Inclusão de Crianças Especiais na IgrejaInclusão de Crianças Especiais na Igreja
Mônica CoroposMônica Coropos
11 de novemb...
DIA DE FESTA
Hoje e dia de festa: Aleluia!
Hoje e dia de cantar a Jesus, a Jesus!
Hoje e dia de festa: Aleluia!
Hoje e dia...
Rir é bom pra cantar
(Mônica Coropos)
Há há há há há
Rir é bom pra cantar!
MINHA CANÇÃO
(Chico Buarque)
DORME A CIDADE
RESTA UM CORAÇÃO
MISTERIOSO
FAZ UMA ILUSÃO
SOLETRA UM VERSO
LARGA MELODIA
SING...
CÂNONE DOS INSTRUMENTOS
 O violino soando tão suave
Parece, assim, que deseja cantar
 A clarineta, a clarineta
Faz du-du...
Conforme a Resolução número 2/2001, os alunos com
necessidades educacionais especiais aqui referidos são
aqueles que duran...
Para o auxílio a esses alunos, algumas
ações estarão relacionadas ao
trabalho realizado por profissionais
da educação, que...
O Parecer CNE/CEB 17/2001 deixa claro que
“cabe a todos”,
principalmente aos setores de pesquisa e às
universidades, o des...
Principais Deficiências
Mental
●
Segundo a AAMR (Associação Americana de
Deficiência Mental) e DSM-IV (Manual
Diagnóstico e Estatístico de Transto...
Física
●
A deficiência física refere-se ao
comprometimento do aparelho locomotor que
compreende o sistema ósteo-articular,...
Visual
●
O termo deficiência visual
refere-se a uma situação
irreversível de diminuição da
resposta visual, em virtude de
...
Auditiva
●
A Deficiência Auditiva é considerada
genericamente como a diferença existente
entre a performance do indivíduo ...
Cada necessidade é única e,
portanto, cada caso deve ser
estudado com muita atenção. A
experimentação deve ser
muito utili...
O professor deve ter como
propósito não a limitação, mas
sempre o potencial de cada aluno.
●
· Não exigir do aluno qualida...
●
TEATRO NÃO VERBAL: O aluno irá utilizar o
corpo e gestos para transmitir uma
mensagem
●
FILME SEM SOM: Poderá levar ao a...
●
PAINEL DE ROTINA: Utilização de material
com informação visual.
●
FANTOCHES: utilizar fantoches ajuda a
promover o desen...
PECS- SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR FIGURAS
(PECS- PICTURE EXCHANGE COMMUNICATION SYSTEM):
●
Este é o método de comunicação m...
●
. recursos pedagógicos adaptados;
●
. adaptadores manuais;
●
. informática;
●
. mobiliário adaptado;
●
. mobilidade;
●
....
CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS:
Deficientes Físicos
 Priorização do Ritmo (principalmente no
compasso binário);
 Instrumentos ...
CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS:
Deficientes Mentais
O portador de deficiência mental apresenta uma lentidão no
seu desenvolvimen...
 (Re)conhecimento do corpo e dos seu(s) tempo(s);
 Jogos que envolvam a expressão corporal e a
música;
 O som, o desenh...
Ação- reação
 Espalhe objetos pela sala (cordas, fitas,
lenços, bolas, leques, chapéus, etc)
 Coloque um CD e deixe que ...
DOMINÓ DAS CORES
Facilita a nomeação das cores, a
discriminação
visual e a correspondência um a um. As
peças
DOMINÓ DE TEXTURAS
Permite o desenvolvimento da discriminação
visual
de padrões e discriminação tátil, requisitos
importan...
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inclusao de criancas_especiais_na_igreja

450 visualizações

Publicada em

http://pt.slideshare.net/monicacoropos/usa-senhor-monicacoropos?related=2

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
450
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inclusao de criancas_especiais_na_igreja

