TS Trat Térmico Moldes ABM Fev2010

818 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre Tratamento Térmico, no Workshop do Moldes ABM em fev/2010, por Luiz Roberto Hirschheimer, da TS.

Publicada em: Negócios, Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
818
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TS Trat Térmico Moldes ABM Fev2010

  1. 1. Qualidade na prestação de serviços de tratamentos térmicos para ferramentas Luiz Roberto Hirschheimer (gerente técnico e de apoio ao cliente)
  2. 2. Pensemos num exemplo : -T.T. de um inserto de porte médio para a injeção de plásticos: -peso líquido do inserto................360 kg -peso do bloco de aço original......650 kg -aço utilizado................................AISI H13 “premium”
  3. 3. Custos envolvidos : <ul><li>870 h de usinagem (pré + pós T.T.).............R$ 87.000,00 (~71%) </li></ul><ul><li>650 kg de aço AISI H13 “premium”.............R$ 32.500,00 (~26%) </li></ul><ul><li>360 kg para temperar e revenir......................R$ 3.600,00 (~ 3%) </li></ul><ul><li>Total...............................................................R$ 123.100,00 </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O problema : </li></ul><ul><li>Controle de Qualidade .....geralmente, a aprovação de uma ferramenta submetida a T.T., se resume a testes da dureza superficial. </li></ul><ul><li>testes da dureza superficial .....não trazem informações precisas sobre outras propriedades muito importantes, tais como, a tenacidade, a resistência mecânica a quente, o tamanho do grão, etc. </li></ul><ul><li>Após a aprovação do teste de dureza (Controle de Recebimento da Ferramentaria) .....a ferramenta recebe as operações finais de usinagem e de acabamento, executam-se os “try-outs” necessários e, por fim, ela é encaminhada ao usuário final. </li></ul><ul><li>Se o prestador de serviços de T.T. utilizou-se de “mágicas”, só p’rá chegá na dureza que o kára pediu, é na produção que o bicho pega ! </li></ul>
  5. 5. Como qualificar um prestador de serviços de tratamentos térmicos ?
  6. 6. <ul><li>Pela confiabilidade: </li></ul><ul><li>(competência para realizar o serviço prometido de modo correto, seguro e preciso) </li></ul><ul><li>Ela é transmitida por clientes satisfeitos, que recomendarão o tratador térmico a seus pares. </li></ul><ul><li>Enquanto grandes lotes de pequenas ferramentas (idênticas) podem ser analisados, “até a alma”, pelo próprio cliente, ferramentas de grande porte (únicas) somente apresentarão bom desempenho se, dentre vários outros fatores, o tratamento térmico tiver sido realizado com competência. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Pela credibilidade: </li></ul><ul><li>(experiência técnica, comercial e administrativa do tratador térmico – honestidade é primordial) </li></ul><ul><li>Os resultados do tratamento térmico, descritos no Certificado de Qualidade, precisam representar a garantia de um serviço bem feito. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Pela compreensão do problema: </li></ul><ul><li>(Conhecer os clientes e suas necessidades) </li></ul><ul><li>O cliente precisa de um tratador térmico que compreenda as funções e as condições de trabalho da ferramenta. Não é suficiente saber, apenas, “endurecer o material”. </li></ul><ul><li>Ferramentas idênticas, poderão ter desempenhos (histórico e vida útil) diferentes, mesmo que apresentem durezas superficiais iguais. Deformações, polibilidade, resistência à corrosão, tenacidade, resistência mecânica a quente, etc, podem ser significativamente influenciadas por pequenos detalhes do tratamento térmico aplicado. </li></ul>

×