O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Naus de verde_pinho (com atividades)

1.728 visualizações

Publicada em

Leitura obrigatória 6º ano

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Naus de verde_pinho (com atividades)

  1. 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE ALVITO Biblioteca Escolar AS NAUS DE VERDE PINHO de Manuel Alegre (resumo) 1º - De um lado o chão e a raiz do outro o mar e o seu cântico. Era uma vez um país entre a Espanha e o Atlântico. Tinha por rei D. Dinis que gostava de cantar. Mas o reino era tão pouco que se pôs a perguntar: - E se o mar fosse um caminho deste lado para o outro? E da flor de verde pinho das trovas do seu trovar mandou plantar um pinhal. Depois a flor foi navio. E lá se foi Portugal caravela a navegar. (p.3) (...) Aqui ao leme sou mais do que eu: Sou um Povo que quer o mar que é teu; E mais que o mostrengo, que me a alma teme E roda nas trevas do fim do mundo, Manda a vontade, que me ata ao leme, De El-Rei D. João Segundo! (Em MENSAGEM - Fernando Pessoa) 2º Viu-se então um grande monte que entrava pelo mar dentro. Já não havia horizonte nem céu nem terra nem nada. Só se ouvia uivar o vento que vinha com sua espada espadeirar as brancas velas. Só o vento e o nevoeiro e uma grande nuvem preta sobre as naus e as caravelas. (p.5) 3º De repente um marinheiro perna de pau e maneta ergueu a voz e gritou: - Eu sou da Nau Catrineta e nem ela aqui passou. Eram ventos ventanias naus como cascas de noz a baloiçar sobre o medo. Sete noites sete dias.
  2. 2. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE ALVITO Biblioteca Escolar AS NAUS DE VERDE PINHO de Manuel Alegre (resumo) E só se via o penedo só se ouvia aquela voz do velho sempre a gritar: - Vereis a água a ferver. Quem quiser aqui passar no inferno vai arder. (pp.6-7) 4º - Seja a bem ou seja a mal eu juro que hei-de passar porque as naus de Portugal não são naus de recuar. Eu sou Bartolomeu Dias http://pt.wikipedia.org/wiki/Bartolomeu_Dias nada me pode parar. [...] - Vais perder-te e naufragar ninguém dobra o Cabo Mau. [...] - Ouve lá Perna de Pau [...] já se foi o Cabo Mau já se foi a nuvem preta e não vi nenhum papão nem me deitei a afogar. A tua Nau Catrineta é uma história de inventar. [...] - Sete noites sete dias que não paras de falar. Venci ventos ventanias também tu te vais calar. Ou será que és o Diabo que me vem aqui tentar? [...] eu trago no coração um país a navegar e não há nenhum gigante que me faça recuar. O meu destino é chegar cada vez mais adiante. [...] Tu és só uma visão um cabo de fantasia. Não metes medo nenhum. Então o monstro sumiu inchou inchou e fez PUM como se fosse um balão. [...] - Venham monstros bruxarias não me deixo enfeitiçar. Eu sou Bartolomeu Dias e juro que hei-de passar.
  3. 3. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE ALVITO Biblioteca Escolar AS NAUS DE VERDE PINHO de Manuel Alegre (resumo) E as naus seguiram em frente sempre sempre a navegar para além da linha azul que há no muito imaginar. (pp. 6-9) 5º Caravelas caravelas feitas de trova e de sonho cascas de noz pequeninas levavam nas brancas velas o pendão das cinco quinas. Umas foram para o Oriente outras foram para o Sul umas ao Brasil chegaram outras à Índia e ao Japão. Todas ao mundo mostraram que o mar não é um papão. [...] Contra o medo e as tempestades guiadas pelas estrelas navegavam e aprendiam um saber de experiência. [...] (pp.10-11) 6º - Sempre que em teu pensamento o verde pinho florir abre os teus sonhos ao vento porque é tempo de partir. E sempre que mais adiante não houver porto de abrigo tens o astrolábio e o quadrante passarás além do perigo. Lá onde a noite apresenta forma e corpo de diabo vencerás mar e tormenta passarás além do Cabo. Verás então o caminho do outro lado de aqui e uma nau de verde pinho que te leva além de ti. (pp. 11-12)
  4. 4. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE ALVITO Biblioteca Escolar AS NAUS DE VERDE PINHO de Manuel Alegre (resumo) Actividades sugeridas: I Num primeiro momento sugerir aos alunos que vão escrevendo em todas as sessões os excertos da obra e que façam a ilustração - Registo da cópia manuscrita do texto em cada sessão - Introdução ao estudo do texto poético. - Leitura em voz alta e análise do texto poético. - Interpretação do texto. - Ilustração do texto. Como trabalho final surgirão pequenos livros construídos pelos alunos que srão digitalizados e publicados online Os professores farão a exploração da obra seguindo o guião elaborado e distribuído pela BE. 1.º- Leitura da cópia manuscrita do primeiro texto. - Estudo do texto poético – entoação e declamação. - Registo do segundo texto. - Leitura em voz alta e análise do texto poético. - Interpretação do texto e pequena abordagem intertextual com textos dos descobrimentos (manual do 5º ano – A viagem de Bartolomeu Dias, Os Lusíadas, Mensagem). - Ilustração do texto. 2.º Leitura da cópia manuscrita do segundo texto. - Estudo do texto poético – entoação e declamação, verso, estofe, rima e ritmo. - Registo do terceiro texto. - Leitura e análise do texto poético. - Interpretação do texto e pequena dramatização (marinheiro da perna de pau). - Ilustração do texto (o gigante adamastor). 3.º - Leitura da cópia manuscrita do terceiro texto. - Estudo do texto poético – entoação e declamação, verso, estofe, rima e ritmo. - Registo do quarto texto. - Leitura e análise do texto poético. - Interpretação do texto. - Ilustração do texto. 4.º - Leitura da cópia manuscrita do quarto texto. - Estudo do texto poético – entoação e declamação, verso, estofe, rima e ritmo. - Registo do quinto texto. - Leitura e análise do texto poético. - Interpretação do texto – figuras de estilo (repetição expressiva, personificação, metáfora). - Ilustração do texto. 5.º Leitura da cópia manuscrita do quinto texto. - Estudo do texto poético – entoação e declamação, verso, estofe, rima e ritmo. - Registo do sexto e último texto. - Leitura e análise do texto poético. - Interpretação do texto – figuras de estilo (repetição expressiva, personificação, metáfora). - Ilustração do texto.
  5. 5. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE ALVITO Biblioteca Escolar AS NAUS DE VERDE PINHO de Manuel Alegre (resumo) - Exposição dos trabalhos finais na biblioteca da escola II Música e karaoke http://sotaodaines.chrome.pt/sotao/karaoke_la_vem_a_nau_catrineta.html Questionário III 1- Quem é o autor da obra que andamos a estudar? 2 - Quem é o ilustrador desta obra? 3 - A quem é que o poeta dedicou este livro? 4 - De que trata esta obra? 5 - Esta obra é. - Um texto narrativo. - Um texto dramático. - Um texto poético 6 - O primeiro poema fala de um país “entre a Espanha e o Atlântico” Que país é este? 7- De que rei nos fala este poema? 8 - O que é um pinhal? Classifica esta palavra. 9 - Descobre no segundo poema três repetições expressivas. 10- Desenha os seres fantásticos que se acreditava viverem nos mares e nas terras desconhecidas. Fontes: http://www.eseb.ipbeja.pt/sameiro/malegre.htm o livro http://www.youblisher.com/p/487814-As-naus-de-Verde-Pinho/

×