EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA E GESTÃO DE PESSOAS

723 visualizações

Publicada em

Curso completo fr liderança para o varejo, fundamentado nos princípios de gestão de grandes personalidades globais, como John Maswell, Jack Welsch, Sérgio Coretella e o líder de todos os líderes: JESUS CRISTO.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA E GESTÃO DE PESSOAS

  1. 1. 1 Excelência em Liderança & Gestão de Pessoas Treinamento avançado para varejo Moacir Moura www.moacirmoura.com.br
  2. 2. 2 John Maxell – 21 Leis Irrefutáveis da liderança. A 21 Irrefutável lei da liderança como o próprio nome já diz é um livro sobre liderança. Independente da posição que ocupamos profissionalmente, todos ocupamos uma posição de liderança em algum momento de nossas vidas, seja em nossa família, entre nossos amigos e no mínimo somos líderes de nós mesmo. O autor John C Maxwell aponta que para liderar com eficácia é preciso fazer 21 coisas (que no livro ele chama de leis), porém ninguém faz todas bem, mas podemos desenvolvê-las. De forma bem sucinta vou relacionar abaixo as 21 leis que são abordadas no livro. 1 - A Lei do limite Porque umas pessoas alcançam mais sucesso que outras? Por causa da lei do limite, a capacidade de liderança sempre é o limite da eficácia pessoal e da organização. Há pessoas que enxergam antes e mais longe, não se incomodam com obstáculos e buscam o sucesso dia a após dia, porque o limite e a capacidade de liderança delas é maior.
  3. 3. 3 Cita-se de exemplo os 2 fundadores da Apple, Steve Wosniak que era um gênio da engenharia, mas que provavelmente estaria até hoje projetando circuitos no porão de sua casa. Muito diferente de Steve Jobs, uma pessoa cujo o limite de sua visão e capacidade de liderança era muito maior, o que lhe permitiu criar uma das empresas mais valiosas do mundo. Se queremos ter sucesso na vida, um grande passo é aumentar o limite de nossa capacidade de liderança. 2 - A lei da influência Liderança não pode ser imposta, não pode ser exigida e não pode ser comprada. Liderar é influenciar, os verdadeiros líderes são capazes de influenciar pessoas através de seus valores. Se você quer ser um líder você deve ser capaz de influenciar pessoas em torno de sua causa ou objetivo, essa a Lei da Influência. 3 - A lei do processo Ser líder não é algo se consegue da noite para o dia. Se você quer ser um bom líder deve respeitar a lei do processo. Deve se desenvolver dia após dia, ir melhorando seus resultados a longo prazo. Se espera ter resultados de curto prazo em liderança não terá sucesso. Quando o assunto é liderança sempre surge a pergunta: As pessoas nascem líderes ou se tornam líderes? Embora algumas pessoas possuem habilidades de lideranças mais naturais que outras, liderança pode ser desenvolvida, mas é uma construção diária, essa é a lei do processo. 4 - A lei da navegação Qualquer pessoa pode conduzir o navio, mas apenas um líder pode definir o percurso, essa é a Lei da navegação. Os navegadores veem a viagem antes dela acontecer, ele a tem planejada em sua cabeça, percebe os obstáculos antes de surgirem no horizonte, envolvem as pessoas certas e vislumbram a chegada ao destino. Assim é o papel do líder, ele faz a sua rota ao invés de apenas seguir por uma, ele segue a lei da navegação.
  4. 4. 4 5 - A lei da adição Se você deseja ser um bom líder, de forma que as pessoas o sigam, deve agregar valor a vida delas, essa é a lei da adição. Toda a relação entre líder e seguidor tem um impacto positivo ou negativo, como saber se você soma ou diminui com um líder? Pergunte a si mesmo: Você torna as coisas mais fáceis para seus liderados? 6 - A lei da base sólida Confiança é o fundamento da liderança, é a lei da base sólida. Não é possível influenciar se seus liderados não confiam em você. Confiança é como troco no bolso de um líder, toda a vez que você tem uma atitude positiva esse troco aumenta, quando tem uma atitude negativa o troco diminui. Quando o seu troco acaba, você não é mais um líder. Toda vez que um líder assumi uma posição ele possui algum troco, são suas atitudes é que vão determinar se esse troco vai aumentar ou diminuir. 7 - A lei do respeito As pessoas naturalmente seguem pessoas cuja a liderança elas respeitam. Junte um grupo de pessoas sobre um assunto qualquer, à medida que elas forem interagindo, perceberá que logo será denotado quem será o líder do grupo. Temos a naturalidade de respeitar pessoas que julgamos mais competentes e fortes, essa é a Lei do respeito. 8 - A lei da intuição Líderes avaliam tudo em função da liderança. Nem todos possuem intuição em relação a liderança, mas todos possuem intuição em relação as áreas que são fortes. Os verdadeiros líderes possuem intuição em relação a liderança, tomada de decisões e veem o cenário como um todo mesmo sem ter todas as informações a sua disposição. Porque eles seguem a sua intuição, isso separa os bons líderes dos demais. Eles sabem de forma automática o que fazer em diversas circunstâncias, essa é a lei da intuição.
