SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
FACULDADE DE CONCHAS (FACON)
FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS
PÓS-GRADUAÇÃO
Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia
Vanessa da Silva David
A PSICOPEDAGOGIA E INTERVENÇÃO NA
DISLEXIA
RESUMO
O presente trabalho propõe como objetivo diagnosticar através de leituras e pesquisas
metodologias de intervenções para o processo de desenvolvimento significativo da
dislexia. De forma, sistemática e objetiva com foco na criança disléxica. Para tanto,
muitos autores, filósofos e estudiosos distintos foram analisados, com um olhar
diferenciado, desconstruí e construí ideias, concepções e metodologias, as quais
propiciam ao aluno amplitude em seu aprendizado. As mais distintas opiniões foram
estudadas, desde o início da história da educação e inclusão social.
Partindo do pressuposto que a criança vem do processo educativo da observação é
possível organizar o aprendizado através das características distinta de cada aluno,
como também valorizando suas diferenças, peculiaridades e singularidades. Portanto
diagnostica – se que é possível proporcionar ao aluno com dislexia a apropriação do
processo de aprendizado como qualquer outro aluno.
PALAVRAS-CHAVE: Dislexia. Inclusão. Psicopedagogia. Intervenção
2
1 INTRODUÇÃO
A dislexia é o distúrbio do desenvolvimento, que influencia no aprendizado de
possível falha na função neurológica, possui como identificação a falha na fluência da
palavra, seja ela dito ou escrita, falha na decodificação e em soletração. Refletindo
significativamente em questões fonoaudiologias, atraso no aprendizado como
referência a idade correspondente, perda das habilidades cognitivas.
As características sintomáticas as quais o transtorno apresenta são
diversificadas, mas a principal é a dificuldade de decodificação alfabética. O aluno que
apresenta o distúrbio da dislexia apresenta dificuldade em associar o som com as as
palavras, troca de fonemas, conflito em grafias com sonorizações idênticas, sendo em
sua maioria, “n-u, w-m, a-e, p-q, p-b, b-d, b-v. O indivíduo com dislexia, apresenta
como característica a necessidade de acompanhar a leitura, ou seja, coloca objetos
ou até mesmo a mão para direcionar a o texto.
Enfatizando que a dislexia não se trata de uma doença, mas sim de um
distúrbio de causa genética e neurológica, que independente do indivíduo demonstrar
falta de vontade, atenção, descontração ou dificuldade de alfabetização. O fato é que
existe um descontrole, desordem no percurso das informações, o que camufla o
andamento da compreensão da codificação da escrita e reconhecimento das letras,
refletindo na escrita. Dificultando assim o aprendizado
Entretanto, a prioridade em relação ao aprendizado na educação infantil, com
base para desenvolver no aluno a boa escrita, leitura e interpretação, afinal vivemos
em uma sociedade a qual visa ter acesso a informações através dessa metodologia.
Faz se necessário que a aprendizagem seja serena, aconteça naturalmente,
respeitando a singularidade e peculiaridades de cada aluno, como também analisar
suas características e a comunidade social a qual está inserida. Para tanto o
profissional da educação tem o dever de buscar a progressão continuada e estar
consciente das problemáticas as quais serão enfrentadas, afinal a dificuldade de
aprendizado, socialização na educação, tem inúmeros reflexos não sendo apenas
incapacidade do aluno. Mesmo com a cientifica de que o aprendizado é um processo
complexo que exige habilidades especificas, tanto motoras, cognitivas, biológicas.
3
Aprendera ler e escreverenvolve um processo complexo onde se exigem habilidades
linguísticas, biológicas, motoras, cognitivas, de acordo com a coordenadora de
educação especial. (KANADA, A.A.L, 2010).
Portanto cabe ao profissional da educação encontrar o melhor percurso a ser
seguido, com o intuito de auxiliar na aprendizagem do aluno, tendo a consciência das
possíveis dificuldades apresentadas na educação especial. Logo o psicopedagogo
nesse momento tem papel importante, pois através das práticas apresentadas ele
pode desenvolvem e diagnosticas o melhor resultado, como também mediar o
aprendizado, trabalhando em conjunto com o professor e o aluno.
Sobre a dislexia e suas características, é possível afirmar que, é o transtorno o
qual os estudos apontam que influência negativamente no aprendizado, sendo que
para a ABD1, é considerado um transtorno especifico, que possui como característica
a dificuldade na leitura correta e fluente, dificuldade na escrita, interferindo nas
habilidades decodificações, refletindo no dialeto e ampliação do vocabulário,
impedindo a aquisição dos conhecimentos gerais. Ou seja, em média a um aluno de
seis anos considerado normal as habilidades são preservadas, já no disléxico da
mesma idade escolar apresenta atraso. Sendo, de suma importância enfatizar que os
aspectos são características da dislexia, mas não são somente esses, como também
não é apenas a dislexia os transtornos de déficit de atenção e atraso escolar
De forma objetiva, o presente trabalho propõe, desenvolver o processo de
compreensão do trabalho do psicopedagogo junto ao aprendizado do aluno que
apresenta dislexia. Como também analisar através de estudos, leituras e pesquisas
aprender sobre o tema, defender ideias e concepções encontradas por autores,
filosofo, médicos e demais estudiosos da área. Nessa perspectiva desenvolver na
profissional amplitude de saberes para trabalhar a diferença em sala de aula e inserir
esse aluno no ambiente social.
1 Associação Brasileira de Dislexia.
4
2 HISTÓRICO EDUCACIONAL
Os primeiros relatos, que tangem a psicopedagogia, tem suas primárias
originárias na França, em meados dos anos quarenta, Período em que a Europa se
investia em estudos que visavam a comprobatória da possível influencia orgânica no
comprometimento escolar. A Europa e a América em percurso da guerra mundial,
ofereciam homens feridos para estudos, principalmente aqueles que tinham suas
funções, cerebrais e motoras afetadas com a guerra.
O primeiro núcleo psicopedagógico, foi criado em 1964, o qual propunha o
trabalho de um médico juntamente com o pedagogo. Unindo os ambos profissionais
em um só, com o objetivo de buscar o melhor diagnostico para o individuo com
problemas de atraso de aprendizagem, comportamental na escola.
Facilitando aos pais que encaminhassem seus filhos a um profissional
especialista, ao invés de um profissional comum, com uma consulta simples, por volta
dos anos 60 as clinicas de atendimento psicopedagógico proliferaram, em reflexo a o
bom trabalho desenvolvido conquistou a confiança e credibilidade dos pais, pois
desenvolviam um trabalho dentro das perspectivas apresentadas pelos profissionais
da educação, pais e relatos das crianças. Com o tempo a psicopedagogia passou a
ter caráter clinico, isso ocorreu por volta do ano 67, o que levou para uma nova
caminhada com outra visão dos alunos até então considerados problemáticos.
A Vasques e Oury, afirmam que avaliar o aluno individualmente sem conhecer
o contexto (escola/família) do aluno é abstrato e arriscado demais, podendo
comprometer toda a formação do aluno. Partindo da afirmação, fica evidente que o
trabalho do psicopedagogo nas intuições ou em consultórios, a ideia de trabalhar em
conjunto entre escola, família e psicopedagogos em busca da resolução dos
problemas apresentados pelas crianças e suas vivências.
Tão grande foi o sucesso dessa nova modalidade de análise de crianças e
adolescentes, que repercutiu em vários países. Na Argentina por meados dos anos
70, foram vinculados centro psicopedagógicos as escolas públicas. Os centros eram
compostos de profissionais formados que trabalhavam de forma interdisciplinar, os
5
quais analisavam os casos e interviam conforme a necessidade de cada um. Com o
decorrer do tempo surgiram clinicas particulares, transformando a intervenção
psicopedagogia em uma atividade única e necessário para as causas orgânicas dos
indivíduos.
2.1 Histórico da Psicopedagogia no Brasil
No principalmente no estado do Sul do país que houve grande influência
americana no trabalho do psicopedagogo, o qual refrete até nos dias atuais. Alguns
dos pioneiros no Brasil foram Jorge Visca, Alicia Fernandez, Quiroz, Sara Pain, Jacob
Feldmann, Ana Maria Muniz, foi a partir deles que a psicopedagogia passou a ter
importância para a educação Brasileira.
A psicopedagogia é o saber que estuda o processo de aprendizagem humana
e suas dificuldades de forma preventiva e terapêutica. (Bossa, 1994 apud
PERES 1998).
Em meados dos anos 80, inicia-se as atividades na Associação de
Psicopedagogia de São Paulo que em 1988, transforma se na Associação Brasileira
de psicopedagogia.
2.2 Dislexia e escolarização
A maioria dos casos de dislexia é diagnosticado nas escolas, a identificação
ocorre quando o aluno inicia o seu aprendizado, pois nesse momento a dificuldade é
evidenciada pelo desenvolvimento desacelerado, a desconcentração e dificuldade de
fala e compreensão. Contudo a formação dos profissionais da educação e o currículo
escolar nem sempre está pronto para receber essa criança e diagnosticar o seu
problema, quanto mais intervir e trabalhar metodologias as quais auxiliem nessa
jornada. Essa afirma fica evidente, quando analisamos as propostas curriculares, que
6
