SlideShare uma empresa Scribd logo

O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré

1 de 24
O papel dO cOrpO na
             cOnstruçãO dO
             desenvOlvimentO humanO




Feito por:

Maria Inês Teixeira nº13

André Rocha nº5

10ºP

Escola Secundária Abel Salazar     2011/2012

Disciplina: Área de Integração
Índice

Índice.................................................................................................................................................................. 2
   Introdução......................................................................................................................................................3
1.Sistema nervoso Central..................................................................................................................................4
   1.1 O cérebro..................................................................................................................................................4
   1.1.1 Estrutura do encéfalo ou cérebro..........................................................................................................5
   1.1.2 Neurónios..............................................................................................................................................8
   1.1.3 Hemisférios do cérebro humano...........................................................................................................9
   1.1.4 Lobos cerebrais......................................................................................................................................9
   1.1.5 Espinal Medula....................................................................................................................................11
   1.1.6 A diferença entre o cérebro humano e o animal.................................................................................12
2. Sistema nervoso periférico...........................................................................................................................12
   2.1 Sistema nervoso autónomo ...................................................................................................................13
   2.1.1 Sistema nervoso simpático e parassimpático......................................................................................14
   2.2 Sistema nervoso somático......................................................................................................................15
3. Genética .......................................................................................................................................................15
   3.1 Hereditariedade .....................................................................................................................................15
   3.1.1 Fatores ligados ao Sexo .......................................................................................................................15
   3.2 Principais distúrbios e alterações de origem genética: ..........................................................................16
   3.3 O que é o genoma humano ...................................................................................................................19
   3.4 A utilidade do genoma humano .............................................................................................................19
   3.5 Principais áreas da Genética ..................................................................................................................19
   3.6 Os experimentos de Mendel ..................................................................................................................20
4. As Células Constituem os Seres Vivos...........................................................................................................20
5. A razão, emoção e o cérebro........................................................................................................................21
Conclusão.........................................................................................................................................................23




                                                                                                                                                                        2
Introdução


Este trabalho enquadra-se na disciplina de Área de Integração e é subordinada ao tema: O papel
do corpo na construção do desenvolvimento humano.

Como todos sabem o cérebro é um dos nossos órgãos mais importantes, se não mesmo o mais
importante. O papel dele no nosso corpo é extremamente importante pois é ele que comanda as
nossas ações e a forma como os nossos órgãos trabalham tornando-o muito sensível mas
complexo fazendo com que as suas doenças sejam ainda mais difíceis de tratar.

Neste trabalho vamos falar sobre o cérebro, os seus constituintes e as suas funções.

Até hoje os cientistas tentam desvendar ainda grandes dos seus mistérios e maneiras de combater
certas doenças que nele aparecem. Com este trabalho vamos tentar entender um pouco deste
órgão essencial para a nossa sobrevivência.




Está um pouco desorganizado e devia indicar mais alguns temas que iam se desenvolvidos




                                                                                                 3
1.Sistema nervoso Central

É importante notar que a divisão que é feita de sistema nervoso em sistema nervoso central e
periférico é basicamente funcional, sendo conveniente para fins didáticos.

O SNC é formado pelo encéfalo, alojado na caixa craniana e pela espinal medula. As propriedades
especiais da parte central do sistema nervoso residem em complexas interconexões de neurónios,
nas quais surgem os padrões apropriados de resposta aos estímulos provenientes do meio externo
e internos.

1.1 O cérebro


   O cérebro, a medula espinhal, o bulbo ou medula oblonga, o cerebelo e a ponte são exemplos
de partes do nosso sistema nervoso que pertencem ao Sistema Nervoso Central, mais para a
frente vamos falar de cada um deles.
       O cérebro é a parte do sistema nervoso central que fica dentro do crânio. É a parte mais
desenvolvida e a mais volumosa do encéfalo, pesa cerca de 1,3 kg e é uma massa de tecido cinza-
róseo. Quando cortado, o cérebro apresenta duas substâncias diferentes: uma branca, que ocupa
o centro, e outra cinzenta, que forma o córtex cerebral. O córtex cerebral está dividido em mais de
quarenta áreas funcionalmente distintas. Cada uma delas controla uma atividade específica. A
presença de grandes áreas cerebrais relacionadas ao controle da face e das mãos explica por que
essas partes do corpo têm tanta sensibilidade.
       No             córtex           estão             agrupados                 os               neurónios.
                                                    Imagem Erro! Não existe nenhum texto com o estilo especificado
Também existe o encéfalo que é o centro do     sistema nervoso em grandes divisões do sistema nervoso central
                                                    no documento.-1- As todos os animais vertebrados, e

em muitos invertebrados.
É importante fazer uma diferenciação do encéfalo e do cérebro: o encéfalo é um conjunto de
estruturas que estão anatomicamente e fisiologicamente ligadas, sendo elas:

   •   Bulbo raquidiano


   •   Hipotálamo

   •   Corpo caloso

   •   Cérebro

   •   Tálamo

                                                                                                               4
•   Formação reticular

          •   Cerebelo




      1.1.1 Estrutura do encéfalo ou cérebro
      Os órgãos encefálicos dividem-se em três estruturas que integram:


          •   Metencéfalo ou cérebro posterior
                 Tem +/- 1 bilião de células, destas 100 milhões são neurónios interligados
          •   Mesencéfalo ou cérebro médio
          •   Protencéfalo ou cérebro anterior




                                                                                                                   Protencéfalo




Mesencéfalo                                                                                                        Cerebelo


                                                                                                                Metencéfalo
                                                                                                              Bulbo
                                                                                                              raquidiano


 Protuberância
                        Figura 1- Estrutura do encéfalo



      Cérebro posterior

          ⇒ BOLBO RAQUIDIANO  Prolongamento superior da espinal medula que a liga ao encéfalo

                                           Possui funções semelhantes às da espinal medula

              Função:

                        1. Constitui centro de atividade reflexa e conduz impressões á parte superior do cérebro




                                                                                                                    5
2. Recebe informação sensorial proveniente da cabeça. Ex: paladar, audição, tacto no
                     couro cabeludo

                 3. Envia impulsos de controlo motor à cabeça. Ex: mastigar, engolir, respirar

                 4. Intervém no ritmo respiratório e cardíaco

                 5. Intervém noutras funções ligadas à preservação da vida. Ex: sono

    CEREBELO  Formado por 2 hemisférios entre si na parte inferior

                    Manutenção do equilíbrio e coordenação motora

Função:

                            1. Manutenção do equilíbrio e coordenação motora

                            2. Controlo da actividade muscular (importante em jogos como o ping.pong ou
                               tocar piano)




    PROTUBERÂNCIA  Saliência inclinada acima do bolo raquidiano

                               Local de passagem da fibra nervosa que unem os diferentes níveis do sistema
          nervoso central

          Função:

                            1. Importante no macanismo do sono


Cérebro médio ou mesencéfalo

    TÁLAMO  Constituído por substâncias cinzentas situadas perto do cérebro

          Função:

                            1. Retransmite, para as respetivas áreas do córtex cerebral, a maior parte das
                                informações visuais, auditivas e tácteis

                            2. Passam por eles as respostas do córtex cerebral que são enviadas para o
                                cerebelo e para o bolbo raquidiano



                                                                                                          6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010Sistema nervoso 2010
Sistema nervoso 2010
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Anatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema NervosoAnatomia do Sistema Nervoso
Anatomia do Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Trabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcionalTrabalho de neuronatomia funcional
Trabalho de neuronatomia funcional
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Aula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema NervosoAula 7 Sistema Nervoso
Aula 7 Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema Nervoso
Sistema NervosoSistema Nervoso
Sistema Nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso11 ¬ aula slides sistema nervoso
11 ¬ aula slides sistema nervoso
 
Sistema Nervoso Central
Sistema Nervoso CentralSistema Nervoso Central
Sistema Nervoso Central
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 

Destaque

Sociedade de informação
Sociedade de informaçãoSociedade de informação
Sociedade de informaçãomluisavalente
 
Justificação Estado
Justificação Estado Justificação Estado
Justificação Estado mluisavalente
 
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11ºAmbiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11ºmluisavalente
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicialmluisavalente
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valoresmluisavalente
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anomluisavalente
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasmluisavalente
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anomluisavalente
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)Luis De Sousa Rodrigues
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividadesLuis De Sousa Rodrigues
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos DivinosBruno Pedro
 
Os valores e a acção o subjectivismo moral (2)
Os valores e  a acção    o subjectivismo moral (2)Os valores e  a acção    o subjectivismo moral (2)
Os valores e a acção o subjectivismo moral (2)Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
Ética deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaÉtica deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaHelena Serrão
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralJorge Lopes
 
Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo CulturalBruno Pedro
 

Destaque (20)

Sociedade de informação
Sociedade de informaçãoSociedade de informação
Sociedade de informação
 
Justificação Estado
Justificação Estado Justificação Estado
Justificação Estado
 
A escola
A escolaA escola
A escola
 
Globalização
Globalização Globalização
Globalização
 
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11ºAmbiente e sociedade desenvolvimento sustentável   filosofia 11º
Ambiente e sociedade desenvolvimento sustentável filosofia 11º
 
Teste 10º ano
Teste 10º anoTeste 10º ano
Teste 10º ano
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
Será a ética relativa algumas actividades (2)
Será a ética relativa   algumas actividades (2)Será a ética relativa   algumas actividades (2)
Será a ética relativa algumas actividades (2)
 
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividadesDiversas respostas ao problema da objectividade da ética    actividades
Diversas respostas ao problema da objectividade da ética actividades
 
Mandamentos Divinos
Mandamentos DivinosMandamentos Divinos
Mandamentos Divinos
 
A ética será relativa
A ética será relativaA ética será relativa
A ética será relativa
 
Os valores e a acção o subjectivismo moral (2)
Os valores e  a acção    o subjectivismo moral (2)Os valores e  a acção    o subjectivismo moral (2)
Os valores e a acção o subjectivismo moral (2)
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Ética deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaÉtica deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitarista
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Relativismo Cultural
Relativismo CulturalRelativismo Cultural
Relativismo Cultural
 

Semelhante a O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré

O cérebro e o conhecimento humano
O cérebro e o conhecimento humanoO cérebro e o conhecimento humano
O cérebro e o conhecimento humanomluisavalente
 
Sn sistema nervoso central
Sn sistema nervoso centralSn sistema nervoso central
Sn sistema nervoso centralAna Conceição
 
Estrutura do sistema nervoso
Estrutura do sistema nervosoEstrutura do sistema nervoso
Estrutura do sistema nervosomatheusbelesa
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalLeonardo Alves
 
O cérebro
O cérebroO cérebro
O cérebroCNProf
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervosoAna Xavier
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1Marcelo Zanotti da Silva
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervosoCNProf
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Isabel Teixeira
 
Tronco encef+ílico e cerebelo
Tronco  encef+ílico e cerebeloTronco  encef+ílico e cerebelo
Tronco encef+ílico e cerebeloWeslei Ribeiro
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Ana Xavier
 

Semelhante a O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré (20)

102 paginas
102 paginas102 paginas
102 paginas
 
O cérebro e o conhecimento humano
O cérebro e o conhecimento humanoO cérebro e o conhecimento humano
O cérebro e o conhecimento humano
 
Sn sistema nervoso central
Sn sistema nervoso centralSn sistema nervoso central
Sn sistema nervoso central
 
Estrutura do sistema nervoso
Estrutura do sistema nervosoEstrutura do sistema nervoso
Estrutura do sistema nervoso
 
Sistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonalSistema neuro hormonal
Sistema neuro hormonal
 
O cérebro
O cérebroO cérebro
O cérebro
 
Sistemanervoso1
Sistemanervoso1Sistemanervoso1
Sistemanervoso1
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Sist nervoso
Sist nervosoSist nervoso
Sist nervoso
 
Sn comparado
Sn comparadoSn comparado
Sn comparado
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 1/1
 
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e NeurofisiologiaIntrodução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
Introdução a Neuroanatomia e Neurofisiologia
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
 
Sistema nervoso 3
Sistema nervoso 3Sistema nervoso 3
Sistema nervoso 3
 
Tronco encef+ílico e cerebelo
Tronco  encef+ílico e cerebeloTronco  encef+ílico e cerebelo
Tronco encef+ílico e cerebelo
 
Sistema neurohormonal
Sistema neurohormonalSistema neurohormonal
Sistema neurohormonal
 
Sistema nervoso2
Sistema nervoso2Sistema nervoso2
Sistema nervoso2
 

Mais de mluisavalente

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdfmluisavalente
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zémluisavalente
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposmluisavalente
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºbmluisavalente
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiamluisavalente
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarmluisavalente
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertidomluisavalente
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidomluisavalente
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacionalmluisavalente
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanomluisavalente
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forensemluisavalente
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência mluisavalente
 

Mais de mluisavalente (20)

Trabalho filosofia_10ºD.pdf
Trabalho  filosofia_10ºD.pdfTrabalho  filosofia_10ºD.pdf
Trabalho filosofia_10ºD.pdf
 
Texto 1
Texto 1Texto 1
Texto 1
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
 
Trab psic occipital zé
Trab psic occipital  zéTrab psic occipital  zé
Trab psic occipital zé
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 
Lana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat camposLana do cérebro tg cat campos
Lana do cérebro tg cat campos
 
Trab psicologia mar 12ºb
Trab psicologia mar  12ºbTrab psicologia mar  12ºb
Trab psicologia mar 12ºb
 
Sentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreiaSentido da existência humana 11º b andreia
Sentido da existência humana 11º b andreia
 
