SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero
para a vida
TEXTO AUREO
“O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a
podridão dos ossos.” Pv 14.30
VERDADE APLICADA
A inveja nasce de um coração mal, torna-se um vício, e dela
pode originar-se muitos outros
males.
TEXTOS DE REFERÊNCIA
Sl 91.1 - Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à
sombra do Onipotente descansará.
Sl 91.2 - Direi do Senhor: Ele é o m eu Deus, o meu refúgio,
a minha fortaleza, e nele confiarei.
Sl 91.3 - Porque ele te livrará do laço do passarinheiro e da
peste perniciosa.
Sl 91.10 - Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma
chegará à tu a tenda.
Sl 91.11 - Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito,
para te guardarem em todos os teus caminhos.
Vamos a lição?
•Introdução
•Trataremos, nessa lição, um tema muito recorrente
em diversas narrativas: a inveja. Considerada por
estudiosos uma das enfermidades da alma mais
danosas, tanto ao invejoso quanto ao invejado.
1. Conceito de inveja
INVEJA
É vício detestável, que torna a pessoa incapaz de se alegrar com um bem que é do
outro (Ecl 4,4; Sb 2,24s; Mt 20,9-15; Gl 5,26). Dá origem a contradições, ultrajes e
perseguições (At 13,45-50; 17,5); tem como consequência a violência (Gn 4,4;
27,41; 37,3-5).
(Tg 3.14 Mas, se tendes amarga inveja e
sentimento faccioso em vosso coração, não
vos glorieis, nem mintais contra a verdade.
Abel e Caim,
exemplo de como
a inveja pode levar
a violência.
• Para um sentido mais amplo da palavra inveja, o texto do NT usa, em
determinados contextos, o termo phthonos, cujo significado é atitude de espírito
mesquinho, que se ressente do sucesso dos outros. Essa palavra está no plural,
portanto, indica ação contínua em uma variedade de circunstâncias.
• Tiago usa esse mesmo termo em 3.14, e Paulo o usa no plural em Gálatas 5.21,
para indicar que inveja é obra da carne.
Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca
das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não
herdarão o reino de Deus.
Assim, phthonos denota a natureza pecaminosa do homem. Ou seja, ela é fruto da
carne ( sarki) = natureza pecaminosa.
1.1. Inveja “construtiva”?
• Esse tipo de inveja, segundo a psicologia científica, ocorre quando a visão ou o
reconhecimento dos bens, posses, qualidades de uma pessoa desperta no outro
o desejo de também os adquirir para si, por meio de um esforço.
• Vista supostamente nesse texto: Gn 30.1-2 Vendo, pois, Raquel que não dava
filhos a Jacó, teve Raquel inveja de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão
morro. Então, se acendeu a ira de Jacó contra Raquel e disse: Estou eu no lugar de
Deus, que te impediu o fruto de teu ventre?
• É chamada de a “face oculta da competitividade”.
A competitividade é a característica ou capacidade
de qualquer organização em lograr cumprir a sua
missão, com mais êxito que outras organizações
competidoras. Será que isso se coaduna com inveja?
A Bíblia não apoia a inveja construtiva
• Ao contrário da psicologia, nenhum tipo de inveja pode ser considerada
construtiva ou positiva. Biblicamente a inveja é tratada como um sentimento
faccioso e destruidor (Tg 3.14-16) que, assim como um câncer.; nasce no interior
do homem e espalhando-se o contamina completamente (Mt. 7.22-23; Pv 14.30).
• Que tem essência partidária;
parcial.s.m. Que ou quem possui essa
característica; revoltoso, subversivo.
(Etm. do latim: factiosus.a.um)
1.2. Inveja destrutiva
• A inveja destrutiva tem resultados extremamente danosos ao homem. O
invejoso, em muitos casos, por não conseguir ter o que o outro possui, procura
insanamente destruir aquele que é o alvo da sua inveja.
• Veja o caso de Saul. Ele, Saul, por inveja, ficou tão concentrado em destruir Davi
que se esqueceu do reinado (ISm 18.9 NVI). Destaque que a inveja é um
sentimento anticristão (ICo 3.3). Que só pode ser eliminado quando o amor de
Deus irradia no nosso dia a dia (Tg 3.3-8).
• Ler: ICo 3.3
• O que aprendemos com esse texto sobre a inveja?
• Compare com: Gl 5.21. Ela é obra de quem?
1.3. Os malefícios da inveja
• A inveja é uma grave enfermidade que pode destruir muitas vidas, já que os
invejosos patológicos não medem as consequências de seus atos.
• Ministérios brilhantes são destruídos em decorrência da inveja. Tais ministérios
são interrompidos por invejosos patológicos que, muitas vezes, não precisam ter
o que outro possui, até porque já detêm mais do que o invejado. Todavia,
permitem serem tomados por este terrível mal. O sábio Salomão classificou a
inveja como “podridão dos ossos” (Pv 14. 30)
• Nesse texto, Salomão deixa implícito que o sentimento
de inveja deixa a pessoa doente.
2. Casos bíblicos diversos
• Na história de José, vemos que o tratamento diferenciado de Jacó, em relação
aos seus irmãos, desencadeou o sentimento maléfico da inveja (Gn 37.4 Vendo,
pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos,
aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente.
• (Gn 37.3 E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho
da sua velhice;
• Pode ser que a atitude de Jacó tenha contribuído para agravar o ódio e o ciúme
dos seus demais filhos para com José, seu filho amado. O próprio José também
contribuiu para o crescimento desse sentimento, quando revelou seus sonhos
aos irmãos (Gn 37.5-9).
• Nota: Podem haver atitudes nossas que provoquem a inveja por parte das
pessoas. Nesses casos, é preciso muito cuidado para não despertar a inveja em...
Discutir isso em classe tomando como exemplo o caso de José.
Notas sobre a discussão sobre despertar inveja nas
pessoas.
• Dê sua opinião!!
• Na aula de hoje, a classe opinou sobre como podemos provocar a inveja nas
pessoas através de certos comportamentos que expressamos. Por exemplo, nós
usamos a história bíblica de José. Mas também podemos observar que nós temos
muitas experiências dentro das mesmas circunstâncias que cercavam José.
2.2. A insubordinação de Arão e Miriã gerados pela inveja
Insubordinação (Dic. Aurélio)
Desobediência: espírito de insubordinação.
• A história de Moisés apresenta semelhança com a de José quanto à inveja, pois
os mesmos são seus próprios irmãos: Arão e Miriã.
• A princípio, contou com o apoio de seus irmãos Miriã e Arão. Porém, após o
casamento de Moisés com uma mulher cuxita (Nm 12.1 E falaram Miriã e Arão
contra Moisés, por causa da mulher cuxita, que tomara; porquanto tinha tomado
a mulher cuxita.), enfrentou terríveis perseguições. Arão e Miriã se levantaram
contra o irmão, afirmando serem também usados por Deus (Nm 12.2 E disseram:
Porventura, falou o SENHOR somente por Moisés? Não falou também por nós? E
o SENHOR o ouviu.). Na verdade, a insubordinação de Miriã e Arão era reflexo da
inveja destrutiva existente em seus corações. Os dois irmãos tentaram diminuir o
valor do líder de Deus perante o povo, apresentando-se também como pessoas
usadas pelo Altíssimo.
Nota: Cuxe é a Etiópia hoje.
2.3. A inveja de Saul contra Davi
• O rei Saul deixou se levar por um forte sentimento de inveja (ISm 18.7-8)
• E as mulheres, tangendo, respondiam umas às outras e diziam: Saul feriu os seus
milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, e
aquela palavra pareceu mal aos seus olhos; e disse: Dez milhares deram a Davi, e
a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino?). Nota:
Saul sentiu-se provocado e diminuído por esse louvor das mulheres em relação a
Davi. Por isso, tomando como exemplo esse texto, precisamos ter cuidado para
não provocar ou diminuir alguém publicamente.
• Olha só o que pode acontecer: Com isso, o rei Saul passou a perseguir
ferozmente o jovem Davi. Lamentavelmente, há pessoas que ao perceberem
estar próximo seu tempo de liderança, passam a buscar motivos para destruir
aquele que está próximo no processo de sucessão. Por diversas vezes, Saul
buscou matar Davi por invejar a sua comunhão com Jeová (ISm 24.2 Então,
tomou Saul três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi à busca de Davi
e dos seus homens, até aos cumes das penhas das cabras monteses.
3. Ação de Deus
• Após entendermos o conceito e os muitos males causados pela inveja,
mostraremos, a partir de então, como Deus direcionou e tratou dos casos de
José, Moisés e Davi.
• E, ainda, como Ele está sempre apto
a tratar e a receber, com perdão,
aqueles que estão dispostos a
libertarem-se deste terrível mal.
3.1. A surpresa dos invejosos
• Após levarem seus atos até as últimas consequências, os irmãos de José, em
nenhum momento, pensaram no mal que estavam fazendo (Gn 37.31-34 ) Então,
tomaram a túnica de José, e mataram um cabrito, e tingiram a túnica no sangue.
E enviaram a túnica de várias cores, e fizeram levá-la a seu pai, e disseram: Temos
achado esta túnica; conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho. E
conheceu-a e disse: É a túnica de meu filho; uma besta-fera o comeu, certamente
foi despedaçado José. Então, Jacó rasgou as suas vestes, e pôs pano de saco sobre
os seus lombos, e lamentou a seu filho muitos dias.
• Deus transformou o mal em grande bênção: (Gn 45.5) Agora, pois, não vos
entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá;
porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.
Isso provou a seus irmãos que a inveja não pôde afastar e nem impedir as bênçãos
de Deus para José (Gn 45.1-5 Então, José não se podia conter diante de todos os
que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo varão; e ninguém ficou com
ele quando José se deu a conhecer a seus irmãos. E levantou a sua voz com choro,
de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu. E disse José a seus
irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder,
porque estavam pasmados diante da sua face. E disse José a seus irmãos: Peço-vos,
chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse ele: Eu sou José, vosso irmão, a
quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos
vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida,
Deus me enviou diante da vossa face.
3.2. Punição para os invejosos
• Na história de Moisés, vemos que Deus não se agradou das palavras de Miriã e
Arão (Nm 12.4-5 E logo o SENHOR disse a Moisés, e a Arão, e a Miriã: Vós três saí
à tenda da congregação. E saíram eles três. Então, o SENHOR desceu na coluna
de nuvem e se pôs à porta da tenda; depois, chamou a Arão e a Miriã, e eles
saíram ambos.). E os confrontou dizendo que, com eles, falava por visão e
sonhos, no entanto, com Moisés, seu servo, falava boca a boca (Nm 12.7-8 Não é
assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo
com ele, e de vista, e não por figuras; pois, ele vê a semelhança do SENHOR; por
que, pois, não tivestes temor de falar contra o meu servo, contra Moisés?). No
momento em que se viu confrontado e se deparou com Miriã leprosa (Nm
12.10 E a nuvem se desviou de sobre a tenda; e eis que Miriã era leprosa como a
neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que era leprosa. Arão reconheceu o seu erro
e pediu misericórdia a Moisés que intercedeu por ele ao Senhor (Nm 12.11 Pelo
que Arão disse a Moisés: Ah! Senhor meu! Ora, não ponhas sobre nós este
pecado, que fizemos loucamente e com que havemos pecado!). Embora a inveja
possa atingir e prejudicar a pessoa invejada, sua ação, na maioria das vezes,
causa maiores danos ao invejoso.
3.3. A vitória daqueles que não são vencidos pelo
sentimento de inveja
• Após as muitas investidas de Saul contra Davi, Saul foi derrotado e o jovem Davi
coroado rei sobre Israel (2Sm 5.1 Então, todas as tribos de Israel vieram a Davi, a
Hebrom, e falaram, dizendo: Eis-nos aqui, teus ossos e tua carne somos.). De
todos os relatos tratados nesta lição, é nítido a ação e o controle de Deus sobre
toda e qualquer situação contrária contra os filhos seus. Os irmãos de José viram
se cumprir os sonhos dele e ficaram sob o seu governo. Arão e Miriã viram que o
poder de Deus continuava operando através de Moisés e Saul por desobediência
limitou seus dias sobre a Terra. A inveja traz inúmeros males a todos os que se
veem cercado por ela, entretanto é claro que o maior prejuízo virá sobre a vida
daquele que não reconhecer suas ações maléficas e, cegos pelo pecado, não
externar arrependimento, pois só assim alcançará libertação.
• O texto sagrado nos assegura que estamos protegidos pelo Senhor, e a estes que
nos invejam está garantida uma recompensa “Eis que, envergonhados e
confundidos serão todos os que se indignaram contra ti; tornar-se-ão em nada, e
os que contenderem contigo, perecerão.” (Is 41.11).
Conclusão
• Inveja ou invídia , é um sentimento de tristeza perante o que o outro tem e a
própria pessoa não tem. Este sentimento gera o desejo de ter exatamente o que
a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materiais como qualidades inerentes
ao ser).
• A inveja é originária desde tempos antigos, escritos em textos, que foi acentuado
no capitalismo e no darwinismo social, na autopreservação e autoafirmação.
• A inveja pode ser definida como uma vontade frustrada de possuir os atributos
ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de
alcançá-la, seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual.
• Napoleão Bonaparte costumava afirmar que "a inveja é um atestado
de inferioridade".
Inveja é um sentimento desprovido de amor, por
isso, jamais deve habitar o coração dos servos de
Deus. Visto que ela é a fonte de muitos males e
ainda um atributo de Satanás. Logo somente em
Cristo Jesus o homem encontra forças para libertar-
se deste terrível mal (Gl 5.25-26).
Referências Bibliográficas
• Editora Betel 2º Trimestre de 2014, ano 24 nº 91 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor –
ENFERMIDADES DA ALMA Identificando os distúrbios emocionais e confrontando-os com soluções
divinas e bíblicas. Comentarista: Pr. Israel Maia
• Strong, James: Léxico do Hebraico, Aramaico e Grego. Concordância exaustiva.
• Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento: French L. Arrington e Roger Stronstad, CPAD , 2º
edição 2004.
• Camargo, Aparecido: Edição e adição de textos. Pesquisa Bibliográfica em fontes primárias e
secundárias.
• EBD ADM Santa Rita Do Passa Quatro, SP
• Pr. Presidente: Claudenildo F. de Araújo.
• Superintendente e Prof. da EBD: EV. Aparecido Camargo
• Deus abençoe a todos!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides batalha espiritual
Slides   batalha espiritualSlides   batalha espiritual
Slides batalha espiritualAbdias Barreto
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoMárcio Martins
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaÉder Tomé
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoMárcio Martins
 
