Situação de aprendizadem_grupo 8

502 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
502
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Situação de aprendizadem_grupo 8

  1. 1. SITUAÇÃO DEAPRENDIZAGEMCAPACIDADES DE LEITURA
  2. 2. Esta Situação de Aprendizagem tem como objetivocriar várias situações de leitura e análise textual, afim de levar os alunos a desenvolverem capacidadesleitoras além da decodificação,contemplando assim aleitura cidadã que envolve as capacidades deapreciação e réplica e de compreensão por meio daativação de conhecimentos de mundo, antecipaçãode conteúdos, checagem de hipóteses, localização ecomparação de informações e por fimgeneralizações.
  3. 3.  PÚBLICO ALVO: 6º ano TEMPO PREVISTO: 5 a 6 aulas CONTEÚDO E TEMAS: Capacidades de leitura COMPETÊNCIAS E HABILIDADES: ativar o conhecimento de mundo,antecipar e checar hipóteses, localizar e comparar informações, elaborarconclusões, produzir inferências locais e globais, reconhecer aintertextualidade a interdiscursividade e outras linguagens e elaborarapreciações relativas a valores estéticos e políticos. ESTRATÉGIAS: aula interativa, com a participação dialógica do aluno, coma preparação e o conhecimento de estratégias de leitura por parte doprofessor; rodas de leitura; trabalhos em grupo; uso de recursosaudiovisuais; valorização de um aprendizado ativo centrado especialmenteno refletir. RECURSOS: texto, letra de música, vídeo, dicionário de Língua Portuguesa AVALIAÇÃO: desenvolvimento de atividades durante os debates,elaboração da ficha técnica, apresentação oral.
  4. 4. ATIVAÇÃO DE CONHECIMENTOS DE MUNDO;ANTECIPAÇÃO OU PREDIÇÃO; CHECAGEM DEHIPÓTESESProfessor, importante! O objetivo dessa atividade não é fazer com que osalunos respondam questões complexas que demonstrem seuconhecimento prévio.Você deverá considerar a idade e o repertório quepossuem.- Você tem animal de estimação ?- Que animal?- Você já viu um avestruz ?- Conhece a expressão “ fulano tem estômago de avestruz” o que significaisto ?- Como seria ter uma avestruz como animal de estimação em casa ?Agora leia o texto “Avestruz” de Mário Prata
  5. 5. AvestruzMário PrataO filho de uma grande amiga pediu, de presente pelos seus dez anos, uma avestruz.Cismou, fazer o quê? Moram em um apartamento em Higienópolis, São Paulo. E ela memandou um e-mail dizendo que a culpa era minha. Sim, porque foi aqui ao lado de casa,em Floripa, que o menino conheceu as avestruzes. Tem uma plantação, digo, criaçãodeles. Aquilo impressionou o garoto.Culpado, fui até o local saber se eles vendiam filhotes de avestruzes. E se entregavam emdomicílio.E fiquei a observar a ave. Se é que podemos chamar aquilo de ave. A avestruz foi um erroda natureza, minha amiga. Na hora de criar a avestruz, deus devia estar muito cansado ecometeu alguns erros. Deve ter criado primeiro o corpo, que se assemelha, em tamanho,a um boi. Sabe quanto pesa uma avestruz? Entre 100 e 160 quilos, fui logo avisando aminha amiga. E a altura pode chegar a quase três metros. 2,7 para ser mais exato.Mas eu estava falando da sua criação por deus. Colocou um pescoço que não temabsolutamente nada a ver com o corpo. Não devia mais ter estoque de asas no paraíso,então colocou asas atrofiadas. Talvez até sabiamente para evitar que saíssem voando embandos por aí assustando as demais aves normais.
  6. 6. Outra coisa que faltou foram dedos para os pés. Colocou apenas dois dedos em cada pé.Sacanagem, Senhor!Depois olhou para sua obra e não sabia se era uma ave ou um camelo. Tanto é que logodepois, Adão, dando os nomes a tudo que via pela frente, olhou para aquele ser meioabominável e disse: Struthio camelus australis. Que éo nome oficial da coisa. Acho que o struthio deve ser aquele pescoço fino em forma desalsicha.Pois um animal daquele tamanho deveria botar ovos proporcionais ao seu corpo. Outroerro. É grande, mas nem tanto. E me explicava o criador que elas vivem até os setentaanos e se reproduzem plenamente até os quarenta, entrando depois na menopausa, nãotêm, portanto, TPM. Uma avestruz com TPM é perigosíssima!Podem gerar de dez a trinta crias por ano, expliquei ao garoto, filho da minha amiga. Poisele ficou mais animado ainda, imaginando aquele bando de avestruzes correndo pela salado apartamento.Ele insiste, quer que eu leve uma avestruz para ele de avião, no domingo. Não sabia maiso que fazer.Foi quando descobri que elas comem o que encontram pela frente, inclusive pedaços deferro e madeiras. Joguinhos eletrônicos, por exemplo. máquina digital de fotografia, timesinteiros de futebol de botão e, principalmente, chuteiras. E, se descuidar, um mouse devez em quando cai bem.
  7. 7. Parece que convenci o garoto. Me telefonou e disse que troca o avestruz porcinco gaivotas e um urubu.Pedi para a minha amiga levar o garoto num psicólogo. Afinal, tenho mais o quefazer do que ser gigolô de avestruz.PRATA, Mário. Avestruz. 5ª série/ 6º ano vol. 2Caderno aluno p. 9Caderno do Professor p. 18