contem objetivos propostos e organização voltados a crianças consideradas
“normais”, isso sem citar a metodologia avaliativa.
A inclusão no contexto escolar e o despreparo dos profissionais e deficiência
da proposta pedagógica, não é um problema apenas das escolas públicas, mas
também da escola particular. No entanto as perspectivas de referências a boa
educação para o disléxico que permeiam o contexto escolar, são diferentes na prática.
O foco no aprendizado da leitura e escrita, a tal da alfabetização extrapola os limites
da dificuldade apresentada pelos alunos especiais, normalmente levando ao fracasso
escolar. Mesmo sabendo que a dislexia não é um transtorno novo no contexto escolar,
porém historicamente falando não se demonstrava preocupação e interesse
característico, para essa dificuldade. Conjuminando a exclusão do indivíduo, os quais
eram isolados, ignorados e até mesmo tratados com crianças com problemas
metais/intelectuais.
Atualmente, essa realidade tem se mostrado diferente, já que os profissionais
da educação demonstram maior interesse nas crianças que demonstram dificuldades,
buscando meios de um diagnóstico preciso, certeiro, para que os resultados sejam
eficientes, e esse alunos possam serem respeitados e direcionados para a melhor
forma de aprendizado.
O bem-estar e valorização do desenvolvimento escolar das crianças que
apresentam qualquer tipo de síndrome, deficiência estão previstas na Lei de Diretrizes
de Base, a qual prevê no artigo 12 – da Lei 9394/96 que os estabelecimentos de ensino,
respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I -
elaborar e executar sua Proposta Pedagógica; V - prover meios para a recuperação dos
alunos de menor rendimento.
A equipe escolar deve buscar a formação continuada no que refere a inclusão
seja ela qual for a problemática apresentada, o trabalho com a equipe multidisciplinar
e a enfática presença do pedagogo faz ser de extrema necessidade. Pois através da
formação profissional o aluno será tratado da forma correta e forma natural, incluindo
o disléxico no processo educativo social, norteando suas vivências. As atividades
devem ser diferenciadas, porém de forma a atingir todas as crianças para que o
disléxico não se sinta excluído.
7
(...) os alunos não aprendem da mesma maneira e nem no mesmo ritmo. O
que eles podem aprender em uma determinada fase depende de seu nível
de amadurecimento, de seus conhecimentos anteriores, de seu tipo de
inteligência, mais verbal, mais lógica ou mais espacial. No cotidiano da sala
de aula, convivem pelo menos três tipos de alunos que têm “aproveitamento
insuficiente”: os imaturos, que precisam de mais tempo para aprender; os que
têm dificuldade específica em uma área do conhecimento; e os que, por
razões diversas, não se aplicam, não estudam, embora tenham condições.
(CEE, 5/98).
Como estratégia de aprendizado, o psicopedagogo no trabalho em sala junto
com o professor deve priorizar o disléxico próximo a ele e a lousa, sendo que assim
ele se dispersará com menos frequência, e possibilita um melhor acompanhamento
da sua evolução didática. Possibilitando ser objetivo e claro, facilitando assim o
acompanhamento de explicações e pensamentos.
2.3 Avaliações e observações
A forma de avaliação tradicional não é a mais adequada para a criança com
dislexia, pois elas exigem atenção, concentração e memorização. Capacidades que
os disléxicos não conseguem desenvolver. O psicopedagogo em conjunto com o
professor, devem permear qual a melhor forma de avaliar essa criança. Portanto a
forma de avaliação tem que valorizar as características do aluno, de forma que ele
venha a estimular o avanço escolar, dentro de suas individualidades, potencialidades,
peculiaridades.
As avaliações orais e escritas em forma objetiva, são as melhores opções para
serem guardadas como registro. Outra forma de avaliação indicada é a observação
do comportamento e desenvolvimento da do aluno. Trabalhos com cartazes, figuras,
recortes e colagem. Em consonância com a Lei 93/94/96, no artigo 24 V. a, orienta
que a avaliação contínua e cumulativa; Prevalência dos aspectos qualitativos e
quantitativos e dos resultados ao longo do período.
8
Outra característica da forma de avaliar o aluno disléxico, é analisar o
diagnóstico, para ver quais os profissionais deverão estar inseridos no grupo
multidisciplinar, sem o fonoaudiólogo de extrema necessidade. O que qualquer
indivíduo que esteja inserido no processo de educação do aluno tem que ser
consciente, amparando o aprendizado de forma a consistir na formação integral e
funcional dos alunos, estimulando o aprendizado das capacidades de todo tipo, sejam
elas relações interpessoais e sociais, equilíbrio, autonomia, afetividade, motoras e
cognitivas. Portanto, para que o aluno seja avaliado, inicia se com a verdadeira
inclusão, partindo da concepção de que suas dificuldades sejam entendidas, pelos
envolvidos no processo educativo. Como também que esses profissionais não o trate
como um aluno que tem uma deficiência grave, e sim, com um aluno considerado
“normal”, com dificuldades e lentidão no aprendizado.
Legalmente a criança tem seus direitos e eles devem ser respeitados, em todas
as questões, pois é a partir daí que se obtém resultados para uma avaliação
adequada. Como cita a Legislação, Lei 8069/90-art. 53:
“À criança e ao adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de
sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho,
assegurando-se lhes:
I – igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II – direito de ser respeitado pelos seus educadores;
III – direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares
superiores”
9
3 PSICOPEDAGOGIAA CERCA DA DISLEXIA
O psicopedagogo tem funções profissionais distintas, mas durante muito tempo
existiu conflito de concepções, onde o psicopedagogo é confundido com professor
particular. No entanto ele é mediador profissional que mostra um novo percurso para
o aprendizado, proporcionando novos horizontes para o alcance dos objetivos
propostos.
O campo de atuação e formação, disponibiliza o trabalho tanto em instituições
escolares, em conjunto com os profissionais da educação e alunos, como também em
clinicas terapêuticas que apresenta o profissional de psicopedagogiacomo alternativa
de desenvolvimento e resolução das problemáticas enfrentadas no desenvolvimento
escolar. Portanto, o trabalho do psicopedagogo, consiste em diagnosticar as possíveis
problemáticas apresentadas no processo de aprendizagem do aluno, tendo como
propostas, analisar, identificar, permear e elaborar estratégias as quais levem ao
diagnóstico para a intervenção correta, tendo como proposito final a resolução das
dificuldades encontradas.
Portanto o psicopedagogotem em sua função ser mediador entre escola, aluno,
família, com o intuito do aprendizado significativo e desenvolvimento das crianças,
respeitando o planejamento e proposta escolar, como também os princípios família e
contexto social ao qual o indivíduo está inserido. Tendo, caráter clinico e institucional,
mediante a dislexia, conforme a ABD.
Dislexia é um dos muitos distúrbios de aprendizagem, específico da linguagem, de
origem constitucional, caracterizada pela dificuldadeem decodificar palavras simples.
Mostra uma insuficiência no processo fonológico, sendo que tais dificuldades
principalmente na decodificação de palavras simples,não são esperadas em relação
à idade. Apesar de submetida à instrução convencional, adequada inteligência,
oportunidade sociocultural e não possuir distúrbios cognitivos e sensoriais
fundamentais, a criança falha no processo de aquisição da linguagem. A dislexia é
apresentada em várias formas de dificuldades,com diferentes formas de linguagem,
frequentemente incluídos problemas de leitura, em aquisição e capacidade de
escrever e soletrar”. (www.associacaobrasileiradedislexia.com.br – acessoem março,
2016).
10
Para os médicos a dislexia, é o transtorno mental de comportamento, com
comportamento especifico e significativo no desenvolvimento das habilidades de
interpretação, compreensão da leitura e escrita. Sendo assim a dislexia é sugerida
quando o aluno não atinge, as competências linguísticas e suas funções sensórias
sejam normais, sem apresentar nenhuma deficiência física.
Apesar das características que definem o transtorno em questão, muitas ainda
são as dúvidas que permeiam a temática, sendo necessário um olhar minucioso por
parte do profissional de psicopedagogia, já que é genético ou outras funções, tendo
como diagnostico patológico apenas a dificuldade de aprendizado de leitura e escrita.
[...] “não apresenta distúrbios a nível sensorial ou físico, a nível
emocional, ou desvantagens socioeconômicas, culturais ou instrucionais, que
possam ser consideradas causas para dificuldade de ler”. (MORAES, 2006,
p. 81).
Investigações cerebrais tem sido realizada no campo de estudo da dislexia,
pois através dele é possível diagnosticar os diversos sentidos, propiciam na resolução
da problemática com mais ênfase por parte do psicopedagogo. Em relação as funções
cerebrais, Santos (1975, p. 21) já afirmava que a dislexia já foi relacionada com o
canhotismo, porém não existe com probabilidade de tal concepção, já que o
O Distúrbio conjumina também em indivíduos com lateralidade bem
desenvolvida, quer canhotos ou destros. Existem inúmeros fatores a serem estudados
