Princípios Ativos e
Terapêuticos Ayurvédicos:
Trigonella foenum-graecum
L.
MEDICINA AYURVÉDICA
Discente: Marta Carvalho | ...
Índice
 Introdução
 O que são especiarias?
 História do Feno-Grego
 O Feno-grego: Monografia
• Nomes vulgares
• Consti...
Introdução
 Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Medicina Ayurvédica. O objetivo é
evidenciar as propriedades do...
Um Regulador para o Equilíbrio
Orgânico
O que são especiarias?
 Do latim Species ei, “especiaria” = “substância”, “mercadoria”.
 No contexto europeu a especiari...
História do Feno-Grego
 Originário da Índia e do Paquistão, o Feno-Grego é uma planta medicinal muito antiga utilizada po...
Feno-Grego: Monografia
Família Botânica:
 Fabáceas (Leguminosas)
Nomes comuns:
 Alfarva, Alforva.
Identificação Botânica...
Feno-Grego: Monografia
Habitat e distribuição:
 Planta herbácea anual nativa do Norte de África e da zona oriental medite...
Feno-Grego: Monografia
 Flavonoides, como anti-inflamatórios, antialérgicos, hepatoprotetores, antiespasmódicos. Têm
prop...
Feno-Grego: Monografia
Usos Etnomédicos e Médicos:
 Anorexia; perda de peso; perturbações metabólicas como diabetes e hip...
Feno-Grego: Monografia
Propriedades e Indicações:
 Hipoglicemiante na diabetes.
 Hipolipemiante e hipocolesterolémico na...
Feno-Grego: Monografia
Contraindicações:
 Gravidez, por terem sido descritos efeitos oxitócicos in vivo. Não usar durante...
Feno-Grego: Monografia
Formas Galénicas:
 Pó, xarope, comprimidos, extrato fluido e cataplasmas de uso externo. Também cá...
Conclusão
 O Feno-Grego é, desde a antiguidade, utilizado para fins medicinais em muitos sistemas
tradicionais.
 As suas...
Bibliografia
 - Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, A. Proença da Cunha, Alda Pereira da Silva,
Odete Rodrigues R...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l

954 visualizações

Publicada em

Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Feno Grego
Activ Principles of Trigonella foenum graecum l.
Marta Carvalho
Michele Pó

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
954
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l