  8. 8. LOCALIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES;COMPARAÇÃO DE INFORMAÇÕES;GENERALIZAÇÕES.Professor! O objetivo dessa atividade é levar os alunos a construírem caminhosde leitura que revelem uma informação, muitas vezes despercebida no texto. Preencha a ficha técnica abaixo, com base nas informações do texto:Ficha TécnicaNome científicoPesoAlturaExpectativa de vida
  9. 9. PARAVOCÊ, PROFESSOR!Sobre o conceito de inferência, Maria Laura Franco, autora do livroAnálise de conteúdo, diz:“Se a descrição(a enumeração das característicasdo texto, resumida após um tratamento inicial) é a primeira etapanecessária e se a interpretação(a significação concedida a essacaracterísticas) é a última fase, a inferência é o procedimentointermediário que vai permitir a passagem, explícita e controlada, dadescrição à interpretação”.FRANCO, Maria Laura. Análise de conteúdo.Brasília: Liber Livro, 2007. Série Pesquisa,sob coordenação de Bernadete A. Gatti.
  10. 10. PRODUÇÃO DE INFERÊNCIAS LOCAIS;PRODUÇÃO DE INFERÊNCIAS GLOBAIS Responda às questões: Você sabe por que os animais tem nomescientíficos? Na sua opinião por que o garoto desistiu de ter oavestruz e se interessou em gaivotas e urubus?
  11. 11. RECUPERAÇÃO DO CONTEXTO DE PRODUÇÃO;DEFINIÇÃO DE FINALIDADES E METAS DAATIVIDADE DE LEITURAProfessor, uma dica! É importante que os alunosobservem os traços característicos de uma crônica. O texto que você leu é uma crônica, geralmente ostextos deste gênero são publicados em jornais. Quemvocê acha que lê este tipo de texto? Uma das características da crônica é a narrativa atual deum fato do cotidiano. Que elementos do próprio textoconfirmam isto?
  12. 12. PROFESSOR,ATENÇÃO!Intertextualidade acontece quando há uma referência explícita ouimplícita de um texto em outro.Também pode ocorrer com outras formasalém do texto, música, pintura,filme, novela etc.Toda vez que uma obrafizer alusão à outra ocorre a intertextualidade.Apresenta-se explicitamente quando o autor informa o objeto de suacitação. Num texto científico, por exemplo, o autor do texto citado éindicado, já na forma implícita, a indicação é oculta. Por isso é importantepara o leitor o conhecimento de mundo, um saber prévio, para reconhecere identificar quando há um diálogo entre os textos.A intertextualidadepode ocorrer afirmando as mesmas idéias da obra citada ou contestando-as. Há duas formas: a Paráfrase e a Paródia.Fonte: http://www.infoescola.com/portugues/intertextualidade-parafrase-e-parodia/
  13. 13. PERCEPÇÃO DAS RELAÇÕES DEINTERTEXTUALIDADE ; PERCEPÇÃO DASRELAÇÕES DE INTERDISCURSIVIDADE Leia a letra da música Avestruz de Dé Di Paula eZé Henrique: Disponível em: http://www.vagalume.com.br/de-di-paula-ze-henrique/avestruz.html Compare as informações referentes àscaracterísticas do avestruz com as informações naletra da música e na ficha que você elaborou.Aponte as semelhanças entre os textos.
  14. 14. PERCEPÇÃO DE OUTRAS LINGUAGENS; ELABORAÇÃODE APRECIAÇÕES ESTÉTICAS E AFETIVAS; ELABORAÇÃODE APRECIAÇÕES RELATIVAS AVALORES ÉTICOS EPOLÍTICOS Agora participe junto com seus colegas de umdebate a respeito da imposição de limites pelospais : Você acha normal o pedido do garoto? E os pais atenderem ao pedido do garoto, vocêconcorda?
  15. 15.  Junto com seu professor, assista ao vídeo: Oavestruz nascendo. Disponível em: www.youtube.com/watch?v=P_rAtx0wcAE Compare as informações do vídeo com otexto de Mário Prata e responda: O que dá o tom de humor ao texto?
  16. 16. BIBLIOGRAFIA DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita.Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais eescritos na escola”. Campinas(SP): Mercado de Letras; 2010 ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. São Paulo: SEE:CENP, 2004.Textos: Avestruz, de Mário PrataDisponível em: http://efp-ava.cursos.educacao.sp.gov.br/Resource/404291,36D/Assets/linguaportuguesa/pdf/Avestruz.pdf Avestruz, de Dé Di Paula e Zé HenriqueDisponível em: http://www.vagalume.com.br/de-di-paula-ze-henrique/avestruz.htmlVídeos: AvestruzDisponível em: http://www.youtube.com/watch?v=P_rAtx0wcAE
  17. 17.  Caderno do professor :língua portuguesa, ensino fundamental – 5ª série, volume 4/Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; equipe, Débora Mallet Pezarimde Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, João Henrique Nogueira Mateos, José Luís MarquesLópez Landeira. – São Paulo:SEE, 2009 Caderno do professor :língua portuguesa, ensino fundamental – 6ª série, volume 2/Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; equipe, Débora Mallet Pezarimde Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, João Henrique Nogueira Mateos, José Luís MarquesLópez Landeira. – São Paulo:SEE, 2009 Caderno do professor :língua portuguesa, ensino fundamental – 7ª série, volume 2/Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; equipe, Débora Mallet Pezarimde Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, João Henrique Nogueira Mateos, José Luís MarquesLópez Landeira. – São Paulo:SEE, 2009
  18. 18. COMPONENTES DO GRUPO 8 – TURMA 1: EDNALDO TORRES DA SILVA – DER – Leste 3 JANE RÚBIA ADAMI – DER – Centro Oeste MÔNICA SILVA DE LIMA – DER Leste 1

×