SlideShare uma empresa Scribd logo
AMBIGUIDADE, DÊIXIS E
ANÁFORA
SEMÂNTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
AMBIGUIDADE
 Quando temos um enunciado que permite duas
ou mais leituras.
Ladrões inovam no ataque a mulheres em carro.
Leitura 1: ladrões atacam mulheres que estão nos carros.
Leitura 2: ladrões usam carros para atacar mulheres.
AMBIGUIDADE
Duquesa deYork diz que nobreza quer
manchar sua imagem
Leitura 1: duquesa diz que sua imagem está sendo manchada
pela nobreza.
Leitura 2: a nobreza quer sua própria imagem
manchada, segundo disse a duquesa.
Ana foi para a casa de Raquel e disse que vai
ficar lá para ir a uma festa da amiga dela.
Leitura 1: A festa será de uma amiga de Ana.
Leitura 2: A festa será de uma amiga de Raquel.
REFLEXÃO SOBRE AMBIGUIDADE
 Você lembra de alguma experiência em que
você interpretou mal algo ou você foi mal
interpretado?
REFLEXÃO SOBRE AMBIGUIDADE
 Quais as leituras que temos das orações
abaixo e como as desambiguamos?
Pelé critica futebol movido por dinheiro
A tarde, Salvador, 6.9.1994
Time pega Flamengo sem cinco titulares
FSP, 1.10.1996
Detido acusado de furto de processos.
FSP, 8.7.2000
DÊIXIS
 Sua principal missão é apontar um termo
antes citado e saliente na situação.
 Pronomes, artigos, alguns advérbios e o
tempo de alguns verbos;
Maria, ponha isso lá fora em qualquer parte.
Junto com as outras?
Não ponha junto com as outras, não. Senão pode vir
alguém e querer fazer qualquer coisa com elas. Ponha no
lugar do outro dia.
DÊIXIS
 Os dêiticos fazem com que retomemos um
termo antes citado.
 Os dêiticos tem significadoTOTALMENTE
dependente de um referente.
 Referente é o termo retomado.
 Expõem algumas características do termo:
gênero, número, posição no espaço e vez no
discurso.
Equívocos
Luis FernandoVeríssimo
A Espada
Uma família de classe média alta. Pai, mulher, um
filho de sete anos. É a noite do dia em que o filho
fez sete anos. A mãe recolhe os detritos da festa. O
pai ajuda o filho a guardar os presentes que
ganhou dos amigos. Nota que o filho está quieto e
sério, mas pensa: "É o cansaço." Afinal ele
passou o dia correndo de um lado para o
outro, comendo cachorro-quente e
sorvete, brincando com os convidados por
dentro e por fora da casa. Tem que estar
cansado.
- Quanto presente, hein, filho?
- É.
- E esta espada. Mas que beleza. Esta eu não
tinha visto.
- Pai...
- E como pesa! Parece uma espada de verdade.
É de metal mesmo. Quem foi que deu?
- Era sobre isso que eu queria falar com você.
O pai estranha a seriedade do filho. Nunca o viu
assim.
ANÁFORA
 A anáfora tem a função de retomar um termo
anteriormente citado no texto (escrito ou oral).
 Há algumas diferenças básicas entre dêixis e
anáfora: podemos dizer que os elementos
anafóricos retomam algo, mas os dêiticos
apontam um termo saliente no texto.
 A anáfora pode introduzir novas informações e
pode ser dotada de algum sentido. Dêiticos não.
 Anáforas podem ser feitas através de nomes,
pronomes, perífrases, numerais, advérbios
locativos, sinônimos e hiperônimos.
Terra de monstros
Luis FernandoVeríssimo
No seu livro, A história natural dos
sentidos, Diane Ackerman especula sobre o
que um visitante de outra galáxia pensaria
do que comemos. Se o extraterrestre
resolvesse dar um jantar de confraternização
na nave-mãe para representantes de todos
os povos daTerra, teria dificuldade em
organizar o menu e mais dificuldade ainda
em conter a ânsia de vômitos.
Sendo um ser perfeito que se alimenta só de
luz líquida, como todos os alienígenas
hipotéticos, nosso visitante não entenderia
como os alemães conseguem comer repolho
azedo com tanta alegria, por que os
americanos chamam o pepino estragado de
pickles e o comem com tudo, os franceses
esperam o peixe apodrecer antes de comê-lo
e os japoneses nem esperam o peixe morrer.
E por que todos se entusiasmam com um
fungo que chamam de champignon e entram
em êxtase com outro chamado "trufa", que é
encontrado embaixo da terra por porcos.
Mas o que realmente faria o extraterrestre
correr para o banheiro da nave seria descobrir
que os terrestres espremem um líquido
branco e gorduroso das glândulas mamárias
de um animal chamado "vaca" — e o bebem!
De volta do banheiro, nosso anfitrião talvez
se deparasse com um italiano destrinchando
um passarinho com os dentes e tivesse que
sair correndo outra vez.
O visitante não acharia nada de mais com o
pão, o alimento mais simples e são do homem.
Mas ouviria o alemão contar que o pão
pumpernickel tem este nome porque pumper
quer dizer "pum" e Nickel quer dizer o diabo, e
que o pão é tão duro que até o diabo solta puns
ao tentar comê-lo. Isto, aliado ao queijo
bolorento e fedorento que o francês trouxe para
comer com o pão, levaria nosso extraterreno a
tomar uma decisão súbita. Expulsar todo mundo
da nave e voltar voando para a sua galáxia
translúcida, longe destaTerra de monstros.
VERÍSSIMO, Luis Fernando. Terra de monstros
IN: _____ A mesa voadora. Rio de Janeiro:
Objetiva, 2004.
OUTROS EXEMPLOS DE ANÁFORA
 Sentenças ou períodos inteiros podem ser
resumidos em uma palavra;
 Relações de sentido como sinônimos e
hiperônimos, perífrase, metonímia podem
retomar um termo;
ANÁFORA INDIRETA
Existem outras possibilidades de manter a
referenciação no texto através da anáfora
indireta.
 Idéias muito próximas;
 Elementos que se encaixam numa mesma
categoria;
 Noção de “parte-todo” e “todo-parte”;
 Esquemas cognitivos sequenciados.
BIBLIOGRAFIA
 FERRAREZI JUNIOR, Celso. Semântica para a
educação básica: brincando com as palavras. São
Paulo: Contexto, 2002.
 ILARI, Rodolfo. Introdução ao estudo do léxico:
brincando com as palavras. São Paulo:
Contexto, 2002.
 ____________. Introdução à semântica: brincando
com a gramática. São Paulo: Contexto, 2002.
 KOCH, IngedoreVillaça; ELIAS,Vanda Maria. Ler e
escrever: estratégias de produção textual;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anáfora e catáfora
Anáfora e catáforaAnáfora e catáfora
Anáfora e catáforaGleide Leal
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem paula nery
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasFaell Vasconcelos
 
Adjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalAdjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalNeily Alves
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosMarcia Oliveira
 
Gêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta abertaGêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta abertama.no.el.ne.ves
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencialLuciene Gomes
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadasAldo Socram
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAna Paula Mendes
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgulaRita Cunha
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoCDIM Daniel
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAaulasdejornalismo
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasAlexandra Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Anáfora e catáfora
Anáfora e catáforaAnáfora e catáfora
Anáfora e catáfora
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Adjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominalAdjunto adnominal x complemento nominal
Adjunto adnominal x complemento nominal
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
 
Gêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta abertaGêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta aberta
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Conjunções coordenadas
Conjunções coordenadasConjunções coordenadas
Conjunções coordenadas
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Texto narativo trabalho
Texto narativo trabalhoTexto narativo trabalho
Texto narativo trabalho
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 

Destaque

Semântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáforaSemântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáforavinivs
 
Semântica sinonímia e paráfrase
Semântica   sinonímia e paráfraseSemântica   sinonímia e paráfrase
Semântica sinonímia e paráfrasevinivs
 
DêIxis Da Imagem
DêIxis Da ImagemDêIxis Da Imagem
DêIxis Da Imagemandressarpi
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialEconomicSintese
 
Semantica pires de oliveira intro linguistica
Semantica pires de oliveira intro linguisticaSemantica pires de oliveira intro linguistica
Semantica pires de oliveira intro linguisticajefreirocha
 
Deixis Profª Conceição Martins
Deixis  Profª Conceição MartinsDeixis  Profª Conceição Martins
Deixis Profª Conceição MartinsVanda Sousa
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaMiquéias Vitorino
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semânticavinivs
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasSofia Antunes
 
Processos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasProcessos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasLina Claro
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavrasnelsonalves70
 

Destaque (20)

Semântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáforaSemântica: dêixis e anáfora
Semântica: dêixis e anáfora
 
Semântica sinonímia e paráfrase
Semântica   sinonímia e paráfraseSemântica   sinonímia e paráfrase
Semântica sinonímia e paráfrase
 
DêIxis Da Imagem
DêIxis Da ImagemDêIxis Da Imagem
DêIxis Da Imagem
 
Deixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacialDeixis pessoal temporal_espacial
Deixis pessoal temporal_espacial
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Semantica pires de oliveira intro linguistica
Semantica pires de oliveira intro linguisticaSemantica pires de oliveira intro linguistica
Semantica pires de oliveira intro linguistica
 
Semantica
SemanticaSemantica
Semantica
 
Deixis Profª Conceição Martins
Deixis  Profª Conceição MartinsDeixis  Profª Conceição Martins
Deixis Profª Conceição Martins
 
Conceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semânticaConceitos básicos em análise semântica
Conceitos básicos em análise semântica
 
Semântica lexical
Semântica lexicalSemântica lexical
Semântica lexical
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Semântica
Semântica Semântica
Semântica
 
Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de Sousa
 
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica LexicalFundamento Histórico da Semântica Lexical
Fundamento Histórico da Semântica Lexical
 
Relação entre palavras
Relação entre palavrasRelação entre palavras
Relação entre palavras
 
Relações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavrasRelações semânticas entre palavras
Relações semânticas entre palavras
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Processos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavrasProcessos irregulares de formação de palavras
Processos irregulares de formação de palavras
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 
Relação entre as palavras
Relação entre as palavrasRelação entre as palavras
Relação entre as palavras
 

Semelhante a Ambiguidade, dêixis e anáfora

Ambiguidade, dêixis e anáfora
Ambiguidade, dêixis e anáforaAmbiguidade, dêixis e anáfora
Ambiguidade, dêixis e anáforaMiquéias Vitorino
 
Teste 6º ano Chocolate chuva
Teste 6º ano Chocolate chuvaTeste 6º ano Chocolate chuva
Teste 6º ano Chocolate chuvastarlightmimi
 
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das Ideias
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das IdeiasRetrospectiva 2014 - LARP Confraria das Ideias
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das IdeiasLeandro Godoy
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertDoug Petrova
 
5 o verbo tempo, modo, p. e nº
5 o verbo tempo, modo, p. e nº5 o verbo tempo, modo, p. e nº
5 o verbo tempo, modo, p. e nºCarlos Vaz
 
Ambiguidade intertextualidade
Ambiguidade intertextualidadeAmbiguidade intertextualidade
Ambiguidade intertextualidadeerlymiranda
 
Universidade estadual da paraíba pibid
Universidade estadual da paraíba   pibidUniversidade estadual da paraíba   pibid
Universidade estadual da paraíba pibidMaria das Dores Justo
 
Textos e interpretações
Textos e interpretaçõesTextos e interpretações
Textos e interpretaçõesEdilene Costa
 
Revisões para o teste
Revisões para o testeRevisões para o teste
Revisões para o testeGonçalo Silva
 
Capítulo 5 aleascript
Capítulo 5 aleascriptCapítulo 5 aleascript
Capítulo 5 aleascriptRui Matos
 

Semelhante a Ambiguidade, dêixis e anáfora (20)

Ambiguidade, dêixis e anáfora
Ambiguidade, dêixis e anáforaAmbiguidade, dêixis e anáfora
Ambiguidade, dêixis e anáfora
 
Apost[1]. iv
Apost[1]. ivApost[1]. iv
Apost[1]. iv
 
Teste 6º ano Chocolate chuva
Teste 6º ano Chocolate chuvaTeste 6º ano Chocolate chuva
Teste 6º ano Chocolate chuva
 
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das Ideias
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das IdeiasRetrospectiva 2014 - LARP Confraria das Ideias
Retrospectiva 2014 - LARP Confraria das Ideias
 
Pro letramento
Pro letramentoPro letramento
Pro letramento
 
Tradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesaTradição oral portuguesa
Tradição oral portuguesa
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
 
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua PortuguesaSIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
5 o verbo tempo, modo, p. e nº
5 o verbo tempo, modo, p. e nº5 o verbo tempo, modo, p. e nº
5 o verbo tempo, modo, p. e nº
 
