PARTE 410.4-TALENTO DO INCONSCIENTE.Inteligência e raciocínio do Inconsciente. Não só o inconsciente pode fazer tudo o que...
completamente aquela língua. Foram necessárias longas e trabalhosasinvestigações para comprovar, depois de muitotempo, que...
desprendido de matérias orgânicas em putrefação têm dado origem a mais de uma lenda de fantasmas.O hidrogênio protocarbono...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Parapsicologia [Parte 04]

683 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parapsicologia [Parte 04]

  1. 1. PARTE 410.4-TALENTO DO INCONSCIENTE.Inteligência e raciocínio do Inconsciente. Não só o inconsciente pode fazer tudo o que o consciente faz, mas inclusivesupera ao consciente amplamente em inteligência.O inconsciente, aliás, tende a dramatizar segundo as próprias idéias; frequentemente também amplia mínimosestímulos e os interpreta; às vezes recorre a dramatizações ou símbolos tão exagerados que podemos dizer que seconverte em caixa de ressonância.A esse conjunto de notáveis qualidades chamamos "talento do inconsciente".Quantas vezes as pessoas agem de maneira esquisita "sem saber porquê". Quantas vezes muitas pessoas estãotristes e não sabem o motivo. Ás vezes há causas fisiológicas, mas em uma boa porcentagem dessas ocasiões, umaanálise profunda descobriria os motivos incosncientes de ordem intelectual, Sensações inconscientes, fatos arquivadosno incosnciente se associam, dando origem a imagens incosncientes e sentimentos, dos quais o consciente só seapercebe depois pelos efeitos: está triste, age por impulsos, não sabe os motivos de seus atos, etc.Na fase sonambúlica da hipnose, comprova-se facilmente a associação inconsciente. Sabemos já que a memória seexalta reproduzindo com espantosa exatidão, cenas, pormenosres, conhecimentos que pareciam totalmenteesquecidos. A imaginação por sua vez, aviva-se também, a linguagem atinge um brilho e colorido notável.O talento do inconsciente é, às vezes, tão grande, que alguns autores foram levados erroneamente a atribuirresponsabilidade ao sono, porque havia nos sonhos inteligência. Os loucospodem ser muito inteligentes; são, porém,irresponsáveis, porque a responsabilidade depende principalmente da vontade e liberdade.Há quem defenda que nos sonhos produzem-se operações intectuais superiores às que realizamos quando estamosacordados.Intuições- a intuição é uma visão intelectual que parece vir do fundo da alma, uma revelação vinda do interior e quenão depende do esforço mental. De repente percebemos alguma coisa que, depois frequentemente, comprovamos serpreciosa e verdadeira.Pasteur dizia que as grandes intuições só eram dadas aos que se preparavam para recebê-las. Na maioria dos casos éassim. O investigador ou o experimentador, por exemplo, têm de repente uma intuição genial, sem saber de ondeveio, mas antes tinham empregado muito tempo e energia na procura da solução que agora se apresenta imediata,"irracional", "sem lógica".É o resultado de um raciocínio inconsciente.Persigout, matemático, demonstrou que. Descartes, como Kepler, Pascal e outros deveram uma grande parte de suasdescobertas ao raciocínio do inconsciente. Particularmente os grandes poetas, pintores, músicos, etc, devem muitasdas suas obras de arte ao seu inconsciente.O trabalho do inconsciente aparece ou se exerce também em estados alterados de consciência, como o transe,hipnose, etc... Muitas pessoas espantam-se frequentemente com essa classe de fenômenos do talento doinconsciente, realizados em seções de pessoas em transe (mas que acreditam estarem “incorporadas por divindades,espíritos, demônios, etc)”.Sabem essas pessoas quantos dados capta e armazena o inconsciente, mesmo de uma pessoa inculta?Devemos ter em conta também o conheciemento por via paranormal (Telepatia, precognição), que pode somar-se aosconhecimentosarquivados no inconsciente. Todos esses conhecimentos podem ser combinados, elaborados, dandocomo resultados, magn[ificas "revelações" intelectuais. Isto acontece especialmente nas pessoas que entram emtranse constantemente (médiuns por exemplo), onde o treino durante anos prejudicou cada vez mais o equilíbriopsíquico de forma a facilitar muito a manifestação do inconsciente.