SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Realismo
Realismo •  Movimento do Séc. XIX, que tem início mais ou menos na década de 30. •  Tem como marco associado o aparecimento da Fotografia «(…) realizava-se uma série de descobrimentos científicos dos mais variados géneros, que fomentaram a eclosão de uma doutrina optimista: o do progresso social.» ... A Lavadeira, Honoré Daumier, 1863
Realismo ...«Assim, como outrora o homem do romantismo sentia a  nostalgia do passado , a partir de agora os ideais irão ser  projectados para o futuro . Em vez de sonhar, como antes, com a melhoria utópica de uma vida que lhe aparecia como algo substancialmente imutável, o homem orienta agora as suas especulações a partir da realidade:  torna-se realista » Gustave Coubert
Realismo “ Eu não posso pintar um anjo porque nunca vi nenhum. Mostrem-me um anjo e eu pintá-lo-ei.” Gustave Coubert “ A origem da Vida”, Gustave Coubert
Realismo O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França.  O Angelus, Jean-François Millet, 1858-1859
Realismo Caracteriza-se por: •  Pintura figurativa •  Retratavam-se cenas reais •  Não apenas as mais «belas» •  Outras realidades, como a pobreza, as más condições de vida •  A degradação •  A parte «feia» da vida Marques D’Oliveira
Naturalismo e Realismo No século XIX, o termo Realismo estava associado ao conceito de Naturalismo, corrente estética que reagiu contra o subjectivismo romântico e o idealismo classicista. As Respigadoras, Jean-François Millet, 1857
Naturalismo e Realismo O interesse dos artistas pela realidade visível manifestou-se primeiramente em França com um grupo de pintores que, nos anos 30 do séc. XIX, abandonou a agitação urbana que então se vivia e o rigoroso academismo da época, para se instalar em plena Floresta de Fontainebleau, na aldeia de Barbizon, onde desenvolveu uma pintura da Natureza, em pleno ar livre, inaugurando a  pintura fora dos ateliers.   Clara ou Torcendo a Roupa, José Malhoa, 1903
Naturalismo e Realismo “ A pintura do século XIX fez sua primeira ruptura com a literatura quando, na pessoa de Coubert, fugiu do espírito para a matéria. Courbet, o primeiro verdadeiro pintor da vanguarda, tentou reduzir a sua arte a dados sensoriais imediatos, pintando unicamente o que os olhos podiam ver, como uma máquina sem o auxílio do espírito.”
Naturalismo e Realismo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Charneca de Belas,  Silva Porto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
O realismo no Brasil
O realismo no BrasilO realismo no Brasil
O realismo no Brasil
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Romantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,okRomantismo e realismo,ok
Romantismo e realismo,ok
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
O barroco no brasil
O barroco no brasilO barroco no brasil
O barroco no brasil
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Mapa mental arte barroca
Mapa mental   arte barrocaMapa mental   arte barroca
Mapa mental arte barroca
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Realismo em portugal
Realismo em portugalRealismo em portugal
Realismo em portugal
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
História da arte - Romantismo e Realismo - resumo
História da arte - Romantismo e Realismo - resumoHistória da arte - Romantismo e Realismo - resumo
História da arte - Romantismo e Realismo - resumo
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 

Destaque (20)

O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
O realismo na pintura
O realismo na pinturaO realismo na pintura
O realismo na pintura
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Modernismo 2
Modernismo 2Modernismo 2
Modernismo 2
 
Jean Gustave Courbet
Jean Gustave CourbetJean Gustave Courbet
Jean Gustave Courbet
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Aula realismo
Aula realismoAula realismo
Aula realismo
 
Flirting with controversy: Gustave Courbet
Flirting with controversy: Gustave CourbetFlirting with controversy: Gustave Courbet
Flirting with controversy: Gustave Courbet
 
Gustave Courbet by Will
Gustave Courbet by WillGustave Courbet by Will
Gustave Courbet by Will
 
Courbet and realism
Courbet and  realismCourbet and  realism
Courbet and realism
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))Trabalho Portugues Ppt  (((Editado)))
Trabalho Portugues Ppt (((Editado)))
 
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Constable
ConstableConstable
Constable
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ART
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ARTCourbet - THE PIONEER OF MODERN ART
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ART
 

Semelhante a O movimento realista no século XIX: retratando a realidade da vida e da natureza

A Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o SurrealismoA Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o SurrealismoMarcioveras
 
[HAVC] Surrealismo: António Pedro
[HAVC] Surrealismo: António Pedro[HAVC] Surrealismo: António Pedro
[HAVC] Surrealismo: António PedroRicardo Sousa
 