  5. 5. 5 9 - A lei do magnetismo Quais são as qualidades que você gostaria que seu pessoal tivesse? A lei do magnetismo diz que você é quem você atrai. As pessoas que você lidera provavelmente vão ter as mesmas qualidades que você. Caso seus liderados tenham características diferentes das que você gostaria, então talvez devesse rever a si mesmo. As pessoas são atraídas por aquelas que possuem mais coisas em comum. Você pode relacionar isso com uma turma de alunos inteligentes que costuma andar sempre com outros alunos inteligentes, ou também os atletas que tem amigos atletas. O tipo de líder que você é definido pelo tipo de pessoas que você atrai para liderar. 10 - A lei da conexão Para que os líderes exerçam com excelência sua liderança é necessário se ligar as pessoas, procurar entendê-las através da esfera emocional. Quando se trabalha com pessoas a emoção vem antes da razão, é fundamental se conectar de maneira profunda a elas. Só assim é que você vai ganhar respeito, confiança e influenciar seus liderados, essa é a lei do magnetismo. 11 - A lei círculo íntimo Sempre ficamos vislumbrados quando ficamos sabendo dos grandes feitos de alguém. Mas a verdade é que ninguém realiza um grande feito sozinho, o potencial de um líder é determinado por aqueles mais próximos dele. Grandes líderes procuram se cercar de pessoas para formar uma grande equipe que o ajuda a atingir um resultado esperado, e sem esse apoio o resultado certamente não será o mesmo, essa é a lei do magnetismo. 12 - A lei do fortalecimento O líder fortalece sua equipe, ajuda a desenvolvê-los, valoriza o trabalho que é executado, está sempre buscando formas de sua equipe alcançar o sucesso.
  6. 6. 6 Ele fica impressionado ao invés de querer ser impressionante. O líder cria o caminho para que seus liderados atinjam o sucesso e depois sabe que não pode ficar no caminho impedindo que seus liderados progridam. Essa é a lei do fortalecimento. 13 - A lei da imagem As pessoas fazem o que elas veem, essa é a lei da imagem. Quando os líderes buscam o caminho com as atitudes certas, seus liderados as copiam e eles tem sucesso, eles influenciam pelo exemplo e não apenas pelas palavras. Os líderes são sonhadores, eles veem as coisas antes de todos, mas são inteligentes o suficiente para saber que sonhar e não agir não os levará a lugar algum. O líder precisa viver o sonho, e quando o faz seus liderados o seguem. 14 - A lei da aquisição O líder descobre o sonho depois as pessoas, as pessoas descobrem o líder, depois o sonho, essa é a lei da aquisição. É muito normal pensarmos que as pessoas seguem causas nobres de boa vontade e sem questionar. Quando estamos falando de liderança as coisas não são tão simples, as pessoas de início não seguem causas merecedoras, elas seguem líderes merecedores que defendem as causas nas quais podem acreditar, elas compram primeiro o líder e depois a visão do mesmo, essa é a lei da aquisição. 15 - A lei da vitória Os líderes descobrem o caminho para vencer, eles se sentem obrigados a fazer todo o possível para alcançar a vitória para seu pessoal. Derrota é inaceitável, com persistência eles abraçam a sua visão e enfrentam de frente os desafios até que a única alternativa seja vencer. Liderança é ser responsável, perder é inaceitável, essa é a lei da vitória.
