SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Arquitectura do Ferro
A Revolução Industrial foi um factor muito importante para o desenvolvimento da Arquitectura do Ferro no XIX  O desenvolvimento da indústria metalúrgica, têxtil, a máquina a vapor e as novas fontes de energia (electricidade e petróleo) caracterizam este crescente progresso que teve consequências a nível económico, tecnológico e sócio-cultural  Arquitectura do Ferro fundição belga
Produção do Ferro 1720  – Obtenção de ferro por fundição com coque e início da produção de ferro de primeira fusão em grandes massas. 1784  – Aperfeiçoamento dos fornos para converter ferro de primeira fusão em ferro forjável. 1864  – Introdução do forno Siemens-Martin para produção de aço. Conformação do ferro Meados do Séc.XVIII  – Laminação de chapas de ferro. 1830  – Laminação dos primeiros trilhos de trem. 1854  – Laminação dos primeiros perfis I sendo feita a primeira normalização de um material utilizado na construção civil. Arquitectura do Ferro
Utilização do ferro  – Cronologia 1779  – Primeira obra importante de ferro, ponte sobre o Severn em Coalbrookdale, na Inglaterra, projetada por Abraham Darby com vão de 30m. Começo do Séc.XIX  – Utilização de cabos em pontes. 1801  – Primeiro edifício industrial em ferro em Manchester. 1850  – Alcançou-se 300m de vão com ponte a cabo. 1851  – Início da utilização do ferro em grandes coberturas (naves); Palácio de Cristal em Londres,projetado por Joseph Paxton. 1852  – Estações ferroviárias de Paddington (Londres). 1853  – Mercado Central do Halles (Paris). Arquitectura do Ferro
Utilização do ferro - Cronologia 1855  – Primeira ponte de grande vão com vigas. 1862  – Estações ferroviárias do Norte (Paris) 1866  – Construção de uma cobertura em Londres com 78m de vão. 1868 a 1874  – Ponte em aço sobre o Rio Mississipi em St. Louis, projectada por Eads, com 3 arcos treliçados, tendo o maior deles 159m de vão. 1879  – Edifício Leiter I, construído pela “Escola de Chicago”. 1883  – Ponte de Brooklyn (New York), pensil com 487m de vão. 1890  – Ponte sobre o “Firth of Forth” (Escócia) em balanço duplo treliçado, com vão central de 521m. Arquitectura do Ferro
Os engenheiros eram portadores de maior preparação científico-técnica Foram eles que inovaram ao criarem novas infra-estruturas para produção e transportes: fábricas, armazéns, gares de caminho-de-ferro , mercados, pontes, pavilhões… Aproveitaram os novos equipamentos  e os novos materiais (tijolo cozido, ferro, vidro, aço, cimento armado e o betão) Arquitectura do Ferro Mercado Central, Paris,  1854-1857
Arquitectura do Ferro Biblioteca Nacional de Paris (salão de Leitura) com a sua cobertura metálica decorada com placas de cerâmica  esmaltadas e vidro A visão pragmática e funcionalista permitiu facilidade e rapidez de construção, espaços amplos e luminosidade aliada à estética do ferro e do vidro.
[object Object],[object Object],Arquitectura do Ferro Gustave Eiffel
Projectada por Gustave Eiffel em 1889; Foi relevante para a divulgação do uso do metal em construções. Edifício mais alto do mundo, com altura projectada em 300 metros. Foram feitos 5.300 desenhos, detalhando as 18.038 peças que compõe a torre.  O monumento foi construído para expor temporariamente a Feira Mundial, realizada naquele ano na capital francesa. Quase foi destruída em 1909 e só foi salva por ter sido descoberto o seu uso para transmissão de sinais de rádio.  Desde então, tornou-se um dos monumentos mais famosos do mundo.  Arquitectura do Ferro Torre Eiffel
Estátua da Liberdade Arquitectura do Ferro
Projectado por Joseph Paxton em 1851; o Arquitecto do Projecto foi o Inglês Thomas Dillen,  1861   Superfície coberta - equivalente a 3.300 colunas e 2.224 vigas de ferro que seriam vedadas com 300 mil placas de vidro); o Palácio de Cristal é formado por uma estrutura metálica e placas de vidro francês.  O Palácio de cristal de Londres é um dos exemplos de como a Revolução Industrial influenciou os estilos arquitectónicos. Foi destruído num incêndio, em 1936.  Palácio de Cristal, Londres Arquitectura do Ferro
Palácio de Cristal, 1851 - Exposição Universal de Londres Arquitectura do Ferro
Considerada a oitava maravilha do mundo quando foi terminada em 1883, a ponte é uma obra prima da engenharia, com os seus cabos de suspensão e uma bela vista de Nova Iorque, liga Manhattan ao Brooklin, passando sobre o East River. Ponte de Brooklin Arquitectura do Ferro
