui predicativo dosujeito.- VERBO-NOMINAL - é o predicado que, formado por um verbo intransitivo outransitivo, atribui uma ação ao sujeito e uma qualidade ao sujeito (Predicativo doSujeito) ou ao objeto (Predicativo do Objeto). Estão presentes nesse predicadotanto a ação (própria do predicado verbal) como o estado ou a qualidade (que podeser atribuído ao sujeito ou ao objeto).ELEMENTOS COMPLEMENTARES AO VERBO:- OBJETO DIRETO - é o complemento que se liga ao verbo sem preposiçãoobrigatória.- OBJETO INDIRETO – é o complemento que se liga ao verbo por meio de umapreposição obrigatória.- PREDICATIVO DO SUJEITO - é o termo que, mesmo distante, se refere ao sujeito.Pode estar presente no predicado nominal ou no verbo-nominal.- PREDICATIVO DO OBJETO - é o termo que indica uma qualidade ao objeto, diretoou indireto. Está presente no predicado verbo-nominal. www.pontodosconcursos.com.br 2
  3. 3. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI- AGENTE DA PASSIVA - é o complemento que, na voz passiva com auxiliar,designa o ser que pratica a ação sofrida ou recebida pelo sujeito paciente.ELEMENTOS ACESSÓRIOS - Por ora, só nos interessa um deles.ADJUNTO ADNOMINAL – os elementos vêm junto ao nome para definir ou restringirseu significado. CONCORDÂNCIA NOMINAL. Regra geralA regra geral define que os termos (pronomes, artigos, adjetivos e numerais) quedependem do nome (substantivo) com ele concordam em gênero e número.O que mais nos interessa estudar é a concordância entre ADJETIVOS eSUBSTANTIVOS, por constituírem vários casos de concordância. Os nossos médicos descobriram a cura da doença. Passamos bons momentos juntos. Casos especiaisNo entanto, alguns casos fogem à regra geral. Vejamos como o adjetivo secomporta em cada um dos casos especiais.O adjetivo (CLASSE GRAMATICAL) pode exercer uma das seguintes funçõessintáticas: ADJUNTO ADNOMINAL, PREDICATIVO DO SUJEITO ouPREDICATIVO DO OBJETO.CASO 1: ADJETIVO na função de ADJUNTO ADNOMINALO nome desta função sintática já ajuda a identificá-la: ADJUNTO ADNOMINALsignifica JUNTO AO NOME, ou seja, palavras que vêm junto ao nomecomplementando, designando ou restringindo o seu significado.1.1 - ADJETIVO ANTEPOSTO A MAIS DE UM SUBSTANTIVOAdjetivo anteposto ao substantivo na função de adjunto adnominalconcorda com o mais próximo.BIZU: Para lembrar, memorize que tudo começa com a letra A:Adjetivo Anteposto na função de Adjunto Adnominal concordância Atrativa. Observaram-se boa disciplina, estudo e trabalho. Desfrutei de boas horas e momentos naquele lugar.OBSERVAÇÃO: Se preceder um substantivo como título, prenome,parentesco ou se referir a nomes próprios, inclusive de pessoas ilustres, éempregado SEMPRE no plural. Os irmãos Pedro e Paulo estiveram aqui. Tivemos a presença dos ilustres Celso Cunha e Evanildo Bechara. Ele se referiu aos senhores Magalhães e Peixoto.1.2 - ADJETIVO POSPOSTO A MAIS DE UM SUBSTANTIVOO adjetivo pode ficar no singular (concorda com o mais próximo – CONCORDÂNCIAATRATIVA) ou no plural (concorda com todos os elementos – CONCORDÂNCIAGRAMATICAL). www.pontodosconcursos.com.br 3
  4. 4. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI A vontade e a inteligência humana(s). As conquistas e as descobertas portuguesas.Na norma gramatical, quando os substantivos tiverem gêneros diferentes(masculino e feminino), o masculino prevalece. Pode haver 200 substantivosfemininos e um masculino, e o adjetivo deverá ir para o masculino (viu como oPortuguês é machista???). O carro, a motocicleta e a bicicleta envenenada(os). O trabalho e as realizações conseguidas(os). Defeitos e virtudes verdadeiros(as).1.3 – DOIS OU MAIS ADJETIVOS COM UM SUBSTANTIVO: há trêspossibilidades. Estudamos a civilização grega e romana. Estudamos a civilização grega e a romana. Estudamos as civilizações grega e romana.Esse conceito já foi objeto de prova da Cespe/UnB. Vejamos. (UnB CESPE/Banco do Brasil/2002) Julgue a assertiva abaixo. 