  1. 1. Princípios Ativos e Terapêuticos Ayurvédicos: Trigonella foenum-graecum L. MEDICINA AYURVÉDICA Discente: Marta Carvalho | Docente: Michele Pó | 3ºA Naturopatia, 1º semestre, Nov’14 | Horas de Auto-Estudo Orientado Ano letivo 2014-2015
  2. 2. Índice  Introdução  O que são especiarias?  História do Feno-Grego  O Feno-grego: Monografia • Nomes vulgares • Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia • Usos Etnomédicos e Médicos • Principais Indicações/ Contraindicações • Efeitos Secundários e Toxicidade, Precauções • Formas de Administração e Posologia  Feno-grego como especiaria e suas Aplicações Terapêuticas  Conclusão  Bibliografia
  3. 3. Introdução  Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Medicina Ayurvédica. O objetivo é evidenciar as propriedades do Feno-grego como planta medicinal.  Em primeira instância, será feita uma definição do que são especiarias e uma breve referência à história do Feno-grego e sua distribuição a nível mundial.  De seguida, irá ser abordada a monografia do Trigonella foenum-graecum L., onde serão descritos os constituintes fitoquímicos presentes nesta planta, bem como as suas ações biológicas e farmacológicas, propriedades, indicações, contraindicações, posologia, entre outros.
  4. 4. Um Regulador para o Equilíbrio Orgânico
  5. 5. O que são especiarias?  Do latim Species ei, “especiaria” = “substância”, “mercadoria”.  No contexto europeu a especiaria tinha âmbito alargado e abrangia vários produtos alimentares estimulantes do apetite e também as drogas medicinais de origem exótica.  Com o evoluir dos tempos, a designação de “especiaria” ficou um pouco mais alargada e o seu âmbito incluía, umas vezes, diversos produtos, outras vezes, esta designação ficava circunscrita apenas às especiarias orientais.
  6. 6. História do Feno-Grego  Originário da Índia e do Paquistão, o Feno-Grego é uma planta medicinal muito antiga utilizada por todas as civilizações, do Oriente ao Ocidente. Quando foi introduzida na zona mediterrânea, era muito cultivada na Grécia, daí o seu nome. Foram encontradas sementes no túmulo de Tutankhamun.  O Feno-grego já era conhecido e utilizado por Dioscórides e pelos antigos médicos árabes, com muita consideração.  No Antigo Egipto, esta planta era usada para fazer baixar a febre.  Atualmente, a África do Norte é a maior região produtora do Feno-grego.
  7. 7. Feno-Grego: Monografia Família Botânica:  Fabáceas (Leguminosas) Nomes comuns:  Alfarva, Alforva. Identificação Botânica e Colheita:  Planta herbácea de pequeno porte de folhas trifoliadas, flores esbranquiçadas e triangulares. O fruto contém sementes com forma de losango. A colheita é feita em Agosto. Partes utilizadas:  Sementes maduras.
  8. 8. Feno-Grego: Monografia Habitat e distribuição:  Planta herbácea anual nativa do Norte de África e da zona oriental mediterrânica, também cresce em terrenos incultos do Sul da Europa. Encontra-se, facilmente em searas e terrenos incultos de Portugal. É muito cultivada como planta forraginosa. Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia:  4-hidroxisoleucina, um aminoácido responsável por grande parte do efeito desta planta a nível lipídico e glicémico, por estimular a produção de insulina através de um efeito direto nos ilhéus de Langerhans (células do pâncreas que produzem insulina).  As fibras ajudam na regulação da digestão e a diminuir a absorção de hidratos de carbono que, por sua vez, reduz os níveis de açúcar no sangue na diabetes tipo 2.  O constituinte amargo aumenta o apetite e melhora a digestão, por estimular a secreção do suco gástrico. Em menor escala, têm ação diurética, antifúngica e colagoga.
  9. 9. Feno-Grego: Monografia  Flavonoides, como anti-inflamatórios, antialérgicos, hepatoprotetores, antiespasmódicos. Têm propriedades antioxidantes e são captadores de radicais livres.  Vitaminas do complexo B, como a colina (com ação sobre os lípidos) e inositol (glícido que existe nas fibras musculares e que participa no metabolismo celular e ajuda no crescimento).  Trigonelina, um alcaloide que ajuda a prevenir cáries dentárias por inibir a aderência de algumas bactérias aos dentes. Outros Constituintes:  Sais de ferro e magnésio  Vestígios de óleo essencial  Compostos de fósforo orgânico (estimulante neuromuscular)  Mucilagens (efeito regenerador dos tecidos e laxante suave)
  10. 10. Feno-Grego: Monografia Usos Etnomédicos e Médicos:  Anorexia; perda de peso; perturbações metabólicas como diabetes e hiperlipidemias. Como digestivo e emoliente nas gastrites; emoliente na tosse e bronquite. Em uso tópico nas inflamações da pele, acne, eczemas, abcessos e furúnculos. Usos Aprovados pela Comissão E:  Perda de apetite. Externamente, nas inflamações da pele.
  11. 11. Feno-Grego: Monografia Propriedades e Indicações:  Hipoglicemiante na diabetes.  Hipolipemiante e hipocolesterolémico nas dislipidemias.  Galactagogo e regulador hormonal nas lactentes.  Tónico amargo com efeito aperitivo e digestivo.  Emoliente e anti-inflamatório nas inflamações do intestino.  Estimulante do apetite, devido às suas propriedades aromáticas, carminativas e suavizantes das gastrites.  Antianémico na regulação do peso: em pessoas magras ajuda a aumentar o peso e, pelo contrário, em pessoas com excesso de peso, fá-las consumir menos gorduras.
  12. 12. Feno-Grego: Monografia Contraindicações:  Gravidez, por terem sido descritos efeitos oxitócicos in vivo. Não usar durante a aleitação, por causa dos constituintes amargos. Efeitos Secundários e Toxicidade:  Possíveis efeitos oxitócicos. Precauções:  Ao reduzir a absorção intestinal de glúcidos, será necessário controlar a glicemia para ajustar as doses de insulina nos doentes com diabetes que sejam insulino-dependente.
  13. 13. Feno-Grego: Monografia Formas Galénicas:  Pó, xarope, comprimidos, extrato fluido e cataplasmas de uso externo. Também cápsulas de gelatina dura com pó. Formas de Administração e Posologia:  Internamente são consumidas as sementes secas, normalmente em comprimidos (500mg a 4g por dia). As folhas podem ser comidas em sopas e saladas devido ao seu elevado valor nutritivo e as sementes podem ser também germinadas ou utilizadas como farinha para fazer bolos e pão.  Externamente pode aplicar-se sob a forma de cataplasmas. Nota: dose média diária 6g
  14. 14. Conclusão  O Feno-Grego é, desde a antiguidade, utilizado para fins medicinais em muitos sistemas tradicionais.  As suas aplicações foram exploradas e estudadas durante toda a história da humanidade, sendo descobertas muitas e diversas propriedades medicinais presentes nesta planta.  A sua utilização, tanto no tratamento da diabetes como para reequilibrar o peso e os níveis corretos de colesterol, o Feno-grego pode ser então considerado como um “regulador”, visto que a sua ação tende sempre para o equilíbrio orgânico.
  15. 15. Bibliografia  - Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, A. Proença da Cunha, Alda Pereira da Silva, Odete Rodrigues Roque  - Naturopatia, A Natureza cura a Natureza, João Beles  - Plantas Medicinais e Complementos Bioterápicos, Eduardo Ribeiro, Coleção: Medicina Natural  - ABCedário das Plantas Aromáticas e Medicinais  - Medicina Popular: Tratamento pelas Plantas Medicinais, João Ribeiro Nunes  - A Epopeia das Especiarias, Instituto de Investigação científica Tropical, Edições Inapa  - http://informahealthcare.com/doi/abs/10.3109/13880209.2013.826247  - http://www.ayurvediccure.com/10-effective-natural-cures-for-type-2-diabetes/  - http://www.saladeayurveda.com/2010/01/farmacia-na-cozinha-parte-iii.html

×