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismo
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismoHd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismo
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismoTicianne Darin
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticosDaniele Duque
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaSusana Simões
 
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma CavalcantiVanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma CavalcantiTelma Cavalcanti
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesEline Lima
 

Semelhante a O movimento realista no século XIX: retratando a realidade da vida e da natureza (20)

Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
A Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o SurrealismoA Publicidade e o Surrealismo
A Publicidade e o Surrealismo
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
 
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 202017,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
 
[HAVC] Surrealismo: António Pedro
[HAVC] Surrealismo: António Pedro[HAVC] Surrealismo: António Pedro
[HAVC] Surrealismo: António Pedro
 
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismo
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismoHd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismo
Hd 2016.1 aula 9_influências das vanguardas europeias - surrealismo
 
Movimentos artísticos
Movimentos artísticosMovimentos artísticos
Movimentos artísticos
 
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literaturaO interesse pela realidade social nas artes e na literatura
O interesse pela realidade social nas artes e na literatura
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Anos 20
Anos 20Anos 20
Anos 20
 
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma CavalcantiVanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
Vanguardas europeias - Profª Telma Cavalcanti
 
SURREALISMO
SURREALISMOSURREALISMO
SURREALISMO
 
Surrealismo final
Surrealismo finalSurrealismo final
Surrealismo final
 
A Arte
A ArteA Arte
A Arte
 
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
Vanguardaseuropeiasslides 130727130748-phpapp02
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 

Mais de Michele Pó

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreMichele Pó
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresMichele Pó
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraMichele Pó
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioMichele Pó
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoMichele Pó
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroMichele Pó
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana NascimentoMichele Pó
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaMichele Pó
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMichele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinMichele Pó
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaMichele Pó
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Michele Pó
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaMichele Pó
 

Mais de Michele Pó (20)

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 

O movimento realista no século XIX: retratando a realidade da vida e da natureza

  • 2. Realismo • Movimento do Séc. XIX, que tem início mais ou menos na década de 30. • Tem como marco associado o aparecimento da Fotografia «(…) realizava-se uma série de descobrimentos científicos dos mais variados géneros, que fomentaram a eclosão de uma doutrina optimista: o do progresso social.» ... A Lavadeira, Honoré Daumier, 1863
  • 3. Realismo ...«Assim, como outrora o homem do romantismo sentia a nostalgia do passado , a partir de agora os ideais irão ser projectados para o futuro . Em vez de sonhar, como antes, com a melhoria utópica de uma vida que lhe aparecia como algo substancialmente imutável, o homem orienta agora as suas especulações a partir da realidade: torna-se realista » Gustave Coubert
  • 4. Realismo “ Eu não posso pintar um anjo porque nunca vi nenhum. Mostrem-me um anjo e eu pintá-lo-ei.” Gustave Coubert “ A origem da Vida”, Gustave Coubert
  • 5. Realismo O Realismo é uma forma de expressão artística que procura reproduzir de forma mais ou menos evidente e naturalista o mundo e os objectos da realidade envolvente, surgindo de forma cíclica ao longo da história e tendo como grande impulsionadora a França. O Angelus, Jean-François Millet, 1858-1859
  • 6. Realismo Caracteriza-se por: • Pintura figurativa • Retratavam-se cenas reais • Não apenas as mais «belas» • Outras realidades, como a pobreza, as más condições de vida • A degradação • A parte «feia» da vida Marques D’Oliveira
  • 7. Naturalismo e Realismo No século XIX, o termo Realismo estava associado ao conceito de Naturalismo, corrente estética que reagiu contra o subjectivismo romântico e o idealismo classicista. As Respigadoras, Jean-François Millet, 1857
  • 8. Naturalismo e Realismo O interesse dos artistas pela realidade visível manifestou-se primeiramente em França com um grupo de pintores que, nos anos 30 do séc. XIX, abandonou a agitação urbana que então se vivia e o rigoroso academismo da época, para se instalar em plena Floresta de Fontainebleau, na aldeia de Barbizon, onde desenvolveu uma pintura da Natureza, em pleno ar livre, inaugurando a pintura fora dos ateliers. Clara ou Torcendo a Roupa, José Malhoa, 1903
  • 9. Naturalismo e Realismo “ A pintura do século XIX fez sua primeira ruptura com a literatura quando, na pessoa de Coubert, fugiu do espírito para a matéria. Courbet, o primeiro verdadeiro pintor da vanguarda, tentou reduzir a sua arte a dados sensoriais imediatos, pintando unicamente o que os olhos podiam ver, como uma máquina sem o auxílio do espírito.”
  • 10.