  1. 1. Inclusão de Crianças Especiais na IgrejaInclusão de Crianças Especiais na Igreja Mônica CoroposMônica Coropos 11 de novembro/201311 de novembro/2013
  2. 2. DIA DE FESTA Hoje e dia de festa: Aleluia! Hoje e dia de cantar a Jesus, a Jesus! Hoje e dia de festa: Aleluia! Hoje e dia de cantar ao Senhor! Ele vive, o meu Jesus vive: Aleluia! Ele vive, o meu Jesus vive: Aleluia! Aleluia!
  3. 3. Rir é bom pra cantar (Mônica Coropos) Há há há há há Rir é bom pra cantar!
  4. 4. MINHA CANÇÃO (Chico Buarque) DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE DOCE A MÚSICA SILENCIOSA LARGA MEU PEITO SOLTA-SE NO ESPAÇO FAZ-SE CERTEZA MINHA CANÇÃO RESTIA DE LUZ ONDE DORME O MEU IRMÃO....
  5. 5. CÂNONE DOS INSTRUMENTOS  O violino soando tão suave Parece, assim, que deseja cantar  A clarineta, a clarineta Faz du-du-du-du-dê  A trombeta prateada faz Tátárará Tararatatá  O tímpano toca sempre em dois tons Seja este ou aquele são sempre dois tons
  6. 6. Conforme a Resolução número 2/2001, os alunos com necessidades educacionais especiais aqui referidos são aqueles que durante o processo educacional, apresentam: I- dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de recursos pedagógicos adaptados, desenvolvimento que dificultam o acompanhamento das atividades curriculares compreendidas em dois grupos: a) aquelas necessidades não vinculas a uma causa orgânica específica; b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências;
  7. 7. Para o auxílio a esses alunos, algumas ações estarão relacionadas ao trabalho realizado por profissionais da educação, que necessitam estar preparados para atuar em classes comuns com alunos que apresentam alguma deficiência. Nesse sentido, o artigo 18 da Resolução número 2/2001 aponta algumas competências necessárias ao
  8. 8. O Parecer CNE/CEB 17/2001 deixa claro que “cabe a todos”, principalmente aos setores de pesquisa e às universidades, o desenvolvimento de estudos na busca de melhores recursos para auxiliar/ampliar a capacidade das pessoas com necessidades educacionais especiais de se comunicar, de se locomover e de participar de maneira, cada vez mais autônoma, do meio educacional, da vida produtiva e da vida social, exercendo assim, de maneira plena, a sua cidadania
  9. 9. Principais Deficiências
  10. 10. Mental ● Segundo a AAMR (Associação Americana de Deficiência Mental) e DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), por deficiência mental entende-se o estado de redução notável do funcionamento intelectual significativamente inferior à média, associado a limitações pelo menos em dois aspectos do funcionamento adaptativo: comunicação, cuidados pessoais, competência domésticas, habilidades sociais, utilização dos recursos comunitários, autonomia, saúde e segurança, aptidões escolares, lazer e trabalho.
  11. 11. Física ● A deficiência física refere-se ao comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema ósteo-articular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças ou lesões que afetam quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em conjunto, podem produzir quadros de limitações físicas de grau e gravidade variáveis, segundo o(s) segmento(s) corporais afetados e o tipo de lesão ocorrida. ● Podemos citar: Esclerose Múltipla, Síndrome
  12. 12. Visual ● O termo deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em virtude de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou
  13. 13. Auditiva ● A Deficiência Auditiva é considerada genericamente como a diferença existente entre a performance do indivíduo e a habilidade normal para a detecção sonora de acordo com padrões estabelecidos pela American National Standards Institute (ANSI - 1989). ● Zero audiométrico (0 dB N.A) refere-se aos valores de níveis de audição que correspondem à média de detecção de sons em várias freqüências, por exemplo: 500 Hz, 1000 Hz, 2000 Hz, etc. ● Considera-se, em geral, que a audição normal
