SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Movimento  Arts & Crafts William Morris,  “Artichoke Wallpaper”, c1897. Na segunda metade do séc. XX, o processo de fabrico industrial invadiu todos os sectores de produção, nomeadamente os dos objectos utilitários que podiam, simultaneamente ser portadores de intenções decorativas e artísticas – as Artes Aplicadas. Fabricados massivamente e em série, estes objectos primavam pelo exagerado ornamentalismo, pela vulgaridade da forma e pela falta de originalidade e de gosto.
Movimento  Arts & Crafts Tais factos não passaram despercebidos a alguns teóricos ingleses da época, como  Jonh Ruskin  (1819-1900) e  William Morris  (1834-1896). Foram eles os mentores e dinamizadores do movimento  Arts & Crafts , que rejeitava a influência da industrialização na Arte, procurando a sua revalorização pela separação total entre a arte e a indústria e pela ligação instrínseca entre a criação artística de uma obra e a sua execução técnica.
Movimento  Arts & Crafts Ruskin e Morris lutaram por uma arte pura, assente na criação e na concepção individual, na originalidade e no bom gosto, cujos princípios se deviam aplicar a todas as modalidades artísticas, sem distinção alguma - conceito de  unidade das artes  – que tende a apagar as diferenças tradicionais entre as várias modalidades artísticas (artes maiores e artes menores), considerando que todas são merecedoras de igual qualidade plástica, e que devem nortear-se pelos mesmos princípios formais e estéticos.
Movimento  Arts & Crafts Para isso a arte e os artistas deviam rejeitar os processos industriais e os seus materiais, regressando ao processo criativo das corporações medievais, ao uso exclusivo de materiais naturais e ao fabrico de peças únicas e originais, pelo método artesanal. Propuseram como fonte de inspiração o foclore e as tradições populares de cada país.
Movimento  Arts & Crafts ,[object Object],[object Object]
Movimento  Arts & Crafts Estava assim lançado o  Movimento Arts & Crafts , que deu origem a inúmeros outros ateliers artesanais por toda a Inglaterra. Foi sob a influência destas oficinas que germinaram as raízes da  Arte Nova  e do  Design .
Na arquitectura notabilizaram-se a construção de moradias familiares rústicas que seguiam a tradição rural inglesa, que remontava à Idade Média.  The Gamble House,  Pasadena, CA, 1908.  Arts & Crafts Movement
 
 
Victor Horta, Hotel Tassel , 1890s.
Hotel Tassel (Victor Horta) – 1 st  Art Nouveau Building in the World
 
 
 
 
Nas  Artes Aplicadas  privilegiaram-se critérios de simplicidade e pureza formais, associados a motivos decorativos inspirados nas plantas, nos pássaros e noutros animais, organizados em densos e complexos padrões de desenho plano e linear.
Entre 1880 e 1910, as sociedades europeias viveram um momento particularmente feliz que a História apelidou de Belle Époque. À paz e à aparente estabilidade política deste fim de século somavam-se as conquistas e os progresso científico, técnico e económico, criando um clima de optimismo e confiança no futuro, que proporcionou extraordinárias inovações no campo da Arte.
Foi este clima que instalou o  Modernismo  – um Movimento cultural e artístico que atingiu todas as artes e que ficou marcado pela ruptura com a tradição na procura de novas expressões – formais, técnicas e estéticas – que melhor correspondessem ao progresso e aos novos gostos que as sociedades ocidentais haviam desenvolvido – privilegiando a sensibilidade e a fantasia, o refinamento estético e a imaginação, numa acentuação pelo decorativo e pitoresco.  Alphonse Mucha
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Estes princípios eram: 1º  Inovação Formal  – Originalidade e Criatividade 2º  Adesão ao progresso  – recurso às novas técnicas e novos materiais (ladrilho cozido, ferro, vidro, betão e outros) 3º  Adopção de uma nova estética  – linha sinuosa, elástica e flexível, estilizada ou geometrizada, na procura do movimento, do ritmo, da expressão e do simbolismo poético, de intuito decorativo.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
O Nome de 'Art Nouveau' derivou do nome de uma loja parisiense, a  Maison de l'Art Nouveau , que vendia e e tinha em exposição objectos que seguiam esta abordagem do design.  Louis Comfort Tiffany,   Glass Vase , c1910.
 