  7. 7. 7 16 - A lei do grande impulso O impulso é o melhor amigo de um líder. Podemos ver a lei de impulso em ação de forma mais clara nos esportes, quando um time vai bem, parece que todas as suas jogadas dão certo, ninguém pode pará-lo é como se eles fossem maiores do que realmente são. Os bons líderes tentam controlar a lei do impulso e tomar vantagem dela, é como quando um time começa a marcar uma série de pontos e o outro time pede tempo, ele está tentando controlar o impulso que o outro time possui. 17 - A lei das prioridades O bom líder tem a disciplina de priorizar suas atividades. Geralmente as pessoas tem uma certa resistência em fazer priorização, isso porque o líder que prioriza suas atividades tem a responsabilidade de repensar suas obrigações como um todo, tendo uma visão ampla para então fazer a priorização, que pode colocá-lo para fazer coisas desconfortáveis as vezes. O bom líder deve priorizar e rever sua priorização sempre que achar necessário. Uma boa dica é usar o princípio de Pareto (80-20). 18 - A lei do sacrifício Um líder precisa abrir mão para progredir, quanto maior o líder maior o sacrifício. A vida de um líder parece ser um paraíso aos olhos dos outros, mas a verdade é que para se tornar um bom líder você vai ter que fazer sacrifícios. Pegue de exemplos grandes executivos que passaram e passam grande parte de seu tempo estudando e se aperfeiçoando em seminários, universidades e eventos. Outro exemplo são os campeões dos esportes que passam incontáveis horas treinando para atingir o resultado esperado. Para ser um grande líder são exigidos grandes sacrifícios, essa é a lei do sacrifício. 19 - A lei do momento Bons líderes reconhecem o momento em que liderar é tão importante quanto o que fazer e para onde ir. O momento muitas vezes define se uma ação vai ter sucesso ou vai falhar e existem 4 casos para o momento e a ação.
  8. 8. 8 A ação errada no momento errado leva ao fracasso certo. A ação certa no momento errado produz resistência e pode também fracassar. A ação errada no momento certo só pode resultar em erro. Agora quando o bom líder faz a ação certa no momento certo, o sucesso é inevitável, essa é a lei do momento. 20 - A lei do crescimento explosivo Geralmente os líderes são pessoas impacientes e querem resultados de forma rápida e em grande escala. Para aumentar o crescimento lidere os seguidores, para multiplicar lidere os líderes, essa é a lei do crescimento explosivo. Os bons líderes sabem que se desenvolverem líderes que multiplicarão suas visões a seus próprios seguidores os resultados acontecem de forma mais ampla. Eles sabem que se desenvolverem os melhores de uma equipe, estes ajudarão a desenvolver os demais. 21 - A lei do legado O valor duradouro de um líder é medido pela sua sucessão, essa é a lei do legado. Como você quer ser lembrado? O que espera que as pessoas digam quando as perguntarem que tipo de pessoa você foi? É muito importante que defina o que quer para a sua vida, nas palavras do autor, definir qual será a sua sentença de vida. Pois é isso que definirá que tipo de legado você vai deixar depois que não estiver mais presente. Todo o sucesso que você tiver vai perder o sentido assim que você se for, a não ser que você passe isso para as futuras gerações.
  9. 9. 9 Liderar é uma Arte, segundo o professor Mario Sergio Cortella Muito se fala sobre as diferenças entre liderar e chefiar, como se fossem universos opostos que não se encontram. Defende-se que líderes são capazes de desenvolver pessoas e fazer com que a equipe evolua, enquanto chefes focam apenas os resultados. Agora, se alguém falasse que liderança e chefia se encontram, qual seria sua reação? É o que defende Mario Sergio Cortella, filósofo com mestrado e doutorado em educação. Para ele, liderar é uma arte que deve sim coincidir com chefia. Acompanhe essas e outras lições nesta entrevista exclusiva concedida por ele ao Boas Escolhas. Qual é a sua definição sobre liderança? Liderar é inspirar, motivar e animar ideias, pessoas e projetos. Desse ponto de vista, liderança é a capacidade de elevar para melhor uma condição coletiva. É por isso que não se deve confundir liderança com chefia. Chefes são ligados à hierarquia e não são os responsáveis por elevar uma equipe para o melhor, diferentemente do líder, que implica nessa elevação e busca constantemente isso. Por que liderar é uma arte?
