SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
TRABALHO DE LITERATURAE.E.E.F.M. prof: bolívar  bordallo da  silvaBragança  pará   brasil EUCLIDES DA CUNHA .VIDA E PRODUÇÃO. Alunos da turma 208:               Bruno Emílio                         Professora: Ana Laura               Erica Patrícia               Jairo Sousa                Jaciana               Soraia
EUCLIDES DA CUNHAEscritor: 1866 - 1909 Euclides Rodrigues Pimenta da cunha nasceu em Cantagalo, Rio de Janeiro, no dia 20 de Janeiro de 1866. Morreu num duelo no Rio de Janeiro em 15 de agosto de 1909.
Manoel da cunha, avô de Euclides, Português, traficante de escravos, homem de posses estabelece-se na província da Bahia nos começos do século XIX. Casa-se com uma sertaneja Tereza Maria de Jesus, e tem um filho Manoel Rodrigues Pimenta da Cunha, pai do escritor, que vem a mudar-se para o Rio de Janeiro. Em sua geração, a sua família decai de sua condição de classe: guarda-livros, o pai de Euclides se insere na camada média da população.
Por volta da metade do século XIX, o vale do Rio Paraíba, na província Fluminense, assiste a expansão das lavouras cafeeiras, Manoel Rodrigues Pimenta da Cunha, percorre em função de seu ofício, as fazendas locais e assim conhecer Eudóxia, filha de um de um pequeno proprietário de terras. Casa-se e, a 20 de janeiro de 1866, nasce o primeiro filho do casal, o futuro escritor Euclides da Cunha Pai e Mãe de Euclides
PRODUÇÃO  DE EUCLIDES DA CUNHA
“Os sertões” e um livro Brasileiro, escrito por Euclides  Da Cunha, e publicado em 1902. Trata da guerra de Canudos (1896-1897), no interior  Da Bahia. Euclides da Cunha presenciou uma parte  Dessa Guerra como correspondente do Jornal O  ESTADO DE SÃO PAULO
Os Sertões : é um livro brasileiro, escrito por Euclides da Cunha e publicado em 1902.Trata da Guerra de Canudos (1896-1897), no interior da Bahia. Euclides da Cunha presenciou uma parte desta guerra como correspondente do jornal O Estado de S. Paulo, e ao retornar escreveu um dos maiores livros já escritos por um brasileiro. Pertence, ao mesmo tempo, à prosa científica e à prosa artística. Pode ser entendido como um obra de Sociologia, Geografia, História ou crítica humana. Mas não é errado lê-lo como uma epopeia da vida sertaneja em sua luta diária contra a paisagem e a incompreensão das elites governamentais.
Euclides da Cunha deixou claro em "Os Sertões" seu ponto de vista no que se refere ao racismo. Como a maioria dos de sua época, acreditava numa "raça superior", e em sua íntima relação com os de pele clara. Acreditava no embranquecimento dos brasileiros evitando a miscigenação com "raças inferiores", para que se pudesse manter uma certa "estabilidade", e assim, ter uma definição sistematizada da "raça brasileira".
". A obra foi concebida segundo o esquema rigoroso do determinismo de Taine, que via o homem como um produto de três fatores: meio ambiente, raça e momento histórico. As teses e os princípios científicos adotados pelo escritor envelheceram, achando-se na sua maioria desacreditados, atualmente. O determinismo considerava o mestiço brasileiro uma raça inferior, e Euclides da Cunha compartilha desta visão. Escreve, por exemplo: "Intentamos esboçar, palidamente embora, ante o olhar de futuros historiadores, os traços atuais mais expressivos das sub-raças sertanejas do Brasil. E fazemo-lo porque a sua instabilidade de complexos, aliada às vicissitudes históricas e deplorável situação mental em que jazem, as tornam talvez destinadas a próximo desaparecimento ante as exigências crescentes da civilização."[1] Todavia, a maneira pessoal e artística com que ele empregou essa teoria garante atualidade à obra, que, exceto nas asserções de caráter rigorosamente científico, não apresenta sintomas de envelhecimento.
"Os Sertões é uma obra de arte literária que aborda o avesso da modernização capitalista". O livro divide-se em três partes: A terra, O homem e A luta. A terra Na primeira parte são estudados o relevo, o solo, a fauna, a flora e o clima da região nordestina. Euclides da Cunha revelou que nada supera a principal calamidade do sertão: a seca. Registrou, ainda, que as grandes secas do Nordeste brasileiro obedecem a um ciclo de nove a doze anos, desde o século XVIII, numa ordem cabalística. O homem O determinismo julgava que o homem é produto do meio (geografia), da raça (hereditariedade) e do momento histórico (cultura). O autor faz uma análise brilhante da psicologia do sertanejo e de seus costumes. A luta Fala sobre o que foi a Guerra de Canudos e explica com riqueza de detalhes os fatos dessa guerra que dizimou a população de Canudos.
Considerada uma obra pré-modernista, o estilo deOs sertões é conflituoso, angustiado, torturado. Dá a impressão de sofrimento e luta. O autor faz uso de muitas figuras de linguagem, às vezes omite as conjunções (assindetismo), outras repete-as reiteradamente (polissindetismo). Ocorre, com frequência, a mistura de termos de alta erudição tecno-científica com regionalismos populares e neologismos do próprio autor.
“O papel de Euclides da Cunha na construção da memória da Guerra de Canudos é fundador. Seu livro, Os Sertões (1902 ), fez por uma insurreição popular o que nenhum outro foi capaz de fazer, no país: alçou a  tragédia paradigmática, mediante o louvor à coragem do vencido.”Cartas de Euclides no ano da guerra
“A viagem de Euclides como repórter pelo sertão foi um ritual de iniciação à religiosidade sertaneja e à magia da natureza, em que tentou compreender aquilo que chamou de “feição primitiva e misteriosa “ da campanha.” O combate à república para salvar a alma  “Em todos os sentidos, ”Os Sertões” é um livro não só singular, mas insólito. É como uma estátua da ilha de Páscoa na paisagem, nem sequer literária, brasileira. Está aquém e além da literatura.” Primeira leitura de “Os Sertões“   
EUCLIDES DA CUNHA ESCRITOR DO SUCESSO “OS SERTÕES”
LITERATURA BRASILEIRA PROFESSORA: ANA  LAURA ALUNOS: BRUNO EMILIO ERICA PATRICIA JAIRO SOUSA JACIANA SORAIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (19)

Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobatoIdeias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
 
Lima barreto
Lima barretoLima barreto
Lima barreto
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Contos completos de lima barret lima barreto
Contos completos de lima barret   lima barretoContos completos de lima barret   lima barreto
Contos completos de lima barret lima barreto
 
Conhecendo monteiro lobato
Conhecendo monteiro lobatoConhecendo monteiro lobato
Conhecendo monteiro lobato
 
Urupês
UrupêsUrupês
Urupês
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATOURUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
 
Trabalho Monteiro
Trabalho MonteiroTrabalho Monteiro
Trabalho Monteiro
 
Vidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto HistórioVidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto Histório
 
Linha de tempo da vida de monteiro lobato
Linha de tempo da vida de monteiro lobatoLinha de tempo da vida de monteiro lobato
Linha de tempo da vida de monteiro lobato
 
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro LobatoSlide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
O cortiço trabalho de português
O cortiço   trabalho de portuguêsO cortiço   trabalho de português
O cortiço trabalho de português
 

Destaque

Euclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenheEuclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenhellegiordano
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunhallegiordano
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaJosé Ricardo Lima
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-ModernismoCrisBiagio
 
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valerEuclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valerPaulo Souto 25
 
Calendários de atividades letivas finais
Calendários de atividades letivas finaisCalendários de atividades letivas finais
Calendários de atividades letivas finaisEOBlog
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosMima Badan
 
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da Cunha
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da CunhaO Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da Cunha
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da CunhaFUGRS
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjosLuis Bonfim
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5sansampa
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaDouglas Maga
 
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Eu e outras poesias
Eu e outras poesiasEu e outras poesias
Eu e outras poesiasalpisveredas
 

Destaque (20)

Euclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenheEuclides da cunha - Ana frenhe
Euclides da cunha - Ana frenhe
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valerEuclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
Euclides da Cunha mostra que Paulo Souto realiza pra valer
 
Calendários de atividades letivas finais
Calendários de atividades letivas finaisCalendários de atividades letivas finais
Calendários de atividades letivas finais
 
A esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos AnjosA esperança - Augusto dos Anjos
A esperança - Augusto dos Anjos
 
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da Cunha
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da CunhaO Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da Cunha
O Pensamento Político Brasileiro - Vol.5 - Euclides da Cunha
 
Augusto
AugustoAugusto
Augusto
 
Os Sertões
Os SertõesOs Sertões
Os Sertões
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
 
História em quadrinho 6ºc 5
História em quadrinho    6ºc   5História em quadrinho    6ºc   5
História em quadrinho 6ºc 5
 
Frida khalo
Frida khaloFrida khalo
Frida khalo
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjos
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Pre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da horaPre Modernismo by trabalho da hora
Pre Modernismo by trabalho da hora
 
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
 
Eu e outras poesias
Eu e outras poesiasEu e outras poesias
Eu e outras poesias
 

Semelhante a t

Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da CunhaTrabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da CunhaHarize Rose
 
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptx
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptxOs sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptx
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptxalmeidaluana280
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismoensbc
 
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.Grupo Educacional Opet
 
Pre-modernismo,Autores e os sertoes
Pre-modernismo,Autores e os sertoesPre-modernismo,Autores e os sertoes
Pre-modernismo,Autores e os sertoesThais Santos
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismoterceirob
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunhasuzy byllu
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismoAna Batista
 
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptPré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptValdenirSilva15
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasilJonatas Carlos
 
Pré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêsPré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêssheilabeca
 

Semelhante a t (20)

Sertoes
SertoesSertoes
Sertoes
 
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da CunhaTrabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
Trabalho de Literatura - Os Sertões e Euclides da Cunha
 
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptx
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptxOs sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptx
Os sertões,Euclides da cunha, formalismo.pptx
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
 
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
Os sertões e suas questões sociais. Eulcides da Cunha e o litoral vs sertão.
 
Pre-modernismo,Autores e os sertoes
Pre-modernismo,Autores e os sertoesPre-modernismo,Autores e os sertoes
Pre-modernismo,Autores e os sertoes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Literatura do pré modernismo
Literatura do pré modernismoLiteratura do pré modernismo
Literatura do pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.pptPré-modernismo - Parte 1.ppt
Pré-modernismo - Parte 1.ppt
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Aula 19 pré - modernismo - brasil
Aula 19   pré - modernismo - brasilAula 19   pré - modernismo - brasil
Aula 19 pré - modernismo - brasil
 
Apostila pré modernismo
Apostila pré modernismoApostila pré modernismo
Apostila pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pre modernismo
Pre modernismo Pre modernismo
Pre modernismo
 
Pré-Modernismo português
Pré-Modernismo portuguêsPré-Modernismo português
Pré-Modernismo português
 

Mais de Raimundo Mizael Gonçalves da Luz

Mais de Raimundo Mizael Gonçalves da Luz (20)

Uma escola fantástica ecrama-pdf
Uma escola fantástica ecrama-pdfUma escola fantástica ecrama-pdf
Uma escola fantástica ecrama-pdf
 
Exercicios de fisica 1º e.m - I.S.T
Exercicios de fisica   1º e.m - I.S.TExercicios de fisica   1º e.m - I.S.T
Exercicios de fisica 1º e.m - I.S.T
 
Relatório s.f.g.
Relatório s.f.g.Relatório s.f.g.
Relatório s.f.g.
 
Atividade de prática pedagógica
Atividade de prática pedagógicaAtividade de prática pedagógica
Atividade de prática pedagógica
 
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório  pesquisação Sócio Cultural e EconômicoRelatório  pesquisação Sócio Cultural e Econômico
Relatório pesquisação Sócio Cultural e Econômico
 
Atividade Avaliativa
Atividade AvaliativaAtividade Avaliativa
Atividade Avaliativa
 
Relatorio da partilha de Saberes
Relatorio da partilha de SaberesRelatorio da partilha de Saberes
Relatorio da partilha de Saberes
 
Relatório de tutoria
Relatório de tutoriaRelatório de tutoria
Relatório de tutoria
 
Teste de sondagem bbs 2011
Teste de sondagem   bbs 2011Teste de sondagem   bbs 2011
Teste de sondagem bbs 2011
 
