SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Amadeo de Souza-Cardoso
Guilherme de Santa-Rita Almada Negreiros
Mário de Sá Carneiro
Fernando Pessoa
Eduardo Viana Pardal Monteiro
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Silva Porto
Marques de Oliveira
José Malhoa
Columbano
O panorama artístico português,
em 1910, permanecia arreigado à
tradição de tendência naturalista e
académica do século XIX,
protagonizada por:
José Malhoa, O Fado, 1910.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
O I Salão dos Humoristas, em 1912,
surgiu como a primeira reação contra
a tradição oitocentista.
Este salão traduziu a renovação da
mentalidade dos artistas, iniciando
assim a ligação de Portugal à
modernidade europeia.
Nascia o Modernismo português,
que pretendia quebrar com a tradição
artística do século XIX.
Amadeo de Souza-Cardoso, (Coty), 1917.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Primeiro Modernismo
Os autores do primeiro Modernismo
português trouxeram para Portugal as
inovações das principais correntes da
vanguarda europeia.
Na sua maioria, os artistas do primeiro
modernismo foram estudar para Paris
como bolseiros e trouxeram para
Portugal as novas correntes estéticas.
Cabeça, atribuída a Guilherme Santa-Rita, 1910.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
O Futurismo e o Cubismo foram as correntes de maior impacto
no primeiro Modernismo.
Como pintores desta fase do Modernismo destacaram-se:
Amadeo de Souza-Cardoso Almada Negreiros
Eduardo Viana
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Amadeo de Souza-Cardoso
É um dos pintores mais representativos
da primeira geração de modernistas:
• Em Paris, assimilou as principais
correntes modernistas do início do
século XX.
• Experimentou diversas correntes
na sua pintura.
• Criou uma rutura com a tradição
oitocentista que ainda vigorava em
Portugal.
• Contribuiu para a introdução do
Futurismo e Cubismo em Portugal.
• Introduziu um novo sentido estético na
pintura.
Amadeo de Souza-Cardoso, Trou de serrure – parto da
viola Bom Ménage (…), c. 1916.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Almada Negreiros
Artista que percorre diversos
géneros artísticos: poesia,
romance, ensaio, teatro,
pintura e desenho.
• É, juntamente com os seus
companheiros de geração,
um dos responsáveis pela
difusão do Modernismo
em Portugal.
• Representa a rutura com o naturalismo e o academismo, nomeadamente
com a publicação do Manifesto Anti-Dantas.
• Participa na revista Orpheu.
• Valoriza, na sua obra, a cultura e identidade nacionais.
Almada Negreios, Autorretrato num grupo, 1925.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Eduardo Viana
Introduz uma nova estética na pintura portuguesa,
sob a influência de Paul Cézanne e do Fauvismo.
• Inspira-se na arte popular.
• Faz uso de cores fortes e
contrastantes e, através da
influência de Sónia e Robert
Delaunay, inclui os círculos
órficos na sua obra.
• Procede a uma decomposição
das figuras e ao esbatimento
dos planos, procurando, deste
modo, ir ao encontro da
modernidade europeia.
Eduardo Viana, A Revolta das bonecas, 1916.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Segundo Modernismo
No segundo Modernismo português destacaram-se na pintura: Mário Eloy,
Júlio Reis Pereira e Sarah Affonso.
O segundo Modernismo representa uma rutura na continuidade, ou seja,
mantém a tradição modernista mas rompe com as convenções estéticas
que marcaram o primeiro modernismo.
Mário Eloy, Bailarico no bairro, c. 1936.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Mário Eloy
Mário Eloy recebe influências do Modernismo europeu, a partir de Paris e
Berlim. A sua obra ficou marcada pelo traço expressionista, pelo dramatismo
e lirismo em alguns dos seus trabalhos.
A paleta de cores dos seus quadros tende a tornar-se homogénea e inspira-se