  10. 10. 10 Basicamente porque não é uma técnica. A liderança exige um conjunto de procedimentos e atividades. Nesse ponto de vista, ela também precisa da capacidade de saber fazer, da sensibilidade de saber perceber e da sabedoria de saber entender. Por isso, está muito mais ligada à arte que ao procedimento, pois é o refinamento da sensibilidade gestora, técnica e intelectual. Isso significa que uma pessoa não lidera tudo o tempo todo, mas ela sempre pode liderar nessas condições. Pensando na liderança como uma arte, bons líderes já nascem com esse ''dom'' ou as competências podem ser desenvolvidas? Por quê? Acho que a capacidade de liderar tem elementos inatos, que vão depender da área para ser uma boa liderança, por exemplo: você pode nascer com sensibilidade olfativa de base genética, maior capacidade de sentir aromas, e poderá liderar uma equipe na área de perfumes com mais facilidade. No entanto, de nada adianta ter essa capacidade se ela não for colocada em ação, em circunstância e ocasião. Então, há uma base sim que precisa ser trabalhada e desenvolvida. Por isso, o líder não nasce pronto, ele se faz, se constrói. A base da liderança é genética, mas de nada adianta se não for desenvolvida, trabalhada e construída. Muitos estudiosos afirmam que líder é diferente de chefe, mas você considera que chefia deveria coincidir com liderança. Por quê? Chefiar e liderar são formas de ascendência e autoridade sobre as pessoas, e a diferença é que chefia é um cargo e tem sua autoridade apoiada na hierarquia, enquanto liderança é uma função e tem sua autoridade baseada na admiração e respeito. É claro que há muitos líderes que são chefes, assim como há muitos chefes que são líderes. Para a chefia, vale a clássica frase: ''Manda quem pode, obedece quem tem juízo'', já para a liderança, vale a ideia de procurar alguém que inspire vitalidade, que ofereça fôlego – é aquilo que eu desejo construir, fazer e edificar. Logo, chefe eu obedeço, e líder eu sigo e admiro.
  11. 11. 11 Se um chefe tem um comportamento ditador, é possível que ele se transforme em um líder? Ele precisa deixar de ser autoritário para reconstruir a autoridade, que é diferente de autoritarismo. Nesse ponto de vista, o chefe ditador só pode alcançar a condição de líder se tiver a compreensão de que só ensina bem quem é um bom aprendiz e de que a liderança se constrói dentro do trabalho coletivo. É preciso que a pessoa que deseje ser líder tenha permeabilidade a aprender, ouvir e seguir outras pessoas. Um ditador supõe que só ele está correto e, desse modo, ele não será líder, e sim apenas um chefe. Você costuma dizer que a liderança é algo circunstancial e episódico. O que você quer dizer exatamente com isso? Se liderar é ser capaz de inspirar, motivar e animar ideias, pessoas e projetos, sendo ela uma função, e não um cargo, então só dependerá da minha habilidade fazer com que isso aconteça. Você tem na equipe um grupo de pessoas com capacidades diferentes que pode assumir circunstancialmente a liderança, e essa tarefa pode ser de momento ou específica para alguma atividade. Quais são as competências essenciais para liderar uma equipe? Abrir a mente – O líder precisa ter a capacidade de perceber que o mundo muda e que é essencial mudar com ele. Tem de ser flexível no campo das ideias e das práticas e mudar o modo de pensar para poder melhorar sempre que necessário. Elevar a equipe – Líder é aquele que, quando cresce no campo da elevação do trabalho, valor e reconhecimento, faz com que todos aqueles que estejam ligados a ele também cresçam. Ele deve aproveitar as oportunidades para fazer a equipe evoluir. Inovar a obra – Não basta repetir o que já está sendo feito, o líder deve ir além do óbvio. Ele tem de ser capaz de dar vida e inovação constantemente àquilo que fazemos. Recriar o espírito – É preciso saber que um grupo necessita ter no trabalho um lugar para alegria e prazer. Seriedade não é sinônimo de tristeza, ou seja, um trabalho sério não significa ser triste. Por isso, é
  12. 12. 12 necessário criar circunstâncias em que o reconhecimento, a alegria e o bem-estar possam vir à tona. Empreender o futuro – Ser capaz não apenas de resolver o urgente, mas de cuidar do importante e não deixar sua condição de líder no momento presente. Por que a ética é uma referência para a liderança? Porque ela é o horizonte para a liderança e proporciona uma vida coletiva saudável para todos. Uma liderança que não tenha a ética com esse ponto de vista deixa de ter vitalidade. Para terminar, existe um líder ideal? Todos os líderes são ideais. Como ninguém nasce pronto, é preciso tornar real o líder que há em cada um de nós. Como o líder é algo a se realizar, desse ponto de vista, não existe um modo ideal de ser ou um único jeito de fazê-lo, mas atitudes que favoreçam isso. Liderança, como equilibrar estratégia com execução? Você é um profissional híbrido? Saiba o que isso significa na e o que as empresas varejistas valorizam nos profissionais que contratam. E muito mais. O que na verdade produz bons resultados, altos pensamentos estratégicos ou uma operação primorosa? Como líder você sabe fazer as pessoas se sentirem valorizadas? Liderança, esta é uma grande questão das empresas brasileiras e mundo afora. Por que bons projetos não são executados, ou quando são, ocorrem discrepâncias entre o planejado e o efetivamente executado? Afinal, o mundo é feito por planejadores ou por executores?