Este nova aplicação do ferro, foi no século XIX,  muito utilizada em Portugal. Entre os monumentos construídos nesta época já utilizando o ferro, encontram-se  as pontes sobre o Douro. O Porto é, na Europa, a cidade que mais cedo utiliza a arquitectura do ferro.  Arquitectura do Ferro em Portugal Ponte D. Maria Pia, Porto, 1876-1877 A ponte de D. Maria Pia foi uma obra construída “no limite das possibilidades clássicas da construção metálica ".  A construção da Ponte iniciou-se em Janeiro de 1876, concluindo-se em Outubro de 1877. Foram necessários 150 operários e utilizaram-se 1.600.000 quilos de ferro. Com as dimensões exigidas pela largura do rio e das escarpas envolventes, foi considerado o maior vão construído até essa data, aplicando métodos  revolucionários para a época.
Arquitectura do Ferro em Portugal
A Ponte D. Luís liga o Porto a Vila Nova de Gaia. Esta ponte rodoviária faz parte da designada arquitectura em ferro, que tem vários testemunhos na cidade do Porto, tendo sido classificada como Imóvel de Interesse Público em 1982. A ponte foi construída por um discípulo de Eiffel, o engenheiro Teófilo Seyrig. Tem dois tabuleiros metálicos sustentados por um grande arco de ferro e cinco pilares. O tabuleiro superior mede 392 metros de comprimento e 5 metros de largura, enquanto o inferior tem 174 metros de comprimento e 5 de largura. Arquitectura do Ferro em Portugal Ponte D. Luis, Porto
A estação de caminhos de ferro do Rossio é outra construção em ferro construída por José Luís Monteiro. Esta construção está enquadrada nos princípios da arquitectura do ferro, colocando-a ao nível das estações europeias da época. Arquitectura do Ferro em Portugal Estação Caminhos Ferro Rossio, Lisboa
O Elevador de Santa Justa é uma obra de arte concebida por um aprendiz de Gustave Eiffel e liga a Baixa ao Bairro Alto.  Abriu em 1902, altura em que funcionava a vapor, e em 1907 começou a trabalhar a energia eléctrica, sendo o único elevador vertical em Lisboa a prestar um serviço público. Feito inteiramente de ferro fundido e enriquecido com trabalhos em filigrana, o elevador dentro da torre sobe 45 metros e leva 45 pessoas em cada cabine (existem duas). Elevador de Santa Justa, Raoul Mesnier du Pousard, 1900-1901, Lisboa Arquitectura do Ferro em Portugal
O Palácio de cristal do Porto foi construído por Thomas Dillen Jones, em ferro e vidro com a finalidade da exposição Industrial Internacional do Porto e da Península em 1865. Palácio de Cristal, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal
A arquitectura do ferro no Porto, tem no Mercado Ferreira Borges um dos seus exemplares mais interessantes. A Câmara mandou construir este mercado na cerca do antigo convento de S. Domingos (1885-88), que substituiu o velho Mercado da Ribeira. A sua construção foi arrematada pela Companhia Aliança, pertencendo o projecto ao arquitecto João Carlos Machado e tendo sido executada pela Fundição de Massarelos. Mercado Ferreira Borges, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal
Foi edificada no princípio do século XX, no Porto, no preciso local onde existiu o Convento de S. Bento de Avé-Maria. Daí o nome com que a estação foi baptizada. O átrio está revestido com vinte mil azulejos historiados, do pintor Jorge Colaço (1864-1942). É um dos mais notáveis empreendimentos artísticos que marcou o início do século. O edifício é do arquitecto Marques da Silva. Estação de São Bento, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palácio de Versalhes
Palácio de VersalhesPalácio de Versalhes
Palácio de Versalheshcaslides
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroJorge Almeida
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londreshcaslides
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoAna Barreiros
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Penahcaslides
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Carlos Vieira
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafraancate
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barrocacattonia
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoHca Faro
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalPedro Silva
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixAna Barreiros
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Sílvia Tavares
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Palácio de Versalhes
Palácio de VersalhesPalácio de Versalhes
Palácio de Versalhes
 