Batalha espiritual no_lar[1]
Batalha espiritual no_lar[1]Batalha espiritual no_lar[1]
Batalha espiritual no_lar[1]Sandra Fuso
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egitoJoel Silva
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoRodrigo Bomfim
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblicovalmarques
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaÉder Tomé
 
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualÉder Tomé
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisHerberti Pedroso
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristãoWander Sousa
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósÉder Tomé
 

Mais procurados (20)

Slides batalha espiritual
Slides   batalha espiritualSlides   batalha espiritual
Slides batalha espiritual
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter Cristão
 
Manual do diácono claudionor de andrade
Manual do diácono   claudionor de andradeManual do diácono   claudionor de andrade
Manual do diácono claudionor de andrade
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
Aviva Ó Senhor a Tua Obra
Aviva Ó Senhor a Tua ObraAviva Ó Senhor a Tua Obra
Aviva Ó Senhor a Tua Obra
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
 
Batalha espiritual no_lar[1]
Batalha espiritual no_lar[1]Batalha espiritual no_lar[1]
Batalha espiritual no_lar[1]
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egito
 
Estudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito SantoEstudo Sobre o Espírito Santo
Estudo Sobre o Espírito Santo
 
Cura e libertação
Cura e libertaçãoCura e libertação
Cura e libertação
 
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
Slides Licao 6, CPAD, O Avivamento no Ministerio de Pedro, 1Tr23, Pr Henrique...
 
estudo biblico
estudo biblicoestudo biblico
estudo biblico
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
 
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
 
Cidadão do céu
Cidadão do céuCidadão do céu
Cidadão do céu
 
LIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃOLIBERTAÇÃO
LIBERTAÇÃO
 
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos geraisIntercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
Intercessão estratégica - Definições e aspectos gerais
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristão
 
Intercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritualIntercessão e batalha espiritual
Intercessão e batalha espiritual
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 

Destaque

Lição 3 - O Perigo das Obras da Carne
Lição 3 - O Perigo das Obras da CarneLição 3 - O Perigo das Obras da Carne
Lição 3 - O Perigo das Obras da CarneErberson Pinheiro
 
Averdadeira sabedoria
Averdadeira sabedoriaAverdadeira sabedoria
Averdadeira sabedoriaNelson Elias
 
Inveja um mal a ser vencido
Inveja um mal  a ser vencidoInveja um mal  a ser vencido
Inveja um mal a ser vencidoCarlos Leao
 
As obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoAs obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoJoselito Machado
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZAPolícia Militar do Estado do Tocantins
 
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espíritoLição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espíritoErberson Pinheiro
 
A inveja
A invejaA inveja
A invejahome
 
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionaisVencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionaisMichel Plattiny
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasGILMAR BASTOS
 
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADO
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADOLição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADO
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADOAilton da Silva
 
Lição 7 - A Salvação pela Graça
Lição 7 - A Salvação pela GraçaLição 7 - A Salvação pela Graça
Lição 7 - A Salvação pela GraçaAilton da Silva
 

Destaque (15)

Lição 3 - O Perigo das Obras da Carne
Lição 3 - O Perigo das Obras da CarneLição 3 - O Perigo das Obras da Carne
Lição 3 - O Perigo das Obras da Carne
 
Averdadeira sabedoria
Averdadeira sabedoriaAverdadeira sabedoria
Averdadeira sabedoria
 
Obras da carne
Obras da carneObras da carne
Obras da carne
 
Inveja um mal a ser vencido
Inveja um mal  a ser vencidoInveja um mal  a ser vencido
Inveja um mal a ser vencido
 
As obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do EspíritoAs obras da carne e do Espírito
As obras da carne e do Espírito
 
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZALIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
LIÇÃO 04 - ALEGRIA, FRUTO DO ESPÍRITO; INVEJA, HÁBITO DA VELHA NATUREZA
 
Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vida
Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vidaLição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vida
Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vida
 
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espíritoLição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
Lição 1- As obras da carne e o fruto do espírito
 
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNELIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
 
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITOLIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
 
A inveja
A invejaA inveja
A inveja
 
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionaisVencendo as obras da carne - Pecados emocionais
Vencendo as obras da carne - Pecados emocionais
 
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoasNome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
Nome dos demônios e como eles atuam nas vidas das pessoas
 
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADO
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADOLição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADO
Lição 11 - INVEJA UM GRAVE PECADO
 
Lição 7 - A Salvação pela Graça
Lição 7 - A Salvação pela GraçaLição 7 - A Salvação pela Graça
Lição 7 - A Salvação pela Graça
 

Semelhante a Inveja, um veneno mortal

80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicasantonio ferreira
 
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicasantonio ferreira
 
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxLição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxCelso Napoleon
 
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaEscol Dominical
 
O paradoxo do crente
O paradoxo do crenteO paradoxo do crente
O paradoxo do crenteSilvio Dutra
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualPaulo Roberto
 
Eu sei que o meu redentor vive
Eu sei que o meu redentor viveEu sei que o meu redentor vive
Eu sei que o meu redentor viveFer Nanda
 
4º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 054º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 05Joel Silva
 
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho Perdido
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho PerdidoEvangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho Perdido
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho PerdidoELIAS OMEGA
 
Brochura lidando com dramas familiares Igreja do Nazareno
Brochura lidando com dramas familiares   Igreja do Nazareno Brochura lidando com dramas familiares   Igreja do Nazareno
Brochura lidando com dramas familiares Igreja do Nazareno Jose Heleno Gomes Pereira
 
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasLBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasNatalino das Neves Neves
 
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015Gerson G. Ramos
 
A esperança que temos
A esperança que temos A esperança que temos
A esperança que temos Wesley1235
 
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017Pr. Andre Luiz
 

Semelhante a Inveja, um veneno mortal (20)

Lição 11
Lição 11Lição 11
Lição 11
 
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
 
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
80568 bencao-maldicao-e-amarras-diabolicas
 