  13. 13. 13 Em termos profissionais, como você se define, um estrategista pensador ou um implacável implementador? O mundo é feito por todos, soma de conhecimentos, individual ou em grupo. Somos multi inteligências, destaca Howard Gardner no livro A Estrutura da Mente, onde apresenta a Teoria das Inteligências Múltiplas (Editora Artes Médias – 1983). O autor ensina que inteligência é “a capacidade de resolver problemas ou de criar produtos que sejam valorizados dentro de um ou mais cenários culturais.” Como a empresa é feita de pessoas, além de ser um misto de escola também, o princípio é o mesmo, quanto maior a soma de competências, melhor. E o estoque de sabedoria aumenta à media em que as pessoas praticam o que o professor Mario Sérgio Cortella ensina em suas palestras sobre gestão do conhecimento:  Ensinar o que sabe  Praticar o que ensina  Perguntar o que ignora. Liderança, como equilibrar estratégia com execução? No âmbito das empresas varejistas, o ideal é que você seja um profissional híbrido. Estrategista com bom senso operacional e implementador com visão estratégica. Não sendo possível ser dois em um, o que o varejo procura com certa urgência são pessoas com capacidade operacional para transformar estratégias em ações. Ações que gerem resultados e promovam o encantamento dos clientes.
  14. 14. 14 O líder responsável pela operação, ou por um segmento dessa área, é o que está mais próximo da realidade. Maneja diretamente pessoas, processos e logística. Ligado visceralmente com os clientes, ainda que de forma indireta. Os resultados dependerão sempre da sua capacidade de gestão de pessoas. Conseguir que seus funcionários se sintam devidamente valorizados. Dar um significado maior ao trabalho de cada um. Senso de pertencimento. Liderança, como equilibrar estratégia com execução? A equipe só produzirá bons lucros se as operações estiverem baseadas em sistemas confiáveis de gestão, com tecnologia de ponta, naturalmente. O desafio do líder é fazer com que o processo operacional funcione como um relógio, melhorando a eficiência, o desempenho e a obtenção de resultados crescentes. Liderança, como equilibrar estratégia com execução? Na prática você é um operador inteligente de Pessoas – Processo – Produtos e Tecnologia. Quanto às pessoas, você aplica feedback ou fodeback? Chefe ou Líder? Moacir Moura O Chefe Manda Decide sozinho Critica Não ouve sua equipe Não compartilha as informações Identifica problemas, mas não propõe soluções Transfere a responsabilidade
  15. 15. 15 Faz o trabalho sempre do mesmo jeito Centralizador Acha que tem todas as respostas Não encoraja a equipe a criar Trabalha com foco na tarefa Pensa no hoje. – Vive sempre estressado Não cresce na hierarquia da empresa, porque não desenvolver líderes. O chefe diz “eu”, batendo no peito. O Líder Inspira as pessoas É transparente Reconhece o esforço da sua equipe. Ouve a opinião dos outros Compartilha as informações Identifica problemas e estimula a busca de soluções Assume a responsabilidade com sua equipe É criativo e inovador. Faz perguntas poderosas Delega funções e acompanha os resultados. Trabalha com foco nas metas, nos resultados e nas pessoas. Pensa e faz o hoje, mas sempre com olhos no futuro Ensina pelo exemplo. Sabe que por trás de um funcionário há um ser humano. Dá feedback visando desenvolver as pessoas Focado no foco do cliente. O líder é feliz. Cresce e vira CEO da empresa O Líder diz “nós”, naturalmente e sem bater no peito. E Você? Quais são seus planos para desenvolver sua liderança aí no seu trabalho? Ou vai continuar sendo o chefão do pedaço e fazendo sempre do mesmo jeito?