Convento de mafra 11º ano
Convento de mafra 11º anoConvento de mafra 11º ano
Convento de mafra 11º ano
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Palácio da Pena
Palácio da PenaPalácio da Pena
Palácio da Pena
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Real Edificio De Mafra
Real Edificio De MafraReal Edificio De Mafra
Real Edificio De Mafra
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
A arte barroca em portugal
A arte barroca em portugalA arte barroca em portugal
A arte barroca em portugal
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Arte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xixArte em Portugal finais seculo xix
Arte em Portugal finais seculo xix
 
Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal Romantismo - Pintura em Portugal
Romantismo - Pintura em Portugal
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 

Destaque

A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferrobecresforte
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ana Barreiros
 
Palacio de cristal
Palacio de cristalPalacio de cristal
Palacio de cristalIES EL PINAR
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixLaura Pinheiro
 
Palacio de cristal del retiro de Madrid
Palacio de cristal del retiro de MadridPalacio de cristal del retiro de Madrid
Palacio de cristal del retiro de MadridRobin Hood
 
Palacio de cristal
Palacio de cristalPalacio de cristal
Palacio de cristalsaradiver
 
Modelos culturais do sec.XIX
Modelos culturais do sec.XIXModelos culturais do sec.XIX
Modelos culturais do sec.XIXtomasribeiro08
 
Gustave Eiffel
Gustave EiffelGustave Eiffel
Gustave Eiffelhcaslides
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013Péricles Penuel
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesJoão Couto
 
Torre eiffel
Torre eiffelTorre eiffel
Torre eiffelzeopas
 

Destaque (20)

A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
A arquetetura do ferro
A arquetetura do ferroA arquetetura do ferro
A arquetetura do ferro
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Arte Nova
Arte NovaArte Nova
Arte Nova
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Palacio de cristal
Palacio de cristalPalacio de cristal
Palacio de cristal
 
Cultura da Gare
Cultura da Gare Cultura da Gare
Cultura da Gare
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Portugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xixPortugal na segunda metade do século xix
Portugal na segunda metade do século xix
 
Ferro e ouro
Ferro e ouroFerro e ouro
Ferro e ouro
 
Palacio de cristal del retiro de Madrid
Palacio de cristal del retiro de MadridPalacio de cristal del retiro de Madrid
Palacio de cristal del retiro de Madrid
 
Palacio de cristal
Palacio de cristalPalacio de cristal
Palacio de cristal
 
Modelos culturais do sec.XIX
Modelos culturais do sec.XIXModelos culturais do sec.XIX
Modelos culturais do sec.XIX
 
Gustave Eiffel
Gustave EiffelGustave Eiffel
Gustave Eiffel
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
Escola de chicago
Escola de chicagoEscola de chicago
Escola de chicago
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
 
Torre eiffel
Torre eiffelTorre eiffel
Torre eiffel
 

Semelhante a Arquitetura do Ferro Revolução

Semelhante a Arquitetura do Ferro Revolução (20)

Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxCaderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
 
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
 
05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas
 
Pontes do Porto
Pontes do PortoPontes do Porto
Pontes do Porto
 
Pontes do porto
Pontes do portoPontes do porto
Pontes do porto
 
R.i.
R.i.R.i.
R.i.
 
