Códigos e linguagens

706 visualizações

Publicada em

Uma atividade de interpretação de texto - ENEM

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Códigos e linguagens

  1. 1. Códigos e Linguagens Língua Portuguesa Leia o texto a seguir para responder as questões de 1 a 5. TEXTO 1 Inferno nacional A historinha abaixo transcrita surgiu no folclore de Belo Horizonte e foi contada lá, numa versão política. Não é o nosso caso. Vai contada aqui no seu mais puro estilo folclórico, sem maiores rodeios. Diz que era uma vez um camarada que abotoou o paletó. Em vida o falecido foi muito dado à falcatrua, chegou a ser candidato a vereador pelo PTB, foi diretor de instituto de5 previdência, foi amigo do Tenório, enfim... ao morrer nem conversou: foi direto para o Inferno. Em lá chegando, pediu audiência a Satanás e perguntou: - Qual é o lance aqui? Satanás explicou que o Inferno estava dividido em diversos departamentos, cada um administrado por um país, mas o falecido não precisava ficar no departamento administrado10 pelo seu país de origem. Podia ficar no departamento do país que escolhesse. Ele agradeceu muito e disse a Satanás que ia dar uma voltinha para escolher o seu departamento. Está claro que saiu do gabinete do Diabo e foi logo para o departamento dos Estados Unidos, achando que lá devia ser mais organizado o inferninho que lhe caberia para toda a eternidade. Entrou no departamento dos Estados Unidos e perguntou como era o regime ali.15 - Quinhentas chibatadas pela manhã, depois passar duas horas num forno de duzentos graus. Na parte da tarde: ficar numa geladeira de cem graus abaixo de zero até as três horas, e voltar ao forno de duzentos graus. O falecido ficou besta e tratou de cair fora, em busca de um departamento menos rigoroso. Esteve no da Rússia, no do Japão, no da França, mas era tudo a mesma coisa. Foi aí20 que lhe informaram que tudo era igual: a divisão em departamento era apenas para facilitar o serviço no Inferno, mas em todo lugar o regime era o mesmo: quinhentas chibatadas pela manhã, forno de duzentos graus durante o dia e geladeira de cem graus abaixo de zero pela tarde. O falecido já caminhava desconsolado por uma rua infernal, quando viu um25 departamento escrito na porta: Brasil. E notou que a fila à entrada era maior do que a dos outros departamentos. Pensou com suas chaminhas: "Aqui tem peixe por debaixo do angu". Entrou na fila e começou a chatear o camarada da frente, perguntando por que a fila era maior e os enfileirados menos tristes. O camarada da frente fingia que não ouvia, mas ele tanto insistiu que o outro, com medo de chamarem a atenção, disse baixinho:30 - Fica na moita, e não espalha não. O forno daqui está quebrado e a geladeira anda meio enguiçada. Não dá mais de trinta e cinco graus por dia. - E as quinhentas chibatadas? - perguntou o falecido. - Ah... o sujeito encarregado desse serviço vem aqui de manhã, assina o ponto e cai fora. PONTE PRETA, Stanislaw. Gol de padre e outras crônicas. São Paulo: Ática. (Para Gostar de Ler 23)
  2. 2. 1. De acordo com o texto é correto afirmar: a) Que o falecido era brasileiro de Belo Horizonte. b) Que a política de castigos era organizada e padrão em todos os departamentos, menos no Brasil. c) A alegoria dos departamentos no inferno se remete à forma como observamos a política e lei em cada país. d) Que o Brasil é desorganizado e precisa ter seus conceitos sobre ética revistos. e) Que Satanás estava a par da situação do departamento do Brasil no inferno. 2. Refazendo a leitura do texto, nota-se que o narrador: a) Está propenso a apenas descrever os fatos. b) É imparcial na sua descrição do personagem principal. c) É onisciente, conhece profundamente o protagonista, chegando a sondar os seus pensamentos e sentimentos. d) Conta a história sem se atrever a fazer uma introspecção, ou seja, sem revelar o que ele mesmo pensa a respeito dele mesmo como narrador dessa história. e) Cria uma expectativa com relação ao personagem principal, fazendo dele um heroi. 3. Em “Esteve no da Rússia, no do Japão, no da França, mas era tudo a mesma coisa” (linha 20) se remetem, respectivamente, a: a) Departamento / castigo (tudo) b) Inferno / castigo e departamento (tudo) c) Inferno / departamento e castigo (tudo) d) Castigo / departamento e inferno (tudo) e) Departamento / departamentos, castigo e inferno (tudo) ATENÇÃO: As questões de 4 a 6 apresentam mais de uma afirmativa correta. Preencha, na FOLHA DE RESPOSTA, apenas os espaços (bolhas) correspondentes às afirmativas corretas. 4. Fazendo uma análise sintático-semântica de alguns trechos do texto, correto afirmar que: I. Em “Satanás explicou que o Inferno estava dividido em diversos departamentos, cada um administrado por um país, mas o falecido não precisava ficar no departamento administrado pelo seu país de origem” (linhas 9 a 11), o uso do mas é igual ao usado na expressão “Não é bombeiro, mas policial civil. II. Em “"Aqui tem peixe por debaixo do angu" (linha 27), está relacionado ao departamento do Brasil no Inferno. III. Em “O camarada da frente fingia que não ouvia, mas ele tanto insistiu que o outro, com medo de chamarem a atenção, disse baixinho:” (linhas 29 e 30) existe uma relação de causa-consequência marcada apenas pelo conectivo mas. IV. O “quando” pode ser substituído pelo conector “até que”, sem prejuízo ao sentido do texto no trecho “O falecido já caminhava desconsolado por uma rua infernal, quando viu um departamento escrito na porta: Brasil.” V. Na sentença “E notou que a fila à entrada era maior do que a dos outros departamentos” está claramente expressa uma relação de comparação entre elementos. 5. São trechos que correspondem ao chamado discurso indireto das personagens: I. “- Qual é o lance aqui?” (linha 8) II. “Satanás explicou que o Inferno estava dividido em diversos departamentos (...) (linha 9) III. “Ele agradeceu muito e disse a Satanás que ia dar uma voltinha para escolher o seu departamento.” (linhas 11 e 12) IV. "Aqui tem peixe por debaixo do angu" (linha 27) V. “- E as quinhentas chibatadas?” (linha 33)
  3. 3. Leia o texto 2 para responder a questão 6. TEXTO 2 6. Com relação às palavras solitário e solteirão, no texto 2, é correto afirmar: I. Que solteirão e solitários são termos próximos e sinônimos em todas as situações. II. Que no entendimento da menina (3º quadrinho) as palavras são sinônimas por associação. III. Que solitário e solteirão podem compartilhar sentidos semelhantes (uma pessoa que anda ou vive sozinha) IV. Que, comumente, usamos “solitário” para descrever uma pessoa que vive ou está frequentemente sozinha, mas não utilizamos a palavra “solteirão” para isso em nenhum caso. V. Que as palavras “solteirão” e “solitário” não podem ser sinônimas em todas as situações.

×