no cromatismo do expressionismo alemão.
Mário Eloy, Bailarico no bairro, c. 1936.
Ao nível temático, vai desde o mais
absoluto dramatismo até ao lirismo
mais cândido.
Ao nível técnico, faz uso da
simplificação do traço, do esbatimento
de planos e joga com o contraste
cromático.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Júlio Maria dos Reis Pereira
Júlio Maria dos Reis Pereira marcou o
segundo Modernismo pelo lirismo das
suas obras.
Sob a influência de Marc Chagall, Júlio
trouxe para a pintura portuguesa um
cunho de ingenuidade e um caráter
lírico, que intercala com a crítica social.
A crítica à sociedade do seu tempo,
nomeadamente à burguesia
endinheirada, encontra as suas raízes
no Expressionismo alemão.
Júlio escreveu também poesia,
assinando os seus poemas sob o
pseudónimo de Saúl Dias.
Júlio, Burguês e prostituta, 1931.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Sarah Affonso
Sarah Affonso introduziu no
Modernismo português uma nova
temática e construção plástica.
Valorizou os temas populares,
sobretudo as festas e as romarias do
Minho.
Simplificou as formas, reduzindo o
traço aos elementos essenciais,
pintando o povo e como o povo.
Aproxima o Modernismo português
das vanguardas estéticas europeias,
imprimindo-lhe uma forte
identidade nacional. Sarah Affonso, Casamento na aldeia, 1937.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Na literatura, no primeiro Modernismo, destacaram-se:
Mário de Sá Carneiro, Fernando Pessoa e Almada Negreiros.
Foram várias as revistas modernistas
que surgiram em Portugal:
• Orpheu, 1915.
• Portugal Futurista, 1917.
• Contemporânea, 1922.
Fernando Pessoa cria os heterónimos:
Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro.
A obra literária de Fernando Pessoa assume-se
como um marco importante do Modernismo
em Portugal.
Mário de Sá Carneiro apresenta-se como outro nome relevante no contexto
do Modernismo português. Entre as suas obras destacam-se:
A Confissão de Lúcio (1914) e Céu em Fogo (1915).
Revista Orpheu, 1915.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Na literatura, no segundo Modernismo, destacaram-se:
José Régio e Branquinho da Fonseca.
O segundo Modernismo ficou marcado
pela publicação da revista Presença.
Na revista Presença participaram os mais
importantes nomes da segunda geração
de modernistas, como Júlio, Mário Eloy,
Sarah Affonso, bem como Almada Negreiros
que fizera já parte da primeira geração
de modernistas.
Os presencistas valorizaram o sentido de
originalidade e de ingenuidade na arte e,
sem esquecer as correntes europeias,
enraizaram cada vez mais a arte nos
valores nacionais.
Revista Presença.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Na escultura destacaram-se:
Diogo de Macedo, Francisco Franco e Ernesto Canto Maia.
Os escultores modernistas rompem com a tradição académica.
Privilegiam a emotividade e introduzem novos conceitos estéticos
ligados à corrente expressionista.
Diogo de Macedo, Torso de Mulher
(ou Baigneuse), 1923.
Ernesto Canto da Maia, Adão e Eva,
1929-39.
Francisco Franco, O Semeador, 1925.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
Na arquitetura assumiram um papel de especial destaque:
Cristino Silva, Pardal Monteiro e Carlos Ramos.
Com a introdução do Modernismo arquitetónico
em Portugal, os edifícios adquirem racionalidade
e uma maior simplicidade de traço. As linhas
que marcavam o novo estilo da arquitetura
internacional começavam a entrar em Portugal.
Pardal Monteiro, Instituto Superior Técnico, 1927.
Carlos Ramos, Pavilhão do Rádio do IPO,
1927.
Cristino Silva, Liceu Nacional de
Diogo Gouveia.
TENDÊNCIAS CULTURAIS:
ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Arte_sec_xx.pptx (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Modernismo2019
Modernismo2019Modernismo2019
Modernismo2019
 
