7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas

19.958 visualizações

Publicada em

Entenda as definições, o objetivo, a influência significativa, e outras informações sobre investimento em coligada e em controlada.

Publicada em: Economia e finanças
2 comentários
18 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.958
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7 - CPC 18 (R2) Investimentos em coligadas e em controladas

  1. 1. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.Moore Stephens Prisma PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOSCPC 18 (R2) / IAS 38Investimento em Coligada e em Controlada08 de outubro de 2012
  2. 2. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.INVESTIMENTOS EM COLIGADA EEM CONTROLADACPC – 18 (R2)
  3. 3. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.SUMÁRIO• DEFINIÇÕES• OBJETIVO• CASOS EM QUE SE APLICA• INFLUÊNCIA SIGNIFICATIVA• A ESSENCIA DA EQUIVALÊNCIA• AGIO, MAIS VALIA, GOODWILL• DESÁGIO• AJUSTES NA CONTA INVESTIMENTOSCPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  4. 4. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.SUMÁRIO• BALANÇOS PARA AVALIAÇÃO• TRANSAÇÕES ENTRE EMPRESASCOLIGADAS/CONTROLADAS• RESULTADOS NÃO REALIZADOS• RECONHECIMENTO DE PREJUÍZOS• PERDAS POR REDUÇÃO AO VALORRECUPERÁVEL (IMPAIRMENT)• DIVULGAÇÃOCPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  5. 5. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADATERMO DE APROVAÇÃO:• - Deliberação CVM nº. 692/12;• - NBC TG 18 - Resolução nº. 1.424/13;• - Instrução Normativa nº. 290/12;• - Circular nº. 430/12.
  6. 6. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.DEFINIÇÕESAvaliação contábil de investimentos:a)Pelo método de equivalência patrimonial – CPC 18 se empresacoligada ou controlada, com contrapartida no resultado doexercício. Ainda, as empresas controladas e do mesmo gruposofrerão a consolidação – CPC 36;b)Pelo método de custo deduzido de provisão para perda -aplicação do CPC 01 (R1), se correspondem a outras participaçõessem cotação no mercado;c)Pelo valor justo – CPC 10, CPC 13, CPC 14 e CPC 38 – secorrespondem a outras participações com cotação no mercado,com contrapartida em “ajuste de avaliação patrimonial”, nopatrimônio líquido.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  7. 7. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.DEFINIÇÕESColigada é a entidade sobre a qual a investidora mantéminfluência significativa, sem ter controle (portanto, não é umacontrolada). Influência significativa significa existência do poder departicipar nas decisões financeiras e operacionais da investida. Épresumido que exista influência significativa quando a entidadepossui 20% ou mais de participação no capital votante.É exigido que a entidade considere a existência e o efeito dosdireitos de voto potencial que forem prontamente exercíveis ouconversíveis para fins de determinar se possui influênciasignificativa ou controle.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  8. 8. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADEFINIÇÕES:Controlada é a entidade na qual a controladora, diretamente oupor meio de outra controlada, tem poder para assegurar, de formapermanente, preponderância em suas deliberações sociais e deeleger a maioria de seus administradores.O investimento em controlada obriga à elaboração dademonstração consolidada, com as exceções previstas noPronunciamento Técnico CPC 36 – Demonstrações Consolidadas(exemplo: não ser de capital aberto ou ser controlada por outra).
  9. 9. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADEFINIÇÕES:Equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar ovalor contábil do investimento ao valor equivalente à participaçãosocietária da sociedade investidora no Patrimônio Líquido dasociedade investida, e no reconhecimento dos seus efeitos nademonstração do resultado do exercício. O valor do investimento,portanto, será determinado mediante a aplicação da porcentagemde participação no capital social, sobre o Patrimônio Líquido decada sociedade coligada ou controlada.
