PPrrááttiiccaa CCiivviill 
Prática Forense 
Prof. Brunno Pandori Giancoli
CCoonntteeúúddoo ddaa AAuullaa 
Responsabilidade Civil 
Noções Gerais sobre Posse 
Ação de Reintegração de Posse 
Ação...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Teorias sobre a posse 
Teoria subjetiva de Savigny – Caracteriza-se pela...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Concepção Social da Posse – Art. 5o., XXIII da 
CF: AA pprroopprriieeddaa...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Classificação da Posse 
Posse Direta e Indireta 
AArrtt.. 11..119977 ddo...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Classificação da Posse 
Posse Exclusiva e Composse 
Exclusiva é a posse ...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Classificação da Posse 
Posse Justa e Injusta 
Justa é a posse isenta de...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Classificação da Posse 
Posse de boa-fé e posse de má-fé 
AArrtt.. 11..2...
NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee 
Classificação da Posse 
Posse nova e posse velha 
Nova é a de menos de a...
PPrrootteeççããoo PPoosssseessssóórriiaa 
A proteção dá-se de dois modos: 
1- Legítima defesa e desforço imediato – o 
poss...
d Características daass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass 
 Rito Especial (Força Nova – art. 920 e ss do CPC) e Rito Or...
d Características daass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass 
Ação de Reintegração de Posse 
– “ o possuidor tem direito a...
EEssttrruuttuurraa ddaass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass 
 Foro Competente 
 Legitimidade 
 Procedimento 
 Requis...
FFoorroo CCoommppeetteennttee 
Regra Geral: Foro da Situação da Coisa 
Imóvel (art. 95 do CPC) 
Observações: 
Versando s...
PPrroocceeddiimmeennttoo 
Força nova (01 ano e dia) – Rito Especial – 
art. 926 e seguintes (vide art. 924) 
Força Velha...
LLeeggiittiimmiiddaaddee 
Legitimidade Ativa (autor): Possuidor 
Direito ou Indireto. 
AArrtt.. 1100 ddoo CCPPCC:: OO ccô...
RReeqquuiissiittooss EEssppeeccííffiiccooss ddaa IInniicciiaall 
Requisitos Gerais do art. 282 do CPC 
Requisitos Especí...
d Concessão Liminar daa TTuutteellaa PPoosssseessssóórriiaa 
Liminar inaudita altera parte (art. 928, 
caput, 1o. parte) ...
VVaalloorr ddaa CCaauussaa 
O valor da causa deve ser equivalente ao 
do bem objeto do litígio. Tratando-se de 
bem imóve...
Roteiro GGeerraall ddaass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass 
 Endereçamento 
 Qualificação 
 Os Fatos 
 O Direito 
...
OOss FFaattooss 
 A narrativa dos fatos deve explicar os 
incisos do art. 927. 
 1o. Parágrafo – A qualidade de possuido...
OO DDiirreeiittoo 
 No direito demonstra-se que o autor tem 
direito à proteção possessória. 
 1o. Parágrafo – Explicaçã...
AA CCoonncceessssããoo ddoo PPeeddiiddoo LLiimmiinnaarr 
 No liminar demonstra-se o cumprimento 
do art. 927 e o direito a...
OOss PPeeddiiddooss 
1- Liminar 
Concessão da liminar inaudita altera parte com expedição do mandado 
(reintegração, manut...
AAççããoo RReeiivviinnddiiccaattóórriiaa
RReessppoonnssaabbiilliiddaaddee CCiivviill 
Elementos de caracterização 
Dano material 
Dano moral 
Estrutura da Ação...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Petição Inicial

254 visualizações

Publicada em

Direito

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Petição Inicial

  1. 1. PPrrááttiiccaa CCiivviill Prática Forense Prof. Brunno Pandori Giancoli
  2. 2. CCoonntteeúúddoo ddaa AAuullaa Responsabilidade Civil Noções Gerais sobre Posse Ação de Reintegração de Posse Ação de Manutenção de Posse Interdito Proibitório Nunciação de Obra Nova* (arts. 934- 940 do CPC).
