Aula 7 si_log_T

1.224 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
325
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
139
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 7 si_log_T

  1. 1. (Sistema de Gestão de Transporte)
  2. 2. TMS Benefícios Módulos Roteirização Bons e Maus Exemplos
  3. 3.  Sistema TMS (Transportation Management System, ou Sistema de Gerenciamento de Transportes)  Permite controlar toda a operação e gestão dos transportes de forma integrada, contribuindo para a melhoria da qualidade e produtividade do processo de distribuição.  O TMS integra-se ao WMS para viabilizar as entregas de modo a gerir todo o processo de armazenagem e transporte.
  4. 4.  O WMS é apenas uma parte dos Sistemas de Informação voltados para Armazenagem , que compreendem, além dos WMS – Warehouse Information Systems, também os: • DRP – Distribuition Requirements Planning – Planejamento das necessidades de Distribuição • TMS – Transportation Management Systems – Sistemas de Gerenciamento de Transportes • EDI – Eletronic Data Interchange – Intercâmbio Eletrônico de Dados; • Automatic Identification – Auto ID (Identificação Automática – Código de Barras) • RFDC – Radio Frequency Data Collection (Coleta de Dados por Radiofrequência);
  5. 5. Sistemas de Informação de Armazenagem DRP EDI WMS WCS TMS RFID Qualidade e Velocidade de Informações Redução de Erros ao Cliente Redução do Tempo de Atendimento Redução do Custo de Mão de Obra Racionalização de espaço e equipamentos Aumento de Capacidade Desempenho Sistema de Informação Melhoria do Nível de Serviço Redução dos custos operacionais Melhoria dos indicadores de desempenho QUALIDADE, PRODUTIVIDADE, COMPETITIVIDADE
  6. 6. Estes sistemas tem como finalidade identificar, mensurar e controlar os custos de cada elemento da cadeia de transporte, como: • A gestão de recursos humanos e materiais; • O controle de cargas; • Fretes; • Custos de manutenção da frota, e; • Índices de discrepâncias nas entregas.
  7. 7.  Na indústria o custo de transporte é o segundo maior, perdendo apenas para o custo de produção.  Um TMS pode permitir alcançar um custo mínimo de operação e um aumento na disponibilidade da frota, podendo ser aplicado a empresas transportadoras ou que, ou que utilizam transporte próprio ou terceirizado, como apoio ao seu negócio.
  8. 8.  O Council of Logistics Management, dos Estados Unidos, responsável por pesquisas e estudos referentes a assuntos logísticos, constatou que as empresas gastam, em média, de 10% a 15% de seus orçamentos com atividades logísticas e que o transporte representa cerca de 50% desses custos.  Por esse motivo, reduzir esses custos tem sido um dos objetivos mais perseguidos.  Como se vê, muitos desses custos são de difícil controle e se não existirem sistemas informatizados como ferramentas que permitam visualizar as informações com maior precisão, será difícil alcançar este objetivo. “Aquilo que não se mede não se gerencia e não se melhora”.
  9. 9.  O TMS obtém o mínimo de custo de operação, pois nos permite visualizar e controlar todos custos inerentes a gestão de transporte, controlar a qualidade dos serviços realizados internamente e externamente ou por terceiros e estabelecer metas de qualidade conforme cada necessidade desejada.  Também aumenta a disponibilidade da frota dentro de sua capacidade, através da manutenção monitorada, prevendo possíveis problemas que possam ocorrer nas partes mecânica e elétrica do veículo e informações gerenciais detalhadas e de fácil acesso que permitem uma rápida tomada de decisão.
  10. 10.  Assegura rastreabilidade do pedido e produtividade em todo o processo de distribuição são os principais benefícios;  As características de uma solução TMS variam de acordo com o ramo de atividade – Industrial, operadores logísticos, transporte de cargas ou conforme o tipo de modal.  Dessa forma, cada empresa precisa analisar qual ou quais módulos do TMS serão adequados a sua empresa.
  11. 11.  Módulos Específicos: • Gestão de frotas; • Gestão de fretes; • Roteirização; • Programação de Cargas; • Controle de Tráfego/Rastreamento; • Atendimento ao cliente.
