Relatório Trabalho de Campo Integrado

1.523 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Relatório Trabalho de Campo Integrado

  1. 1. Universidade Federal do Pará Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Geografia e Cartografia Disciplina: Trabalho de campo integrado RELATÓRIO DE TRABALHO DE CAMPO Relatório de trabalho de campo valido como requisito da disciplina trabalho de campo integrado orientado pelos professores Dr° João Nahum e Ms. Jovenildo Cardoso. BELÉM 2013
  2. 2. Universidade Federal do Pará Instituto de Filosofia e Ciências Humanas Faculdade de Geografia e Cartografia Disciplina: Trabalho de campo integrado ALESSANDRA DE FREITAS FARIAS ALEX MARIANO SOUSA DO VALE ANA CLAUDIA PORTAL ALVEZ ANDERSON VIEIRA DE SENA ANTÔNIO EDUARDO GOMES MONTEIRO AYMEE AZEVEDO RODRIGUES BIANCA BEATE HILDEGARD MOCKE BRUNA LETICIA ROSARIO DOS SANTOS BRUNA MARCELA DA COSTA E SILVA BRUNO PENA VIEIRA CAROLINE DA COSTA E SILVA CHARLES PAES SILVA CIBELE SANTOS CORDEIRO DANILO TORRES FERRAZ ELAÍNA MONTEIRO FERREIRA CUNHA ELIVELTON DOS SANTOS SOUSA EVALDO DOS SANTOS FERRE FELIPE DOS SANTOS COELHO FELIPE LUAN CASTRO DA COSTA FLAVIA NASCIMENTO FONTENELE GEORGE WAYDSON GOMES GEYSA LUNARA LEÃO HERBERT LUIS ALFAIA DE SOUZA JOELSON DA SILVA NASCIMENTO LAÍS TAYNÁ CARVALHO DE ARAUJO LEON DE SOUZA FERREIRA MARIA DO CARMO AZEVEDO DE SOUZA MARCIO BRUNO DE SOUZA SOARES MAYARA CRISTINA PEREIRA MARIANO PEDRO GABRIEL BARATA MONTEIRO RODRIGO SARAIVA DA SILVA TANIZY ELIANHY BARATA PEREIRA THALINE TRINDADE SILVA VITOR KENNEDY PEREIRA FARIAS BELÉM 2013
  3. 3. CAMINHOS PARA A PLANTAÇÃO DO DENDÊ NA CIDADE DE TOMÉ-AÇÚ: experiências e vivências de um trabalho de campo. Introdução O trabalho de campo na ciência geográfica é uma ferramenta formidável, pois permite a relação entre teoria e prática, fornecendo ao pesquisador uma experiência que consideramos indispensável: o contato direto com o objeto de estudo. Este contato propicia a percepção e a vivência do que foi estudado em sala de aula. Trata-se, portanto, de uma experiência rica que, conforme afirma Alentejano e Rocha-Leão (2006) vêm acompanhando a Geografia desde sua sistematização enquanto ciência. Da sistematização da Geografia enquanto ciência até meados do século XX, o trabalho de campo orientava-se na observação e na descrição dos fenômenos nas paisagens, resultado, portanto numa prática descritiva. Com o advento da Geografia Crítica, o trabalho de campo, além da observação, perpassa também pela interpretação e compreensão. Assim, tendo em vista a importância do trabalho de campo na Geografia, foi realizado, no dia 01 e 02 de agosto de 2013, Trabalho de Campo Integrado na cidade de Tomé-Açú. A atividade foi orientada pelo Prof. Dr. João Santos Nahum e Prof. Ms. Jovenildo Cardoso Rodrigues, responsáveis respectivamente pelas disciplinas Geografia Agrárias e Geografia Regional do Brasil. Nesta atividade prática, participaram os alunos do 5º período do curso de Geografia da Universidade Federal do Pará. O objetivo do trabalho foi conhecer a monocultura do Dendê no município de Tomé-açu analisando as relações sociais, econômicas e culturais que se dão com a produção agrícola local. A fim de alcançar esses objetivos, foi organizado um roteiro de trabalho de campo contendo as principais atividades realizadas durante o trajeto, sendo instituída como metodologias a observação, anotações de campo, coleta de dado por meio de visitas guiadas, registro fotográfico e relato de pesquisa em grupo. Nas visitas guiadas, tivemos o auxilio da Professora Célia que discorreu sobre o processo de urbanização e produção do espaço urbano do município de Tomé-açu, utilizando como exemplo o bairro da Portelinha que teve a ocupação iniciada em 2007 por moradores e que foi loteada pelo falecido vereador Raimundo Sampaio para adquirir votos para a sua eleição, a professora Célia também nos guiou em uma visita ao museu da imigração japonesa que mostra como foi a ocupação das áreas do município pelos japoneses e mostra também elementos da cultura japonesa, do cotidiano e economia desse povo no município, contamos também com o
