06 2014 - administração financeira de multinacionais

1.113 visualizações

Publicada em

Gestão Financeira de Multinacionais ministrado na disciplina de Gestão Financeira e Orçamentária 3

Publicada em: Economia e finanças
  • Seja o primeiro a comentar

06 2014 - administração financeira de multinacionais

  1. 1. Administração Financeira de Multinacionais Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br
  2. 2. Hoje em dia temos uma maior dinâmica da Atividade Global
  3. 3. Maior Dinâmica da Atividade Financeira Global em função de • Aumento do volume de importações e exportações, intensificando as transações com diferentes moedas
  4. 4. Maior Dinâmica da Atividade Financeira Global em função de • Surgimento de novas práticas financeiras advindas de grupos controladores estrangeiros, de empresas incorporadas e da necessidade de prestar contas para stakeholders nacionais e estrangeiros, conforme padrões internacionais
  5. 5. Maior Dinâmica da Atividade Financeira Global em função de • Os recursos financeiros são rapidamente transferidos de um mercado para outro, em busca de melhores taxas de juros, em condições de menor risco
  6. 6. Maior Dinâmica da Atividade Financeira Global em função de • As oportunidades de investimento nos países emergentes têm atraído recursos financeiros internacionais nas mais variadas formas – Compra de títulos de empresas brasileiras por investidores internacionais – Capital volátil, aplicado no mercado financeiro brasileiro e retirado rapidamente, a qualquer movimento rápido da economia – Capital de risco, aplicado em pequenas empresas, com grande potencial de crescimento – Aquisição de empresas nacionais, públicas e privadas – Investimentos diretos – Construção de novas plantas industriais, instalação de filiais de grandes redes de varejo mundial e estabelecimento de escritórios de empresas prestadoras de serviços
  7. 7. Internacionalização dos Processos Produtivos COMPRA VENDE Mercado Interno Mercado Interno Mercado Externo Processo Produtivo Mercado Externo
  8. 8. Deslocalização da Produção
  9. 9. Existe uma maior Competição
  10. 10. Competição na Economia Global • Influência do ambiente internacional – Blocos econômicos, organizações multilaterais, bolsas, commodities, acordos
  11. 11. Competição na Economia Global • Influência do ambiente internacional – O mundo como mercado (inclusive de pequenas e médias empresas)
  12. 12. Competição na Economia Global • Influência do ambiente internacional – Unidades funcionais em locais mais competitivos (custos e habilidades)
  13. 13. Competição na Economia Global • Influência do ambiente internacional – Riscos econômicos, cambiais, de crédito, operacionais, transacionais, políticos, além de variações contábeis e taxação
  14. 14. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Comércio mundial cresce mais que o volume de produção
  15. 15. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Importância dos investimentos estrangeiros diretos
  16. 16. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Crescimento das importações nas economias nacionais
  17. 17. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Mercado doméstico sob ataque de concorrentes estrangeiros (ameaças)
  18. 18. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Oportunidades (mais mercados)
  19. 19. Competição na Economia Global • Conseqüências da economia global – Ambiente mais complexo e competitivo (concorrentes domésticos e internacionais)
  20. 20. GLOCAL
  21. 21. Estratégias para Atuação Global • Pressões para integração global – Necessidades universais dos consumidores – Pressões competitivas para redução de custos – Coordenação estratégia global dos concorrentes
  22. 22. Estratégias para Atuação Global • Pressões para resposta local – Gastos e preferências significativamente diferentes – Diferenças político-legais, econômicas, sócio-culturais ou tecnológicas – Diferenças em canais de distribuição e práticas de vendas
  23. 23. Comércio Exterior
  24. 24. Formas de Atuação no MERCADO INTERNACIONAL  Exportação  Parcerias Empresariais  Acordos de Cooperação Comercial ou Industrial  Licenciamento  Alianças Estratégicas Internacionais  Joint Ventures  Investimento Direto
  25. 25. Estratégias de Internacionalização
  26. 26. Exportação Exportação é a operação de remessa de bens e serviços, nacionais ou nacionalizados para outro território aduaneiro, após cumprida as exigências legais e comerciais, gerando a entrada de divisas. É a abertura do país para o mundo!