3) Seria igualmente correto substituir o trecho “As políticas fiscal e monetária contribuíram” (R.21-22) por A política fiscal e monetária contribuiu, A política fiscal e a monetária contribuíram ou As políticas fiscais e monetárias contribuíram.Este item foi considerado CORRETO. Foram apresentadas as três possibilidades deconcordância entre um substantivo e mais de um adjetivo. Na primeira, os doisadjetivos se ligam ao substantivo e a concordância verbal se faz no singular. Nasegunda forma, individualizou-se cada uma das políticas, levando o verbo para oplural. Na terceira e última construção, apresentou-se o substantivo no plural,flexionando-se o verbo no mesmo número. Todas essas formas estariam corretas.1.4 - O MESMO ADJETIVO EM RELAÇÃO A MAIS DE UM SUBSTANTIVO- Se estes substantivos forem ou puderem ser considerados SINÔNIMOS,ANTÔNIMOS ou formarem GRADAÇÃO das idéias enunciadas, o adjetivo só podepermanecer no SINGULAR, concordando com o mais próximo, quer estejaanteposto ou posposto aos substantivos. Ele sempre teve idéia e pensamento fixo naquela mulher. (SINÔNIMOS) Naquele país, há frio e calor intenso. (ANTÔNIMOS) É preciso dedicação ao carinho, amor e paixão alheia. (GRADAÇÃO)- CUIDADO COM O SENTIDO: algumas vezes, o adjetivo só pode estar sereferindo a um dos substantivos, caso em que deverá concordar com ele.Comprei no supermercado carne e legume fresco / frescos. – A concordância éfacultativa, pois tanto os legumes quanto a carne podem estar frescos. www.pontodosconcursos.com.br 4
  5. 5. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIComprei no supermercado carne e legume verdes. – Opa! Essa carne deve estarestragada. O adjetivo só pode se referir a “legume”, devendo permanecer nosingular: carne e legume verde.Observe, agora, uma ótima questão de prova, aplicada pela NCE/UFRJ(Corregedoria de Justiça do Rio de Janeiro): “...respiração e circulação sangüínea.” ; na Nova gramática do português contemporâneo, p. 265, o prof. Celso Cunha diz: “(Quando o adjetivo vem depois dos substantivos), se os substantivos são do mesmo gênero e do singular, o adjetivo toma o gênero dos substantivos e, quanto ao número, vai: para o singular (concordância mais comum) ou para o plural (concordância mais rara).” Assim sendo: (A) o adjetivo sangüínea poderia também aparecer com a forma sangüíneas; (B) o autor preferiu a concordância mais rara à mais comum; (C) o autor do texto cometeu um erro de concordância; (D) razões semânticas fazem que a única forma possível do adjetivo seja sangüínea; (E) a única forma correta do adjetivo é sangüíneas.O gabarito foi a letra D. Não há possibilidade de o adjetivo sangüíneas se referir arespiração, por razões semânticas. Contudo, muitos candidatos, levados peloenunciado, devem ter marcado a opção A, esquecendo-se do sentido das palavras.1.5 - Algumas palavras especiais:- MESMO, PRÓPRIO, TAL – como PRONOMES DEMONSTRATIVOS, variam paraconcordar com o substantivo a que se referem (os pronomes são, regra geral,variáveis). Elas mesmas não sabiam o porquê.O vocábulo MESMO não se flexiona quando apresentar valor adverbial (advérbiopertence à classe de palavras invariáveis), equivalente a realmente, de fato ou àpalavra invariável até. Elas não sabem o que fazer mesmo (realmente). Mesmo elas, que eram tão experientes, não sabiam o que fazer.O vocábulo TAL também pode se apresentar na expressão TAL QUAL, caso emque cada elemento irá concordar com o substantivo ou pronome a que se referir. Ela queria que sua filha fosse tal quais as primas. Eles se comportam tais quais os pais. Eles se comportam tais qual a mãe.Que tal vermos uma questão de prova sobre isso? Vamos lá. (NCE UFRJ / INCRA / 2005) 28 - Assinale a frase com ERRO de concordância da palavra mesmo: (A) A Portuguesa, mesmo derrotada, não cairá para a segunda divisão; (B) Ela mesma arrumou toda a casa; (C) Joana é teimosa mesmo; www.pontodosconcursos.com.br 5