  4. 4. auxilio da Dona Adriana ex-moradora do assentamento que nos guiou na visita ao assentamento Miritipitanga onde tivemos a oportunidade de conversar com os agricultores do assentamento e entender como eles estão envolvidos na monocultura do Dendê e na visita a empresa biopalma tivemos o auxílios do engenheiro florestal da empresa. Figura 01 – Tomé-açú(PA): Iconografia da professora Célia do município de Tomé-açu falando sobre processos socioespaciais e da formação de áreas de ocupações espontâneas que derivaram de alguns processos históricos sociais na cidade. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 Desse modo, o trabalho de campo realizado permitiu para os discentes o enriquecimento do conteúdo estudado em sala e, além disso, vivências e experiências de fundamental importância para o entendimento das questões sociais, econômicas, culturais que envolvem a monocultura do Dendê. Experiências e vivências no assentamento Miritipitanga No dia 01 o grupo visitou o assentamento Miritipitanga, essa visita foi guiada pela Senhora Adriana ex-moradora do assentamento, que nos forneceu informações sobre o assentamento, de acordo com a Srª Adriana o assentamento foi criado em 1995 na fazenda do mesmo nome que foi abandonada pelo seu proprietário e considerada terra devoluta. No assentamento moravam 96 famílias que receberam 1lote cada, equivalente a 5 hectares por família. Vários projetos foram implantados no Assentamento Miritipitanga. O primeiro deles foi o Projeto Fomento que ajudava com maquinários, depois foi o projeto de Habitação, posteriormente o de Pimenta do reino e de Reflorestamento. Atualmente moram no assentamento entre 76-80 famílias mais alguns agregados e pelo menos 21 famílias estão no projeto do dendê cuidando de 10 hectares para a produção agrícola, 50% para a
  5. 5. monocultura do dendê e 50% para a produção de outras culturas como açaí, pimenta do reino, mandioca. A entrevistada Adriana nos informou também que “a agricultura familiar não tinha mais valor” eles produziam, mas, tinham dificuldades pra vender seus produtos. Esse foi um dos motivos que levou as famílias a aderirem o projeto do dendê da Biopalma. Figura 02 – Tomé-açú(PA): Iconografia feita na comunidade agrícola do Miritipitanga, em entrevista com a agricultora familiar ADRIANA EVANGELISTA MORAES na qual ela discorreu sobre a implantação da monocultura do dendê nas comunidades e quais impactos essa implantação trouxe para a mudança do gênero de vida daquela localidade, mostrando seus benefícios e prejuízos aos moradores de lá. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 A relação dos agricultores com a Biopalma no projeto do dendê acontece da seguinte maneira: Por meio de uma palestra a empresa convida os agricultores para participar do projeto de dendê e o sindicado dos trabalhadores rurais prepara toda a documentação do agricultor para viabilizar o financiamento junto ao banco. A empresa financia a limpeza da área, o marco, a plantação, adubo e assistência técnica, além de uma ajuda de custo no valor de R$ 500 mensais. Em contrapartida, os agricultores tem que cumprir algumas obrigações contratuais como vender a produção para a empresa durante a duração de um contrato de 25 anos, o processo de plantio até a colheita dura 3 anos e a colheita é feita de 12 em 12 dias. Através das entrevistas com os agricultores percebemos que a monocultura do dendê apresenta vantagens e dificuldades. Em entrevista com o agricultor Paulo Vidal, ele nos afirmou que optou pelo dendê por que diziam que era bom, mas não o agradou, sua plantação foi queimada e só lhe restaram 600 pés. Outra dificuldade está relacionada a manutenção do plantio porque estão plantando na mesma área uma leguminosa de nome “puerará” que causa muita coceira, então a coroa da arvore tem que ser feita com trator que geralmente é alugado.
