SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
| 1P á g i n a
Caderno de formação #4
| 2P á g i n a
Caderno de formação #4
REDEFININDO O ANARQUISMO:
Este caderno de formação como os anteriores está baseado teoricamente na dissertação
de mestrado do militante anarquista Felipe Corrêa intitulada: Rediscutindo o
anarquismo, onde o autor fará uma análise das vertentes teóricas anarquistas, o
surgimento delas e a presença desta em fatos históricos importantes da humanidade.
Partindo da definição básica do anarquismo:
O anarquismo é uma ideologia socialista e revolucionária que se
fundamenta em princípios determinados, cujas bases se definem a partir
de uma crítica da dominação e de uma defesa da autogestão; em
termos estruturais, o anarquismo defende uma transformação social
fundamentada em estratégias, que devem permitir a substituição de um
sistema de dominação por um sistema de autogestão. (Corrêa, F. 2012,
p.79)
Percebemos que surgem categorias essências para a construção desta definição que se
encontram em negrito na citação, e também um pilar que seria a defesa da autogestão
contra a dominação, entendida aqui dominação como a relação hierárquica típico das
sociedades de classe e/ou institucionalizadas burocraticamente.
O método para se chegar à autogestão é a revolução, onde os atores deste processo são
os agentes sociais das classes dominadas transformando sua capacidade de realização
em força social e por meio de um conflito destas classes dominadas contra as classes
dominantes que usarão seus aparatos estatais de um modo geral para impedirem que a
transformação se efetue.
A força social é construída a partir de um processo de consciência de classe e
construção da autogestão em microesferas sociais como, por exemplo, em locais de
trabalho, movimentos sociais, escolas populares etc. estimulando a participação, a
horizontalidade entre os indivíduos, ou seja, a igualdade para todos, e construir as lutas
de baixo para cima. A sociedade de classes não pode ser um empecilho para
construirmos aquilo que almejamos, pois os nossos fins devem ser fiéis aos meios que
utilizamos para tal, isto é, só se chega a autogestão a partir da própria autogestão dentro
do processo revolucionário.
Antes de darmos continuidade na definição, deixemos claro o que são três esferas
sociais que o autor usa para demonstrar onde se manifestam a dominação, classes
sociais, poder etc. estas esferas são: político/jurídico/militar, econômica e
cultural/ideológica/midiática. Vale ressaltar que a realidade não é bem dividida com
estes termos e um afastado do outro, porém estas divisões são importantes teoricamente
para entendermos o contexto que estamos inclusos ou analisar fatos históricos.
| 3P á g i n a
Caderno de formação #4
Categorias centrais e conceitos acessórios:
 Ideologia:
Entende-se como ideologia como o conjunto ideias, aspirações, sentimentos e
motivações que interagem com as intervenções políticas. (FAU, 2009a/b) Por este
motivo o anarquismo é uma ideologia socialista revolucionária, pois está pautada em
uma estratégia e um ideal produto do movimento de massas, e jamais dissociável da
prática. A ideologia também pode ser entendida de um modo mais sintético como a
relação da teoria e da prática, e por este motivo não há indivíduo “aideológico” que se
apoie somente no pensamento ou somente na ação.
A ideologia anarquista está embasada numa leitura da realidade denominada teoria que
explicaremos a seguir, e a partir destas montar uma estratégia coerente com seus
objetivos revolucionários. Não confundir o conceito de ideologia com o que Stoppino
(2004a, p.585-587) denominado “significado forte” de ideologia como uma crença
falsa, ou seja, uma falsa consciência de uma crença política.
 Ideologia e teoria:
A ideologia está relacionada com aspectos não-científicos como valores, motivações,
aspirações, enquanto a teoria busca fazer uma análise racional e profunda da realidade
aproximando ao máximo da ciência. Estes são conceitos totalmente distintos, a
ideologia seria uma prática política de intervenção da realidade, enquanto a teoria um
modo de compreensão.
Estas duas podem fazer uma ponte de relação, mas mantendo a distinção de ambas. O
anarquismo constitui uma ideologia baseada em vários métodos de análise e teorias
distintas sejam elas materialistas, idealistas, estruturalistas, indutivo-dedutivos que
consideram muitas vezes algumas esferas de maior relevância uma sobre a outra.
Os diversos modos teóricos-metodológicos usados pelo anarquismo durante sua história
não torna uns menos anarquistas que outros, mas na verdade isso fortalece o
antidogmatismo e a colaboração que um método pode oferecer aos outros, e como cada
método pode ser mais eficiente dependendo do contexto histórico a ser discutido.
O que estas abordagens têm em comum, é que a sociedade está dividida em classes
sociais e que isto é negativo para o processo de evolução social e emancipação humana
para uma sociedade justa no sentido de igualdade, sem a necessidade de autoridades e
de indivíduos que possuam mais poder do que outros.
Mesmo por possuir teorias minuciosas e científicas da realidade social, o anarquismo
não pode ser considerado uma teoria, e sim uma ideologia, pois está baseada em um
conjunto de valores éticos, sentimentos, práticas, aspirações que são elementos
subjetivos que extrapolam a ciência. Não há então como construir um “socialismo