Prova do 2º ano
Prova do 2º anoProva do 2º ano
Prova do 2º ano
 
ATIVIDADE AVALIATIVA DE MATEMATICA - 6ª SÉR
ATIVIDADE AVALIATIVA DE MATEMATICA - 6ª SÉRATIVIDADE AVALIATIVA DE MATEMATICA - 6ª SÉR
ATIVIDADE AVALIATIVA DE MATEMATICA - 6ª SÉR
 
Ativ aval física_1º e.m
Ativ aval física_1º e.mAtiv aval física_1º e.m
Ativ aval física_1º e.m
 
Área e Perímetro
Área e Perímetro Área e Perímetro
Área e Perímetro
 
Relatório de visitas Técnicas aos Projetos
Relatório de visitas Técnicas aos ProjetosRelatório de visitas Técnicas aos Projetos
Relatório de visitas Técnicas aos Projetos
 
Como escrever uma redação nota 10 no enem
Como escrever uma redação nota 10 no enemComo escrever uma redação nota 10 no enem
Como escrever uma redação nota 10 no enem
 
Atividades resolvidas
Atividades resolvidasAtividades resolvidas
Atividades resolvidas
 
Atividades avaliativas-IST
Atividades avaliativas-ISTAtividades avaliativas-IST
Atividades avaliativas-IST
 
Ufpa leitura recomendadas
Ufpa   leitura recomendadasUfpa   leitura recomendadas
Ufpa leitura recomendadas
 
Exerc. prop. matemática 1º ens. médio
Exerc. prop. matemática   1º ens. médioExerc. prop. matemática   1º ens. médio
Exerc. prop. matemática 1º ens. médio
 
Exercício proposto matemática - 2º ens.médio
Exercício proposto   matemática - 2º ens.médioExercício proposto   matemática - 2º ens.médio
Exercício proposto matemática - 2º ens.médio
 