  10. 10. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.Participações no capital votanteCPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  11. 11. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADEFINIÇÕES:TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS-Demonstrações Individuais-Demonstrações Consolidadas - grupos econômicos – CPC 36-Demonstrações Separadas - utilizadas por controladora ou investidorem conjunto com o uso de avaliação por MEP – CPC 35-Demonstrações Combinadas - empresas sem participação – CPC 15
  12. 12. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.OBJETIVO:Especificar como devem ser contabilizados os investimentos emcoligadas nas demonstrações contábeis individuais e consolidadasdo investidor e em controladas nas demonstrações contábeis dacontroladora. Ele não se aplica aos investimentos em coligadas econtroladas que forem mantidos por organizações de capital derisco, fundos mútuos, trustes e entidades similares; também nãose aplica aos investimentos classificados como instrumentosfinanceiros mantidos para negociação, de acordo com osrequisitos do Pronunciamento Técnico CPC 38 - InstrumentosFinanceiros (valor justo).CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  13. 13. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAO investimento em coligada e em controlada (neste caso, nasdemonstrações individuais) deve ser contabilizado pelo métodode equivalência patrimonial, exceto quando classificado comomantido para venda, conforme o Pronunciamento Técnico CPC 31- Ativo Não Circulante Mantido para Venda e OperaçãoDescontinuada e em raríssimas outras situações.A aplicação do método de equivalênciapatrimonial cessa somente após oinvestidor perder a influênciasignificativa ou o controle.
  14. 14. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADe forma geral, de acordo com os Pronunciamentos técnicos doCPC, as aplicações em participações no capital de outrassociedades, como demonstrado na figura a seguir, devem sercontabilizadas de acordo com a essência do relacionamento entreinvestidor e investida:
  15. 15. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  16. 16. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAControle sobre a investida: Controlada é quando uma controladorapossui a condição de "mandar” na outra empresa. Quando da obtençãodo controle, deve ser reconhecida e mensurada de acordo com o CPC15 - Combinações de Negócios e, subsequentemente, de acordo com oCPC 36 - Demonstrações Contábeis Consolidadas (avaliação pelaconsolidação). Nos balanços individuais a avaliação é pelo método daequivalência patrimonial. O tratamento contábil dos investimentos emcontroladas está também no Capitulo 24 - Combinação de Negócios,Fusão, Incorporação e Cisão - no Capitulo 39 - Consolidação dasDemonstrações Contábeis e Demonstrações Separadas (consolidaçãointegral ou proporcional).
  17. 17. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAControle conjunto sobre a investida: Trata-se de umempreendimento conjunto (joint venture) do investidor e essaparticipação deve ser reconhecida e mensurada de acordo com oCPC 19 - Participações em Empreendimentos Conjuntos(consolidação proporcional e nos balanços individuais pelaequivalência patrimonial). São também tratados no Capitulo 39 -Consolidação das Demonstrações Contábeis e DemonstraçõesSeparadas.Controlada em conjunto (joint venture) é quando duas ou maisinvestidoras detém, em conjunto, o controle dessa entidade, semque nenhum dos investidores consiga esse controleindividualmente.
  18. 18. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA•Influência significativa sobre a investida:Trata-se de uma coligada do investidor e essa participação deveser reconhecida e mensurada de acordo com CPC 18 –Investimento em Coligada e em Controlada (método deequivalência patrimonial).•Pouca ou nenhuma influência sobre a investida:Nesse caso, não existe relação específica entre as empresas, deveser reconhecido e mensurado de acordo com CPC 38 -Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração (valorjusto)
  19. 19. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADACASOS EM QUE SE APLICA O MÉTODO DA EQUIVALÊNCIAo art. 248 da Lei 6.404/76 estabelece a adoção do método daequivalência patrimonial na avaliação de investimentos emcoligadas, controladas e em outras sociedades que façam parte deum mesmo grupo ou estejam sob controle comum.Portanto, quando um grupo empresarial composto por diversascontroladas que detenham participações pequenas (menores de10% do capital votante, por exemplo), independentemente deessas participações conferirem aos seus detentores influênciasignificativa ou não, pelo texto legal, como são controladas dacontroladora comum, o método de equivalência patrimonial deveser aplicado.
