O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Inclusão de Crianças Especiais na IgrejaInclusão de Crianças Especiais na Igreja
Mônica CoroposMônica Coropos
11 de novemb...
DIA DE FESTA
Hoje e dia de festa: Aleluia!
Hoje e dia de cantar a Jesus, a Jesus!
Hoje e dia de festa: Aleluia!
Hoje e dia...
Rir é bom pra cantar
(Mônica Coropos)
Há há há há há
Rir é bom pra cantar!
MINHA CANÇÃO
(Chico Buarque)
DORME A CIDADE
RESTA UM CORAÇÃO
MISTERIOSO
FAZ UMA ILUSÃO
SOLETRA UM VERSO
LARGA MELODIA
SING...
CÂNONE DOS INSTRUMENTOS
 O violino soando tão suave
Parece, assim, que deseja cantar
 A clarineta, a clarineta
Faz du-du...
Conforme a Resolução número 2/2001, os alunos com
necessidades educacionais especiais aqui referidos são
aqueles que duran...
Para o auxílio a esses alunos, algumas
ações estarão relacionadas ao
trabalho realizado por profissionais
da educação, que...
O Parecer CNE/CEB 17/2001 deixa claro que
“cabe a todos”,
principalmente aos setores de pesquisa e às
universidades, o des...
Principais Deficiências
Mental
●
Segundo a AAMR (Associação Americana de
Deficiência Mental) e DSM-IV (Manual
Diagnóstico e Estatístico de Transto...
Física
●
A deficiência física refere-se ao
comprometimento do aparelho locomotor que
compreende o sistema ósteo-articular,...
Visual
●
O termo deficiência visual
refere-se a uma situação
irreversível de diminuição da
resposta visual, em virtude de
...
Auditiva
●
A Deficiência Auditiva é considerada
genericamente como a diferença existente
entre a performance do indivíduo ...
Cada necessidade é única e,
portanto, cada caso deve ser
estudado com muita atenção. A
experimentação deve ser
muito utili...
O professor deve ter como
propósito não a limitação, mas
sempre o potencial de cada aluno.
●
· Não exigir do aluno qualida...
●
TEATRO NÃO VERBAL: O aluno irá utilizar o
corpo e gestos para transmitir uma
mensagem
●
FILME SEM SOM: Poderá levar ao a...
●
PAINEL DE ROTINA: Utilização de material
com informação visual.
●
FANTOCHES: utilizar fantoches ajuda a
promover o desen...
PECS- SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR FIGURAS
(PECS- PICTURE EXCHANGE COMMUNICATION SYSTEM):
●
Este é o método de comunicação m...
●
. recursos pedagógicos adaptados;
●
. adaptadores manuais;
●
. informática;
●
. mobiliário adaptado;
●
. mobilidade;
●
....
CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS:
Deficientes Físicos
 Priorização do Ritmo (principalmente no
compasso binário);
 Instrumentos ...
CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS:
Deficientes Mentais
O portador de deficiência mental apresenta uma lentidão no
seu desenvolvimen...
 (Re)conhecimento do corpo e dos seu(s) tempo(s);
 Jogos que envolvam a expressão corporal e a
música;
 O som, o desenh...
Ação- reação
 Espalhe objetos pela sala (cordas, fitas,
lenços, bolas, leques, chapéus, etc)
 Coloque um CD e deixe que ...
DOMINÓ DAS CORES
Facilita a nomeação das cores, a
discriminação
visual e a correspondência um a um. As
peças
DOMINÓ DE TEXTURAS
Permite o desenvolvimento da discriminação
visual
de padrões e discriminação tátil, requisitos
importan...
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Inclusao de criancas_especiais_na_igreja
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inclusao de criancas_especiais_na_igreja

608 visualizações

Publicada em

http://pt.slideshare.net/monicacoropos/usa-senhor-monicacoropos?related=2

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Inclusao de criancas_especiais_na_igreja

