SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Princípios Ativos e
Terapêuticos Ayurvédicos:
Trigonella foenum-graecum
L.
MEDICINA AYURVÉDICA
Discente: Marta Carvalho | Docente: Michele Pó | 3ºA Naturopatia, 1º semestre, Nov’14 | Horas de Auto-Estudo
Orientado
Ano letivo 2014-2015
Índice
 Introdução
 O que são especiarias?
 História do Feno-Grego
 O Feno-grego: Monografia
• Nomes vulgares
• Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia
• Usos Etnomédicos e Médicos
• Principais Indicações/ Contraindicações
• Efeitos Secundários e Toxicidade, Precauções
• Formas de Administração e Posologia
 Feno-grego como especiaria e suas Aplicações Terapêuticas
 Conclusão
 Bibliografia
Introdução
 Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Medicina Ayurvédica. O objetivo é
evidenciar as propriedades do Feno-grego como planta medicinal.
 Em primeira instância, será feita uma definição do que são especiarias e uma breve
referência à história do Feno-grego e sua distribuição a nível mundial.
 De seguida, irá ser abordada a monografia do Trigonella foenum-graecum L., onde
serão descritos os constituintes fitoquímicos presentes nesta planta, bem como as
suas ações biológicas e farmacológicas, propriedades, indicações, contraindicações,
posologia, entre outros.
Um Regulador para o Equilíbrio
Orgânico
O que são especiarias?
 Do latim Species ei, “especiaria” = “substância”, “mercadoria”.
 No contexto europeu a especiaria tinha âmbito alargado e abrangia vários produtos
alimentares estimulantes do apetite e também as drogas medicinais de origem exótica.
 Com o evoluir dos tempos, a designação de “especiaria” ficou um pouco mais alargada e o
seu âmbito incluía, umas vezes, diversos produtos, outras vezes, esta designação ficava
circunscrita apenas às especiarias orientais.
História do Feno-Grego
 Originário da Índia e do Paquistão, o Feno-Grego é uma planta medicinal muito antiga utilizada por
todas as civilizações, do Oriente ao Ocidente. Quando foi introduzida na zona mediterrânea, era
muito cultivada na Grécia, daí o seu nome. Foram encontradas sementes no túmulo de
Tutankhamun.
 O Feno-grego já era conhecido e utilizado por Dioscórides e pelos antigos médicos árabes, com
muita consideração.
 No Antigo Egipto, esta planta era usada para fazer baixar a febre.
 Atualmente, a África do Norte é a maior região produtora do Feno-grego.
Feno-Grego: Monografia
Família Botânica:
 Fabáceas (Leguminosas)
Nomes comuns:
 Alfarva, Alforva.
Identificação Botânica e Colheita:
 Planta herbácea de pequeno porte de folhas trifoliadas, flores esbranquiçadas e
triangulares. O fruto contém sementes com forma de losango. A colheita é feita em Agosto.
Partes utilizadas:
 Sementes maduras.
Feno-Grego: Monografia
Habitat e distribuição:
 Planta herbácea anual nativa do Norte de África e da zona oriental mediterrânica, também cresce em
terrenos incultos do Sul da Europa. Encontra-se, facilmente em searas e terrenos incultos de Portugal.
É muito cultivada como planta forraginosa.
Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia:
 4-hidroxisoleucina, um aminoácido responsável por grande parte do efeito desta planta a nível
lipídico e glicémico, por estimular a produção de insulina através de um efeito direto nos ilhéus de
Langerhans (células do pâncreas que produzem insulina).
 As fibras ajudam na regulação da digestão e a diminuir a absorção de hidratos de carbono que, por
sua vez, reduz os níveis de açúcar no sangue na diabetes tipo 2.
 O constituinte amargo aumenta o apetite e melhora a digestão, por estimular a secreção do suco
gástrico. Em menor escala, têm ação diurética, antifúngica e colagoga.
Feno-Grego: Monografia
 Flavonoides, como anti-inflamatórios, antialérgicos, hepatoprotetores, antiespasmódicos. Têm