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiarFicha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
Ficha de trabalho lógica proposicional 2 fotocopiar
 
Logica proposicional convertido
Logica proposicional convertidoLogica proposicional convertido
Logica proposicional convertido
 
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertidoFicha de trabalho introdução lógica convertido
Ficha de trabalho introdução lógica convertido
 
Filosofia 11
Filosofia 11Filosofia 11
Filosofia 11
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Tg ação humana
Tg ação humana  Tg ação humana
Tg ação humana
 
Filosofia jessica
Filosofia jessicaFilosofia jessica
Filosofia jessica
 
Psicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e EducacionalPsicologia escolar e Educacional
Psicologia escolar e Educacional
 
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºanoPsicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
Psicologia do Desporto - trabalho Psicologia B – 12ºano
 
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
Trabalho  psicologia - Clínica e ForenseTrabalho  psicologia - Clínica e Forense
Trabalho psicologia - Clínica e Forense
 
O arauto de salazar
O arauto de salazarO arauto de salazar
O arauto de salazar
 
Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência Trabalho: Famílias e violência
Trabalho: Famílias e violência
 

Último

ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...excellenceeducaciona
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...excellenceeducaciona
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
A hermenêutica jurídica envolve diversos métodos e técnicas interpretativas, ...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
Sendo assim, desenvolva um breve texto que possa evidenciar a importância da ...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 

