A menina do mar

1.675 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
513
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A menina do mar

  1. 1. A Menina do MarAdaptação da obra deSophia de Mello Breyner AndresenEducação EspecialEscola Básica de Rio Tinto nº2Junho de 2013
  2. 2. Era uma vez uma casa brancanas dunas, voltada para omar. Tinha uma porta, setejanelas e uma varanda demadeira pintada de verde.Em roda da casa havia umjardim de areia ondecresciam lírios brancos e umaplanta que dava floresbrancas, amarelas e roxas.
  3. 3. Nessa casa morava umrapazito que passava os dias abrincar na praia.Era uma praia muito grande equase deserta onde haviarochedos maravilhosos.
  4. 4. Um dia, enquanto estava a brincar, aconteceu uma coisa extraordinária: ouviu umagargalhada muito esquisita, depois ouviu uma segunda, em seguida uma terceira, mas omais extraordinário de tudo foi a quarta gargalhada! Com muito cuidado levantou-se e pôs-se a espreitar. Viu um grande polvo a rir, um caranguejo a rir, um peixe a rir e uma meninamuito pequenina a rir também. A menina, que devia medir um palmo de altura, tinhacabelos verdes, olhos roxos e um vestido feito de algas encarnadas. Os quatro nadavam eriam. Escondido, atrás do rochedo, o rapaz, imóvel e, calado, olhava.
  5. 5. -Vem aí a maré alta, são horas de nos irmos embora – disse o caranguejo.E puseram-se os quatro a caminho.Até que chegaram a uma gruta para onde entraram. O rapaz quis ir atrás deles, mas aentrada da gruta era muito pequena e ele não cabia.Foi para casa muito espantado com o que tinha visto.
  6. 6. Na manhã seguinte mal acordou foi acorrer para a praia. Tornou a esconder-seatrás das pedras, espreitou e ouviu asmesmas gargalhadas da véspera. Amenina, o caranguejo, o polvo e o peixeestavam a fazer uma roda dentro de água.O rapaz não conseguiu ficar quieto maistempo. Deu um salto e agarrou a menina.Então o polvo, o caranguejo e o peixecomeçaram a tentar salvá-la. Mas o rapaztinha mais força, deu-lhes alguns pontapése fugiu para longe com a Menina do Mar.-Não grites, não chores, não te assustes –dizia o rapaz. Eu não te faço mal nenhum.-Quero que me contes quem és, comovives, o que fazes aqui no mar e como techamas.
  7. 7. Então ela parou de gritar e disse:- Chamo-me Menina do Mar. Uma gaivota trouxe-me no bico para esta praia. Pôs-me numarocha e o polvo, o caranguejo e o peixe tomaram conta de mim. Vivemos numa gruta. Opolvo arruma a casa, alisa a areia, vai buscar comida. O caranguejo é o cozinheiro. O peixenão faz nada porque não tem mãos, mas é o meu melhor amigo. Sou a bailarina da GrandeRaia que é a dona destes mares. Mas eu não gosto nada da Raia e tenho medo dela. Agora,leva-me outra vez para o pé dos meus amigos que devem estar aflitíssimos.
  8. 8. O rapaz pegou na Menina do Mar com muito cuidado na palma da mão e levou-a outravez para o sítio de onde a tinha trazido. Pediu à Menina do Mar, ao polvo, ao caranguejoe ao peixe para voltarem no dia seguinte à mesma hora àquele mesmo sítio.- Tenho tanta curiosidade da Terra. Amanhã, quando vieres, traz-me uma coisa da Terra.E assim ficou combinado.
  9. 9. No dia seguinte, o rapaz foi ao seu jardim e colheu uma rosa muito perfumada.- Trago-te aqui uma flor da Terra – disse; chama-se rosa.- É linda, é linda – disse a Menina do Mar , dando palmas de alegria.- Respira o seu cheiro para veres como é perfumada.A menina pôs a sua cabeça dentro do cálice da rosa e respirou longamente.- É um perfume maravilhoso. No mar não há perfume assim.
  10. 10. No dia seguinte, de manhã, tornaram a encontrar-se todos no sítio do costume.- Bom dia – disse a menina – O que é que me trouxeste hoje?- Trouxe-te isto - disse – É uma caixa de fósforos.E o rapaz abriu a caixa e acendeu um fósforo.A menina deu palmas de alegria.- É um sol pequenino – disse ela.-As coisas da Terra são esquisitas e diferentes. Conta-me mais coisas.E o rapaz contou-lhe.
  11. 11. No dia seguinte o rapaz chegou à praia, sentou-se ao lado da Menina do Mar e disse:- Hoje trago-te uma coisa da Terra que é bonita e tem lá dentro alegria.- Chama-se vinho. Quem bebe fica cheio de alegria.- É muito encarnado e muito perfumado – disse ela.E a menina bebeu o vinho, riu-se e disse:- É bom e é alegre. Agora já sei o que é a Terra.- Tenho uma ideia – disse o rapaz – Amanhã trago um balde e encho-o com água do mar.E tu pões-te dentro do balde para não secares e eu levo-te comigo a ver a Terra.- Está bem – disse a menina – Amanhã vou contigo dentro do balde de água.
  12. 12. No outro dia, o rapaz encontrou a Menina do Mar com um ar muito desesperado.- Bom dia – disse o rapaz - Trago aqui o balde. Vamos embora depressa.- Eu não posso ir – disse a Menina do Mar. E desatou a chorar.- A Raia ordenou aos polvos que não me deixassem passar. Tenho que te dizer adeus.- Vamos experimentar fugir – disse o rapaz.E, dito isto, pôs a Menina do Mar dentro do balde e pôs-se a correr. Mas, em sua roda ospolvos tinham feito um círculo fechado. Tentou saltar, mas logo dezenas de tentáculos lheataram as pernas. E ele caiu nas rochas. Levantou-se e foi para casa devagar.Passaram dias e dias. O rapaz voltou muitas vezes às rochas mas nunca mais viu a menina.
  13. 13. Até que chegou o inverno. E orapaz sentou-se na praia a pensarna Menina do Mar.E enquanto assim estava viu umagaivota que vinha com uma coisano bico. A gaivota deu uma voltano ar e deixou cair uma coisa naareia. O rapaz apanhou-a e viuque era um frasco.- O frasco que te dei tem dentrosuco de anémonas e de plantasmágicas. Se o beberes passarás aser como a Menina do Mar.Poderás viver dentro de águacomo os peixes e fora como oshomens.- Vou beber já – disse o rapaz.
  14. 14. Ali no mar – disse a gaivota – está um golfinho à tua espera.Nadaram muitos dias e muitas noites e chegaram a uma ilha rodeada de corais.- É aqui: entra na gruta e encontrarás a Menina do Mar.- Estou aqui! Cheguei! Sou eu! – gritou o rapaz.Todos se abraçaram. A Menina do Mar dançava, batia palmas e ria.- Estou tão feliz, tão feliz, tão feliz! Pensei que nunca mais te ia ver.- Agora nunca mais nos separamos – disse o rapaz.- Agora a tua terra é o mar – disse a Menina do Mar.E foram os cinco através de florestas, areais e grutas.
  15. 15. Trabalho efetuado na salade Educação Especial pelosalunos que frequentam umCurrículo EspecíficoIndividual.Ana FilipaBrunaCláudiaFábioJorgeMartaVanessaJunho de 2013Escola Básica de Rio Tinto nº2milperolas.blogs.sapo.pt

×