propriedades antioxidantes e são captadores de radicais livres.
 Vitaminas do complexo B, como a colina (com ação sobre os lípidos) e inositol (glícido que existe
nas fibras musculares e que participa no metabolismo celular e ajuda no crescimento).
 Trigonelina, um alcaloide que ajuda a prevenir cáries dentárias por inibir a aderência de algumas
bactérias aos dentes.
Outros Constituintes:
 Sais de ferro e magnésio
 Vestígios de óleo essencial
 Compostos de fósforo orgânico (estimulante neuromuscular)
 Mucilagens (efeito regenerador dos tecidos e laxante suave)
Feno-Grego: Monografia
Usos Etnomédicos e Médicos:
 Anorexia; perda de peso; perturbações metabólicas como diabetes e hiperlipidemias. Como
digestivo e emoliente nas gastrites; emoliente na tosse e bronquite. Em uso tópico nas
inflamações da pele, acne, eczemas, abcessos e furúnculos.
Usos Aprovados pela Comissão E:
 Perda de apetite. Externamente, nas inflamações da pele.
Feno-Grego: Monografia
Propriedades e Indicações:
 Hipoglicemiante na diabetes.
 Hipolipemiante e hipocolesterolémico nas dislipidemias.
 Galactagogo e regulador hormonal nas lactentes.
 Tónico amargo com efeito aperitivo e digestivo.
 Emoliente e anti-inflamatório nas inflamações do intestino.
 Estimulante do apetite, devido às suas propriedades aromáticas, carminativas e suavizantes das
gastrites.
 Antianémico na regulação do peso: em pessoas magras ajuda a aumentar o peso e, pelo contrário,
em pessoas com excesso de peso, fá-las consumir menos gorduras.
Feno-Grego: Monografia
Contraindicações:
 Gravidez, por terem sido descritos efeitos oxitócicos in vivo. Não usar durante a aleitação, por
causa dos constituintes amargos.
Efeitos Secundários e Toxicidade:
 Possíveis efeitos oxitócicos.
Precauções:
 Ao reduzir a absorção intestinal de glúcidos, será necessário controlar a glicemia para ajustar as
doses de insulina nos doentes com diabetes que sejam insulino-dependente.
Feno-Grego: Monografia
Formas Galénicas:
 Pó, xarope, comprimidos, extrato fluido e cataplasmas de uso externo. Também cápsulas de
gelatina dura com pó.
Formas de Administração e Posologia:
 Internamente são consumidas as sementes secas, normalmente em comprimidos (500mg a 4g por
dia). As folhas podem ser comidas em sopas e saladas devido ao seu elevado valor nutritivo e as
sementes podem ser também germinadas ou utilizadas como farinha para fazer bolos e pão.
 Externamente pode aplicar-se sob a forma de cataplasmas.
Nota: dose média diária 6g
Conclusão
 O Feno-Grego é, desde a antiguidade, utilizado para fins medicinais em muitos sistemas
tradicionais.
 As suas aplicações foram exploradas e estudadas durante toda a história da humanidade,
sendo descobertas muitas e diversas propriedades medicinais presentes nesta planta.
 A sua utilização, tanto no tratamento da diabetes como para reequilibrar o peso e os níveis
corretos de colesterol, o Feno-grego pode ser então considerado como um “regulador”, visto
que a sua ação tende sempre para o equilíbrio orgânico.
Bibliografia
 - Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, A. Proença da Cunha, Alda Pereira da Silva,
Odete Rodrigues Roque
 - Naturopatia, A Natureza cura a Natureza, João Beles
 - Plantas Medicinais e Complementos Bioterápicos, Eduardo Ribeiro, Coleção: Medicina
Natural
 - ABCedário das Plantas Aromáticas e Medicinais
 - Medicina Popular: Tratamento pelas Plantas Medicinais, João Ribeiro Nunes
 - A Epopeia das Especiarias, Instituto de Investigação científica Tropical, Edições Inapa
 - http://informahealthcare.com/doi/abs/10.3109/13880209.2013.826247
 - http://www.ayurvediccure.com/10-effective-natural-cures-for-type-2-diabetes/
 - http://www.saladeayurveda.com/2010/01/farmacia-na-cozinha-parte-iii.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
Maria Alves Silva
 
