12 e os lusíadas canto viii patrícia silvério

11.187 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
152
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Paulo da Gama: irmão mais velho de Vasco da Gama; comanda a nau S. Rafael. Baco faz-se passar por Maomé.
  • Vasco da Gama apenas pretende obter alguns produtos da Índia para que, quando em Lisboa, possa provar que chegou ao destino. Enfrenta o Samorim com calma e confiança e convence-o. 3º parágrafo: pensa que as mercadorias lhe vão valer mais do que manter Vasco da Gama preso.
  • Vasco da Gama não regressa a terra pois não quer arriscar ser preso outra vez.
  • 12 e os lusíadas canto viii patrícia silvério

    1. 1. Os Lusíadas Considerações do Poeta Canto VIII Escola Secundária João de Deus Patrícia Silvério nº23 12ºE Professora: Cláudia Venâncio
    2. 2. Introdução <ul><li>Paulo da Gama explica ao Catual o significado dos símbolos das bandeiras portuguesas, contando-lhe episódios da História de Portugal nelas representados. </li></ul><ul><li>O Rei manda chamar os seus ministros que se dizem adivinhos e estes dizem que os portugueses vão destruir a gente e a riqueza dos Índios, ameaçando estes de perpétuo cativeiro. </li></ul><ul><li>Entretanto, Baco resolve agir contra os portugueses. Aparece em sonhos a um sacerdote árabe incitando-o a opor-se aos portugueses. Quando acorda, o sacerdote maometano instiga os outros a revoltarem-se contra Vasco da Gama. </li></ul>Catual : governador de fortaleza ou de cidade, no Oriente.
    3. 3. <ul><li>Vasco da Gama procura entender-se com o Samorim , que ordena a Vasco da Gama que regresse à frota, mostrando-lhe o desejo de trocar fazendas europeias por especiarias orientais. </li></ul><ul><li>Subornado pelos muçulmanos, o Catual impede o cumprimento das ordens do Samorim e pede a Vasco da Gama que mande aproximar a frota para embarcar, com o intuito de a destruir. Vasco da Gama, astuto e desconfiado, não aceita a proposta, sendo preso pelo Catual. </li></ul><ul><li>Com o receio de ser castigado pelo Samorim, por causa da demora, o Catual apresenta nova proposta a Vasco da Gama: deixa-o embarcar, mas terá de lhe dar em troca fazendas europeias. Vasco da Gama aceita e regressa à frota, depois de ter entregue as mercadorias pedidas. </li></ul>Samorim: é um título dos soberanos do antigo Estado hindu de Calecut.
    4. 4. Considerações do Poeta <ul><li>96 Nas naus estar se deixa vagaroso, Até ver o que o tempo lhe descobre: Que não se fia já do cobiçoso Regedor corrompido e pouco nobre. Veja agora o juízo curioso Quanto no rico, assim como no pobre, Pode o vil interesse e sede inimiga Do dinheiro, que a tudo nos obriga . </li></ul>Ali ficou, esperando os acontecimentos, pois perdera a confiança no Catual. O poeta tira a moral da história: veja-se o poder que o dinheiro tem sobre os ricos e sobre os pobres.
    5. 5. <ul><li>97 A Polidoro mata o Rei Treício, Só por ficar senhor do grão tesouro; Entra, pelo fortíssimo edifício, Com a filha de Acriso a chuva d'ouro; Pode tanto em Tarpeia avaro vício, Que, a troco do metal luzente e louro, Entrega aos inimigos a alta torre, Do qual quase afogada em pago morre. </li></ul>Depois de abrir a porta para os Sabinos que cercavam Roma, Tarpeia ficou soterrada debaixo dos montes de braceletes de ouro usados pelos soldados, que exigira como preço pela traição. O rei da Trácia Polimnestor, matou o filho de Priamo, confiado à sua guarda, só para lhe roubar o ouro. Dánae, filha de Acrísio, foi fechada numa torre de bronze para não ter filhos; mas Júpiter entrou metamorfoseado em chuva de ouro e engravidou-a.
    6. 6. <ul><li>98 Este rende munidas fortalezas, Faz tredores e falsos os amigos: Este a mais nobres faz fazer vilezas, E entrega Capitães aos inimigos; Este corrompe virginais purezas, Sem temer de honra ou fama alguns perigos: Este deprava às vezes as ciências, Os juízos cegando e as consciências </li></ul>Por causa do dinheiro rendem-se fortalezas, atraiçoam-se amigos, entregam-se capitães, perdem-se virgindades, corrompe-se o uso do saber.
    7. 7. 99 Este interpreta mais que sutilmente. Os textos; este faz e desfaz leis; Este causa os perjúrios entre a gente, E mil vezes tiranos torna os Reis. Até os que só a Deus Omnipotente Se dedicam, mil vezes ouvireis Que corrompe este encantador, e ilude; Mas não sem cor, contudo, de virtude. Por causa do ouro dão-se interpretações habilidosas aos textos; fazem-se e anulam-se leis; os homens perjuram, os reis tornam-se tiranos. E até os sacerdotes se deixam levar pela sua fascinação, embora sob aparências virtuosas.

    ×