  20. 20. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADANÃO SE APLICA O MEP, SE PERMITIDO LEGALMENTE: o investimento for classificado como mantido para venda; o investidor é ele próprio uma controlada (integral ou parcial); os instrumentos de dívida ou patrimoniais do investidor nãosão negociados publicamente; o investidor não arquivou e não está em processo dearquivamento de suas demonstrações contábeis na Comissão deValores Mobiliários; e a controladora final ou qualquer controladora intermediária doinvestidor disponibiliza ao público suas demonstraçõesconsolidadas em conformidade com os CPC’s.
  21. 21. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAINFLUÊNCIA SIGNIFICATIVAConforme o CPC 18, a participação mantida pelo investidor podeser de forma direta ou indireta e se for menos de 20% do poder devoto da investida, presume-se que não tenha influênciasignificativa, a menos que possa ser claramente comprovada.O CPC 18 indica as evidências de influência significativa:a) representação no conselho de administração ou na diretoria;b) participação nos processos de elaboração de políticas, inclusiveem decisões sobre dividendos e outras distribuições;c) operações materiais entre o investidor e a investida;d) intercambio de diretores ou gerentes; oue) provimento de informação técnica essencial.
  22. 22. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAPERDA DE INFLUÊNCIAQuando ela perde o poder de participar nas decisões sobre aspolíticas financeiras e operacionais daquela investida. Podeocorrer com ou sem uma mudança no nível de participaçãoacionária absoluta ou relativa. Isso pode ocorrer, por exemplo,quando uma coligada torna-se sujeita ao controle de governo,tribunal, órgão administrador ou entidade reguladora. Isso podeocorrer também como resultado de acordo contratual.Aplicam-se à perda de controle de uma controlada todas asdisposições cabíveis contidas nos itens 32 a 37 dopronunciamento Técnico CPC 36 – Demonstrações Consolidadas.
  23. 23. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAA ESSÊNCIA DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL
  24. 24. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAAGIO, MAIS VALIA E GOODWILLPode ocorrer de o investidor adquirir uma participação, digamosde 40%, no capital de outra companhia, a qual se torna suacoligada, e o valor pago por essa participação ser diferente dovalor patrimonial. A essa diferença, se o valor pago for maior queo valor patrimonial, se dá o nome de "mais valia de ativosIíquidos" ou de “ágio por expectativa de rentabilidade futura(goodwill)", conforme a razão dessa diferença.
  25. 25. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADESÁGIOSe o valor pago for menor que o valor patrimonial, se dá o nomede “ganho por compra vantajosa" ou de “deságio”, que ocorre porse pagar por uma empresa ou parte dela menos do que valemseus ativos e passivos mensurados a valor justo individualmente.
  26. 26. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAEXEMPLO DE AQUISIÇÃO COM MAIS VALIASupondo-se que se tenha comprado, por $ 5.000.000, 30% dopatrimônio liquido de uma investida que tenha patrimônio liquidocontábil de $ 12.000.000; pagou-se então $ 1.400.000 a mais doque a parte proporcional do patrimônio contábil adquirida ($ 12milhões x 30% = $ 3.600.000). Suponha-se que se pague isso pordois motivos:1. 0 imobilizado vale $ 950.000 mais do que seu valor liquidocontabilizado;2. $ 450.000 seja pagamento por conta de expectativa derentabilidade futura, ou seja, por goodwill.
  27. 27. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAEXEMPLO DE AQUISIÇÃO COM MAIS VALIA - CONTABILIZAÇÃO
  28. 28. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAAJUSTES NA CONTA DE INVESTIMENTOSCada mutação verificada no patrimônio liquido da coligadacorresponderá a um ajuste na conta de Investimentos emColigadas, na posição patrimonial do Investidor. Se o valor dopatrimônio da coligada aumentar ou diminuir, haverá um aumentoou diminuição proporcional correspondente na conta deinvestimento da investidora. (Essa situação pode não ocorrerquando o Patrimônio Liquido da investida for negativo).