| 4P á g i n a
Caderno de formação #4
científico” como se o socialismo fosse um determinismo social, pois para chegarmos
neste fim vai depender das nossas ações no mundo de intervir politicamente. De um
modo geral, a ciência estuda os fatos: Aquilo que aconteceu, o que está acontecendo e o
que necessariamente deve acontecer. Enquanto a ideologia depende da ação do
indivíduo para que se torne realidade.
Os embates teóricos entre os anarquistas não foi somente entre análises idealistas ou
materialistas, mas também em qual das três esferas predomina sobre as outras, para
Bakunin a predominância da economia (infraestrutura) diante as outras, mas isso não
significa um determinismo, pois as outras esferas podem intervir na economia. Isto é, a
relação entre ambas se dá de forma dialética, mesmo que a economia seja fundamental e
mais importante a esfera ideológica/midiática/cultural e a esfera político/jurídica/militar.
Kropotkin ao fazer sua teoria do Direito põe no mesmo patamar a esfera econômica e a
política que caminham de mãos dadas, pois o Direito serviu para garantir a propriedade
privada e os privilégios de classe dos dominantes e que impede a revolta dos miseráveis.
Estas duas abordagens podem ser consideradas materialistas, onde há a “primazia dos
fatos diante as ideias” (Bakunin 2000ª, p. 14). Mas para entendermos o motivo de serem
materialistas devemos entender o contexto histórico desses dois ícones do anarquismo.
O contexto de surgimento do socialismo de um modo geral no século XIX foi marcado
por uma produção do conhecimento que superasse a vigente: metafísica e idealista.
Então houve a necessidade de se entender a Realidade a partir dos fatos, e não mais a
partir do ideal, surgindo assim tanto o materialismo, como o positivismo
posteriormente. No entanto, o século XX demonstrou que os fatores objetivos também
possuem uma influencia sobre os fatos, e que a esfera ideológica não é tão passiva como
se imaginava.
 Estratégia:
A estratégia pode ser entendida como a compreensão teórica da atual situação em que
nos encontramos, quais são os fins que almejamos e quais os métodos usados para
chegar a estes fins. No caso dos anarquistas a condição atual da sociedade é a
dominação e o objetivo é a autogestão, cabe a estratégia buscar os meios mais eficazes
para chegar a ela.
Os anarquistas ao longo da história também divergiram das formas estratégicas, mas
sempre mantendo o aspecto da coerência entre objetivos, táticas e fins.
 Força Social:
Como foi dito anteriormente, a força social é a força motriz para a realização de nossos
objetivos, e ela vem do agrupamento de indivíduos (agentes sociais) que compartilham
da mesma condição de explorados, ou seja, da mesma classe social visando mudanças.
| 5P á g i n a
Caderno de formação #4
A força social não significa somente violência no sentido político, mas que ela participe
das três esferas sociais. O papel da força social pode ser tanto para reforçar o status-quo
como para modificá-lo como é no caso das teorias socialistas de maneira geral.
 Poder:
Entendesse como poder aqui como a “assimetria nas relações de força” (TOMÁS
IBÁÑEZ, 2007a, p.43-44) envolvendo todos os indivíduos e as relações sociais, sendo
dinâmica e conflituosa, onde uma força irá preponderar sobre a outra.
O Anarquismo não é a extinção do poder, mas sim a divisão do poder, onde ampliasse a
participação dos indivíduos nos problemas do coletivo, sem a intervenção de um
indivíduo ou instituição soberana que anule o poder político de cada agente social,
construindo assim a autogestão que contrapõe a dominação na qual é fundamentada na
hierarquia.
A hierarquia é uma ferramenta essencial para o mantimento da sociedade de classes, por
onde uma minoria irá dominar e alienar as massas. E é por isso que o Anarquismo trás a
autogestão como alternativa de superação desta verticalidade social mantida pelo Estado
que faz o papel de comitê executivo da classe dominante e usa de meios coercivos para
tal.
A autogestão então é a ampliação da participação dos agentes sociais nas decisões que
afetam tanto o agente, como o coletivo.
 Classes sociais:
As classes sociais existem por decorrência da dominação e não só existem nas relações
econômicas que geram mais-valia como também nas outras duas esferas sociais.
De um modo mais geral a sociedade está dividida em dois tipos de classes: As
dominantes e as dominadas. As dominantes expropriam o subproduto produzido pelas
classes dominadas denominada mais-valia, esta relação econômica é denominada
exploração, mas ela não explica totalmente a dominação classista.
Os interesses dessas duas classes são contraditórios, os dominadores querem ampliar o
seu domínio, enquanto os dominados querem ampliar sua participação gerando assim o
conflito social, ou seja, a luta de classes. Para que se chegar ao socialismo libertário, as
classes dominadas devem compreender e manifestas os seus interesses (consciência de
classe) e através da força social gerar a transformação social e modificar toda a
conjuntura.
REFERÊNCIAS:
CORRÊA, Felipe. REDISCUTINDO O ANARQUISMO: Uma abordagem teórica.
2012. 275f. (Dissertação de mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
| 6P á g i n a
Caderno de formação #4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
Lucio Braga
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
retkelly
 
