Maria benguela

217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Maria benguela

  1. 3. Era uma vez a Maria Benguela, que era uma menina preta, tão preta como o café, preta, preta como a tinta da china. Preta e bonita como a noite mais escura.
  2. 4. Era uma vez o Pascoal, que era um menino branco, tão branco como a cal da parede. Branco como as pombas tão brancas. Como as chaminés das casas pintadas de novo.
  3. 5. O Pascoal não tinha muitos amigos com quem pudesse brincar. Tinha bonecos de trapo, que a mãe cosia, com restinhos de pano que costumava arranjar.
  4. 6. Maria Benguela tinha alguns amigos. Mas já eram crescidos e iam trabalhar. Mas o que ela queria era uma amigo como ela. Assim pequenino, com quem pudesse brincar. Mas onde encontrar?
  5. 7. Um dia o Pascoal, cansado de brincar com meninos de pano que não sabiam falar, atirou-os para o canto e foi procurar. Queria um amigo de verdade!!!
  6. 8. E Maria Benguela de olhos tão pretos, como o carvão da lareira que faz o pau para escrever, pôs-se à porta de casa, à espreita com os olhos esperando, talvez, um amigo encontrar.
  7. 9. Calhou a mãe do Pascoal precisar de café para o jantar e pedir ao seu filho que descesse a rua, olhasse os sinais e o fosse comprar. Um kilo devia bastar.
  8. 10. E quando descia a rua Pascoal parou. Uma menina de tranças, mais tranças, trancinhas virou a cabeça e com ele falou.
  9. 11. Que pele tão branca tu tens da côr dos meus dentes e das palmas das mãos que batem contentes. E que bonita és tu da côr do café que vou agora comprar, da côr dos caracóis dos meus cabelos, da côr das meninas de todos os olhos. E Pascoal deixou-se estar a brincar com a amiga que acabara de encontrar.
  10. 12. Foi quando se lembrou do recado que a mãe lhe mandara fazer. Pegou Benguela pela mão e saiu a correr.
  11. 13. Mas já não comprou café porque a loja fechara. Mas Maria Benguela, da cabeça cheia de tranças e tranças, trançinhas tirou uma ideia.
  12. 14. Então, Pascoal chegou a casa e disse: “Não trouxe o café que tu me pediste, mas trouxe uma amiga que é da côr do café e tão linda que é, não é?”. E a mãe sorriu. E a Benguela sorriu. E o Pascoal sorriu. Finalmente tinha uma amiga com quem brincar. Uma amiga de verdade… e que tranças, trançinhas… Finalmente tinha uma amiga com quem brincar. Uma amiga de verdade… e que tranças, trançinhas…
  13. 15. Depois disto tudo, Benguela seguiu para casa a pensar… Agora já tinha um amigo, da sua idade, com quem podia crescer, falar e brincar. Era um menino branco como os seus dentes, como o cantinho dos olhos, como as palmas das mãos e como o açúcar doçinho que estava no meio do bolo que a sua mãe acabara de cozinhar.

×