para que se conjumine as causas da dislexia. Lanhez e Nico (2002, p. 67), afirmam
que “muitas pesquisas levam em consideração alterações no padrão neurológico”. Isto
implica afirmar que na maioria dos casos existe uma estrutura diferente no cérebro
dos disléxicos. Tais autores trazem a constatação de que o volume do lobo temporal
direito é maior do que o esquerdo, pois é nesta região que se encontram
possivelmente, as funções responsáveis pela leitura, escrita e cálculos matemáticos.
Os distúrbios genéticos também são apontamentos que encontram se em
estudo, pois acredita - se que as terminações nervosas cerebrais, influenciam no
11
transtorno da dislexia. A intervenção psicopedagógico analisa cada fator, para chegar
na melhor conclusão, com o objetivo de desenvolver o trabalho significativo. Nos
estudos apresentados por Tomitch (2004, p. 167), ele apresenta a concepção de que,
“A identificação e abstração das ideias principais é um dos processos fundamentais
da cognição humana”. Portanto, os estudos que permeiam a prática da
psicopedagogia sofrem grandes rupturas ao longo dos anos, que acrescentaram
construção dos saberes acerca da dislexia.
3.1 Procedimentos para o diagnóstico e prognostico
A realização do procedimento para o diagnóstico e prognostico completo do
distúrbio da dislexia, tende a ser averiguada incialmente ocorrências genéticas, ou
seja, o histórico familiar. Os diagnósticos devem ser feitos por vários profissionais da
área médica e educacional, formando assim uma equipe multidisciplinar. Integrado
dos seguintes profissionais: psicopedagogo, psicólogo, fonoaudiólogo, neurologista.
Em procedimento investigativo, são eliminados fatores que norteiam qual é o real
problema do aluno, até que se chegue ao resultado final da dislexia ou não.
O proposito investigativo, não baseiasei apenas para encontrar a problemática,
mas sim para encontrar qual o caminho a ser seguido, já que é um distúrbio sem cura.
Portanto, o estudo tende a proporcionar o prognostico e encontrar estratégias
significativas para a educação da criança e sua inserção social. Os alunos com
dislexia obtêm melhores resultados com ensino por imagens, e momentos que
chegam ao seu psicológico, através de suas emoções. Nas concepções, de Estill
(2015) existem diversos sinais visíveis no comportamento e no caderno de crianças,
que podem auxiliar aos pais e educadores a identificar precocemente alguns aspectos
preditivos de dislexia, entre eles: Demora nas aquisições e desenvolvimento da
linguagem oral; Dificuldades de expressão e compreensão; Alterações persistentes
na fala; Copiar e escrever números e letras inadequadamente; Dificuldade para
organizar-se no tempo, reconhecer as horas, dias da semana e meses do ano;
Dificuldades para organizar sequências espaciais e temporais, ordenar as letras do
alfabeto, sílabas em palavras longas, sequências de fatos; Pouco tempo de atenção
12
nas atividades, ainda que sejam muito interessantes; Dificuldade em memorizar fatos
recentes -números de telefones e recados, por exemplo; Severas dificuldades para
organizar a agenda escolar ou da rotina diária; Dificuldade em participar de
brincadeiras coletivas; Pouco interesse em livros impressos e escutar histórias.
Demora nas aquisições e desenvolvimento da linguagem oral; Dificuldade para
organizar-se no tempo, reconhecer as horas, dias da semana e meses do ano;
Dificuldade em memorizar fatos recentes - números de telefones e recados, por
exemplo; Severas dificuldades para organizar a agenda escolar ou da rotina diária;
Apesar de ainda não haver total consenso entre os cientistas a respeito das causas
da dislexia, as pesquisas mais recentes apontam para uma associação de problemas
genéticos como fator para o aparecimento do distúrbio.
3.2 Intervenção Terapêutica
Como por intervenção em busca de procedimentos os quais influenciem e
diminuam as consequências as quais esse distúrbio acarreta ao aluno em idade
escolar. O psicopedagogo deve auxiliar o disléxico a encontrar a melhor estratégia
para permear o seu aprendizado. Através de figuras, jogos, brincadeiras, trabalhos
em grupos, são parte integrantes do procedimento de intervenção. Cabe a esse
profissional valorizar e estimular o aprendizado do aluno, pois através da autoestima
o aprendizado significativo ocorre de forma eficaz e com maior velocidade.
Com acompanhamento adequado, a criança pode redescobrir suas
capacidades e o prazer de aprender. A dislexia pode ser percebida pelo
professor durante o processo de alfabetização e para Muter (apud
SNOWLING E STACKHOUSE, 2004).
O trabalho multidisciplinar, deve ser flexível, com aulas elaboradas com
exercícios adequado para o aluno, respeitando suas diferenças, peculiaridades,
individualidades e características, proporcionando habilidade que desenvolvam e
desenvolvam capacidades e competências dos alunos. A participação da família
também é parte integrante da capacitação e desenvolvimento intelectual, cognitivo e
13
físico dos alunos, pois através da rotina e trabalho em conjunto, facilita o aprendizado.
Priorizando o aprendizado natural, dentro da capacidade de cada um, evitando
cobranças e competições, que possam acrescentar frustração aos alunos,
consequentemente prejudicando o aprendizado, ou até mesmo levando a desistência.
Portanto é possível afirmar que a dislexia ainda não possui cura, mas o trabalho
do psicopedagogo dentro do ambiente escolar em conjunto com a família, possibilita
uma evolução significante de maneira prospera, evitando sequelas, cicatrizes
emocionais, que machuquem o aluno internamente, que destruam a autoestima,
assim consequentemente prejudicando a evolução não só no aprendizado, mas
também social, de vida.
14
3 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Considera se a dislexia um distúrbio da aprendizagem onde o aluno
apresenta dificuldade de leitura, escrita, interpretação e fixação mental, interpretação
dos símbolos gráficos, normalmente apresentado no início da alfabetização, levando
o aluno ao fracasso escolar, o qual já é de conhecimento de vários profissionais da
medicina e da educação, porém muitas dúvidas ainda permeia as concepções.
Nos estudos realizados ficou evidente que os profissionais envolvidos
nessa área buscam constantemente estratégias para auxiliar esses alunos, o
psicopedagogo sendo um profissional que atual multidisciplinarmente nas escolas,
tem papel importante nesse desenvolvimento, já nas clinicas é um trabalho minucioso
e intenso, sendo mais direto e dedicado.
O processo de trabalho que permeiam a inclusão social, inclusive com os
disléxicos muitas vezes é um processo longo e cansativo, criando certa frustração em
ambos os envolvidos. Tendo a concepção psicopedagogia de que a dislexia é a
dificuldade de aprender, faz se necessário que a formação desse profissional seja de
qualidade, com referências e capacitação para o trabalho eficiente. Sendo assim, para
se obter bons resultados com o aluno que apresenta a dislexia o trabalho
multidisciplinar em conjunto com a família é de suma importância.
Portanto, na escola o professor, juntamente com os demais profissionais
envolvidos tem o papel de facilitador/mediador do aprendizado, e a família em
conjunto apresenta o trabalho que envolve a afetividade, onde todos os participantes
tem que ter respeito mútuo, para das confiança e autoestima ao aluno. Objetivando
resultados eficientes, com trabalho eficiente, sendo que a escola tem o dever de agir
com suporte educativo facilitador do desenvolvimento e formação do aluno.
Logo, o trabalho em conjunto com eficiência acrescenta saberes aos alunos
que apresentam o distúrbio da dislexia de forma saudável e natural de forma
continuada, através de rotinas disciplinadas. Tendo a consciência que o êxito em um
bom trabalho nos traz satisfação pessoal, como também a todos os demais envolvidos
no contexto escolar e familiar.
15
REFERÊNCIAS
BARBOSA, Laura Monte Serrat. Um diálogo entre a Psicopedagogiae a Educação.
Curitiba: Bolsa Nacional do Livro, 2007.
CHALITA, Gabriel. Educação – A solução está no afeto. São Paulo: Editora Gente,
2001. DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. Campinas: Autores Associados, 1996.
DEMO, Pedro. Aposta no Professor. Porto Alegre: Mediação, 2006.
KHAN, Aamir. 2007. Como Estrelas na Terra – Toda criança é especial. Índia:
Estúdio/Distrib: Aamir Khan Productions.
FAGALI, Eloísa Quadros; VALE, Zélia Del Rio. Psicopedagogia Institucional
aplicada. Petrópolis: Vozes, 2003.
FERNÁNDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas 1990.
FONSECA, Vitor da. Dificuldades de Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1995.
HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre:
Mediação, 2001.
NOFFS, Neide. Psicopedagogo na Rede de Ensino. São Paulo: Elevação, 2003.
OLIVEIRA, Vera Barros de. Avaliação Psicopedagógico da criança de zero a seis
anos. Petrópolis: Vozes, 2005.
PAIN, Sara. Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1992.
POLITY, Elizabeth. Dificuldade de Ensinagem. Que história é essa...? São Paulo:
Vetor, 2002.
RUBINSTEIN, Edith. Psicopedagogia – Uma prática diferente estilos. São Paulo:
Casa do Psicólogo, 2005. WEISS, Maria Lucia. Psicopedagogia Clínica – Uma visão
diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. Rio de Janeiro: DP&A Editora,
1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoDaniela Alencar
 