Rotulando as Pessoas.docx
Rotulando as Pessoas.docxRotulando as Pessoas.docx
Rotulando as Pessoas.docx
 
A inveja
A invejaA inveja
A inveja
 
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptxLição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
Lição 03: Ciúme, o Mal que Prejudica a Família.pptx
 
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da AlmaLição 13   O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
Lição 13 O prazer de experimentar a Cura das Feridas da Alma
 
O paradoxo do crente
O paradoxo do crenteO paradoxo do crente
O paradoxo do crente
 
Três campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritualTrês campos de batalha espiritual
Três campos de batalha espiritual
 
Eu sei que o meu redentor vive
Eu sei que o meu redentor viveEu sei que o meu redentor vive
Eu sei que o meu redentor vive
 
4º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 054º trimestre 2015 jovens lição 05
4º trimestre 2015 jovens lição 05
 
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho Perdido
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho PerdidoEvangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho Perdido
Evangelho perdido-Existe uma GUERRA a qual você é o PRÊMIO! _ Evangelho Perdido
 
Brochura lidando com dramas familiares Igreja do Nazareno
Brochura lidando com dramas familiares   Igreja do Nazareno Brochura lidando com dramas familiares   Igreja do Nazareno
Brochura lidando com dramas familiares Igreja do Nazareno
 
Cultivando a Comunidade
Cultivando a ComunidadeCultivando a Comunidade
Cultivando a Comunidade
 
Religiões Vociferantes
Religiões VociferantesReligiões Vociferantes
Religiões Vociferantes
 
Vociferantes
VociferantesVociferantes
Vociferantes
 
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiçasLBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
LBA LIÇÃO 7 - José, fé em meio às injustiças
 
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015
A humildade dos sábios_Lição_original com textos_1212015
 
A esperança que temos
A esperança que temos A esperança que temos
A esperança que temos
 
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017
O perigo das obras da carne - Lição 3 - 1ºTrimestre 2017
 

Mais de Escol Dominical

Lição 11 Enfrentando o Sentimento de Rejeição
Lição 11   Enfrentando o Sentimento de RejeiçãoLição 11   Enfrentando o Sentimento de Rejeição
Lição 11 Enfrentando o Sentimento de RejeiçãoEscol Dominical
 
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do Século
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do SéculoLição 7 Combatento a Depressão, o mal do Século
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do SéculoEscol Dominical
 
Lição 8 Complexo de culpa, o tormento da alma humana
Lição 8   Complexo de culpa, o tormento da alma humanaLição 8   Complexo de culpa, o tormento da alma humana
Lição 8 Complexo de culpa, o tormento da alma humanaEscol Dominical
 
Depressão: Suplemento da Lição 7
Depressão: Suplemento da Lição 7Depressão: Suplemento da Lição 7
Depressão: Suplemento da Lição 7Escol Dominical
 
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicos
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicosEstudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicos
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicosEscol Dominical
 
Lição 5 Efeitos danosos do complexo de superioridade
Lição 5   Efeitos danosos do complexo de superioridadeLição 5   Efeitos danosos do complexo de superioridade
Lição 5 Efeitos danosos do complexo de superioridadeEscol Dominical
 
Lição 4 Vencendo a timidez e suas consequências
Lição 4   Vencendo a timidez e suas consequênciasLição 4   Vencendo a timidez e suas consequências
Lição 4 Vencendo a timidez e suas consequênciasEscol Dominical
 
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominicalEscol Dominical
 
Lição 2 Vencendo o medo da Rejeição
Lição 2   Vencendo o medo da RejeiçãoLição 2   Vencendo o medo da Rejeição
Lição 2 Vencendo o medo da RejeiçãoEscol Dominical
 
Lição 1 2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma
Lição 1  2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma Lição 1  2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma
Lição 1 2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma Escol Dominical
 
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de JeováEbd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de JeováEscol Dominical
 
Nossa ebd seitas e heresias
Nossa ebd seitas e heresiasNossa ebd seitas e heresias
Nossa ebd seitas e heresiasEscol Dominical
 

Mais de Escol Dominical (20)

Pim
PimPim
Pim
 
Lição 11 Enfrentando o Sentimento de Rejeição
Lição 11   Enfrentando o Sentimento de RejeiçãoLição 11   Enfrentando o Sentimento de Rejeição
Lição 11 Enfrentando o Sentimento de Rejeição
 
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do Século
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do SéculoLição 7 Combatento a Depressão, o mal do Século
Lição 7 Combatento a Depressão, o mal do Século
 
Lição 8 Complexo de culpa, o tormento da alma humana
Lição 8   Complexo de culpa, o tormento da alma humanaLição 8   Complexo de culpa, o tormento da alma humana
Lição 8 Complexo de culpa, o tormento da alma humana
 
Depressão: Suplemento da Lição 7
Depressão: Suplemento da Lição 7Depressão: Suplemento da Lição 7
Depressão: Suplemento da Lição 7
 
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicos
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicosEstudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicos
Estudo arqueológico comprova veracidade de 50 personagens bíblicos
 
Lição 5 Efeitos danosos do complexo de superioridade
Lição 5   Efeitos danosos do complexo de superioridadeLição 5   Efeitos danosos do complexo de superioridade
Lição 5 Efeitos danosos do complexo de superioridade
 