  6. 6. Figura 03 – Tomé-açú(PA): Iconografia do PAULO VIDALna comunidade agrícola doMiritipitangano qual ele fala quais impactos ele sofreu com a implantação da monocultura do dendê em sua propriedade e quais as expectativas dele em relação ao dendê dentro de suas terras. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 O contrato do Sr. Paulo com a empresa é de 14 anos, ele trabalha com um filho no dendezal e algumas vezes contratam trator para fazer a coroa. Já na agricultura familiar eles continuaram plantando mandioca, pimenta, açaí e cacau, algumas vezes contratam trabalhadores diaristas pra ajudar no roçado, eles dividem o tempo para trabalhar na agricultura familiar e no dendezal. A vida financeira da família do Sr. Paulo não melhorou, a renda familiar é proveniente da venda de produtos da agricultura e mais R$ 500 mensais de ajuda de custo que a Biopalma repassa a eles. Em outras entrevistas que fizemos percebemos essas vantagens e dificuldades, entrevistamos a família do Sr. Francisco Luiz Carneiro dos Santos e sua esposa Carliane Souza Andrade. Ele trabalha no terreno do sogro de 25 hectares e plantou dendê em 10 hectares, que equivale a 1430 pés. Decidiu plantar dendê pela vida prolongada e alta produtividade do dendê que nos primeiros anos é de 3ton/hec e depois pode chegar há 15 ton/hec, e também porque o terreno é muito úmido e por isso improdutivo para o plantio da mandioca. A família do Sr. Luiz deixou de cultivar outras culturas (pimenta e mandioca que produziam antes) para se dedicar ao dendê, ele trabalha sozinho no dendezal e diz não ter tempo de trabalhar no roçado. A Senhora Carliane nos informou que agora eles têm que comprar tudo o que antes eles produziam (feijão, arroz, farinha). Ela avalia que até o momento a vida da família não melhorou, mas esperam que no futuro melhore, o Sr. Luiz nos disse que pensa em voltar a produzir a cultura familiar.
  7. 7. Figura 04 - Tomé-açú(PA): Iconografia do Sr. FRANCISCO LUIZ CARNEIRO DOS SANTOS da comunidade agrícola do Miritipitanga na qual ele fala sobre a mudança do valor da terra, deixando de ser uma mercadoria de valor de uso para se tornar valor de troca e no que isso vai implicar no modo de vida deles. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 Já o agricultor Raimundo Nonato da Silva trabalhava na roça e cultivava mandioca a pimenta e avalia que sua vida melhorou 50% com o projeto do dendê. Ele faz uma roça de mandioca por ano, trabalha numa horta e em 10 hectares de dendê. Quando perguntado se a produção do dendê esta ameaçando a agricultura familiar, Seu Raimundo Nonato disse agora não está afetando, mas no futuro sim. Ele relatou também a dificuldade em trabalhar com dendê, tem que limpar no tempo certo. Figura 05 – Tomé-açu(PA): Iconografia do quinto entrevistado RAIMUNDO NONATO DA SILVA no qual ele se diz muito satisfeito com a monocultura do dendê, pois a partir dela aumentará seus rendimentos e o possibilitará ter um maior poder de consumo no qual ele não tinha acesso antes, isso evidencia mais uma vez a inversão do valor de uso pelo valor de troca dentro da comunidade agrícola. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013
  8. 8. Visitando a Empresa Biopalma: experiências com o processo empresarial do dendê e sua relação com a agricultura familiar A empresa Biopalma da Amazônia SA, empresa da Vale em sociedade com o Grupo MSP, é dedicada a extração do óleo de palma derivado do dendê. Ela possui 52 mil hectares de plantações da palma distribuídas em alguns municípios sendo 70% propriedade da empresa e 30% (destinados) a agricultores familiares. A produção da Biopalma é dividida em pólos que servem para sistematizar a produção, os pólos são: Tome-açú, Moju e Vera Cruz (Acará). O objetivo da empresa é produzir o biodiesel original do óleo da palma almejando alcançar através de seu projeto o consumo de 20% de biodiesel de combustível, ou seja, a cada 100 litros consumidos pela empresa seriam 20 litros de biodiesel usados em outros empreendimentos da Vale. A cidade de Tomé-açú possui hoje 11.795 hectares de plantio, alguns com divisas com o município do Acará.