O autista na escola inclusiva
O autista na escola inclusivaO autista na escola inclusiva
O autista na escola inclusivaJu Dias
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaJamille Araújo
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breveNanci Barillo
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemedgarsouza27
 
A criança com deficiência intelectual e a construção
A criança com deficiência intelectual e a construçãoA criança com deficiência intelectual e a construção
A criança com deficiência intelectual e a construçãojosilau
 
A Indisciplina e o Processo Educativo.
A Indisciplina e o Processo Educativo.A Indisciplina e o Processo Educativo.
A Indisciplina e o Processo Educativo.Natália Lopes
 
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...oficinadeaprendizagemace
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosprimeiraopcao
 
Caderno educacao especial miolo
Caderno educacao especial   mioloCaderno educacao especial   miolo
Caderno educacao especial mioloIsa ...
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...christianceapcursos
 
ViolêNciaescolar
ViolêNciaescolarViolêNciaescolar
ViolêNciaescolarguest5d403f
 
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escolaJulio Groppa Aquino - indisciplina na escola
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escolaDocência "in loco"
 
Tenho um aluno com dislexia
Tenho um aluno com dislexiaTenho um aluno com dislexia
Tenho um aluno com dislexiaAna Paula Santos
 

Mais procurados (20)

Dificuldade de aprendizagem
Dificuldade de aprendizagemDificuldade de aprendizagem
Dificuldade de aprendizagem
 
INDISCIPLINA
INDISCIPLINAINDISCIPLINA
INDISCIPLINA
 
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínicoRelatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
Relatório do diagnóstico psicopedagógico clínico
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
 
O autista na escola inclusiva
O autista na escola inclusivaO autista na escola inclusiva
O autista na escola inclusiva
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
 
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagemFatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
Fatores comportamentais que interferem no processo de aprendizagem
 
A criança com deficiência intelectual e a construção
A criança com deficiência intelectual e a construçãoA criança com deficiência intelectual e a construção
A criança com deficiência intelectual e a construção
 
A Indisciplina e o Processo Educativo.
A Indisciplina e o Processo Educativo.A Indisciplina e o Processo Educativo.
A Indisciplina e o Processo Educativo.
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
 
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...
Dificuldades de-aprendizagem-na-escrita-e-habilidades-sociais-em-criancas-do-...
 
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunosOs motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
Os motivos da indisciplina na escola: a perspectiva dos alunos
 
Caderno educacao especial miolo
Caderno educacao especial   mioloCaderno educacao especial   miolo
Caderno educacao especial miolo
 
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA  E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR  ...
CONSIDERAÇÕES ENTRE INDISCIPLINA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NO COTIDIANO ESCOLAR ...
 
ViolêNciaescolar
ViolêNciaescolarViolêNciaescolar
ViolêNciaescolar
 
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escolaJulio Groppa Aquino - indisciplina na escola
Julio Groppa Aquino - indisciplina na escola
 
Apresentação DA
Apresentação DAApresentação DA
Apresentação DA
 
Tenho um aluno com dislexia
Tenho um aluno com dislexiaTenho um aluno com dislexia
Tenho um aluno com dislexia
 

Destaque

Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãOMidia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãOAllan Diniz
 
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexiaArtigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexiamkbariotto
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Manim Edições
 
1737 ldb lei 9.394-96 - apostila amostra
1737 ldb   lei 9.394-96 - apostila amostra1737 ldb   lei 9.394-96 - apostila amostra
1737 ldb lei 9.394-96 - apostila amostragoodcell
 
Apresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativaApresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativaTathiane Cuesta
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPatricia Bampi
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Raimunda Pereira Lopes
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoElizabeth Barbosa
 

Destaque (13)

Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãOMidia Alternativa P Alem Da  Contra InformaçãO
Midia Alternativa P Alem Da Contra InformaçãO
 
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexiaArtigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexia
Artigo - Psicopedagogia e intervenção na dislexia
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
 
1737 ldb lei 9.394-96 - apostila amostra
1737 ldb   lei 9.394-96 - apostila amostra1737 ldb   lei 9.394-96 - apostila amostra
1737 ldb lei 9.394-96 - apostila amostra
 
Apresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativaApresentação comunicação alternativa
Apresentação comunicação alternativa
 
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidadesComunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Deficiência Intelectual na Escola
Deficiência Intelectual na EscolaDeficiência Intelectual na Escola
Deficiência Intelectual na Escola
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
 
Projeto pronto
Projeto prontoProjeto pronto
Projeto pronto
 
LDB - 9394/96
LDB - 9394/96LDB - 9394/96
LDB - 9394/96
 
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamentoDislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
Dislexia e tcc_uma_proposta_de_tratamento
 

Semelhante a Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia

Histório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da PsicopedagogiaHistório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da Psicopedagogiajanpsicoped
 
Dislexia otica psicopedagogo
Dislexia otica psicopedagogoDislexia otica psicopedagogo
Dislexia otica psicopedagogoHerica Ramos
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvahelio123456
 
Artigo cleide araujo e juliana menezes
 Artigo   cleide araujo e juliana menezes Artigo   cleide araujo e juliana menezes
Artigo cleide araujo e juliana menezesCleide Araujo
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...SimoneHelenDrumond
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...SimoneHelenDrumond
 
Aprendizagem significativa e dislexia
Aprendizagem significativa e dislexiaAprendizagem significativa e dislexia
Aprendizagem significativa e dislexiaAndréa Kochhann
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaInstituto Consciência GO
 
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoFundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoMARACRISTINAFORTUNAD
 
Psicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosPsicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosLeide Antonino
 
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita uma...
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita  uma...Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita  uma...
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita uma...Suely Magalhaes
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagenshelio123456
 

Semelhante a Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia (20)

Histório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da PsicopedagogiaHistório e contextualização da Psicopedagogia
Histório e contextualização da Psicopedagogia
 
Artigo 1
Artigo 1Artigo 1
Artigo 1
 
Dislexia otica psicopedagogo
Dislexia otica psicopedagogoDislexia otica psicopedagogo
Dislexia otica psicopedagogo
 
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silvaEsp. andressa jully bento de medeiros silva
Esp. andressa jully bento de medeiros silva
 
Artigo cleide araujo e juliana menezes
 Artigo   cleide araujo e juliana menezes Artigo   cleide araujo e juliana menezes
Artigo cleide araujo e juliana menezes
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
 
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
Modalidade 1datahora 02_11_2014_21_41_55_idinscrito_3828_95528a1992a0f8253a0e...
 