O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano inês andré

  • 1. O papel dO cOrpO na cOnstruçãO dO desenvOlvimentO humanO Feito por: Maria Inês Teixeira nº13 André Rocha nº5 10ºP Escola Secundária Abel Salazar 2011/2012 Disciplina: Área de Integração
  • 2. Índice Índice.................................................................................................................................................................. 2 Introdução......................................................................................................................................................3 1.Sistema nervoso Central..................................................................................................................................4 1.1 O cérebro..................................................................................................................................................4 1.1.1 Estrutura do encéfalo ou cérebro..........................................................................................................5 1.1.2 Neurónios..............................................................................................................................................8 1.1.3 Hemisférios do cérebro humano...........................................................................................................9 1.1.4 Lobos cerebrais......................................................................................................................................9 1.1.5 Espinal Medula....................................................................................................................................11 1.1.6 A diferença entre o cérebro humano e o animal.................................................................................12 2. Sistema nervoso periférico...........................................................................................................................12 2.1 Sistema nervoso autónomo ...................................................................................................................13 2.1.1 Sistema nervoso simpático e parassimpático......................................................................................14 2.2 Sistema nervoso somático......................................................................................................................15 3. Genética .......................................................................................................................................................15 3.1 Hereditariedade .....................................................................................................................................15 3.1.1 Fatores ligados ao Sexo .......................................................................................................................15 3.2 Principais distúrbios e alterações de origem genética: ..........................................................................16 3.3 O que é o genoma humano ...................................................................................................................19 3.4 A utilidade do genoma humano .............................................................................................................19 3.5 Principais áreas da Genética ..................................................................................................................19 3.6 Os experimentos de Mendel ..................................................................................................................20 4. As Células Constituem os Seres Vivos...........................................................................................................20 5. A razão, emoção e o cérebro........................................................................................................................21 Conclusão.........................................................................................................................................................23 2
  • 3. Introdução Este trabalho enquadra-se na disciplina de Área de Integração e é subordinada ao tema: O papel do corpo na construção do desenvolvimento humano. Como todos sabem o cérebro é um dos nossos órgãos mais importantes, se não mesmo o mais importante. O papel dele no nosso corpo é extremamente importante pois é ele que comanda as nossas ações e a forma como os nossos órgãos trabalham tornando-o muito sensível mas complexo fazendo com que as suas doenças sejam ainda mais difíceis de tratar. Neste trabalho vamos falar sobre o cérebro, os seus constituintes e as suas funções. Até hoje os cientistas tentam desvendar ainda grandes dos seus mistérios e maneiras de combater certas doenças que nele aparecem. Com este trabalho vamos tentar entender um pouco deste órgão essencial para a nossa sobrevivência. Está um pouco desorganizado e devia indicar mais alguns temas que iam se desenvolvidos 3
  • 4. 1.Sistema nervoso Central É importante notar que a divisão que é feita de sistema nervoso em sistema nervoso central e periférico é basicamente funcional, sendo conveniente para fins didáticos. O SNC é formado pelo encéfalo, alojado na caixa craniana e pela espinal medula. As propriedades especiais da parte central do sistema nervoso residem em complexas interconexões de neurónios, nas quais surgem os padrões apropriados de resposta aos estímulos provenientes do meio externo e internos. 1.1 O cérebro O cérebro, a medula espinhal, o bulbo ou medula oblonga, o cerebelo e a ponte são exemplos de partes do nosso sistema nervoso que pertencem ao Sistema Nervoso Central, mais para a frente vamos falar de cada um deles. O cérebro é a parte do sistema nervoso central que fica dentro do crânio. É a parte mais desenvolvida e a mais volumosa do encéfalo, pesa cerca de 1,3 kg e é uma massa de tecido cinza- róseo. Quando cortado, o cérebro apresenta duas substâncias diferentes: uma branca, que ocupa o centro, e outra cinzenta, que forma o córtex cerebral. O córtex cerebral está dividido em mais de quarenta áreas funcionalmente distintas. Cada uma delas controla uma atividade específica. A presença de grandes áreas cerebrais relacionadas ao controle da face e das mãos explica por que essas partes do corpo têm tanta sensibilidade. No córtex estão agrupados os neurónios. Imagem Erro! Não existe nenhum texto com o estilo especificado Também existe o encéfalo que é o centro do sistema nervoso em grandes divisões do sistema nervoso central no documento.-1- As todos os animais vertebrados, e em muitos invertebrados. É importante fazer uma diferenciação do encéfalo e do cérebro: o encéfalo é um conjunto de estruturas que estão anatomicamente e fisiologicamente ligadas, sendo elas: • Bulbo raquidiano • Hipotálamo • Corpo caloso • Cérebro • Tálamo 4
  • 5. Formação reticular • Cerebelo 1.1.1 Estrutura do encéfalo ou cérebro Os órgãos encefálicos dividem-se em três estruturas que integram: • Metencéfalo ou cérebro posterior Tem +/- 1 bilião de células, destas 100 milhões são neurónios interligados • Mesencéfalo ou cérebro médio • Protencéfalo ou cérebro anterior Protencéfalo Mesencéfalo Cerebelo Metencéfalo Bulbo raquidiano Protuberância Figura 1- Estrutura do encéfalo Cérebro posterior ⇒ BOLBO RAQUIDIANO  Prolongamento superior da espinal medula que a liga ao encéfalo  Possui funções semelhantes às da espinal medula Função: 1. Constitui centro de atividade reflexa e conduz impressões á parte superior do cérebro 5
  • 6. 2. Recebe informação sensorial proveniente da cabeça. Ex: paladar, audição, tacto no couro cabeludo 3. Envia impulsos de controlo motor à cabeça. Ex: mastigar, engolir, respirar 4. Intervém no ritmo respiratório e cardíaco 5. Intervém noutras funções ligadas à preservação da vida. Ex: sono  CEREBELO  Formado por 2 hemisférios entre si na parte inferior Manutenção do equilíbrio e coordenação motora Função: 1. Manutenção do equilíbrio e coordenação motora 2. Controlo da actividade muscular (importante em jogos como o ping.pong ou tocar piano)  PROTUBERÂNCIA  Saliência inclinada acima do bolo raquidiano  Local de passagem da fibra nervosa que unem os diferentes níveis do sistema nervoso central Função: 1. Importante no macanismo do sono Cérebro médio ou mesencéfalo  TÁLAMO  Constituído por substâncias cinzentas situadas perto do cérebro Função: 1. Retransmite, para as respetivas áreas do córtex cerebral, a maior parte das informações visuais, auditivas e tácteis 2. Passam por eles as respostas do córtex cerebral que são enviadas para o cerebelo e para o bolbo raquidiano 6