  6. 6. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI (D) As folhas rasgaram-se por si mesmo; (E) Na mesma praça, no mesmo jardim.Você achou o erro? O gabarito foi a letra D. O correto seria “as folhas rasgaram-sepor si mesmas”, já que o vocábulo é um pronome demonstrativo e, portanto,variável.Nas demais ocorrências, a palavra “mesmo” é:a) palavra denotativa (ainda que derrotada); logo, invariável.b) um pronome demonstrativo corretamente flexionado, concordando com opronome pessoal reto.c) esse “mesmo” tem valor adverbial (ela é realmente teimosa) e, por isso, nãovaria.e) agora, esse pronome está em harmonia com o substantivo “jardim”.- ANEXO, INCLUSO, JUNTO, NENHUM, LESO, OBRIGADO, QUITE: com valoradjetivo, se flexionam em gênero e número de acordo com o termo que modificam.Observação: A locução adverbial em anexo fica invariável. Enviamos anexas as informações / anexos os documentos. Mulheres nenhumas o agradavam. / Eles não são nenhuns santinhos. Estamos quites com você./ Estou quite com você. Vinham inclusas na pasta a carta e a procuração. Elas saem sempre juntas. Aqueles eram crimes de lesa-pátria / de leso-patriotismo / lesas-razões. Vamos bem, obrigados. (gratos, agradecidos)A palavra JUNTO só fica invariável quando faz parte de uma locução prepositiva(preposição faz parte da classe de palavras invariáveis), como junto com / juntoa.Por isso, nada de “nós vamos chegar junto”! O correto seria “nós vamos chegarjuntos”.Até porque você já deve estar meio “velhinho(a)” para usar gírias como “ela(e) nãochega junto” no sentido de “corresponder às expectativas” ou coisas afins...rs...Essa expressão só é admissível na linguagem coloquial vulgar. Nós saímos juntos, almoçamos juntos, mas ele não “chegou junto”. (rs...)Vamos analisar uma questão de prova: (FUNDEC / TJ MG / 2002 - adaptada) Julgue se a assertiva abaixo está de acordo com a norma culta escrita. II. Após um longo período de dificuldades, estou finalmente quites com todos os meus credores.A construção apresenta erro de concordância nominal. O adjetivo “quite” deve seflexionar de acordo com o nome ou pronome a que se refere, no caso ao pronomepessoal reto eu, identificado a partir da desinência verbal (“estou”), ficando nosingular: “...estou finalmente quite com todos os meus credores”. www.pontodosconcursos.com.br 6
  7. 7. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI- SÓ, MEIO, BASTANTE, CARO, BARATO: concordam com o substantivo a que sereferem.Se forem usados como advérbios ou palavras denotativas, ficam invariáveis. Eles estavam sós no apartamento (adjetivo - variável) Ele só quer o nosso bem (= apenas – palavra denotativa - invariável) Aquelas roupas estavam baratas/caras.(adjetivos - variáveis) Os gêneros alimentícios permanecem caros/baratos. (adjetivos – variáveis) Os gêneros alimentícios custam caro/barato.(advérbios - invariáveis) Ela estava meio embriagada pelo sucesso. (advérbio - invariável) Suas idéias eram bastante interessantes.(= muito – advérbio – invariável) Compraram duas meias entradas para o espetáculo. (numeral) Enfrentamos bastantes problemas difíceis. (pronome indefinido – variável)A expressão a sós fica SEMPRE invariável, por ser uma locução adverbial. Ela gosta de estar a sós.A expressão por si só se flexiona com o substantivo ou pronome em referência. As notícias, por si sós, não foram suficientes para acalmá-la.Vamos ver outra questão de prova. (FGV / ALESP / 2002) 14. Assinale a alternativa cuja concordância NÃO está de acordo com os padrões cultos: A. Ela está meio cansada. B. Eles estão meio cansados. C. Eles estão meios cansados. D. Ele está meio cansado.Você deve ter considerado esta questão bem mais fácil que as demais. A palavraMEIO, com valor adverbial, permanece INVARIÁVEL. Na dúvida, tente trocar poroutro advérbio, como MUITO: “Ela está MUITO cansada”, “Eles estão MUITOcansados”. Viu só? Se não houve alteração com MUITO, também não haverá comMEIO.