Aprendizagem significativa e dislexia
Aprendizagem significativa e dislexiaAprendizagem significativa e dislexia
Aprendizagem significativa e dislexia
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
 
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introduçãoFundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
Fundamentos básicos da psicopedagogia: uma introdução
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
C206325 dislexia
C206325 dislexiaC206325 dislexia
C206325 dislexia
 
C206325
C206325C206325
C206325
 
C206325
C206325C206325
C206325
 
Psicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicosPsicopedagogia fundamentos basicos
Psicopedagogia fundamentos basicos
 
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita uma...
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita  uma...Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita  uma...
Reflexões a cerca das dificuldades de aprendizagens em leitura e escrita uma...
 
28022012094929 242
28022012094929 24228022012094929 242
28022012094929 242
 
Psicopedagogia clinica pratica especifica
Psicopedagogia clinica  pratica especificaPsicopedagogia clinica  pratica especifica
Psicopedagogia clinica pratica especifica
 
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagensA intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
A intervenção do Psicopedagogo nas dificuldades de aprendizagens
 
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagemAspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
Aspectos psicomotores das dificuldades de aprendizagem
 

Mais de mkbariotto

TCC - Universidade do sagrado coração
TCC - Universidade do sagrado coraçãoTCC - Universidade do sagrado coração
TCC - Universidade do sagrado coraçãomkbariotto
 
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educaçãomkbariotto
 
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educaçãomkbariotto
 
Supremo blá blá-blá
Supremo blá blá-bláSupremo blá blá-blá
Supremo blá blá-blámkbariotto
 
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianaRelatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianamkbariotto
 
Proposta de trabalho semana das crianças
Proposta de trabalho semana das criançasProposta de trabalho semana das crianças
Proposta de trabalho semana das criançasmkbariotto
 
Projeto multidisciplinar iii autodesenvolvimento
Projeto multidisciplinar iii   autodesenvolvimentoProjeto multidisciplinar iii   autodesenvolvimento
Projeto multidisciplinar iii autodesenvolvimentomkbariotto
 
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidade
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidadePec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidade
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidademkbariotto
 
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionais
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionaisPe template autodesenvolvimento_políticas educacionais
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionaismkbariotto
 
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015mkbariotto
 
Mapa conceitual
Mapa conceitualMapa conceitual
Mapa conceitualmkbariotto
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialmkbariotto
 
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaisCp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaismkbariotto
 
Colorir terapia
Colorir   terapiaColorir   terapia
Colorir terapiamkbariotto
 
Caderno de estagio ef
Caderno de estagio efCaderno de estagio ef
Caderno de estagio efmkbariotto
 
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueraCaderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueramkbariotto
 
Caderno de estágio ed inf 2014 trabalho de conclusão do
Caderno de estágio ed inf 2014   trabalho de conclusão doCaderno de estágio ed inf 2014   trabalho de conclusão do
Caderno de estágio ed inf 2014 trabalho de conclusão domkbariotto
 
Banner anhanguera
Banner anhangueraBanner anhanguera
Banner anhangueramkbariotto
 
Banner educação e diversidade
Banner   educação e diversidadeBanner   educação e diversidade
Banner educação e diversidademkbariotto
 

Mais de mkbariotto (20)

TCC - Universidade do sagrado coração
TCC - Universidade do sagrado coraçãoTCC - Universidade do sagrado coração
TCC - Universidade do sagrado coração
 
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc anhanguera   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc anhanguera a dificuldade no ensino de leitura na educação
 
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc   a dificuldade no ensino de leitura na educaçãoTcc   a dificuldade no ensino de leitura na educação
Tcc a dificuldade no ensino de leitura na educação
 
Supremo blá blá-blá
Supremo blá blá-bláSupremo blá blá-blá
Supremo blá blá-blá
 
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. ulianaRelatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
Relatorio estagio pedagogia_thais f. uliana
 
Proposta de trabalho semana das crianças
Proposta de trabalho semana das criançasProposta de trabalho semana das crianças
Proposta de trabalho semana das crianças
 
Projeto multidisciplinar iii autodesenvolvimento
Projeto multidisciplinar iii   autodesenvolvimentoProjeto multidisciplinar iii   autodesenvolvimento
Projeto multidisciplinar iii autodesenvolvimento
 
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidade
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidadePec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidade
Pec aula 5_colaborativa_template extensão à comunidade
 
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionais
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionaisPe template autodesenvolvimento_políticas educacionais
Pe template autodesenvolvimento_políticas educacionais
 
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
 
Mapa conceitual
Mapa conceitualMapa conceitual
Mapa conceitual
 
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especialEe template autodesenvolvimento_educação especial
Ee template autodesenvolvimento_educação especial
 
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionaisCp ativ colaborativa_template competencias profissionais
Cp ativ colaborativa_template competencias profissionais
 
Colorir terapia
Colorir   terapiaColorir   terapia
Colorir terapia
 
TCC - Facon
TCC - FaconTCC - Facon
TCC - Facon
 
Caderno de estagio ef
Caderno de estagio efCaderno de estagio ef
Caderno de estagio ef
 
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueraCaderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
 
Caderno de estágio ed inf 2014 trabalho de conclusão do
Caderno de estágio ed inf 2014   trabalho de conclusão doCaderno de estágio ed inf 2014   trabalho de conclusão do
Caderno de estágio ed inf 2014 trabalho de conclusão do
 
Banner anhanguera
Banner anhangueraBanner anhanguera
Banner anhanguera
 
Banner educação e diversidade
Banner   educação e diversidadeBanner   educação e diversidade
Banner educação e diversidade
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Artigo a psicopedagogia e intervenção na dislexia