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do BrasilTrabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
Lilian Mascarenhas
 

Mais procurados (20)

Habermas, jürgen. direito e democracia (volume ii)
Habermas, jürgen. direito e democracia (volume ii)Habermas, jürgen. direito e democracia (volume ii)
Habermas, jürgen. direito e democracia (volume ii)
 
229094384.gohn teoria dos movimientos sociais
229094384.gohn   teoria dos movimientos sociais229094384.gohn   teoria dos movimientos sociais
229094384.gohn teoria dos movimientos sociais
 
Gramsci historia e hegemonia
Gramsci   historia e  hegemoniaGramsci   historia e  hegemonia
Gramsci historia e hegemonia
 
O poder da ideologia
O poder da ideologiaO poder da ideologia
O poder da ideologia
 
Ciência Política: Introdução
Ciência Política: IntroduçãoCiência Política: Introdução
Ciência Política: Introdução
 
Questões Objetivas sobre Max Weber
Questões Objetivas sobre Max WeberQuestões Objetivas sobre Max Weber
Questões Objetivas sobre Max Weber
 
4 weber e a educacao
4   weber e a educacao4   weber e a educacao
4 weber e a educacao
 
04 gramsci
04 gramsci04 gramsci
04 gramsci
 
O pensamento weberiano
O pensamento weberianoO pensamento weberiano
O pensamento weberiano
 
Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert CoxA Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
A Teoria Crítica pelos olhos de Robert Cox
 
Retórica e democracia
Retórica e democraciaRetórica e democracia
Retórica e democracia
 
O momento gramsciano
O momento gramscianoO momento gramsciano
O momento gramsciano
 
Sociedade alemã a contribuição de max weber
Sociedade alemã   a contribuição de max weberSociedade alemã   a contribuição de max weber
Sociedade alemã a contribuição de max weber
 
Pilulas democraticas 6 Lado
Pilulas democraticas 6  LadoPilulas democraticas 6  Lado
Pilulas democraticas 6 Lado
 
Pensamento sociológico
Pensamento sociológicoPensamento sociológico
Pensamento sociológico
 
A sociologia de max weber
A sociologia de max weberA sociologia de max weber
A sociologia de max weber
 
Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09Atividadetres 121203202245-phpapp09
Atividadetres 121203202245-phpapp09
 
Introdução à Ciência Política
Introdução à Ciência PolíticaIntrodução à Ciência Política
Introdução à Ciência Política
 
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do BrasilTrabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
Trabalho Análise Metodológica Livro de Jorge Ferreira - Trabalhadores do Brasil
 

Destaque

English twitter 06
English twitter 06English twitter 06
English twitter 06
jotavazquez
 
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdfRevista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
Camping PAERVE
 
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
orixe4maila
 
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
orixe4maila
 

Destaque (17)

English twitter 06
English twitter 06English twitter 06
English twitter 06
 
New paytren presentasi
New paytren presentasiNew paytren presentasi
New paytren presentasi
 
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdfRevista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
Revista gestão agroecológica do camping do PARVE - pdf
 
INTI2016 161124 Zakat ... l’émergence d’une finance alternative
INTI2016 161124 Zakat ... l’émergence d’une finance alternativeINTI2016 161124 Zakat ... l’émergence d’une finance alternative
INTI2016 161124 Zakat ... l’émergence d’une finance alternative
 
Newsletter n°1 dédié à la gestion des DAS
Newsletter n°1 dédié à la gestion des DAS Newsletter n°1 dédié à la gestion des DAS
Newsletter n°1 dédié à la gestion des DAS
 
Bloque 3 expansión en américa y el pacífico
Bloque 3 expansión en américa y el pacíficoBloque 3 expansión en américa y el pacífico
Bloque 3 expansión en américa y el pacífico
 
INTI2016 161125 Atout Ei - Les entreprises d’insertion
INTI2016 161125 Atout Ei - Les entreprises d’insertionINTI2016 161125 Atout Ei - Les entreprises d’insertion
INTI2016 161125 Atout Ei - Les entreprises d’insertion
 
INTI2016 161125 Quelle intelligence collective autour des coopérations inter...
INTI2016 161125 Quelle intelligence collective autour des coopérations inter...INTI2016 161125 Quelle intelligence collective autour des coopérations inter...
INTI2016 161125 Quelle intelligence collective autour des coopérations inter...
 
INTI2016 161124 Intelligencia territorial para la recuperacion de las dinamic...
INTI2016 161124 Intelligencia territorial para la recuperacion de las dinamic...INTI2016 161124 Intelligencia territorial para la recuperacion de las dinamic...
INTI2016 161124 Intelligencia territorial para la recuperacion de las dinamic...
 
INTI2016 161124 La catalysation de l’Economie Sociale et Solidaire à travers...
INTI2016 161124 La catalysation de l’Economie Sociale et Solidaire à travers...INTI2016 161124 La catalysation de l’Economie Sociale et Solidaire à travers...
INTI2016 161124 La catalysation de l’Economie Sociale et Solidaire à travers...
 
INTI2016 161124 Intelligence and Territorial Justice Agenda in La Plata, Ense...
INTI2016 161124 Intelligence and Territorial Justice Agenda in La Plata, Ense...INTI2016 161124 Intelligence and Territorial Justice Agenda in La Plata, Ense...
INTI2016 161124 Intelligence and Territorial Justice Agenda in La Plata, Ense...
 
bscience integration A4 report
bscience integration A4 reportbscience integration A4 report
bscience integration A4 report
 
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (AQUARIUMA)
 
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
ALDE ZAHARREKO GIDA TURISTIKOA (festak)
 
INTI2016 161124 Analyse qualitative de la contribution de l’action citoyenne ...
INTI2016 161124 Analyse qualitative de la contribution de l’action citoyenne ...INTI2016 161124 Analyse qualitative de la contribution de l’action citoyenne ...
INTI2016 161124 Analyse qualitative de la contribution de l’action citoyenne ...
 