 
 
 
 
 
Transformada na mais genuína expressão da sua época, a Arte Nova exprimiu a modernidade numa fórmula onde estética e técnica, tradição e inovação se misturavam em doses iguais.
Implantou-se solidamente nos centros urbanos como símbolo do seu modo de vida, e nas zonas mais atingidas pelo desenvolvimento industrial, comercial e capitalista do seu tempo. Aplicou-se a sua estética a todas as modalidades artísticas – arquitectura, pintura, escultura , artes aplicadas, artes gráficas, dança e bailado – comungando o princípio da unidade das artes que Morris tinha anunciado.
Um dos méritos da arquitectura modernista da Arte Nova é o de ter conseguido romper com as tradições historicistas e eclécticas da arquitectura académica para implantar, finalmente, o primeiro estilo verdadeiramente inovador do séc. XIX, conseguindo conjugar na perfeição as conquistas técnicas e construtivas da engenharia do seu tempo com as elevadas exigências formais e estéticas dos arquitectos.
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Milà, 1905-1907.  ART NOUVEAU Antonio Gaudi (1852-1926) foi um dos mais originais e criativos arquitectos do Modernismo europeu. Do seu estilo muito pessoal, onde predominam as influências locais de raiz gótica e mudéjar, ressalta a organicidade das plantas e das construções, a modelação dinâmica dos volumes, o naturalismo e pitoresco das formas ornamentais.
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Battlo, 1905-1907.  ART NOUVEAU Gaudi combinava de forma original o betão, o ferro, o vidro e as madeiras com o tijolo, as cerâmicas e azulejos multicores. Imaginativos, excêntricos, sugestivos e evocadores, os seus edifícios assemelhavam-se a gigantescas esculturas de enorme poder expressivo.
Antonio Gaudí  Antonio Gaudí,   Casa Battlò, 1905-1907.  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   La Sagrada Familia 1882-2026.  ART NOUVEAU Foi apelidado de arquitecto-escultor e arquitecto- poeta. A Categral da Sagrada Família foi a construção a que dedicou toda a sua via e que deixou incompleta.
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907  ART NOUVEAU
Antonio Gaudí,   Parque Guel - pormenor
Na Áustria, o modernismo nasce a partir de Otto Wagner e Adolf Loo, protagonistas da corrente renovadora que contaminou a arquitectura europeia. Na pintura foi Gustave Klimt (1862-1918) que, conjugando figuras realistas com fundos decorativos, elaborou uma plástica de referências líricas, tão singular quanto misteriosa. Gustav Klimt  Gustav Klimt,   Adele Bloch Bauer,  ART NOUVEAU
Gustav Klimt,   O Beijo, 1907-1908.  ART NOUVEAU Gustav Klimt,   O Abraço, ART NOUVEAU
Gustav Klimt,   A Árvore da Vida.  ART NOUVEAU Gustav Klimt,   A Morte e a Vida, ART NOUVEAU

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoCarla Freitas
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Ana Barreiros
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinemaTekas1967
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalAna Barreiros
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaCarlos Pinheiro
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
DadaísmoCEF16
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroCarlos Pinheiro
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxAna Barreiros
 
Hiper realismo (1)
Hiper realismo (1)Hiper realismo (1)
Hiper realismo (1)isabella18
 

Mais procurados (20)

As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Arts and Crafts
Arts and CraftsArts and Crafts
Arts and Crafts
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Hiper realismo (1)
Hiper realismo (1)Hiper realismo (1)
Hiper realismo (1)
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 

Semelhante a Arts & Crafts e Arte Nova

Art nouveau estilo
Art nouveau   estiloArt nouveau   estilo
Art nouveau estiloEmanuel000
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveauLaguat
 
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arts and crafts e a arte nova
Arts and crafts  e a arte novaArts and crafts  e a arte nova
Arts and crafts e a arte novaAna Barrelas
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveauLaguat
 
Arte nouveau
Arte nouveauArte nouveau
Arte nouveauLaguat
 
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art deco
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art decoAula 7 arts&crafts + art nouveau + art deco
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art decoLeonardo Borges
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX becresforte
 
Revista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataRevista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataLidiane Gleyce
 
Concretismo e neoconcretismo slides
Concretismo e neoconcretismo slidesConcretismo e neoconcretismo slides
Concretismo e neoconcretismo slideswddan
 
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Vinicius Longo
 

Semelhante a Arts & Crafts e Arte Nova (20)

Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdfAula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
Aula 3_Art Nouveau e Art Decó.pdf
 
113729190 design-de-interiores
113729190 design-de-interiores113729190 design-de-interiores
113729190 design-de-interiores
 