É o desconhecimento das possibilidades do inconsciente que levou tantas pessoas a atribuir tais fenômenos amanifestações do além.Em certos ambientes, a dramatização tipo "aparições dos mortos" é bastante frequente. A propaganda e crença noespiritismo, ocultismo, esoterismo, possessão demoníaca, etc, provavelmente é a causa de que o inconsciente adoteeste tipo de dramatização, dado a tendência que tem o incosnciente de se acomodar ao ambiente.Exemplo: Um jovem lembrava-se de que seu falecido pai tinha comprado e pago um pequeno terreno, mas não tinhapodido ele herdar por não possuir os documentos legais nem saber onde poderiam estar arquivados. Em processojudicial, estava disputando a posse, com perigo de ele perder o terreno. Preocupado, dormia na véspera dojulgamento, e sonhando, viu seu pai, que lhe dizia estarem os documentos em casa de certo tabelião aposentado.Acordando, quis comprovar se era certo e, com efeito, lá estavam todos os documentos com os quais venceu adisputa judicial.O inconsciente, excitado pelo perigo de perder o terreno, encontrou a lembrança arquivada e manifestou em sonhosque o pai tinha falado no assunto. Em sonhos o caso é dramatizado com detalhes, como se tratando de mumaaparição.Deve-se destacar a sensação de absoluta independência entre consciente e inconsciente. Esta sensação deestranheza, de modo especial, em épocas antigas levou muitas pessoas a pensarem que alguns sonhos erammensagens do "além" (oniromancia).Em geral, todas as manifestações do inconsciente se prestam a superstições.Podem produzir resultados tãoextraordinários, de aparência tão completamente nova, de origem tão inconsciente, como funcionamento em plenaindependência da vontade, que facilmente serão tomados como comunicações do além ou de seres superiores,dependendo da crença.Pessoas perfeitamente normais e sadias, ao menos em aparencia, pelo simples fato de entregar-se às práticasmediúnicas, podem romper facilmente o seu equilíbrio psíquico e dar lugar a uma atividade automática. Os resultadosdo automatismo simulam de uma maneira perfeita, comunicações do além, não sendo na realidade nada mais do queresultados do funcionamento inconsciente das faculdades humanas.10.5-XENOGLOSSIA.Falar línguas diferentes ou desconhecidas do Consciente. Não confundir com glossolalia que é a lingua das criancinhas(balbuciar) e manifestações histéricas. É um fenômeno parapsicológico que consiste em falar (empregar) sem fraude,línguas reais que o consciente não conhece.Falar (empregar) línguas estrangeiras sem tê-las aprendido. O fenômeno foi chamado por Richet (Charles Richet -Parapsicólogo) de Xenoglossia (do grego xenos=estrangeiro, e gloto=falar). Fora da ciência experimental o fenômenoé mais comumente chmado "glossolalia" (falar línguas) ou "dom de línguas".Usamos o termo empregar para incluir a xenoglossia falada, escrita, ou qualquer outro sistema de expressão. Axenoglossia escrita, etc, não se diferencia da xenoglossia falada. A única diferença é meramente extrínseca, ficandotudo no âmbito do inconsciente.Exemplo: Uma senhora, em um acesso de broncopneumonia, começou de repente a exprimir-se em um idiomadesconhecido por todos os presentes. Depois se comprovou que era o idioma industani. A senhora desconhecia
  2. 2. completamente aquela língua. Foram necessárias longas e trabalhosasinvestigações para comprovar, depois de muitotempo, que até a idade de quatro anos, aquela senhora viveu na Índia. Desde aquela datahaviam passado 60 anos.Há muitas fraudes, talvez até inconscientes, ou ao menos irresponsáveis, e explicam muitos casos de xenoglossia"aparenmte".Também não é xenoglossia entender línguas, embora geralmente os autores incluam no conceito de xenoglossia ofenômeno de entender línguas desconhecidas.Outro tipo de pseudoxenoglossia é o de inventar línguas novas, mesmo perfeitas. Isto é Talento do Inconsciente, masnão é xenoglossia.São mais frequentes os casos de xenoglossia meramente "mecânica", com a repetição de palavras guardadas noinconsciente; porém sem a pessoa entender o que