Lean_Encontro Gestão Industrial_ESEIG

766 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
766
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lean_Encontro Gestão Industrial_ESEIG

  1. 1. LEAN THINKING – INTRODUÇÃO À FILOSOFIA MIGUEL MONTENEGRO ARAÚJO COST & PROFITABILITY
  2. 2. Miguel Montenegro AraújoAgendaIntrodução ao LeanO modelo da Casa do LeanDa Estabilidade Básica às Ferramentas deMelhoriaLean Journey
  3. 3. LEAN – desde Henry Ford até aos Serviços Henry Ford Linha de Produção Taiichi Ohno – Shigeo Shingo Toyota - TPSLean Thinking 1995 Princípios Lean Aplicação fora da Indústia Lean Services
  4. 4. Os Princípios Lean VALOR CADEIA DE VALOR FLUXO SISTEMA PULL PERFEIÇÃO
  5. 5. O que é o Lean?O Lean representa uma filosofia e um sistemaque se foca em 2 etapas: - A eliminação contínua do desperdício - A criação de valor da perspectiva doclienteO Lean tem sido implementado com sucessoem inúmeros sectores de actividade, com assuas fortes raízes no sector automóvel até aosserviços.
  6. 6. Valor e os 7 desperdíciosCriar valor é o objectivo principal de qualquerorganização. O valor corresponde a todas as actividades epropriedades dos serviços / produtos que o clienteconsidera importantes e que valem a sua atenção edinheiroA criação de valor e a eliminação de desperdíciocaminham lado a lado, no caminho para a excelência.
  7. 7. Os 7 desperdícios Excesso Produção 1 Stock Defeitos 7 2 Sobre 6 3 Transportes Processamento 5 4 Esperas Movimentos
  8. 8. CASA DO LEAN TAKT TIME ONE PIECE FLOW POKA-YOKE PULL FLOW ANDONSETUP’S RÁPIDOS CAUSA RAIZ DOSLEAN SUPPLY CHAIN PROBLEMAS EMPOWERMENT Material certo, no momento certo e Tornar os quantidade certa problemas visíveis. Qualidade na fonte. Ir ao terreno Formação e treino Resolução Problemas Equipas 5 Porquês
  9. 9. ESTABILIDADE BÁSICA – 5S ANTES DEPOIS
  10. 10. ESTABILIDADE BÁSICA – GESTÃO VISUAL ANTES DEPOIS
  11. 11. STANDARD WORK SUPORTE VISUAL BASE PARA A MELHORIA ELIMINAR OS MUDASAUMENTAR A PRODUTIVIDADE NORMALIZAR O TRABALHO
  12. 12. SMED – Mudança Rápida de Ferramenta ESTUDO TRABALHO SEPARAR INTERNAS - EXTERNAS PASSAR INTERNAS A EXTERNAS REDUZIR INTERNAS Internas REDUZIR EXTERNAS Externas
  13. 13. SMED – CRIAR FLUXO AJUSTE RÁPIDO AJUSTE RÁPIDO T inicial = 70 min T Actual = 30 min
  14. 14. SMED – Mais setups, lotes pequenos, menos stocks FERRAMENTAS KIT DE MUDANÇAANTESDEPOIS
  15. 15. Identificar as perdas no abastecimento materiais Spaghetti abastecimento Operador à espera Excesso de deslocações Linhas e operadores parados Procura de ferramentas DADOS!! Deslocações Tempos de espera
  16. 16. Abastecimento normalizado de peças ao posto trabalho Novo Layout – Abastecimento normalizado – Operador dedicado a acrescentar valor – menos perdas nos postos de trabalho Waitings LBL SW AT IT Stock BGA IDF
  17. 17. PULL FLOW – EVERY PART EVERY DAY TAKT TIME NIVELAMENTO RITMO DO CLIENTE ADEQUAR O NOSSO RITMO AO RITMO DO CLIENTE Dia
  18. 18. Pilar JIDOKAJIDOKA Sistemas à Prova de Erro QUALIDADE É NA FONTE
  19. 19. TORNAR VISÍVELANDON TORNAR VISÍVEL OS PROBLEMAS
  20. 20. TPM – Manutenção Produtiva TotalManter a condição ideal dos equipamentos. Melhoria dosEquipamentos e da Manutenção.Eficiência – zero perdasProdutividade Envolvimento Indicador - OEE
  21. 21. Exemplos de Aplicação MAN. AUTÓNOMA ONE POINT LESSON
  22. 22. ÁGILIDADE - Eventos de Melhoria Rápida ANTES DEPOIS Deslocações desnecessárias Menos espaço Espaço ocupado desnecessário Célula em “U” Menos deslocações
  23. 23. Exemplos de AplicaçãoCONFIGURAÇÕES CÉLULA RESULTADOS Espaço: redução de 30% WIP: redução de 70% Tamanho lote: 120 un para 10 un Deslocações: redução 60% Produtividade: ganho de 25%
  24. 24. ENVOLVIMENTO PESSOAS COMUNICAR FORMAÇÃO E TREINO
  25. 25. Resolução Problemas Briefing Centre 5 PorquêsQuadro Linha
  26. 26. VSM – Mapeamento da Cadeia de Valor FLUXO INFORMAÇÃO FORNEC. CLIENTE EMPRESA FLUXO MATERIAIS
  27. 27. IMPLEMENTAÇÃODIAGNÓSTICO DADOS OBJECTIVOS COMPROMISSO FORMAÇÃO PLANO EQUIPA ACÇÃO
  28. 28. A LEAN JOURNEY PONTOS CRÍTICOS COMUNICAR FORMAÇÃO E TREINO ABORDAGEM LEAN CRIAR FLUXO IDENTIFICAR E OBTER OS BENEFÍCIOS A aplicação do Lean, por si só, já não é uma vantagemcompetitiva em relação aos demais, mas sim uma exigênciapara continuar a potenciar a sobrevivência das organizações
  29. 29. Q&AMuito Obrigado!Miguel AraújoEmail: miguel.araujo@costandprofitability.comMob: +351 962390706www.costandprofitability.com

×