- MENOS - fica SEMPRE invariável, qualquer que seja a sua classificação (pronome,advérbio). Vieram menos pessoas que o esperado.(pronome indefinido) Coma menos.(advérbio)- MONSTRO, ALERTA, PSEUDO – ficam INVARIÁVEIS. Os soldados estavam alerta.(advérbio) Há no governo alguns pseudo-intelectuais.(elemento de composição) Eles eram criaturas monstro.(formado a partir de derivação imprópria, ou seja, originalmente era um substantivo e foi usado como adjetivo). www.pontodosconcursos.com.br 7
  8. 8. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIJá existe registro no Dicionário Eletrônico Aurélio da palavra alerta com valoradjetivo, caso em que se torna variável. Nada lhes escapa, são homens alertas.Para treinarmos, que tal mais uma questão de prova? Vamos lá. (FGV/PREF.ARAÇATUBA/2001) 21. A alternativa correta quanto à concordância nominal é A. A empregada mesmo viu tudo. B. B. Já fiz isso bastante vezes. C. C. Passado a crise, voltaram. D. D. As frutas chegaram meio estragadas.Vamos analisar cada uma das opções:a) O pronome demonstrativo MESMO deve concordar com o nome EMPREGADA. Sevocê estiver achando estranho, troque o nome por um pronome: “Ela mesma viutudo”.b) Os vocábulos MUITO e BASTANTE tanto podem ser pronomes indefinidos comoadvérbios. A diferença está no emprego e na flexão. Os advérbios modificamadjetivos, verbos ou outros advérbios e permanecem invariáveis. Os pronomesindefinidos podem modificar substantivos, concordando com eles em gênero enúmero. Veja agora a que classe de palavra pertence o vocábulo modificado por“BASTANTE”: “Já fiz isso bastante vezes”. Está modificando o substantivo VEZES.Logo, só pode ser um pronome indefinido e deve se flexionar: bastantes vezes(muitas vezes).c) Pergunto a você: o que passou? Resposta: “a crise”. Então o particípio “passado”deve com este substantivo concordar: “Passada a crise”.d) Como já vimos anteriormente, o vocábulo MEIO pode ter valor adverbial, assimcomo o MUITO. Na dúvida, troque um pelo outro para verificar se há flexão. Se nãohouver, confirma-se o emprego como advérbio, e não uma classe de palavrasvariável: “As frutas chegaram muito estragadas” “As frutas chegaram meioestragadas”. Está correta a oração da opção D.1.6. Um e outro / Nem um nem outroCom essas construções, o substantivo permanece no singular, mas o adjetivovai para o plural.BIZU: Como os elementos são ligados por elementos aditivos (E, NEM), há apenasum substantivo se referindo a cada um deles (singular), mas o adjetivo se refere atodos (plural). Houve um e outro homem escolhidos para o cargo. O delegado não apurou nem um nem outro crime praticados. Um e outro alimento naturais.Se você estiver achando essa construção feia, espere até chegar a hora de falarmossobre a concordância verbal nesses casos !!! www.pontodosconcursos.com.br 8
  9. 9. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI1.7 mais / menos O(S) / A(S) melhor(es) / pior(es) possível(eis) maior(es) / menor(es) qualquer adjetivoO adjetivo “possível” segue o que indica o artigo “o/a/os/as”.Se estiver no plural (os/as), o adjetivo “possível” também se flexiona (possíveis).Se ficar no singular (o/a), assim também fica o adjetivo (possível).BIZU: A expressão “o mais possível” pode ser considerada uma locução adverbial(invariável), equivalente a “muito” ou “bastante”, enquanto que a expressão osmais possíveis poderia ser considerada uma locução adjetiva (variável),equivalente a um superlativo. Conheci