  1. 1. Inclusão de Crianças Especiais na IgrejaInclusão de Crianças Especiais na Igreja Mônica CoroposMônica Coropos 11 de novembro/201311 de novembro/2013
  2. 2. DIA DE FESTA Hoje e dia de festa: Aleluia! Hoje e dia de cantar a Jesus, a Jesus! Hoje e dia de festa: Aleluia! Hoje e dia de cantar ao Senhor! Ele vive, o meu Jesus vive: Aleluia! Ele vive, o meu Jesus vive: Aleluia! Aleluia!
  3. 3. Rir é bom pra cantar (Mônica Coropos) Há há há há há Rir é bom pra cantar!
  4. 4. MINHA CANÇÃO (Chico Buarque) DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE DOCE A MÚSICA SILENCIOSA LARGA MEU PEITO SOLTA-SE NO ESPAÇO FAZ-SE CERTEZA MINHA CANÇÃO RESTIA DE LUZ ONDE DORME O MEU IRMÃO....
  5. 5. CÂNONE DOS INSTRUMENTOS  O violino soando tão suave Parece, assim, que deseja cantar  A clarineta, a clarineta Faz du-du-du-du-dê  A trombeta prateada faz Tátárará Tararatatá  O tímpano toca sempre em dois tons Seja este ou aquele são sempre dois tons
  6. 6. Conforme a Resolução número 2/2001, os alunos com necessidades educacionais especiais aqui referidos são aqueles que durante o processo educacional, apresentam: I- dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de recursos pedagógicos adaptados, desenvolvimento que dificultam o acompanhamento das atividades curriculares compreendidas em dois grupos: a) aquelas necessidades não vinculas a uma causa orgânica específica; b) aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências;
  7. 7. Para o auxílio a esses alunos, algumas ações estarão relacionadas ao trabalho realizado por profissionais da educação, que necessitam estar preparados para atuar em classes comuns com alunos que apresentam alguma deficiência. Nesse sentido, o artigo 18 da Resolução número 2/2001 aponta algumas competências necessárias ao
  8. 8. O Parecer CNE/CEB 17/2001 deixa claro que “cabe a todos”, principalmente aos setores de pesquisa e às universidades, o desenvolvimento de estudos na busca de melhores recursos para auxiliar/ampliar a capacidade das pessoas com necessidades educacionais especiais de se comunicar, de se locomover e de participar de maneira, cada vez mais autônoma, do meio educacional, da vida produtiva e da vida social, exercendo assim, de maneira plena, a sua cidadania
  9. 9. Principais Deficiências
  10. 10. Mental ● Segundo a AAMR (Associação Americana de Deficiência Mental) e DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), por deficiência mental entende-se o estado de redução notável do funcionamento intelectual significativamente inferior à média, associado a limitações pelo menos em dois aspectos do funcionamento adaptativo: comunicação, cuidados pessoais, competência domésticas, habilidades sociais, utilização dos recursos comunitários, autonomia, saúde e segurança, aptidões escolares, lazer e trabalho.
  11. 11. Física ● A deficiência física refere-se ao comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema ósteo-articular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças ou lesões que afetam quaisquer desses sistemas, isoladamente ou em conjunto, podem produzir quadros de limitações físicas de grau e gravidade variáveis, segundo o(s) segmento(s) corporais afetados e o tipo de lesão ocorrida. ● Podemos citar: Esclerose Múltipla, Síndrome
  12. 12. Visual ● O termo deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em virtude de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou
  13. 13. Auditiva ● A Deficiência Auditiva é considerada genericamente como a diferença existente entre a performance do indivíduo e a habilidade normal para a detecção sonora de acordo com padrões estabelecidos pela American National Standards Institute (ANSI - 1989). ● Zero audiométrico (0 dB N.A) refere-se aos valores de níveis de audição que correspondem à média de detecção de sons em várias freqüências, por exemplo: 500 Hz, 1000 Hz, 2000 Hz, etc. ● Considera-se, em geral, que a audição normal