Agricultura: Los grandes desafíos
Agricultura: Los grandes desafíosAgricultura: Los grandes desafíos
Agricultura: Los grandes desafíos
 
Resume - Narasimha Rao B V (TCS)
Resume - Narasimha  Rao B V (TCS)Resume - Narasimha  Rao B V (TCS)
Resume - Narasimha Rao B V (TCS)
 

Semelhante a Grupo de estudos anarquistas josé oiticica

Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
joao paulo
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
FARLEY DE OLIVEIRA
 
A terceira dimensão do poder
A terceira dimensão do poderA terceira dimensão do poder
A terceira dimensão do poder
Herbert Schutzer
 
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relaçõesUnidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
Dejalma cremonese
 
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
BlackBlocRJ
 
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
Sérgio Braga
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Daniele Rubim
 

Semelhante a Grupo de estudos anarquistas josé oiticica (20)

Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013Filosofia e sociologia enem 2013
Filosofia e sociologia enem 2013
 
Apresntação de slide,tema "Filosofia politica,poder e Estado"
Apresntação de slide,tema "Filosofia politica,poder e Estado"Apresntação de slide,tema "Filosofia politica,poder e Estado"
Apresntação de slide,tema "Filosofia politica,poder e Estado"
 
Política, poder e Estado
Política, poder e EstadoPolítica, poder e Estado
Política, poder e Estado
 
Boletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeauBoletim da ufmg patrick charaudeau
Boletim da ufmg patrick charaudeau
 
A terceira dimensão do poder
A terceira dimensão do poderA terceira dimensão do poder
A terceira dimensão do poder
 
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relaçõesUnidade 1   a dissolução do poder – sociologia das relações
Unidade 1 a dissolução do poder – sociologia das relações
 
Bloco de atividade iii 2ºano
Bloco de atividade iii 2ºanoBloco de atividade iii 2ºano
Bloco de atividade iii 2ºano
 
Trabalho de politicas publicas
Trabalho de politicas publicasTrabalho de politicas publicas
Trabalho de politicas publicas
 
Ciência política
Ciência políticaCiência política
Ciência política
 
Boaventura de souza santos
Boaventura de souza santosBoaventura de souza santos
Boaventura de souza santos
 
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
Movimentos sociais, Burocratização e Poder Popular Da Teoria à Prática - Feli...
 
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 faseConhecimentos específicos sociologia 1 fase
Conhecimentos específicos sociologia 1 fase
 
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
02 magda e viritiana-os paradigmas da análise politica
 
POLITICA.pptx
POLITICA.pptxPOLITICA.pptx
POLITICA.pptx
 
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensivaSociologia   positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
Sociologia positivismo, marxismo e sociologia compreensiva
 
Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola
Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanholaNatalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola
Natalia montebello invenções econômicas libertárias na revolução espanhola
 
sociologia
sociologiasociologia
sociologia
 
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptxPRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
 
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência PolíticaCapítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
 
Mudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e EstéticaMudanças Sociais- Política e Estética
Mudanças Sociais- Política e Estética
 

Mais de moratonoise

Mais de moratonoise (20)

Plataforma internacional do_anarquismo_revolucionario
Plataforma internacional do_anarquismo_revolucionarioPlataforma internacional do_anarquismo_revolucionario
Plataforma internacional do_anarquismo_revolucionario
 
Pietro ferrua a breve existência da seção brasileira do centro internacional ...
Pietro ferrua a breve existência da seção brasileira do centro internacional ...Pietro ferrua a breve existência da seção brasileira do centro internacional ...
Pietro ferrua a breve existência da seção brasileira do centro internacional ...
 
Pierre joseph proudhon sobre o princípio da associação
Pierre joseph proudhon sobre o princípio da associaçãoPierre joseph proudhon sobre o princípio da associação
Pierre joseph proudhon sobre o princípio da associação
 
Rodrigo rosa-da-silva-a-federac3a7c3a3o-operaria-de-sc3a3o-paulo
Rodrigo rosa-da-silva-a-federac3a7c3a3o-operaria-de-sc3a3o-pauloRodrigo rosa-da-silva-a-federac3a7c3a3o-operaria-de-sc3a3o-paulo
Rodrigo rosa-da-silva-a-federac3a7c3a3o-operaria-de-sc3a3o-paulo
 
Proudhon p-j.-sociedade-sem-autoridade
Proudhon p-j.-sociedade-sem-autoridadeProudhon p-j.-sociedade-sem-autoridade
Proudhon p-j.-sociedade-sem-autoridade
 