008 pontes do porto
008 pontes do porto008 pontes do porto
008 pontes do porto
 
Levantamento de edificios em ferro em portugal
Levantamento de edificios em ferro em portugalLevantamento de edificios em ferro em portugal
Levantamento de edificios em ferro em portugal
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Engenheiros Rg
Engenheiros RgEngenheiros Rg
Engenheiros Rg
 
Ponte D. Luiz
Ponte D. LuizPonte D. Luiz
Ponte D. Luiz
 
Ponte D. Luiz
Ponte D. LuizPonte D. Luiz
Ponte D. Luiz
 
Ponte d. luiz
Ponte d. luizPonte d. luiz
Ponte d. luiz
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
Ponte d. luiz
Ponte d. luizPonte d. luiz
Ponte d. luiz
 
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Mais de Michele Pó

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreMichele Pó
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresMichele Pó
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraMichele Pó
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioMichele Pó
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoMichele Pó
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroMichele Pó
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana NascimentoMichele Pó
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaMichele Pó
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMichele Pó
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinMichele Pó
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaMichele Pó
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaMichele Pó
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Michele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoMichele Pó
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Michele Pó
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaMichele Pó
 

Mais de Michele Pó (20)

Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica SilvestreSapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
Sapta Dhatus - Os Sete Tecidos no Ayurveda por Verónica Silvestre
 
Kaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia PiresKaumara bhritya por Tânia Pires
Kaumara bhritya por Tânia Pires
 
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro SequeiraVaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
Vaji karana - Medicina Reprodutiva no Ayurveda por Pedro Sequeira
 
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do RioSaúde da mulher por Maria Brito do Rio
Saúde da mulher por Maria Brito do Rio
 
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria AfonsoOs gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
Os gunas e a mente no Ayurveda por Maria Afonso
 
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena CaeiroNadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
Nadi Pariksha - Pulsologia no Ayurveda por Madalena Caeiro
 
Salakya Tantra por Joana Nascimento
Salakya Tantra por   Joana NascimentoSalakya Tantra por   Joana Nascimento
Salakya Tantra por Joana Nascimento
 
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca RebelaBhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
Bhuta vidya - Psiquiatria na medicina ayurvédica por Francisca Rebela
 
Medicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa FalcãoMedicina Interna por Filipa Falcão
Medicina Interna por Filipa Falcão
 
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela MassochinRasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
Rasayana - Longevidade e Revitalização Terapêutica por Elisângela Massochin
 
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio LampreiaToxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
Toxicologia ayurvédica por Élio Lampreia
 
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana CarvalhoOléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
Oléos Medicados no Ayurveda por Ana Carvalho
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta LongaPrincípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos da Pimenta Longa
 
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
Princípios Activos e Terapêuticos Ayurvédicos do Cravinho Eugenia caryophylus...
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum lPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Trigonella foenum graecum l
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Ferula Assafoetida
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos CominhosPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos dos Cominhos
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do CardamomoPrincípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos do Cardamomo
 
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
Princípios Activos e Fitoterápicos Ayurvédicos da Canela
 
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptistaKayachikitsa ayurveda andreia baptista
Kayachikitsa ayurveda andreia baptista
 