  14. 14. Cada necessidade é única e, portanto, cada caso deve ser estudado com muita atenção. A experimentação deve ser muito utilizada, pois permite observar como a ajuda técnica desenvolvida está contemplando as
  15. 15. O professor deve ter como propósito não a limitação, mas sempre o potencial de cada aluno. ● · Não exigir do aluno qualidades que ele não tem, ou que faça algo que esteja limitado por sua deficiência; ● · Valorize os alunos em suas potencialidades, nos seus melhores aspectos e não enfatizar seus erros e pontos fracos; ● · Lembre-se que todas têm condições em comum a necessidade do amor, compreensão e aceitação;
  16. 16. ● TEATRO NÃO VERBAL: O aluno irá utilizar o corpo e gestos para transmitir uma mensagem ● FILME SEM SOM: Poderá levar ao aluno refletir sobre como se sente o colega surdo. ● HISTÓRIAS NÃO VERBAIS: Utilizar elementos não verbais para a transmissão de mensagens.
  17. 17. ● PAINEL DE ROTINA: Utilização de material com informação visual. ● FANTOCHES: utilizar fantoches ajuda a promover o desenvolvimento integral dos alunos. ● TEATRO E VARAS: usado para ampliar vinculo afetivo, descobrindo seu corpo e potencialidades, limites e fortalecendo sua autoestima na relação social ampla.
  18. 18. PECS- SISTEMA DE COMUNICAÇÃO POR FIGURAS (PECS- PICTURE EXCHANGE COMMUNICATION SYSTEM): ● Este é o método de comunicação mais utilizado com autistas, desde os primeiros anos de vida. Muito popular seu uso em escolas (classes especiais), terapias e em casa. Os PECS são extremamente importantes para os autistas não verbais.
  19. 19. ● . recursos pedagógicos adaptados; ● . adaptadores manuais; ● . informática; ● . mobiliário adaptado; ● . mobilidade; ● . recursos para comunicação alternativa.
  20. 20. CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS: Deficientes Físicos  Priorização do Ritmo (principalmente no compasso binário);  Instrumentos de fácil manuseio;  Coreografias (Ex.: Sinais);  Participações em conjunto com os demais, sempre que possível (inclusão).
  21. 21. CRIANÇAS SUPER-ESPECIAIS: Deficientes Mentais O portador de deficiência mental apresenta uma lentidão no seu desenvolvimento geral, e muitos, desde o nascimento apresentam distúrbios respiratórios e cardíacos; tais fatores acarretam para essas crianças dificuldades com o próprio corpo, bem como dificuldade de aprendizagem. A Música, nestes casos, poderá facilitar a aproximação do deficiente com o meio externo, com a conscientização do seu próprio corpo e com suas capacidades cognitivas, promovendo um maior desenvolvimento de suas potencialidades. Se Deus te confiar um destes pequeninos, Ele mesmo irá te capacitar e honrar. Não desista!
  22. 22.  (Re)conhecimento do corpo e dos seu(s) tempo(s);  Jogos que envolvam a expressão corporal e a música;  O som, o desenho;  O som e o movimento do corpo;  Dança criativa.
  23. 23. Ação- reação  Espalhe objetos pela sala (cordas, fitas, lenços, bolas, leques, chapéus, etc)  Coloque um CD e deixe que cada grupo se expresse, reaja.  Converse sobre o que levou cada um a escolher o objeto, e no sentimento ao realizar a tarefa.
  24. 24. DOMINÓ DAS CORES Facilita a nomeação das cores, a discriminação visual e a correspondência um a um. As peças
  25. 25. DOMINÓ DE TEXTURAS Permite o desenvolvimento da discriminação visual de padrões e discriminação tátil, requisitos importantes para alunos que tenham alterações sensoriais e dificuldades para discriminar, perceptualmente, estímulos visuais. Pode ser utilizado para viabilizar a alfabetização, que exige discriminação apurada de símbolos na forma gráfica. Descrição:

×