  29. 29. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAAJUSTES NA CONTA DE INVESTIMENTOS-Lucro ou prejuízo do exercício – ajuste em conta de receita oudespesa com equivalência patrimonial;-Dividendos distribuídos – redução do investimento quando odividendo for recebido;-Integralização de capital – aumento do valor do investimento;-Ajustes de exercícios anteriores – aumento ou redução doinvestimento;-Baixa de ágio ou deságio.
  30. 30. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADABALANÇOS PARA AVALIAÇÃO DOS INVESTIMENTOS PELO MEPO valor do patrimônio liquido das investidas, que é a base para adeterminação do valor patrimonial do investimento pelaequivalência patrimonial, deve ser extraído de balanços dessasempresas elaborados dentro dos critérios contábeis e deapresentação das demonstrações contábeis da Lei das Sociedadespor Ações e dos Pronunciamentos do CPC.O valor do patrimônio liquido da coligada ou da controlada serádeterminado com base no balanço ou balancete de verificaçãolevantado, com observância das normas desta Lei, na mesma data,ou ate 60 (sessenta) dias, no máximo, antes da data do balanço dacompanhia.
  31. 31. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADATRANSAÇÕES ENTRE EMPRESAS COLIGADAS/CONTROLADASOs resultados decorrentes de transações ascendentes (upstream) edescendentes (downstream) entre o investidor (incluindo suascontroladas consolidadas) e a coligada são reconhecidos nasdemonstrações contábeis do investidor somente na extensão daparticipação de outros investidores sobre essa coligada que sejampartes independentes do grupo econômico a que pertence ainvestidora.
  32. 32. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADATRANSAÇÕES ENTRE EMPRESAS COLIGADAS/CONTROLADASAs transações ascendentes são, por exemplo, vendas de ativos dacoligada para o investidor. As transações descendentes são, porexemplo, vendas de ativos do investidor para a coligada. A partedo investidor nos lucros e prejuízos resultantes dessas transaçõesdeve ser eliminada.
  33. 33. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAO quadro abaixo ilustra esse calculo, assumindo-se que a únicamutação do PL da coligada ocorreu pela apuração do lucro ouprejuízo:
  34. 34. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADACOMO APURAR O VALOR DOS RESULTADOS NAO REALIZADOSTais transações, podem envolver qualquer tipo de bens e direitosque representam um ativo na empresa compradora e podem ser:• estoques (mais comumente);• bens do imobilizado (menos comuns);• investimentos (menos comuns ainda);• outros ativos (raramente).
  35. 35. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADALUCRO NOS ESTOQUESQuando das vendas de mercadorias com lucro, podem ocorrerduas situações:1. A empresa que comprou as mercadorias já as vendeu paraterceiros, ou seja, não tem, na data-base do balanço, nenhumsaldo daquelas mercadorias em estoque;2. A empresa que comprou as mercadorias tem saldo daquelasmercadorias em estoque, na data do balanço.
  36. 36. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADALUCRO NOS ESTOQUES – ExemploA Controlada B vende para sua Controladora A, por $ 140.000,mercadorias que lhe custaram $ 100.000.Agora vamos supor que a Controladora A não tenha vendido nadadesses estoques para terceiros, estando em estoque na data doBalanço a totalidade dos $ 140.000.Nesse exemplo, a eliminação seria da totalidade do lucro natransação, ou seja, de $ 40.000.