  3. 3. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Teorias sobre a posse Teoria subjetiva de Savigny – Caracteriza-se pela conjugação de dois elementos: o corpus (detenção física da coisa) e o animus (intenção de exercer sobre a coisa um poder no interesse próprio) Teoria objetiva de Ihering – Basta o corpus para a caracterização da posse (conduta de dono). Para esta teoria o animus está incluído no corpus. AArrtt.. 11..119966 ddoo CC..CC –– CCoonnssiiddeerraa--ssee ppoossssuuiiddoorr ttooddoo aaqquueellee qquuee tteemm ddee ffaattoo oo eexxeerrccíícciioo,, pplleennoo oouu nnããoo,, ddee aallgguumm ddooss ppooddeerreess iinneerreenntteess àà pprroopprriieeddaaddee
  4. 4. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Concepção Social da Posse – Art. 5o., XXIII da CF: AA pprroopprriieeddaaddee aatteennddeerráá aa ssuuaa ffuunnççããoo ssoocciiaall Posse versus Detenção AArrtt.. 11..119988 ddoo CC..CC –– CCoonnssiiddeerraa--ssee ddeetteennttoorr aaqquueellee qquuee,, aacchhaannddoo--ssee eemm rreellaaççããoo ddee ddeeppeennddêênncciiaa ppaarraa ccoomm oouuttrroo,, ccoonnsseerrvvaa aa ppoossssee eemm nnoommee ddeessttee ee eemm ccuummpprriimmeennttoo ddee oorrddeennss oouu iinnssttrruuççõõeess ssuuaass.. AArrtt.. 11..119988 ddoo CC..CC –– NNããoo iinndduuzzeemm ppoossssee ooss aattooss ddee mmeerraa ppeerrmmiissssããoo oouu ttoolleerrâânncciiaa aassssiimm ccoommoo nnããoo aauuttoorriizzaamm aa ssuuaa aaqquuiissiiççããoo ooss aattooss vviioolleennttooss,, oouu ccllaannddeessttiinnooss,, sseennããoo ddeeppooiiss ddee cceessssaarr aa vviioollêênncciiaa oouu aa ccllaannddeessttiinniiddaaddee.. O possuidor exerce o poder de fato em razão de um interesse próprio; o detentor, no interesse de outrem. Ex. de detenção: Caseiros. Somente a posse gera efeitos jurídicos (pretensões possessórias)
  5. 5. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Classificação da Posse Posse Direta e Indireta AArrtt.. 11..119977 ddoo CC..CC –– AA ppoossssee ddiirreettaa,, ddee ppeessssooaa qquuee tteemm aa ccooiissaa eemm sseeuu ppooddeerr,, tteemmppoorraarriiaammeennttee,, eemm vviirrttuuddee ddee ddiirreeiittoo ppeessssooaall,, oouu rreeaall,, nnããoo aannuullaa aa iinnddiirreettaa,, ddee qquueemm aaqquueellaa ffooii hhaavviiddaa,, ppooddeennddoo oo ppoossssuuiiddoorr ddiirreettoo ddeeffeennddeerr aa ssuuaa ppoossssee ccoonnttrraa oo iinnddiirreettoo.. Observação: Tanto o possuidor direto como o indireto podem invocar a proteção possessória contra terceiro, mas só o segundo pode adquirir a propriedade em virtude da usucapião.
  6. 6. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Classificação da Posse Posse Exclusiva e Composse Exclusiva é a posse de um único possuidor (direta ou indireta). Composse é a situação pela qual duas ou mais pessoas exercem, simultaneamente, poderes possessórios sobre a mesma coisa. AArrtt.. 11..119999 ddoo CC..CC –– SSee dduuaass ooss mmaaiiss ppeessssooaass ppoossssuuíírreemm ccooiissaa iinnddiivviissaa,, ppooddeerráá ccaaddaa uummaa eexxeerrcceerr ssoobbrree eellaa aattooss ppoosssseessssóórriiooss,, ccoonnttaannttoo qquuee nnããoo eexxcclluuaamm ooss ddooss oouuttrrooss ccoommppoossssuuiiddoorreess..