  • 1. FACULDADE DE CONCHAS (FACON) FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PÓS-GRADUAÇÃO Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Vanessa da Silva David A PSICOPEDAGOGIA E INTERVENÇÃO NA DISLEXIA RESUMO O presente trabalho propõe como objetivo diagnosticar através de leituras e pesquisas metodologias de intervenções para o processo de desenvolvimento significativo da dislexia. De forma, sistemática e objetiva com foco na criança disléxica. Para tanto, muitos autores, filósofos e estudiosos distintos foram analisados, com um olhar diferenciado, desconstruí e construí ideias, concepções e metodologias, as quais propiciam ao aluno amplitude em seu aprendizado. As mais distintas opiniões foram estudadas, desde o início da história da educação e inclusão social. Partindo do pressuposto que a criança vem do processo educativo da observação é possível organizar o aprendizado através das características distinta de cada aluno, como também valorizando suas diferenças, peculiaridades e singularidades. Portanto diagnostica – se que é possível proporcionar ao aluno com dislexia a apropriação do processo de aprendizado como qualquer outro aluno. PALAVRAS-CHAVE: Dislexia. Inclusão. Psicopedagogia. Intervenção
  • 2. 2 1 INTRODUÇÃO A dislexia é o distúrbio do desenvolvimento, que influencia no aprendizado de possível falha na função neurológica, possui como identificação a falha na fluência da palavra, seja ela dito ou escrita, falha na decodificação e em soletração. Refletindo significativamente em questões fonoaudiologias, atraso no aprendizado como referência a idade correspondente, perda das habilidades cognitivas. As características sintomáticas as quais o transtorno apresenta são diversificadas, mas a principal é a dificuldade de decodificação alfabética. O aluno que apresenta o distúrbio da dislexia apresenta dificuldade em associar o som com as as palavras, troca de fonemas, conflito em grafias com sonorizações idênticas, sendo em sua maioria, “n-u, w-m, a-e, p-q, p-b, b-d, b-v. O indivíduo com dislexia, apresenta como característica a necessidade de acompanhar a leitura, ou seja, coloca objetos ou até mesmo a mão para direcionar a o texto. Enfatizando que a dislexia não se trata de uma doença, mas sim de um distúrbio de causa genética e neurológica, que independente do indivíduo demonstrar falta de vontade, atenção, descontração ou dificuldade de alfabetização. O fato é que existe um descontrole, desordem no percurso das informações, o que camufla o andamento da compreensão da codificação da escrita e reconhecimento das letras, refletindo na escrita. Dificultando assim o aprendizado Entretanto, a prioridade em relação ao aprendizado na educação infantil, com base para desenvolver no aluno a boa escrita, leitura e interpretação, afinal vivemos em uma sociedade a qual visa ter acesso a informações através dessa metodologia. Faz se necessário que a aprendizagem seja serena, aconteça naturalmente, respeitando a singularidade e peculiaridades de cada aluno, como também analisar suas características e a comunidade social a qual está inserida. Para tanto o profissional da educação tem o dever de buscar a progressão continuada e estar consciente das problemáticas as quais serão enfrentadas, afinal a dificuldade de aprendizado, socialização na educação, tem inúmeros reflexos não sendo apenas incapacidade do aluno. Mesmo com a cientifica de que o aprendizado é um processo complexo que exige habilidades especificas, tanto motoras, cognitivas, biológicas.
  • 3. 3 Aprendera ler e escreverenvolve um processo complexo onde se exigem habilidades linguísticas, biológicas, motoras, cognitivas, de acordo com a coordenadora de educação especial. (KANADA, A.A.L, 2010). Portanto cabe ao profissional da educação encontrar o melhor percurso a ser seguido, com o intuito de auxiliar na aprendizagem do aluno, tendo a consciência das possíveis dificuldades apresentadas na educação especial. Logo o psicopedagogo nesse momento tem papel importante, pois através das práticas apresentadas ele pode desenvolvem e diagnosticas o melhor resultado, como também mediar o aprendizado, trabalhando em conjunto com o professor e o aluno. Sobre a dislexia e suas características, é possível afirmar que, é o transtorno o qual os estudos apontam que influência negativamente no aprendizado, sendo que para a ABD1, é considerado um transtorno especifico, que possui como característica a dificuldade na leitura correta e fluente, dificuldade na escrita, interferindo nas habilidades decodificações, refletindo no dialeto e ampliação do vocabulário, impedindo a aquisição dos conhecimentos gerais. Ou seja, em média a um aluno de seis anos considerado normal as habilidades são preservadas, já no disléxico da mesma idade escolar apresenta atraso. Sendo, de suma importância enfatizar que os aspectos são características da dislexia, mas não são somente esses, como também não é apenas a dislexia os transtornos de déficit de atenção e atraso escolar De forma objetiva, o presente trabalho propõe, desenvolver o processo de compreensão do trabalho do psicopedagogo junto ao aprendizado do aluno que apresenta dislexia. Como também analisar através de estudos, leituras e pesquisas aprender sobre o tema, defender ideias e concepções encontradas por autores, filosofo, médicos e demais estudiosos da área. Nessa perspectiva desenvolver na profissional amplitude de saberes para trabalhar a diferença em sala de aula e inserir esse aluno no ambiente social. 1 Associação Brasileira de Dislexia.
  • 4. 4 2 HISTÓRICO EDUCACIONAL Os primeiros relatos, que tangem a psicopedagogia, tem suas primárias originárias na França, em meados dos anos quarenta, Período em que a Europa se investia em estudos que visavam a comprobatória da possível influencia orgânica no comprometimento escolar. A Europa e a América em percurso da guerra mundial, ofereciam homens feridos para estudos, principalmente aqueles que tinham suas funções, cerebrais e motoras afetadas com a guerra. O primeiro núcleo psicopedagógico, foi criado em 1964, o qual propunha o trabalho de um médico juntamente com o pedagogo. Unindo os ambos profissionais em um só, com o objetivo de buscar o melhor diagnostico para o individuo com problemas de atraso de aprendizagem, comportamental na escola. Facilitando aos pais que encaminhassem seus filhos a um profissional especialista, ao invés de um profissional comum, com uma consulta simples, por volta dos anos 60 as clinicas de atendimento psicopedagógico proliferaram, em reflexo a o bom trabalho desenvolvido conquistou a confiança e credibilidade dos pais, pois desenvolviam um trabalho dentro das perspectivas apresentadas pelos profissionais da educação, pais e relatos das crianças. Com o tempo a psicopedagogia passou a ter caráter clinico, isso ocorreu por volta do ano 67, o que levou para uma nova caminhada com outra visão dos alunos até então considerados problemáticos. A Vasques e Oury, afirmam que avaliar o aluno individualmente sem conhecer o contexto (escola/família) do aluno é abstrato e arriscado demais, podendo comprometer toda a formação do aluno. Partindo da afirmação, fica evidente que o trabalho do psicopedagogo nas intuições ou em consultórios, a ideia de trabalhar em conjunto entre escola, família e psicopedagogos em busca da resolução dos problemas apresentados pelas crianças e suas vivências. Tão grande foi o sucesso dessa nova modalidade de análise de crianças e adolescentes, que repercutiu em vários países. Na Argentina por meados dos anos 70, foram vinculados centro psicopedagógicos as escolas públicas. Os centros eram compostos de profissionais formados que trabalhavam de forma interdisciplinar, os
  • 5. 5 quais analisavam os casos e interviam conforme a necessidade de cada um. Com o decorrer do tempo surgiram clinicas particulares, transformando a intervenção psicopedagogia em uma atividade única e necessário para as causas orgânicas dos indivíduos. 2.1 Histórico da Psicopedagogia no Brasil No principalmente no estado do Sul do país que houve grande influência americana no trabalho do psicopedagogo, o qual refrete até nos dias atuais. Alguns dos pioneiros no Brasil foram Jorge Visca, Alicia Fernandez, Quiroz, Sara Pain, Jacob Feldmann, Ana Maria Muniz, foi a partir deles que a psicopedagogia passou a ter importância para a educação Brasileira. A psicopedagogia é o saber que estuda o processo de aprendizagem humana e suas dificuldades de forma preventiva e terapêutica. (Bossa, 1994 apud PERES 1998). Em meados dos anos 80, inicia-se as atividades na Associação de Psicopedagogia de São Paulo que em 1988, transforma se na Associação Brasileira de psicopedagogia. 2.2 Dislexia e escolarização A maioria dos casos de dislexia é diagnosticado nas escolas, a identificação ocorre quando o aluno inicia o seu aprendizado, pois nesse momento a dificuldade é evidenciada pelo desenvolvimento desacelerado, a desconcentração e dificuldade de fala e compreensão. Contudo a formação dos profissionais da educação e o currículo escolar nem sempre está pronto para receber essa criança e diagnosticar o seu problema, quanto mais intervir e trabalhar metodologias as quais auxiliem nessa jornada. Essa afirma fica evidente, quando analisamos as propostas curriculares, que