Art nouveau estilo
Art nouveau   estiloArt nouveau   estilo
Art nouveau estilo
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
Art Noveau, Simbolismo ,Les Nabis, Fauvismo 2019
 
Arts and crafts e a arte nova
Arts and crafts  e a arte novaArts and crafts  e a arte nova
Arts and crafts e a arte nova
 
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Arte nouveau
Arte nouveauArte nouveau
Arte nouveau
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art deco
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art decoAula 7 arts&crafts + art nouveau + art deco
Aula 7 arts&crafts + art nouveau + art deco
 
ArtNouveau
ArtNouveauArtNouveau
ArtNouveau
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
 
02 art nouveau
02 art nouveau02 art nouveau
02 art nouveau
 
Revista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataRevista Ideia Abstrata
Revista Ideia Abstrata
 
Concretismo e neoconcretismo slides
Concretismo e neoconcretismo slidesConcretismo e neoconcretismo slides
Concretismo e neoconcretismo slides
 
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
Álbum de Figurinhas - Os Primórdios da Teoria do Design
 

Mais de Michele Pó

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreMichele Pó
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresMichele Pó
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraMichele Pó
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioMichele Pó
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoMichele Pó
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroMichele Pó
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana NascimentoMichele Pó
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaMichele Pó
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMichele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinMichele Pó
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaMichele Pó
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Michele Pó
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaMichele Pó
 

Mais de Michele Pó (20)

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 

Último

A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 

Último (20)