  7. 7. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Classificação da Posse Posse Justa e Injusta Justa é a posse isenta de vícios. Portanto, por oposição, injusta é aquela adquirida viciosamente. AArrtt.. 11..220000 ddoo CC..CC –– ÉÉ jjuussttaa aa ppoossssee qquuee nnããoo ffoorr vviioolleennttaa,, ccllaannddeessttiinnaa oouu pprreeccáárriiaa.. Observação 01: Os três vícios mencionados correspondem às figuras definidas no CP como roubo (violência), furto (clandestinidade) e apropriação indébita (precariedade). Observação 02: A concessão de posse precária é lícita. Enquanto não chegado o momento de devolver a coisa, o possuidor tem posse justa. O vício se manifesta quando fica caracterizado o abuso de confiança. No instante em que se recusa a restituí-la, sua posse torna-se viciada e injusta.
  8. 8. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Classificação da Posse Posse de boa-fé e posse de má-fé AArrtt.. 11..220011 ddoo CC..CC –– ÉÉ ddee bbooaa--fféé aa ppoossssee,, ssee oo ppoossssuuiiddoorr iiggnnoorraa oo vvíícciioo,, oouu oo oobbssttááccuulloo qquuee iimmppeeddee aa aaqquuiissiiççããoo ddaa ccooiissaa.. PPaarráággrraaffoo ÚÚnniiccoo.. OO ppoossssuuiiddoorr ccoomm jjuussttoo ttííttuulloo tteemm ppoorr ssii aa pprreessuunnççããoo ddee bbooaa--fféé,, ssaallvvoo pprroovvaa eemm ccoonnttrráárriioo,, oouu qquuaannddoo aa lleeii eexxpprreessssaammeennttee nnããoo aaddmmiittee eessttaa pprreessuunnççããoo.. Observação: A boa-fé não é essencial para o uso das ações possessórias. Basta que a posse seja justa. Ainda que de má-fé, o possuidor não perde o direito de ajuizar a ação possessória competente para proteger-se de um ataque à sua posse. A boa-fé somente ganha relevância, com relação à posse, em se tratando de usucapião.
  9. 9. NNooççõõeess GGeerraaiiss ssoobbrree PPoossssee Classificação da Posse Posse nova e posse velha Nova é a de menos de ano e dia. Velha é a de ano e dia ou mais. Observação: Não se deve confundir posse nova com ação de força nova, nem posse velha com ação de força velha. Classifica-se a posse em nova ou velha quanto à sua idade. Todavia, para saber se a ação é de força nova ou velha, leva-se em conta o tempo decorrido desde a ocorrência da turbação ou do esbulho. É possível, assim, alguém que tenha posse velha ajuizar ação de força nova.