Último

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 

Último (20)

geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 

Arquitetura do Ferro Revolução

  • 2. A Revolução Industrial foi um factor muito importante para o desenvolvimento da Arquitectura do Ferro no XIX O desenvolvimento da indústria metalúrgica, têxtil, a máquina a vapor e as novas fontes de energia (electricidade e petróleo) caracterizam este crescente progresso que teve consequências a nível económico, tecnológico e sócio-cultural Arquitectura do Ferro fundição belga
  • 3. Produção do Ferro 1720  – Obtenção de ferro por fundição com coque e início da produção de ferro de primeira fusão em grandes massas. 1784  – Aperfeiçoamento dos fornos para converter ferro de primeira fusão em ferro forjável. 1864  – Introdução do forno Siemens-Martin para produção de aço. Conformação do ferro Meados do Séc.XVIII  – Laminação de chapas de ferro. 1830  – Laminação dos primeiros trilhos de trem. 1854  – Laminação dos primeiros perfis I sendo feita a primeira normalização de um material utilizado na construção civil. Arquitectura do Ferro
  • 4. Utilização do ferro – Cronologia 1779  – Primeira obra importante de ferro, ponte sobre o Severn em Coalbrookdale, na Inglaterra, projetada por Abraham Darby com vão de 30m. Começo do Séc.XIX  – Utilização de cabos em pontes. 1801  – Primeiro edifício industrial em ferro em Manchester. 1850  – Alcançou-se 300m de vão com ponte a cabo. 1851  – Início da utilização do ferro em grandes coberturas (naves); Palácio de Cristal em Londres,projetado por Joseph Paxton. 1852  – Estações ferroviárias de Paddington (Londres). 1853  – Mercado Central do Halles (Paris). Arquitectura do Ferro
  • 5. Utilização do ferro - Cronologia 1855  – Primeira ponte de grande vão com vigas. 1862  – Estações ferroviárias do Norte (Paris) 1866  – Construção de uma cobertura em Londres com 78m de vão. 1868 a 1874  – Ponte em aço sobre o Rio Mississipi em St. Louis, projectada por Eads, com 3 arcos treliçados, tendo o maior deles 159m de vão. 1879  – Edifício Leiter I, construído pela “Escola de Chicago”. 1883  – Ponte de Brooklyn (New York), pensil com 487m de vão. 1890  – Ponte sobre o “Firth of Forth” (Escócia) em balanço duplo treliçado, com vão central de 521m. Arquitectura do Ferro
  • 6. Os engenheiros eram portadores de maior preparação científico-técnica Foram eles que inovaram ao criarem novas infra-estruturas para produção e transportes: fábricas, armazéns, gares de caminho-de-ferro , mercados, pontes, pavilhões… Aproveitaram os novos equipamentos e os novos materiais (tijolo cozido, ferro, vidro, aço, cimento armado e o betão) Arquitectura do Ferro Mercado Central, Paris, 1854-1857
  • 7. Arquitectura do Ferro Biblioteca Nacional de Paris (salão de Leitura) com a sua cobertura metálica decorada com placas de cerâmica esmaltadas e vidro A visão pragmática e funcionalista permitiu facilidade e rapidez de construção, espaços amplos e luminosidade aliada à estética do ferro e do vidro.
  • 8.
  • 9. Projectada por Gustave Eiffel em 1889; Foi relevante para a divulgação do uso do metal em construções. Edifício mais alto do mundo, com altura projectada em 300 metros. Foram feitos 5.300 desenhos, detalhando as 18.038 peças que compõe a torre. O monumento foi construído para expor temporariamente a Feira Mundial, realizada naquele ano na capital francesa. Quase foi destruída em 1909 e só foi salva por ter sido descoberto o seu uso para transmissão de sinais de rádio. Desde então, tornou-se um dos monumentos mais famosos do mundo.  Arquitectura do Ferro Torre Eiffel
  • 10. Estátua da Liberdade Arquitectura do Ferro
  • 11. Projectado por Joseph Paxton em 1851; o Arquitecto do Projecto foi o Inglês Thomas Dillen, 1861 Superfície coberta - equivalente a 3.300 colunas e 2.224 vigas de ferro que seriam vedadas com 300 mil placas de vidro); o Palácio de Cristal é formado por uma estrutura metálica e placas de vidro francês. O Palácio de cristal de Londres é um dos exemplos de como a Revolução Industrial influenciou os estilos arquitectónicos. Foi destruído num incêndio, em 1936.  Palácio de Cristal, Londres Arquitectura do Ferro