Lição 4 Vencendo a timidez e suas consequências
Lição 4   Vencendo a timidez e suas consequênciasLição 4   Vencendo a timidez e suas consequências
Lição 4 Vencendo a timidez e suas consequências
 
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical
10 razoes porque_devo_participar_da_escola_dominical
 
Lição 3 angústia
Lição 3 angústiaLição 3 angústia
Lição 3 angústia
 
Lição 2 Vencendo o medo da Rejeição
Lição 2   Vencendo o medo da RejeiçãoLição 2   Vencendo o medo da Rejeição
Lição 2 Vencendo o medo da Rejeição
 
Lição 1 2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma
Lição 1  2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma Lição 1  2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma
Lição 1 2º Trimestre de 2014 Cura para enfermidades da alma
 
Budismo Lição 12
Budismo Lição 12Budismo Lição 12
Budismo Lição 12
 
Lição 9 wicca
Lição 9 wiccaLição 9 wicca
Lição 9 wicca
 
Lição 8 seicho no-ie
Lição 8 seicho no-ieLição 8 seicho no-ie
Lição 8 seicho no-ie
 
Lição 5 O Mormonismo
Lição 5 O MormonismoLição 5 O Mormonismo
Lição 5 O Mormonismo
 
Lição 04
Lição 04Lição 04
Lição 04
 
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de JeováEbd lição 03 Testemunhas de Jeová
Ebd lição 03 Testemunhas de Jeová
 
Nossa ebd seitas e heresias
Nossa ebd seitas e heresiasNossa ebd seitas e heresias
Nossa ebd seitas e heresias
 
Espiritismo lição 02
Espiritismo lição 02Espiritismo lição 02
Espiritismo lição 02
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 