  10. 10. PPrrootteeççããoo PPoosssseessssóórriiaa A proteção dá-se de dois modos: 1- Legítima defesa e desforço imediato – o possuidor pode manter ou restabelecer situação de fato pelos seus próprios recursos. 2- Ações Possessórias (Interditos Possessórios) AArrtt.. 11..221100 ddoo CC..CC –– OO ppoossssuuiiddoorr tteemm ddiirreeiittoo aa sseerr mmaannttiiddoo nnaa ppoossssee eemm ccaassoo ddee ttuurrbbaaççããoo,, rreessttiittuuííddoo nnoo ddee eessbbuullhhoo,, ee sseegguurraaddoo ddee vviioollêênncciiaa iimmiinneennttee,, ssee ttiivveerr jjuussttoo rreecceeiioo ddee sseerr mmoolleessttaaddoo § 11oo-- OO ppoossssuuiiddoorr ttuurrbbaaddoo,, oouu eessbbuullhhaaddoo,, ppooddeerráá mmaanntteerr--ssee oouu rreessttiittuuiirr--ssee ppoorr ssuuaa pprróópprriiaa ffoorrççaa,, ccoonnttaannddoo qquuee oo ffaaççaa llooggoo;; ooss aattooss ddee ddeeffeessaa,, oouu ddee ddeessffoorrççoo,, nnããoo ppooddeemm iirr aalléémm ddoo iinnddiissppeennssáávveell àà mmaannuutteennççããoo,, oouu rreessttiittuuiiççããoo ddaa ppoossssee.. § 22oo-- NNããoo oobbssttaa àà mmaannuutteennççããoo oouu rreeiinntteeggrraaççããoo nnaa ppoossssee aa aalleeggaaççããoo ddee pprroopprriieeddaaddee,, oouu ddee oouuttrroo ddiirreeiittoo ssoobbrree aa ccooiissaa..
  11. 11. d Características daass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass  Rito Especial (Força Nova – art. 920 e ss do CPC) e Rito Ordinário (Força Velha)  Fungibilidade (Art. 920 do CPC)  Possibilidade de Cumulação de Pedidos (Art. 921 do CPC) – As cumulações possíveis são: a) perdas e danos; b) cominação de pena para caso de nova turbação ou esbulho; e c) desfazimento de construção ou plantação.  Natureza Executiva – Dessa natureza decorrem dois efeitos: a) inexistência de embargos à execução; e b) ausência de efeito suspensivo no recurso de apelação contra sentença que defere a tutela possessória.  Natureza Dúplice (Art. 922 do CPC) – A proteção à posse do réu depende, sempre, de expresso requerimento na contestação, não podendo o juiz conhece-la ex officio. Fungibilidade (Art. 920 do CPC)
  12. 12. d Características daass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass Ação de Reintegração de Posse – “ o possuidor tem direito a ser (...) restituição no caso de esbulho” (art.1210 do C.C.) – Esbulho: perda, despojamento, privação, tirar a posse. Ação de Manutenção de Posse – “ o possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de turbação” (art.1210 do C.C.) – Turbação: alterar, perturbar, revolver, agitar, inquietar, desassossegar a posse. Interdito Proibitório (art.932 e 933 do CPC) – “ o possuidor tem direito a ser (...) segurando de violência iminente, se tiver justo receio de ser molestado” (art.1210 do C.C.) – Ameaça: pôr em perigo, dar mostras ou indícios, anunciar malefício, procurar intimidar.
  13. 13. EEssttrruuttuurraa ddaass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass  Foro Competente  Legitimidade  Procedimento  Requisitos Específicos  Concessão Liminar da Tutela Possessória  Valor da Causa
  14. 14. FFoorroo CCoommppeetteennttee Regra Geral: Foro da Situação da Coisa Imóvel (art. 95 do CPC) Observações: Versando sobre coisas imóveis, a ação possessória correrá no foro do domicílio do réu (art. 94 do CPC) Os JECs também têm competência para o processamento e julgamento de ações possessórias. AArrtt.. 33oo.. DDaa LLeeii 99009999--9955:: OO Juuiizzaaddoo EEssppeecciiaall CCíívveell tteemm ccoommppeettêênncciiaa ppaarraa ccoonncciilliiaaççããoo,, pprroocceessssoo ee jjuullggaammeennttoo ddaass ccaauussaass ccíívveeiiss ddee mmeennoorr ccoommpplleexxiiddaaddee,, aassssiimm ccoonnssiiddeerraaddaass:: II-- aass ccaauussaass ccuujjoo vvaalloorr nnããoo eexxcceeddaa aa qquuaarreennttaa vveezzeess oo ssaalláárriioo mmíínniimmoo;; ((......)) IIVV-- AAss aaççõõeess ppoosssseessssóórriiaass ssoobbrree bbeennss iimmóóvveeiiss ddee vvaalloorr nnããoo eexxcceeddeennttee aaoo ffiixxaaddoo nnoo iinncciissoo II ddeessttee aarrttiiggoo..