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Fitoterapia   Uma Alternativa NaturalFitoterapia   Uma Alternativa Natural
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Tic Upe
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
6E
 
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionistaFitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Renato Marques
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
grupo1unb
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
Safia Naser
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
PRISCILA7PIVA
 

Mais procurados (19)

Dietoterapia Chinesa - Dores de cabeça
Dietoterapia Chinesa - Dores de cabeçaDietoterapia Chinesa - Dores de cabeça
Dietoterapia Chinesa - Dores de cabeça
 
A simplicidade e força das plantas na manutenção
A simplicidade e força das plantas na manutençãoA simplicidade e força das plantas na manutenção
A simplicidade e força das plantas na manutenção
 
C:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\FitoterapiaC:\Fakepath\Fitoterapia
C:\Fakepath\Fitoterapia
 
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
 
Mini Curso de Fitoterapia - Prof Lilian Pinto
Mini Curso de Fitoterapia - Prof Lilian PintoMini Curso de Fitoterapia - Prof Lilian Pinto
Mini Curso de Fitoterapia - Prof Lilian Pinto
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
Fitoterapia   Uma Alternativa NaturalFitoterapia   Uma Alternativa Natural
Fitoterapia Uma Alternativa Natural
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Fitoterapia brasileira na estética
Fitoterapia brasileira na estéticaFitoterapia brasileira na estética
Fitoterapia brasileira na estética
 
Ervas Medicinais
Ervas Medicinais Ervas Medicinais
Ervas Medicinais
 
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionistaFitoterapia na prática clínica do nutricionista
Fitoterapia na prática clínica do nutricionista
 
Apresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdfApresentação ervas medicinais. pdf
Apresentação ervas medicinais. pdf
 
TCC
TCCTCC
TCC
 
Receitas fitoterápicas
Receitas fitoterápicasReceitas fitoterápicas
Receitas fitoterápicas
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Plantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãOPlantas Medicinais E NutriçãO
Plantas Medicinais E NutriçãO
 

Destaque

A Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
A Importância Dos Sub-Doshas No DiagnósticoA Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
A Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
Michele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Michele Pó
 
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Michele Pó
 
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia AmoreirinhaA importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
Michele Pó
 

Destaque (13)

Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Sub-Doshas
Sub-DoshasSub-Doshas
Sub-Doshas
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
A Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
A Importância Dos Sub-Doshas No DiagnósticoA Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
A Importância Dos Sub-Doshas No Diagnóstico
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia AmoreirinhaA importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
 

Semelhante a Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l

Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
Simone Dreher
 
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistemaPlantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Eva Yunus Ornay
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
arquisasousa
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinais
kabirin
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Jornal Ibiá
 

Semelhante a Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l (20)

Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)Aula fitoterapia2 (1)
Aula fitoterapia2 (1)
 
Fitoterapia unidade 1
Fitoterapia unidade 1Fitoterapia unidade 1
Fitoterapia unidade 1
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Nadia Poletti
 
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistemaPlantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
Plantas importantes para a cadeia alimentar no ecossistema
 
Farmacia verde parcial
Farmacia verde parcialFarmacia verde parcial
Farmacia verde parcial
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
 
Fitoterapia
FitoterapiaFitoterapia
Fitoterapia
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Oficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapiaOficina de fitoterapia
Oficina de fitoterapia
 
Cursofitocompleto parcial
Cursofitocompleto parcialCursofitocompleto parcial
Cursofitocompleto parcial
 