22 modernismo2020
22 modernismo202022 modernismo2020
22 modernismo2020
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Apresentação trabalho de português.pdf
Apresentação trabalho de português.pdfApresentação trabalho de português.pdf
Apresentação trabalho de português.pdf
 
Vanguardas europeias 2016
Vanguardas europeias 2016Vanguardas europeias 2016
Vanguardas europeias 2016
 
12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx12 - Modernismo-2-8.docx
12 - Modernismo-2-8.docx
 
Arte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptxArte MODERNA.pptx
Arte MODERNA.pptx
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 
AA MOD ppt7
AA MOD  ppt7AA MOD  ppt7
AA MOD ppt7
 
Modernismo.
Modernismo.Modernismo.
Modernismo.
 
Modernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando PessoaModernismo e Fernando Pessoa
Modernismo e Fernando Pessoa
 

Mais de Pedro Silva

Int_Estado_Econom_New_Deal.pptx
Int_Estado_Econom_New_Deal.pptxInt_Estado_Econom_New_Deal.pptx
Int_Estado_Econom_New_Deal.pptxPedro Silva
 
Hegemonia_eua.pptx
Hegemonia_eua.pptxHegemonia_eua.pptx
Hegemonia_eua.pptxPedro Silva
 
Regimes_totalitarios.pptx
Regimes_totalitarios.pptxRegimes_totalitarios.pptx
Regimes_totalitarios.pptxPedro Silva
 
Estalinismo.pptx
Estalinismo.pptxEstalinismo.pptx
Estalinismo.pptxPedro Silva
 
Portugal_int_europeia.pptx
Portugal_int_europeia.pptxPortugal_int_europeia.pptx
Portugal_int_europeia.pptxPedro Silva
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxPedro Silva
 
Consolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptxConsolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptxPedro Silva
 
Afirmação da China.pptx
Afirmação da China.pptxAfirmação da China.pptx
Afirmação da China.pptxPedro Silva
 
Afirmacao_asia.pptx
Afirmacao_asia.pptxAfirmacao_asia.pptx
Afirmacao_asia.pptxPedro Silva
 
25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptxPedro Silva
 
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptx
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptxCrescimento Vs Desenvolvimento.pptx
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptxPedro Silva
 
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.ppt
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.pptUm desafio global - o desenvolvimento sustentável.ppt
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.pptPedro Silva
 
Pessoa e cultura.ppt
Pessoa e cultura.pptPessoa e cultura.ppt
Pessoa e cultura.pptPedro Silva
 
Socialização.ppt
Socialização.pptSocialização.ppt
Socialização.pptPedro Silva
 
O Património.pptx
O Património.pptxO Património.pptx
O Património.pptxPedro Silva
 

Mais de Pedro Silva (18)

Int_Estado_Econom_New_Deal.pptx
Int_Estado_Econom_New_Deal.pptxInt_Estado_Econom_New_Deal.pptx
Int_Estado_Econom_New_Deal.pptx
 
Hegemonia_eua.pptx
Hegemonia_eua.pptxHegemonia_eua.pptx
Hegemonia_eua.pptx
 
Regimes_totalitarios.pptx
Regimes_totalitarios.pptxRegimes_totalitarios.pptx
Regimes_totalitarios.pptx
 
Estalinismo.pptx
Estalinismo.pptxEstalinismo.pptx
Estalinismo.pptx
 
Portugal_int_europeia.pptx
Portugal_int_europeia.pptxPortugal_int_europeia.pptx
Portugal_int_europeia.pptx
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
 
Consolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptxConsolidacao_eu.pptx
Consolidacao_eu.pptx
 
Afirmação da China.pptx
Afirmação da China.pptxAfirmação da China.pptx
Afirmação da China.pptx
 
Afirmacao_asia.pptx
Afirmacao_asia.pptxAfirmacao_asia.pptx
Afirmacao_asia.pptx
 
25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx
 
Geo_pol.pptx
Geo_pol.pptxGeo_pol.pptx
Geo_pol.pptx
 
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptx
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptxCrescimento Vs Desenvolvimento.pptx
Crescimento Vs Desenvolvimento.pptx
 
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.ppt
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.pptUm desafio global - o desenvolvimento sustentável.ppt
Um desafio global - o desenvolvimento sustentável.ppt
 