  15. 15. PPrroocceeddiimmeennttoo Força nova (01 ano e dia) – Rito Especial – art. 926 e seguintes (vide art. 924) Força Velha (mais de 01 ano e dia) – Rito Ordinário (vide art. 924) AArrtt.. 992244 ddoo CCPPCC:: RReeggeemm oo pprroocceeddiimmeennttoo ddee mmaannuutteennççããoo ee ddee rreeiinntteeggrraaççããoo ddee ppoossssee aass nnoorrmmaass ddaa sseeççããoo sseegguuiinnttee,, qquuaannddoo iinntteennttaaddoo ddeennttrroo ddee aannoo ee ddiiaa ddaa ttuurrbbaaççããoo oouu ddoo eessbbuullhhoo;; ppaassssaaddoo eessssee pprraazzoo,, sseerráá oorrddiinnáárriioo,, nnããoo ppeerrddeennddoo,, ccoonnttuuddoo,, oo ccaarráátteerr ppoosssseessssóórriioo..
  16. 16. LLeeggiittiimmiiddaaddee Legitimidade Ativa (autor): Possuidor Direito ou Indireto. AArrtt.. 1100 ddoo CCPPCC:: OO ccôônnjjuuggee ssoommeennttee nneecceessssiittaarráá ddoo ccoonnsseennttiimmeennttoo ddoo oouuttrroo ppaarraa pprrooppoorr aaççõõeess qquuee vveerrsseemm ssoobbrree ddiirreeiittooss rreeaaiiss iimmoobbiilliiáárriiooss:: II-- aass ccaauussaass ccuujjoo vvaalloorr nnããoo eexxcceeddaa aa qquuaarreennttaa vveezzeess oo ssaalláárriioo mmíínniimmoo;; ((......)) § 22oo..-- NNaass aaççõõeess ppoosssseessssóórriiaass,, aa ppaarrttiicciippaaççããoo ddoo ccôônnjjuuggee ddoo aauuttoorr oouu ddoo rrééuu ssoommeennttee éé iinnddiissppeennssáávveell nnooss ccaassooss ddee ccoommppoossssee oouu ddee aattoo ppoorr aammbbooss pprraattiiccaaddooss.. Legitimidade Passiva (réu): Aquele que praticou a ofensa à posse, ainda que também seja possuidor.
  17. 17. RReeqquuiissiittooss EEssppeeccííffiiccooss ddaa IInniicciiaall Requisitos Gerais do art. 282 do CPC Requisitos Específicos do art. 927 do CPC – A posse (exibição do título de habilitação); – Demonstração da turbação ou do esbulho; – Data da turbação ou do esbulho; – Continuação da posse (ação de manutenção) e a perda da posse (ação de reintegração).
  18. 18. d Concessão Liminar daa TTuutteellaa PPoosssseessssóórriiaa Liminar inaudita altera parte (art. 928, caput, 1o. parte) – comprovação do autor dos requisitos específicos (art. 927) Liminar após a audiência de justificação prévia (art. 928, caput, 2o. parte) AArrtt.. 992288 ddoo CCPPCC:: EEssttaannddoo aa ppeettiiççããoo iinniicciiaall ddeevviiddaammeennttee iinnssttrruuííddaa,, oo jjuuiizz ddeeffeerriirráá,, sseemm oouuvviirr oo rrééuu,, aa eexxppeeddiiççããoo ddoo mmaannddaaddoo lliimmiinnaarr ddee mmaannuutteennççããoo oouu ddee rreeiinntteeggrraaççããoo;; nnoo ccaassoo ccoonnttrráárriioo,, ddeetteerrmmiinnaarráá qquuee oo aauuttoorr oo jjuussttiiffiiqquuee pprreevviiaammeennttee oo aalleeggaaddoo,, cciittaannddoo--ssee ppaarraa ccoommppaarreecceerr àà aauuddiiêênncciiaa qquuee ffoorr ddeessiiggnnaaddaa.. PPaarráággrraaffoo úúnniiccoo-- CCoonnttrraa aass ppeessssooaass jjuurrííddiiccaass ddee ddiirreeiittoo ppúúbblliiccoo nnããoo sseerráá ddeeffeerriiddaa aa mmaannuutteennççããoo oouu aa rreeiinntteeggrraaççããoo lliimmiinnaarr sseemm pprréévviiaa aauuddiiêênncciiaa ddooss rreessppeeccttiivvooss rreepprreesseennttaanntteess jjuuddiicciiaaiiss..