  14. 14. Cada necessidade é única e, portanto, cada caso deve ser estudado com muita atenção. A experimentação deve ser muito utilizada, pois permite observar como a ajuda técnica desenvolvida está contemplando as
  15. 15. O professor deve ter como propósito não a limitação, mas sempre o potencial de cada aluno. ● · Não exigir do aluno qualidades que ele não tem, ou que faça algo que esteja limitado por sua deficiência; ● · Valorize os alunos em suas potencialidades, nos seus melhores aspectos e não enfatizar seus erros e pontos fracos; ● · Lembre-se que todas têm condições em comum a necessidade do amor, compreensão e aceitação;
  16. 16. ● TEATRO NÃO VERBAL: O aluno irá utilizar o corpo e gestos para transmitir uma mensagem ● FILME SEM SOM: Poderá levar ao aluno refletir sobre como se sente o colega surdo. ● HISTÓRIAS NÃO VERBAIS: Utilizar elementos não verbais para a transmissão de mensagens.
  17. 17. ● PAINEL DE ROTINA: Utilização de material com informação visual. ● FANTOCHES: utilizar fantoches ajuda a promover o desenvolvimento integral dos alunos. ● TEATRO E VARAS: usado para ampliar vinculo afetivo, descobrindo seu corpo e potencialidades, limites e fortalecendo sua autoestima na relação social ampla.
  18. 18. PECS- SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR FIGURAS (PECS- PICTURE EXCHANGE COMMUNICATION SYSTEM): ● Este é o método de comunicação mais utilizado com autistas, desde os primeiros anos de vida. Muito popular seu uso em escolas (classes especiais), terapias e em casa. Os PECS são extremamente importantes para os autistas não verbais.
  19. 19. ● . recursos pedagógicos adaptados; ● . adaptadores manuais; ● . informática; ● . mobiliário adaptado; ● . mobilidade; ● . recursos para comunicação alternativa.
  20. 20. CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS: Deficientes Físicos  Priorização do Ritmo (principalmente no compasso binário);  Instrumentos de fácil manuseio;  Coreografias (Ex.: Sinais);  Participações em conjunto com os demais, sempre que possível (inclusão).
  21. 21. CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS: Deficientes Mentais O portador de deficiência mental apresenta uma lentidão no seu desenvolvimento geral, e muitos, desde o nascimento apresentam distúrbios respiratórios e cardíacos; tais fatores acarretam para essas crianças dificuldades com o próprio corpo, bem como dificuldade de aprendizagem. A Música, nestes casos, poderá facilitar a aproximação do deficiente com o meio externo, com a conscientização do seu próprio corpo e com suas capacidades cognitivas, promovendo um maior desenvolvimento de suas potencialidades. Se Deus te confiar um destes pequeninos, Ele mesmo irá te capacitar e honrar. Não desista!
  22. 22.  (Re)conhecimento do corpo e dos seu(s) tempo(s);  Jogos que envolvam a expressão corporal e a música;  O som, o desenho;  O som e o movimento do corpo;  Dança criativa.
  23. 23. Ação- reação  Espalhe objetos pela sala (cordas, fitas, lenços, bolas, leques, chapéus, etc)  Coloque um CD e deixe que cada grupo se expresse, reaja.  Converse sobre o que levou cada um a escolher o objeto, e no sentimento ao realizar a tarefa.
  24. 24. DOMINÓ DAS CORES Facilita a nomeação das cores, a discriminação visual e a correspondência um a um. As peças
  25. 25. DOMINÓ DE TEXTURAS Permite o desenvolvimento da discriminação visual de padrões e discriminação tátil, requisitos importantes para alunos que tenham alterações sensoriais e dificuldades para discriminar, perceptualmente, estímulos visuais. Pode ser utilizado para viabilizar a alfabetização, que exige discriminação apurada de símbolos na forma gráfica. Descrição:

×