  37. 37. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADALUCRO NOS ESTOQUES – ExemploA Controlada B vende para sua Controladora A, por $ 140.000,mercadorias que lhe custaram $ 100.000.Agora vamos supor que a Controladora A não tenha vendido nadadesses estoques para terceiros, estando em estoque na data doBalanço a totalidade dos $ 140.000.Nesse exemplo, a eliminação seria da totalidade do lucro natransação, ou seja, de $ 40.000, que já deve estar liquido dostributos, e jogá-Io para o Passivo não circulante como algo do tipo"Lucro Diferido", ou "Lucro a Apropriar“:
  38. 38. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADACONTABILIZAÇÃOLUCROS NAO REALIZADOS (conta de resultado)a LUCROS A APROPRIAR (conta de passivo não circulante) $ 40.000(Atendimento aos CPC 36 e o ICPC 09)
  39. 39. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADIVULGAÇÃOAs seguintes divulgações devem ser feitas:(a) o valor justo dos investimentos em coligadas e controladas paraos quais existam cotações de preço divulgadas;(b) informações financeiras resumidas (ativos, passivos, receitas edo lucro ou prejuízo do período);(c) as razões pelas quais foi desprezada a premissa de nãoexistência de influência significativa (conclui que possui influênciasignificativa);(d) as razões pelas quais foi desprezada a premissa da existênciade influência Significativa (conclui que não possui influênciasignificativa);
  40. 40. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADIVULGAÇÃO(e) a data de encerramento do exercício social refletido nasdemonstrações contábeis da coligada e da controlada sedivergirem das do investidor e as razões pelo uso;(f) a natureza e a extensão de quaisquer restrições significativassobre a capacidade de a coligada ou controlada transferir fundospara o investidor na forma de dividendos ou pagamento deempréstimos ou adiantamentos;(g) a parte não reconhecida nos prejuízos da coligada, tanto para operíodo quanto acumulado, caso o investidor tenha suspendido oreconhecimento de sua parte nos prejuízos da coligada oucontrolada;
  41. 41. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADIVULGAÇÃO(h) o fato de a participação na coligada e na controlada não estarcontabilizada pelo método de equivalência patrimonial, emconformidade com as exceções especificadas no item 13 destePronunciamento;(i) informações financeiras resumidas das coligadas e controladascujos investimentos não foram contabilizados pelo método deequivalência patrimonial, individualmente ou em grupo, incluindoos valores do ativo total, do passivo total, das receitas e do lucroou prejuízo do período; e
  42. 42. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADIVULGAÇÃO(j) a excepcionalíssima situação que possa fazer com que o lucrolíquido e/ou o patrimônio líquido do balanço individual dacontroladora não sejam os respectivos valores de seu balançoconsolidado, quando este é elaborado conforme as normasinternacionais de contabilidade, como é o caso de algumadeterminação ou permissão legal para o balanço individual quenão se aplique à demonstração consolidada (como é o caso doativo diferido conforme item 20 do Pronunciamento Técnico CPC13 - Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória nº449/08).
  43. 43. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADADIVULGAÇÃOEm conformidade com os requisitos de divulgação doPronunciamento Técnico CPC 25 – Provisões, PassivosContingentes e Ativos Contingentes, o investidor deve evidenciar:(a) sua parte nos passivos contingentes da coligada,Compartilhados conjuntamente com outros investidores;(b) os passivos contingentes que surgiram em razão de o investidorser solidariamente responsável por todos os, ou parte dos,passivos da coligada; e(c) no balanço individual da controladora, o total dos passivoscontingentes das controladas.
  44. 44. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADARECONHECIMENTO DE PREJUÍZOSPela equivalência, os prejuízos serão reconhecidos até o limite doinvestimento. Após reduzir a zero o saldo contábil da participaçãodo investidor, perdas adicionais são consideradas, e um passivo éreconhecido somente na extensão em que o investidor tenhaincorrido em obrigações legais ou construtivas (não formalizadas)de fazer pagamentos por conta da coligada.
  45. 45. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAPERDAS POR REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL (IMPAIRMENT)Após a aplicação do método de equivalência patrimonial, incluindoo reconhecimento dos prejuízos da coligada em conformidade como disposto no item 29, o investidor deve aplicar os requisitos doPronunciamento Técnico CPC 38 – Instrumentos Financeiros:Reconhecimento e Mensuração para determinar a necessidade dereconhecer alguma perda adicional por redução ao valorrecuperável do investimento líquido total desse investidor nacoligada.