  16. 16. 16 Os princípios de liderança de Jack Welch, ex- presidente da GE e palestrante internacional. Franqueza “Quando se pratica a franqueza – e nunca se é absolutamente franco, esteja certo – Tudo funciona com mais rapidez e maior eficácia. ” " A falta de franqueza bloqueia as ideias inteligentes, retarda as ações rápidas e impede que as pessoas capazes contribuam com todo o seu potencial. É algo devastador. " " Meus chefes advertiam quanto à minha franqueza. Agora, minha história na GE chegou ao fim e garanto-lhes que a minha franqueza muito contribuiu para o meu sucesso. " As 8 regras de Liderança de Jack Welch (extraídas do seu livro “Paixão por Vencer”)
  17. 17. 17 1 - Líderes são incansáveis no aperfeiçoamento da equipe Você precisa avaliar, certificando-se de que as pessoas certas estão nas funções certas, apoiando e promovendo as que estão bem colocadas e afastando as que não estão. Você precisa treinar; orientando, criticando e ajudando cada um a melhorar seu desempenho sob todos os aspectos. Finalmente, é preciso construir a autoconfiança, promovendo encorajamento, cuidados e reconhecimento em sua equipe. A autoconfiança energiza, dando ao pessoal a coragem para ousar, para assumir riscos e para superar os próprios sonhos. É o combustível das equipes vencedoras. Com frequência, os executivos acham que o desenvolvimento de pessoas ocorre uma vez por ano, nas avaliações de desempenho. Estão muito longe da verdade. O desenvolvimento da equipe deve ser uma tarefa diária, integrada em todos os aspectos do cotidiano. 2 - Líderes fazem com que todos vivenciem a visão Líderes devem projetar a visão da equipe e fazer com que ela ganhe vida. Como obter isso? Primeiro nada de jargão. As metas não podem ser nebulosas a ponto de parecer inatingíveis. É necessário falar sobre a visão constantemente para todos. Um problema recorrente nas empresas é que os líderes comunicam a visão a seus colegas mais próximos, mas ela nunca chega ao pessoal da linha de frente.
  18. 18. 18 3 - Líderes emitem energia positiva e otimismo Um executivo vibrante, com atitudes positivas, de alguma forma acaba liderando uma equipe ou uma empresa repleta de pessoas vibrantes, com atitudes positivas. Já o pessimista crônico, sempre de mau humor e de cara fechada, acaba rodeado por pessoas infelizes. Pessoas infelizes têm muita dificuldade para vencer. O trabalho às vezes é pesado. Mas sua missão como líder é combater o impulso do negativismo. Isso não se confunde com adoçar os desafios de sua equipe. Significa exibir uma atitude energizante e corajosa diante das dificuldades. 4 - Líderes conquistam confiança com transparência Seus subordinados precisam sempre estar cientes do desempenho deles. Precisam saber como vão os negócios. Por vezes, as notícias não são boas (como no caso da iminência de demissões em massa) e qualquer pessoa normal não gosta de passar essas informações. Mas é preciso frear o impulso de atenuar mensagens duras ou o líder sofrerá as consequências com a perda de energia e de confiança por parte da equipe. Os líderes também conquistam a confiança reconhecendo o devido mérito. Jamais tapeiam seu pessoal, apropriando-se de uma idéia alheia. Não adulam os de cima e chutam os de baixo, pois são suficientemente autoconfiantes e maduros para saber que o sucesso da equipe lhes dará reconhecimento, mais cedo do que se supõe.