A-cura-pelas-plantas.pdf
A-cura-pelas-plantas.pdfA-cura-pelas-plantas.pdf
A-cura-pelas-plantas.pdf
 
A Cura Pelas Plantas-1.pdf
A Cura Pelas Plantas-1.pdfA Cura Pelas Plantas-1.pdf
A Cura Pelas Plantas-1.pdf
 
A cura pelas plantas
A cura pelas plantasA cura pelas plantas
A cura pelas plantas
 
Apostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas MedicinaisApostila Plantas Medicinais
Apostila Plantas Medicinais
 
FICHA TECNICA GANODERMA LUCIDUM REISHI
FICHA TECNICA GANODERMA LUCIDUM REISHIFICHA TECNICA GANODERMA LUCIDUM REISHI
FICHA TECNICA GANODERMA LUCIDUM REISHI
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
Cartilha "Plantas Medicinais: da tradição à comprovação"
 
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolattoApostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
Apostila de fitoterapia prof. rogério versolatto
 

Mais de Michele Pó

Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Michele Pó
 
Panchakarma - Rita Quintas
Panchakarma - Rita QuintasPanchakarma - Rita Quintas
Panchakarma - Rita Quintas
Michele Pó
 
Doshas, fogo digestivo e os alimentos Mónica lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos   Mónica lapaDoshas, fogo digestivo e os alimentos   Mónica lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos Mónica lapa
Michele Pó
 
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia AmoreirinhaA importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
Michele Pó
 
Nadis e marmas corporificação da energia e entrada do self
Nadis e marmas  corporificação da energia e entrada do self Nadis e marmas  corporificação da energia e entrada do self
Nadis e marmas corporificação da energia e entrada do self
Michele Pó
 
História da medicina ayurvédica
História da medicina ayurvédicaHistória da medicina ayurvédica
História da medicina ayurvédica
Michele Pó
 

Mais de Michele Pó (14)

Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 
Astro Nutrição
Astro NutriçãoAstro Nutrição
Astro Nutrição
 
Panchakarma - Rita Quintas
Panchakarma - Rita QuintasPanchakarma - Rita Quintas
Panchakarma - Rita Quintas
 
Doshas, fogo digestivo e os alimentos Mónica lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos   Mónica lapaDoshas, fogo digestivo e os alimentos   Mónica lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos Mónica lapa
 
Doshas, fogo digestivo e os alimentos - Mónica Lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos  - Mónica LapaDoshas, fogo digestivo e os alimentos  - Mónica Lapa
Doshas, fogo digestivo e os alimentos - Mónica Lapa
 
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia AmoreirinhaA importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
A importância dos sub doshas no diagnóstico - Cátia Amoreirinha
 
Rasayana - Carlos Nunes
Rasayana   - Carlos NunesRasayana   - Carlos Nunes
Rasayana - Carlos Nunes
 
Nadis e marmas corporificação da energia e entrada do self
Nadis e marmas  corporificação da energia e entrada do self Nadis e marmas  corporificação da energia e entrada do self
Nadis e marmas corporificação da energia e entrada do self
 
Astrologia aplicada ao diagnóstico
Astrologia aplicada ao diagnóstico Astrologia aplicada ao diagnóstico
Astrologia aplicada ao diagnóstico
 
Os gunas e a mente Diana Silva
Os gunas e a mente Diana SilvaOs gunas e a mente Diana Silva
Os gunas e a mente Diana Silva
 
História da medicina ayurvédica
História da medicina ayurvédicaHistória da medicina ayurvédica
História da medicina ayurvédica
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 

Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l

  • 1. Princípios Ativos e Terapêuticos Ayurvédicos: Trigonella foenum-graecum L. MEDICINA AYURVÉDICA Discente: Marta Carvalho | Docente: Michele Pó | 3ºA Naturopatia, 1º semestre, Nov’14 | Horas de Auto-Estudo Orientado Ano letivo 2014-2015
  • 2. Índice  Introdução  O que são especiarias?  História do Feno-Grego  O Feno-grego: Monografia • Nomes vulgares • Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia • Usos Etnomédicos e Médicos • Principais Indicações/ Contraindicações • Efeitos Secundários e Toxicidade, Precauções • Formas de Administração e Posologia  Feno-grego como especiaria e suas Aplicações Terapêuticas  Conclusão  Bibliografia
  • 3. Introdução  Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Medicina Ayurvédica. O objetivo é evidenciar as propriedades do Feno-grego como planta medicinal.  Em primeira instância, será feita uma definição do que são especiarias e uma breve referência à história do Feno-grego e sua distribuição a nível mundial.  De seguida, irá ser abordada a monografia do Trigonella foenum-graecum L., onde serão descritos os constituintes fitoquímicos presentes nesta planta, bem como as suas ações biológicas e farmacológicas, propriedades, indicações, contraindicações, posologia, entre outros.
  • 4. Um Regulador para o Equilíbrio Orgânico
  • 5. O que são especiarias?  Do latim Species ei, “especiaria” = “substância”, “mercadoria”.  No contexto europeu a especiaria tinha âmbito alargado e abrangia vários produtos alimentares estimulantes do apetite e também as drogas medicinais de origem exótica.  Com o evoluir dos tempos, a designação de “especiaria” ficou um pouco mais alargada e o seu âmbito incluía, umas vezes, diversos produtos, outras vezes, esta designação ficava circunscrita apenas às especiarias orientais.
  • 6. História do Feno-Grego  Originário da Índia e do Paquistão, o Feno-Grego é uma planta medicinal muito antiga utilizada por todas as civilizações, do Oriente ao Ocidente. Quando foi introduzida na zona mediterrânea, era muito cultivada na Grécia, daí o seu nome. Foram encontradas sementes no túmulo de Tutankhamun.  O Feno-grego já era conhecido e utilizado por Dioscórides e pelos antigos médicos árabes, com muita consideração.  No Antigo Egipto, esta planta era usada para fazer baixar a febre.  Atualmente, a África do Norte é a maior região produtora do Feno-grego.
  • 7. Feno-Grego: Monografia Família Botânica:  Fabáceas (Leguminosas) Nomes comuns:  Alfarva, Alforva. Identificação Botânica e Colheita:  Planta herbácea de pequeno porte de folhas trifoliadas, flores esbranquiçadas e triangulares. O fruto contém sementes com forma de losango. A colheita é feita em Agosto. Partes utilizadas:  Sementes maduras.
  • 8. Feno-Grego: Monografia Habitat e distribuição:  Planta herbácea anual nativa do Norte de África e da zona oriental mediterrânica, também cresce em terrenos incultos do Sul da Europa. Encontra-se, facilmente em searas e terrenos incultos de Portugal. É muito cultivada como planta forraginosa. Constituintes Fitoquímicos e Atividade Biológica/Farmacologia:  4-hidroxisoleucina, um aminoácido responsável por grande parte do efeito desta planta a nível lipídico e glicémico, por estimular a produção de insulina através de um efeito direto nos ilhéus de Langerhans (células do pâncreas que produzem insulina).  As fibras ajudam na regulação da digestão e a diminuir a absorção de hidratos de carbono que, por sua vez, reduz os níveis de açúcar no sangue na diabetes tipo 2.  O constituinte amargo aumenta o apetite e melhora a digestão, por estimular a secreção do suco gástrico. Em menor escala, têm ação diurética, antifúngica e colagoga.