  19. 19. VVaalloorr ddaa CCaauussaa O valor da causa deve ser equivalente ao do bem objeto do litígio. Tratando-se de bem imóvel, deve-se utilizar a estimativa oficial para lançamento do imposto (IPTU), ordinariamente denominado “valor venal”.
  20. 20. Roteiro GGeerraall ddaass AAççõõeess PPoosssseessssóórriiaass  Endereçamento  Qualificação  Os Fatos  O Direito  Cumulação de Pedidos (art. 921)*  Concessão de Pedido Liminar  Os Pedidos
  21. 21. OOss FFaattooss  A narrativa dos fatos deve explicar os incisos do art. 927.  1o. Parágrafo – A qualidade de possuidor do autor e a violação dela pelo réu.  2o. Parágrafo – A espécie de violação, a data da ocorrência, e o estado atual dela.  Observação: A eventualidade de pedido cumulado desdobra esse parágrafo em dois.  3o. Parágrafo - A impossibilidade de solução amigável e pacífica e a conseqüente necessidade de interferência do Poder Judiciário para solucionar o litígio.
  22. 22. OO DDiirreeiittoo  No direito demonstra-se que o autor tem direito à proteção possessória.  1o. Parágrafo – Explicação do art. 1210 do C.C e 926 do CPC.  2o. Parágrafo – Explicação da Importância social de proteção da posse (art. 5o. XXIII da CF).  Observação: A eventualidade de pedido cumulado desdobra esse parágrafo em dois.  3o. Parágrafo – Da prova dos incisos do art. 927 do CPC  4o. Parágrafo – Reforço Jurisprudencial e doutrinário sobre a proteção possessória.
  23. 23. AA CCoonncceessssããoo ddoo PPeeddiiddoo LLiimmiinnaarr  No liminar demonstra-se o cumprimento do art. 927 e o direito assegurado pelo art. 928 do CPC. Reforço argumentativo: Reintegração de posse: a continuidade da perda; Manutenção de posse: a perturbação e possibilidade de transformação em esbulho; Interdito Proibitório: a concretização da ameaça iminente.
  24. 24. OOss PPeeddiiddooss 1- Liminar Concessão da liminar inaudita altera parte com expedição do mandado (reintegração, manutenção, proibitório) em favor do autor OU Antes da apreciação da liminar seja realizada audiência de justificação (CPC, art. 928) ou mesmo diligência do Sr. Oficial de Justiça, por meio de mandado de constatação, para que este verifique a situação do imóvel. 2- Citação da ré (réu) por Oficial de Justiça 3- Confirmação da liminar e procedência do pedido, para conseqüente (reintegração,manutenção, cessação da ameaça) e Pedido Cumulado* (921, I e II) 5- Aplicação do art. 920 6- Multa (Art. 921, II) 7- Produção de Provas
  25. 25. AAççããoo RReeiivviinnddiiccaattóórriiaa
  26. 26. RReessppoonnssaabbiilliiddaaddee CCiivviill Elementos de caracterização Dano material Dano moral Estrutura da Ação Indenizatória Elementos de caracterização Propriedade Base legal Estrutura da Petição Inicial

×