Soneto
          » Aguarela do Silêncio  »      
Quando o silêncio fala, fala à gente Como a presença de uma mão querida,
Como um sorriso numa despedida, Como a saudade de um amigo ausente…
Quando o silêncio fala a pedra sente E, em abraços ternos, toda a vida
Se expande, docemente colorida, Desde o amanhecer ao sol poente…
Então, em tons de verde eu deito a alma E beijo o meu azul ardentemente… Bebo o vinho vermelho do poente
E espraio-me na noite e nessa calma, Abarco tudo e todos no presente… Quando o silêncio fala e a pedra sente…
 
 
Soneto, dicção e formatação de Maria de Aguiar Marçalo Maria Inês.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AGUARELA DO SILÊNCIO

572 visualizações

Publicada em

POESIA

Publicada em: Educação, Saúde e medicina
2 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Muy original y linda presentación. Además la serenata de Schubert la acompaña armoniosamente.Me encantó el toque surrealista que le diste. La vi tres veces . Considero que tu presentación es diferente , original, moderna, sencilla, artística y hermosa.
    Por todas esas razones, voto con agrado por ella. Felicidades!!!!!!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Beautiful! Thanks, Maria!...
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
2
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AGUARELA DO SILÊNCIO

  1. 1. Soneto
  2. 2.           » Aguarela do Silêncio  »      
  3. 3. Quando o silêncio fala, fala à gente Como a presença de uma mão querida,
  4. 4. Como um sorriso numa despedida, Como a saudade de um amigo ausente…
  5. 5. Quando o silêncio fala a pedra sente E, em abraços ternos, toda a vida
  6. 6. Se expande, docemente colorida, Desde o amanhecer ao sol poente…
  7. 7. Então, em tons de verde eu deito a alma E beijo o meu azul ardentemente… Bebo o vinho vermelho do poente
  8. 8. E espraio-me na noite e nessa calma, Abarco tudo e todos no presente… Quando o silêncio fala e a pedra sente…
  9. 11. Soneto, dicção e formatação de Maria de Aguiar Marçalo Maria Inês.

×