Proudhon filosofia-da-miseria
Proudhon filosofia-da-miseriaProudhon filosofia-da-miseria
Proudhon filosofia-da-miseria
 
Principio da autoridade
Principio da autoridadePrincipio da autoridade
Principio da autoridade
 
Republica francesa federacao_revolucionaria_das_comunas
Republica francesa federacao_revolucionaria_das_comunasRepublica francesa federacao_revolucionaria_das_comunas
Republica francesa federacao_revolucionaria_das_comunas
 
Os grandes escritos anarquistas
Os grandes escritos anarquistasOs grandes escritos anarquistas
Os grandes escritos anarquistas
 
Os arquitetos da ordem anárquica
Os arquitetos da ordem anárquicaOs arquitetos da ordem anárquica
Os arquitetos da ordem anárquica
 
O pensamento-político-de-bakunin
O pensamento-político-de-bakuninO pensamento-político-de-bakunin
O pensamento-político-de-bakunin
 
O sistema das_contradicoes_economicas
O sistema das_contradicoes_economicasO sistema das_contradicoes_economicas
O sistema das_contradicoes_economicas
 
O sistema capitalista
O sistema capitalistaO sistema capitalista
O sistema capitalista
 
O que e_ideologia
O que e_ideologiaO que e_ideologia
O que e_ideologia
 
O que e_a_propriedade
O que e_a_propriedadeO que e_a_propriedade
O que e_a_propriedade
 
O principio anarquista_e_outros_ensaios
O principio anarquista_e_outros_ensaiosO principio anarquista_e_outros_ensaios
O principio anarquista_e_outros_ensaios
 
O organismo economico_da_revolucao-revolucao_e_autogestao_na_guerra_civil_esp...
O organismo economico_da_revolucao-revolucao_e_autogestao_na_guerra_civil_esp...O organismo economico_da_revolucao-revolucao_e_autogestao_na_guerra_civil_esp...
O organismo economico_da_revolucao-revolucao_e_autogestao_na_guerra_civil_esp...
 
O 4o congresso_do_rio_grande_do_sul_visto_por_domingos_passos
O 4o congresso_do_rio_grande_do_sul_visto_por_domingos_passosO 4o congresso_do_rio_grande_do_sul_visto_por_domingos_passos
O 4o congresso_do_rio_grande_do_sul_visto_por_domingos_passos
 
O principe
O principeO principe
O principe
 
Nestor makhno a revolução anarquista
Nestor makhno a revolução anarquistaNestor makhno a revolução anarquista
Nestor makhno a revolução anarquista
 

