A Educação Médica em Portugal e no Estrangeiro - Internato médico no estrangeiro

953 visualizações

Publicada em

Apresentação usada para o Tema A Educação Médica em Portugal e no Estrangeiro, integrada nas I Jornadas Médicas da Nova, 26 de abril de 2015. Inclui um resumo do acesso ao internato na Austrália, Brasil, EUA, Reino Unido, Suíça, Alemanha, Bélgica, Canadá, França, baseados na apresentação da Dra. Mariana Reis Costa.

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Para informações mais detalhadas consultar a apresentação da Dra. Mariana Reis Costa: http://www.slideshare.net/MarianaReisCosta/internato-medico-no-estrangeiro
  • Grupo no Facebook dedicado a esta temática: https://www.facebook.com/groups/236267776448977/?fref=ts
  • A Educação Médica em Portugal e no Estrangeiro - Internato médico no estrangeiro

    1. 1. A Educação Médica em Portugal e no Estrangeiro Miguel Cabral 26 de abril de 2015
    2. 2. Temas a abordar • Exemplos de Internatos • Contextos e tendências • Motivações para a mobilidade • Desafios para a Educação Médica
    3. 3. Exemplos de Internatos Fonte: http://www.slideshare.net/MarianaReisCosta/internato-medico-no-estrangeiro
    4. 4. Reconhecimento • Automático (nem todas as especialidades) ao abrigo da Diretiva comunitária 2005/36/EC • União Europeia • Membros do Espaço Económico Europeu (Noruega, Islândia, and Liechtenstein) • Suíça • Fora da União Europeia • Diferentes processos de reconhecimento pelos colégios de Especialidade
    5. 5. Documentos Necessários • Certidão de conclusão do MIM em inglês ou na língua oficial do destino • Certificado de língua • Curriculum vitae • Cartas de recomendação • Carta de motivação • Comprovativo de inscrição na OM (do destino)
    6. 6. Austrália • Certificado de Inglês (2 anos) • Exame TP de acesso ao Medical Council • Pre-employment structured clinical interview (PESCIs) • Cada território/estado • Custos associados: $1,650 AUD (aprox. 1330€). Videoconferência $1,500 AUD (aprox. 1210€) • Espécie de ano comum • Estrutura IM variável
    7. 7. Brasil • Vistos de trabalho e limitações • 2 processos de candidatura: • Tradicional – variável – certidão, CV, entrevista, provas TP • Projeto Piloto REVALIDA – inscrição em Universidades Piloto • Exame de seriação Hospitais-Escola: • Competitivo; Prova escrita, pratica e entrevista • Algumas especialidade sem acesso direto
    8. 8. EUA • Educational Commission for Foreign Medical Graduates (ECFMG) • United States Medical Licensing Examination (USMLE) • Step 1, 2 e 3 • Residency: • Cada colégio define pré-requesitos e currículo • 3-7 anos • 1 ano de internato geral • Board Certification
    9. 9. Reino Unido • IELTS > 7.5 em cada componente (2 anos) • 2 cartas de recomendação (1 clínica 1 académica) • Inscrição no General Medical Council (GMC): • Provisional registration • Full registration (ano comum)  Entrada especialidade • Foundation Programme 1 – em julho-Agosto (teste EM) • FP2 – Março a Maio – CV+entrevista; recrutamento local • Especialidade: 7 a 10 anos
    10. 10. Suíça • Certidão MIM traduzida para língua destino • Certificado língua (observacionais remunerados) • Candidatura direta ao Hospital (entrevista + CV) • 5 a 8 anos • Estrutura flexível com requisitos mínimos • Avaliação final por cada colégio
    11. 11. Alemanha • Certificado língua B2 (observacionais) • Candidatura direta ao Hospital (entrevista + CV) • 5 a 8 anos • Estrutura flexível com requisitos mínimos • Avaliação final por cada colégio • Salário aumenta anualmente conforme progressão