  19. 19. 19 Em tempos difíceis, os líderes assumem responsabilidade pelo que dá errado. Nos bons tempos, repassam generosamente os elogios. Ao se tornar líder, você às vezes sente o impulso de dizer: "Veja o que eu fiz!" Quando a equipe supera as expectativas, é normal querer algum crédito para si próprio. Afinal, você dirige o espetáculo. Seu pessoal escuta cada uma de suas palavras (ou finge que escuta) e ri de todas as suas piadas (ou finge que ri). Tudo isso sobe à cabeça. Você pode começar a se sentir muito grande. Não deixe que isso aconteça. Lembre-se: ao se tornar líder, você não recebe uma coroa, apenas passa a ter a responsabilidade de conseguir o máximo dos outros. Por isso, seu pessoal precisa confiar em você. E confiará, desde que você demonstre franqueza, reconheça os méritos e mantenha os pés no chão. 5 - Líderes ousam tomar decisões impopulares Há ocasiões em que é preciso tomar decisões difíceis (demitir pessoas, reduzir os recursos de um projeto ou fechar uma fábrica). Obviamente, essas medidas provocam queixas e resistência. Sua tarefa é ouvir e explicar-se com clareza, mas ir adiante. Você não é um líder para ganhar um concurso de popularidade, você é líder para liderar. Muitas vezes, certas decisões são difíceis não por ser impopulares, mas por se basearem no instinto e desafiarem argumentos
  20. 20. 20 "técnicos". É o que se chama de intuição, mas é apenas o reconhecimento de um padrão de comportamento. Você já viu algumas coisas tantas vezes que simplesmente sabe o que vai acontecer. Os fatos talvez estejam incompletos e os dados podem ser limitados, mas a situação aparenta ser muito familiar para você. 6 - Líderes pressionam sua equipe em busca de ação Quando você é um especialista, esforça-se para dar todas as respostas e ser o melhor no que faz. Quando você é um líder, sua tarefa é fazer todas as perguntas. Você deve se sentir inacreditavelmente confortável em parecer a pessoa mais burra da sala. Em cada conversa sobre uma decisão, uma proposta ou alguma informação sobre o mercado, você deve intervir com perguntas do tipo: "E se?", "Por que não?" e "Por que é assim?" Questionar, contudo, não basta. É preciso garantir que suas perguntas provoquem debates e levantem temas que exigem ação. 7 - Líderes incentivam a tomada de riscos e o aprendizado Muitos executivos insistem para que seu pessoal tente novas experiências e depois criticam os mais ousados quando algo não dá certo. Se você quer que seu pessoal experimente, dê o exemplo. Aceite correr riscos. Você não precisa ser moralista ou depressivo a respeito de seus erros. De fato, quanto mais humorado e espontâneo puder ser, mais as pessoas captarão a mensagem de que os erros não são fatais.
  21. 21. 21 Pode-se criar uma cultura propícia à tomada de riscos ao admitir abertamente seus erros e ao explicar o que aprendeu com eles. O fato de ser o chefe não significa que você seja a fonte de todo o conhecimento. 8 - Líderes celebram Por que será que comemorações deixam os executivos tão nervosos? Talvez porque festejar não pareça muito profissional ou por imaginarem que, se tudo ficar muito alegre no escritório, as pessoas deixarão de levar as coisas a sério. As comemorações criam uma atmosfera de reconhecimento e de energia positiva. Ainda assim, as empresas não raramente realizam grandes proezas e deixam tudo passar em branco. O trabalho está muito presente na vida de todos para que não se reconheçam os momentos de realização. Explore-os tanto quanto possível. Transforme-os em grandes feitos.
  22. 22. 22 A EFICÁCIA DE JESUS NA FORMAÇÃO DE SUA EQUIPE Comentário de Rodolfo Montosa – Instituto Jetro. 1. Jesus identificou o perfil de seus comandados. “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens” (Mc 1.17). Jesus buscava ajudadores que tivessem duas características: paixão e competência. As perguntas fundamentais na escolha de uma equipe são: “Onde está o seu coração? ” e “Qual é a sua competência?” Entendo por “competência” o conjunto de habilidades, unção, conhecimento e experiência. Já a “paixão” ou “coração”, é o caráter, a intenção, o compromisso e os valores pessoais. 2. Jesus selecionou alguns “Naqueles dias, retirou-se para o monte, a fim de orar, e passou a noite orando a Deus. E, quando amanheceu, chamou a si os seus discípulos e escolheu doze dentre eles...” (Lc 6.12,13).
  23. 23. 23 Não vemos outra forma de alcançarmos um ministério bem-sucedido a não ser pela busca incessante da direção do Pai. Jesus orou antes de formar sua equipe. Um princípio básico, simples e eficiente. Jesus se dedicou pessoalmente ao processo de escolha e foi proativo nessa seleção. Conviveu com seus discípulos, caminhou com eles, conheceu seus anseios. Um ponto interessante na atitude de Jesus é que Ele escolheu justamente aqueles que tinham uma ocupação. Acreditamos que é melhor liderar pessoas engajadas em determinado trabalho — ou que pelo menos já o foram — do que liderar pessoas desocupadas. Pessoas trabalhadoras se encaixam melhor no perfil de uma equipe ideal. Estar ocupado significa se envolver naquilo a que se propõe. Ou seja, dedicar o coração, a alma e a vida. 3. Jesus capacitou os escolhidos Não há como falar sobre o processo de escolha dos discípulos sem fazer alusão à frase “Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos”. No reino de Deus, capacitação é primordial. “Então, começou a ensinar seus discípulos”. É o que narra Marcos quando fala sobre essa relação de ensino entre Jesus e sua equipe. O próprio Espírito Santo foi enviado com a tarefa de nos “ensinar todas as coisas”. A capacitação é o ato intencional de fornecer meios para proporcionar uma aprendizagem que, invariavelmente, representa mudança no comportamento humano.