Grupo de estudos anarquistas josé oiticica

  • 1. | 1P á g i n a Caderno de formação #4
  • 2. | 2P á g i n a Caderno de formação #4 REDEFININDO O ANARQUISMO: Este caderno de formação como os anteriores está baseado teoricamente na dissertação de mestrado do militante anarquista Felipe Corrêa intitulada: Rediscutindo o anarquismo, onde o autor fará uma análise das vertentes teóricas anarquistas, o surgimento delas e a presença desta em fatos históricos importantes da humanidade. Partindo da definição básica do anarquismo: O anarquismo é uma ideologia socialista e revolucionária que se fundamenta em princípios determinados, cujas bases se definem a partir de uma crítica da dominação e de uma defesa da autogestão; em termos estruturais, o anarquismo defende uma transformação social fundamentada em estratégias, que devem permitir a substituição de um sistema de dominação por um sistema de autogestão. (Corrêa, F. 2012, p.79) Percebemos que surgem categorias essências para a construção desta definição que se encontram em negrito na citação, e também um pilar que seria a defesa da autogestão contra a dominação, entendida aqui dominação como a relação hierárquica típico das sociedades de classe e/ou institucionalizadas burocraticamente. O método para se chegar à autogestão é a revolução, onde os atores deste processo são os agentes sociais das classes dominadas transformando sua capacidade de realização em força social e por meio de um conflito destas classes dominadas contra as classes dominantes que usarão seus aparatos estatais de um modo geral para impedirem que a transformação se efetue. A força social é construída a partir de um processo de consciência de classe e construção da autogestão em microesferas sociais como, por exemplo, em locais de trabalho, movimentos sociais, escolas populares etc. estimulando a participação, a horizontalidade entre os indivíduos, ou seja, a igualdade para todos, e construir as lutas de baixo para cima. A sociedade de classes não pode ser um empecilho para construirmos aquilo que almejamos, pois os nossos fins devem ser fiéis aos meios que utilizamos para tal, isto é, só se chega a autogestão a partir da própria autogestão dentro do processo revolucionário. Antes de darmos continuidade na definição, deixemos claro o que são três esferas sociais que o autor usa para demonstrar onde se manifestam a dominação, classes sociais, poder etc. estas esferas são: político/jurídico/militar, econômica e cultural/ideológica/midiática. Vale ressaltar que a realidade não é bem dividida com estes termos e um afastado do outro, porém estas divisões são importantes teoricamente para entendermos o contexto que estamos inclusos ou analisar fatos históricos.
  • 3. | 3P á g i n a Caderno de formação #4 Categorias centrais e conceitos acessórios:  Ideologia: Entende-se como ideologia como o conjunto ideias, aspirações, sentimentos e motivações que interagem com as intervenções políticas. (FAU, 2009a/b) Por este motivo o anarquismo é uma ideologia socialista revolucionária, pois está pautada em uma estratégia e um ideal produto do movimento de massas, e jamais dissociável da prática. A ideologia também pode ser entendida de um modo mais sintético como a relação da teoria e da prática, e por este motivo não há indivíduo “aideológico” que se apoie somente no pensamento ou somente na ação. A ideologia anarquista está embasada numa leitura da realidade denominada teoria que explicaremos a seguir, e a partir destas montar uma estratégia coerente com seus objetivos revolucionários. Não confundir o conceito de ideologia com o que Stoppino (2004a, p.585-587) denominado “significado forte” de ideologia como uma crença falsa, ou seja, uma falsa consciência de uma crença política.  Ideologia e teoria: A ideologia está relacionada com aspectos não-científicos como valores, motivações, aspirações, enquanto a teoria busca fazer uma análise racional e profunda da realidade aproximando ao máximo da ciência. Estes são conceitos totalmente distintos, a ideologia seria uma prática política de intervenção da realidade, enquanto a teoria um modo de compreensão. Estas duas podem fazer uma ponte de relação, mas mantendo a distinção de ambas. O anarquismo constitui uma ideologia baseada em vários métodos de análise e teorias distintas sejam elas materialistas, idealistas, estruturalistas, indutivo-dedutivos que consideram muitas vezes algumas esferas de maior relevância uma sobre a outra. Os diversos modos teóricos-metodológicos usados pelo anarquismo durante sua história não torna uns menos anarquistas que outros, mas na verdade isso fortalece o antidogmatismo e a colaboração que um método pode oferecer aos outros, e como cada método pode ser mais eficiente dependendo do contexto histórico a ser discutido. O que estas abordagens têm em comum, é que a sociedade está dividida em classes sociais e que isto é negativo para o processo de evolução social e emancipação humana para uma sociedade justa no sentido de igualdade, sem a necessidade de autoridades e de indivíduos que possuam mais poder do que outros. Mesmo por possuir teorias minuciosas e científicas da realidade social, o anarquismo não pode ser considerado uma teoria, e sim uma ideologia, pois está baseada em um conjunto de valores éticos, sentimentos, práticas, aspirações que são elementos subjetivos que extrapolam a ciência. Não há então como construir um “socialismo