    12. 12. Bélgica • Língua (exame francês na Valónia) • Registo por região • Processo centrado nas universidades: • Grande variabilidade: datas, seleção • Cerca de 2 a 3 meses • 1 ano de antecedência B2 (observacionais) • Não há ano comum – início Agosto – Outubro • 4 a 7 anos; 48-60 hs/semana; 3250€/mês • Autonomia limitada no privado
    13. 13. Canadá • Exame TP • Língua (província) • Candidatura por match (Agosto a Julho) • IMGs concurso paralelo com vagas limitadas (nº e tipo) • Vagas limitadas (nº e tipo) • 4 a 5 anos • Bolsas para atividade científica • 37500€/ano a 60000€/ano (província)
    14. 14. França • Conclusão MIM em francês • Semelhante a Portugal: • PNS com vaga • Inscrição março, realização maio • Conclusão MIM 11 julho • Escolha nacional setembro • Início 1 Novembro • Registo OM francesa • 3 a 5 anos - tese para terminar especialização • Salário bruto: 1º - 1300€/mês; > 3º - 3000€
    15. 15. Mais informações
    16. 16. Mais informações
    17. 17. Mais informações
    18. 18. Mais informações
    19. 19. Mais informações
    20. 20. Mais informações
    21. 21. Algumas tendências • Número estimado de défice de profissionais de saúde a nível mundial: 2.400.000 Fonte: Observatório de Recursos Humanos em Saúde de São Paulo
    22. 22. Algumas tendências • Crescimento de Escolas Médicas na América Latina Fonte: PAFAMS/FEPAFEM 0 20 40 60 80 100 120 140 160 1969 1975 1988 1992 2004 2010 BRASIL MEXICO COLOMBIA PERU ARGENTINA ECUADOR VENEZUELA
    23. 23. Algumas tendências • Necessidade de especialistas Vs médicos • Necessidade nas periferias • Aumento da produção de médicos
    24. 24. Motivações para a mobilidade • Financeiras (mobilidade diminui com aumento salarial) • Ambiente e condições laborais (flexibilidade de horário) • Relações no trabalho (hierarquia) • Acesso a boas infra-estruturas e equipamento • Desenvolvimento profissional e progressão na carreira • Qualidade de formação • Rapidez no acesso e tipos de vagas de formação • Desemprego Fonte: Health Professional Mobility and Heath Systems – Evidence from 17 European countries
    25. 25. Motivações para a mobilidade • Acesso a oportunidade científicas • Qualidade de vida • Prestígio social (Sentido de justiça) • Mobilidade de curta duração (diáspora) Fonte: Health Professional Mobility and Heath Systems – Evidence from 17 European countries
    26. 26. Fatores a ponderar Formação Médica Estrutura Internato Certeza de terminar a especialidade Tutor/orientador Oportunidades de formação Possibilidade de fazer investigação Qualidade técnico-científica serviços hospitalares
    27. 27. Fatores a ponderar Condições de Trabalho Carga horária semanal Vencimento Regime de férias Direitos casamento/maternidade/p aternidade
    28. 28. Fatores a ponderar Condições Económicas Poupança anual Seguros, renda, despesas supermercados, transportes… Suporte emocional Proximidade/ac essos Características País/cidade Clima Cultura
    29. 29. Fatores a ponderar Regresso a Portugal Timming Reconhecimento Especialidade Empregabilidade?
    30. 30. Desafios • Planeamento (Sérvia e Montenegro 9-12 biliões US$) • Numerus clausus / Bolonha / Novo Decreto • Capacidade de efetivamente ensinar competências • Resposta em urgência • Pensamento crítico (aniversário da Cheryl) • Comunicação • Inovação Vs Curricula • A capacidade de formar médicos honrados
    31. 31. miguelcabralpinho@gmail.com facebook.com/miguel.cabral twitter.com/miguel__cabral slideshare.net/miguel_cabral

    ×