  9. 9. Figura 06 – Tomé-açu(PA): Iconografia do Engenheiro José falando sobre as informações relacionadas a produção, circulação e cultivo da monocultura do dendê na biopalma, mostrando suas particularidades. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 Fomos recebidos no segundo dia de Trabalho de Campo Integrado na empresa Biopalma por alguns funcionários, eles nos deram válidas informações sobre a produção e a relação da empresa com a agricultura familiar da cidade de Tomé-açú, de inicio soubemos que a empresa tem como objetivo alcançar a meta de 60 mil hectares próprios e 20 mil hectares de plantio pela agricultura familiar, este indicativo corrobora com a política de segurança da empresa e sua estrutura física. A agrovila da Biopalma é estruturada com escritório, ambulatório, refeitório, alojamento e unidade extratora. No pólo em que visitamos 1.100 trabalhadores moradores da região prestam serviços para a empresa, sendo a maioria, trabalhadores de nível de escolaridade baixo, treinados para o trabalho direto nas plantações. Segundo informações obtidas em entrevista com o engenheiro florestal José da agrovila, a empresa Biopalma possui parceria com sindicatos e associações, estas que estão presentes nas cidades e auxiliam os agricultores familiares e oferece o auxilio possível aos mesmos na expectativa de estabelecer boa relação com os envolvidos com agricultura familiar. A empresa faz a implantação do projeto e por aí é feito o contrato com média de 25 anos, podendo ou não haver a renovação. A empresa garante comprar o plantio desses agricultores, mas não necessariamente estes vendem para a Biopalma. Isso depende dos objetivos da família. Os agricultores recebem a visita da assistência técnica e são orientados até a fase do plantio e manutenção. Quanto a colheita os agricultores recebem assistência e técnicas de corte da própria Biopalma.
  10. 10. A biopalma produz dendê, mas deixa o agricultor livre para plantar outras culturas (mandioca, açaí, farinha, pimenta do reino), sendo o dendê só mais uma fonte de renda. O objetivo é manter a mão de obra familiar, e a própria família (filhos e irmãos) cuida da produção, mas em algum momento o agricultor pode contratar para acelerar algum processo e também permitir que ele faça outras atividades. Há também o que eles chamam de mutirão, onde alguns agricultores se reúnem e buscam se ajudar. Alguns possuem somente a força braçal e outros possuem algum tipo de maquinário (trator, roçadeira, carretinha). Figura 06 – Tomé-açu(PA): Iconografia tirada da plantação da monocultura do dendê dentro da empresa biopalma. Fonte: SILVA, R. S., ago/2013 A empresa encontra algumas dificuldades como a resistência dos trabalhadores em utilizar as técnicas e equipamentos que ela pede, pois os agricultores conhecem suas próprias técnicas. Porém o que apenas é exigido pela empresa é que os trabalhadores devem usar os equipamentos de proteção individual. E a legalização fundiária de pequenos agricultores que também já fazem parte de outros programas e que estão endividados, isso dificulta bastante. E a questão da própria degradação. Além do fato de que muitos agricultores não tem na propriedade a quantidade exigida por lei de reserva. Para a empresa, portanto, é benefício ter o agricultor próximo para próprio acompanhamento. Quanto mais rápido processar o dendê é melhor a qualidade.