mulheres o mais encantadoras possível. (muito encantadoras) Havia mestres os mais inteligentes possíveis. (inteligentíssimos)1.8. A olhos vistosEssa expressão pode ficar invariável (locução adverbial) ou a palavra vistoconcordar com o substantivo a que se refere. Ela tem piorado a olhos vistos / a olhos vista.1.9. Haja vistaEssa expressão está sempre certa quando invariável, equivalente a “Veja”.Uma outra possibilidade de construção é com o substantivo vista (INVARIÁVELSEMPRE!) e o verbo se flexionando de acordo com o substantivo que se segue. Haja vista o resultado. Haja vista / Hajam vista os resultados. Haja vista / Hajam vista as dificuldades por que passamos.Uma terceira forma, apresentada por alguns autores, é INVARIÁVEL com apreposição “a” ou “de”. Haja vista ao resultado. Haja vista do resultado.Não é possível nenhuma construção com “visto”, provavelmente resultante de“contaminação” das expressões “visto que” ou “visto como”.BIZU: Uma boa maneira de lembrar as duas últimas regras é: enquanto nocaso 1.8 quem pode se flexionar é VISTO (“a olhos vistos / vista / visto /vistas), no 1.9 essa palavra é INFLEXÍVEL (“haja / hajam vista).Para encerrar esta parte, vamos resolver mais uma questão de prova. www.pontodosconcursos.com.br 9
  10. 10. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI (BESC ADVOGADO/ 2004) Assinale a alternativa aceitável segundo a norma culta. (A) Ela mesmo quis se apresentar para a diretoria. (B) Há bastante coisas a serem feitas antes da chegada do nosso diretor. (C) Aqueles funcionários são o mais capacitados possível. (D) Eles pediram emprestado a caixa de documentos. (E) Anexo segue os documentos.O gabarito foi a letra C. Note que o adjetivo “possível” segue a flexão do artigo “o”– tudo no singular.Os erros das demais opções são:a) “Ela mesma quis se apresentar para a diretoria.” – o pronome demonstrativodeve concordar com o nome/pronome a que faz referência.b) Agora, o vocábulo “bastante” é um pronome indefinido. Na dúvida, troque por“muito” e veja como ficaria: “Há muitas coisas...” “Há bastantes coisas...”.d) O adjetivo “emprestado” deve concordar com o objeto direto “caixa dedocumentos”, cujo núcleo é representado por caixa. Assim, a forma correta seria:“Eles pediram emprestada a caixa de documentos”. Esse é um dos casos deADJETIVO na função de PREDICATIVO DO OBJETO, a ser analisado no “Caso 3”,mais adiante.e) O vocábulo “anexo” tem valor adjetivo, devendo concordar com o substantivocorrespondente. Além desse erro, houve também um de concordância verbal, jáque o sujeito é “os documentos”, mas esse é assunto para a próxima aula. A formacorreta seria: “Anexos seguem os documentos”.Caso 2 - ADJETIVO na função de PREDICATIVO DO SUJEITOEm predicados nominais, com verbos de ligação (Eles parecem preocupados. / Elasestão tristes.), ou em predicados verbo-nominais, com verbos indicativos de açãoassociados a adjetivos que se referem ao sujeito (Eles saíram do escritóriopreocupados. / Elas passaram a tarde tristes.), temos a função sintática depredicativo do sujeito.Essa função, que pode ser exercida por um substantivo ou um adjetivo, mesmodistante, atribui ao sujeito um estado, condição, característica.Nesses casos, o adjetivo não decide nada sozinho. Ele sempre vai seguir o caminhoque o verbo escolher.2.1. Sujeito composto anteposto:Quando o sujeito composto é apresentado antes do verbo, segue-se a regra geral– o verbo e o adjetivo concordam com o sujeito. O amor e a compreensão humanos estavam mortos.2.2. Sujeito composto posposto: adjetivo concorda com o verbo.Esta concordância nominal se reporta a uma regra da concordância verbal. Quandoo sujeito composto vem após o verbo, fora da ordem direta (ou seja, primeiro vemo predicado e depois o sujeito), o verbo pode concordar com o primeiro elementodo sujeito composto (concordância atrativa) ou com todos eles (concordânciagramatical). www.pontodosconcursos.com.br 10
