3 atls

395 visualizações

Publicada em

atls

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3 atls

  1. 1. Atendimento inicial ao traumatizado Luiz Carlos Ufei Hassegawa Tit.Esp.Med.Intensiva AMIB/AMB Tit.Esp.Clin.Médica SBCM/AMB Tit.Esp.Cardiologia SBC/AMB Pos Grad.Geriatria(PUC/RS) Pos Grad.Met. Ens.Sup. Mestrando / HSESP
  2. 2. Atendimento inicial ao traumatizado
  3. 3. TRAUMA: principal causademorte1-44ª (populaçãoeconomicamenteativa, invalidez) Automóvel >queda>afogamento>queimadura Mortepor PAF=automóvel
  4. 4. Distribuição das mortes 1º pico: minutos=apneiapor lesãocerebral, rupturaaorta, coração... 2º pico: horas=hemorragiaintra craniana, hemopneumotórax, hemorragia por laceração fígado, baço 3º pico: apósdias=infecção, insuficiênciade órgãos(renal, respiratória...)
  5. 5. Antesde1980: Colher historiacompleta Examefísico: seqüênciadacabeçaateospés Examescomplementares mortesna1ª hora
  6. 6. Após 1980 = ATLS Novaabordagem, treinamentodeequipes, segueoutra seqüência • Prioridadeàslesõescommaior ameaçaàvida • Faltadodiagnosticonãodeve impedir aplicaçãodotratamento • Historiadetalhadanãoéessencial
  7. 7. Trauma mata de acordo com uma cronologia Obstrução de vias aéreas incapacidade de respirar redução da volemia lesão expansiva intracraniana Seqüência ABCDE : Identifica a lesão e já trata
  8. 8. vias aéreas e proteção coluna cervical Avaliar vias aéreas e assegurar permeabilidade Sinais: • Agitação/torpor, cianose • Estridor, ronco • Corpo estranho em orofaringe (sangue/dente/vomito) • Musculatura acessória (tiragem, batimento nasal) • Edema face • OBS: se comunicar verbalmente: pouco provável ter lesão
  9. 9. tratamento Elevar mento/anteriorizar mandíbula Colocar canuladeGuedel*
  10. 10. tratamento Aspirar orofaringe O2sobmáscara(todos)
  11. 11. Se inconsciente ou apneia: Instalar via aérea definitiva: EOT (Entubação Oro-traqueal)
  12. 12. Seqüência
  13. 13. Entubação frontal
  14. 14. tratamento Entubação Naso-traqueal = ENT
  15. 15. tratamento Cricotireoidostomia Punçãocricotireoide Insuflaçãoemjato (1s=4s)
  16. 16. Cuidado com coluna cervical Sempre considerar lesão (fratura/luxacao) Não fazer hiperextensão/rotação/flexão da cabeça Deixar imobilizada (colocar colar cervical)
  17. 17. Se retirar o colar temporariamente: 1 pessoa imobiliza a cabeça, outra retira o colar
  18. 18. respiração bom funcionamento do pulmão e parede torácica avaliar os 2 e já tratar a lesão INSPEÇÃO PESCOÇO/TÓRAX : expansibilidade tórax taquipnéia respiração paradoxal ferimentos
  19. 19. Exame físico Ausculta (diminuição MV) Percussão (macicez/timpanismo) Palpação (crepitação, desvio traquéia, dor, afundamento)
  20. 20. Identificam-se Pneumotórax hipertensivo ( MV, hipertimpanismo, desvio traquéia) Hemotórax maciço Pneumotórax aberto ( MV, macicez) Tórax instável (movimento paradoxal) Fratura de costela (enfisema subcutâneo)
  21. 21. tratamento A = O2 máscara/entubação/ventilação mecânica Drenar tórax (5º espaço) analgesia
  22. 22. Circulacao e controle hemorragia Causa evitável Principal causa de choque no traumatizado Volemia= 7% peso corporal
  23. 23. avaliacao Volemia: agitação ou inconsciência cor da pele pulsos (freqüência e amplitude) PA * ferimentos com sangramento ativo OBS: • ausência sangramento externo com choque (sangramento intraabdominal/hemotórax/bacia) • idoso= FC não altera • Crianças= FC só altera tardiamente
  24. 24. tratamento 2 acessos venosos periféricos curtos e calibrosos Antebraço- braço- dissecção safena- central- intraósseo Cristalóide (RL/SF*) Adulto= 1-2l 30min Criança= 20ml/kg Observar resposta:FC/pulso/consciência/cor/diurese Repetir 3x, depois repor com sangue
  25. 25. Classificação para estimar volume perdido Grau1 Grau2 Grau3 grau4 Perda sangue Ate 15% 15-30% 30-40% >40% Volume 750ml 750-1500ml 1500-2000ml >2000ml FC <100 100-120 120-140 >140 Amplitude normal Dim dim Quase ausente FR normal 20-30 30-35 >35 Consciencia Ansioso Agitado confuso obnubilado Cor normal Leve palidez Palido Cinza Diurese >50ml/h 30ml/h 15ml/h anuria PA Normal normal diminuida Dim/ausente reposicao RL RL RL+SG RL+SG
  26. 26. dano neurologico Avaliacao neurológica rápida: Consciência: Glasgow Pupilas (isocoria/reflexo fotomotor) Sinais de lateralização (plegia) OBS: descartar drogas/álcool/hipoglicemia Conduta: A,B,C, elevar cabeceira, anticolvulsivantes
  27. 27. Glasgow AberturaOcular Espontânea–4 AVoz–3 ADor –2 Ausente ––1 RespostaVerbal Orientado–5 Confuso-4 palavradesconexa-3 somincompreensível –2 Ausente– 1 Resposta Motora Obedeceacomando–6 localizador - 5 retiradaador - 4 flexaoanormarl- 3 Extensãoanormal –2 Ausente- 1
  28. 28. exposição/controle temperatura Despir o paciente, proteger do frio Retirar roupas, talas, curativos
  29. 29. Medidas auxiliares Após controle dos 5 itens já se tem idéia do diagnóstico, quais exames pedir, o paciente já esta sendo estabilizado, indicação de cirurgia ou não Monitor cardíaco (todo trauma de tórax anterior) Sonda nasogástrica Sonda vesical
  30. 30. exames Radiografia Tomografia USG EAS arteriografia
  31. 31. Pacientes:
  32. 32. Resumo: Avaliar viasaéreasedesobstruir Tórax: expansibilidade/ausculta/palpação/percussão drenar torax Pulsosperiféricosamplitude/freqüência, cor dapele puncionar veia, correr RL Nível consciência, pupilas, déficitsmotores Retirar talas/roupas, ver ferimentos
  33. 33. Obrigada!

×