Ambiguidade intertextualidade
Ambiguidade intertextualidadeAmbiguidade intertextualidade
Ambiguidade intertextualidade
 
Universidade estadual da paraíba pibid
Universidade estadual da paraíba   pibidUniversidade estadual da paraíba   pibid
Universidade estadual da paraíba pibid
 
Textos e interpretações
Textos e interpretaçõesTextos e interpretações
Textos e interpretações
 
Revisões para o teste
Revisões para o testeRevisões para o teste
Revisões para o teste
 
Sugestões de leitura
Sugestões de leituraSugestões de leitura
Sugestões de leitura
 
Sugestões de leitura
Sugestões de leituraSugestões de leitura
Sugestões de leitura
 
Portugues fichas
Portugues   fichasPortugues   fichas
Portugues fichas
 
Capítulo 5 aleascript
Capítulo 5 aleascriptCapítulo 5 aleascript
Capítulo 5 aleascript
 

Mais de Miquéias Vitorino

Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualMiquéias Vitorino
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemMiquéias Vitorino
 
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementosBreve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementosMiquéias Vitorino
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Miquéias Vitorino
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Miquéias Vitorino
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoMiquéias Vitorino
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemMiquéias Vitorino
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualMiquéias Vitorino
 

Mais de Miquéias Vitorino (20)

A redação do enem hoje
A redação do enem hojeA redação do enem hoje
A redação do enem hoje
 
Relações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textualRelações lexicais e coesão textual
Relações lexicais e coesão textual
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementosBreve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
Breve exposição sobre a coesão textual e seus elementos
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
 
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
Proposta de redação - REPENSAR O PAPEL DO TORCEDOR: LIMITES ENTRE A PAIXÃO E ...
 
Principais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismoPrincipais obras e autores do modernismo
Principais obras e autores do modernismo
 
Quinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasilQuinhentismo no brasil
Quinhentismo no brasil
 
Modernismo no brasil
Modernismo no brasilModernismo no brasil
Modernismo no brasil
 
Modernismo fases
Modernismo fasesModernismo fases
Modernismo fases
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Arcadismo no brasil
Arcadismo no brasilArcadismo no brasil
Arcadismo no brasil
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
 
Anáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textualAnáfora, contexto e coesão textual
Anáfora, contexto e coesão textual
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 

Último

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 

Último (20)

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Ambiguidade, dêixis e anáfora