  46. 46. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAEXEMPLO DE RELATORIO DE AUDITORIA:CIA ABCD S.A. e controlada Cia XYZConclusão sobre as informações intermediárias individuaisCom base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar queas informações contábeis intermediárias individuais incluídas nas informações trimestrais acimareferidas não foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com o CPC 21 aplicávelà elaboração de Informações Trimestrais - ITR, e apresentadas de forma condizente com as normasexpedidas pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM.Conclusão sobre as informações intermediárias consolidadasCom base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar queas informações contábeis intermediárias consolidadas incluídas nas informações trimestraisanteriormente referidas não foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com oCPC 21 aplicáveis à elaboração de Informações Trimestrais - ITR, e apresentadas de formacondizente com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM.
  47. 47. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAEXEMPLO DE NOTA EXPLICATIVA (NOTA DO INVESTIMENTO):Cia XYZ S.A.Saldos e informações da participação em controlada 30/06/2012 31/12/2011 30/06/2012 31/12/2011Quantidade de ações/ cotas possuidasOrdinárias nominativas 12.433.205 12.433.205Preferenciais Nominativas 3.966.184 3.966.184Capital social 25.670 25.670Participação no Capital Social - % 95 95Participação no Capital votante - % 94 94Patrimonio Líquido 44.364 47.917Resultado de equivalência Patrimonial 1.415 6.736Resultado Líquido 1.488 7.072Saldo do Investimento 42.183 47.159Saldo do deságio (1.121) (1.121)Em Controlada 41.062 46.038Outros 32 32Total 41.062 46.038 32 32Controladora Consolidado
  48. 48. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADAEXEMPLO DE NOTA EXPLICATIVA (NOTA DO INVESTIMENTO):ATIVO 30/06/2012 31/12/2011 PASSIVO 30/06/2012 31/12/2011CIRCULANTE CIRCULANTE 922 3.036Disponibilidades 46.841 52.266Impostos a Compensar 644 884 NÃO CIRCULANTE47.485 53.150 Provisão contingências fiscais 3.400 3.400NÃO CIRCULANTE 1.165 1.165 PATRIMÔNIO LÍQUIDOCapital Social 39.940 39.940Investimentos + Imobilizado 37 37 Reservas de CapitalReservas de Lucros (*) 4.424 7.976Total do Ativo 48.687 54.352 Total do Passivo 48.687 54.352DEMONSTAÇÃO DO RESULTADORECEITA OPERACIONAL 30/06/2012 31/12/2011Vendas - -LUCRO BRUTO - -Rendimentos Aplicações Financeiras(*) 2.423 5.607RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 2.423 5.607Despesas gerais e administrativas 185 899LUCRO OPERACIONAL 2.238 4.708Outras Receitas (Nota 17) - 5.969LUCRO ANTES IRPJ/CSL 2.238 10.678LUCRO LÍQUIDO DO PERÍODO/EXERCÍCIO 1.488 7.071Lucro por ação (em real) 0,09 0,41
  49. 49. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.DÚVIDAS SOBRE O TEMA:CPC 18 – INVESTIMENTO EM COLIGADA E EMCONTROLADA
  50. 50. PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.PRECISE. PROVEN. PERFORMANCE.A Moore Stephens é uma das maiores redes de auditoria, consultoria e outsourcingcontábil do mundo. A empresa é formada por aproximadamente 630 escritórios e estápresente em mais de 100 países. Está entre as 12 maiores posições no ranking mundial,com faturamento anual de mais de US$ 2 bilhões.A Moore Stephens Auditores e Consultores presta serviços em auditoria, consultoriatributária e empresarial, tecnologia de informação, outsourcing de serviços contábeis,tributários e administrativos, e corporate finance. Há ainda determinadas divisões, comestruturas próprias, criadas para atendimento de interesses específicos, como a Divisãode Auditoria Interna e a Divisão de Small Business, entre outras.Fale com a Moore Stephens: mscorp@msbrasil.com.brSiga-nos na internet e nas redes sociais:Homepage: www.msbrasil.com.brFacebook: http://www.facebook.com/moorestephensbrTwitter: http://twitter.com/#!/moorestephensbrLinkedin:http://www.linkedin.com/companies/moore-stephens-brasilBlog: http://msbrasil.com.br/blog/SlideShare: http://www.slideshare.net/moorestephensbYoutube: http://www.youtube.com/moorestephensbrSOBRE AMOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

×