  • 9. Feno-Grego: Monografia  Flavonoides, como anti-inflamatórios, antialérgicos, hepatoprotetores, antiespasmódicos. Têm propriedades antioxidantes e são captadores de radicais livres.  Vitaminas do complexo B, como a colina (com ação sobre os lípidos) e inositol (glícido que existe nas fibras musculares e que participa no metabolismo celular e ajuda no crescimento).  Trigonelina, um alcaloide que ajuda a prevenir cáries dentárias por inibir a aderência de algumas bactérias aos dentes. Outros Constituintes:  Sais de ferro e magnésio  Vestígios de óleo essencial  Compostos de fósforo orgânico (estimulante neuromuscular)  Mucilagens (efeito regenerador dos tecidos e laxante suave)
  • 10. Feno-Grego: Monografia Usos Etnomédicos e Médicos:  Anorexia; perda de peso; perturbações metabólicas como diabetes e hiperlipidemias. Como digestivo e emoliente nas gastrites; emoliente na tosse e bronquite. Em uso tópico nas inflamações da pele, acne, eczemas, abcessos e furúnculos. Usos Aprovados pela Comissão E:  Perda de apetite. Externamente, nas inflamações da pele.
  • 11. Feno-Grego: Monografia Propriedades e Indicações:  Hipoglicemiante na diabetes.  Hipolipemiante e hipocolesterolémico nas dislipidemias.  Galactagogo e regulador hormonal nas lactentes.  Tónico amargo com efeito aperitivo e digestivo.  Emoliente e anti-inflamatório nas inflamações do intestino.  Estimulante do apetite, devido às suas propriedades aromáticas, carminativas e suavizantes das gastrites.  Antianémico na regulação do peso: em pessoas magras ajuda a aumentar o peso e, pelo contrário, em pessoas com excesso de peso, fá-las consumir menos gorduras.
  • 12. Feno-Grego: Monografia Contraindicações:  Gravidez, por terem sido descritos efeitos oxitócicos in vivo. Não usar durante a aleitação, por causa dos constituintes amargos. Efeitos Secundários e Toxicidade:  Possíveis efeitos oxitócicos. Precauções:  Ao reduzir a absorção intestinal de glúcidos, será necessário controlar a glicemia para ajustar as doses de insulina nos doentes com diabetes que sejam insulino-dependente.
  • 13. Feno-Grego: Monografia Formas Galénicas:  Pó, xarope, comprimidos, extrato fluido e cataplasmas de uso externo. Também cápsulas de gelatina dura com pó. Formas de Administração e Posologia:  Internamente são consumidas as sementes secas, normalmente em comprimidos (500mg a 4g por dia). As folhas podem ser comidas em sopas e saladas devido ao seu elevado valor nutritivo e as sementes podem ser também germinadas ou utilizadas como farinha para fazer bolos e pão.  Externamente pode aplicar-se sob a forma de cataplasmas. Nota: dose média diária 6g
  • 14. Conclusão  O Feno-Grego é, desde a antiguidade, utilizado para fins medicinais em muitos sistemas tradicionais.  As suas aplicações foram exploradas e estudadas durante toda a história da humanidade, sendo descobertas muitas e diversas propriedades medicinais presentes nesta planta.  A sua utilização, tanto no tratamento da diabetes como para reequilibrar o peso e os níveis corretos de colesterol, o Feno-grego pode ser então considerado como um “regulador”, visto que a sua ação tende sempre para o equilíbrio orgânico.
  • 15. Bibliografia  - Plantas e Produtos Vegetais em Fitoterapia, A. Proença da Cunha, Alda Pereira da Silva, Odete Rodrigues Roque  - Naturopatia, A Natureza cura a Natureza, João Beles  - Plantas Medicinais e Complementos Bioterápicos, Eduardo Ribeiro, Coleção: Medicina Natural  - ABCedário das Plantas Aromáticas e Medicinais  - Medicina Popular: Tratamento pelas Plantas Medicinais, João Ribeiro Nunes  - A Epopeia das Especiarias, Instituto de Investigação científica Tropical, Edições Inapa  - http://informahealthcare.com/doi/abs/10.3109/13880209.2013.826247  - http://www.ayurvediccure.com/10-effective-natural-cures-for-type-2-diabetes/  - http://www.saladeayurveda.com/2010/01/farmacia-na-cozinha-parte-iii.html