  27. 27. Por que Exportar?  Necessidade de operar em um mercado de volumes;  Pedidos casuais de importadores;  Dificuldades no mercado interno;  Melhor aproveitamento das estações;  Possibilidades de melhores preços;  Melhor programação da produção;  Prolongamento do ciclo de vida de um produto;
  28. 28. Exportação Direta ou Indireta
  29. 29. Intermediário na Exportação Indireta  Exportador do Próprio País  Compra a mercadoria do fabricante e a exporta  Agente Exportador do Próprio País  Procura compradores e fecha negócios à base de comissão  Cooperativa  Exporta em nome de vários fabricantes  Empresa de Administração de Exportação  Administra a exportação cobrando uma taxa por isso
  30. 30. Formas de Exportação Direta Departamento ou divisão interna de exportação Filial ou subsidiária de vendas no exterior Vendedores viajantes de exportação Distribuidoras ou agentes no exterior
  31. 31. Licenciamento O licenciador faz um acordo com uma empresa estrangeira permitindo o uso de um processo de produção, marca, patente, segredo comercial ou outro item de valor, mediante o pagamento de uma taxa ou de royalties.
  32. 32. Joint Ventures Forma de sociedade em que a propriedade e o controle são compartilhados entre os sócios.
  33. 33. Investimento Direto A empresa estrangeira compra parte ou o controle total de uma empresa local ou constrói suas próprias instalações.
  34. 34. Atuação Global
  35. 35. Escolha de uma estratégia (modelo organizacional) para atuação global
  36. 36. Empresa Multinacional • É aquela que opera em vários países e que tem pelo menos 20% de suas receitas vindas do exterior
  37. 37. Por que se transformar em Multinacional • Buscar novos mercados
  38. 38. Por que se transformar em Multinacional • Buscar suprimentos
  39. 39. Por que se transformar em Multinacional • Buscar novos parceiros e novas tecnologias
  40. 40. Por que se transformar em Multinacional • Vantagens Competitivas
  41. 41. Por que se transformar em Multinacional • Vantagens Tributárias e Legais
  42. 42. Por que se transformar em Multinacional • Diversificação dos Riscos
  43. 43. Desafios na Administração Financeira de Multinacionais
  44. 44. Administração Financeira de Multinacionais • Convivência com diferentes moedas
  45. 45. Administração Financeira de Multinacionais • Complexidade das leis locais
  46. 46. Administração Financeira de Multinacionais • Ambiente político, econômico e social
  47. 47. Administração Financeira de Multinacionais • Diferenças culturais
  48. 48. Administração Financeira de Multinacionais • Diferenças de idiomas
  49. 49. Administração Financeira de Multinacionais • Estágio de renda per capita do país
  50. 50. Administração Financeira de Multinacionais • Governo e regime político
  51. 51. Administração Financeira de Multinacionais • Diferença nas estratégias e gestão financeira
  52. 52. Política Econômica
  53. 53. Outras Frentes da Política Econômica • • Política Monetária – Controle da quantidade de moeda em circulação – Taxas básicas de juros, compulsório etc. Política fiscal – Participação direta na demanda agregada da economia: quanto gasta e quanto arrecada – Carga tributária, gasto público, superávit primário etc.
  54. 54. Riscos em Transações Internacionais • O risco comercial, em uma operação internacional é semelhante ao risco de crédito normalmente presente em uma operação de venda no mercado interno. • Porém, em uma operação comercial internacional, surgem dois outros tipos de risco para a empresa exportadora: – Risco político – Risco de câmbio
  55. 55. Pontos de Atenção em Finanças Internacionais • Como o governo do país recebe o capital estrangeiro: – – – – – – – – Incentivos fiscais Legislação para remessas de lucro Linhas específicas de financiamento Forma legal de constituição das empresas Legislações específicas do setor de atuação Leis de proteção ambiental Legislação trabalhista Organizações sindicais
  56. 56. Pontos de Atenção em Finanças Internacionais • Qual a situação do Balanço de Pagamentos do país, especialmente em relação a sua liquidez e credibilidade externa
  57. 57. Pontos de Atenção em Finanças Internacionais • Qual a política cambial adotada pelo país, considerando os saldos do Balanço de Pagamentos: Política de cambio fixo ou variável
  58. 58. Regime Cambial • define o grau de participação do governo e dos agentes privados na determinação da taxa de câmbio
  59. 59. Regime Variável ou Flutuante • Na teoria, extremamente simples: – Preço da moeda estrangeira decidido pela interação entre sua oferta e demanda – Mercado ajusta o câmbio de equilíbrio