  • 4. | 4P á g i n a Caderno de formação #4 científico” como se o socialismo fosse um determinismo social, pois para chegarmos neste fim vai depender das nossas ações no mundo de intervir politicamente. De um modo geral, a ciência estuda os fatos: Aquilo que aconteceu, o que está acontecendo e o que necessariamente deve acontecer. Enquanto a ideologia depende da ação do indivíduo para que se torne realidade. Os embates teóricos entre os anarquistas não foi somente entre análises idealistas ou materialistas, mas também em qual das três esferas predomina sobre as outras, para Bakunin a predominância da economia (infraestrutura) diante as outras, mas isso não significa um determinismo, pois as outras esferas podem intervir na economia. Isto é, a relação entre ambas se dá de forma dialética, mesmo que a economia seja fundamental e mais importante a esfera ideológica/midiática/cultural e a esfera político/jurídica/militar. Kropotkin ao fazer sua teoria do Direito põe no mesmo patamar a esfera econômica e a política que caminham de mãos dadas, pois o Direito serviu para garantir a propriedade privada e os privilégios de classe dos dominantes e que impede a revolta dos miseráveis. Estas duas abordagens podem ser consideradas materialistas, onde há a “primazia dos fatos diante as ideias” (Bakunin 2000ª, p. 14). Mas para entendermos o motivo de serem materialistas devemos entender o contexto histórico desses dois ícones do anarquismo. O contexto de surgimento do socialismo de um modo geral no século XIX foi marcado por uma produção do conhecimento que superasse a vigente: metafísica e idealista. Então houve a necessidade de se entender a Realidade a partir dos fatos, e não mais a partir do ideal, surgindo assim tanto o materialismo, como o positivismo posteriormente. No entanto, o século XX demonstrou que os fatores objetivos também possuem uma influencia sobre os fatos, e que a esfera ideológica não é tão passiva como se imaginava.  Estratégia: A estratégia pode ser entendida como a compreensão teórica da atual situação em que nos encontramos, quais são os fins que almejamos e quais os métodos usados para chegar a estes fins. No caso dos anarquistas a condição atual da sociedade é a dominação e o objetivo é a autogestão, cabe a estratégia buscar os meios mais eficazes para chegar a ela. Os anarquistas ao longo da história também divergiram das formas estratégicas, mas sempre mantendo o aspecto da coerência entre objetivos, táticas e fins.  Força Social: Como foi dito anteriormente, a força social é a força motriz para a realização de nossos objetivos, e ela vem do agrupamento de indivíduos (agentes sociais) que compartilham da mesma condição de explorados, ou seja, da mesma classe social visando mudanças.
  • 5. | 5P á g i n a Caderno de formação #4 A força social não significa somente violência no sentido político, mas que ela participe das três esferas sociais. O papel da força social pode ser tanto para reforçar o status-quo como para modificá-lo como é no caso das teorias socialistas de maneira geral.  Poder: Entendesse como poder aqui como a “assimetria nas relações de força” (TOMÁS IBÁÑEZ, 2007a, p.43-44) envolvendo todos os indivíduos e as relações sociais, sendo dinâmica e conflituosa, onde uma força irá preponderar sobre a outra. O Anarquismo não é a extinção do poder, mas sim a divisão do poder, onde ampliasse a participação dos indivíduos nos problemas do coletivo, sem a intervenção de um indivíduo ou instituição soberana que anule o poder político de cada agente social, construindo assim a autogestão que contrapõe a dominação na qual é fundamentada na hierarquia. A hierarquia é uma ferramenta essencial para o mantimento da sociedade de classes, por onde uma minoria irá dominar e alienar as massas. E é por isso que o Anarquismo trás a autogestão como alternativa de superação desta verticalidade social mantida pelo Estado que faz o papel de comitê executivo da classe dominante e usa de meios coercivos para tal. A autogestão então é a ampliação da participação dos agentes sociais nas decisões que afetam tanto o agente, como o coletivo.  Classes sociais: As classes sociais existem por decorrência da dominação e não só existem nas relações econômicas que geram mais-valia como também nas outras duas esferas sociais. De um modo mais geral a sociedade está dividida em dois tipos de classes: As dominantes e as dominadas. As dominantes expropriam o subproduto produzido pelas classes dominadas denominada mais-valia, esta relação econômica é denominada exploração, mas ela não explica totalmente a dominação classista. Os interesses dessas duas classes são contraditórios, os dominadores querem ampliar o seu domínio, enquanto os dominados querem ampliar sua participação gerando assim o conflito social, ou seja, a luta de classes. Para que se chegar ao socialismo libertário, as classes dominadas devem compreender e manifestas os seus interesses (consciência de classe) e através da força social gerar a transformação social e modificar toda a conjuntura. REFERÊNCIAS: CORRÊA, Felipe. REDISCUTINDO O ANARQUISMO: Uma abordagem teórica. 2012. 275f. (Dissertação de mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
  • 6. | 6P á g i n a Caderno de formação #4