  • 2. AMBIGUIDADE  Quando temos um enunciado que permite duas ou mais leituras. Ladrões inovam no ataque a mulheres em carro. Leitura 1: ladrões atacam mulheres que estão nos carros. Leitura 2: ladrões usam carros para atacar mulheres.
  • 3. AMBIGUIDADE Duquesa deYork diz que nobreza quer manchar sua imagem Leitura 1: duquesa diz que sua imagem está sendo manchada pela nobreza. Leitura 2: a nobreza quer sua própria imagem manchada, segundo disse a duquesa. Ana foi para a casa de Raquel e disse que vai ficar lá para ir a uma festa da amiga dela. Leitura 1: A festa será de uma amiga de Ana. Leitura 2: A festa será de uma amiga de Raquel.
  • 4. REFLEXÃO SOBRE AMBIGUIDADE  Você lembra de alguma experiência em que você interpretou mal algo ou você foi mal interpretado?
  • 5. REFLEXÃO SOBRE AMBIGUIDADE  Quais as leituras que temos das orações abaixo e como as desambiguamos? Pelé critica futebol movido por dinheiro A tarde, Salvador, 6.9.1994 Time pega Flamengo sem cinco titulares FSP, 1.10.1996 Detido acusado de furto de processos. FSP, 8.7.2000
  • 6. DÊIXIS  Sua principal missão é apontar um termo antes citado e saliente na situação.  Pronomes, artigos, alguns advérbios e o tempo de alguns verbos; Maria, ponha isso lá fora em qualquer parte. Junto com as outras? Não ponha junto com as outras, não. Senão pode vir alguém e querer fazer qualquer coisa com elas. Ponha no lugar do outro dia.
  • 7. DÊIXIS  Os dêiticos fazem com que retomemos um termo antes citado.  Os dêiticos tem significadoTOTALMENTE dependente de um referente.  Referente é o termo retomado.  Expõem algumas características do termo: gênero, número, posição no espaço e vez no discurso.
  • 8. Equívocos Luis FernandoVeríssimo A Espada Uma família de classe média alta. Pai, mulher, um filho de sete anos. É a noite do dia em que o filho fez sete anos. A mãe recolhe os detritos da festa. O pai ajuda o filho a guardar os presentes que ganhou dos amigos. Nota que o filho está quieto e sério, mas pensa: "É o cansaço." Afinal ele passou o dia correndo de um lado para o outro, comendo cachorro-quente e sorvete, brincando com os convidados por dentro e por fora da casa. Tem que estar cansado.
  • 9. - Quanto presente, hein, filho? - É. - E esta espada. Mas que beleza. Esta eu não tinha visto. - Pai... - E como pesa! Parece uma espada de verdade. É de metal mesmo. Quem foi que deu? - Era sobre isso que eu queria falar com você. O pai estranha a seriedade do filho. Nunca o viu assim.
  • 10. ANÁFORA  A anáfora tem a função de retomar um termo anteriormente citado no texto (escrito ou oral).  Há algumas diferenças básicas entre dêixis e anáfora: podemos dizer que os elementos anafóricos retomam algo, mas os dêiticos apontam um termo saliente no texto.  A anáfora pode introduzir novas informações e pode ser dotada de algum sentido. Dêiticos não.  Anáforas podem ser feitas através de nomes, pronomes, perífrases, numerais, advérbios locativos, sinônimos e hiperônimos.
  • 11. Terra de monstros Luis FernandoVeríssimo No seu livro, A história natural dos sentidos, Diane Ackerman especula sobre o que um visitante de outra galáxia pensaria do que comemos. Se o extraterrestre resolvesse dar um jantar de confraternização na nave-mãe para representantes de todos os povos daTerra, teria dificuldade em organizar o menu e mais dificuldade ainda em conter a ânsia de vômitos.
  • 12. Sendo um ser perfeito que se alimenta só de luz líquida, como todos os alienígenas hipotéticos, nosso visitante não entenderia como os alemães conseguem comer repolho azedo com tanta alegria, por que os americanos chamam o pepino estragado de pickles e o comem com tudo, os franceses esperam o peixe apodrecer antes de comê-lo e os japoneses nem esperam o peixe morrer. E por que todos se entusiasmam com um fungo que chamam de champignon e entram em êxtase com outro chamado "trufa", que é encontrado embaixo da terra por porcos.
  • 13. Mas o que realmente faria o extraterrestre correr para o banheiro da nave seria descobrir que os terrestres espremem um líquido branco e gorduroso das glândulas mamárias de um animal chamado "vaca" — e o bebem! De volta do banheiro, nosso anfitrião talvez se deparasse com um italiano destrinchando um passarinho com os dentes e tivesse que sair correndo outra vez.
  • 14. O visitante não acharia nada de mais com o pão, o alimento mais simples e são do homem. Mas ouviria o alemão contar que o pão pumpernickel tem este nome porque pumper quer dizer "pum" e Nickel quer dizer o diabo, e que o pão é tão duro que até o diabo solta puns ao tentar comê-lo. Isto, aliado ao queijo bolorento e fedorento que o francês trouxe para comer com o pão, levaria nosso extraterreno a tomar uma decisão súbita. Expulsar todo mundo da nave e voltar voando para a sua galáxia translúcida, longe destaTerra de monstros. VERÍSSIMO, Luis Fernando. Terra de monstros IN: _____ A mesa voadora. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.
  • 15. OUTROS EXEMPLOS DE ANÁFORA  Sentenças ou períodos inteiros podem ser resumidos em uma palavra;  Relações de sentido como sinônimos e hiperônimos, perífrase, metonímia podem retomar um termo;
  • 16. ANÁFORA INDIRETA Existem outras possibilidades de manter a referenciação no texto através da anáfora indireta.  Idéias muito próximas;  Elementos que se encaixam numa mesma categoria;  Noção de “parte-todo” e “todo-parte”;  Esquemas cognitivos sequenciados.
  • 17. BIBLIOGRAFIA  FERRAREZI JUNIOR, Celso. Semântica para a educação básica: brincando com as palavras. São Paulo: Contexto, 2002.  ILARI, Rodolfo. Introdução ao estudo do léxico: brincando com as palavras. São Paulo: Contexto, 2002.  ____________. Introdução à semântica: brincando com a gramática. São Paulo: Contexto, 2002.  KOCH, IngedoreVillaça; ELIAS,Vanda Maria. Ler e escrever: estratégias de produção textual;