Pessoa e cultura.ppt
Pessoa e cultura.pptPessoa e cultura.ppt
Pessoa e cultura.ppt
 
Socialização.ppt
Socialização.pptSocialização.ppt
Socialização.ppt
 
O Património.pptx
O Património.pptxO Património.pptx
O Património.pptx
 
Cultura.ppt
Cultura.pptCultura.ppt
Cultura.ppt
 
A Escola.ppt
A Escola.pptA Escola.ppt
A Escola.ppt
 

Último

Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Arte_sec_xx.pptx

  • 1. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS
  • 2. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Amadeo de Souza-Cardoso Guilherme de Santa-Rita Almada Negreiros Mário de Sá Carneiro Fernando Pessoa Eduardo Viana Pardal Monteiro
  • 3. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Silva Porto Marques de Oliveira José Malhoa Columbano O panorama artístico português, em 1910, permanecia arreigado à tradição de tendência naturalista e académica do século XIX, protagonizada por: José Malhoa, O Fado, 1910.
  • 4. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS O I Salão dos Humoristas, em 1912, surgiu como a primeira reação contra a tradição oitocentista. Este salão traduziu a renovação da mentalidade dos artistas, iniciando assim a ligação de Portugal à modernidade europeia. Nascia o Modernismo português, que pretendia quebrar com a tradição artística do século XIX. Amadeo de Souza-Cardoso, (Coty), 1917.
  • 5. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Primeiro Modernismo Os autores do primeiro Modernismo português trouxeram para Portugal as inovações das principais correntes da vanguarda europeia. Na sua maioria, os artistas do primeiro modernismo foram estudar para Paris como bolseiros e trouxeram para Portugal as novas correntes estéticas. Cabeça, atribuída a Guilherme Santa-Rita, 1910.
  • 6. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS O Futurismo e o Cubismo foram as correntes de maior impacto no primeiro Modernismo. Como pintores desta fase do Modernismo destacaram-se: Amadeo de Souza-Cardoso Almada Negreiros Eduardo Viana
  • 7. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Amadeo de Souza-Cardoso É um dos pintores mais representativos da primeira geração de modernistas: • Em Paris, assimilou as principais correntes modernistas do início do século XX. • Experimentou diversas correntes na sua pintura. • Criou uma rutura com a tradição oitocentista que ainda vigorava em Portugal. • Contribuiu para a introdução do Futurismo e Cubismo em Portugal. • Introduziu um novo sentido estético na pintura. Amadeo de Souza-Cardoso, Trou de serrure – parto da viola Bom Ménage (…), c. 1916.
  • 8. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Almada Negreiros Artista que percorre diversos géneros artísticos: poesia, romance, ensaio, teatro, pintura e desenho. • É, juntamente com os seus companheiros de geração, um dos responsáveis pela difusão do Modernismo em Portugal. • Representa a rutura com o naturalismo e o academismo, nomeadamente com a publicação do Manifesto Anti-Dantas. • Participa na revista Orpheu. • Valoriza, na sua obra, a cultura e identidade nacionais. Almada Negreios, Autorretrato num grupo, 1925.
  • 9. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Eduardo Viana Introduz uma nova estética na pintura portuguesa, sob a influência de Paul Cézanne e do Fauvismo. • Inspira-se na arte popular. • Faz uso de cores fortes e contrastantes e, através da influência de Sónia e Robert Delaunay, inclui os círculos órficos na sua obra. • Procede a uma decomposição das figuras e ao esbatimento dos planos, procurando, deste modo, ir ao encontro da modernidade europeia. Eduardo Viana, A Revolta das bonecas, 1916.
  • 10. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Segundo Modernismo No segundo Modernismo português destacaram-se na pintura: Mário Eloy, Júlio Reis Pereira e Sarah Affonso. O segundo Modernismo representa uma rutura na continuidade, ou seja, mantém a tradição modernista mas rompe com as convenções estéticas que marcaram o primeiro modernismo. Mário Eloy, Bailarico no bairro, c. 1936.