  11. 11. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIO adjetivo seguirá a decisão do verbo. Se o verbo for para o plural, assim seflexionará o adjetivo. Se o verbo realizar a concordância com o primeiro elemento,com ele o adjetivo concordará em gênero e número. Estava morto o amor e a compreensão humana/humanos. Estava morta a compreensão e o amor humano/humanos. Estavam mortos o amor e a compreensão humana/humanos.2.3. Sujeito não-determinado: se o sujeito se mostra vago, genérico, o adjetivofica invariável em expressões com “é preciso”, “é bom”, “é necessário” eequivalentes. É proibido entrada de estranhos. Cerveja preta é bom para as lactantes..2.4. Sujeito determinado: a flexão do adjetivo se torna possível quando, nessasconstruções, o sujeito está acompanhado de um determinante (numeral, artigo,pronome). É proibida a entrada de estranhos. Esta cerveja é boa para as lactantes.Caso 3: ADJETIVO na função de PREDICATIVO DO OBJETO:Os verbos que permitem esse tipo de construção são os chamados verbostransobjetivos. Além de serem transitivos diretos, deles se exige mais algumainformação, trazida pelo elemento que exerce a função de predicativo do objeto(transobjetivo = vai além do objeto predicativo do objeto).São verbos como julgar, considerar, chamar, encontrar e outros. Não se podedispensar a informação trazida pelo predicativo do objeto, sob risco de seprejudicar a coerência oracional. O júri considerou o réu....Você percebeu que ficou faltando alguma coisa? Aquilo que se diz a respeito do réu(o que foi considerado a seu respeito) é o elemento que exerce essa função depredicativo do objeto.Uma boa maneira de se distinguir o adjetivo que exerce a função de adjuntoadnominal daquele que exerce a função de predicativo do objeto é substituir osubstantivo (objeto direto) por um pronome átono correspondente. Exemplo:a) Contexto: Havia muitos dias que meu cavalo de estimação morrera, mas seucorpo não havia sido encontrado. Até que, um dia, andando pelo campo...encontrei o cavalo morto encontrei-o.Quando o adjetivo acompanha o substantivo e todos os dois – substantivo eadjetivo - são substituídos pelo pronome, o adjetivo estará exercendo a função deadjunto adnominal. www.pontodosconcursos.com.br 11
  12. 12. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIb) Contexto: Havia muitos dias que meu cavalo de estimação sumira. Ninguémsabia de seu paradeiro. Até que, um dia, andando pelo campo... encontrei ocavalo morto encontrei-o morto.Neste caso, o adjetivo permanece na oração, mesmo após a troca do substantivopelo pronome. Isso significa que essa informação é necessária para a compreensãopelo leitor/ouvinte. A função exercida pelo adjetivo, neste caso, é a de predicativodo objeto.Agora que o significado da função de predicativo do objeto foi apresentado,voltaremos a falar sobre a concordância nominal com o adjetivo que exerce estafunção. É bem simples.Se o adjetivo estiver na função de PREDICATIVO DO OBJETO QUALQUER QUESEJA SUA POSIÇÃO EM RELAÇÃO AO SUBSTANTIVO (anteposto ou posposto), aúnica concordância admitida é a gramatical (com todos os elementos). Exemplo:Encontrei o cavalo e a vaca mortos / Encontrei mortos a vaca e o cavalo.3.1. Objeto simples: adjetivo concorda em gênero e número. Encontrei tristonha a mulher abandonada.3.2. Objeto composto: adjetivo fica no plural, independentemente de estaranteposto ou posposto. Como sempre, havendo gêneros diferentes, prevalece omasculino (é a vida, fazer o quê???). Encontrei tristonhos a mulher e o rapaz.Você ainda se lembra do comentário à questão de prova ao fim do item 3.2? Omote era a expressão “pedir emprestado”. Então, vamos analisar uma outraquestão de