  • 6. 6 contem objetivos propostos e organização voltados a crianças consideradas “normais”, isso sem citar a metodologia avaliativa. A inclusão no contexto escolar e o despreparo dos profissionais e deficiência da proposta pedagógica, não é um problema apenas das escolas públicas, mas também da escola particular. No entanto as perspectivas de referências a boa educação para o disléxico que permeiam o contexto escolar, são diferentes na prática. O foco no aprendizado da leitura e escrita, a tal da alfabetização extrapola os limites da dificuldade apresentada pelos alunos especiais, normalmente levando ao fracasso escolar. Mesmo sabendo que a dislexia não é um transtorno novo no contexto escolar, porém historicamente falando não se demonstrava preocupação e interesse característico, para essa dificuldade. Conjuminando a exclusão do indivíduo, os quais eram isolados, ignorados e até mesmo tratados com crianças com problemas metais/intelectuais. Atualmente, essa realidade tem se mostrado diferente, já que os profissionais da educação demonstram maior interesse nas crianças que demonstram dificuldades, buscando meios de um diagnóstico preciso, certeiro, para que os resultados sejam eficientes, e esse alunos possam serem respeitados e direcionados para a melhor forma de aprendizado. O bem-estar e valorização do desenvolvimento escolar das crianças que apresentam qualquer tipo de síndrome, deficiência estão previstas na Lei de Diretrizes de Base, a qual prevê no artigo 12 – da Lei 9394/96 que os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: I - elaborar e executar sua Proposta Pedagógica; V - prover meios para a recuperação dos alunos de menor rendimento. A equipe escolar deve buscar a formação continuada no que refere a inclusão seja ela qual for a problemática apresentada, o trabalho com a equipe multidisciplinar e a enfática presença do pedagogo faz ser de extrema necessidade. Pois através da formação profissional o aluno será tratado da forma correta e forma natural, incluindo o disléxico no processo educativo social, norteando suas vivências. As atividades devem ser diferenciadas, porém de forma a atingir todas as crianças para que o disléxico não se sinta excluído.
  • 7. 7 (...) os alunos não aprendem da mesma maneira e nem no mesmo ritmo. O que eles podem aprender em uma determinada fase depende de seu nível de amadurecimento, de seus conhecimentos anteriores, de seu tipo de inteligência, mais verbal, mais lógica ou mais espacial. No cotidiano da sala de aula, convivem pelo menos três tipos de alunos que têm “aproveitamento insuficiente”: os imaturos, que precisam de mais tempo para aprender; os que têm dificuldade específica em uma área do conhecimento; e os que, por razões diversas, não se aplicam, não estudam, embora tenham condições. (CEE, 5/98). Como estratégia de aprendizado, o psicopedagogo no trabalho em sala junto com o professor deve priorizar o disléxico próximo a ele e a lousa, sendo que assim ele se dispersará com menos frequência, e possibilita um melhor acompanhamento da sua evolução didática. Possibilitando ser objetivo e claro, facilitando assim o acompanhamento de explicações e pensamentos. 2.3 Avaliações e observações A forma de avaliação tradicional não é a mais adequada para a criança com dislexia, pois elas exigem atenção, concentração e memorização. Capacidades que os disléxicos não conseguem desenvolver. O psicopedagogo em conjunto com o professor, devem permear qual a melhor forma de avaliar essa criança. Portanto a forma de avaliação tem que valorizar as características do aluno, de forma que ele venha a estimular o avanço escolar, dentro de suas individualidades, potencialidades, peculiaridades. As avaliações orais e escritas em forma objetiva, são as melhores opções para serem guardadas como registro. Outra forma de avaliação indicada é a observação do comportamento e desenvolvimento da do aluno. Trabalhos com cartazes, figuras, recortes e colagem. Em consonância com a Lei 93/94/96, no artigo 24 V. a, orienta que a avaliação contínua e cumulativa; Prevalência dos aspectos qualitativos e quantitativos e dos resultados ao longo do período.
  • 8. 8 Outra característica da forma de avaliar o aluno disléxico, é analisar o diagnóstico, para ver quais os profissionais deverão estar inseridos no grupo multidisciplinar, sem o fonoaudiólogo de extrema necessidade. O que qualquer indivíduo que esteja inserido no processo de educação do aluno tem que ser consciente, amparando o aprendizado de forma a consistir na formação integral e funcional dos alunos, estimulando o aprendizado das capacidades de todo tipo, sejam elas relações interpessoais e sociais, equilíbrio, autonomia, afetividade, motoras e cognitivas. Portanto, para que o aluno seja avaliado, inicia se com a verdadeira inclusão, partindo da concepção de que suas dificuldades sejam entendidas, pelos envolvidos no processo educativo. Como também que esses profissionais não o trate como um aluno que tem uma deficiência grave, e sim, com um aluno considerado “normal”, com dificuldades e lentidão no aprendizado. Legalmente a criança tem seus direitos e eles devem ser respeitados, em todas as questões, pois é a partir daí que se obtém resultados para uma avaliação adequada. Como cita a Legislação, Lei 8069/90-art. 53: “À criança e ao adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se lhes: I – igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; II – direito de ser respeitado pelos seus educadores; III – direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores”
  • 9. 9 3 PSICOPEDAGOGIAA CERCA DA DISLEXIA O psicopedagogo tem funções profissionais distintas, mas durante muito tempo existiu conflito de concepções, onde o psicopedagogo é confundido com professor particular. No entanto ele é mediador profissional que mostra um novo percurso para o aprendizado, proporcionando novos horizontes para o alcance dos objetivos propostos. O campo de atuação e formação, disponibiliza o trabalho tanto em instituições escolares, em conjunto com os profissionais da educação e alunos, como também em clinicas terapêuticas que apresenta o profissional de psicopedagogiacomo alternativa de desenvolvimento e resolução das problemáticas enfrentadas no desenvolvimento escolar. Portanto, o trabalho do psicopedagogo, consiste em diagnosticar as possíveis problemáticas apresentadas no processo de aprendizagem do aluno, tendo como propostas, analisar, identificar, permear e elaborar estratégias as quais levem ao diagnóstico para a intervenção correta, tendo como proposito final a resolução das dificuldades encontradas. Portanto o psicopedagogotem em sua função ser mediador entre escola, aluno, família, com o intuito do aprendizado significativo e desenvolvimento das crianças, respeitando o planejamento e proposta escolar, como também os princípios família e contexto social ao qual o indivíduo está inserido. Tendo, caráter clinico e institucional, mediante a dislexia, conforme a ABD. Dislexia é um dos muitos distúrbios de aprendizagem, específico da linguagem, de origem constitucional, caracterizada pela dificuldadeem decodificar palavras simples. Mostra uma insuficiência no processo fonológico, sendo que tais dificuldades principalmente na decodificação de palavras simples,não são esperadas em relação à idade. Apesar de submetida à instrução convencional, adequada inteligência, oportunidade sociocultural e não possuir distúrbios cognitivos e sensoriais fundamentais, a criança falha no processo de aquisição da linguagem. A dislexia é apresentada em várias formas de dificuldades,com diferentes formas de linguagem, frequentemente incluídos problemas de leitura, em aquisição e capacidade de escrever e soletrar”. (www.associacaobrasileiradedislexia.com.br – acessoem março, 2016).
  • 10. 10 Para os médicos a dislexia, é o transtorno mental de comportamento, com comportamento especifico e significativo no desenvolvimento das habilidades de interpretação, compreensão da leitura e escrita. Sendo assim a dislexia é sugerida quando o aluno não atinge, as competências linguísticas e suas funções sensórias sejam normais, sem apresentar nenhuma deficiência física. Apesar das características que definem o transtorno em questão, muitas ainda são as dúvidas que permeiam a temática, sendo necessário um olhar minucioso por parte do profissional de psicopedagogia, já que é genético ou outras funções, tendo como diagnostico patológico apenas a dificuldade de aprendizado de leitura e escrita. [...] “não apresenta distúrbios a nível sensorial ou físico, a nível emocional, ou desvantagens socioeconômicas, culturais ou instrucionais, que possam ser consideradas causas para dificuldade de ler”. (MORAES, 2006, p. 81). Investigações cerebrais tem sido realizada no campo de estudo da dislexia, pois através dele é possível diagnosticar os diversos sentidos, propiciam na resolução da problemática com mais ênfase por parte do psicopedagogo. Em relação as funções cerebrais, Santos (1975, p. 21) já afirmava que a dislexia já foi relacionada com o canhotismo, porém não existe com probabilidade de tal concepção, já que o O Distúrbio conjumina também em indivíduos com lateralidade bem desenvolvida, quer canhotos ou destros. Existem inúmeros fatores a serem estudados para que se conjumine as causas da dislexia. Lanhez e Nico (2002, p. 67), afirmam que “muitas pesquisas levam em consideração alterações no padrão neurológico”. Isto implica afirmar que na maioria dos casos existe uma estrutura diferente no cérebro dos disléxicos. Tais autores trazem a constatação de que o volume do lobo temporal direito é maior do que o esquerdo, pois é nesta região que se encontram possivelmente, as funções responsáveis pela leitura, escrita e cálculos matemáticos. Os distúrbios genéticos também são apontamentos que encontram se em estudo, pois acredita - se que as terminações nervosas cerebrais, influenciam no