  • 7. 3. São processadas sensações como a pressão, temperatura extrema e dor 4. Juntamente com outras estruturas é importante na regulação do sono e estados de alerta  HIPOTALÁMO (às vezes aparece como fazendo parte do sistema límbico)  Constituído por um pequeno grupo de núcleos que se encontram sob tálamo  Está em ligação com a hipófise  Pesa +/- 4g  SISTEMA LÍMBICO  importante na existência e expressão da emoção, na motivação e comportamentos agressivos. Este é constituído por: AMIGDALA: Ou também chamada de amêndoa. Este órgão é importante nas manifestações de agressão e medo, sua estimulação provoca medo e ansiedade. A sua amputação em macacos tornou-os mais dóceis. António Damásio nasceu em Lisboa a 25 de Fevereiro em 1944, é um médico neurologista e foi ele que demonstrou que lesões nas estruturas das amígdalas causaram incapacidade de reconhecer a expressão facial de medo. HIPOCAMPO: Situa-se no córtex, no interior do cérebro. É uma parte do cérebro importante para armazenar lembranças o que faz com que seja uma das zonas afetada pela doença de Alzheimer. CORTEX CEREBRAL: O interior do cérebro é constituído por uma substância branca e o exterior por uma fina camada cinzenta, o córtex cerebral. É graças a ele Figura 2 – Esquema do cérebro médio que é possível falar, pensar, perceber o que se ouve e o que se vê, é o que nos torna humanos. O córtex cerebral divide-se em duas partes: 7
  • 8.  áreas primárias, sensoriais ou de projecção : recebem as informações que chegam ao cérebro( com origem nos órgãos dos sentidos) enviando-as para as áreas secundárias, possuem também funções motoras.  áreas secundárias, psicossensoriais ou de associação : interpretam, integram, organizam e coordenam as informações provenientes das zonas primárias. 1.1.2 Neurónios O neurónio, do português de Portugal ou neurônio do português brasileiro, é a célula do sistema nervoso responsável pela condução do impulso nervoso na qual está localizada no cérebro. Há cerca de 86 bilhões (até 20 de fevereiro de 2009 se especulava que havia 100 bilhões) de neurônios no sistema nervoso humano. O neurônio é constituído pelas seguintes partes: corpo celular (onde se encontra o núcleo celular), dendritos (prolongamentos numerosos e curtos do corpo celular, recetores Figura 4 – esquema do neurónio de mensagens), axônio (prolongamento que transmite o impulso nervoso vindo do corpo celular) e telodendritos. O neurônio pode ser considerado a unidade básica da estrutura do cérebro e do sistema nervoso. A membrana exterior de um neurônio toma a forma de vários ramos extensos chamados dendritos, que recebem sinais elétricos de outros neurônios, e de uma estrutura a que se chama um axônio que envia sinais elétricos a outros neurônios. O espaço entre o Figura 3 – Transmissões nervosas dendrito de um neurônio e os telodendritos de outro é o que se chama uma fenda sináptica: os sinais são transportados através das sinapses por uma variedade de substâncias químicas chamadas neurotransmissores. O córtex cerebral é um tecido fino composto essencialmente por uma rede de neurônios densamente interligados tal que nenhum neurônio está a mais do que algumas sinapses de distância de qualquer outro neurônio. Os neurônios recebem continuamente impulsos nas sinapses de seus dendritos vindos de milhares de outras células. Os impulsos geram ondas de corrente elétrica (excitatória ou inibitória; cada uma num sentido diferente) através do corpo da célula até a uma zona chamada a zona de disparo, no começo do axônio. É aí que as correntes atravessam a membrana celular para o espaço extracelular e que a diferença de voltagem que se forma na membrana determina se o neurônio dispara ou não. Os neurônios caracterizam-se pelos processos que conduzem impulsos nervosos para o corpo e do corpo para a célula nervosa. 8
  • 9. Os impulsos nervosos são reações físico- químicas que se verificam nas superfícies dos neurônios e seus processos. Reações semelhantes ocorrem em muitos outros tipos de células mas elas são mais notáveis nos neurônios, cujos caracteres estruturais se destinam a facilitar a transmissão dos impulsos a grandes distâncias. 1.1.3 Hemisférios do cérebro humano O cérebro é dividido em hemisférios esquerdo e direito, sendo o primeiro dominante em 98% dos humanos, já que é responsável pelo pensamento lógico e competência comunicativa. Isso porque nele estão duas áreas especializadas, a Área de Broca, córtex responsável pela motricidade da fala; e a Área de Wernick, córtex responsável pela compreensão verbal. Já o hemisfério direito é quem cuida do pensamento simbólico e da criatividade. Nos canhotos estas funções destinadas aos hemisférios estão trocadas. A conexão entre os dois hemisférios é feita pela fissura sagital ou inter-hemisférica, onde está Figura 4- Esquema dos hemisférios do localizado o corpo caloso. cérebro Essa estrutura, composta por fibras nervosas brancas (axônios envolvidos em mielina) faz uma ponte para a troca de informações entre as muitas áreas do córtex cerebral. Ambos os hemisférios possuem um córtex motor, que controla e coordena a motricidade voluntária. O córtex motor do hemisfério direito controla o lado esquerdo do corpo do indivíduo, enquanto que o do hemisfério esquerdo controla o lado direito. Um trauma nesta área pode causar fraqueza muscular ou paralisia no indivíduo. 1.1.4 Lobos cerebrais No cérebro há uma distinção visível entre a chamada massa cinzenta (córtex cerebral constituído por neurónios) e a massa branca, constituída por axónios que entreligam os neurónios. O córtex cerebral humano é um tecido fino (como uma membrana) que tem uma espessura entre 1 e 4 mm e uma estrutura laminar formada por 6 camadas distintas de diferentes tipos de corpos celulares de neurónios. As diferentes partes do córtex cerebral 9 Figura 5 – esquema dos lobos cerebrais
  • 10. são divididas em quatro áreas chamadas de lobos cerebrais, tendo cada uma função diferenciada e especializadas. O lobo frontal fica localizado na região da testa; o lobo occipital, na região da nuca; o lobo parietal, na parte superior central da cabeça; e os lobos temporais, nas regiões laterais da cabeça, por cima das orelhas. Os lobos parietais, temporais e occipitais estão envolvidos na produção das perceções resultantes daquilo que os nossos órgãos sensoriais detetam no meio exterior e da informação que fornecem sobre a posição e relação com objetos detetam no meio exterior e da informação que fornecem sobre a posição e relação com objetos exteriores das diferentes partes do nosso corpo.exteriores das diferentes partes do nosso corpo. Lobo frontal No lobo frontal, localizado na parte da frente do cérebro (testa), acontece o planejamento de ações e movimento, bem como o pensamento abstrato. Nele estão incluídos o córtex motor e o córtex pré-frontal. O córtex motor controla e coordena a motricidade voluntária, sendo que o córtex motor direito controla o lado esquerdo do corpo, enquanto que o esquerdo controla o lado direito. Um trauma nesta área pode causar fraqueza muscular ou paralisia. A aprendizagem motora e os movimentos de precisão são executados pelo córtex pré-motor, que fica mais ativa do que o restante do cérebro quando se imagina um movimento sem executá-lo. Lesões nesta área não chegam a fazer com que o individuo venha sofrer uma paralisia ou problemas para planejar ou agir, no entanto a rapidez com que se faz movimentos e automáticos como a fala e o gesto podem ser comprometidos. A atividade no lobo frontal de um indivíduo aumenta somente quando este se depara com uma tarefa difícil em que ele terá que descobrir uma sequência de ações que minimize o número de manipulações necessárias para resolvê-la. Lobos occipitais Localizados na parte inferior do cérebro e cobertos pelo córtex cerebral, os lobos occipitais processam os estímulos visuais, daí também serem conhecidos por córtex visual. Possuem várias subáreas que processam os dados visuais recebidos do exterior depois destes terem passado pelo tálamo, uma vez que há zonas especializadas a visão da cor, do movimento, da profundidade, da distância e assim por diante. Depois de passarem por esta área, chamada área visual primária, estas informações são direcionadas para a área de visão secundária, onde são comparadas com dados anteriores, permitindo assim o indivíduo identificar, por exemplo, um gato, uma moto ou uma maçã. O significado do que vemos, porém, é dado por outras áreas do cérebro, que se comunicam com a área visual, considerando as experiências passadas e nossas expectativas. Isso faz com que o mesmo objeto não seja percepcionado da mesma forma por diferentes indivíduos. Quando esta área sofre uma lesão provoca a impossibilidade de reconhecer objetos, palavras e até mesmo rostos de pessoas conhecidas ou de familiares. Esta deficiência é conhecida como agnosia. 10