  60. 60. Regime de Câmbio Fixo • A grande diferença aqui é que o governo escolhe uma determinada cotação do câmbio que lhe interessa • Está comprometido a entrar no mercado, comprando ou vendendo, sempre que necessário, a uma cotação pré-estabelecida – Equilibra, sempre, a oferta com a demanda, para que o preço permaneça estável
  61. 61. Implicações do Regime de Câmbio Fixo • Ao comprar ou vender moeda estrangeira sempre que necessário, o BC está: – Ampliando ou reduzindo seu estoque de reservas internacionais – Entregando ou recolhendo moeda nacional, alterando portanto a quantidade de moeda nacional em circulação
  62. 62. Risco de Câmbio • Pode ser definido como a variação não esperada e não quantificável da moeda estrangeira em relação à moeda local
  63. 63. Taxa de Câmbio • Expressa a relação de preços entre moedas de diferentes países • É influenciada principalmente pela oferta e procura da moeda, pela política monetária e pela política cambial.
  64. 64. Risco Político • É o risco existente quando o governo do país do devedor não permite a remessa de divisas para o exterior, em determinadas circunstâncias.
  65. 65. Risco Político • Pode ser minimizado ou eliminado com a utilização de diversos instrumentos financeiros: – Carta de crédito – Seguro de crédito – Fiança bancária internacional – Garantias de agências de fomento ao comércio exterior
  66. 66. Carga Tributária das Operações Internacionais • Como as autoridades fiscais e monetárias do país permitem a contabilização das variações cambiais, nas demonstrações financeiras da empresa?
  67. 67. Carga Tributária das Operações Internacionais • Padrão Americano FASB 52 – Foreign Currency Translation – Estabelece que ganhos ou perdas em conversões sejam lançados diretamente para conta de patrimônio, sem afetar a renda líquida
  68. 68. Modelos Contábeis para Conversão de Câmbio • Método Temporal – Ativos monetários e recebíveis são convertidos a taxas correntes – Ativos não monetários convertidos à taxa de câmbio histórica – Apenas para operações em economias inflacionárias
  69. 69. Modelos Contábeis para Conversão de Câmbio • Método Corrente – Ativos monetários e recebíveis são convertidos a taxas correntes – Esse método não evidencia as perdas com variações cambiais
  70. 70. Drawback • Situação fiscal especial para recolhimento de tributos relativos À importação de componentes industriais, a serem utilizados na confecção de produtos posteriormente exportados. • O importador fica isento do recolhimento dos tributos devidos na importação, dentro de limites previamente autorizados.
  71. 71. Mercado de Moedas • É um ativo financeiro que tem valor ou preço.
  72. 72. Mercado de Moedas • Possui 3 características básicas: – Conversibilidade – Aceitabilidade – Durabilidade
  73. 73. Mercado de Moedas • Desempenha 4 funções: – Meio de troca – Reserva de valor – Padrão comum de valor – Padrão de pagamentos
  74. 74. Mercado de Moedas Fatores determinantes nas decisões nos mercados financeiros de moedas: Quantitativos • Saldo do balanço de pagamentos • Saldo da balança comercial • Valor da dívida externa e Interna do país • Nível de inflação interna • Infra-estrutura econômica e aparelho produtivo Qualitativos • Expectativa inflacionária • Política fiscal e monetária • Confiabilidade no governo do país • Situação financeira de outros países
  75. 75. Euromercados e Euromoedas
  76. 76. Euromercados • Euromercados e Euromoedas referem-se às transações financeiras em outra moeda que não a do país de origem Euromercados Europa
  77. 77. Euromoedas Euromoedas • Dólar americano • Euro • Iene Eurodólares • São depósitos de dólares em bancos localizados fora dos Estados Unidos, incluindo filiais estrangeiras de bancos americanos
  78. 78. Quem sou eu? Prof. Milton Henrique do Couto Neto mcouto@catolica-es.edu.br Engenheiro Mecânico, UFF MBA em Gestão Empresarial, UVV MBA em Marketing Empresarial, UVV Mestre em Administração, UFES Pós-MBA em Inteligência Empresarial, FGV http://lattes.cnpq.br/8394911895758599
  79. 79. Professor Universitário 2004 2011 2006 2007 2009 2011
  80. 80. Disciplinas Lecionadas Marketing Empreendedorismo Administração de Materiais Matemática Matemática Financeira Gestão Financeira Fundamentos da Administração Gestão de Processos e Empresas
  81. 81. miltonhenrique miltonhcouto miltonhcouto
  82. 82. Este e outros arquivos estão disponíveis para download no www.slideshare.net/miltonh

×