Hipismos tropeiros

262 visualizações

Publicada em

Hipismos tropeiros

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hipismos tropeiros

  1. 1. Hipismo tropeiro 2.1.1. DESFILES DE CAVALEIROS- Existe uma “cultura” atrasada que diz – “cavalo alheio, espora e relho e tirão no freio”. Entretanto, já fazem mais de cem anos que o campeiro Blau Nunes nos ensina – “não grites sem ocasião e não guasqueies sem precisão ... (...fala com ele...)... e sempre que puderes, passa-lhe a mão. Na verdade - desde os começos coloniais, com o Indio e o Gaudério, - o cavalo torna-se o maior amigo do Tropeiro. Quando o escultor Morrone, encarregado da Estátua do Tropeiro, procurou o padre historiador Aluísio Almeida este o orientou a representar o Tropeiro Símbolo em cima de um Cavalo. Por que? O padre historiador sabia das coisas... No tropeirismo moderno, o cavalo aparece nos desfiles de cavaleiros, lado a lado com o muar, - o burro ou a mula. Faça-se justiça a esse valente hibrido de jumento, que por sinal tem meio sangue do cavalo. – mas tu sabias que nenhum dos muitos milhões de muares até hoje produzidos no país, poderia existir se não tivesse saído do ventre de uma égua-mãe – uma fêmea da espécie cavalar? Assim, se tu - tropeiro ou tropeira - escolheres desfilar montando uma mula, serei o primeiro a te dar parabéns. Saibas porém que a escolha prioritária do cavalo nos símbolos do Tropeiro, não se deve apenas a razões estéticas, nem a qualquer discriminação do muar, mas principalmente por respeito à verdade histórica e biológica. A simpática e valorosa mula entrou com o pé direito na história do tropeirismo – só que entrou depois do cavalo. E depende até hoje - dos humanos tropeiros e da espécie eqüina - para nascer e continuar sendo reproduzida. 2.1.2. PROVAS DE AGILIDADE - Num bom cavalo crioulo, / Vale da rédea a leveza, / Pois pouco serve a beleza,/ Se a sua boca for dura;/ Por isso, a raça se apura / Nos torneios de destreza –( Mário Mattos, in Décima de Sepé Tiaraju, Martins Livreiro, Porto Alegre, 1985.). O hábito de montar a cavalo e participar de desfiles e cavalgadas - manifestação típica da tradição tropeira – vem crescendo em todos os estados do Brasil. Cavaleiros e cavaleiras brilham ao vivo e na TV, executando provas de tambores e balisas, tudo medido a relógio minuteiro, com regulamento complicado. É bonito assistir, mas difícil de participar . Só têm acesso os
  2. 2. cavaleiros ou cavaleiras mais preparados, inclusive mais abonados de grana.. Para os cavaleiros comuns, com seus cavalinhos “pêlo duro” faz falta poderem praticar o divertimento em qualquer campinho de várzea, como aqueles que a gurizada usava nas “peladas” de futebol – ou nas carreiras de piás em petiços, só por rapadura. Nesta situação, a prova das cinco balisas em filas duplas já é uma experiência comprovada por nós na Semana do Tropeiro de Sorocaba, nas décadas de 70 e 80. É fácil de implantar, não precisa relógio. Com julgamentos transparentes, pode exercitar a confiança e amizade entre os tropeiros. DIMENSÕES DA CANCHA :40 X 30 METROS ABERTURA DE COVAS : com cavadeira de molas, para afofar a terra, à profundidade de 50 centímetros e distancia de 6 metros uma cova da outra, formando assim as duas fileiras de 5 balisas; na distância de 10 metros entre as duas fileiras. MEDIDAS DA CANCHA - A cancha será balisada em 30 metros de frente por 40 metros da frente ao fundo. Essa medida permite colocar bandeirolas marcando a linha de partida e chegada; e tem suficiente espaço para a circulação dos cavaleiros. .
  3. 3. No final da década de 80, os cavaleiros de Tatuí SP, Nelson Gardenal e seu filho Nilson, foram apontados pela revista Hippus como destaques nacionais – cavaleiros eméritos da década. Em contato fortuito com este autor, ocorrido no CTTB de Itapetininga, SP, Nelson, lembrou que seu começo no hipismo aconteceu em suas participações nas provas que promoviamos na Semana do Tropeiro em Sorocaba. Aquelas estatuetas do Tropeiro conquistadas nas provas simples de Sorocaba. estão guardadas com carinho em sua casa, ao lado dos troféus da sua brillhante carreira Outras provas, como corridas de estafetas entre a criançada, a pé ou com cavalinhos de verdade; provas de tiro de laço à mula mecânica, etc,; podem ser criadas pelos tradicionalistas imaginosos. 2.1.3. Indumentárias - Trajes típicos, masculinos e feminiinos, podem ser criados pela pesquisa de cada região ou localidade desde que os estilos sejam considerados simbólicos: No mínimo , pelo viés interiorano ou campeiro. A liberdade de criação artística com elementos simbólicos alusivos ao tropeirismo, não pretende ser folclore, mas será, sim, projeção folclórica e nova tradição criada para o século 21. Recordo que em Sorocaba dos anos 70, elaborei para miss Sorocaba , Maria José Carvalho de Sanctis. um croqui de traje feminino “tropeiro “. Levado como pista ao costureiro Clodovil , aquele famoso e saudoso estilista confeccionou o traje com que a bela concorreu ao titulo de miss São Paulo.– com expressivo sucesso no desfile apresentado na TV...

×