  • 11. Lobos temporais Na zona localizada acima das orelhas e com a função principal de processar os estímulos auditivos encontram-se os lobos temporais. Como acontece nos lobos occipitais, as informações são processadas por associação. Quando a área auditiva primária é estimulada, os sons são produzidos e enviados à área auditiva secundária, que interage com outras zonas do cérebro, atribuindo um significado e assim permitindo ao indivíduo reconhecer ao que está ouvindo. Lobos parietais Na região superior do cérebro temos os lobos parietais, constituídos por duas subdivisões, a anterior e a posterior. A primeira, também chamada de córtex somatossensorial, tem a função de possibilitar a percepção de sensações como o tato, a dor e o calor. Por ser a área responsável em receber os estímulos obtidos com o ambiente exterior, representa todas as áreas do corpo humano. É a zona mais sensível, logo ocupa mais espaço do que a zona posterior, uma vez que tem mais dados a serem interpretados, captados pelos lábios, língua e garganta. A zona posterior é uma área secundária e analisa, interpreta e integra as informações recebidas pela anterior, que é a zona primária, permitindo ao indivíduo se localizar no espaço, reconhecer objetos através do tato etc. 1.1.5 Espinal Medula A espinal medula é um longo cordão composto por células nervosas que liga o cérebro a todos os nervos do teu corpo. Parte da base do crânio e desce ao longo das costas, pelo interior da coluna vertebral. A maioria das mensagens nervosas passa através da medula espinal no seu caminho para o cérebro. A espinal-medula tem, aproximadamente 40cm. Figura 6 – esquema da espinal medula  Funções da medula espinal A medula espinal elabora respostas simples para certos estímulos. Essas respostas medulares, denominadas atos reflexos, permitem ao organismo reagir rapidamente em situações de emergência. A medula funciona também como uma estação retransmissora para o encéfalo. Informações colhidas nas diversas partes do corpo chegam à medula, de onde são retransmitidas ao encéfalo para serem analisadas. Por outro lado, grande parte das ordens elaboradas no encéfalo passa pela medula antes de chegar aos seus destinos. A parte externa da medula, de cor branca, é constituída por feixes de fibras nervosas mielinizadas, denominados tratos nervosos, que 11
  • 12. são responsáveis pela condução de impulsos das diversas regiões da medula para o encéfalo e vice-versa 1.1.6 A diferença entre o cérebro humano e o animal Criaturas mais complexas formam colunas. Animais que têm uma coluna possuem um cérebro e uma medula espinal. Entre estes animais, os peixes possuem o cérebro mais simples. Ele não é muito maior que o olho do peixe. Animais maiores como as baleias ou elefantes precisam de cérebros maiores. O cérebro humano não é tão grande como o da baleia, mas é grande quando comparado com o tamanho do nosso corpo. O nosso cérebro é bem maior do que os dos nossos ancestrais. O cérebro quanto mais rugas tem, mais neurónios tem. O cérebro humano tem mais pregas e rugas do que muitos outros Figura 7- Comparação de cérebros animais. Essa é a maneira de se saber a complexidade de um animal. Por exemplo, o cérebro de um esquilo é muito liso comparado com o do ser humano, por isso não é tão complexo. Alguns animais, como os golfinhos e as baleias têm os cérebros quase tão enrugados como os nossos. 2. Sistema nervoso periférico O sistema nervoso periférico, chamado simplesmente de SNP, é a parte do sistema nervoso que se encontra fora do sistema nervoso central (SNC). Segundo o Gray, (1858) é constituído por fibras (nervos), gânglios nervosos e órgãos terminais. Os nervos se dividem em três tipos: • Nervos Sensitivos: são os nervos que têm o papel de transmitir os impulsos nervosos do órgão receptor até ao SNC; • Nervos Motores: conduzem o impulso codificado no encéfalo (SNC), até ao órgão efetor; • Nervos Mistos: tem o mesmo papel que os nervos sensitivos e motores ao mesmo tempo. Outros nervos: Nervos cranianos São os nervos ligados ao encéfalo, enquanto nervos ligados à medula espinal são denominados nervos espinais ou raquidianos. Possuímos doze pares de nervos cranianos, 12
  • 13. responsáveis pela intervenção dos órgãos do sentido, dos músculos e glândulas da cabeça, e também de alguns órgãos internos. Nervos espinais ou raquidianos Dispõem-se em pares ao longo da medula, um par por vértebra. Cada nervo do par liga-se lateralmente à medula por meio de duas "raízes", uma localizada em posição mais dorsal e outra em posição mais ventral. A raiz dorsal de um nervo espinal é formada por fibras sensitivas e a raiz ventral, por fibras motoras. Gânglios espinais Na raiz dorsal de cada nervo espinal há um gânglio, o gânglio espinal, onde se localizam os corpos celulares dos neurônios sensitivos. Já os corpos celulares dos neurônios motores localizam- se dentro da medula, na substância cinzenta. Os nervos espinais ramificam-se perto da medula e os diferentes ramos inervam os músculos, a pele e as vísceras. Os órgãos receptores são os órgãos dos sentidos (visão, audição, olfato, paladar e corpúsculos táteis) com conexões nervosas adaptados à transdução (é um dispositivo que recebe um sinal e o retransmite, independentemente de conversão de energia) dos diferentes tipos de estímulos captados no mundo exterior. Já os órgãos efetores são basicamente as glândulas e os músculos lisos e estriados. Diferentemente do sistema nervoso central, o sistema nervoso periférico não se encontra protegido pela barreira hematoencefálica (é uma estrutura membrânica que atua principalmente para proteger o SNC de substâncias químicas presentes no sangue, permitindo ao mesmo tempo a função metabólica normal do cérebro). É graças a este sistema que o cérebro e a medula espinhal recebem e enviam as informações permitindo-nos reagir às diferentes situações que têm origem no meio externo ou interno. O sistema nervoso periférico, organiza-se em plexos e funções pode ser dividido em duas classes diferentes dependendo da origem ou terminação dos terminais nervosos que o constituem. Se os nervos começarem, ou acabarem, no encéfalo, temos aí os 'pares nervosos cranianos', mas se estes começarem na medula espinhal estamos perante 'pares nervosos raquidianos'. Quanto à funções pode-se distinguir o sistema nervoso autônomo e o somático / sensorial. 2.1 Sistema nervoso autónomo É a parte do sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão. Faz parte deste sistema: o sistema nervoso simpático e parassimpático. No entanto, ele não se restringe a isso. É também o principal responsável pelo controle automático do corpo frente às 13
  • 14. modificações do ambiente. Por exemplo, quando o indivíduo entra em uma sala com um ar- condicionado que lhe dá frio, o sistema nervoso autônomo começa a agir, tentando impedir uma queda de temperatura corporal. Dessa maneira, seus pelos se arrepiam (devido a contração do músculo pilo-eretor) e ele começa a tremer para gerar calor. Ao mesmo tempo ocorre vasoconstrição nas extremidades para impedir a dissipação do calor para o meio. Essas medidas, aliadas à sensação desagradável de frio, foram as principais responsáveis pela sobrevivência de espécies em condições que deveriam impedir o funcionamento de um organismo. Dessa maneira, pode-se perceber que o organismo possui um mecanismo que permite ajustes corporais, mantendo assim o equilíbrio do corpo: a homeostasia. 2.1.1 Sistema nervoso simpático e parassimpático O sistema nervoso simpático estimula ações que permitem ao organismo responder a situações de estresse, como a reação de lutar, fugir ou uma discussão. Essas ações são: a aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, o aumento da adrenalina, a concentração de açúcar no sangue e pela ativação do metabolismo geral do corpo e processam-se de forma automática, independentemente da nossa vontade. Figura 8 – Sistema simpático e Anatomicamente ele é formado por dois grupos de parassimpático neurônios pré e pós-ganglionares. Seus neurônios pré- ganglionares se situam na medula espinhal, mais precisamente nos níveis de T1 a L2. Já os seus neurônios pós-ganglionares se situam próximo a coluna vertebral. Fato que justifica a existência de uma fibra pré-ganglionar curta e uma pós-ganglionar longa. Seu principal neurotransmissor nas fibras pré-ganglionares é a acetilcolina, já em suas fibras pós-ganglionares é a noradrenalina. Sistema nervoso parassimpático a parte do sistema nervoso autônomo cujos neurônios se localizam no tronco cerebral ou na medula sacral, segmentos S2, S3 e S4. É o responsável por estimular ações que permitem ao organismo responder a situações de calma, como fazer yoga ou dormir. Essas ações são: a desaceleração dos batimentos cardíacos, diminuição da pressão arterial, a diminuição da adrenalina e a diminuição do açúcar no sangue. No tronco cerebral, o sistema nervoso parassimpático é formado mais especificamente pelos seguintes núcleos de 14