está falando.Xenoglossia Experimental: Não é muito raro que no sonambulismo hipnótico surjam espetaculares xenoglossias maisou menos provocadas pelo hipnólogo. A inconsciência da hipnose é bastante parecida com outros estados deinconsciência, nos quais o fenômeno surge espontâneamente: febre, transe, narcótico, traumatismo psicofísico.Exemplo: Uma moça quase analfabeta, posta artificialmente em estado de sonambulismo hipnótico, recitou um longotrecho oratório em latim, língua da qual ela não sabia uma palavra sequer. Comprovou-se, porém, que anos atrás, umtio da jovem recitara um dia aquele mesmo trecho perto do quarto de dormir da moça, que então se achava doente.(O inconsciente não esquece nada -Pantomnésia).Plurixenoglossia: Dizemos que há monoxenoglossia quando se fala uma só língua que o consciente desconhece.Plurixenoglossia é quando se empregam várias línguas desconhecidas. A pantomnésia e a hiperestesia, direta ouindireta, bastam para explicar muitos destes casos.Exemplo: Uma jovem de 17 anos, Ninfa Filituto, siciliana, sofria de uma forte crise de histerismo com sonambulismoespontâneo. No primeiro dia da crise assegurava que era grega e escrevia com letras gregas, mas frasesitalianas...Ela desconhecia a língua grega. No dia seguinte, falava corretamente o francês, conhecendo dessa língua,em estado normal, só os rudimentos. No terceiro dia falava algo de inglês. No quarto dia da crise, a doente falavacorretamente o italiano, que normalmente falava bastante mal e com muito sotaque. Durante estes quatro dias,esqueceu no consciente, completamente o siciliano, seu dialeto natal. No quinto sai, porém, passada a crise, recobrao dialeto siciliano, esquecendo por completo os espantosos progressos feitos em grego, francês, inglês e italiano.Desconhecia o grego, mas consta que pouco antes da crise, esteve folheando uma gramática grega. Para oinconsciente, pantomnésico, basta pouco tempo para aprender o vocabulário grego. O estudo do francês e a práticadiária de falar italiano e conviver com italianos, foram suficientes para que o inconsciente aprendesse corretamenteessas línguas. Falava algo do inglês.Sendo a itália um país de turismo, haverá alguém que nunca ouviu falar inglês?Entre as causas da Xenoglossia, como explicação total ou explicação parcial completando a pantomnésia , parece quea HIP-Hiperestesia Indireta do Pensamento ( ou a Telepatia, em último caso) é o fenômeno parapsicológico que maisfrequentemente intervém.Há muitos casos de xenoglossia por HIP-Hiperestesia Indireta do pensamento. A pessoa capta o pensamento (asrespostas) da pessoa que faz perguntas e responde corretamente sem entender o que está falando.O pensamento captado por hiperestesia indireta pode ser o pensamento inconsciente (sentimentos, lembranças,associações). Aliás, é mais frequente captar o pensamento inconsciente do que o consciente.Xenoglossia inteligente: (A pessoa entende o que ela está falando) Ao inconsciente hiperestésico chegam inúmerosdados linguíticos. Os fenômenos paranormais de atividade incosnciente podem colaborar no descobrimento eapresentação de dados. A Pantomnésia (memória do inconsciente) conserva para o inconsciente esses dados, comotambém os dados captados por "vias normais", em número imensamente maior do que pode conservar o consciente.E o incosnciente possui um assombroso talento: pode elaborar complicados raciocínios, faxer descobertas prodigiosas,comparar e combinar dados, etc em uma proporção que o consciente dificilmente pode alcançar. O resultado de tudoisso em determinadas circunstâncias é uma xenoglossia verdadeiramente "inteligente", ás vezes de frequente uso.Existe Xenoglossia paranormal? Não! A xenoglossia sempre é por HIP (Hiperestesia Indireta do Pensamento), porPantomnésia (O inconsciente se lembra de frases ou palavras um dia ouvidas), por Talento do Inconsciente (Oinconsciente pode ter a capacidade de formular ou aprender uma língua em pouquíssimo tempo) nunca se aprendeuma língua por telepatia! Uma palavra pode ser. Uma frase pode ser. Uma língua inteira, se não há alguém por perto,não aprende. Aprende-se na rua, no cinema, cruzando