  12. 12.  Gestão de Frotas: • Controle do cadastro do veículo; • Controle de documentação; • Controle de manutenção; • Controle de estoque de peças; • Controle de combustíveis; • Controle de tacógrafos; • Controle de pneus e câmaras; • Controle de engate e desengates;
  13. 13.  Gestão de Fretes • Cadastro geral de transportadoras, rotas, taxas; • Controlar tabela de fretes; • Simulação de fretes; • Controlar conhecimento de cargas; • Liberar pagamentos/recebimentos.
  14. 14.  Roteirizadores • Determinar melhores rotas; • Formação de cargas e índices de ocupação de veículos; • Análise da distribuição de mais de um CD; • Gerenciamento do tempo de entrega por clientes; • Reprogramações de entrega em função de imprevistos.
  15. 15.  Controle de carga • Planejamento de equipes de planejamento; • Planejamento da acomodação de cargas no veículo em função de peso, volume, fragilidade. • Veículo adequado a mercadoria, ou seja, adequação de espaço físico e condições de acondicionamento da carga ao veículo.
  16. 16. Objetivo • Reduzir o custo dos transportes e também melhorar o serviço do cliente, encontrando os melhores trajetos que um veículo deve fazer através dos modais.
  17. 17. • Restrições • Limitações de Recursos • Carga horária de trabalho dos motoristas e ajudantes. • Dificuldades de locomoção no trânsito, desvios, engarrafamentos, velocidade máxima, locais proibidos de circulação e estacionamento. • Veículos de maior capacidade de carga proibidos de transitarem em vias públicas em horário comercial.
  18. 18. • Carregar os caminhões com volumes de paradas que estão próximas entre si; • As paradas em dias diferentes devem ser combinadas para produzir agrupamento densos; • A seqüência das paradas em uma rota rodoviária deve formar um padrão de gota d’água; • As rotas mais eficientes são construídas usando os maiores veículos disponíveis; • As limitações das janelas de tempo estreitas devem ser evitadas.
  19. 19. Maus Roteiros Caminho Cruzado Rotas Sobrepostas Caminhões Carregados para rotas distantes Formato de Gota D`água Rotas Distintas Ponto Removível Distante demais Caminhões Carregados para rotas Próximas Ponto Removível Método Alternativo
  20. 20. • Um ponto de origem e um ponto de destino diferentes; • Pontos de origem e destino múltiplos; • Pontos de origem e destino coincidentes.
  21. 21. Fornecedor 1 Abastecimento 400 Fornecedor 2 Abastecimento 700 Fornecedor 3 Abastecimento 500 Cliente 1 Necessidade 600 Cliente 2 Necessidade 500 Cliente 3 Necessidade 300 4 7 6 5 5 5 59 8 De/Para 1 2 3 1 400 2 200 200 300 3 300 Total de Unidades Transferida = 1400 Programação ótima de Suprimentos
  22. 22.  Método do Vizinho mais próximo  Método de inserção do ponto mais distante 4 5 3 6 2 1 4 5 3 6 2 1 4 5 3 6 2 1 4 5 3 6 2 1 4 5 3 6 2 1 4 5 3 6 2 1 A E CB D F
  23. 23. Resolução da maioria dos problemas de distribuição física fica condicionada aos limites de tempo ou de capacidade de carga dos veículos. Dois métodos relativamente simples, eficaz e muito utilizado:  Método da Varredura • Simples, menos preciso  Método de Clarke e Wright • Conceito de Ganho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Roteiro 3 Roteiro 2 Roteiro 1 Região atendida clientes CD Método da Varredura
  24. 24.  Método de Clarke e Wright (margem de erro – 2 %) “Tem como objetivo gerar roteiros que respeitem as restrições de tempo e de capacidade, mas visando, ao mesmo tempo, minimizar a distância total percorrida pela frota”
  25. 25. Os bons softwares de roteirização devem ter as seguintes características: • Capacidade de agrupamento de pontos de entrega, identificando a melhor formação de cargas. • Identificação da melhor sequência de paradas para cada veículo (rotas), considerando as janelas de tempo de atendimento.
  26. 26. Os bons softwares de roteirização devem ter as seguintes características: • Apresentação do melhor caminho a ser seguido. • Possibilidade de redesenho da rota ou sequência diretamente no mapa digital
  27. 27. Aplicação às empresas que possuem grandes aglomerados de pontos como a distribuição de jornais, coletas de lixo, leitura de hidrômetros e entregas de correspondências (correios).
  28. 28.  Construir rotas levando em consideração a capacidade dos veículos, adequação destes aos clientes e janelas de tempo de atendimento.

×