  • 15. nervos cranianos, que por sua vez participam da formação dos seguintes pares de nervos cranianos: 2.2 Sistema nervoso somático O sistema nervoso somático é composto por neurônios que estão submetidos ao controle consciente para gerar ações motoras voluntárias, resultantes da contração de um músculo esquelético. Sua principal função é inervar a musculatura esquelética, responsável pelas ações voluntárias, como a movimentação de um braço ou perna. 3. Genética A Genética é o ramo da biologia que estuda a transferência das características físicas e biológicas de geração para geração. Muitas cientistas acreditam que a explicação para inúmeros problemas genéticos se encontra nos genes. 3.1 Hereditariedade A hereditariedade é a herança genética que recebemos de nossos antepassados, seja ela, características físicas ou, até mesmo, doenças. Daí a explicação de filhos se parecerem com o pai, com a mãe, avô, avó, tio, tia e até parentes mais distantes. Uma outra forma de se observar a hereditariedade, é através do cruzamento de um rato branco de pêlo liso com um rato preto de pêlo eriçado. Os filhotes deste cruzamento certamente nascerão pretos e com pêlos eriçados, pelo fato dos genes do rato preto serem mais fortes; contudo, quando estes filhotes atingirem a idade adulta, poderão ter crias de pêlo branco e liso. Isso se deve a mistura de genes que eles possuem. Atualmente há muitas pesquisas sobre o código genético. Os cientistas acreditam que graças a estes estudos, futuramente será possível eliminar muitas doenças de origem genética que atingem inúmeras pessoas em todo o mundo. 3.1.1 Fatores ligados ao Sexo Existem diversas mutações em muitas espécies que são controladas e transmitidas por este mecanismo 15 Figura 16- Hereditariedade do sexo
  • 16. genético, pelo que é importante que se compreenda o seu funcionamento. Por exemplo uma fêmea Gould amarela tem um único gene codominante para costas amarelas e contudo tem costas totalmente amarelas e nunca diluídas (como no caso das machos onde o amarelo perde intensidade em heterozigóticos). Quando da fertilização os óvulos produzidos pela fêmea transportam ou um cromossoma Z ou W ao qual sevai juntar um cromossoma Z proveniente do macho reformando o par ZZ ou ZW conforme a combinação. Assim todos os genes que a mãe tiver no seu cromossoma Z são passados aos filhos machos (pois recebem um cromossoma Z da mãe), enquanto que os filhos fêmea recebem o cromossoma W ao qual se junta um dos Z do macho. É por isso que com mutações ligadas ao sexo os machos podem produzir descendência com essa mutação (sempre fêmeas) mas para se produzirem machos também de mutação temos sempre de ter uma fêmea já mutada e um macho no mínimo portador (em que apenas existe o gene mutado num dos dois cromossomas Z). 3.2 Principais distúrbios e alterações de origem genética:  Síndrome de Down (acidente genético), Os portadores desta síndrome possuem dificuldades na aprendizagem e incapacidade física bastante variável. O médico que descreveu esta doença genética foi o britânico John Langdon Haydon Down. Esta deficiência é uma das mais comuns dentro da genética. As crianças portadoras desta deficiência apresentam desvantagens em níveis variáveis se comparadas a crianças Figura 9 – Menina com sem a síndrome. síndrome de Down Uma delas é seu QI, que raramente é superior a 60. Outra característica bastante frequente é a microcefalia (redução no peso e no tamanho do cérebro). Outros fatores que dificultam a aprendizagem destas crianças são deficiências motoras, maior susceptibilidade a doenças infecciosas recorrentes, problemas no coração, problemas na visão e na audição. Aspectos como intervenção na aprendizagem, monitoração de problemas comuns aos indivíduos portadores desta síndrome, ambiente familiar estável e muitos outros, contribuem não só para o bem-estar, como também para o desenvolvimento da criança com síndrome de Down. É sempre importante lembrarmos que ao receberem todo o apoio necessário, como o empenho individual dos pais, professores e terapeutas, estas crianças são capazes de apresentar resultados muito bons e, em alguns casos, até surpreendentes.  Talassemia (desordem hereditária), 16
  • 17. Talassemia geralmente resulta na deficiente produção de globina normal, muitas vezes através de mutações em genes reguladores. Hemoglobinopatias implicam alterações estruturais das próprias globinas. As duas condições podem sobrepor-se, no entanto, desde que algumas doenças que causam alterações na hemoglobina (doenças conhecidas também como Figura 10 – Menino com Talassemia hemoglobinopatias) também afetem a sua produção (talassemia). Assim, algumas talassemias são hemoglobinopatias, mas a maioria não o é. Uma destas condições (ou ambas) pode causar anemia.  Albinismo (distúrbio congênito) A melanina desempenha um papel muito importante, pois é ela que forma uma barreira natural contra as radiações solares. Ela distribui-se pelo corpo inteiro, sendo a responsável não só pela cor, como também pela proteção da pele. Esta alteração genética na produção de melanina é a responsável pela ausência parcial ou total da pigmentação dos olhos, pele, cabelos e pêlos dos albinos, podendo ocorrer tanto em seres humanos, como também em animais e plantas. Num organismo que não possui esta falha genética, a melanina é Figura 11 – Menino albino produzida através de um aminoácido conhecido como tirosina. No caso dos albinos, a tirosinase apresenta-se inativa, consequentemente, não ocorrerá a produção de pigmento. A pele do albino é branca, frágil e fotossensível, por esta razão, não deve ser exposta a radiação solar. Nestes indivíduos, a exposição ao sol não produz bronzeamento, ao invés disso, pode causar queimaduras de graus variados. Pessoas com essa falha na pigmentação são mais suscetíveis a desenvolver câncer de pele precocemente. Há ainda o albinismo ocular, este, é menos severo do que o albinismo tirosinase negativo, pois, neste caso, a única região afetada é os olhos, que, diante desta falha, apresentarão uma variação na cor da íris.  Daltonismo (distúrbio genético) 17
  • 18. Daltonismo é o termo usado para denominar a falta de sensibilidade de percepção de determinadas cores. As pessoas daltônicas podem ver cores, mas não conseguem fazer a distinção entre alguns pares de cores complementares. Esse distúrbio, conhecido desde o século XVIII, recebeu esse nome em homenagem a John Dalton, um químico inglês que foi o primeiro cientista a pesquisar a anomalia ocular que ele mesmo era portador Figura 12 – Teste realizado para se saber se uma pessoa é  Síndrome de Turner (anomalia cromossômica) daltónica ou não. Característica do Portador Quando adultas apresentam geralmente baixa estatura, não mais que 150 cm; linha posterior de implantação dos cabelos baixa (na nuca) ; pescoço alado; retardamento mental; genitálias permanecem juvenis; ovários são atrofiados e desprovidos de folículos, portanto, essas mulheres não procriam, exceto em poucos casos relatados de Turner férteis; devido à deficiência de estrógenos (hormônio feminino) elas não desenvolvem as características sexuais secundárias ao atingir a puberdade, sendo, portanto, identificadas facilmente pela falta desses Figura 13 – Menino com caracteres; assim, por exemplo, elas não menstruam (isto é, tem síndrome de Turner amenorréia primária); grandes lábios despigmentados; pêlos pubianos reduzidos ou ausentes; desenvolvimento pequeno e amplamente espaçados da mamas ou mamas ausentes; pelve andróide, isto é, masculinizada; pele frouxa devido à escassez de tecidos subcutâneos, o que lhe dá aparência senil; unhas estreitas; tórax largo em forma de barril; anomalias renais, cardiovasculares e ósseas No recém nascido, há freqüentemente edemas nas mãos e no dorso dos pés, que leva a suspeitar de anomalia. Não exibem desvios de personalidade, ou seja, sua identificação psicossocial não é afetada.  Hemofilia Deficiências genéticas e um distúrbio autoimune raro podem causar a diminuição da atividade dos fatores de coagulação do plasma sanguíneo, de modo que comprometem a coagulação sanguínea; logo, quando um vaso sanguíneo é 18 Figura 14- Transmissão de hemofilia