na rua com alguém que fale a língua, não existe xenoglossiapor Psi-Gamma.A xenoglossia sempre é extranormal, em todos os fenômenos; ou xenoglossia supranormal, (Milagre) enormementesuperior.11-FENOMENOLOGIA.11.1-FOTOGÊNESE.Luminosidade causada pela telergia. Fotogênese é o fenômeno de luminosidade parapsicológica e tem recebidodiversos nomes: Fosfogênese, telefania, fotogênese.Fotogêneses fraudolentas: não é difícil obtê-las artificialmente mediante óleos fosforados ou sulfetos de Cálcio, Bário,Estrôncio, que depois de serem expostos ao sol, emitem luminosidades na escuridão.A "médium" Mrs. Thompson utilizava botões banhados nessas substâncias para produzir fenômenos de fotogênesenas suas sessões de espiritismo. São numerosos os casos de médiuns muito estudados e que só depois de muitotempo foram pegos nas suas fraudes, sendo estas variadas e com as mais diversas substâncias. Como exemplo,podemos citar o conhecido caso de Pasquale Erto. Deu sessões perante cientistas desde fevereiro de 1922. Em 1923foi pesquisado pelo Dr. Geley, que em 1920 assumira a presidência do Instituto Metapsíquico Internacional de Paris.No mesmo Instituto, contando com a presença de ilusionistas, só depois de 36 sessões, os mágicos suspeitaram dosmovimentos do médium. No jornal "Le Martin" de 7 de abril de 1924, apareceu uma nota do Instituto Metapsíquicoanunciando Ter achado um pequeno fragmento de ferro-cerium na sala, depois da sessão,ocasionando logicamente oprotesto de Erto. Em abrli e maio de 1924, é pesquisado na "Sorbonne" por Maurice Garçon, Paul heuzé, JeanWinchon. É então que os pesquisadores, já alertados, começaram a cair na conta de pequenos detalhes que, por fim,os conduzem à descoberta da fraude. O exame microscópio do maiô (roupa grudada à pele para evitar fraude) de Ertorevelou a presença de fragmentos de ferro-cerium; também foram descobertas minúsculas pontas de aço, que apesardos rigorosos controles nas sessões, lograra introduzir furtivamente. Esfregando os elementos produzia faíscasdissimulando o barulho com um forte suspiro.Em certa ocasião, o coronel Albert de Rochas acendeu a luz no momento em que o médium George Valiantineespalhava "fotogeneses" com os pés previamernte impregnados de fósforo. Dos casos de fotogênese produzidos porEusápia Paladino, existem muitos depoimentos. César Lombroso diz: "As aparições de pontos luminosos que EusápiaPaladino produz...às vezes são luminosidades indefiníveis, geralmente de contornos esfumados e de forma redonda,brilhantes; outras vezes se assemelham a "línguas de fogo". São características, múltiplas e intermitentes, sendoimpossível e até absurdo compará-las às fosforescências artificiais...".Mas em Paris, Eusápia perdeu um pedaço de ferro-cerium, com o qual produzia os fenômenos luminosos. Os "fogosfátuos", que são vistos sobre os pântanos, nos cemitérios, e em qualquer lugar onde há combustão de gás
  3. 3. desprendido de matérias orgânicas em putrefação têm dado origem a mais de uma lenda de fantasmas.O hidrogênio protocarbono, chamado gás dos pântanos, arde numa chama azulada, pouco brilhante, mas perceptívelna escuridão. Nos cemitérios, a causa dos lendários fogos é o hidrogênio fosforado, produto da decomposição que seinflama facilmente ao contato com o ar. A imaginação popular designa esse fogo com os nomes de "candeeiros dosmortos", "fogos de elfos", "lanternas de mone", etc...Os fogos de "Sant-Elmo" se devem à acumulação da eletricidade ambiental. Podem ser vistos, em dias detempestades sobre as torres de igrejas, sobre a copa das árvores, etc. A eletricidade estática com que se carregamalgumas peças de vestir, especialmente as de nylon, faz com que produzam faíscas na escuridão. Também podem dara impressão de se estarem movimentando. Este fenômeno nada tem a ver com o magnetismo animal, como já foipensado. É simplesmente um fenômeno elétrico normal.Fosforescências podem se produzir em organismos dissecados ao tomarem contato com o oxigênio livre ou com aágua. Pirilampo, vagalumes, o fenômeno é muito frequente no mundo animal. A bio-luminosidade se caracteriza pelaemissão de luz sem emissão de calor. Podemos