Inveja, um veneno mortal

  • 1. Lição 9 - Inveja, um veneno mortífero para a vida TEXTO AUREO “O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos.” Pv 14.30 VERDADE APLICADA A inveja nasce de um coração mal, torna-se um vício, e dela pode originar-se muitos outros males.
  • 2. TEXTOS DE REFERÊNCIA Sl 91.1 - Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Sl 91.2 - Direi do Senhor: Ele é o m eu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Sl 91.3 - Porque ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Sl 91.10 - Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tu a tenda. Sl 91.11 - Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.
  • 3. Vamos a lição? •Introdução •Trataremos, nessa lição, um tema muito recorrente em diversas narrativas: a inveja. Considerada por estudiosos uma das enfermidades da alma mais danosas, tanto ao invejoso quanto ao invejado.
  • 4. 1. Conceito de inveja INVEJA É vício detestável, que torna a pessoa incapaz de se alegrar com um bem que é do outro (Ecl 4,4; Sb 2,24s; Mt 20,9-15; Gl 5,26). Dá origem a contradições, ultrajes e perseguições (At 13,45-50; 17,5); tem como consequência a violência (Gn 4,4; 27,41; 37,3-5). (Tg 3.14 Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Abel e Caim, exemplo de como a inveja pode levar a violência.
  • 5. • Para um sentido mais amplo da palavra inveja, o texto do NT usa, em determinados contextos, o termo phthonos, cujo significado é atitude de espírito mesquinho, que se ressente do sucesso dos outros. Essa palavra está no plural, portanto, indica ação contínua em uma variedade de circunstâncias. • Tiago usa esse mesmo termo em 3.14, e Paulo o usa no plural em Gálatas 5.21, para indicar que inveja é obra da carne. Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Assim, phthonos denota a natureza pecaminosa do homem. Ou seja, ela é fruto da carne ( sarki) = natureza pecaminosa.
  • 6. 1.1. Inveja “construtiva”? • Esse tipo de inveja, segundo a psicologia científica, ocorre quando a visão ou o reconhecimento dos bens, posses, qualidades de uma pessoa desperta no outro o desejo de também os adquirir para si, por meio de um esforço. • Vista supostamente nesse texto: Gn 30.1-2 Vendo, pois, Raquel que não dava filhos a Jacó, teve Raquel inveja de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão morro. Então, se acendeu a ira de Jacó contra Raquel e disse: Estou eu no lugar de Deus, que te impediu o fruto de teu ventre? • É chamada de a “face oculta da competitividade”. A competitividade é a característica ou capacidade de qualquer organização em lograr cumprir a sua missão, com mais êxito que outras organizações competidoras. Será que isso se coaduna com inveja?
  • 7. A Bíblia não apoia a inveja construtiva • Ao contrário da psicologia, nenhum tipo de inveja pode ser considerada construtiva ou positiva. Biblicamente a inveja é tratada como um sentimento faccioso e destruidor (Tg 3.14-16) que, assim como um câncer.; nasce no interior do homem e espalhando-se o contamina completamente (Mt. 7.22-23; Pv 14.30). • Que tem essência partidária; parcial.s.m. Que ou quem possui essa característica; revoltoso, subversivo. (Etm. do latim: factiosus.a.um)
  • 8. 1.2. Inveja destrutiva • A inveja destrutiva tem resultados extremamente danosos ao homem. O invejoso, em muitos casos, por não conseguir ter o que o outro possui, procura insanamente destruir aquele que é o alvo da sua inveja. • Veja o caso de Saul. Ele, Saul, por inveja, ficou tão concentrado em destruir Davi que se esqueceu do reinado (ISm 18.9 NVI). Destaque que a inveja é um sentimento anticristão (ICo 3.3). Que só pode ser eliminado quando o amor de Deus irradia no nosso dia a dia (Tg 3.3-8). • Ler: ICo 3.3 • O que aprendemos com esse texto sobre a inveja? • Compare com: Gl 5.21. Ela é obra de quem?
  • 9. 1.3. Os malefícios da inveja • A inveja é uma grave enfermidade que pode destruir muitas vidas, já que os invejosos patológicos não medem as consequências de seus atos. • Ministérios brilhantes são destruídos em decorrência da inveja. Tais ministérios são interrompidos por invejosos patológicos que, muitas vezes, não precisam ter o que outro possui, até porque já detêm mais do que o invejado. Todavia, permitem serem tomados por este terrível mal. O sábio Salomão classificou a inveja como “podridão dos ossos” (Pv 14. 30) • Nesse texto, Salomão deixa implícito que o sentimento de inveja deixa a pessoa doente.
  • 10. 2. Casos bíblicos diversos • Na história de José, vemos que o tratamento diferenciado de Jacó, em relação aos seus irmãos, desencadeou o sentimento maléfico da inveja (Gn 37.4 Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente. • (Gn 37.3 E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; • Pode ser que a atitude de Jacó tenha contribuído para agravar o ódio e o ciúme dos seus demais filhos para com José, seu filho amado. O próprio José também contribuiu para o crescimento desse sentimento, quando revelou seus sonhos aos irmãos (Gn 37.5-9). • Nota: Podem haver atitudes nossas que provoquem a inveja por parte das pessoas. Nesses casos, é preciso muito cuidado para não despertar a inveja em... Discutir isso em classe tomando como exemplo o caso de José.
  • 11. Notas sobre a discussão sobre despertar inveja nas pessoas. • Dê sua opinião!! • Na aula de hoje, a classe opinou sobre como podemos provocar a inveja nas pessoas através de certos comportamentos que expressamos. Por exemplo, nós usamos a história bíblica de José. Mas também podemos observar que nós temos muitas experiências dentro das mesmas circunstâncias que cercavam José.
  • 12. 2.2. A insubordinação de Arão e Miriã gerados pela inveja Insubordinação (Dic. Aurélio) Desobediência: espírito de insubordinação. • A história de Moisés apresenta semelhança com a de José quanto à inveja, pois os mesmos são seus próprios irmãos: Arão e Miriã. • A princípio, contou com o apoio de seus irmãos Miriã e Arão. Porém, após o casamento de Moisés com uma mulher cuxita (Nm 12.1 E falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cuxita, que tomara; porquanto tinha tomado a mulher cuxita.), enfrentou terríveis perseguições. Arão e Miriã se levantaram contra o irmão, afirmando serem também usados por Deus (Nm 12.2 E disseram: Porventura, falou o SENHOR somente por Moisés? Não falou também por nós? E o SENHOR o ouviu.). Na verdade, a insubordinação de Miriã e Arão era reflexo da inveja destrutiva existente em seus corações. Os dois irmãos tentaram diminuir o valor do líder de Deus perante o povo, apresentando-se também como pessoas usadas pelo Altíssimo. Nota: Cuxe é a Etiópia hoje.