  11. 11. Considerações Finais Colocar em prioridades os novos desafios da ciência geográfica, em que a dinâmica do processo de construção do espaço é constante e sofrem as mais variadas modificações ao longo do tempo, da história, os seus conceitos e categorias investigados dentro de uma realidade que é mutável, transformante, dinâmica e que de conta de responder as questões bem mais complexas, hibridas e heterogêneas. Fazendo análises sobre a realidade, sobre o espaço socialmente construído. O território nasce com uma dupla conotação material e simbólica, relação de poder, mas não apenas ao tradicional poder político, e sim poder no sentido mais concreto, de dominação, funcional e quanto ao poder no sentido mais simbólico, de apropriação, carregando as marcas do vivido, do valor de uso, de identidade, cultural, de representação. O território imaterial pertence ao mundo das ideias, das intencionalidades que coordena e organiza o mundo material, transformando coisas e produzindo objetos na produção do espaço e do território, por isso os conflitos, as contradições quanto ao reconhecimento, não de uma visão, um único caminho como a ciência tentar colocar uma singularidade, se impor diante dos os conhecimentos, mas sim que existe pluralidade e diversidade e não uma hierarquia das experiências humanas, no campo da politica esses embates são ainda mais fortes e mais complexos, pois os processos são seletivos e desiguais. Temos temporalidades diferentes com a chegada da Empresa Bio Palma, “Vale”, nessa região, aonde os contrastes vão se firmando, a construção do território é, contraditoriamente o desenvolvimento desigual, simultâneo combinado, ou seja, valorização, produção e reprodução ampliada do capital. A plantação de monocultura define e caracteriza o campo, transformando a terra num mar de dendê é a territorialização do capital monopolista na agricultura, é a homogeneização de uma única agricultura, é o tempo do capital, do relógio, da produtividade, da eficiência, da funcionalidade exigidas pela competitividade do mercado, commodities. A empresa se expande e adquire novas terras, para a produção do dendê, transformando e reordenando uma nova dinâmica na região, montando toda uma logística de produção, de técnicas, aperfeiçoamentos ( adubos e técnicos em solo ) e fluxos, mobilidade da produção, e apenas contrata os trabalhadores como assalariados, em épocas que a sua mão de obra é mais exigida no plantio e na colheita, que possuem pouca qualificação, não ocorre o desenvolvimento social.
  12. 12. Os processos de produção acabam se confundindo, mas em outro momento temos a subordinação da produção camponesa, é a monopolização do território pelo capital. As agriculturas plurais, a agricultura familiar e o território como símbolo, e prática da existência da vida e do seu lócus de reprodução social. Acabam sendo condicionados pelo capital a uma racionalidade da produção da eficiência, marginalizando as práticas tradicionais da agricultura familiar e do camponês. Como funciona essa racionalidade que é imposta pela Empresa Bio-Palma para os pequenos agricultores são feitos contratos que variam entre 15 e 25 anos, onde os plantadores ficam obrigados a produzir o dendê em parte das suas terras, recebem ajuda de custo, de técnicos, adubos e a garantia que a sua produção vai ser comprada pela empresa, com o preço sendo estabelecido pela cotação do dólar, sofrendo variações, que dificultam para o agricultor saber o preço da sua produção. A cultura do dendê praticamente impossibilita outras atividades, pois necessita de muita energia para a concretização de todo o processo produtivo, acarretando em grandes dificuldades para a agricultura tradicional e para as multiculturas, é a substituição do valor de uso, do lugar da apropriação, da identidade com o território para a funcionalidade do lugar, o que acaba sendo percebido como uma amarra, onde o capital se apropria da renda da terra camponesa e do seu trabalho. O espaço é socialmente construído, possuindo uma grande complexidade de agentes sociais, e uma dinâmica em intenso processo de movimento, transformações, rugosidades e permanências aparentes. Percebemos uma nova reordenação do espaço, focada em uma agricultura singular, monocultura em detrimentos as outras multiculturas, sendo que a plantação de dendê possibilita a atração de animais que buscam se alimentar, quando essa questão foi levantada gerou algumas inquietações, pois a mucura que serve de alimento para cobras principalmente as peçonhentas vem em busca do fruto do dendê, logo acaba atraindo cobras perigosas para a plantação, não que neste lugar seja o seu habitar natural, pois o espaço dessa reprodução foi socialmente construindo, implicando em várias problemáticas, como a questão da segurança dos trabalhadores e dos agricultores dentro dessas áreas do dendê, gerando muitos questionamentos sobre esse tipo de produção. A geografia faz parte de todo esse processo e possui uma importante contribuição para a construção do conhecimento, para a análise do espaço, de uma essência epistemológica que priorize as praticas dos sujeitos sociais, e que a pluralidade e a diversidade sejam questões fundamentais como forma de interpretação da realidade e dos
  13. 13. seus agentes que a produzem e a edificam. Sendo em minha opinião a inserção da política e o seu reconhecimento indispensável para a formação da cidadania da população, da afirmação de uma sociedade participativa, de uma nação. Anexo 01: Multimídia com fotografias da atividade de campo do dia 01 e 02 na cidade de Tomé-açú.

×