classificar de parapsicológica, a fotogenese humana, pois requerpessoas e circunstâncias especiais.Os fenômenos luminosos são relativamente frequentes nas experiências de efeitos físicos. E sua aparência externa é amesma quando trucados (truque) e quando verdadeiros (causados pela telergia - parapsicológicos). São pontosluminosos, faíscas, nuvens que aparecem no ar, às vezes a alguns metros de altura. Movimentam-se mais ou menosrápido, mudam de forma, variam de intensidade, logo desaparecem inesperadamente. Estes fenômenos foramtambém obtidos por meio de óleos fosforados.Auras relacionadas com a fotogênese estão os fenômenos de "aura". Lendas e exageros a respeito da “aura” provêmda antiga filosofia esotérica. A Sociedade Teosófica trouxe-aem 1875 do Oriente e adaptou-a às exigências doOcidente.Qualquer exteriorização um tanto mais especial de energia somática do homem, mesmo que no fundo possa, àsvezes, ser identificada com a energia elétrica, calorífica, de fosforescência ou de raios ultravioleta, etc; podemosenglobá-la sob o nome geral de telergia, isto é, exteriorização e transformação da energia orgânica.Os Místicos são muito frequentes os casos de fotogênese e aura no contexto religioso. O papa Bento XIV, ProperoLambertini, que estudou tão profunda e sabiamente a diferença entre fenômenos parapsicológicos (naturais,humanos) e os milagres (sobrenaturais, divino), adverte: "É uma realidade a existência, às vezes, de "chamas"naturais que rodeiam a cabeça dos homens ou que irradiam do corpo inteiro da pessoa, geralmente em forma defaíscas. Há pessoas que são rodeadas por uma luz brilhante que não provém delas mesmas, mas de seus vestidos,bastão ou espada que levam consigo".Muitas das aparições luminosas que são observadas nos místicos devem ser atribuídas a causas naturais. Não asadmite o papa Bento XIV como miraculosas.Os Milagres: O Papa Bento XIV só não duvida em classificar como de origem sobrenatural (Milagre), luminiscênciasimensamente superiores às fotogêneses naturais. Tais luminiscências sobrenatyurais são apresentadas unicamentepor santos católicos, como Carlos Borromeu( 1538-1584), Filipe Neri (1515-1595), Inácio de Loyola (1491-1556),Francisco de Sales (1567-1622).O caso mais obrigatório de se lembrar seria das "línguas de fogo" aparecidas sobre a cabeça dos apóstolos no dia dePentecostes. (Superior à qualquer fotogênese natural).No processo de beatificação de Bernardino Realino, por exemplo, se analisou sua fotogênese extraordinária: Uma dastestemunhas, o senhor Tobias, descreveu como em 1608, foi consultar o jesuíta padre Bernardino, hoje canonizado.“A porta se achava entreaberta podendo ele observar uma luz extraordinária que aparecia pela pequena abertura eatravés das gretas. Perguntando-se a razão de tal claridade, empurrou a porta: foi então que viu o padre ajoelhado,em êxtase, e elevado ao ar, dois pés e meio do chão”.Uma levitação assim, tão notável, pode perfeitamente explicar-se como levitação parapsicológica (sob a ação datelergia) como reação natural à emoção mística. A fotogênese porém, parece excessiva para ser só natural.Muitas outras pessoas foram testemunhas da extraordinária luz que às vezes desprendia transformando o semblantedo padre Bernardino. Declaravam que tinham visto sair faíscas de todo o corpo (o que pode ser fotogênese natural),mas muitas outras testemunhas afirmavam: em uma ou duas oportunidades, o brilho era tal que não se conseguiadistinguir suas feições e tinham que desviar as vistas.A Máquina Kirlian: Não vamos terminar este artigo sem antes fazer uma pequena alusão às fotografias da máquinaKirlian. Impressionam-se as chapas fotográficas com as "auras", não só dos seres vivos, mas também dos objetos.Tiller e D. G. Boyers, grandes experimentadores, desenvolvendo a técnica de Kirlian chegaram à conclusão de que oshalos são um fenômeno muito familiar aos físicos: o efeito Corona, isto é, a descarga que aparece em torno dasuperfície de um condutor quando a voltagem excede determinado ponto crítico e causando a ionização do ar.Neste efeito Corona, tem relevado destaque a maior ou menor umidade do objeto.

×