A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 

Arts & Crafts e Arte Nova

  • 1. Movimento Arts & Crafts William Morris, “Artichoke Wallpaper”, c1897. Na segunda metade do séc. XX, o processo de fabrico industrial invadiu todos os sectores de produção, nomeadamente os dos objectos utilitários que podiam, simultaneamente ser portadores de intenções decorativas e artísticas – as Artes Aplicadas. Fabricados massivamente e em série, estes objectos primavam pelo exagerado ornamentalismo, pela vulgaridade da forma e pela falta de originalidade e de gosto.
  • 2. Movimento Arts & Crafts Tais factos não passaram despercebidos a alguns teóricos ingleses da época, como Jonh Ruskin (1819-1900) e William Morris (1834-1896). Foram eles os mentores e dinamizadores do movimento Arts & Crafts , que rejeitava a influência da industrialização na Arte, procurando a sua revalorização pela separação total entre a arte e a indústria e pela ligação instrínseca entre a criação artística de uma obra e a sua execução técnica.
  • 3. Movimento Arts & Crafts Ruskin e Morris lutaram por uma arte pura, assente na criação e na concepção individual, na originalidade e no bom gosto, cujos princípios se deviam aplicar a todas as modalidades artísticas, sem distinção alguma - conceito de unidade das artes – que tende a apagar as diferenças tradicionais entre as várias modalidades artísticas (artes maiores e artes menores), considerando que todas são merecedoras de igual qualidade plástica, e que devem nortear-se pelos mesmos princípios formais e estéticos.
  • 4. Movimento Arts & Crafts Para isso a arte e os artistas deviam rejeitar os processos industriais e os seus materiais, regressando ao processo criativo das corporações medievais, ao uso exclusivo de materiais naturais e ao fabrico de peças únicas e originais, pelo método artesanal. Propuseram como fonte de inspiração o foclore e as tradições populares de cada país.
  • 5.
  • 6. Movimento Arts & Crafts Estava assim lançado o Movimento Arts & Crafts , que deu origem a inúmeros outros ateliers artesanais por toda a Inglaterra. Foi sob a influência destas oficinas que germinaram as raízes da Arte Nova e do Design .
  • 7. Na arquitectura notabilizaram-se a construção de moradias familiares rústicas que seguiam a tradição rural inglesa, que remontava à Idade Média. The Gamble House, Pasadena, CA, 1908. Arts & Crafts Movement
  • 8.  
  • 9.  
  • 10. Victor Horta, Hotel Tassel , 1890s.
  • 11. Hotel Tassel (Victor Horta) – 1 st Art Nouveau Building in the World
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16. Nas Artes Aplicadas privilegiaram-se critérios de simplicidade e pureza formais, associados a motivos decorativos inspirados nas plantas, nos pássaros e noutros animais, organizados em densos e complexos padrões de desenho plano e linear.
  • 17. Entre 1880 e 1910, as sociedades europeias viveram um momento particularmente feliz que a História apelidou de Belle Époque. À paz e à aparente estabilidade política deste fim de século somavam-se as conquistas e os progresso científico, técnico e económico, criando um clima de optimismo e confiança no futuro, que proporcionou extraordinárias inovações no campo da Arte.
  • 18. Foi este clima que instalou o Modernismo – um Movimento cultural e artístico que atingiu todas as artes e que ficou marcado pela ruptura com a tradição na procura de novas expressões – formais, técnicas e estéticas – que melhor correspondessem ao progresso e aos novos gostos que as sociedades ocidentais haviam desenvolvido – privilegiando a sensibilidade e a fantasia, o refinamento estético e a imaginação, numa acentuação pelo decorativo e pitoresco. Alphonse Mucha
  • 19.
  • 20.  
  • 21. Estes princípios eram: 1º Inovação Formal – Originalidade e Criatividade 2º Adesão ao progresso – recurso às novas técnicas e novos materiais (ladrilho cozido, ferro, vidro, betão e outros) 3º Adopção de uma nova estética – linha sinuosa, elástica e flexível, estilizada ou geometrizada, na procura do movimento, do ritmo, da expressão e do simbolismo poético, de intuito decorativo.
  • 22.
  • 23.  
  • 24. O Nome de 'Art Nouveau' derivou do nome de uma loja parisiense, a Maison de l'Art Nouveau , que vendia e e tinha em exposição objectos que seguiam esta abordagem do design. Louis Comfort Tiffany, Glass Vase , c1910.
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31. Transformada na mais genuína expressão da sua época, a Arte Nova exprimiu a modernidade numa fórmula onde estética e técnica, tradição e inovação se misturavam em doses iguais.
  • 32. Implantou-se solidamente nos centros urbanos como símbolo do seu modo de vida, e nas zonas mais atingidas pelo desenvolvimento industrial, comercial e capitalista do seu tempo. Aplicou-se a sua estética a todas as modalidades artísticas – arquitectura, pintura, escultura , artes aplicadas, artes gráficas, dança e bailado – comungando o princípio da unidade das artes que Morris tinha anunciado.
  • 33. Um dos méritos da arquitectura modernista da Arte Nova é o de ter conseguido romper com as tradições historicistas e eclécticas da arquitectura académica para implantar, finalmente, o primeiro estilo verdadeiramente inovador do séc. XIX, conseguindo conjugar na perfeição as conquistas técnicas e construtivas da engenharia do seu tempo com as elevadas exigências formais e estéticas dos arquitectos.
  • 34. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Milà, 1905-1907. ART NOUVEAU Antonio Gaudi (1852-1926) foi um dos mais originais e criativos arquitectos do Modernismo europeu. Do seu estilo muito pessoal, onde predominam as influências locais de raiz gótica e mudéjar, ressalta a organicidade das plantas e das construções, a modelação dinâmica dos volumes, o naturalismo e pitoresco das formas ornamentais.
  • 35. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Battlo, 1905-1907. ART NOUVEAU Gaudi combinava de forma original o betão, o ferro, o vidro e as madeiras com o tijolo, as cerâmicas e azulejos multicores. Imaginativos, excêntricos, sugestivos e evocadores, os seus edifícios assemelhavam-se a gigantescas esculturas de enorme poder expressivo.
  • 36. Antonio Gaudí Antonio Gaudí, Casa Battlò, 1905-1907. ART NOUVEAU
  • 37. Antonio Gaudí, La Sagrada Familia 1882-2026. ART NOUVEAU Foi apelidado de arquitecto-escultor e arquitecto- poeta. A Categral da Sagrada Família foi a construção a que dedicou toda a sua via e que deixou incompleta.
  • 38. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  • 39. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  • 40. Antonio Gaudí, Parque Guel Barcelona, Spain 1905-1907 ART NOUVEAU
  • 41. Antonio Gaudí, Parque Guel - pormenor
  • 42. Na Áustria, o modernismo nasce a partir de Otto Wagner e Adolf Loo, protagonistas da corrente renovadora que contaminou a arquitectura europeia. Na pintura foi Gustave Klimt (1862-1918) que, conjugando figuras realistas com fundos decorativos, elaborou uma plástica de referências líricas, tão singular quanto misteriosa. Gustav Klimt Gustav Klimt, Adele Bloch Bauer, ART NOUVEAU
  • 43. Gustav Klimt, O Beijo, 1907-1908. ART NOUVEAU Gustav Klimt, O Abraço, ART NOUVEAU
  • 44. Gustav Klimt, A Árvore da Vida. ART NOUVEAU Gustav Klimt, A Morte e a Vida, ART NOUVEAU