  • 19. danificado, um coágulo não se forma e o vaso continua a sangrar por um período excessivo de tempo. O sangramento pode ser externo, se a pele é danificada por um corte ou abrasão, ou pode ser interno, em músculos, articulações ou órgãos. É a falta dos fatores de coagulação - a hemofilia A tem falta do fator de coagulação VIII, a hemofilia B tem falta do fator de coagulação IX e a hemofilia C tem falta do fator de coagulação XI. A hemofilia A é a mais comum, ocorrendo em 90% dos casos. 3.3 O que é o genoma humano Podemos dizer que genoma é o código genético do ser humano, ou seja, o conjunto dos genes humanos. No material genético podemos encontrar todas as informações para o desenvolvimento e funcionamento do organismo do ser humano. Este código genético está presente em cada uma das nossas células. O genoma humano apresenta-se por 23 pares de cromossomos que contem Figura 15- Esquema do genoma humano (ADN) interiormente os genes. Todas as informações são codificadas pelo DNA, o ácido desoxirribonucléico. Este ácido, que tem um formato de dupla hélice, (veja figura do DNA acima) é formado por quatro bases que se juntam aos pares: adenina com timina e citosina com guanima. 3.4 A utilidade do genoma humano Através do mapeamento genético do genoma humano será possível, muito em breve, descobrir a causa de muitas doenças. Muitos remédios e vacinas poderão ser desenvolvidos a partir das informações obtidas pelas pesquisas genéticas. Descobrindo a causa de várias doenças, o ser humano poderá adotar medidas de prevenção. Através de pesquisas genéticas e exames, já é possível detectar se um ser humano tem predisposição para sofrer de certas doenças ou se um embrião herdou doenças graves. Em breve, quando forem descobertas as funções de todos os genes humanos, outros benefícios virão. 3.5 Principais áreas da Genética - Genética Molecular - enfatiza ao estudo das estruturas e funções dos genes em nível molecular. 19
  • 20. - Genética Clássica - utiliza procedimentos e técnicas da Genética antes da chegada da Biologia Molecular. - Genética de Populações - estuda as mudanças que ocorrem nos alelos com as influências das forças evolutivas. - Genética Ecológica - analisa e estuda a Genética levando em conta as interações dos organismos e destes com o meio ambiente. 3.6 Os experimentos de Mendel A escolha da planta A ervilha é uma planta herbácea leguminosa que pertence ao mesmo grupo do feijão e da soja. Na reprodução, surgem vagens contendo sementes, as ervilhas. Sua escolha como material de experiência não foi casual: uma planta fácil de cultivar, de ciclo reprodutivo curto e que produz muitas sementes. Figura 17 – Semente da ervilha- formação Desde os tempos de Mendel existiam muitas genética variedades disponíveis, dotadas de características de fácil comparação. Por exemplo, a variedade que flores púrpuras podia ser comparada com a que produzia flores brancas; a que produzia sementes lisas poderia ser comparada cm a que produzia sementes rugosas, e assim por diante. Outra vantagem dessas plantas é que estame e pistilo, os componentes envolvidos na reprodução sexuada do vegetal, ficam encerrados no interior da mesma flor, protegidas pelas pétalas. Isso favorece a autopolinização e, por extensão, a autofecundação, formando descendentes com as mesmas características das plantas genitoras. A partir da autopolinização, Mendel produziu e separou diversas linhagens puras de ervilhas para as características que ele pretendia estudar. Por exemplo, para cor de flor, plantas de flores de cor de púrpura sempre produziam como descendentes plantas de flores púrpuras, o mesmo ocorrendo com o cruzamento de plantas cujas flores eram brancas. Mendel estudou sete características nas plantas de ervilhas: cor da flor, posição da flor no caule, cor da semente, aspecto externo da semente, forma da vagem, cor da vagem e altura da planta. 4. As Células Constituem os Seres Vivos 20
  • 21. A célula é a menor parte dos seres vivos com forma e função definidas. Por essa razão, afirmamos que a célula é a unidade estrutural dos seres vivos. A célula - isolada ou junto com outras células - forma todo o ser vivo ou parte dele. Além disso, ela tem todo o "material" necessário para realizar as funções de um ser vivo, como nutrição, produção de energia e reprodução. Cada célula do nosso corpo tem uma função específica. Mas todas desempenham uma atividade "comunitária", trabalhando de maneira integrada com as demais células do corpo. É como se o nosso organismo fosse uma imensa sociedade de células, que cooperam umas com as outras, dividindo o trabalho Figura 18 – Célula animal entre si. Juntas, elas garantem a execução das inúmeras tarefas responsáveis pela manutenção da vida. As células que formam o organismo da maioria dos seres vivos apresentam uma membrana envolvendo o seu núcleo, por isso, são chamadas de células eucariotas. A célula eucariota é constituída de membrana celular, citoplasma e núcleo. É nestas células que se encontram, no núcleo, a nossa informação genética, ADN. 5. A razão, emoção e o cérebro O cérebro superior, também chamado de córtex cerebral ou apenas córtex é o lado do cerebro que lida com a razão. É o cortex que integra informações de todos os órgãos dos sentidos, inicia as funções motoras, controla as emoções e realiza os processos da memória e do pensamento, expressão de emoções e pensamentos são mais predominantes em mamíferos superiores. Portanto o hemisfério direito está ligado às emoções e o hemisfério esquerdo está ligado a razão. O cérebro humano vive num conflito interno permanente entre o seu centro de emoções, que procura a satisfação imediata, e o da razão, que privilegia o longo prazo, indica um estudo hoje divulgado. Investigadores de quatro universidades norte-americanas descobriram que duas zonas do cérebro parecem concorrer para controlar o comportamento de alguém que tem de decidir entre satisfações imediatas e objetivos distantes. "Qualquer um pode zangar-se - isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa, não é fácil." : Essa frase é um fragmento de Ética e *Nicômaco, de Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.). Aristóteles, na sua época, já tinha em mente estudos sobre razão e emoção. Era um aficionado por 21
  • 22. desenvolvimento humano e foi criador do pensamento lógico. Foi um dos maiores pensadores de todos os tempos. Era aluno de Platão e foi professor de Alexandre, o Grande. A etimologia de "Emoção" vem do latim emovere e significa falta de movimento. O "e" (na palavra emovere) é variante de ex (fora). Já a palavra motivação, é derivada de movere. A emoção é uma experiência subjetiva e está associada ao temperamento, personalidade e motivação. "e" (na palavra emovere). A emoção é uma experiência subjetiva e está associada ao temperame Observe que temos a faculdade de usá-la como "moção" para o nosso desenvolvimento pessoal. A emoção, como falta de movimento, deve ser usada para nossa introspeção, como análise de necessidade de mudança para uma nova perspetiva, ideal, objetivo, etc. Ou para assimilar uma perda., desses dois sentimentos, a emoção merece um pouco mais de cuidado uma vez que nossa natureza é dinâmica, o que opõe a emoção, que é estática. 22
  • 23. Conclusão No final deste trabalho ficamos a saber mais sobre o nosso cérebro, os seus constituintes e as suas principais funções. Este trabalho veio-nos mostrar o quanto é importante para nos e a sua complexidade, e por ser o principal órgão do ser humano devia ser mais estudado para que no futuro se possa descobrir mais sobre ele, a cura para algumas das doenças que o afetam uma vez que sem ele não vivemos, não raciocinamos e não sonhamos O cérebro e importante para nos porque com ele conseguimos pensar e refletir, e é isto que distingue os animais racionais dos irracionais. O nosso cérebro é algo complexo e muito eficaz, ele comanda todos os nossos sentimentos, movimentos, etc… 23
  • 24. 24