  • 11. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Mário Eloy Mário Eloy recebe influências do Modernismo europeu, a partir de Paris e Berlim. A sua obra ficou marcada pelo traço expressionista, pelo dramatismo e lirismo em alguns dos seus trabalhos. A paleta de cores dos seus quadros tende a tornar-se homogénea e inspira-se no cromatismo do expressionismo alemão. Mário Eloy, Bailarico no bairro, c. 1936. Ao nível temático, vai desde o mais absoluto dramatismo até ao lirismo mais cândido. Ao nível técnico, faz uso da simplificação do traço, do esbatimento de planos e joga com o contraste cromático.
  • 12. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Júlio Maria dos Reis Pereira Júlio Maria dos Reis Pereira marcou o segundo Modernismo pelo lirismo das suas obras. Sob a influência de Marc Chagall, Júlio trouxe para a pintura portuguesa um cunho de ingenuidade e um caráter lírico, que intercala com a crítica social. A crítica à sociedade do seu tempo, nomeadamente à burguesia endinheirada, encontra as suas raízes no Expressionismo alemão. Júlio escreveu também poesia, assinando os seus poemas sob o pseudónimo de Saúl Dias. Júlio, Burguês e prostituta, 1931.
  • 13. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Sarah Affonso Sarah Affonso introduziu no Modernismo português uma nova temática e construção plástica. Valorizou os temas populares, sobretudo as festas e as romarias do Minho. Simplificou as formas, reduzindo o traço aos elementos essenciais, pintando o povo e como o povo. Aproxima o Modernismo português das vanguardas estéticas europeias, imprimindo-lhe uma forte identidade nacional. Sarah Affonso, Casamento na aldeia, 1937.
  • 14. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Na literatura, no primeiro Modernismo, destacaram-se: Mário de Sá Carneiro, Fernando Pessoa e Almada Negreiros. Foram várias as revistas modernistas que surgiram em Portugal: • Orpheu, 1915. • Portugal Futurista, 1917. • Contemporânea, 1922. Fernando Pessoa cria os heterónimos: Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro. A obra literária de Fernando Pessoa assume-se como um marco importante do Modernismo em Portugal. Mário de Sá Carneiro apresenta-se como outro nome relevante no contexto do Modernismo português. Entre as suas obras destacam-se: A Confissão de Lúcio (1914) e Céu em Fogo (1915). Revista Orpheu, 1915.
  • 15. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Na literatura, no segundo Modernismo, destacaram-se: José Régio e Branquinho da Fonseca. O segundo Modernismo ficou marcado pela publicação da revista Presença. Na revista Presença participaram os mais importantes nomes da segunda geração de modernistas, como Júlio, Mário Eloy, Sarah Affonso, bem como Almada Negreiros que fizera já parte da primeira geração de modernistas. Os presencistas valorizaram o sentido de originalidade e de ingenuidade na arte e, sem esquecer as correntes europeias, enraizaram cada vez mais a arte nos valores nacionais. Revista Presença.
  • 16. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Na escultura destacaram-se: Diogo de Macedo, Francisco Franco e Ernesto Canto Maia. Os escultores modernistas rompem com a tradição académica. Privilegiam a emotividade e introduzem novos conceitos estéticos ligados à corrente expressionista. Diogo de Macedo, Torso de Mulher (ou Baigneuse), 1923. Ernesto Canto da Maia, Adão e Eva, 1929-39. Francisco Franco, O Semeador, 1925.
  • 17. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS Na arquitetura assumiram um papel de especial destaque: Cristino Silva, Pardal Monteiro e Carlos Ramos. Com a introdução do Modernismo arquitetónico em Portugal, os edifícios adquirem racionalidade e uma maior simplicidade de traço. As linhas que marcavam o novo estilo da arquitetura internacional começavam a entrar em Portugal. Pardal Monteiro, Instituto Superior Técnico, 1927. Carlos Ramos, Pavilhão do Rádio do IPO, 1927. Cristino Silva, Liceu Nacional de Diogo Gouveia.
  • 18. TENDÊNCIAS CULTURAIS: ENTRE O NATURALISMO E AS VANGUARDAS