prova, desta vez elaborada pela Fundação João Goulart. (PGM RJ/2004) Há má construção gramatical quanto à concordância em: A) Os médicos consideravam inevitável nos pacientes pequenas alterações psicológicas. B) As internações por si sós já causam certos distúrbios psicológicos aos pacientes. C) Uma e outra alteração psicológica podem afetar os pacientes hospitalizados. D) Distúrbios e alterações psicológicos são normais em pacientes hospitalares.O gabarito foi a letra A. Observe um clássico caso de verbo transobjetivo –CONSIDERAR.Eu considero aquele rapaz....Ficou faltando alguma coisa, não é? O que faltou foi o predicativo do objeto, ouseja, o que se refere àquele rapaz, a consideração que fazemos dele.Na construção “Os médicos consideravam inevitável nos pacientes pequenasalterações psicológicas”, pergunta-se: o que era inevitável?Resposta: “pequenas alterações psicológicas”. www.pontodosconcursos.com.br 12
  13. 13. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKIComo o núcleo do objeto direto é alterações, o adjetivo, na função de predicativodo objeto, deve se flexionar em número plural: “Os médicos consideravaminevitáveis nos pacientes pequenas alterações psicológicas.”.Caso 4: DISTINÇÃO ENTRE MIL, MILHÃO E MILHARES.4.1) MIL – Quando você preenche um cheque no valor de R$ 1.000,00, tenhocerteza de que coloca o “um” antes de “mil”, acertei?Tudo bem que você faça isso para evitar fraudes, mas, na hora da prova, esqueçaesse hábito. Neste caso, o numeral vem sozinho (mil reais). A partir de “dois”, onumeral concorda com o substantivo: duas mil mulheres / dois mil homens.4.2) MILHÃO - O numeral milhão, como os demais numerais, pertence à classedas palavras variáveis. Assim, deverá concordar com a parte inteira do numeralcardinal a ele relacionado. Aquela empresa investiu 1,5 milhão de reais em novos equipamentos.O artigo e o numeral que o antecederem devem concordar com ele, no masculino: Os dois milhões de árvores plantadas agora recobrem toda a área.Veja agora uma questão da prova da ESAF sobre o assunto (AFC STN/2002 -adaptada). Um emprego novo na indústria siderúrgica custa 1,4 milhão de reais. No varejo, um único emprego exige o dispêndio de algo em torno de 30.000 reais: o custo do espaço na loja, do balcão e do estoque de mercadorias. Julgue a asserção abaixo em seus aspectos gramaticais. b) À linha 1 seria também correto escrever-se 1,4 milhões de reais.Estaria incorreta a concordância em “1,4 milhões de reais”. Como a parte inteira érepresentada pelo algarismo ‘1’, o numeral milhão deverá ficar no singular: “1,4milhão de reais”.4.3) MILHARES – Pode ser classificado como numeral ou substantivo. De qualquerforma, é MASCULINO, devendo permanecer neste gênero qualquer que seja o seucomplemento. Muitos dos milhares de batidas de trânsito são fruto da imprudência.Como esse assunto já caiu em prova? Vejamos uma questão elaborada pela ESAF. (TCE RN/2000) Nas questões seguintes, marque o item sublinhado que apresenta erro gramatical ou de ortografia. Acredito que a maior parte dos senhores sabe(A) que a Secretaria de Educação é gigantesca; por isso(B) se tem muita dificuldade de gerencia- mento. É composta(C) por 1,3 milhões(D) de alunos. Esta quantidade de alunos é maior do que (E) a população de muitas capitais no Brasil. a) A b) B c) C d) D www.pontodosconcursos.com.br 13
  14. 14. CURSOS ON-LINE – PORTUGUÊS – CURSO REGULAR PROFESSORA CLAUDIA KOZLOWSKI e) EO gabarito foi a letra D. Como a parte inteira é representado pelo algarismo ‘1’, onumeral milhão, que pertence à classe das palavras variáveis, deverá concordarcom ele, ficando no singular – “1,3 milhão de alunos”.Na próxima aula, estudaremos os casos de concordância verbal e teremosuma bateria de questões de prova para a fixação.Até lá. www.pontodosconcursos.com.br 14

×