  • 12. Palácio de Cristal, 1851 - Exposição Universal de Londres Arquitectura do Ferro
  • 13. Considerada a oitava maravilha do mundo quando foi terminada em 1883, a ponte é uma obra prima da engenharia, com os seus cabos de suspensão e uma bela vista de Nova Iorque, liga Manhattan ao Brooklin, passando sobre o East River. Ponte de Brooklin Arquitectura do Ferro
  • 14. Este nova aplicação do ferro, foi no século XIX, muito utilizada em Portugal. Entre os monumentos construídos nesta época já utilizando o ferro, encontram-se as pontes sobre o Douro. O Porto é, na Europa, a cidade que mais cedo utiliza a arquitectura do ferro. Arquitectura do Ferro em Portugal Ponte D. Maria Pia, Porto, 1876-1877 A ponte de D. Maria Pia foi uma obra construída “no limite das possibilidades clássicas da construção metálica ". A construção da Ponte iniciou-se em Janeiro de 1876, concluindo-se em Outubro de 1877. Foram necessários 150 operários e utilizaram-se 1.600.000 quilos de ferro. Com as dimensões exigidas pela largura do rio e das escarpas envolventes, foi considerado o maior vão construído até essa data, aplicando métodos revolucionários para a época.
  • 15. Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 16. A Ponte D. Luís liga o Porto a Vila Nova de Gaia. Esta ponte rodoviária faz parte da designada arquitectura em ferro, que tem vários testemunhos na cidade do Porto, tendo sido classificada como Imóvel de Interesse Público em 1982. A ponte foi construída por um discípulo de Eiffel, o engenheiro Teófilo Seyrig. Tem dois tabuleiros metálicos sustentados por um grande arco de ferro e cinco pilares. O tabuleiro superior mede 392 metros de comprimento e 5 metros de largura, enquanto o inferior tem 174 metros de comprimento e 5 de largura. Arquitectura do Ferro em Portugal Ponte D. Luis, Porto
  • 17. A estação de caminhos de ferro do Rossio é outra construção em ferro construída por José Luís Monteiro. Esta construção está enquadrada nos princípios da arquitectura do ferro, colocando-a ao nível das estações europeias da época. Arquitectura do Ferro em Portugal Estação Caminhos Ferro Rossio, Lisboa
  • 18. O Elevador de Santa Justa é uma obra de arte concebida por um aprendiz de Gustave Eiffel e liga a Baixa ao Bairro Alto. Abriu em 1902, altura em que funcionava a vapor, e em 1907 começou a trabalhar a energia eléctrica, sendo o único elevador vertical em Lisboa a prestar um serviço público. Feito inteiramente de ferro fundido e enriquecido com trabalhos em filigrana, o elevador dentro da torre sobe 45 metros e leva 45 pessoas em cada cabine (existem duas). Elevador de Santa Justa, Raoul Mesnier du Pousard, 1900-1901, Lisboa Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 19. O Palácio de cristal do Porto foi construído por Thomas Dillen Jones, em ferro e vidro com a finalidade da exposição Industrial Internacional do Porto e da Península em 1865. Palácio de Cristal, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 20. A arquitectura do ferro no Porto, tem no Mercado Ferreira Borges um dos seus exemplares mais interessantes. A Câmara mandou construir este mercado na cerca do antigo convento de S. Domingos (1885-88), que substituiu o velho Mercado da Ribeira. A sua construção foi arrematada pela Companhia Aliança, pertencendo o projecto ao arquitecto João Carlos Machado e tendo sido executada pela Fundição de Massarelos. Mercado Ferreira Borges, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal
  • 21. Foi edificada no princípio do século XX, no Porto, no preciso local onde existiu o Convento de S. Bento de Avé-Maria. Daí o nome com que a estação foi baptizada. O átrio está revestido com vinte mil azulejos historiados, do pintor Jorge Colaço (1864-1942). É um dos mais notáveis empreendimentos artísticos que marcou o início do século. O edifício é do arquitecto Marques da Silva. Estação de São Bento, Porto Arquitectura do Ferro em Portugal