t

  • 1. TRABALHO DE LITERATURAE.E.E.F.M. prof: bolívar bordallo da silvaBragança pará brasil EUCLIDES DA CUNHA .VIDA E PRODUÇÃO. Alunos da turma 208: Bruno Emílio Professora: Ana Laura Erica Patrícia Jairo Sousa Jaciana Soraia
  • 2. EUCLIDES DA CUNHAEscritor: 1866 - 1909 Euclides Rodrigues Pimenta da cunha nasceu em Cantagalo, Rio de Janeiro, no dia 20 de Janeiro de 1866. Morreu num duelo no Rio de Janeiro em 15 de agosto de 1909.
  • 3. Manoel da cunha, avô de Euclides, Português, traficante de escravos, homem de posses estabelece-se na província da Bahia nos começos do século XIX. Casa-se com uma sertaneja Tereza Maria de Jesus, e tem um filho Manoel Rodrigues Pimenta da Cunha, pai do escritor, que vem a mudar-se para o Rio de Janeiro. Em sua geração, a sua família decai de sua condição de classe: guarda-livros, o pai de Euclides se insere na camada média da população.
  • 4. Por volta da metade do século XIX, o vale do Rio Paraíba, na província Fluminense, assiste a expansão das lavouras cafeeiras, Manoel Rodrigues Pimenta da Cunha, percorre em função de seu ofício, as fazendas locais e assim conhecer Eudóxia, filha de um de um pequeno proprietário de terras. Casa-se e, a 20 de janeiro de 1866, nasce o primeiro filho do casal, o futuro escritor Euclides da Cunha Pai e Mãe de Euclides
  • 5. PRODUÇÃO DE EUCLIDES DA CUNHA
  • 6. “Os sertões” e um livro Brasileiro, escrito por Euclides Da Cunha, e publicado em 1902. Trata da guerra de Canudos (1896-1897), no interior Da Bahia. Euclides da Cunha presenciou uma parte Dessa Guerra como correspondente do Jornal O ESTADO DE SÃO PAULO
  • 7. Os Sertões : é um livro brasileiro, escrito por Euclides da Cunha e publicado em 1902.Trata da Guerra de Canudos (1896-1897), no interior da Bahia. Euclides da Cunha presenciou uma parte desta guerra como correspondente do jornal O Estado de S. Paulo, e ao retornar escreveu um dos maiores livros já escritos por um brasileiro. Pertence, ao mesmo tempo, à prosa científica e à prosa artística. Pode ser entendido como um obra de Sociologia, Geografia, História ou crítica humana. Mas não é errado lê-lo como uma epopeia da vida sertaneja em sua luta diária contra a paisagem e a incompreensão das elites governamentais.
  • 8. Euclides da Cunha deixou claro em "Os Sertões" seu ponto de vista no que se refere ao racismo. Como a maioria dos de sua época, acreditava numa "raça superior", e em sua íntima relação com os de pele clara. Acreditava no embranquecimento dos brasileiros evitando a miscigenação com "raças inferiores", para que se pudesse manter uma certa "estabilidade", e assim, ter uma definição sistematizada da "raça brasileira".
  • 9. ". A obra foi concebida segundo o esquema rigoroso do determinismo de Taine, que via o homem como um produto de três fatores: meio ambiente, raça e momento histórico. As teses e os princípios científicos adotados pelo escritor envelheceram, achando-se na sua maioria desacreditados, atualmente. O determinismo considerava o mestiço brasileiro uma raça inferior, e Euclides da Cunha compartilha desta visão. Escreve, por exemplo: "Intentamos esboçar, palidamente embora, ante o olhar de futuros historiadores, os traços atuais mais expressivos das sub-raças sertanejas do Brasil. E fazemo-lo porque a sua instabilidade de complexos, aliada às vicissitudes históricas e deplorável situação mental em que jazem, as tornam talvez destinadas a próximo desaparecimento ante as exigências crescentes da civilização."[1] Todavia, a maneira pessoal e artística com que ele empregou essa teoria garante atualidade à obra, que, exceto nas asserções de caráter rigorosamente científico, não apresenta sintomas de envelhecimento.
  • 10. "Os Sertões é uma obra de arte literária que aborda o avesso da modernização capitalista". O livro divide-se em três partes: A terra, O homem e A luta. A terra Na primeira parte são estudados o relevo, o solo, a fauna, a flora e o clima da região nordestina. Euclides da Cunha revelou que nada supera a principal calamidade do sertão: a seca. Registrou, ainda, que as grandes secas do Nordeste brasileiro obedecem a um ciclo de nove a doze anos, desde o século XVIII, numa ordem cabalística. O homem O determinismo julgava que o homem é produto do meio (geografia), da raça (hereditariedade) e do momento histórico (cultura). O autor faz uma análise brilhante da psicologia do sertanejo e de seus costumes. A luta Fala sobre o que foi a Guerra de Canudos e explica com riqueza de detalhes os fatos dessa guerra que dizimou a população de Canudos.
  • 11. Considerada uma obra pré-modernista, o estilo deOs sertões é conflituoso, angustiado, torturado. Dá a impressão de sofrimento e luta. O autor faz uso de muitas figuras de linguagem, às vezes omite as conjunções (assindetismo), outras repete-as reiteradamente (polissindetismo). Ocorre, com frequência, a mistura de termos de alta erudição tecno-científica com regionalismos populares e neologismos do próprio autor.
  • 12. “O papel de Euclides da Cunha na construção da memória da Guerra de Canudos é fundador. Seu livro, Os Sertões (1902 ), fez por uma insurreição popular o que nenhum outro foi capaz de fazer, no país: alçou a tragédia paradigmática, mediante o louvor à coragem do vencido.”Cartas de Euclides no ano da guerra
  • 13. “A viagem de Euclides como repórter pelo sertão foi um ritual de iniciação à religiosidade sertaneja e à magia da natureza, em que tentou compreender aquilo que chamou de “feição primitiva e misteriosa “ da campanha.” O combate à república para salvar a alma “Em todos os sentidos, ”Os Sertões” é um livro não só singular, mas insólito. É como uma estátua da ilha de Páscoa na paisagem, nem sequer literária, brasileira. Está aquém e além da literatura.” Primeira leitura de “Os Sertões“  
  • 14. EUCLIDES DA CUNHA ESCRITOR DO SUCESSO “OS SERTÕES”
  • 15. LITERATURA BRASILEIRA PROFESSORA: ANA LAURA ALUNOS: BRUNO EMILIO ERICA PATRICIA JAIRO SOUSA JACIANA SORAIA