  • 11. 11 transtorno da dislexia. A intervenção psicopedagógico analisa cada fator, para chegar na melhor conclusão, com o objetivo de desenvolver o trabalho significativo. Nos estudos apresentados por Tomitch (2004, p. 167), ele apresenta a concepção de que, “A identificação e abstração das ideias principais é um dos processos fundamentais da cognição humana”. Portanto, os estudos que permeiam a prática da psicopedagogia sofrem grandes rupturas ao longo dos anos, que acrescentaram construção dos saberes acerca da dislexia. 3.1 Procedimentos para o diagnóstico e prognostico A realização do procedimento para o diagnóstico e prognostico completo do distúrbio da dislexia, tende a ser averiguada incialmente ocorrências genéticas, ou seja, o histórico familiar. Os diagnósticos devem ser feitos por vários profissionais da área médica e educacional, formando assim uma equipe multidisciplinar. Integrado dos seguintes profissionais: psicopedagogo, psicólogo, fonoaudiólogo, neurologista. Em procedimento investigativo, são eliminados fatores que norteiam qual é o real problema do aluno, até que se chegue ao resultado final da dislexia ou não. O proposito investigativo, não baseiasei apenas para encontrar a problemática, mas sim para encontrar qual o caminho a ser seguido, já que é um distúrbio sem cura. Portanto, o estudo tende a proporcionar o prognostico e encontrar estratégias significativas para a educação da criança e sua inserção social. Os alunos com dislexia obtêm melhores resultados com ensino por imagens, e momentos que chegam ao seu psicológico, através de suas emoções. Nas concepções, de Estill (2015) existem diversos sinais visíveis no comportamento e no caderno de crianças, que podem auxiliar aos pais e educadores a identificar precocemente alguns aspectos preditivos de dislexia, entre eles: Demora nas aquisições e desenvolvimento da linguagem oral; Dificuldades de expressão e compreensão; Alterações persistentes na fala; Copiar e escrever números e letras inadequadamente; Dificuldade para organizar-se no tempo, reconhecer as horas, dias da semana e meses do ano; Dificuldades para organizar sequências espaciais e temporais, ordenar as letras do alfabeto, sílabas em palavras longas, sequências de fatos; Pouco tempo de atenção
  • 12. 12 nas atividades, ainda que sejam muito interessantes; Dificuldade em memorizar fatos recentes -números de telefones e recados, por exemplo; Severas dificuldades para organizar a agenda escolar ou da rotina diária; Dificuldade em participar de brincadeiras coletivas; Pouco interesse em livros impressos e escutar histórias. Demora nas aquisições e desenvolvimento da linguagem oral; Dificuldade para organizar-se no tempo, reconhecer as horas, dias da semana e meses do ano; Dificuldade em memorizar fatos recentes - números de telefones e recados, por exemplo; Severas dificuldades para organizar a agenda escolar ou da rotina diária; Apesar de ainda não haver total consenso entre os cientistas a respeito das causas da dislexia, as pesquisas mais recentes apontam para uma associação de problemas genéticos como fator para o aparecimento do distúrbio. 3.2 Intervenção Terapêutica Como por intervenção em busca de procedimentos os quais influenciem e diminuam as consequências as quais esse distúrbio acarreta ao aluno em idade escolar. O psicopedagogo deve auxiliar o disléxico a encontrar a melhor estratégia para permear o seu aprendizado. Através de figuras, jogos, brincadeiras, trabalhos em grupos, são parte integrantes do procedimento de intervenção. Cabe a esse profissional valorizar e estimular o aprendizado do aluno, pois através da autoestima o aprendizado significativo ocorre de forma eficaz e com maior velocidade. Com acompanhamento adequado, a criança pode redescobrir suas capacidades e o prazer de aprender. A dislexia pode ser percebida pelo professor durante o processo de alfabetização e para Muter (apud SNOWLING E STACKHOUSE, 2004). O trabalho multidisciplinar, deve ser flexível, com aulas elaboradas com exercícios adequado para o aluno, respeitando suas diferenças, peculiaridades, individualidades e características, proporcionando habilidade que desenvolvam e desenvolvam capacidades e competências dos alunos. A participação da família também é parte integrante da capacitação e desenvolvimento intelectual, cognitivo e
  • 13. 13 físico dos alunos, pois através da rotina e trabalho em conjunto, facilita o aprendizado. Priorizando o aprendizado natural, dentro da capacidade de cada um, evitando cobranças e competições, que possam acrescentar frustração aos alunos, consequentemente prejudicando o aprendizado, ou até mesmo levando a desistência. Portanto é possível afirmar que a dislexia ainda não possui cura, mas o trabalho do psicopedagogo dentro do ambiente escolar em conjunto com a família, possibilita uma evolução significante de maneira prospera, evitando sequelas, cicatrizes emocionais, que machuquem o aluno internamente, que destruam a autoestima, assim consequentemente prejudicando a evolução não só no aprendizado, mas também social, de vida.
  • 14. 14 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Considera se a dislexia um distúrbio da aprendizagem onde o aluno apresenta dificuldade de leitura, escrita, interpretação e fixação mental, interpretação dos símbolos gráficos, normalmente apresentado no início da alfabetização, levando o aluno ao fracasso escolar, o qual já é de conhecimento de vários profissionais da medicina e da educação, porém muitas dúvidas ainda permeia as concepções. Nos estudos realizados ficou evidente que os profissionais envolvidos nessa área buscam constantemente estratégias para auxiliar esses alunos, o psicopedagogo sendo um profissional que atual multidisciplinarmente nas escolas, tem papel importante nesse desenvolvimento, já nas clinicas é um trabalho minucioso e intenso, sendo mais direto e dedicado. O processo de trabalho que permeiam a inclusão social, inclusive com os disléxicos muitas vezes é um processo longo e cansativo, criando certa frustração em ambos os envolvidos. Tendo a concepção psicopedagogia de que a dislexia é a dificuldade de aprender, faz se necessário que a formação desse profissional seja de qualidade, com referências e capacitação para o trabalho eficiente. Sendo assim, para se obter bons resultados com o aluno que apresenta a dislexia o trabalho multidisciplinar em conjunto com a família é de suma importância. Portanto, na escola o professor, juntamente com os demais profissionais envolvidos tem o papel de facilitador/mediador do aprendizado, e a família em conjunto apresenta o trabalho que envolve a afetividade, onde todos os participantes tem que ter respeito mútuo, para das confiança e autoestima ao aluno. Objetivando resultados eficientes, com trabalho eficiente, sendo que a escola tem o dever de agir com suporte educativo facilitador do desenvolvimento e formação do aluno. Logo, o trabalho em conjunto com eficiência acrescenta saberes aos alunos que apresentam o distúrbio da dislexia de forma saudável e natural de forma continuada, através de rotinas disciplinadas. Tendo a consciência que o êxito em um bom trabalho nos traz satisfação pessoal, como também a todos os demais envolvidos no contexto escolar e familiar.
  • 15. 15 REFERÊNCIAS BARBOSA, Laura Monte Serrat. Um diálogo entre a Psicopedagogiae a Educação. Curitiba: Bolsa Nacional do Livro, 2007. CHALITA, Gabriel. Educação – A solução está no afeto. São Paulo: Editora Gente, 2001. DEMO, Pedro. Educar pela Pesquisa. Campinas: Autores Associados, 1996. DEMO, Pedro. Aposta no Professor. Porto Alegre: Mediação, 2006. KHAN, Aamir. 2007. Como Estrelas na Terra – Toda criança é especial. Índia: Estúdio/Distrib: Aamir Khan Productions. FAGALI, Eloísa Quadros; VALE, Zélia Del Rio. Psicopedagogia Institucional aplicada. Petrópolis: Vozes, 2003. FERNÁNDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas 1990. FONSECA, Vitor da. Dificuldades de Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1995. HOFFMANN, Jussara. Avaliar para promover: as setas do caminho. Porto Alegre: Mediação, 2001. NOFFS, Neide. Psicopedagogo na Rede de Ensino. São Paulo: Elevação, 2003. OLIVEIRA, Vera Barros de. Avaliação Psicopedagógico da criança de zero a seis anos. Petrópolis: Vozes, 2005. PAIN, Sara. Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. POLITY, Elizabeth. Dificuldade de Ensinagem. Que história é essa...? São Paulo: Vetor, 2002. RUBINSTEIN, Edith. Psicopedagogia – Uma prática diferente estilos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005. WEISS, Maria Lucia. Psicopedagogia Clínica – Uma visão diagnóstica dos problemas de aprendizagem escolar. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 1999.