  • 13. 2.3. A inveja de Saul contra Davi • O rei Saul deixou se levar por um forte sentimento de inveja (ISm 18.7-8) • E as mulheres, tangendo, respondiam umas às outras e diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, e aquela palavra pareceu mal aos seus olhos; e disse: Dez milhares deram a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino?). Nota: Saul sentiu-se provocado e diminuído por esse louvor das mulheres em relação a Davi. Por isso, tomando como exemplo esse texto, precisamos ter cuidado para não provocar ou diminuir alguém publicamente. • Olha só o que pode acontecer: Com isso, o rei Saul passou a perseguir ferozmente o jovem Davi. Lamentavelmente, há pessoas que ao perceberem estar próximo seu tempo de liderança, passam a buscar motivos para destruir aquele que está próximo no processo de sucessão. Por diversas vezes, Saul buscou matar Davi por invejar a sua comunhão com Jeová (ISm 24.2 Então, tomou Saul três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi à busca de Davi e dos seus homens, até aos cumes das penhas das cabras monteses.
  • 14. 3. Ação de Deus • Após entendermos o conceito e os muitos males causados pela inveja, mostraremos, a partir de então, como Deus direcionou e tratou dos casos de José, Moisés e Davi. • E, ainda, como Ele está sempre apto a tratar e a receber, com perdão, aqueles que estão dispostos a libertarem-se deste terrível mal.
  • 15. 3.1. A surpresa dos invejosos • Após levarem seus atos até as últimas consequências, os irmãos de José, em nenhum momento, pensaram no mal que estavam fazendo (Gn 37.31-34 ) Então, tomaram a túnica de José, e mataram um cabrito, e tingiram a túnica no sangue. E enviaram a túnica de várias cores, e fizeram levá-la a seu pai, e disseram: Temos achado esta túnica; conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho. E conheceu-a e disse: É a túnica de meu filho; uma besta-fera o comeu, certamente foi despedaçado José. Então, Jacó rasgou as suas vestes, e pôs pano de saco sobre os seus lombos, e lamentou a seu filho muitos dias. • Deus transformou o mal em grande bênção: (Gn 45.5) Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.
  • 16. Isso provou a seus irmãos que a inveja não pôde afastar e nem impedir as bênçãos de Deus para José (Gn 45.1-5 Então, José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo varão; e ninguém ficou com ele quando José se deu a conhecer a seus irmãos. E levantou a sua voz com choro, de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu. E disse José a seus irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder, porque estavam pasmados diante da sua face. E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse ele: Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque, para conservação da vida, Deus me enviou diante da vossa face.
  • 17. 3.2. Punição para os invejosos • Na história de Moisés, vemos que Deus não se agradou das palavras de Miriã e Arão (Nm 12.4-5 E logo o SENHOR disse a Moisés, e a Arão, e a Miriã: Vós três saí à tenda da congregação. E saíram eles três. Então, o SENHOR desceu na coluna de nuvem e se pôs à porta da tenda; depois, chamou a Arão e a Miriã, e eles saíram ambos.). E os confrontou dizendo que, com eles, falava por visão e sonhos, no entanto, com Moisés, seu servo, falava boca a boca (Nm 12.7-8 Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele, e de vista, e não por figuras; pois, ele vê a semelhança do SENHOR; por que, pois, não tivestes temor de falar contra o meu servo, contra Moisés?). No momento em que se viu confrontado e se deparou com Miriã leprosa (Nm 12.10 E a nuvem se desviou de sobre a tenda; e eis que Miriã era leprosa como a neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que era leprosa. Arão reconheceu o seu erro e pediu misericórdia a Moisés que intercedeu por ele ao Senhor (Nm 12.11 Pelo que Arão disse a Moisés: Ah! Senhor meu! Ora, não ponhas sobre nós este pecado, que fizemos loucamente e com que havemos pecado!). Embora a inveja possa atingir e prejudicar a pessoa invejada, sua ação, na maioria das vezes, causa maiores danos ao invejoso.
  • 18. 3.3. A vitória daqueles que não são vencidos pelo sentimento de inveja • Após as muitas investidas de Saul contra Davi, Saul foi derrotado e o jovem Davi coroado rei sobre Israel (2Sm 5.1 Então, todas as tribos de Israel vieram a Davi, a Hebrom, e falaram, dizendo: Eis-nos aqui, teus ossos e tua carne somos.). De todos os relatos tratados nesta lição, é nítido a ação e o controle de Deus sobre toda e qualquer situação contrária contra os filhos seus. Os irmãos de José viram se cumprir os sonhos dele e ficaram sob o seu governo. Arão e Miriã viram que o poder de Deus continuava operando através de Moisés e Saul por desobediência limitou seus dias sobre a Terra. A inveja traz inúmeros males a todos os que se veem cercado por ela, entretanto é claro que o maior prejuízo virá sobre a vida daquele que não reconhecer suas ações maléficas e, cegos pelo pecado, não externar arrependimento, pois só assim alcançará libertação.
  • 19. • O texto sagrado nos assegura que estamos protegidos pelo Senhor, e a estes que nos invejam está garantida uma recompensa “Eis que, envergonhados e confundidos serão todos os que se indignaram contra ti; tornar-se-ão em nada, e os que contenderem contigo, perecerão.” (Is 41.11).
  • 20. Conclusão • Inveja ou invídia , é um sentimento de tristeza perante o que o outro tem e a própria pessoa não tem. Este sentimento gera o desejo de ter exatamente o que a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materiais como qualidades inerentes ao ser). • A inveja é originária desde tempos antigos, escritos em textos, que foi acentuado no capitalismo e no darwinismo social, na autopreservação e autoafirmação. • A inveja pode ser definida como uma vontade frustrada de possuir os atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-la, seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual. • Napoleão Bonaparte costumava afirmar que "a inveja é um atestado de inferioridade".
  • 21. Inveja é um sentimento desprovido de amor, por isso, jamais deve habitar o coração dos servos de Deus. Visto que ela é a fonte de muitos males e ainda um atributo de Satanás. Logo somente em Cristo Jesus o homem encontra forças para libertar- se deste terrível mal (Gl 5.25-26).
  • 22. Referências Bibliográficas • Editora Betel 2º Trimestre de 2014, ano 24 nº 91 – Jovens e Adultos - “Dominical” Professor – ENFERMIDADES DA ALMA Identificando os distúrbios emocionais e confrontando-os com soluções divinas e bíblicas. Comentarista: Pr. Israel Maia • Strong, James: Léxico do Hebraico, Aramaico e Grego. Concordância exaustiva. • Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento: French L. Arrington e Roger Stronstad, CPAD , 2º edição 2004. • Camargo, Aparecido: Edição e adição de textos. Pesquisa Bibliográfica em fontes primárias e secundárias. • EBD ADM Santa Rita Do Passa Quatro, SP • Pr. Presidente: Claudenildo F. de Araújo. • Superintendente e Prof. da EBD: EV. Aparecido Camargo • Deus abençoe a todos!