  24. 24. 24 E essa mudança decorre dos novos conhecimentos, do desenvolvimento das habilidades, da lapidação das atitudes e da formação de conceitos. Treinar um membro da equipe pode ser trabalhoso, mas é fundamental para que o ministério não se perca. Quando a igreja tem membros bem treinados, ela se desenvolve melhor. E a recíproca é verdadeira. Igrejas maduras, bem desenvolvidas, valorizam a capacitação. Nas empresas é a mesma coisa. 4. Jesus deu o direcionamento Jesus também orientou como os setenta deveriam agir (Lc 10.1). Falou desde o que deveriam levar até como deveriam se comportar. A missão era clara e bem definida. Jesus enxergou o objetivo, montou a equipe, comunicou, instruiu e encorajou os envolvidos. Tudo isso para que considerassem a importância da missão para a qual estavam sendo escolhidos. Assim como Jesus, o líder precisa orientar sua equipe e conduzi-la à visão que Deus lhe deu. É função do líder direcionar a obra, isto é, definir metas em cada etapa, o papel de cada um no processo e acompanhar todo o andamento da missão, não deixando que as coisas ocorram ao “acaso” ou no improviso. 5. Jesus avaliou o trabalho O feedback, ou a reação dos envolvidos nos processos produtivos da empresa. Gestores, líderes, equipes e demais interlocutores é fundamental para o sucesso.
  25. 25. 25 Sem avaliar os resultados de cada etapa, corre-se o risco de desperdiçar informações importantes para as próximas execuções. Em pelo menos duas ocasiões, Jesus reagiu ao comportamento dos discípulos e deixou claro uma opinião sobre os fatos. Vejamos: • “Roguei a teus discípulos que o expelissem, mas eles não puderam. Respondeu Jesus: Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco e vos sofrerei? Traze o teu filho” (Lc 9.40,41). • “Então, regressaram os setenta, possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome! [...] Naquela hora, exultou Jesus no Espírito Santo e exclamou: Graças te dou, ó Pai [...] E, voltando-se para os seus discípulos, disse-lhes particularmente: Bem-aventurados os olhos que vêem as coisas que vós vedes” (Lc 10.17, 24). Esses dois momentos se referem ao mesmo assunto: expulsão de demônios. Em um caso, Jesus repreendeu os discípulos por não terem conseguido expulsar, no outro, eles se surpreenderam pelo fato de os demônios se submeterem. Um dos objetivos de avaliar a equipe é descobrir onde é preciso concentrar nossos ensinamentos. A avaliação é um meio, não um fim. Deve ser relativa ao objetivo desejado, mas observa também as habilidades e as atitudes em evidência no grupo. Avaliar é essencial tanto para reforçar o que é positivo como para punir o que é negativo, resultando em ajustes. Perceba que Jesus em um momento reprovou, mas no outro, aprovou o comportamento da equipe — o que evidencia sua capacidade de olhar qualidades e defeitos com a mesma intensidade.
  26. 26. 26 6. Jesus incentivou sua equipe “Ninguém há que tenha deixado casa, ou mulher, ou irmãos, ou pais, ou filhos, por causa do reino de Deus, que não receba, no presente, muitas vezes mais e, no mundo por vir, a vida eterna” (Lc 18.29,30). O maior incentivo de quem serve deve ser agradar o Senhor. Não há alegria maior para um servo do que sentir que Deus está feliz com suas atitudes e trabalho. Por isso, creio que o maior incentivo de quem serve é que se permita que ele sirva mais. Incentivar a equipe é estar atento à satisfação de todas essas diferentes necessidades das pessoas. Uma organização ou agrupamento não deve pretender suprir todas as necessidades de alguém, mas deve ser sensível para conhecer o estágio em que cada um se encontra e procurar fazer o melhor para ajudar cada pessoa em seu momento de vida. Estes seis princípios observados na vida de Jesus, durante a formação de sua equipe, podem e devem ser perseguidos pelos líderes. Imitar Jesus abrange todos os aspectos de seu caráter perfeito e seu procedimento exemplar. Nele não havia pecado, por isso, tudo o que pudermos observar é digno de ser imitado. Devemos sempre aprender com o Mestre dos mestres.
  27. 27. 27

×